sábado, 24 de fevereiro de 2024

Como o vinho tinto perdeu seu ar de bebida saudável


Por uma ou duas décadas gloriosas, a bebida foi elogiada como boa para o coração. O que aconteceu?

Em um segmento de 1991 do "60 Minutes", o correspondente da CBS Morley Safer perguntou como poderia ser que os franceses desfrutassem de alimentos ricos em gordura como patê, manteiga e Brie triplo creme, mas tivessem taxas mais baixas de doenças cardíacas do que as pessoas nos Estados Unidos.

"A resposta ao enigma, a explicação do paradoxo, pode estar neste copo convidativo", disse o Sr. Safer, levantando um copo de vinho tinto para os telespectadores.

Os médicos acreditavam, disse o Sr. Safer, que o vinho tinha "um efeito de lavagem" que impedia que as células formadoras de coágulos sanguíneos se agarrassem às paredes das artérias. Isso, segundo um pesquisador francês que foi destaque no segmento, poderia reduzir o risco de bloqueio e, portanto, o risco de um ataque cardíaco.

Na época, vários estudos apoiavam essa ideia, disse Tim Stockwell, epidemiologista do Instituto Canadense de Pesquisa sobre o Uso de Substâncias. E os pesquisadores estavam descobrindo que a dieta mediterrânea, que tradicionalmente incentivava um ou dois copos de vinho tinto com as refeições, era uma maneira saudável de comer, acrescentou.

Mas não foi até o segmento do "60 Minutes" que a ideia de vinho tinto como uma bebida saudável e virtuosa se tornou "viral", disse ele.

Dentro de um ano após a exibição do programa, as vendas de vinho tinto nos Estados Unidos aumentaram 40 por cento.

Levaria décadas para o brilho do halo de saúde do vinho desaparecer.

• Como nossa compreensão sobre álcool e saúde evoluiu

A possibilidade de que um ou dois copos de vinho tinto pudessem beneficiar o coração era "uma ideia adorável" que os pesquisadores "abraçaram", disse o Dr. Stockwell. Isso se encaixava no corpo maior de evidências na década de 1990 que relacionava o álcool à boa saúde.

Em um estudo de 1997 que acompanhou 490.000 adultos nos Estados Unidos por nove anos, por exemplo, os pesquisadores descobriram que aqueles que relataram consumir pelo menos uma bebida alcoólica por dia tinham de 30 a 40 por cento menos probabilidade de morrer de doença cardiovascular do que aqueles que não bebiam. 

Eles também tinham cerca de 20 por cento menos probabilidade de morrer por qualquer causa.

Até o ano 2000, centenas de estudos haviam chegado a conclusões semelhantes, disse o Dr. Stockwell. "Eu pensei que a ciência estava estabelecida", disse ele.

Mas alguns pesquisadores vinham apontando problemas com esse tipo de estudo desde a década de 1980, questionando se o álcool era responsável pelos benefícios observados.

Talvez os bebedores moderados fossem mais saudáveis do que os não bebedores, eles diziam, porque tinham mais probabilidade de serem educados, ricos e fisicamente ativos, e mais probabilidade de terem seguro saúde e comerem mais vegetais.

Ou talvez, acrescentavam esses pesquisadores, fosse porque muitos dos "não bebedores" nos estudos na verdade eram ex-bebedores que haviam parado porque desenvolveram problemas de saúde.

Kaye Middleton Fillmore, pesquisadora da Universidade da Califórnia, São Francisco, estava entre aqueles que instavam uma análise mais cuidadosa da pesquisa. "É incumbência da comunidade científica avaliar cuidadosamente essa evidência", ela escreveu em um editorial publicado em 2000.

Em 2001, a Dra. Fillmore convenceu o Dr. Stockwell e outros cientistas a ajudá-la a analisar novamente os estudos anteriores e reanalisá-los de maneiras que pudessem considerar alguns desses viéses.

"Eu vou trabalhar com você nisso", lembrou-se o Dr. Stockwell de ter dito à Dra. Fillmore, que faleceu em 2013. Mas "eu estava realmente cético em relação a tudo isso", disse ele.

Como se viu, a equipe encontrou um resultado surpreendente: em sua nova análise, os benefícios anteriormente observados da ingestão moderada de álcool haviam desaparecido. Suas descobertas, publicadas em 2006, foram manchetes por contradizerem a sabedoria predominante: "Estudo Derruba a Crença de que um Pouco de Vinho Ajuda o Coração", relatou o Los Angeles Times.

"Isso perturbou muita gente", disse o Dr. Stockwell. "A indústria do álcool deu passos enormes e gastou muito dinheiro para combater essa mensagem um tanto incômoda que estava surgindo", acrescentou. 

Em questão de meses, um grupo financiado pela indústria organizou um simpósio para debater a pesquisa e convidou a Dra. Fillmore.

Em notas que o Dr. Stockwell guardou, a Dra. Fillmore escreveu que a discussão foi "acalorada e intensa, a ponto de eu sentir que precisava tirar meu sapato e bater na mesa com ele".

E quando dois organizadores do congresso publicaram um resumo do simpósio que dizia que "o consenso do congresso" era que o consumo moderado de álcool estava associado a uma melhor saúde, o Dr. Stockwell disse que a Dra. Fillmore "ficou furiosa" por suas opiniões não terem sido representadas.

Desde então, muitos estudos adicionais, incluindo um que o Dr. Stockwell e seus colegas publicaram em 2023, confirmaram que o álcool não é a bebida saudável que um dia se acreditou ser.

Em 2022, pesquisadores relataram notícias mais graves: não apenas não havia benefício cardiovascular em beber álcool, mas também poderia aumentar o risco de problemas cardíacos, disse a Dra. Leslie Cho, cardiologista da Clínica Cleveland.

Hoje, cada vez mais pesquisas mostram que até mesmo uma bebida por dia pode aumentar suas chances de desenvolver condições como pressão alta e ritmo cardíaco irregular, ambos os quais podem levar a derrame, insuficiência cardíaca ou outras consequências para a saúde, disse ela.

E as conexões do álcool com o câncer são claras - algo que a Organização Mundial da Saúde vem afirmando desde 1988.

Esta é uma mensagem muito diferente daquela que os pacientes podem ter ouvido de seus médicos por anos, reconheceu a Dra. Cho. Mas o consenso mudou.

Nenhuma quantidade de álcool é segura, afirmaram a OMS e outras agências de saúde, independentemente de você estar bebendo vinho, cerveja ou destilados.

• Então, o vinho acabou?

Ao aconselhar seus pacientes com câncer, Jennifer L. Hay, cientista comportamental e psicóloga da saúde no Memorial Sloan Kettering Cancer Center, na cidade de Nova York, disse que muitos ficam "absolutamente chocados" ao descobrir que o álcool, incluindo o vinho, é um carcinógeno. 

Em um estudo de 2023, pesquisadores entrevistaram quase 4.000 adultos dos EUA e descobriram que apenas 20 por cento estavam cientes de que o vinho poderia causar câncer - em comparação com 25 por cento que sabiam que a cerveja poderia e 31 por cento que sabiam que os destilados poderiam.

Os pacientes cardíacos da Dra. Cho muitas vezes ficam surpresos quando ela sugere que devem reduzir o consumo de álcool, incluindo o vinho. 

"Eles ficam tipo, 'O quê? Eu pensei que deveria proteger contra doenças cardíacas'", ela disse.

O vinho tinto contém compostos chamados polifenóis, alguns dos quais podem ter propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

Mas nenhum estudo, incluindo décadas de pesquisa sobre um polifenol chamado resveratrol, ligou definitivamente as quantidades obtidas do vinho tinto à boa saúde, disse a Dra. Cho.

E não há evidências sólidas de que o vinho seja menos prejudicial do que outros tipos de álcool, acrescentou.

"Isso pode ser realmente difícil de ouvir", reconheceu a Dra. Hay.

Sempre que ela diz às pessoas que estuda os riscos do álcool, "um clima pesado se instala na sala", ela disse.
Mas a Dra. Hay e outros pesquisadores não estão sugerindo uma "proibição" do álcool, acrescentou a Dra. Hay. 

Ela apenas quer que as pessoas estejam informadas sobre os riscos.

E para a maioria das pessoas, está tudo bem aproveitar um copo de vinho de vez em quando, disse a Dra. Cho.

Mas não ajuda o coração, disse ela. "É hora de abandonar essa crença."

Curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina (Programação, Inscrições)

Em 2025 voltaremos a ter o curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina. 

Abaixo a programação do curso de 2025. Serão cerca de 170 horas, duração de 2 anos, 100% EAD.
Público: Exclusivamente acadêmicos de Medicina do 4º ao 12º período.
Certificado: Presença em 75% das aulas. 
Valor: 3 caixas (12 leites cada caixa), destinadas ao meu grupo Filantrópico Filhos do Sr. 
Aulas são via google meet, ao vivo. 
inscrições via e-mail: menutrologia@gmail.com
Para assistir algumas das aulas do último curso acesse: https://www.youtube.com/@DrFredericoLobo/videos
  1. Introdução à Nutrologia 
  2. Aspectos éticos da prática Nutrológica
  3. Nutrologia como especialidade médica
  4. Associação Brasileira de Nutrologia - O que é?
  5. Experiência como residente ou especializando em serviços de Nutrologia reconhecidos pela ABRAN
  6. Aula de experiência (USP-RP); Aula de experiência (USP);  Aula de experiência (Felicio Rocho); Aula de experiência IPSEMG); Aula de experiência (SSA); Aula de experiência (IAMSPE)
  7. Perspectivas profissionais da Nutrologia
  8. Aspectos éticos da prática Nutrológica
  9. Nutrologia e perícia judicial
  10. Digestão e absorção dos nutrientes, Produção de energia
  11. Necessidades energéticas básicas
  12. Anamnese nutrológica
  13. Avaliação do estado Nutrológico
  14. Exame físico em Nutrologia
  15. Métodos de avaliação corporal
  16. Laboratório em Nutrologia
  17. Nutrientes em Nutrologia: noções básicas para diagnóstico, prescrição
  18. Macronutrientes
  19. Metabolismo de Carbodratos
  20. Metabolismo de proteínas
  21. Metabolismo de lipídios
  22. Vitamina B1, B2, B3, B5, B6, B7
  23. Vitamina B12 e ácido fólico
  24. Vitamina C
  25. Vitamina A
  26. Vitamina D
  27. Vitamina E
  28. Vitamina K
  29. Ferro
  30. Cálcio
  31. Magnésio
  32. Fósforo
  33. Potássio
  34. Zinco
  35. Cobre
  36. Selênio
  37. Iodo, Boro, Cromo, Manganês
  38. Alumínio
  39. Sinais e sintomas de déficit nutricional
  40. Fibras alimentares
  41. Prebióticos e Probióticos
  42. Crononutrição
  43. Manual de redes sociais para o acadêmico de medicina
  44. Triagem nutricional, risco nutricional e fisiopatologia do doente crítico
  45. Dispositivos para terapia nutricional
  46. Nutrição enteral: indicações contraindicações, 
  47. TNE complicações 
  48. Nutrição parnteral: indicações contraindicações,
  49. TNP complicações 
  50. Grandes queimados
  51. Colelitíase, Colecistite, e Colestase
  52. Insuficiência intestinal e Falência intestina
  53. Fístulas digestivas
  54. A importância da EMTN
  55. HEART-M - Preabilitação cirúrgica 
  56. Nutroterapia no paciente cirúrgico 
  57. Diabetes mellitus tipo 2
  58. Diabetes mellitus tipo 1
  59. Diabetes gestacional
  60. Diabetes Mody e LADA
  61. Tratamento com hipoglicemiantes: oral
  62. Análogos de GLP1
  63. Insulinoterapia
  64. Tratamento nutricional no DM2
  65. Tratamento Nutricional no DM1: contagem de carboidratos
  66. Atividade fisica e DM
  67. Síndrome metabólica 
  68. Esteatose hepática 
  69. Nutroterapia nas doenças cardiológicas: HAS
  70. Nutroterapia nas doenças cardiológicas: Aterosclerose e ICC
  71. Acolhimento do portador de obesidade
  72. Conceito e epidemiologia da obesidade
  73. Diagnóstico, Classificação 
  74. Complicações da obesidade
  75. Fisiopatologia da Obesidade
  76. Tratamento dietético da obesidade
  77. Atividade física na obesidade
  78. Tratamento medicamentoso da obesidade
  79. Tratamento cirúrgico da obesidade
  80. Cirurgia bariátrica: o essencial para o médico generalista
  81. Terapias heterodoxas no tratamento da obesidade e suplementos sem evidência científica
  82. Gordofobia médica e abordagem comportamental da obesidade
  83. Dislipidemias: Hipercolesterolemia
  84. Dislipidemias: Hipertrigliceridemia
  85. Nutroterapia em TPM
  86. Nutroterapia na Menopausa
  87. Nutroterapia na gestação
  88. Contraceptivos e composição corporal
  89. Lipedema e Nutrologia
  90. Endometriose e Nutroterapia
  91. Desnutrição
  92. Sarcopenia
  93. Caquexia
  94. Nutroterapia em Oncologia
  95. Magreza excessiva constitucional e perda de peso involuntária
  96. Nutroterapia em Hepatopatias
  97. DRC e Nutroterapia
  98. Litíase renal e Nutroterapia
  99. Gota e Hiperuricemia a abordagem Nutrológica
  100. Alteração em fâneros e pele - Aspectos Nutrológicos
  101. Disbiose intestinal, SIBO, SIFO, IMO, LIBO
  102. Nutroterapia nas patologias do esôfago
  103. Nutroterapia em gastrite 
  104. Nutroterapia em Diarréia aguda e crônica
  105. Nutroterapia em constipação intestinal
  106. Nutroterapia em Sindrome do intestino irritável
  107. Sindrome do intestino curto
  108. Intolerância a FODMAPS
  109. Suplementação em Intolerância à lactose e doenças relacionadas ao glúten
  110. Intolerância histaminérgica e Síndrome de ativação mastocitária
  111. Hipermobilidade articular e Nutrologia
  112. Doença celíaca, Sensibilidade não celíaca ao glúten, Alergia ao trigo
  113. Doença de Crohn e nutroterapia
  114. Retocolite ulcerativa e nutroterapia
  115. Pancreatite aguda e nutroterapia
  116. Pancreatite crônica e nutroterapia
  117. Doenças anoretais e nutroterapia
  118. Alergias alimentares
  119. Jejum intermitente
  120. Dietas da moda
  121. Cetose e dieta cetogênica
  122. Dieta Low carb
  123. Mitos em Nutrologia
  124. Edulcorantes em Nutrologia
  125. Guia alimentar da população brasileira
  126. Nutrologia e fisiatria
  127. Psiquiatria Nutricional, neurotransmissores e estilo de vida
  128. Introdução aos Transtornos alimentares
  129. Anorexia
  130. Bulimia
  131. Transtorno de compulsão alimentar
  132. Ortorexia, vigorexia e TARE
  133. Síndrome do comer noturno
  134. Alimentos funcionais e compostos bioativos - Parte 1
  135. Alimentos funcionais e compostos bioativos - Parte 2
  136. Fitoterapia em Nutrologia
  137. Os nutracêuticos com mais evidência em Nutrologia 
  138. Reducitarianismo,Vegetarianismo e veganismo
  139. Nutroterapia em geriatria - particularidades na nutrição do idoso
  140. Nutroterapia na Osteopenia e osteoporose
  141. Nutroterapia na Doença de Alzheimer 
  142. Nutroterapia na Doença de Parkinson
  143. Nutroterapia na Esclerose múltipla 
  144. Nutroterapia em enxaqueca
  145. Nutrologia comportamental
  146. Nutrologia na ESF 
  147. Anemias carenciais
  148. Hiperferritinemia e hemocromatose
  149. Programação fetal e Alimentação nos primeiros 1000 dias
  150. Anemia na infância
  151. A criança que não come e seletividade alimentar
  152. APLV na infância 
  153. Intolerância à lactose na infancia
  154. Baixa estatura
  155. Baixo peso na infancia
  156. Fórmulas infantis e aleitamento materno
  157. Obesidade infantil - Diagnóstico e tratamento
  158. Síndrome metabólica na infância e adolescência 
  159. Epidemiologia em Nutrologia
  160. Como ler artigos em Nutrologia
  161. Nutrologia esportiva - Noções básicas
  162. Músculo como órgão Endócrino 
  163. Cafeína
  164. Whey proteín, 
  165. Creatina
  166. Beta-alanina, Bicarbonato, HMB
  167. REDs
  168. Hipertrofia muscular em Nutrologia 
  169. Risco do uso de EAAs na Nutrologia 
  170. Ergoespirometria - aplicabilidade
  171. Nutroterapia no maratonista
  172. Nutroterapia no futebol, natação e lutas
  173. Exercício em jejum 
  174. Publicidade e redes sociais em Nutrologia
  175. Nutrologia e aspectos Jurídico

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

Nutróloga esportiva - Dra. Helena Bacha e Dra. Lia Bataglini

Todos dias alguém tenta agendar consulta comigo, preenchendo o questionário pré-consulta (https://www.nutrologogoiania.com.br/consultas/como-agendar-sua-consulta/) e acabo negando o atendimento. Motivo: busca por hipertrofia, ganho de massa, melhora de performance, nutrologia esportiva. Infelizmente não trabalho com essa área e uma das poucas pessoas que confio são duas afilhadas: Dra. Helena Bacha e Dra. Lia Bataglini

Dra. Helena é médica pela ESCS-DF (2014-2019) - CRM-SP 230130. Especialização em Clínica Médica com Residência pela SES-DF (2020-2022) - RQE 104146. Especialização em Nutrologia com Residência pelo HCFMUSP (2022-2024). Certificação de acreditação internacional em Antropometria ISAK (International Society for the Advancement of Kinanthropometry) nível 1.Tem no seu currículo vários cursos na área de Nutrologia/Nutrição esportiva, além de ser atleta. 


Dra. Helena Bacha Junho Aires
CRMSP 230130 RQE
Fone:   (11) 99209-6679
Consultório: Livance Paulista - Av. Paulista, 2064 - 21º andar - Bela Vista, São Paulo - SP
Atende também por Telemedicina

Dra. Lia é médica pela ESCS-DF (2014-2019) - CRM-SP 230130. Especialização em Clínica Médica com Residência pela SES-DF (2020-2022) - RQE 104146. Especialização em Nutrologia com Residência pelo HCFMUSP (2022-2024). Certificação de acreditação internacional em Antropometria ISAK (International Society for the Advancement of Kinanthropometry) nível 1.Tem no seu currículo vários cursos na área de Nutrologia/Nutrição esportiva. 

Dra. Lia Bataglini
CRMSP 230130 RQE
Fone:   (11) 99209-6679
Consultório: Livance Paulista - Av. Paulista, 2064 - 21º andar - Bela Vista, São Paulo - SP
Atende também por Telemedicina


Novas abordagens terapêuticas estão surgindo para tratar o Diabetes mellitus tipo 1

Onde estão as ilhotas de Langerhans? é uma pergunta capciosa que aparece de vez em quando em questionários. 

A resposta não pode ser encontrada nos atlas de geografia, mas sim nos de anatomia, pois as chamadas ilhotas são, na verdade, aglomerados de células espalhadas pelo pâncreas. Lá eles sintetizam e liberam uma série de hormônios, incluindo a insulina, que regula os níveis de glicose e, portanto, o metabolismo.

Os produtores de insulina das ilhotas são chamados de células beta. (Os tipos de células alfa, gama, delta e épsilon realizam outras tarefas.) Eles são as únicas fontes corporais desse hormônio. Portanto, se o número deles diminuir, problemas surgirão. E diminui, na condição conhecida como diabetes tipo 1. Isto acontece quando, num fenômeno chamado autoimunidade, o próprio sistema imunitário do corpo ataca o seu complemento de células beta, eliminando até 80%.

Sem um fornecimento alternativo de insulina, alguém com diabetes tipo 1 morrerá. (Na diabetes tipo 2, a insulina continua a ser produzida, mas as células do corpo adquirem resistência.) A insulina suplementar pode ser administrada por injeção ou através de um dispositivo denominado bomba de insulina. Mas uma maneira melhor seria substituir as células beta ausentes e protegê-las de alguma forma do ataque imunológico.

Alguns pacientes sortudos conseguem, de fato, ter as suas células beta substituídas – através de transplantes de dadores humanos. E a Vertex Pharmaceuticals, uma empresa de Boston, está testando células beta cultivadas a partir de células-tronco para o mesmo propósito. Mas nenhuma das abordagens inclui proteção imunológica. Isto significa que ambos requerem a administração de medicamentos imunossupressores para prevenir a rejeição que se segue a qualquer transplante, muito menos aquele em que a autoimunidade está em jogo. 

Uma das sessões da reunião deste ano da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em Denver, analisou, portanto, como as células beta transplantadas poderiam tornar-se hipoimunogênicas – por outras palavras, invisíveis para o sistema imunitário de um paciente.

Sonja Schrepfer, que trabalha na Universidade da Califórnia, em São Francisco (UCSF), e também na Sana Biotechnology, com sede em Seattle, propõe uma abordagem dupla, para lidar com o fato do sistema imunitário ter dois braços.

Um deles, o braço adaptativo, é a base da rejeição tecidual. 

Este braço adaptativo pode reconhecer a assinatura do “ego” fornecida pelas proteínas HLA de um indivíduo. 

Estas moléculas contêm as chamadas regiões hipervariáveis, que diferem de indivíduo para indivíduo. 

Se o sistema imunológico se deparar com proteínas HLA não próprias, ele reconhece as células que as apresentam como intrusas e ataca, usando tropas de choque chamadas células T assassinas e anticorpos.

A primeira parte da abordagem do Dr. Schrepfer é, portanto, impedir a produção de proteínas HLA em células beta cultivadas em laboratório destinadas a transplante. Isto pode ser feito editando dois genes envolvidos na sua produção, tornando teoricamente as células em questão invisíveis ao braço adaptativo.

A falta de proteínas HLA, no entanto, chama a atenção de uma célula para o outro braço da imunidade, o sistema inato. 

Suas tropas são chamadas de células nk (assassinas naturais) e macrófagos, e um dos sinais de alerta aos quais ele reage é a ausência de qualquer tipo de HLA. No entanto, pode ser evitado pela expressão excessiva de uma proteína chamada CD47, algo que a equipe do Dr. Schrepfer também conseguiu através da manipulação genética das suas células beta.

Parece funcionar. Numa experiência cujos resultados foram anunciados pouco antes da reunião, a equipe primeiro induziu diabetes num macaco de laboratório e depois injetou as suas células beta modificadas num dos seus músculos. 

O diabetes desapareceu e permaneceu ausente por mais de seis meses. 

Agora eles passaram para as pessoas. Num ensaio prestes a começar no Hospital Universitário de Uppsala, na Suécia, versões humanas das células modificadas serão transplantadas no antebraço de um único paciente.

Interromper a expressão HLA das células beta não é a única abordagem possível para desviar o sistema imunitário adaptativo. Hasna Maachi, da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, descreveu na reunião como ela e o seu mentor, Matthias Hebrok, estão tentando desenvolver uma alternativa. 

Isso introduz uma terceira parte, chamada célula supressora, para fazer a proteção.

As células supressoras “conversam” com as células T assassinas e as acalmam. O grupo do Dr. Hebrok está, portanto, trabalhando com Wendell Lim, da UCSF, que está projetando células supressoras especificamente ativadas por uma proteína na superfície das células beta, para desenvolver alguma proteção para as células beta. 

Neste caso não há necessidade de construir um nível de proteção contra o sistema imunitário inato, uma vez que este não irá notar nada de errado.

O grupo Hebrok também está, explicou o Dr. Maachi, trabalhando em uma maneira de turbinar as células beta. 

Isto envolve uma proteína chamada MAFA, que regula a expressão do gene da insulina. 

Níveis suprimidos de MAFA são um sintoma de diabetes tipo 1, portanto, aumentar a sua presença parecia uma abordagem promissora. Até agora, os investigadores demonstraram que o aumento dos níveis de MAFA nas células beta derivadas de células estaminais parece aumentar a quantidade de insulina produzida.

Os números apresentados por Lori Sussel, da Universidade do Colorado, sugerem que o diabetes tipo 1 afeta um em cada 500 americanos.

A média global pode estar mais próxima de um em 1.000. 

Isto representa ao mesmo tempo um grande sofrimento humano e um mercado tentador para quem conseguir inventar algo que se assemelhe a uma cura, em vez de um tratamento. 

Embora ainda haja um caminho a percorrer, as células beta hipoimunogênicas podem, muito possivelmente, aproximar isso.

Fonte: https://www.economist.com/science-and-technology/2024/02/20/new-treatments-are-emerging-for-type-1-diabetes

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

41 anos

 


terça-feira, 20 de fevereiro de 2024

Influência da alimentação na aterosclerose por Dra. Vanessa Sinnott

 


domingo, 18 de fevereiro de 2024

Salada 12: Trigo cozido com especiarias

Hoje faremos uma salada de trigo com especiarias que te surpreenderá.

Ingredientes:
• 6 xícaras (chá) de água
• 1 xícara (chá) de trigo em grãos
• 300 g de peito de frango cozido e desfiado
• 1 cebola roxa cortada em cubos pequenos
• 4 colheres (sopa) de pimentão vermelho cortado em cubos pequenos
• 1 colher (chá) de canela em pó
• Sal e pimenta a gosto
• 2 colheres (sopa) de requeijão light
• 1 colher (sopa) de hortelã fresca picada

Modo de fazer:
Em uma panela grande, ferva a água. Junte o trigo e cozinhe por 45 minutos ou até ficar macio, sem desmanchar. Retire do fogo, escorra e reserve até esfriar.

Passe para uma tigela e junte a cebola, o pimentão, e o peito de frango desfiado. Tempere com o sal, a canela e a pimenta.

Acrescente o hortelã e o requeijão light. Misture até ficar homogêneo. Reserve.

Para servir, coloque um pouco da mistura em uma folha de alface e a feche, como fiz no vídeo; ou se preferir, forre o fundo de um prato grande com as folhas, cubra com a mistura e sirva em seguida.

Para quem ainda não leu os posts publicados:

Introdução à salada: 

https://www.ecologiamedica.net/2022/01/boracomersalada.html

Princípios básicos da salada: 

https://www.ecologiamedica.net/2022/01/boracomersalada-post-1-principios.html

Salada 1: Berinjela com castanha do Pará (ou castanha do Brasil), uva-passa e hortelã: 

https://www.nutrologogoiania.com.br/salada-1-berinjela-com-castanha-do-para-ou-castanha-do-brasil-uva-passa-e-hortela

Salada 2: Salada de inverno de abacate com frango cítrico: 

http://www.ecologiamedica.net/2022/06/salada-2-salada-de-inverno-de-abacate.html?m=0

Salada 3: Salada de inverno de rucula: 

https://www.ecologiamedica.net/2022/06/salada-3-salada-de-inverno-de-rucula.html

Salada 4: Salada com legumes assados: 

https://www.ecologiamedica.net/2022/07/salada-4-salada-de-legumes-assados.html

Salada 5: Salada de Picles de pepino com molho de alho:

 https://www.ecologiamedica.net/2023/04/salada-5-salada-de-picles-de-pepino-com.html

Salada 6: Salada vegana de lentilha crocante: 

https://www.ecologiamedica.net/2023/07/salada-6-salada-vegana-de-lentilha.html

Salada 7: Salada cítrica de grão de bico: 

https://www.ecologiamedica.net/2023/07/salada-7-salada-de-grao-de-bico-citrica.html

Salada 8: Salada de frango com molho pesto de abacate: 

https://www.ecologiamedica.net/2023/08/salada-8-salada-de-frango-com-molho-de.html

Salada 9: Salada de berinjela com passas e amêndoas: 

https://www.ecologiamedica.net/2023/11/salada-9-salada-de-berinjela-com-passas.html?m=0

Salada 10: Salada com molho homus

https://www.ecologiamedica.net/2023/11/salada-10-salada-com-molho-homus.html

Salada 11: Salada de atum crocante: 

https://www.ecologiamedica.net/2023/12/salada-11-salada-crocante-de-atum.html

Salada 12: Trigo cozido com especiarias

https://www.ecologiamedica.net/2024/02/salada-12-trigo-cozido-com-especiarias.html


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2024

Médicos estão parando de examinar seus pacientes

Fora de alcance

…[T]ocar era o verdadeiro segredo profissional, nunca reconhecido como a habilidade central e essencial, sempre obscurecido... mas sempre ocupado com a imposição de mãos. Aí, penso eu, está o ato mais antigo e eficaz dos médicos, o toque.

Lewis Thomas

A pele é o nosso maior órgão sensorial e o tato é o mais interativo de todos os sentidos. Não é de surpreender que a imposição das mãos tenha sido uma parte importante do conjunto de ferramentas do médico desde os primórdios dos cuidados médicos. Do Papiro Ebers de cerca de 1550 a.C. aos “curandeiros manuais” da Grécia clássica (cujo nome kheirourgos acabou por gerar o nosso termo moderno “cirurgiões”), o toque tem sido o “segredo profissional” do médico. Não mais.

Primeiro, a obsolescência da interação à beira do leito devido à atração da tecnologia de diagnóstico, depois o “distanciamento social” da COVID-19 e, em última análise, a expansão da telemedicina contribuíram para nos separar dos pacientes.

As preocupações de que a proximidade possa ser mal interpretada como avanço sexual levaram as instituições a oferecer acompanhantes para áreas “não sensíveis” do exame, enquanto alguns médicos começaram a usar luvas para interações que normalmente não as exigiriam. 

O resultado é um tal declínio no contato pele com pele que nos resta perguntar se os médicos de hoje estarão mais interessados ​​em impor ferramentas em vez de mãos. 

O editor e autor norte-americano Norman Cousins ​​ofereceu a perspectiva do paciente: “O médico comemora a tomografia computadorizada. O paciente comemora a mão estendida.” 

Na verdade, a verdadeira questão é se o fim do contato físico pode ter prejudicado a relação médico-paciente.

Allogrooming é onipresente entre primatas e mamíferos. 

("Allogrooming" pode ser traduzido para o português como "allogrooming", pois é um termo técnico usado na etologia (o estudo do comportamento animal) para descrever comportamentos de higiene social entre membros de uma mesma espécie, como a limpeza mútua de pelos em primatas, por exemplo.)

No entanto, nos seres humanos, o contato físico é frequentemente um fenômeno cultural, com algumas sociedades apreciando-o mais do que outras.

No comumente citado estudo “Coffee House” de 1966, o psicólogo Sidney Jourard contou quantas vezes casais em cafés se tocavam em vários países. Em Paris, eram 110 vezes por hora; em Londres, nunca; em San Juan, Porto Rico, foi mais de 180 vezes; e em Gainesville, Flórida, duas vezes.

Embora este estudo tenha recebido críticas, a maioria dos sociólogos concordaria que as culturas mediterrânicas, como as de Espanha, França, Itália e Grécia, sentem-se mais confortáveis ​​com a proximidade do que as sociedades do norte, como os EUA ou o Reino Unido.

As sociedades resistentes ao contato podem sublimar a sua necessidade de toque na posse de animais de estimação.

Por exemplo, 66% dos agregados familiares dos EUA tinham animais de estimação em 2023, em comparação com apenas 15% na Grécia.

Ainda assim, quando as pessoas estão angustiadas, elas querem ser tocadas. 

“Algumas pessoas não gostam de ser tratadas por outras pessoas”, escreveu o médico e ensaísta norte-americano Lewis Thomas, “mas não, ou quase nunca, pessoas doentes. Eles precisam ser tocados, e parte do desânimo de estar muito doente é a falta de contato humano próximo. Pessoas comuns, mesmo amigos próximos, até mesmo familiares, tendem a ficar longe dos doentes, tocando-os com a menor frequência possível por medo de interferir, ou de contrair a doença, ou apenas por medo de azar. A habilidade mais antiga do médico no comércio era colocar as mãos sobre o paciente [grifo nosso].”

No entanto, existem indivíduos que permanecem excepcionalmente resistentes ao toque. Indivíduos com transtornos do espectro do autismo, por exemplo, apresentam uma sensibilidade patológica ao contato e, portanto, resistem a ele. No entanto, as pessoas doentes anseiam pelo toque. Pode haver razões emocionais e fisiológicas. Desde o seu efeito calmante no tratamento do câncer até à libertação de endorfinas, serotonina e ocitocina, o toque desencadeia uma série de eventos que resultam numa sensação de relaxamento, confiança e cooperação. 

Essas mudanças podem ter valor terapêutico. Na verdade, o toque estimula o sistema imunológico, aumentando as células assassinas naturais; reduz a pressão arterial; ativa o nervo vago; diminui os níveis de cortisol induzidos pelo estresse; reduz a ansiedade; e ao modular o sistema opiáceo endógeno, alivia a dor. Não é de admirar que a realeza de Inglaterra e de França tenha confiado durante séculos no toque para convencer os seus súbditos dos poderes divinos e curativos dos reis.

O toque também é crucial para o desenvolvimento humano. Na década de 1950, Harry Harlow realizou uma série de experimentos pioneiros que mostraram como bebês macacos rhesus separados de suas mães ainda conseguiam prosperar através do contato com um substituto de tecido atoalhado. Desde então, vários estudos em bebês humanos demonstraram que o toque é um componente fundamental do desenvolvimento fisiológico, emocional e cognitivo. Na verdade, pode prevenir a deterioração cognitiva. Na verdade, a falta de contato carinhoso pode ter consequências devastadoras. Por exemplo, pré-escolares e adolescentes privados de toque afetuoso por parte dos pais e colegas apresentam um comportamento mais agressivo, o que é relevante para os nossos tempos porque o contato físico entre os adolescentes foi substituído pela ligação “virtual” e a solidão está a aumentar. Perto de metade dos “screenagers” relatam que a sua “vida social terminaria ou seria muito piorada se não pudessem usar mensagens de texto”. Esta visão é contra-intuitiva porque as mensagens de texto não têm a ligação emocional do toque e podem prejudicar as competências sociais. De qualquer forma, o toque amável e gentil é uma forma tão benéfica de comunicação humana que a pele tem sido chamada de “órgão social”.

O toque não foi a única vítima dos cuidados médicos modernos. O contato visual foi igualmente reduzido. Os formandos de hoje, por exemplo, passam apenas 13,8% do seu tempo à beira do leito, sendo que 50,6% olham para telas de computador e apenas 9,4% olham para pacientes.

Além de interferir na coleta de informação clínica, a perda de visão olho-no-olho a interação pode dificultar a conexão empática, o que seria lamentável porque pode haver ligações benéficas entre a empatia do médico e os resultados médicos.

Revisões sistemáticas do cuidado centrado no paciente mostraram que os comportamentos verbais e não-verbais dos médicos (como garantia e apoio, mas também balançar a cabeça, inclinar-se para a frente e tocar) estão de fato associados a uma maior satisfação do paciente e à adesão à terapia.

Eles podem até estar curando. Há dois mil e quinhentos anos, Hipócrates escreveu que “alguns pacientes, embora conscientes de que a sua condição é perigosa, recuperam a saúde simplesmente através da satisfação com a bondade do médico”.

É por isso que o desaparecimento do exame físico é uma grande perda para a arte da medicina: nos priva da nossa principal oportunidade de tocar os pacientes. Além de fornecer informações clínicas valiosas, o exame físico pode promover confiança e comunicação. O ato de tocar os pacientes demonstra que somos médicos minuciosos e competentes, que podemos ser confiáveis e que não temos medo da proximidade. O ex-presidente do Departamento de Medicina de Família da Universidade de Miami, Lynn Carmichael, resumiu simplesmente: "O bom médico é um bom cuidador."

Portanto, se estas formas não-verbais de comunicação são cruciais para a cura, o que podemos fazer para preservá-las? Como sempre, a conscientização é o primeiro passo: a tecnologia está nos separando dos pacientes. No entanto, a tecnologia não é o problema. Só quando se torna um fim e não um meio é que corremos o risco de perder séculos de tradição médica, o que seria prejudicial não só para os pacientes, mas também para nós. Na verdade, questiona-se se o distanciamento poderá ter contribuído para a epidemia de esgotamento. Um editorial recente sugeriu que formas mais “envolvidas” de praticar medicina poderiam ser emocionalmente desgastantes, mas, em última análise, mais gratificantes.

Em tempos em que a solidão se tornou epidêmica e a empatia está em declínio, estender a mão e tocar alguém pode trazer enormes benefícios.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2024

Soro da beleza: Anvisa alerta para novo golpe em clínicas de estética

 


Para saber mais sobre Soroterapia, acesse: https://www.ecologiamedica.net/2023/11/soroterapia-modinha-repaginada-aspectos.html


segunda-feira, 1 de janeiro de 2024

Felicitações Nutrológicas para 2024

Desejo a você seguidor/amigo/paciente/aluno/afilhado, que em 2024 você tenha:

1) Mais saúde, vitalidade, gana de viver
2) Bons hábitos de vida, mantendo o peso adequado, de preferência com uma boa massa muscular
3) Durma melhor, sono é igual qualidade de vida
4) Exercite-se diariamente, com aquilo que ama ou com aquele exercício que você menos odeia rs
5) Preze pela sua saúde mental: faça psicoterapia! É o maior investimento que um ser humano pode fazer para si. Tem texto sobre isso aqui...
6) Ame e cuide dos que estão ao seu redor: eles que estarão ao seu lado, na beira de um leito
7) Tenha Fé
8) Tenha um hobbie
9) Seja altruísta
10) Alimente-se de forma consciente e saudável. Não negligenciando sua saúde. 

Um excelente 2024 e precisando estarei aqui no consultório. 

Grande abraço

Dr. Frederico Lobo
Médico Nutrólogo
CRM-GO 13192 - RQE 11915 / CRM-SC 32949 - RQE 22416