Mostrando postagens com marcador disbiose. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador disbiose. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Disbiose no idoso

Nenhum sintoma é mais irritante no paciente mais velho que o desconforto para evacuar! Quer seja por prisão de ventre, por formação excessiva de gases, ou por uma maior permeabilidade com diarréias, disenterias, ou simplesmente com a exacerbação do numero diário de dejeções!

Os gerontes como a maioria das pessoas, sentem que se seus intestinos não estão permeáveis, alguma coisa esta errada com ele, ao que não podemos tirar sua razão!

Nosso tubo digestivo é receptáculo, e passagem de tudo que ingerimos de bom ou de ruim!

Também é responsável pela produção de muitas substancias utilizadas em nosso corpo, desde para digestão até o equilíbrio emocional, já que as microvilosidades intestinais, e não somente o cérebro, são a grande fábrica de serotonina de nosso organismo, substancia responsável, pelo bem estar e relaxamento, e que esta alterada em casos de depressão!

Possuímos em nossos intestinos, mais bactérias, que células no corpo, são mais de 50 trilhões destes microorganismos, que auxiliam na decomposição dos alimentos, digestão e absorção, e que compõe a chamada flora intestinal!

O processo começa na boca com a saliva rica em enzimas que degradam açucares e gorduras, e destroem bactérias patogênicas! No estomago, se processa a quebra das proteínas, e a adição de acido clorídrico, que alem de digerir torna o ambiente inóspito a outros micro-organismos invasores!

Em um organismo próximo ao equilíbrio,já que não ocorre o equilíbrio absoluto, teremos em harmonia os lactobacilos, benéficos ao processo digestivo, as bactérias saprófitas, que estáveis não fazem bem nem mal, e os elementos nocivos, como brucela, toxoplasma, os fungos de cândida, entre outros! Todos seus malefícios são contidos pala superioridade avassaladora das bactérias úteis! Alem da digestão as bactérias benéficas, entre elas lactobacilos, saccharomicess, boulardis, bifidobacterium, principalmente, sintetizam antibióticos naturais e vitaminas, como a K e o complexo B!

Quando por alguma desordem orgânica os elementos patogênicos superam as bactérias úteis, estamos frente a um desequilíbrio ao qual chamamos disbiose, que no nome já traz seu significado, desequilíbrio da vida, no caso das bactérias intestinais!

As bactérias saprófitas, já não são mais tão inócuas e passam a agredir ao meio que ajudam a estabilizar, caos!

Distúrbios digestivos, como a redução na produção de acido clorídrico, tornado o estomago menos acido, ou base, comum nos mais velhos e/ou diabéticos. Nas infecções quaisquer que sejam e que se utilizem antibióticos, ocorrem farta destruição de bactérias patogênicas e uteis, estas muito mais sensíveis e alvo fácil de redução!

As alergias sejam alimentares ou especificas, afetam em muito o equilíbrio da flora intestinal! As alimentares corrompem a digestão ajudando a formarem compostos mistos da toxina bacteriana com proteínas diversas, produzindo peptídeos inoportunos e perigosos que por vezes são ativadores de marcadores com capacidade até de alterações em DNA, como o Fator de Necrose Tumoral, ativado por peptídeos de mutação, produz-se aqui uma enorme cascata de formação de radicais livres! Mais caos!

A disbiose interfere na permeabilidade intestinal, por estar alterado, permite absorção de compostos que um intestino saudável não permitiria.

A prisão de ventre também é fator de desequilíbrio na flora, pois a retenção fecal, faz com que bactérias retornem do intestino grosso para o delgado modificando seu funcionamento normal! Opostamente a Síndrome do Intestino Irritável, por si só, já é, uma clássica manifestação disbiótica!

Disfunção gástrica, pancreática e biliar, assim como o consumo excessivo de agentes irritantes, como álcool e bebidas gasosas, e do açúcar fonte de proliferação fúngica (cândida), são precursores da disbiose!

Leptina, grelina, resistina, colecistoquininas, serotonina, somastostatina, óxido nítrico, são substancias produzidas e reguladas no tubo digestivo, do diabetes a depressão, da obesidade a hipertensão, todos podem estar envolvidos com este quadro!

Como fazer para evitar? Dieta próxima, natural, com muitas fibras, se possível sem agrotóxicos, orgânica, alimentos funcionais, antioxidantes, como suco de uva, iogurte por exemplo, mastigação e tempo pós prandial, repouso após se alimentar, evitar líquidos as refeições!

Antiácidos, e medicamentos para estomago, só com ordem médica e por tempo determinado!

Fazer atividade física, ajuda a manter o bom funcionamento do intestino!

Gerenciar e tratar o stress, e humor, lembre-se que enfezado, tem duplo significado, bravo ou cheio de fezes!

Utilizar preventivamente e regularmente a reposição de lactobacilos, e eventualmente do complexo B, principalmente nas vezes que utilizar antibióticos para tratamento de infecções, sejam pelos dias que forem, ou quais forem. Todos destroem a flora intestinal!

Portanto não é redundância dizer que controlar a disbiose, coadjuva as terapias para diabetes, obesidade, alergias, anemias, hipertensão e vasculopatias, alem de depressão, fibromialgias e síndrome da fadiga crônica, doenças sabidamente de origem serotoninérgicas!

Autor: Dr.João Mariano Sepúlveda – cardiogeriatra

Fonte: http://neonutre.com.br/disbiose-no-idoso/