segunda-feira, 30 de janeiro de 2023

óleo de coco no café - Existe algum sentido nessa estratégia ?

A resposta é: NÃO! Sinceramente nunca entendi os porquês de se adicionar o óleo de coco no nosso querido café, já que o sabor fica péssimo (segundo meu paladar). A bebida fica com densidade calórica aumentada e, na prática, não há justificativas fisiológicas de benefícios dessa mistura.

As promessas de se misturar o óleo de coco no café são dezenas, assim como as justificativas nada plausíveis.

Por exemplo, afirmam que o café com óleo de coco acelera o processo de emagrecimento pela presença dos triglicerídeos de cadeia média (TCM). E isso é um grande MITO! Como que adicionar calorias em uma bebida que possui zero calorias poderia acelerar esse processo complexo? A perda de peso é obrigatoriamente dependente de um déficit calórico, logo, aumentar seu consumo de calorias vai piorar seus resultados em médio/longo prazo.

Já ouvi dizer, também, que o TCM do óleo de coco é uma SUPER fonte de energia por ter uma absorção facilitada e por ser metabolizado rapidamente no fígado e músculos. E esse é outro MITO, já que a maior parte de TCM do óleo de coco é de ácidos graxos láurico/dodecanoico, o qual possui cerca de 12 átomos de carbono.

Então, mesmo sendo classificado na trave como TCM, por apresentar 12 átomos de carbono, sua absorção/transporte não é facilitada e acaba sendo semelhante aos ácidos graxos de cadeia longa. Ou seja, é classificado como TCM, mas com absorção/metabolização semelhante aos ácidos graxos de cadeia longa (TCL).

Tem também a afirmação de que se trata de uma gordura natural, saudável e com efeitos super protetores da saúde cardiovascular. Mas essas afirmações são totalmente incorretas e, inclusive, há estudos mostrando que outros óleos vegetais (azeite, canola, milho, soja) trazem respostas bem melhores relacionadas ao perfil lipídico. Além disso, mais de 80% das gorduras presentes no óleo de coco são saturadas (isso mesmo, não digitei errado), sendo que metade delas é o ácido láurico que citei acima e o restante advindo de outras saturadas como os ácidos graxos mirístico e palmítico, que sabidamente estão associados ao aumento das lipoproteínas de baixa densidade (LDL "colesterol ruim"). 

Ou seja, em uma população como a nossa que já consome tantas calorias diariamente, tem uma dieta ocidentalizada riquíssima em gorduras saturadas, qual o sentido em adicionar ainda mais calorias e gorduras no tão querido café?

E eu não estou dizendo aqui nesse texto que o óleo de coco deve ser eliminado da sua vida ou descartado, mas sim que NÃO faz nenhum sentido em adicioná-lo no seu café... A não ser, é claro, que você goste muito do sabor e que isso seja considerado dentro do seu contexto alimentar e orientado pelo seu nutricionista, contabilizando esse excedente de gorduras saturadas de forma que não te traga prejuízos. E outra coisa, você pode até ouvir por ai que a gordura saturada NÃO traz risco para a saúde cardiovascular e que isso é uma invenção da indústria farmacêutica...

Mas saiba que isso é uma grande mentira. Trabalhos de inúmeras instituições e pesquisadores diferentes já demonstram que níveis aumentados de LDL está associado a um maior risco de mortalidade cardiovascular e, ainda, vários trabalhos observacionais demonstram que pessoas com o LDL dentro das faixas consideradas normais apresentam menores riscos desses mesmos eventos.

Portanto, caso você queira mais benefícios em todos os aspectos que citei acima, aposte no uso do café puro sem açúcar mesmo! E se quer performance no treino, converse com seu nutricionista para ajustar o seu consumo de carboidratos no pré-treino e a dose ideal de café/cafeína.

Autor: Rodrigo Lamonier - Nutricionista e Profissional da Educação física
Revisores
Dr, Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM 13192 - RQE 11915
Márcio José de Souza - Profissional de Educação física e Graduando em Nutrição. 

domingo, 29 de janeiro de 2023

Margarina ou manteiga qual o mais saudável?


Esse é um daqueles temas polêmicos e que dão um verdadeiro nó na cabeça da maioria das pessoas, principalmente pelo fato de alguns profissionais indicarem a manteiga como melhor opção, enquanto outros indicam o consumo da margarina. Mas hoje, para que você saiba a melhor opção para você, trarei aqui nesse texto qual é realmente a melhor opção para utilizar no seu dia a dia. E para reforçar, saiba que estou escrevendo com a total AUSÊNCIA de opinião pessoal (mas no final, claro, deixarei a minha opinião profissional). Tudo que apresentarei a seguir é com base na literatura científica atual, em que considerei alguns ensaios clínicos randomizados de boa qualidade em que comparam os dois tipos de gorduras (manteiga x margarina).

E para que você já saiba a resposta logo de início, saiba que os trabalhos demonstram que a MARGARINA é uma melhor opção a ser utilizada, já que quando comparamos o impacto do consumo de ambos os tipos de gorduras (manteiga x margarina), os resultados demonstram que a margarina exerce uma melhor influência sobre o perfil lipídico dos indivíduos que a consomem.

Mas você pode se perguntar ou até mesmo questionar: "então por que no passado o pessoal batia tanto na tecla de que margarina era um VENENO e que a manteiga sempre era uma melhor opção?"

A verdade é que a tecnologia empregada na produção da margarina mudou bastante nos últimos anos. ANTIGAMENTE, a margarina era produzida através de um processo chamado de hidrogenação, que nada mais é do que um processo químico que visa adicionar átomos de hidrogênio no produto alimentício, o que muda a consistência da gordura para uma forma mais sólida e altera significativamente a sua textura e palatabilidade. 

É nesse processo de hidrogenação que é formado a tão conhecida e temida "gorduras trans". Ou seja, a maior parte das margarinas do passado apresentavam um alto teor de gorduras trans na sua composição e, como vários estudos já demonstraram, traziam consigo os efeitos deletérios na saúde cardiovascular, logo, sabidamente a margarina nessa época não era uma opção interessante.

Contudo, com a evolução da tecnologia dos alimentos, a margarina é produzida atualmente através do processo de interesterificação, o qual traz características positivas relacionadas a palatabilidade e textura do produto alimentício e forma baixíssimas quantidades ou até mesmo apresenta ausência das gorduras trans. Ou seja, nesse processo de interesterificação da margarina, o grau de saturação das gorduras ali presentes não é afetado.

Sendo assim, os trabalhos que comparam o uso da margarina produzida através do processo de interesterificação com a manteiga comum, demonstram que seu uso afeta menos ou até mesmo não afeta de forma significativa as lipoproteínas de baixa densidade ("LDL - colesterol ruim"), diferente da manteiga que é composta por uma elevada quantidade de gorduras saturadas (mas que também alguns estudos demonstram que o uso de até 14g de manteiga por dia, não traz muitas alterações significativas nesse perfil lipídico). E mais, o uso de margarinas enriquecidas com fitoesteróis, que são facilmente encontradas em alguns mercados, podem até mesmo auxiliar na redução do LDL (claro que o consumo moderado e não excessivo, já que o produto possui alta densidade energética).

Mas vamos pra minha opinião profissional, que é formada através da leitura dos inúmeros trabalhos relacionados ao consumo de gorduras e seus impactos na saúde: o ideal é que seja avaliado o seu quadro clínico atual. Caso você tenha alteração no "colesterol" e, ainda, consuma muita gordura saturada, o ideal é que você dê preferência à margarina com fitoesterois. Mas caso você não apresente nenhuma alteração nos seus parâmetros metabólicos, escolha a opção que você preferir, desde que o consumo não seja excessivo e seja estipulada pelo nutricionista.

E ainda, o ideal é que você saiba que a gordura que deverá ser mais evitada é a gordura trans. E pode ter certeza de que se você tiver alto consumo de carne vermelha (SIM, as gorduras trans estão presentes na carne animal, já que é produzida naturalmente pelo animal) ou então consumo leve/moderado de industrializados com frequência (biscoitos de pacote, salgadinhos, sorvetes, bolos prontos, chocolates, pipoca de microondas, macarrão instantâneo, cremes vegetais saborizados), você já está com uma dieta rica em gorduras trans.

E o fato de muitos desses alimentos apresentarem nos seus rótulos 0g de gorduras trans (já que se trata de uma informação obrigatória do rótulo), saiba que algumas empresas usam uma "estratégia" para driblar essa legislação. Caso o produto alimentício possua 0,2g ou menos de gorduras trans por PORÇÃO, a indústria poderá inserir como 0g no rótulo! Ou seja, muitos produtos tem sua porção descrita de forma reduzida para ficar igual ou abaixo de 0,2g, apenas para poder colocar como 0g e fazer com que o indivíduo compre o alimento com a sensação de que ele é “menos pior”. No entanto, caso seja utilizado o pacote inteiro, é bem provável que o consumo de gorduras trans fique bem elevado ao final do dia, trazendo o aumento do risco de diversas doenças crônicas não transmissíveis.

Portanto, não fique preocupado apenas com a manteiga ou com a margarina! Busque fazer sempre o uso de alimentos in natura e minimamente processados e, sobre aqueles mais processados, converse com o Nutricionista para saber quais inserir e a frequência para minimizar riscos à saúde.

Autor: Rodrigo Lamonier - Nutricionista e Profissional da Educação física
Revisores: 
Dr, Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM 13192 - RQE 11915
Márcio José de Souza - Profissional de Educação física e Graduando em Nutrição. 

sábado, 28 de janeiro de 2023

Estudo identifica resíduos de agrotóxicos em papinhas infantis

Estudo conduzido por cientistas do Brasil e da Espanha rastreou a presença de 21 agrotóxicos (incluindo fungicidas, inseticidas e herbicidas) e quatro toxinas produzidas por fungos do gênero Aspergillus (aflatoxinas) em 50 amostras de alimentos industrializados para bebês comercializados em supermercados no Estado de São Paulo.

A boa notícia é que não foram encontradas nas amostras selecionadas as temidas aflatoxinas, que são tóxicas ao organismo humano e de animais e podem surgir em cereais, grãos e outros cultivos. A aflatoxina B1, por exemplo, é comprovadamente carcinogênica.

A pesquisa foi conduzida pela engenheira de alimentos Rafaela Prata, com apoio da Fapesp, e divulgada na revista Food Control.

Quanto aos agrotóxicos, o estudo revelou inicialmente a presença de sete dos 21 compostos rastreados. “Encontramos resíduos de pesticidas em 68% das amostras analisadas de alimentos infantis. No recorte por composição e sabor, 47% das papinhas com frutas apresentaram pelo menos um resíduo de agrotóxico, índice que foi de 85% para as comidas de bebês à base de carne e vegetais”, descreve a pesquisadora.

As concentrações dos agrotóxicos identificados ficaram abaixo dos limites máximos de resíduos estabelecidos pela legislação europeia desde 2006, que foi usada como padrão no estudo. De modo geral, na União Europeia, o limite é de 10 microgramas por quilo de alimento para diferentes agrotóxicos. Limites ainda mais baixos foram determinados para agrotóxicos específicos, como fipronil (4 microgramas por quilo). “Não existe, no Brasil, uma legislação própria para limitar a concentração de resíduos de agrotóxicos em alimentos infantis”, diz Prata. “O que existe são monografias sobre agrotóxicos no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária [Anvisa], que consultamos para ver em quais cultivos o uso de determinado produto é autorizado, bem como os limites máximos em alimentos, mas nada sobre as papinhas”, diz Prata.

Para a pesquisadora, falta uma regulamentação específica para esses produtos. “Os bebês são um grupo populacional sensível e vulnerável porque ingerem mais alimentos por quilograma de peso corporal do que os adultos e seus sistemas de desintoxicação e vias metabólicas não estão totalmente desenvolvidos. É importante conhecer a composição dos alimentos oferecidos a eles”, justifica a pesquisadora.

“Ainda que estejam dentro dos limites preconizados pela legislação europeia, o ideal é que essas substâncias não sejam encontradas em alimentos infantis”, afirma o pesquisador espanhol Roberto Romero-González. Referência internacional no estudo de contaminantes e supervisor deste projeto de pesquisa no exterior, González é um dos líderes do Laboratório de Química Analítica e Contaminantes do Research Centre for Mediterranean Intensive Agrosystems and Agri-Food Biotechnology (Ciaimbital), na Universidade de Almeria, na Espanha, onde foi realizada parte das análises das papinhas brasileiras, com financiamento da Fapesp.

Faltam estudos

A presença de pesticidas e de toxinas produzidas por fungos em alimentos infantis ainda é pouco estudada no Brasil, embora avance em países europeus. “Somos um dos maiores consumidores dessas substâncias do mundo. Precisamos investir nesse tipo de pesquisa”, defende Prata. “Até onde sabemos, foi a primeira análise feita com uma metodologia desenvolvida para identificar pesticidas de classes diferentes e micotoxinas em alimentos infantis à base de carnes e vegetais.”

Parte da investigação foi conduzida no Laboratório de Análises de Alimentos I da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), sob a coordenação da professora Helena Godoy, que estuda contaminantes em alimentos infantis e validação de métodos com apoio da Fapesp. Anteriormente, o país dispunha apenas de dados sobre a contaminação por agrotóxicos em papinhas feitas com frutas.

Logo depois dessa análise, o grupo submeteu as mesmas amostras a uma nova triagem para rastrear a presença de 2.424 contaminantes não abordados a princípio, entre eles outros pesticidas, hormônios, medicamentos veterinários e seus metabólitos (substâncias derivadas da metabolização desses compostos químicos pelo organismo humano).

“Encontramos mais dez agrotóxicos e um metabólito, demonstrando que o método que desenvolvemos é sensível e eficaz”, diz Prata. Ela se refere ao processo de inovação, com uso de novos materiais, para adaptar metodologias usadas para identificar um único composto à detecção simultânea de um conjunto de resíduos de agrotóxicos e micotoxinas. “Nós conseguimos desenvolver um método analítico multirresíduos confiável e validá-lo totalmente. Pode ser uma ferramenta útil para programas de vigilância de alimentos”, afirma.

Segundo a pesquisadora, o metabólito sulfóxido de aldicarbe foi encontrado em três sabores de papinhas: caldo de feijão, arroz e carne; legumes e carne; e abóbora, feijão preto e peito de frango. O teste não mediu a quantidade de resíduos.

O aldicarbe é um pesticida proibido no Brasil desde 2012. Por sua alta toxicidade, era usado ilegalmente como raticida (o popular “chumbinho”). Segundo o toxicologista Daniel Junqueira Dorta, professor de química forense na USP de Ribeirão Preto, trata-se de pesticida que se degrada rapidamente no solo, em cerca de duas ou três semanas. A presença de resíduos no alimento sugere, portanto, o uso irregular nas lavouras. Da mesma forma, o composto se degrada rapidamente no organismo e é eliminado.

“O efeito pior do aldicarbe é agudo, por concentração mais alta”, diz o toxicologista. “De todo modo, não deveria haver resíduo desse tipo de jeito nenhum”, diz o toxicologista. Para a professora Helenice de Souza Spinosa, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, que analisou a toxicidade do composto em cães e gatos, o achado é relevante e precisa ser mais bem investigado e detalhado. Ela lembra ainda que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), além das próprias empresas, faz o monitoramento da presença de contaminantes nos alimentos por amostragem regularmente.

“Se você pensar que a criança vai se alimentar com pequena quantidade e nesse estudo nem está quantificado, ou seja, podem ser apenas traços, isso não vai causar intoxicação aguda. Mas o achado é importante: embora proibido, pode ser que estejam usando e não sabemos”, diz Spinosa.

Procurada pela reportagem, a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia) sugeriu, por meio de sua assessoria de imprensa, que a Agência Fapesp entrasse em contato com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins e Congêneres (Abiad). Em nota, a Abiad afirmou que as empresas a ela associadas seguem todas as normas e legislações nacionais vigentes e que têm restritas políticas para garantir a qualidade dos produtos aos consumidores.

“Os alimentos passam por diversos e rígidos processos de controle de vigilância sanitária, sendo aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e só então liberados para o consumo do público. A Abiad também reforça que nenhuma das empresas associadas foi informada por órgãos que regulamentam a qualidade dos produtos no Brasil sobre substâncias irregulares encontradas em alimentos infantis.”

Jejum intermitente funciona?



O jejum intermitente é uma daquelas estratégias que boa parte dos pacientes que já tentaram emagrecer por conta própria possui um histórico, mas que após avaliar de perto, quase sempre é feito de forma sem rotina, desregrada, nutricionalmente ruim e sem medidas para auxiliar na melhora do comportamento alimentar.

As promessas dos benefícios do jejum intermitente na saúde, que são encontradas na internet, são infinitas: afirmam um efeito antienvelhecimento (antiaging), aumento da autofagia (capacidade das células de se "reciclarem" e eliminarem componentes danificados), emagrecimento, melhora cognitiva, redução do risco de doenças crônicas não transmissíveis e muito mais...

Mas, será que o jejum intermitente é mesmo tudo isso e possui todo esse potencial miraculoso para a saúde?

Bom, da forma que é amplamente divulgada por aí, com certeza não. E todos os efeitos possíveis relatados em artigos acerca do jejum acontecem também na vigência de um déficit calórico controlado (ou seja, talvez o efeito não seja do jejum, mas apenas da restrição calórica que pode ou não acontecer no jejum). Mas vamos lá: o jejum intermitente, se prescrito de forma correta, individualizada e sob orientação do nutricionista, pode SIM ser uma ótima estratégia e funcionar bem para algumas pessoas.

No entanto, fazer o jejum intermitente sem considerar as particularidades e os aspectos nutricionais do indivíduo, acreditando que trará resultados superiores do que outras estratégias que sejam NUTRICIONALMENTE EQUIVALENTES, é apenas uma MODA/MITO e pode ser um grande tiro no pé. Alguns trabalhos, por exemplo, já demonstraram que o jejum traz resultados semelhantes com relação ao processo de emagrecimento de estratégias mais tradicionais, desde que a ingestão de calorias e proteínas sejam iguais. 

Então, o que vai ditar a melhor estratégia a ser escolhida pelo nutricionista e paciente é a soma de todos os fatores que são observados durante a consulta (que se considera parâmetros bioquímicos, comportamentais, rotina, etc).

E na minha opinião: se o jejum não for melhorar a relação do paciente com a comida (o que não é comum entre pacientes que fazem o jejum por conta própria), não mudar suas escolhas alimentares, não agir na redução de calorias e não resultar em ADESÃO, NÃO existe o porquê de seguir essa estratégia. E mais, alguns trabalhos associam o hábito de pular o café da manhã (estratégia comum no jejum intermitente) ao maior risco de ganho de peso (claro que com muitas ressalvas).

Portanto, não fique mudando de estratégia por conta própria e agende um horário para iniciar uma estratégia individualizada.

Autor: Rodrigo Lamonier - Nutricionista e Profissional da Educação física
Revisores: 
Dr, Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM 13192 - RQE 11915
Márcio José de Souza - Profissional de Educação física e Graduando em Nutrição. 

quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

Janeiro Branco

 

Tenho percebido nos últimos 12 anos um aumento absurdo no consultório de pacientes com diagnóstico de algum transtorno psiquiátrico. E muitos me perguntam se a Nutrologia/Nutrição poderiam auxiliar nesses casos. Sim, pode, mas sempre como adjuvante ao tratamento psicoterápico e psiquiátrico.

No meu site na parte Profissionais que indico tem uma lista de Psicólogos e Psiquiatras que indico de olhos fechados. Excelentes profissionais. Portanto se você está procurando auxílio profissional, dê uma olhada na lista. https://www.nutrologogoiania.com.br/profissionais-que-indico/

Por que eu estar repassando essa lista? Por conta do Janeiro Branco. A campanha Janeiro Branco consiste em uma campanha dedicada a convidar as pessoas a pensarem sobre suas vidas, o sentido e o propósito das suas vidas, a qualidade dos seus relacionamentos e o quanto elas conhecem sobre si mesmas, suas emoções, seus pensamentos e sobre os seus comportamentos. Dedica-se também a colocar os temas da Saúde Mental em máxima evidência no mundo em nome da prevenção ao adoecimento emocional da humanidade.

A campanha também visa sensibilizar as mídias, as instituições sociais, públicas e privadas, e os poderes constituídos, públicos e privados, em relação à importância de projetos estratégicos, políticas públicas, recursos financeiros, espaços sociais e iniciativas socioculturais empenhadas(os) em valorizar e em atender as demandas individuais e coletivas , direta ou indiretamente, relacionadas aos universos da Saúde Mental.

#PorUmaCulturaDaSaúdeMental

Uma campanha dedicada a mostrar às pessoas – e à sociedade – que os seres humanos são seres de conteúdos psicológicos e subjetivos, que suas vidas, necessariamente, são estruturadas em torno de questões mentais, sentimentais, emocionais, relacionais e comportamentais, sendo, portanto, imperioso e necessário, que a subjetividade humana possua lugar de destaque em nossa cultura e em nossos cotidianos, sob pena de sermos vítimas de nós mesmos e de quem despreza as próprias necessidades psicológicas e as necessidades psicológicas alheias.

Uma Campanha pensada, planejada e projetada para a promoção de Saúde Emocional nas vidas de todos os indivíduos que compõe a humanidade, buscando estratégias políticas, sociais e culturais para que o adoecimento emocional seja prevenido, conhecido e combatido em todos os campos, esferas, dimensões e espaços em que o humano se faz presente.

Uma Campanha que está dando certo.

Uma Campanha que, por meio dela em todo o Brasil e em outros países, cidadãos, psicólogos e demais profissionais (da saúde ou não), estão se mobilizando para levar mensagens e reflexões aos indivíduos e às instituições às quais esses mesmos indivíduos encontram-se entrelaçados: “quem cuida da mente, cuida da vida”; “quem cuida das emoções, cuida da humanidade”; “quem cuida de si, já cuida do outro”; “sem psicoeducação não haverá solução”; “autoconhecimento: isso também tem a ver com a sua saúde mental”; “o que você não resolve em sua mente, o corpo transforma em doença”; “saúde mental pressupõe políticas públicas” e várias outras orientações, dicas e reflexões que têm o poder de chamar a atenção de todos para os cuidados consigo, com os outros e, também, para a importância das lutas por políticas públicas em defesa da Saúde Mental de todos.

O mundo tem pedido isso e nós, psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais e demais cidadãos brasileiros envolvidos pelo Janeiro Branco, nos propusemos a atender a esse chamado e a esse pedido de ajuda por parte da humanidade.

Sim – ações, orientações e reflexões a respeito das condições e características emocionais dos seres humanos mudam e salvam vidas.

Isso se chama Psicoeducação e o Janeiro Branco nasceu para isso, por amor à humanidade, senso de responsabilidade social, senso de dever profissional e pura solidariedade humanística.

Porque há sofrimentos que podem ser prevenidos. Dores que podem ser evitadas. Violências que podem ser impedidas, cuidadas ou reparadas. Exemplos que podem ser partilhados. Ensinamentos que podem ser difundidos em nome de povos mais saudáveis e mais bem resolvidos em termos emocionais. Por um mundo melhor e uma humanidade com mais amor e mais responsabilidade em relação a si mesma e em relação a cada uma das suas partes.

Os 5 objetivos da Campanha Janeiro Branco:

1 – Fazer do mês de Janeiro o marco temporal estratégico para que todas as pessoas e instituições sociais do mundo reflitam, debatam, conheçam, planejem e efetivem ações em prol da Saúde Mental e do combate ao adoecimento emocional dos indivíduos e das próprias instituições;

2 – Chamar a atenção de todo o mundo para os temas da Saúde Mental e da Saúde Emocional nas vidas das pessoas;

3 – Aproveitar a simbologia do início de todo ano para incentivar as pessoas a pensarem a respeito das suas vidas, dos seus relacionamentos e do que andam fazendo para investirem e garantirem Saúde Mental e Saúde Emocional em suas vidas e nas vidas de todos ao seu redor;

4 – Chamar a atenção das mídias e das instituições sociais, públicas e privadas, para a importância da promoção da Saúde Mental e do combate ao adoecimento emocional dos indivíduos;

5 – Contribuir, decisivamente, para a construção, o fortalecimento e a disseminação de uma “cultura da Saúde Mental” que favoreça, estimule e garanta a efetiva elaboração de políticas públicas em benefício da Saúde Mental dos indivíduos e das instituições.

Como o Janeiro Branco pode ajudar as pessoas?

1 – Colocando os temas da Saúde Mental e da Saúde Emocional em máxima evidência na sociedade.

2 – Construindo, fortalecendo e disseminando uma “cultura da Saúde Mental” na humanidade.

3 – Contribuindo para a valorização da subjetividade humana e o combate ao adoecimento emocional das pessoas.

4 – Contribuindo para o desenvolvimento e a disseminação do conceito de ‘psicoeducação’ entre as pessoas e as instituições sociais.

5 – Contribuindo para o desenvolvimento e a valorização de políticas públicas relativas aos universos da Saúde Mental em todo o mundo.

Princípios básicos da Campanha Janeiro Branco

1 – As ações em nome da Campanha e no contexto da Campanha serão todas de forma gratuita, totalmente sem fins lucrativos.

2 – Não serão cobrados, nem será feita publicidade, de valores simbólicos, “valores sociais”, nenhum tipo de cobrança para os participantes das ações em nome da Campanha.

3 – Para confecção de materiais de divulgação, as pessoas envolvidas poderão conseguir ajuda de gráficas e pessoas interessadas a doar os materiais para a Campanha.

4 – O que tem sido feito todo ano é uma “vaquinha” solidária e voluntária entre os profissionais para a compra dos materiais de divulgação (ou busca de ‘apoios’ e ‘patrocínios’ como ocorre em Congressos): balões brancos com tema da campanha, laços brancos com alfinetes, banners, panfletos etc. e cada profissional comprou sua camiseta da campanha.

5 – Custo de deslocamento, alojamento e alimentação para as palestras e demais ações é de responsabilidade dos palestrantes ou das instituições que os convidam, por isso, antes de se disponibilizar para dar palestras em nome do Janeiro Branco e no contexto da Campanha, observar se o deslocamento e todos os custos serão possíveis dentro da gratuidade da colaboração prestada à Campanha.

6 – O Janeiro Branco é uma Campanha dedicada a promover a psicoeducação das pessoas e das instituições, promovendo a Saúde Mental e combatendo o adoecimento emocional dos indivíduos e instituições por meio de debates, reflexões, mini palestras, palestras relâmpago, rodas de conversa, oficinas, caminhadas, corridas, piqueniques, cineclubes, entrevistas à mídia, murais de poesias, distribuição de balões brancos, panfletos, fitas brancas e várias outras formas de ações e intervenções urbanas que tenham como tema central a Saúde Mental, a Saúde Emocional, a valorização da subjetividade humana, a criação de uma cultura da Saúde Mental entre os seres humanos (a nível individual, institucional, social e coletivo), a valorização de políticas públicas em nome da Saúde Mental, a valorização da Saúde Mental no SUS e nas redes públicas e privadas de saúde no Brasil e no mundo.

7 – A Campanha Janeiro Branco é uma Campanha gratuita, democrática, horizontal, espontânea, desburocratizada, descentralizada, social, solidária, voluntária, inclusiva, laica, humanista, apartidária, multidisciplinar, transdisciplinar, colaborativa e caracterizada pela pluralidade e diversidade de temas, direta ou indiretamente, ligados aos universos da Saúde Mental e Emocional dos seres humanos e suas instituições.

8 – O Janeiro Branco respeita, aplaude e reverencia todas as lutas e conquistas dos movimentos passados e atuais relativos ao universo da Saúde Mental – seu papel é ampliar e aprofundar as estratégias de comunicação com a humanidade a respeito desses temas, conforme o Outubro Rosa o fez com a temática da “prevenção ao câncer de mama”, por exemplo.

9 – A Campanha Janeiro Branco nasceu em Minas Gerais e a metáfora do TREM a identifica: psicólogos(as) são a locomotiva da Campanha que, em sua integralidade e por seu caráter multidisciplinar e transdisciplinar, também possui inúmeros vagões a constituí-la com a necessária e oportuna participação de outros cidadãos e profissionais capazes de enriquecer as suas potencialidades e possibilidades em relação ao universo da Saúde Mental e Emocional dos indivíduos e instituições.

10 – A Campanha Janeiro Branco está sempre em construção. Toda colaboração ao seu crescimento, desenvolvimento, amadurecimento e enriquecimento é extremamente bem-vinda. Manifeste-se e engate novos vagões temáticos ao TREM DA SAÚDE MENTAL que partiu de Minas Gerais com destino ao mundo.

terça-feira, 10 de janeiro de 2023

Módulo 3 do Curso de Nutrologia para acadêmicos de medicina

No próximo final de semana teremos o Módulo 3 do Curso de Nutrologia para acadêmicos de medicina. Darei aula com duas grandes amigas. 

Na sexta a Professora e Dra. Simone Silvestre, preceptora da especialização de Nutrologia do Hospital Felício Rocho (BH-MG) falará sobre triagem nutricional, risco nutricional e a fisiopatologia do paciente crítico.

Falarei das 09:00 às 11:00 sobre Deficiências nutricionais: sinais e sintomas de macronutrientes, vitaminas e minerais.

No Sábado a tarde, será a vez da minha afilhada, Dra. Edite Melo Magalhães, especialista em Clínica Médica. Ela falará sobre Comunicação médica, técnicas para melhor acolhimento.

Sobre o curso

Partindo do pressuposto que a grande maioria das faculdades não ensinam praticamente nada sobre Nutrologia e que o conhecimento sobre a especialidade transforma vidas, muda desfechos, previne doenças, nós, membros do MNB resolvemos criar o primeiro curso de Nutrologia para acadêmicos de medicina. O objetivo do curso é preencher essa lacuna da graduação. Sendo assim, em reunião com da diretoria do MNB, decidimos que:

  1. O responsável técnico (RT) pelo curso serei eu, Dr. Frederico Lobo (CRM-SC 32949, RQE 22416 e CRM-GO 13192, RQE 11915)
  2. O curso terá sempre duração de dois anos de duração
  3. O público alvo serão os acadêmicos de todo o país, do 5º ao 10º período
  4. Sempre será 100% gratuito e 100% online, para facilitar ao acesso dos acadêmicos de forma democrática e abrangendo todo território nacional. Apesar do curso ser gratuito, estimulamos os alunos a fazerem doações de leite integral para o Grupo Filantrópico Filhos do Sr. ou para a Sociedade Eis me aqui.
  5. Terá 500 vagas (400 para acadêmicos e 100 para membros do MNB)
  6. O certificado será emitido pelo movimento Nutrologia Brasil para aqueles que tiverem 75% de presença em todas as aulas e permanecendo 75% do tempo dentro da sala do google meet.
  7. As aulas serão 100% on-line, ao vivo, via google meet e não ficarão gravadas. 
  8. Após realizar a inscrição, o aluno interessado deverá enviar cópia da declaração de matrícula no semestre vigente para menutrologia@gmail.com (a inscrição não é efetivada se o aluno não enviar o comprovante de matrícula)

Programação completa do nosso curso está em Movimento Nutrologia Brasil 

As inscrições para o curso de 2024 já estão abertas, interessados me mandem um direct no instagram @drfredericolobo informando: Em qual período da graduação de medicina estará no começo de 2024. 

Aula: Semaglutida 2,4mg no tratamento da obesidade

 


Médicos interessados enviem direct no instagram: @drfredericolobo 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2023

Dieta mediterrânea é eleita a melhor dieta, pelo sexto ano consecutivo

Pelo sexto ano consecutivo a dieta mediterrânea foi eleita a melhor dieta. Mas será que ele a serve para todos?

A melhor dieta é a aquela elaborada para atender as suas necessidades, particularidades. Isso não quer dizer que a dieta mediterrânea não é boa, mas se você for uma pessoa que tem Gota ou hiperuricemia (aumento de ácido úrico), ela pode não ser boa para você, devido a inserção de peixes que podem elevar o ácido urico. Além disso ela inclui vinho, ou seja, o álcool pode precipitar crises de gota. 

Se você é portador de intolerância à histamina, ela talvez não seja a dieta mais adequada para o seu caso, já que contém alto teor de histamina. 

Resumindo: saiba quais são as suas particularidades, aquilo que você gosta de ingerir, os alimentos que seu corpo aceita bem e não reage. Conte para o profissional quais patologias você possui (caso possua alguma comorbidade). Personalize o seu plano alimentar, você merece o melhor.

Quer saber mais sobre as dietas consideradas melhores? https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2023/01/06/dieta-mediterranea-e-eleita-a-melhor-para-o-ano-pela-6-vez.htm

Cursos, eventos e encontros do Movimento Nutrologia Brasil

Criei no site do movimento Nutrologia Brasil, uma parte só para divulgar os cursos (ministrados pelos membros), eventos e encontros. 

O cursos dados pelos membros são exclusivos para médicos e acadêmicos de medicina: http://movimentonutrologiabrasil.com.br/?page_id=48

Como parte dos leitores do blog são médicos e acadêmicos decidi divulgar aqui.


Calorias do vinho e ganho de peso




Após os posts (post 1, post 2) das calorias das cervejas, alguns pacientes me pediram para falar sobre as calorias dos vinhos.

Como já dito nos outros posts, 1 grama de álcool possui 7 kcal. Ou seja, são calorias vazias, que vão atrapalhar de forma indireta o emagrecimento, reduzir alguns nutrientes do corpo e diminuir os níveis de testosterona. Mas aí pergunto para vocês: será que a grande maioria conseguirá se abster de algo que é cultural, que favorece a socialização? Eu não ingiro álcool, não estimulo o consumo, mas sou bem realista com relação à nossa realidade. 

As pessoas não vão parar de beber, sejamos realistas. Alguns sim, enxergam malefícios do álcool, mas a grande maioria não. Ou seja, devemos focar na política de redução de danos. Existe uma diferença gritante entre o mundo ideal da Medicina e o nosso mundo real. Sempre friso isso para os pacientes no consultório, pois isso é causa de muito sofrimento psíquico para alguns indivíduos com personalidade mais rígida.

Alguns leitores falarão que há pesquisas mostrando os benefícios do álcool. Sim, há trabalhos mostrando que o consumo moderado de álcool pode ter impacto positivo na saúde. Eu acredito que há bastante vieses nesses estudos. Alguns trabalhos afirmam que o álcool tem:
  • Efeito na prevenção de Infarto agudo do miocárdio (IAM): por atuar no metabolismo das lipoproteínas, aumentando o percentual de HDL. 
  • Ação antitrombótica: inibindo a agregação de plaquetas, reduzindo o fibrinogênio e melhorando a fibrinólise.
  • Ação no mecanismo de ação da insulina: melhorando o metabolismo de carboidratos.
  • Aumento do estradiol o que de forma indireta eleva o HDL
Mas o que seria consumo moderado de álcool:
  • 30 a 40g de álcool por dia para Homens
  • 15 a 20g de álcool por dia para Mulheres
  • Em média 0,102g/kg/hora (variando de 0,070-0,185)
  • Traduzindo: 1 long Neck/dia para Mulheres e 2 Long Necks/dia para Homens.
Mas e no caso do vinho? 

Primeiramente falaremos sobre propriedades nutricionais do vinho. Eles possuem na sua composição, um tipo de fitoquímico chamado polifenol. Um "veneno" que a planta produz para se adaptar ao ambiente. Está presente nas sementes e cascas das uvas e no vinho. O principal polifenol do vinho é o resveratrol. É o mais estudo e tem estudos mostrando que ele pode auxiliar na redução do risco cardiovascular, reduzir o colesterol. Mas e as calorias do vinho? A recomendação é que utilize-se no máximo 1 taça por dia. 

Para calcularmos as calorias do vinho levamos em conta:
  • O teor alcoólico de determinado
  • Quantidade de açúcar presente no vinho
  • A quantidade (volume) de vinho ingerida.
Uma garrafa de vinho tem 750 ml, considerando que equivalem a quatro taças (187,5 ml cada), as referências são as seguintes: 

Vinho Branco Suave até 9% de teor alcoólico
Quantidade de calorias: entre 134 a 171 kcal por taça.
Exemplos de vinhos: Riesling, Moscato d’Asti, Grüner Veltliner, Müller-Thurgau, Chenin Blanc, Spätlese.
 
Vinho Branco Suave de 9% a 12% de teor alcoólico
Quantidade de calorias: entre 200 e 240 kcal por taça.
Exemplos de vinhos: Gewürztraminer, Tokaji, Silvaner, Malvasia.

Vinho Branco Seco de 9% a 12% de teor alcoólico
Quantidade de calorias: entre 138 e 169 kcal por taça.
Exemplos de vinhos: Pinot Grigio, Albariño, Trebbiano, Vermentino, Torrontes, Pinot Blanc, Grenache Blanc, Verdejo, Muscadet.

Vinho Branco Seco de 12% a 14% de teor alcoólico
Quantidade de calorias: entre 170 a 200 kcal por taça.
Exemplos de vinhos: Chardonnay, Sauvingnon Blanc, Viognier, Marsanne, Roussane.
 
Vinho Tinto de 11% a 13,5% de teor alcoólico
Quantidade de calorias: entre 157 a 187 kcal por taça.
Exemplos de vinhos: de Pinot Noir a Cabernet Sauvignon e Shiraz.

Vinho Tinto de 13,5% a 16% de teor alcoólico
Quantidade de calorias: entre 187 a 225 kcal por taça.
Exemplos de vinhos: de Pinot Noir a Cabernet Sauvignon e Shiraz.

Vinho Espumante Seco (Brut)
Quantidade de calorias: 184 kcal por taça.
Exemplos de vinhos: Brut Champagne, Brut Prosecco, Brut Cavas e todos os espumantes classificados como “Brut”.
 
Vinho de Sobremesa
Quantidade de calorias: entre 203 a 290 kcal por taça. Nesse caso específico, a taça é de 90 ml, já que os hábitos de consumo desses vinhos são diferentes.
Exemplos de vinhos: Porto, Sherry, Sauternes, Passito, Madeira.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2023

[Conteúdo exclusivo para médicos] Azeite de oliva e risco cardiovascular: o que o médico precisa saber?

 O Azeite de oliva tem sido tradicionalmente usado como um importante ingrediente culinário, principalmente nos países mediterrâneos e é o componente principal da dieta desta região. Seu efeito benéfico já é bem conhecido e isto o tornou mais popular mundialmente nas últimas décadas. 

Ele possui alta concentração de ácidos graxos monoinsaturados, especialmente ácido oleico e outros em menor proporção como vitamina E e polifenóis, contribuindo para efeitos anti-inflamatórios e propriedades antioxidantes. Estudos sugerem redução de risco cardiovascular com o aumento da ingestão deste alimento. 

Lembrando dos diferentes tipos de gorduras e de suas recomendações na dieta:


Um novo trabalho examinou a associação entre consumo de azeite de oliva e mortalidade total e causa-específica na população dos Estados Unidos, onde a média de consumo de azeite é consideravelmente menor do que nos países mediterrâneos. 

Esta análise foi conduzida em dois estudos de coorte prospectivos. Durante 28 anos de seguimento, foram avaliadas 36.856 mortes. A média de consumo de azeite de oliva aumentou 1.6 g/d em 1990 para aproximadamente 4 g/d em 2010. Homens e mulheres com alto consumo de azeite de oliva eram mais fisicamente ativos, tinham ascendência do sul da Europa ou Mediterrâneo e fumavam menos. O consumo de azeite de oliva também foi associado com maior ingestão calórica e melhor consumo de frutas e vegetais.

Após ajustes estatísticos, foi observada uma associação inversa, consistente e significativa entre o consumo de azeite de oliva e mortalidade total e causa-específica. Essa associação também foi observada para cada 5 g adicionais de azeite de oliva consumidos, como uma variável contínua. 

Em comparação com aqueles que nunca ou raramente consomem azeite de oliva, os indivíduos na categoria de elevado consumo (> 7g/d) tiveram redução de 19% na mortalidade total e cardiovascular, 17% de redução na mortalidade por câncer, 29% redução no risco de mortalidade neurodegenerativa e 18% redução no risco de mortalidade respiratória.

O trabalho ainda refere que a substituição de 10 g/d de outros tipos de gordura, incluindo margarina, manteiga, maionese e gordura do leite, por azeite de oliva, foi associado com redução no risco de mortalidade total e causa-específica. Entretanto, essa associação não foi observada quando outros óleos vegetais foram substituídos por azeite. 

Os autores acreditam que esses resultados se devem aos efeitos anti-inflamatórios, antiaterogênicos, efeitos na redução do stress oxidativo, melhora na função endotelial, melhora do perfil lipídico, biomarcadores inflamatórios, sensibilidade à insulina e redução da pressão arterial, que o azeite de oliva possui. 

Os autores concluem que o consumo mais alto de azeite de oliva está associado com diminuição de risco de mortalidade total e e redução do risco cardiovascular. Referem ainda que substituir outros tipos de gordura por azeite de oliva foi associado com diminuição do risco de mortalidade e que,as atuais recomendações nutricionais para aumentar a ingestão de azeite de oliva e outros óleos vegetais insaturados no lugar outras gorduras, melhoraram a saúde e longevidade. 

Nota do editor (Eduardo Lapa): este, como muitos estudos de nutrição, é um artigo que tem suas limitações. Ele se baseia em estudos observacionais. Sabemos que nestes estudos os pacientes variam em uma série de pontos e não apenas na questão estudada (neste caso: consumo de azeite de oliva). É citado, por exemplo, que as pessoas que consumiam mais azeite de oliva eram mais fisicamente ativos e consumiam menos cigarro. Será que não há outros fatores associados a risco cardiovascular que os pesquisadores não avaliaram? Talvez até fatores que atualmente nós não conheçamos! Isto pode influenciar os resultados.

Outro ponto: o próprio consumo de azeite de oliva foi medido por questionários alimentares feitos a cada 4 anos. Bem, você já preencheu algum questionário alimentar? Outro dia destes fui fazer um auto questionário mental de quantas porções de carne vermelha consumia por semana. Para a minha surpresa, quando de fato passei a contar as porções consumidas diariamente, o número foi bem diferente do que estimei mentalmente. Isso é uma limitação do método.

Por fim, devemos lembrar que estudos assim permitem inferir associação entre os fatores mas não possibilitam confirmar causalidade.

Referência: Consumption of Olive Oil and Risk of Total and Cause-Specific Mortality Among U.S. Adults Marta Guasch-Ferré, PHD,a,b Yanping Li, PHD,a Walter C. Willett, MD, DRPH,a,b,c Qi Sun, MD, SCD,a,b,c,d Laura Sampson, RD,a Jordi Salas-Salvadó, MD,e,f Miguel A. Martínez-González, MD,a,e,g Meir J. Stampfer, MD, DRPH,a,b,c Frank B. Hu, MD, PHDa,b , JACC VOL. 79, NO. 2, 2022

Autor: Dr. Thiago Midlej 

quarta-feira, 4 de janeiro de 2023

Semaglutida 2,4mg - 9 fatos que você precisa saber sobre o mais novo fármaco antiobesidade do mercado

No dia 02/01/2023 a ANVISA liberou a venda de uma "nova" droga para obesidade. Ela se chama Semaglutida. Faz parte da classe dos análogos de GLP-1, classe desenvolvida para tratar diabetes mas que em doses maiores promove perda de peso. 

Recebemos inúmeras mensagens então resolvemos preparar esse texto que explica 9 fatos essenciais sobre "a nova" droga.

1 - Mecanismo de ação

Mas afinal, o que é a Semaglutida? O que ela faz? Por que é tão cara? Realmente emagrece? Essas são algumas das perguntas que me fizeram. Então, vamos por partes. Antes de explicar o que é a droga e o seu mecanismo de ação, precisamos saber sobre o GLP-1. 

Em nosso corpo, temos um órgão chamado pâncreas (que fica próximo ao Duodeno ( a primeira porção do intestino delgado). 

O pâncreas é uma glândula mista, ou seja, tem uma função secretora endócrina (produz hormônios) e uma função exócrina (digestão de gordura). Sua porção endócrina é formada por um conjunto de células, denominadas ilhotas de Langerhans. 

Essas ilhotas tem 2 tipos de células, as células betas, responsáveis pela produção de insulina e outra  células alfas, produtoras de glucagon, ambos são lançados no sangue. E é importante saber que esses dois hormônios possuem efeitos antagônicos, ou seja, atividade fisiológica inversa.

A insulina tem sua atuação favorecendo a entrada das glicose nas células. Com isso, nosso corpo não fica em hiperglicemia (muita glicose no sangue), pois, a insulina favorece a entrada de glicose nas células do fígado, músculos esqueléticos e tecido adiposo. 

Já o glucagon, tem atividade estimulante oposta, faz aumentar o concentração de glicose na corrente sanguínea a partir da quebra do glicogênio (substância de reserva energética) e com isso evita que tenhamos hipoglicemia (pouca glicose no sangue)

No nosso intestino, temos células chamadas de células L (localizadas em sua maioria no íleo e no cólon), que são células epiteliais com função enteroendócrina, ou seja, que produzem substâncias (petídeos) que tem ação parecida com o Glucagon produzido pelo pâncreas. São os peptídeos semelhantes ao glucagon, (GLP)s.

A secreção de GLP-1  por células enteroendócrinas do íleo depende da presença de nutrientes no intestino delgado. Os secretagogos (agentes  que causam ou estimulam alguma secreção) desse hormônio incluem nutrientes como carboidratos, proteínas e lipídeos. 

Porém, nosso corpo destrói rapidamente o GLP-1 logo que ele é liberado pelas células L. Uma vez na circulação, o GLP-1 possui uma meia vida de menos que 2 minutos, devido à rápida degradação pela enzima dipeptidil peptidase 4 (DPP-IV). Com isso o GLP-1 não consegue fazer todos os efeitos benéficos que ele tem. 

Então, por anos, a indústria farmacêutica buscou a elaboração de duas estratégias terapêuticas: a criação de análogos (substância que imitam) de GLP-1 que sejam resistentes à enzima (DPP-IV) e sintetização de peptídeos inibidores da enzima, que elevam o nível de GLP-1 endógeno intacto. Estas abordagens potencializam as vantagens terapêuticas do uso de GLP-1 no controle do diabetes e mantêm o risco de hipoglicemia baixo, já que a ação da GLP-1 é glicose-dependente. Ou seja, se a glicose está equilibrada, a droga não estimulará mais tanta insulina e nem reduzirá tanto a liberação de glucagon. 

Mas afinal, o que o GLP-1 faz?

Ele é um potente hormônio anti-hiperglicêmico (reduz a glicose no sangue, evitando a hiperglicemia), induzindo estimulação dependente de glicose da secreção de insulina, enquanto suprimindo a secreção de glucagon. Tal ação dependente de glicose é particularmente atraente por que, quando os níveis de glicose plasmática estão na faixa normal de jejum, o GLP-1 não estimula mais a insulina, não levando à hipoglicemia. 

Os principais mecanismos de ação do GLP-1 são:
  1. Melhora a produção de insulina pelas células β do pâncreas
  2. Diminui a liberação de glucagon pelo pâncreas, por ação nas células α
  3. Inibição da secreção gástrica (que favorece a digestão)
  4. Diminuição da motilidade do trato gastrintestinal (em especial o retardo do esvaziamento gástrico), o que retarda a absorção de carboidratos e contribui para um efeito de saciação.
Para o GLP-1 agir, ele precisa se ligar ao seu receptor, podendo este ser encontrado nas
células α e β das ilhotas pancreáticas, no sistema nervoso central (em especial no hipotálamo), no pulmão, no coração, nos rins, estômago e no intestino. 

No cérebro existe uma região chamada Hipotálamo e nele há uma região chamada tuberal. Dentro dessa região há 2 núcleos importantes: Núcleo da Fome e o Núcleo da Saciedade. Ambos possuem receptores para o GLP-1. Ou seja, o GLP-1 estimula o núcleo da saciedade e inibe o núcleo da fome. Ou seja, inibe o apetite e estimula a saciedade. O que é potencializado pela ação do GLP1 na redução do esvaziamento do estômago. Resultado: come-se menos. 

Então, pesquisadores desenvolveram os análogos de GLP-1:  liraglutida, a albiglutida, a dulaglutida, a semaglutida, exenatida e a lixisenatida

A semaglutida é um análogo do GLP-1 94% igual ao GLP-1 humano, ou seja, se liga bem (seletivamente) ao receptor de GLP1. Nos casos do paciente fazer hipoglicemia, ela diminui a liberação de insulina e não inviabiliza a liberação do glucagon. Ou seja, é uma droga segura, não favorecendo hipoglicemia. 

A droga foi originalmente desenvolvida para tratar o diabetes tipo 2, porém, viram que os pacientes apresentavam perda de peso por inibição da fome e por maior saciedade, sendo dose dependente. Ou seja, quanto maior a dose, maior o efeito na perda de peso.

2 - Apresentação

A droga tem apresentação injetável, de uso semanal (é importante frisar isso, pois, há profissionais que por conta própria prescrevem uso diário e o próprio laboratório contraindica essa prática) e a apresentação oral (comprimido). 

A de uso injetável é aplicada na região subcutânea, com auxílio de uma agulha de 4 ou 6mm. Já a de uso oral, é utilizada diariamente. 

Como a dose deve ser escalonada, há apresentação com 0,25mg e 1mg. Agora teremos a apresentação de 2,4mg.

A droga não é uma nova droga para obesidade. Desde 2018 a Semaglutida é comercializada para tratamento do Diabetes Mellitus tipo 2. Mas muitos já prescreviam para perda de peso. Ou seja, ela não tinha recomendação em bula para o tratamento da obesidade. Dia 02/01/2023 a ANVISA oficialmente reconheceu que a droga, na dose de 2,4mg de uso semanal, pode ser utilizada para tratar obesidade. 

3 - Estudos mostrando a eficácia

Em 2021, foram divulgados os ensaios clínicos Semaglutide Treatment Effect in People with obesity (STEP). E os resultados foram recebidos com entusiasmo pela comunidade médica. Na Tabela abaixo é possível ver o resumo dos resultados.




Os estudos foram divulgados em três dos principais periódicos médicos da atualidade. The New England Journal of Medicine, The Lancet e Nature Medicine.

O STEP 1 foi um randomized clinical trial (RCT) duplo-cego envolveu 16 países. Detalhes sobre os participantes do estudo:
  • Pacientes adultos não portadores de diabetes mellitus (ou seja, apesar da droga ter sido desenvolvida para pacientes com diabetes mellitus tipo 2, no STEP 1 os pacientes não eram diabéticos, apenas com IMC ≥27 kg/m2). É importante salientar isso, pois muitos dos críticos da droga, sequer leram os estudos e afirma que é uma droga para tratar apenas diabetes. 
  • Pacientes com IMC ≥30 kg/m2 ou ≥27 kg/m2
  • Pelo menos uma comorbidade associada. Hipertensão, dislipidemia, apneia obstrutiva do sono ou doença cardiovascular
  • Registo de falha de uma ou mais tentativas de perda ponderal com dieta
Foram excluídos pacientes com:
  1. Diabetes mellitus
  2. Hemoglobina glicada ≥6,5%
  3. Antecedente de pancreatite
  4. Tratamento cirúrgico de obesidade prévio
  5. Uso de medicações para perda de peso nos últimos 90 dias 
Desenho do estudo: os pacientes foram randomizados na proporção 2:1. Para um tratamento de 68 semanas com uma injeção subcutânea semanal de 2,4mg de semaglutida ou placebo. Associado a intervenções no estilo de vida (dieta e atividade física). 

O tratamento com semaglutida foi iniciado em uma dose semanal de 0,25mg por quatro semanas. Aumentada mensalmente até atingir a dose de 2,4mg na semana 16.

As mudanças de estilo de vida incluíram uma redução de 500kcal em relação à ingestão diária habitual. E pelo menos 150 minutos de atividade física semanal.

Os pacientes também receberam aconselhamento individual mensal. Para ajudar na adesão às intervenções e receber orientações a registrar os hábitos diários. O seguimento dos pacientes foi mantido até sete semanas após o final do tratamento.

Resultados do estudo: Os desfechos primários foram o percentual de mudança do peso corporal. E a ocorrência de redução de, pelo menos, 5% do peso. O que é considerada clinicamente relevante, de acordo com a literatura.

Os secundários mostram uma redução de mínima de 10% ou 15% do peso. E mudanças na circunferência abdominal e na pressão arterial. Escore da capacidade funcional. 

Com relação à segurança, foram avaliados o número de eventos adversos durante o período do tratamento. E a ocorrência de eventos adversos graves entre o início do estudo e a semana 75.

Os eventos cardiovasculares, pancreatites e óbitos foram revisados por um comitê externo.

Os resultados mostraram:
  1. Redução de 14,9% do peso corporal no grupo que usou a semaglutida. Comparado a -2,4% com o placebo. Diferença gritante. Lembre-se: o grupo placebo também fez dieta e atividade física, ou seja, as intervenções para mudança de estilo de vida aconteceu em ambos os grupos. 
  2. Diferença de -12,4% entre os grupos
  3. Maior redução da circunferência abdominal (–13,54 cm vs. –4.13 cm com placebo; diferença de –9,42 cm).
  4. IMC: –5,54 vs. –0,92 com placebo; diferença de –4,61.
  5. Os pacientes tratados com semaglutida tiveram uma melhora dos escores de capacidade funcional
  6. Os efeitos da droga sobre a perda ponderal são decorrentes da diminuição do apetite e, consequentemente, menor ingestão calórica.
Uma perda ponderal de 15% tem uma grande importância clínica. Uma perda moderada, de 5 a 10% do peso, já está associada a uma melhora de alguns fatores:
  • Níveis glicêmicos,
  • Fatores de risco cardiovascular (pressão arterial, lipidemia),
  • Bem-estar referido pelos pacientes e dos seus aspectos funcionais. 
  • Perdas maiores que 10% levam a uma melhora continuada destes parâmetros. Além de melhorar sintomas de apneia obstrutiva do sono e escores de esteatohepatite não-alcoólica.
Para a remissão de diabetes e redução dos eventos cardiovasculares, é necessária uma perda ponderal maior ou igual a 15%.

Os críticos (e ignorantes de plantão) falam que consegue-se perder peso somente com atividade física e dieta. Estão errados? Não. Mas, vale salientar que o estudo mais intensivo feito até hoje, foi o DIRECT (2018). Nele os participantes fizeram dieta, atividade física e mudanças comportamentais. Perderam em média 9% do peso em 12 meses. Porém, em 24 meses, devido o reganho de peso, esse efeito já caiu para 5%. Teve quem perdeu mais? Sim. Teve quem perdeu menos de 9% ? Também teve. 

Nos últimos dias cansei de ver nutricionistas e profissionais da educação física criticando a droga. Invalidando o processo de quem utiliza a droga. Briga por mercado? Medo de perder o paciente pra droga? Ignorância? Desconhecimento do mecanismo de ação da droga? Ausência de mínimas noções sobre a fisiopatologia da obesidade? Ou apenas, má fé? Um misto de tudo e nós médicos que tratamentos de pacientes portadores de obesidade entendemos. Os resultados são realmente muito bons e vários pacientes tem benefício com a utilização. Isso é inegável e por isso o medo de alguns. 

Um ponto a ser analisado nos estudos: "A semaglutida foi prescrita junto com dieta, atividade física, portanto só funcionou porque houve mudança no estilo de vida". Será? Será que se não tivessem feito exercício e dieta não adiantaria de nada?

Como disse o nutricionista Igor Eckert em um post: 

"Mudança no estilo de vida faz parte do cuidado usual e precisa ser prescrito para ambos os grupos. Não orientar essa mudança seria uma intervenção anti-ética e o estudo perderia validade externa, afinal na vida real se orienta a mudança de estilo de vida. E esse é o ponto chave para entender o efeito da semaglutida". 

Como a dieta e atividade física foi prescrita para os 2 grupos, a diferença na perda de peso entre os 2 grupos foi atribuida à semaglutida.
  • Grupo Semaglutida perdeu 14,9%. 
  • Grupo placebo (atividade física e dieta) perdeu 2,4%.
A única diferença entre os 2 grupos foi o uso da Semaglutida. Logo, -12,4% de perda  foi causada pelo uso da droga. Ou seja, a princípio, esse é o efeito da droga, independentemente da mudança de estilo de vida. É a perda de peso que a semaglutida causa comparado a quem já faz dieta e exercício fisico. Mas será que o efeito da Semglutida não pode ter sido potencializado pela recomendação de mudanças de estilo de vida? Talvez. E se isso for real, o efeito isolado da droga na realidade seria inferior a -12,4%. 

Assumindo então que existe essa interação, o resultado visto seria um efeito sinérgico entre as 2 intervenções. Nesse caso, daria para dizer que parte do benefício depende da mudança de estilo de vida? Não dá para saber. A boa notícia é que a gente não precisa desse dado. Não mudaria a conduta. Por que? Porque a mudança de estilo de vida é padrão e precisa ser prescrita, sempre."

Vale ressaltar que o grupo placebo também apresentou resultados interessantes.

O que reforça a importância e o impacto das mudanças de estilo de vida. 31% dos pacientes perderam 5% do peso, 12% perderam pelo menos 10% e 5% perderam pelo menos 15%. O que corrobora com o que vemos na prática. Por um tempo, vários pacientes conseguem perder peso em um primeiro momento, porém, essa perda vai se diluindo com o passar dos anos. 

4 - Efeito se utilizada de forma isolada (sem dieta e atividade física)

Como relatado acima, pode ser que a droga por si só gere a perda de peso. Mas é anti-ético um médico não prescrever a mudança de estilo de vida. Geralmente, quando o paciente pára de utilizar a droga, ocorre reganho parcial do peso. É o que chamam de efeito rebote. Quer dizer que a droga induz isso? Não. A droga ela tem a sua eficácia e quando está sendo utilizada ela alcança o que "promete". 

Sendo assim, esse "rebote" é minimizado quando se combina o uso da droga com dieta, atividade física e mudanças permanentes no estilo de vida. Por isso é importante o acompanhamento contínuo. Uma vez portador de sobrepeso/obesidade, o indivíduo terá que se policiar por toda a vida. E isso é algo que todo paciente deve receber de recomendação, desde a primeira consulta. Jamais criar falsas esperanças com relação ao tratamento. 

5 - Efeitos colaterais e adversos

Os principais eventos adversos associados ao tratamento foram a ocorrência de náuseas, vômitos e diarreia. Esses efeitos já conhecidos dos análogos de GLP-'. Por isso, a recomendação de escalonar a dose. 

Em acréscimo, houve uma maior ocorrência de colelitíase no grupo semaglutida (2,6% vs. 1,2% no grupo placebo). Mas uma investigação dos efeitos adversos gastrointestinais. O que pode ter levado a um maior diagnóstico dessa condição em relação ao grupo placebo. 

Os efeitos mais preocupantes são a rara ocorrência de pancreatite e a contraindicação. No segundo caso, ocorre em pacientes com história pessoal ou familiar de neoplasia endócrina múltipla ou carcinoma medular da tireoide. 

A semaglutida já é amplamente utilizada para tratamento de diabetes. Ela faz parte de uma classe de medicamentos com um perfil de segurança conhecido. O que traz uma tranquilidade ao uso desta medicação para o tratamento da obesidade. 

O que tem-se visto na prática é que alguns pacientes após meses de uso podem apresentar Supercrescimento bacteriano do intestino delgado, talvez pela estase gástrica e intestinal. 



6 - Custo

Infelizmente ainda é uma droga cara, mas acreditamos que com o passar dos anos o valor reduzirá. A semaglutida de 1mg gira em torno de R$930. O valor da de 2,4mg ainda não sabemos.

7 - Pacientes não respondedores

Existem pacientes que não vão responder bem ao tratamento, não porque a medicação seja ruim, mas apenas por uma característica de alguns pacientes em não ter o efeito esperado com o uso daquela determinada droga ou efeitos colaterais mais expressivos que o normal (o que dificulta a adesão ao tratamento), assim como ocorre em diversas outras medicações. Uma área da medicina que tenta explicar essa diferença de efeitos é a Farmacogenômica. Além disso, não é incomum alguns pacientes responderem bem ao uso diário da Liraglutida e não responderem à Semaglutida semanal.

8 - Associação com outros fármacos antiobesidade

Por se tratar de um análgo de GLP-1, a Semaglutida 2,4mg não deve ser utilizada junto de outras drogas da mesma classe, como Liraglutida, Dulaglutidam, Exenatida e a própria Semaglutida 1mg. Devido a diferença de mecanismo de ação, a Semaglutida 2.4mg pode ser associada à outros fármacos antiobesidade em terapia combinada quando necessário e sempre prescrito por um médico especialista na área. 

Pacientes diabéticos usando medicações para controle da glicemia da classe dos inibidores de dipeptidil peptidase 4 (gliptinas) também não devem usar a medicação devido interação entre as duas classes e risco de reações adversas.

Alguns pacientes redução dos efeitos da Semaglutida e para isso podemos utilizar uma associação com outras medicações antiobesidade, O médico especialista na área saberá orientar bem o paciente sobre quais podem ser combinadas com a Semaglutida. 

9 - Automedicação

Infelizmente a automedicação é muito comum no Brasil e com medicações voltadas para o tratamento da obesidade não é diferente, principalmente se a medicação puder ser adquirida sem receita ou por “outros meios”. 

Toda medicação por mais segura que seja apresenta riscos mesmo quando bem indicada, o grande problema é que esses riscos aumentam muito quando o uso da droga é feito de forma errada e por pacientes que nem deveriam estar usando a medicação. Além de colocar em risco a própria saúde, quem usa a droga sem precisar e por conta própria também prejudica outros pacientes por aumentar a demanda nas farmácias gerando a falta da medicação para quem realmente precisa do tratamento. 

A obesidade é uma doença crônica, redicivante, com forte componente genético e ambiental, ou seja, bastante complexa. Nós médicos estudamos por muitos anos para entender qual o melhor tratamento e como faze-lo com segurança, procure sempre seu médico e de preferencia um especialista na área antes de iniciar um tratamento, tire suas dúvidas e faça da maneira correta.

Bibliografia: 

Wilding et al. Once-Weekly Semaglutide in Adults with Overweight or Obesity. N Engl J Med, 2021. Disponível em: www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMoa2032183.

Ingelfinger JR e Rosen CJ. STEP 1 for Effective Weight Control — Another First Step?. N Engl J Med, 2021. Disponível em: www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMe2101705

Adler AI. The STEP 1 trial for weight loss: a step change in treating obesity? Nat Med, 2021. Disponível em: www.nature.com/articles/s41591-021-01319-4

Ryan DH. Semaglutide for obesity: four STEPs forward, but more to come. Lancet Diabetes Endocrinol, 2021. Disponível em: www.thelancet.com/journals/landia/article/PIIS2213-8587(21)00081-4/fulltext

Autores:

Dr. Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM-GO 13.192 - RQE 11.915
Dr. Limiro Silveira - Médico Nutrólogo - CRM-DF  28172  - RQE 19162
Dra. Edite Melo Magalhães - Médica especialista em Clínica médica - CRM-PE 23994 - RQE 9351 
Dr. Leandro Houat - Médico especialista em Medicina de família e comunidade - CRM-SC 27920 - RQE 20548 


segunda-feira, 2 de janeiro de 2023

Afinal, açúcar ou adoçante?

Na verdade essa é uma resposta que deve ser bem individualizada e avaliada através de uma consulta. Porém, a melhor escolha dependerá de fatores relacionados ao quadro clínico/objetivos do paciente.

Por exemplo, pacientes de pós-bariátrica, com intolerância à glicose (pré-diabetes) ou diabetes (com consumo de alimentos/bebidas açucaradas ao longo do dia - café, por exemplo) ou então naqueles casos em que o consumo de açúcar diário represente uma quantidade significativa das calorias totais ingeridas, o adoçante é a melhor opção para se trabalhar a reeducação alimentar.

Já para pessoas saudáveis, que o consumo de açúcar não seja excessivo e/ou considerado um problema por questões clínicas, o açúcar poderá ser mantido dentro das recomendações (~25g/dia).

E com relação a preocupação a segurança em se consumir os adoçantes, não há estudos demonstrando riscos em humanos quando a quantidade ingerida seja dentro da faixa de segurança (que é bem elevada). Além disso, há opções mais "naturais" disponíveis no mercado, basta conversar com o nutricionista para saber a melhor opção para você.

Autor: 
Rodrigo Lamonier - Nutricionista e Profissional da Educação física
Revisores: 
Dr, Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM 13192 - RQE 11915
Márcio José de Souza - Profissional de Educação física e Graduando em Nutrição. 

sábado, 31 de dezembro de 2022

Como ficar irreconhecível em 2023? 8 passos

Há 12 anos, todo fim de ano deixo uma mensagem aqui. Geralmente faço uma reflexão sobre como foram os anos e o que desejo para vocês, fiéis seguidores/leitores/pacientes. Os últimos 3 anos foram difíceis e muitos de vocês tiveram a vida mudando da água pro vinho na pandemia.

É triste constatar que após 3 anos de pandemia, não vi as pessoas melhorarem. Na verdade, infelizmente, poucos realmente melhoraram de vida, sanaram sintomas. Infelizmente a demanda de pacientes cada vez mais doentes mudou. Isso é triste, muito triste. 

Então, em 2023 eu te desejo que você se torne irreconhecível ao longo de 12 meses. E o processo pode englobar alguns dos passos abaixo, talvez todos. Mas faça o que você der conta, sempre com o foco de estar melhor do que ontem.

Passo 1: Acordou, levantou? Então agradeça. Trabalhe a gratidão. Comece bem o dia, cultivando a gratidão. Torne a sua manhã melhor: espreguice, olhe o sol, respire, medite, faça orações/mantras/preces. Pratique algum exercício, pode ser um simples alongamento, mas movimente-se. Seu corpo agradece. Lembre-se: agradeça pelo fato de estar acordando em casa e não em um leito de UTI. 

Passo 2: A vida é movimento, então não lute contra o fluxo da vida. Adeque-se. Movimente-se, respeitando os limites do seu corpo. Se é sedentário, comece com pequenos passos e vá aumentando. Exercitar 01 dia pode parecer ineficaz, mas é melhor que o sedentarismo 7 dias na semana. Mexa-se com o propósito de movimentar a vida, não com o propósito de emagrecer. Ao longo dos anos percebi que isso não funciona em longo prazo. Mexa-se porque o seu corpo agradece. Permitir-se movimentar-se é um ato de auto-cuidado. Exercício é remédio e a ciência prova isso toda semana. Produz endorfina, melhora a produção de neurotransmissores, previne infartos, derrames, diabetes. 

Passo 3: Ingira pelo menos 30ml/kg/dia de água. Mas cuidado, se você tem doença renal crônica ou insuficiência cardíaca respeite o que o seu médico estipula. O mesmo vale para quem tem insuficiência hepática. Á água é o solvente universal e nosso corpo é composto 60% de água. Precisamos dela. 

Passo 4: Qualidade de sono é igual a qualidade de vida. Os estudos mostram que devemos dormir de 7e 7 a 8 horas por noite, para descansar seu cérebro e seu corpo. A privação de sono tem efeitos devastadores em longo prazo. 

Passo 5: Procure um nutrólogo e um nutricionista para verificar como estão os seus nutrientes. Adeque a sua alimentação, para ter mais saúde. Em 2023 valorize mais os alimentos que os suplementos. Suplementação excessiva está fora de moda, não é sustentável para o seu corpo e nem para o meio ambiente. Menos cápsulas, mais alimentos. Desembale menos e descasque mais. 

Passo 6: 365 olhando para o seu cocô. Cuide bem do seu intestino. Muitas doenças começam no intestino. 

Passo 7: Relações interpessoais tóxicas nos adoece. Então faça terapia para saber lidar com indivíduos tóxicos. As vezes a pessoa tóxica é você e portanto, também precisamos de terapia rs. Para de seguir perfis que despertam sensações ruins em você ou que não agregam em nada. Reduza a exposição a telas e exponha-se mais para a natureza, filhos, familiares, amigos. 

Passo 8: Baixe os meus e-books gratuitos de hábitos saudáveis de vida e rotina de autocuidados. Basta me solicitar no direct do instagram: @nutrologojoinville

Tente seguir esses 8 passos e acredito que você ficará irreconhecível em 2023. A grande maioria dos pacientes não fazem nem 1/5 disso. Então provavelmente você também não rs. Que tal mudar a programação em 2023?

Feliz 2023.

Dr. Frederico Lobo - Médico Nutrólogo
CRM-GO 13.192 | RQE 11.915 / CRM-SC 32.949 | RQE 22.416 


quinta-feira, 29 de dezembro de 2022

Vegetariano e com anemia, será que realmente precisa comer carne ?

A resposta é: NÃO!

Mesmo a carne sendo a melhor e mais biodisponível fonte de ferro, você NÃO é obrigado (a) a comer esse alimento caso não queira, seja qual for o motivo da sua escolha! O Médico e o Nutricionista que devem se adequar à escolha do paciente e não o contrário. 

Caso a anemia evidenciada seja mesmo a do tipo ferropriva (por déficit de ferro constatada através de exames laboratoriais), o correto é que procure um Médico Nutrólogo para a correção da anemia, através da suplementação de ferro e posteriormente o Nutrólogo te encaminhará para o nutricionista elaborar um plano alimentar com fontes de ferro.

Uma dica que sempre damos para os inúmeros vegetarianos que atendemos aqui na clínica, mantenha um bom aporte de leguminosas no cardápio. Então, aumente seu consumo de:

✅Grão-de-bico;
✅Feijão;
✅Ervilha;
✅Lentilha;
✅Soja;
✅Sementes e oleaginosas.

Para aumentar ainda mais a absorção do ferro de origem vegetal ("não heme"), deixe as leguminosas de remolho por pelo menos 12-16 horas e adicione frutas ou suco de frutas cítricas na refeição, por exemplo: limão, laranja, acerola. E evite consumir lácteos junto das grandes refeições pois o cálcio presente nos lácteos é um competidor do ferro. 

Autor: 
Rodrigo Lamonier - Nutricionista e Profissional da Educação física
Revisores: 
Dr, Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM 13192 - RQE 11915
Márcio José de Souza - Profissional de Educação física e Graduando em Nutrição.