Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta orgânicos. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta orgânicos. Classificar por data Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Consumo de orgânicos pode reduzir o risco de câncer


Mais de 68.000 adultos franceses participaram do estudo. Aqueles que comiam mais alimentos orgânicos tinham 25% menos chances de desenvolver câncer. Você pode se proteger do câncer comendo alimentos orgânicos, sugere um novo estudo. 

Aqueles que freqüentemente comem alimentos orgânicos diminuíram seu risco geral de desenvolver câncer, segundo um estudo publicado na revista JAMA Internal Medicine. 

Especificamente, aqueles que basicamente comem alimentos orgânicos têm maior probabilidade de afastar o linfoma não-Hodgkin e o câncer de mama na pós-menopausa, em comparação àqueles que raramente ou nunca ingeriram alimentos orgânicos.

Liderada por Julia Baudry, epidemiologista do Institut National de la Sante e de la Recherche Medicale, na França, uma equipe de pesquisadores analisou as dietas de 68.946 adultos franceses. 

Mais de três quartos dos voluntários eram mulheres, com idade média de 40 anos. 

Esses voluntários foram categorizados em quatro grupos, dependendo de quantas vezes relataram comer 16 produtos orgânicos, incluindo frutas e legumes, carne e peixe, refeições prontas, óleos e condimentos vegetais, suplementos alimentares e outros produtos.

O tempo de seguimento variou para cada participante, mas durou pouco mais de quatro anos e meio, e durante esse período, os voluntários do estudo desenvolveram um total de 1.340 casos de câncer. 

O mais prevalente foi o câncer de mama (459) seguido pelo câncer de próstata (180), câncer de pele (135), câncer colorretal (99) e linfomas não Hodgkin (47).

Os autores calcularam o risco de câncer

Comparando os escores de alimentos orgânicos dos participantes com os casos de câncer, os pesquisadores calcularam uma relação negativa entre as pontuações mais altas (comer a maior parte dos alimentos orgânicos) e o risco geral de câncer. 

Aqueles que comiam mais alimentos orgânicos tinham 25% menos chances de desenvolver câncer. 

Especificamente, eles tinham 73% menos probabilidade de desenvolver linfoma não-Hodgkin e 21% menos probabilidade de desenvolver câncer de mama após a menopausa.

Mesmo os participantes que ingeriram dietas de baixa a média qualidade, mas ainda assim aderiram à alimentação orgânica, tiveram um risco reduzido de câncer, descobriram os autores.

Os autores teorizam que uma "possível explicação" para a relação negativa entre alimentos orgânicos e risco de câncer decorre da redução "significativa" da contaminação que ocorre quando alimentos convencionais são substituídos por alimentos orgânicos.

"Se as descobertas forem confirmadas, promover o consumo de alimentos orgânicos na população em geral pode ser uma estratégia preventiva promissora contra o câncer", concluíram Baudry e seus colegas.

Dr. Jorge E. Chavarro, professor associado do Departamento de Nutrição da Harvard T.H. Chan School of Public Health, disse em um podcast que o novo estudo é "incrivelmente importante". 

Ele é co-autor de um comentário publicado no estudo.

A maioria das pessoas que não trabalha na agricultura está exposta a resíduos de pesticidas através dos alimentos, disse Chavarro, que não esteve envolvido no estudo.

As novas descobertas são consistentes com as da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer, que descobriu que os pesticidas são cancerígenos em humanos, observou Chavarro. 

Eles também se alinham com os de outro estudo que mostrou uma relação negativa entre comer alimentos orgânicos e linfoma não-Hodgkin, disse ele.

No entanto, Chavarro acrescentou que os pesquisadores que planejam estudos futuros devem estar cientes de certas limitações neste novo estudo.

Desvantagens do estudo

"Avaliar a ingestão de dieta é difícil, avaliando a ingestão de alimentos orgânicos é notoriamente difícil", disse Chavarro. “Isso porque decidir comer alimentos orgânicos ou não é uma decisão que tem determinantes sociais e econômicos muito fortes. 

Mesmo que os autores tenham acesso a informações de por que as pessoas estão optando por não comer alimentos orgânicos, eles consideram todos os não-consumidores de comidas orgânicas iguais. "

Por exemplo, as pessoas que optam por não comer alimentos orgânicos, apesar de poderem fazê-lo, podem ter uma atitude inadequada em relação à sua saúde em geral e isso provavelmente influenciaria os resultados.

Chavarro também disse que não está claro se a quantificação do consumo de alimentos orgânicos está realmente calculando o que os autores do estudo querem medir - reduzindo a exposição a resíduos de pesticidas através da dieta.

É verdade que pesquisas anteriores, incluindo um dos próprios estudos de Chavarro, mostraram uma correlação entre o consumo de alimentos orgânicos e os níveis de pesticidas na urina, portanto a suposição não está incorreta. 

Ainda assim, os autores precisam mostrar isso, ele disse no podcast sobre o estudo. 

E, diferentes alimentos convencionais são mais "sujos" (contaminados com pesticidas) do que outros, ele disse, então comer certos alimentos orgânicos faz um trabalho melhor em nos proteger contra a ingestão de pesticidas do que outros. 

No entanto, o estudo não faz um bom trabalho de classificação e avaliação dessas diferenças, observou ele.

“No atual estágio da pesquisa, a relação entre o consumo de alimentos orgânicos e o risco de câncer ainda não está clara ", escreveram Chavarro e seus coautores no comentário.

No final, a conclusão do estudo, de acordo com Chavarro, é que todos nós deveríamos estar prestando mais atenção à quantidade de alimentos orgânicos que comemos e "provavelmente deveríamos estar estudando isso mais".

“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho

Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista de Goiânia 

quarta-feira, 2 de março de 2011

Críticas e Mal Entendidos sobre Agricultura Orgânica – Contra Argumentos



MAL ENTENDIDO 1: Resíduos de agrotóxicos em alimentos convencionais seguem padrões de segurança e estão dentro dos limites de segurança.
Contra Argumentos: A pesquisa brasileira da ANVISA (PARA 2001-2009) mostra que infelizmente isso não acontece com nossos vegetais.

MAL ENTENDIDO 2: Não há evidência consistente de diferenças entre alimentos orgânicos e convencionais
Contra Argumentos: Alimentos orgânicos têm menores níveis de agrotóxicos, drogas veterinárias e teor de nitrato. Além disso, têm maior teor de antioxidantes, fitoquímicos, minerais e algumas vitaminas. Quanto ao teor de carboidratos, proteínas e gorduras eles não diferem muito, mas acredita-se que os orgânicos têm valor nutricional mais equilibrado (e não maior). Alimentos orgânicos de origem animal têm melhor qualidade de gordura e menos teor de ácidos graxos saturados e os processados não têm gordura hidrogenada, nem aditivos químicos sintéticos e não são irradiados. Por isso são, sem dúvida, mais saudáveis.

MAL ENTENDIDO 3: Grupos de empresários orgânicos divulgam informações sobre o perigo dos alimentos convencionais para aumentar seu lucro e espaço de mercado.
Contra Argumentos: Na verdade, a maioria das comunicações sobre os benefícios dos alimentos orgânicos – que são cada vez mais conhecidas – são divulgadas pelos consumidores, pela mídia, por associações e organizações não governamentais de incentivo à agricultura orgânica, e por profissionais da saúde que não têm interesse comercial no setor. As grandes empresas que têm condições de assumir os altos custos do marketing dos orgânicos não se interessam por esse setor, pois também produzem alimentos convencionais que ainda mantém a maior parte de seus lucros.

MAL ENTENDIDO 4: A Agricultura Orgânica aumenta o risco de contaminação alimentar. Exemplos: alimentos orgânicos contêm mais bactérias como E. coli porque utilizam adubo de origem animal; e micotoxinas por causa da falta de agrotóxicos no cultivo.
Contra Argumentos: Os padrões orgânicos de utilização de esterco seguem rígidas recomendações: ou o esterco deve ser preparado antes como composto e sofre degradação térmica, ou deve ser aplicado somente após 90 dias de coletado. Dessa forma, não existe mais risco de contaminação patogênica entre orgânicos que devem ser corretamente higienizados antes de serem consumidos, como qualquer outro vegetal. Mas é bom lembrar que a agricultura convencional utiliza toneladas de esterco de vaca e de galinha in natura, sem qualquer tipo de processamento ou regras para utilização. A E.coli é encontrada em todo lugar e as práticas de higienização são necessárias para prever qualquer tipo de contaminação, em qualquer tipo de alimento. A aplicação de composto não figura entre a maior causa de contaminação de E.coli nos seres humanos, que segundo a US Centers for Disease Control ocorre por consumo de carne infectada durante o abate. Além disso, em pesquisa realizada pela FAO, descobriu-se que vacas soltas, tratadas a pasto ou feno (como no caso dos animais orgânicos) produzem menos (de – tirei) E.coli no seu material fecal do que os animais confinados tratados com cereais. Quanto às micotoxinas, a AO não usa fungicidas, mas apresenta outras vantagens que previnem a contaminação dos alimentos por micotoxinas e reduzem a concentração de fungos, como plantas com células e tecidos mais estáveis e resistentes a fungos; esquemas de rotação de culturas e manejo animal mais saudável. A FAO também publicou estudo que demonstra que níveis menores de micotoxinas são encontrados em leites de origem orgânica quando comparadas com leites de origem convencional.

MAL ENTENDIDO 5: Muitos alimentos naturais contêm substâncias alergênicas que têm impacto sobe a saúde. A transgenia pode ajudar a minimizar tais efeitos.
Contra Argumentos: Existem realmente agentes naturais nos alimentos que podem ser tóxicos como os glicoalcalóides nas batatas, o ácido cianídrico em frutas como ameixa, damasco, maçã e pêssego, e os glicosinolatos no espinafre e couves. Mas tudo é uma questão de dose, modo de preparo e sensibilidades individuais. Além disso, ressalta-se que tais substâncias se encontram nos alimentos orgânicos e convencionais e não há estudo que mostre que as substâncias tóxicas naturais são mais potentes nos orgânicos. A transgenia poderia ser um processo para amenizar tais substâncias, mas a intoxicação rara que tais substâncias causam nos seres humanos são bem menos problemáticas e preocupantes do que os efeitos ainda não delineados dos alimentos transgênicos. E ao tentar solucionar problemas de alergia, a transgenia acaba produzindo novos alergênicos como no caso das intoxicações com o suplememto alimentar transgênico L- triptofano e com o milho StarLink, com o gene contendo a toxina Bt. Isso sem falar dos problemas sociais, ambientais e éticos das sementes transgênicas, liberadas no Brasil sem rotulagem, infringindo normas básicas de biossegurança.

MAL ENTENDIDO 6: Alguns pesticidas “verdes” ou “orgânicos” podem causar danos à saúde e são usados em grandes doses. Por isso não há razão para confiar nos alimentos orgânicos.
Contra Argumentos: Com certeza, pesticidas naturais (e também adubos orgânicos) podem causar danos se forem usados de forma inconseqüente, em altas doses, sem respeito aos prazos de carência. Mas uma Agricultura Orgânica séria e comprometida deve buscar seguir princípios de segurança e equilíbrio no uso de tais substâncias. Outra questão importante é que uma propriedade orgânica, à medida que consegue equilibrar o ecossistema ao seu redor com um manejo correto, depende cada vez menos de fertilizantes e pesticidas naturais. Com o tempo, o solo se enriquece, o policultivo e a rotação de culturas se estabelecem, a biodiversidade aumenta e as espécies nativas se proliferam, atingindo um estado de equilíbrio que prescinde de insumos externos para produzir alimentos. Ou seja, a AO usa pesticidas no inicio da produção, mas a proposta é, a médio e longo prazo promover o equilíbrio do agroecossistema e evitar o uso de pesticidas. Isso vale também para a produção animal. Uma produção orgânica de qualidade não deve almejar granjas orgânicas com uso de probióticos, fitoterapia e rações orgânicas, mas deve criar animais livres e saudáveis, capazes de procriar, de se alimentar e de se comportar de acordo com sua espécie. É como o ser humano que chega doente e desequilibrado ao médico e precisa do medicamento. Mas se ele passa a ter uma vida equilibrada, cuida da alimentação, do sono, do ritmo, do exercício físico e das suas emoções, ele se torna saudável e adoece raramente, evitando o uso de drogas – naturais ou sintéticas. É esse “estado de saúde” e independência que uma propriedade orgânica deve almejar e alcançar.

MAL ENTENDIDO 7: Alimentos orgânicos são muito caros e estão se tornando “comida de rico”.

Contra Argumentos: Resumidamente, essa é uma questão que envolve de que forma e onde o consumidor compra seu alimento orgânico e qual o seu parâmetro de alimento “caro e barato”. Outra questão diz respeito ao quanto o consumidor deseja se envolver para mudar esse conceito e quais são suas prioridades de consumo alimentar. Ressaltamos que, em geral, os custos para produzir alimentos convencionais são bem mais altos do que para a produção de orgânicos. As externalidades ambientais ( contaminação de águas, solo e ar, perda de biodiversidade), sociais ( exclusão de agricultores) e sobre a saúde humana(contaminações químicas) não são levadas em conta no preço da comida. Em longo prazo, consumir alimentos orgânicos significa menos doenças, menos intervenções médicas e hospitalares e um meio ambiente preservado e saudável.
Em países como o Brasil, a produção orgânica tem custo mais baixo que a convencional e há regiões que produzem orgânicos com o mesmo preço que os convencionais. Isso depende da organização dos agricultores e do circuito de vendas que o consumidor deseja apoiar. Resumidamente, comprar direto dos agricultores (cestas, feiras, etc) é mais barato do que em lojas especializadas, e muito mais acessível que nas grandes redes de supermercados. Essa é uma dimensão real e bem complexa que um parágrafo não vai responder bem.

MAL ENTENDIDO 8: As pessoas não podem comprar orgânicos, então promover a Agricultura Orgânica reduzirá o consumo de frutas e verduras, alimentos saudáveis, porém caros quando orgânicos.
Contra Argumentos: Primeiramente, é preciso levar em conta o contexto anteriormente indicado. Não há dúvida de que promover o consumo de alimentos saudáveis deveria ser uma das prioridades da área da saúde. Não podemos esquecer que as frutas e verduras, mesmo sendo nutricionalmente saudáveis, podem ser ainda mais potentes promotoras da saúde se forem orgânicas. Isso porque além de terem maior quantidade de minerais e fitoquímicos, elas têm menos agrotóxicos e resíduos de fertilizantes sintéticos. Frutas e verduras são saudáveis. Se orgânicas, mais ainda! A área da saúde não pode ignorar esse fato e os especialistas devem indicar o que é superior.
As evidências mostram que os consumidores orgânicos consomem mais frutas e verduras e menos alimentos insalubres do que a maioria da população. Promover a AO significa, a médio prazo, maior oferta e demanda de alimentos orgânicos e menor preço; e essa ação faz parte da necessária estratégia de promoção de hábitos alimentares saudáveis e da saúde ambiental e social que queremos ver na sociedade atual.
Ressaltamos que o preço relativamente barato de alimentos como óleo, gorduras, açúcar e alimentos industrializados, que promovem obesidade e muitas doenças não transmissíveis, não reflete o preço real desses alimentos, que é distorcido por políticas de subsídios agrícolas. Futuras intervenções políticas serão necessárias para apoiar a AO (e toda cadeia de alimentos saudáveis), se todos os consumidores se envolverem e desejarem essa perspectiva produtiva e escolherem políticos comprometidos com essa causa.

MAL ENTENDIDO 9: Alimentos orgânicos não são saborosos e atraentes.
Contra Argumentos: Bem, primeiramente o que é saboroso é um conceito muito subjetivo. Há pessoas que não gostam do sabor de leites in natura e frangos orgânicos de carnes rígidas e preferem leites de caixinha (UHT) e aves de granja, de carnes “macias”. O que as poucas pesquisas na área indicam é que os alimentos orgânicos têm sabor, textura, cor e odores originais; mostram alimentos como tomates, morangos, maçãs e cenouras mais adocicados e cascas de ovos e carnes mais firmes. Se vierem de uma agricultura orgânica de qualidade, os produtos orgânicos são atraentes e devem apresentar excelente aspecto. Mas eles não são padronizados em formas e tamanhos, o que é perfeitamente natural, na concepção da palavra.
E é preciso ressaltar que muitos chefes de cozinha no Brasil e no mundo recomendam e sinalizam a superioridade dos orgânicos em termos de sabor e qualidade. Mas só experimentando os orgânicos, é que o consumidor pode comparar.

MAL ENTENDIDO 10: Alimentos orgânicos são para vegetarianos
Contra Argumentos: Existe uma infinidade de linhas e padrões alimentares vinculados a determinadas religiões ou filosofias que restringem grupos de alimentos. No caso dos vegetarianos restritos (ou veganos), eles evitam todos os alimentos de origem animal (mel, carnes, leite e ovos) e alguns incorporam alguns desses alimentos tornando-se lacto ou ovolactovegetarianos. Muitos indivíduos vegetarianos inserem vegetais orgânicos na dieta por acreditarem que eles são mais saudáveis do que os convencionais. E o fator saúde é um aspecto importante da opção pelo vegetarianismo (não o único). Mas há vegetarianos que não consomem orgânicos, simplesmente restringem os produtos de origem animal. A dieta orgânica, a principio, é mista, até mesmo porque existe uma forma de manejo animal orgânica, que se preocupa com o bem estar dos animais e com a produção de alimentos de qualidade, tanto quanto na agricultura orgânica.
MAL ENTENDIDO 11: A certificação orgânica não é confiável e muitos alimentos convencionais são vendidos como orgânicos. Além disso, os consumidores não entendem o processo de certificação e, sendo assim, não podem confiar nele.
Contra Argumentos: Fraudes e faltas de regulação no sistema alimentar nunca serão completamente erradicadas, mas no momento, a certificação de orgânicos como um todo (porque há diferentes tipos de certificação) é um dos melhores sistemas de segurança alimentar e está em continuo processo de adaptação e mudanças.
Relembramos que na legislação brasileira, o termo orgânico incorpora outras terminologias como biodinâmicos, ecológicos, naturais, biológicos, provenientes de permacultura, etc., dependendo do tipo de agricultura praticada. Isso realmente confunde o consumidor e, por isso, a proposta de assumir o termo orgânico deve ser repensada pelas diferentes correntes de agricultura sustentável, sem perder de vista as diferenças e peculiaridades de cada proposta.
Quanto às dúvidas do consumidor, elas realmente existem, e também os diferentes especialistas estão confusos. Realmente a dúvida surge do desconhecimento. O processo é recente e ressaltamos a necessidade de um amplo e contínuo sistema de divulgação, educação e sensibilização de leigos e especialistas para que eles possam conhecer o sistema orgânico e suas vantagens, e, assim, entender tipos de certificação e suas diferenças.

Fonte: http://www.casadoorganico.com/blog/

terça-feira, 24 de abril de 2018

Produtos orgânicos e naturais em Goiânia

O Guia Curta mais, fez uma reportagem listando lojas especializadas, feiras livres, empórios, restaurantes e serviços de delivery de orgânicos, produtos naturais em Goiânia. Confira abaixo:  
1. Empório Prime
Frutas, verduras e legumes orgânicos, produtos naturais dos mais variados tipos e origens nacionais e importadas, fazem do Empório Prime o mais novo point da turma natureba de Goiânia. No mix com pegada leve da loja, mais de 500 variedades de itens exclusivos e com preços bem mais acessíveis do que é cobrado no mercado.
Endereço: Avenida 85 com T-10, 2330, Setor Marista
Telefone: (62) 3240-9200
Funcionamento: de segunda a sábado de 7h30 às 22h, domingo de 7h30 às 14h
Instagram: @emporio_prime
0c86699537dce5f6d404dc99ce1a1911.jpg
74e0cd485199d078e0b8bef941ee2f94.jpg
e5ab58e17f32f8bfe5f4987583b031f4.jpg

2. Mundo Verde – Unidade Bueno
A Mundo Verde é uma empresa líder na proposta de desenvolver o conceito de vida saudável e sustentabilidade no varejo brasileiro. Possui grande diversidade de produtos e oferece um conceito completo em alimentação e vida saudável. A loja do Setor Bueno, possui tudo que alguém com um ideal de vida saudável precisa para seu dia a dia. São produtos integrais, orgânicos, sem glúten, sem açúcar, sem lactose, suplementos para atletas, encapsulados em geral, alimentação Kosher, temperos sem sal.
Endereço: Av. T-10, 1160, Quadra 108, Lote 11, Setor Bueno
Telefone: (62) 3251-4307 
Funcionamento: de segunda a sábado das 8h às 19h30
8d23debbb7fa2da7c6b802c8a6a18654.JPG
4ecf84b686fb4843b37971383d793b57.JPG

3. Mercadinho do Restaurante Panela Mágica
A feirinha só fica disponível na unidade da rua 13 do Setor Marista, de terça a sábado. Os alimentos chegam às terças (verduras e legumes) e às quartas (folhagem), mas durante toda a semana você encontra opções e outros produtos especiais e orgânicos do mercadinho como pães e ovos caipiras. Só não trabalham com frutas.
Endereço: Rua 13, 773, Setor Marista
Telefone: (62) 3223-6604
4703080315aec01e12293eccd567a6d2.jpg

4. Cerrado Alimentos Orgânicos
Além da feira, a loja também oferece almoço orgânico e saudável (R$ 42,90/kg) e possui um empório. A feira de produtos orgânicos acontece toda terça e quinta, das 15h às 18h, mas mesmo nos dias que não tem feira costumam ter orgânicos disponíveis. Endereço: Rua 10, 342, Setor Sul, próximo a Catedral
Telefone: (62) 3213-4388
6b663753691f17ed8f11a44beab167ed.jpg
561016314cb27bdeb492e6e2d01501a0.JPG

5. Natural Alimentos
Toda terça tem feirinha de produtos orgânicos, que fica disponível o dia todo. Além de mercadinho com produtos secos, como pães, farinhas, castanhas e etc.
Endereço: Rua 4, com Av. Tocantins, Centro
Telefone: (62) 3089-0999
Funcionamento: de segunda a sexta de 8h às 18h30, sábado de 8h às 13h30
659eda34c9051d41946b3d866d129cc0.JPG

6. República da Saúde
Além do restaurante de comida saudável que funciona o dia todo, cafeteria, adega e padaria gourmet, um empório com produtos orgânicos e saudáveis também fica disponível no salão. Todos os sábados, das 8h30 às 14h30 tem feirinha de produtos orgânicos com frutas, legumes e folhagem.
Endereço: Rua 89, 655, Setor Sul
Telefone: (62) 3942-6575
Funcionamento: segunda de 8h às 20h, de terça a domingo de 8h às 23h
6979759bb6fb4ffad61c3deaa5a3b686.jpg

7. Feira Agroecológica da Associação Goiana dos Agricultores Orgânicos
A feira de produtos orgânicos acontece dentro do Mercado da 74, no centro da cidade, todos os sábados, das 7h30 às 11h. E também disponibilizam serviço de delivery.
Endereço: Mercado Municipal da Rua 74, 329, Centro
Telefone: (62) 3524-1111

8. Alimentação Viva
Comercializa brotos e germinados orgânicos, alimentação viva, pão dos essênios, pão sem glúten, biscoitos sem glúten, mudas de capim de trigo, suco verde, bolos doces com ingredientes altamente selecionados. Os pães sem glúten, como são feitos somente sob encomenda são utilizados ingredientes selecionados a critério do freguês (ex. podem acrescentar amaranto, kinua, linhaça, gergelim, erva-doce, canela, féculas diversas).
Telefone: (62) 98168-6947 - Aparecida

9. Mercado da Vila Nova
Toda quarta, das 16h à 20h, tem feira de orgânicos com folhagem, frutas,  legumes , além de produtos saudáveis como pães, farinhas e etc.
Endereço: 5ª Avenida, esquina com a 4ª Avenida, Praça Boaventura, Vila Nova

10. Feira no Restaurante Arroz Integral
Além do restaurante com comida natural e orgânica, todas as sextas-feiras, das 16h às 19h, tem feira de orgânicos.
Endereço: Rua 93, 326, Setor Sul
Telefone: (62) 3624-6378

11. Seivas e aromas (Empório orgânico)
Há mais de 15 anos, na Chácara Shalon situada no município de Aragoiânia e a Chácara Nova Taverne situada no município de Brazabrantes são cultivados os orgânicos disponíveis no empório.
Endereço: Rua C-220 c/ C-149, Qd. 529, Lt. 10, Jardim América
Telefone: (62) 3086-3909 
99b3bcf1b9bcac3cb924a40bfcee18ea.JPG

12. Casa de Gaia
Desde o ano passado que a casa não comercializa mais orgânicos frescos, mas ainda vendem produtos secos, castanhas, quitandas e pães saudáveis, naturais, congelados.
Endereço: Avenida T-9, 1967, qd. 552, lt. 19 – Jardim América
Funcionamento: de segunda a sexta de 9h às 18h, sábados e feriados de 9h às 12h30
Telefone: (62) 3642-3082
ec6e66ba84bbe3ff7606da54927c9c99.jpg
13. Quintal Alimentos Saudáveis
O Quintal disponibiliza orgânicos como geleias, sucos, granolas, grãos, cereais, temperos – não trabalha com produtos frescos, como frutas e hortaliças.
Endereço:  Rua 7, esquina com Av. B, Galeria Via Maris, Setor Oeste (quarteirão do Castro's Park Hotel)
Telefone: (62) 3224-3945 | 9695-0333 (vendas pelo whatsapp)
Funcionamento: de segunda a sexta das 9h às 19h, sábado das 9h às 13h

14. Varanda Natural
Comercializam produtos saudáveis secos e industrializados.
Endereço: rua 9, 2323, Setor Marista
Telefone: (62) 3092-1999
Funcionamento: de segunda a sexta de 8h às 19h, sábado de 8h às 14h
bef170d1076709af5c9ccb2618f7d782.jpg

15. Knaterra
Comercializam produtos saudáveis secos, como farinhas, castanhas, e industrializados como vinhos, vinagres.
Endereço: Av. T-63, 1047, sl. 09, St. Bueno
Telefone: (62) 3412-7019 | e-mail: knaterra@hotmail.com 
Funcionamento: de segunda a sexta de 8h às 18h, sábado de 8h às 13h

16. Armazém Saúde
Comercializam produtos secos e industrializados orgânicos como: farinhas, castanhas, açúcar, azeite.
Endereço: Rua 12 c/ Av. Portugal, 280, Qd. K6, LT 7, Setor Oeste
Telefone: (62) 3541-6016 
Funcionamento: de segunda a sexta de 8h30 às 19h, sábado de 8h30 às 13h

Delivery
17. Jardim das Delícias
Pães sem glúten, bolos, e produtos a base de biomassa de banana verde, como a deliciosa veganese. Todos os produtos são veganos.
Endereço: Rua 93, 35, Setor Sul
Telefone: (62) 98233-9210 / 3924-4848

18. Humberto Barbosa
Faz entregas em domicílio de produtos de alta qualidade na cidade. O pedido é feito por email ou telefone. Fone: (62) 3095-4380 e 98183-0615

19. Pudica
Eles possuem serviço de entrega semanal, de quarta a sexta-feira até meio dia, para entrega aos sábados (com taxa de entrega). Também possuem algumas opções de pães.
Telefone: (62) 99227-6161

20. Fazenda Santa Helena
A Fazenda Santa Helena está situada a 25km de Goiânia na cidade de Teresópolis de Goiás. A fazenda apresenta um serviço de cestas orgânicas delivery (a domicílio).
Telefone: (62) 3086-4107
9c014c9c862494ffea6ec33817a7b55b.jpg

terça-feira, 24 de maio de 2011

Por que consumir alimentos orgânicos ?



A produção de orgânicos sempre que possível, baseia-se:
1)No uso de estercos animais,
2)Rotação de culturas,
3)Adubação verde,
4)Compostagem,
5)Controle biológico de pragas e doenças.

Tem como principal objetivo a manutenção da estrutura do solo além da sua produtividade, gerando alimentos saudáveis e produzidos baseados em uma relação harmônica com a natureza (homem/natureza, homem/animais homem/homem).

Por esses motivos, eu como médico e ecologista defendo essa causa. Alguns aspectos que sempre ressalto para quem me pergunta "Dr. porque vc está nessa de defender ecologia associada à medicina?":
1) Aspectos sanitários: alimentos orgânicos não possuem "defensivos" agrícolas sintéticos ou qualquer tipo de venenos que possa comprometer a saúde de qualquer ser na escala evolutiva, seja ele um invertebrado, seja ele um homo sapiens. Princípio este que jurei na minha formatura, princípio este criado pelo pai da Medicina (Hipócrates) "primum non nocere" que significa em primeiro lugar não lesar.

2) Aspectos ecológicos: a agricultura orgânica por não utilizar métodos agressivos e nocivos para a natureza, evita a degradação do meio ambiente. Isso inclui: manutenção das características do solo (as vezes adubando através de rochagem, mas sem utilizar fertilizantes sintéticos), manutenção da potabilidade da água e pureza do ar. A agricultura orgânica geralmente é familiar e ocorre de forma sustentável, na qual se respeita ciclos milenares (plantio/colheita). Desenvolvimento e preservação ambiental andam de forma conjunta.

De formal geral, a agricultura orgânica é baseada em três idéias. São elas:

1) Cultivo natural: é proibido o uso de agrotóxicos, adubos químicos e artificiais e conservantes no processo de produção.

2) Equilíbrio ecológico: A produção respeita o equilíbrio microbiológico do solo e as diferentes épocas de safra. O processo fica mais sustentável, não degradando a biodiversidade.

3) Respeito ao homem: o trabalhador tem que ser respeitado (leis trabalhistas, ganho por produtividade, treinamento profissional e qualidade de vida).

Para se obter um alimento verdadeiramente orgânico, é necessário conhecer diversas ciências (agronomia, ecologia, nutrição, medicina, economia, entre outras). Assim, o agricultor, através de um trabalho harmonizado com a natureza, tem condições de oferecer ao consumidor alimentos que promovam não apenas a saúde deste último, mas também do planeta em que vivemos.

O número crescente de produtores orgânicos no Brasil está dividido basicamente em dois grupos:

1) Pequenos produtores familiares ligados a associações e grupos de movimentos sociais, que representam 90% do total de agricultores, sendo responsáveis por cerca de 70% da produção orgânica brasileira;

2) Grandes produtores empresariais (10%) ligados a empresas privadas.
Enquanto na região sul cresce o número de pequenas propriedades familiares que aderem ao sistema, no sudeste a adesão é representada em sua maioria por grandes propriedades.

Atualmente, o Brasil ocupa a 34ª posição no mundo no ranking dos países exportadores de produtos orgânicos, sendo que na última década foi assistido um crescimento de 50%nas vendas por ano.

Calcula-se que já estão sendo cultivados perto de 100 mil há (hectares) em cerca de 4.500 unidades de produção orgânica espalhadas por todo o país. A maior parte da produção brasileira (cerca de 70%) encontra-se nos estados do Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Espírito Santo. Apesar da tendência de crescimento, o Brasil ainda perde para a vizinha Argentina em termos de área certificada para o cultivo de orgânicos na América do Sul.

Da produção nacional de orgânicos, cerca de 75% é exportada, principalmente para a Europa, Estados Unidos e Japão. A soja, o café e o açúcar lideram as exportações. No mercado interno, os produtos mais comuns são as hortaliças, seguidos de café, açúcar, sucos, mel, geleias, feijão, cereais, laticínios, doces, chás e ervas medicinais. Infelizmente ainda não temos muitas frutas produzidas nos moldes correto.

Os países com maiores áreas de produção orgânicas são, respectivamente:
1) Austrália com 12,29 milhões de ha;
2) China com 2,3 milhões de ha;
3) Argentina com 2,22 milhões de ha.

Esses países têm como principal atividade nessas áreas orgânicas a pastagem não intensiva. Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados na comparação entre países, pois a produtividade é extremamente variável entre eles.

O Brasil se encontra na oitava posição, com 880 mil ha.

Em termos de continente, a Oceania detém 40,7% da área sob manejo orgânico, seguida da Europa com 24,3%, América Latina com 16,2%, Ásia com 10,2%, América do Norte com 7,3% e África com 1,4%. O Japão hoje é considerado um dos maiores mercados mundiais para produtos orgânicos.

Devido à pequena dimensão territorial, a produção orgânica própria é pequena, principalmente se comparada à variedade e volume de produtos que importam, como cereais, legumes, frutas frescas, carne bovina, frango, queijo, entre outros.

Nos Estados Unidos, os produtores orgânicos certificados produzem principalmente cereais, com destaque para soja e trigo. O desenvolvimento da agricultura orgânica americana tem sido comparado ao da Europa, assistindo um volume de venda próximo dos U$5 bilhões anuais.

Segundo dados da Organic Farming Research Fundation (Fundação de Pesquisa em Agricultura Orgânica), aproximadamente 1% do mercado americano de alimentos é proveniente de métodos orgânicos de produção. Na Europa o desenvolvimento da agricultura orgânica e do consumo de produtos sem agrotóxico cresce a passos largos.

No final de 2009, na França, havia 16.446 fazendas orgânicas, um aumento de 23,7% em relação a 2008, e 677.513 hectares de terra orgânica, um aumento de 16% comparado a 2008. O país obteve destaque devido ao aumento significativo de algumas produções animais na linha orgânica, sobretudo o frango orgânico, que teve taxas de crescimento de 135% nos últimos dois anos.

A Alemanha foi o primeiro país do mundo a criar um organismo para inspeção e controle da produção orgânica e hoje o mercado alemão de produtos orgânicos é considerado um dos mais importantes da Europa. Em 1998, foram contabilizadas cerca de 6.786 unidades de produção (1,9% de sua área total).

Será que é orgânico mesmo? Como saber?

Se você pretende consumir alimentos orgânicos fique atento para não ser enganado. Procure sempre pelo selo de qualidade emitido por certificadoras reconhecidas pelo Ministério da Agricultura.

São entidades como a Associação de Agricultura Orgânica (AAO), o Instituto Biodinâmico (IBD), entre outros. Essas entidades, ao todo cerca de 30 em todo Brasil, avaliam se a produção do alimento segue os critérios estabelecidos pela agricultura orgânica.

Para ganhar o selo, os produtores seguem várias precauções e têm suas lavouras fiscalizadas a cada semestre. A presença do selo garante, portanto, a procedência e a qualidade dos produtos.

Aqui em Goiânia recomendo para os meus pacientes que comprem somente do pessoal da ADAO - GO (Associação dos Agricultores Orgânicos de Goiás)

10 MOTIVOS PARA CONSUMIR PRODUTOS ORGÂNICOS

1) SÃO ALIMENTOS NUTRITIVOS E SABOROSOS

Com solos balanceados e fertilizados com adubos naturais, se obtém alimentos mais nutritivos. A comida fica mais saborosa, conservam-se suas propriedades naturais como vitaminas, sais minerais, carboidratos e proteínas. Um alimento orgânico não contém substâncias tóxicas e nocivas à saúde. Em solos equilibrados as plantas crescem mais saudáveis, preservam-se suas características originais como aroma, cor e sabor. Consumindo produtos orgânicos é possível apreciar o sabor natural dos alimentos. Além disso, quando se utiliza o sistema de Rochagem na adubagem o alimento fica mais rico devido a inserção de minerais ESSENCIAIS na composição do solo.

Pesquisas internacionais demonstram que alimentos orgânicos apresentam, em média, 63% a mais cálcio, 73% mais ferro, 118% mais magnésio, 178% mais molibdênio, 91% mais fósforo, 125% mais potássio, 60% mais zinco que os alimentos convencionais. Possuem menor quantidade de mercúrio (29%), substancia que pode causar doenças graves (informação publicada no Journal of Applied Nutricion, 1993).

No ano passado pesquisadores da London School of Hygiene & Tropical Medicine, em Londres, Inglatrra, realizaram um levantamento com 162 artigos científicos publicadas nos últimos 50 anos, que mostrou que não existe uma diferença tão grande entre o alimento orgânico e o normal.

Erro na metodologia ? Interesses exclusos ? Mesmo que não tivesse superioridade nutricional, só de não conter agrotóxicos ja É SUPERIOR !

2) SAÚDE GARANTIDA

Vários pesticidas utilizados hoje em dia no Brasil estão proibidos em muitos países, em razão de consequências provocadas à saúde, tais como:
1) Cânceres dos mais viversos tipos
2) Alergias alimentares
3) Asma
4) Infertilidade
5) Alterações hormonais principalmente quando se trata de hormônios sexuais
6) Hiperatividade em adultos e crianças
7) Déficit de atenção
8) Doenças neurodegenerativas
9) Aumento da produção de radicais livres e diminuição da produção de antioxidantes.
10) Intoxicação por metais pesados

Um relatório da Academia Americana de Ciências, de 1982, calculou em 1.400.000 o número de novos casos de câncer provocados por agrotóxicos. Além disso, os alimentos de origem animal estão contaminados pela ação dos perigosos coquetéis de antibióticos, hormônios e outros medicamentos que são aplicados na pecuária convencional, quer o animal esteja doente ou não.

Consumindo orgânicos protegemos nossa saúde e a saúde de nossos familiares com a garantia adicional de não estarmos consumindo alimentos geneticamente modificados.

Vale a pena ler o Post sobre a recente pesquisa da Anvisa, na qual a mesma detectou irregularidade em 29% dos alimentos analisados.

Veja também esse post sobre a Reavaliação de agrotóxicos e veja o quão grave é a situação.

3) PROTEÇÃO ÀS FUTURAS GERAÇÕES

As crianças são os alvos mais vulneráveis da agricultura com agrotóxicos. “Quando uma criança completa um ano de idade, já recebeu a dose máxima aceitável para uma vida inteira, de agrotóxicos que provocam câncer”, diz um relatório recente do Environmental Working Group (Grupo de Trabalho Ambiental). A agricultura orgânica, além disso mais, tem a grande tarefa de legar às futuras gerações um planeta reconstruído.

4) AMPARO AO PEQUENO PRODUTOR

O trabalhador rural precisa ser preservado, tanto quanto a qualidade ecológica dos alimentos. Adquirindo produtos ecológicos, contribuímos com a redução da migração de famílias para as cidades, evitando o êxodo rural e ajudando a acabar com o envenenamento por agrotóxicos sofrido por cerca de 1 milhão de agricultores no mundo inteiro.

5) SOLOS FÉRTEIS

Uma das principais preocupações da Agricultura Orgânica é o solo. O mundo presencia a maior perda de solo fértil pela erosão em função do uso inadequado de práticas agrícolas convencionais. Com a Agricultura Orgânica é possível reverter essa situação.

6) ÁGUA PURA

Quando são utilizados agrotóxicos e grande quantidade de nitrogênio, ocorre a contaminação nas fontes de água potável. Cuidando desse recurso natural, garante-se o consumo de água pura para o futuro.

7) BIODIVERSIDADE

A perda das espécies é um dos principais problemas ambientais. A Agricultura Orgânica preserva sementes por muitos anos e impede o desaparecimento de numerosas espécies, incentivando as culturas mistas e fortalecendo o ecossistema. A Fauna permanece em equilíbrio e todos os seres convivem em harmonia, graças à não utilização de agrotóxicos. A Agricultura Orgânica respeita o equilíbrio da natureza e cria ecossistemas saudáveis.

8) REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL E ECONOMIA DE ENERGIA

O solo tratado com substâncias químicas libera uma quantidade enorme de gás carbônico, gás metano e óxido nitroso. A agricultura e administração florestal sustentáveis podem eliminar 25% do aquecimento global. Atualmente, mais energia é consumida para produzir fertilizantes artificiais do que para plantar e colher todas as safras.

9) CUSTO SOCIAL E AMBIENTAL

O alimento orgânico não é, na realidade, mais caro que o alimento convencional se consideramos que, indiretamente, estaremos reduzindo:
1) Gastos com MÉDICOS e MEDICAMENTOS
2) CUSTOS com a recuperação ambiental.

10) CIDADANIA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Consumindo orgânicos, estamos exercitando nosso papel social, contribuindo com a conservação e preservação do meio ambiente e apoiando causas sociais relacionadas com a proteção do trabalhador e com a eliminação da mão-de-obra infantil.


Maiores Informações: http://www.prefiraorganicos.com.br/


Vale a pena pagar mais por certos orgânicos?

Os adeptos da culinária saudável já estão cansados de saber dos benefícios dos alimentos orgânicos, infelizmente, investir 100% nesse tipo de frutas, legumes, folhas e até sucos e carnes ainda custa caro e é privilégio de poucos.

Pensando nisso, conversamos com especialistas para garimpar alguns itens nesse universo orgânico e saber exatamente por quais deles e em que situações realmente vale a pena se pagar mais em nome da saúde.

Um bom começo para começar a mudar os hábitos à mesa, sem pesar muito no bolso, seria substituir os campeões em agrotóxicos por suas versões orgânicas. Não é à toa. De acordo com a nutróloga Lívia Zimmermann, o consumo diário dessas substâncias nocivas pode intoxicar o organismo, criando um "ambiente" propício ao desenvolvimento de doenças - desde alergias até o câncer a longo prazo. "Há, inclusive, estudos que sugerem que os aditivos químicos, principalmente os corantes encontrados em alimentos industrializados, podem ter relação até com distúrbios psicológicos", alerta Lívia, membro da diretoria da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Reveja sua lista de supermercado

Comer uma salada de tomates, hoje, pode ser uma aventura e tanto, graças ao nível de contaminação dessa fruta - que aparece nas feiras e sacolões cada vez maior e mais vermelha (como um típico efeito do uso de agrotóxicos). "A dona de casa mais atenta pode observar uma película meio esbranquiçada na casca do tomate. É o sinal da presença dos aditivos químicos", explica a nutróloga Lívia Zimmermann.
Trocar o tomate convencional pelo orgânico, portanto, pode valer a pena, especialmente no prato das crianças. Sabe-se que os efeitos dos agrotóxicos são cumulativos - por isso, de acordo com os especialistas, o quanto antes barrarmos boa parte desse contato, melhor.
O tomate é o vilão maior, mas entre os reis da contaminação ainda estão o morango, a melancia, o melão, a abóbora, enfim as frutas rasteiras, além do mamão e das verduras (legumes e folhas). No geral, nos cultivos tradicionais, esses alimentos recebem uma quantidade grande de químicos, por serem mais suscetíveis à ação de pragas, como as ervas daninhas.
Segundo Fernanda Pisciolaro, nutricionista Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), os cuidados devem ser redobrados com alimentos que se come com a casca e com aqueles que não têm casca (a exemplo do morango). Nem as carnes vermelhas escapam dos alimentos que merecem atenção (e que poderiam ser substituídos por sua versão orgânica). Os hormônios de crescimento e antibióticos usados na criação bovina podem causar prejuízos ao organismo. Isso não ocorre com a carne orgânica, resultado de um gado criado em pasto orgânico, com alimentação orgânica e sem o uso de remédios alopáticos.

Ganhos na qualidade e no sabor

"O agrotóxico deixa o morango com gosto de acetona. A fruta orgânica é bem diferente, muito mais saborosa", completa Raquel Diniz, coordenadora do Instituto Akatu, uma organização não-governamental que busca estimular o consumo consciente e sustentável.

José Pedro Santiago e Alexandre Harkaly, diretores da associação de certificação de orgânicos, o Instituto Biodinâmico (IBD), garantem que os alimentos orgânicos contêm uma concentração mais elevada de nutrientes. Para confirmar o que dizem, eles lembram de 41 estudos científicos divulgados, em 2005, pela Soil Association, da Inglaterra, que atestavam uma presença maior de vitamina C, magnésio e fósforo nos orgânicos.
"A laranja, por exemplo, contém 12% mais vitamina C e menos resíduos de nitratos em relação à convencional", comenta José Pedro. Essa maior concentração de nutrientes, segundo o especialista, pode ser vista também no leite orgânico, que apresenta maior quantidade de cálcio e vitaminas.

Reconheça um alimento orgânico

Para ser considerado orgânico, o alimento deve seguir alguns padrões essenciais de plantio e colheita. De início, nada de agrotóxicos ou agentes químicos, como os pesticidas, para "reforçar" a terra e evitar pragas e ervas daninhas.
Normalmente, os produtos vendidos em supermercados apresentam um selo de certificação, desde que tenham, no mínimo, 95% de ingredientes orgânicos. "Para certificar um produto, seguimos diretrizes que vão da produção primária à industrialização, armazenamento e transporte do produto. Além de questões de conservação do solo", afirma Alexandre Harkaly, diretor do IBD. O selo vale tanto para frutas e vegetais, quanto para laticínios e carnes.
Mas, se você tem o hábito de freqüentar feiras ou sacolões e mercadinhos próximos da sua casa, vai uma dica: alimentos orgânicos tendem a ter um aspecto mais feio. Isso reflete tanto no tamanho da fruta, quanto na coloração. Portanto, se você não quer abrir mão dos tomates "vermelhões" e gigantes, porém cheios de agrotóxicos, nem passe perto das prateleiras orgânicas. Ali, a fruta é menor e de um vermelho mais discreto.
.

Fonte: Redação Terra

Serviço:
Alexandre Harkaly - diretor do IBD (Associação de Certificação Instituto Biodinâmico)
http://www.ibd.com.br/
Fernanda Pisciolaro - nutricionista, membro da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica)
http://www.abeso.org.br/
José Pedro Santiago - diretor do IBD (Associação de Certificação Instituto Biodinâmico)
http://www.ibd.com.br/
Lívia Zimmermann - nutróloga, membro da diretoria da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia)
http://www.abran.org.br/
Raquel Diniz - coordenadora do Instituto Akatu
http://www.akatu.org/

Visite: http://www.ecologiamedica.net/

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Por que consumir ORGÂNICOS ?


A produção de orgânicos sempre que possível, baseia-se no uso de estercos animais, rotação de culturas, adubação verde, compostagem e controle biológico de pragas e doenças. Busca manter a estrutura e produtividade do solo, trabalhando em harmonia com a natureza. Equilíbrio Homem/ecossistema, integração !

De formal geral, a agricultura orgânica é baseada em três idéias. São elas:
1) Cultivo natural: é proibido o uso de agrotóxicos, adubos químicos e artificiais e conservantes no processo de produção.
2) Equilíbrio ecológico: A produção respeita o equilíbrio microbiológico do solo e as diferentes épocas de safra. O processo fica mais sustentável, não degradando a biodiversidade.
3) Respeito ao homem: o trabalhador tem que ser respeitado (leis trabalhistas, ganho por produtividade, treinamento profissional e qualidade de vida).

Para se obter um alimento verdadeiramente orgânico, é necessário conhecer diversas ciências (agronomia, ecologia, nutrição, medicina, economia, entre outras). Assim, o agricultor, através de um trabalho harmonizado com a natureza, tem condições de oferecer ao consumidor alimentos que promovam não apenas a saúde deste último, mas também do planeta em que vivemos.

O número crescente de produtores orgânicos no Brasil está dividido basicamente em dois grupos: pequenos produtores familiares ligados a associações e grupos de movimentos sociais, que representam 90% do total de agricultores, sendo responsáveis por cerca de 70% da produção orgânica brasileira, e grandes produtores empresariais (10%) ligados a empresas privadas.
Enquanto na região sul cresce o número de pequenas propriedades familiares que aderem ao sistema, no sudeste a adesão é representada em sua maioria por grandes propriedades.

Atualmente, o Brasil ocupa a 34ª posição no mundo no ranking dos países exportadores de produtos orgânicos, sendo que na última década foi assistido um crescimento de 50%nas vendas por ano.

Calcula-se que já estão sendo cultivados perto de 100 mil há (hectares) em cerca de 4.500 unidades de produção orgânica espalhadas por todo o país. A maior parte da produção brasileira (cerca de 70%) encontra-se nos estados do Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Espírito Santo. Apesar da tendência de crescimento, o Brasil ainda perde para a vizinha Argentina em termos de área certificada para o cultivo de orgânicos na América do Sul.

Da produção nacional de orgânicos, cerca de 75% é exportada, principalmente para a Europa, Estados Unidos e Japão. A soja, o café e o açúcar lideram as exportações. No mercado interno, os produtos mais comuns são as hortaliças, seguidos de café, açúcar, sucos, mel, geleias, feijão, cereais, laticínios, doces, chás e ervas medicinais. Infelizmente ainda não temos muitas frutas produzidas nos moldes correto.

Os países com maiores áreas de produção orgânicas são, respectivamente:
1) Austrália com 12,29 milhões de ha;
2) China com 2,3 milhões de ha;
3) Argentina com 2,22 milhões de ha.
Esses países têm como principal atividade nessas áreas orgânicas a pastagem não intensiva. Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados na comparação entre países, pois a produtividade é extremamente variável entre eles. O Brasil se encontra na oitava posição, com 880 mil ha. Em termos de continente, a Oceania detém 40,7% da área sob manejo orgânico, seguida da Europa com 24,3%, América Latina com 16,2%, Ásia com 10,2%, América do Norte com 7,3% e África com 1,4%. O Japão hoje é considerado um dos maiores mercados mundiais para produtos orgânicos. Devido à pequena dimensão territorial, a produção orgânica própria é pequena, principalmente se comparada à variedade e volume de produtos que importam, como cereais, legumes, frutas frescas, carne bovina, frango, queijo, entre outros. Nos Estados Unidos, os produtores orgânicos certificados produzem principalmente cereais, com destaque para soja e trigo. O desenvolvimento da agricultura orgânica americana tem sido comparado ao da Europa, assistindo um volume de venda próximo dos U$5 bilhões anuais. Segundo dados da Organic Farming Research Fundation (Fundação de Pesquisa em Agricultura Orgânica), aproximadamente 1% do mercado americano de alimentos é proveniente de métodos orgânicos de produção. Na Europa o desenvolvimento da agricultura orgânica e do consumo de produtos sem agrotóxico cresce a passos largos.
No final de 2009, na França, havia 16.446 fazendas orgânicas, um aumento de 23,7% em relação a 2008, e 677.513 hectares de terra orgânica, um aumento de 16% comparado a 2008. O país obteve destaque devido ao aumento significativo de algumas produções animais na linha orgânica, sobretudo o frango orgânico, que teve taxas de crescimento de 135% nos últimos dois anos.
A Alemanha foi o primeiro país do mundo a criar um organismo para inspeção e controle da produção orgânica e hoje o mercado alemão de produtos orgânicos é considerado um dos mais importantes da Europa. Em 1998, foram contabilizadas cerca de 6.786 unidades de produção (1,9% de sua área total).


COMO SABER SE É ORGÂNICO?

Se você pretende consumir alimentos orgânicos fique atento para não ser enganado. Procure sempre pelo selo de qualidade emitido por certificadoras reconhecidas pelo Ministério da Agricultura. São entidades como a Associação de Agricultura Orgânica (AAO), o Instituto Biodinâmico (IBD), entre outros. Essas entidades, ao todo cerca de 30 em todo Brasil, avaliam se a produção do alimento segue os critérios estabelecidos pela agricultura orgânica. Para ganhar o selo, os produtores seguem várias precauções e têm suas lavouras fiscalizadas a cada semestre. A presença do selo garante, portanto, a procedência e a qualidade dos produtos.
Aqui em Goiânia recomendo para os meus pacientes que comprem somente do pessoal da ADAO - GO (Associação dos Agricultores Orgânicos de Goiás)


10 MOTIVOS PARA CONSUMIR PRODUTOS ORGÂNICOS


1) SÃO ALIMENTOS NUTRITIVOS E SABOROSOS

Com solos balanceados e fertilizados com adubos naturais, se obtém alimentos mais nutritivos. A comida fica mais saborosa, conservam-se suas propriedades naturais como vitaminas, sais minerais, carboidratos e proteínas. Um alimento orgânico não contém substâncias tóxicas e nocivas à saúde. Em solos equilibrados as plantas crescem mais saudáveis, preservam-se suas características originais como aroma, cor e sabor. Consumindo produtos orgânicos é possível apreciar o sabor natural dos alimentos. Além disso, quando se utiliza o sistema de Rochagem na adubagem o alimento fica mais rico devido a inserção de minerais ESSENCIAIS na composição do solo. Pesquisas internacionais demonstram que alimentos orgânicos apresentam, em média, 63% a mais cálcio, 73% mais ferro, 118% mais magnésio, 178% mais molibdênio, 91% mais fósforo, 125% mais potássio, 60% mais zinco que os alimentos convencionais. Possuem menor quantidade de mercúrio (29%), substancia que pode causar doenças graves (informação publicada no Journal of Applied Nutricion, 1993).
No ano passado pesquisadores da London School of Hygiene & Tropical Medicine, em Londres, Inglatrra, realizaram um levantamento com 162 artigos científicos publicadas nos últimos 50 anos, que mostrou que não existe uma diferença tão grande entre o alimento orgânico e o normal. Erro na metodologia ? Interesses exclusos ? Mesmo que não tivesse superioridade nutricional, só de não conter agrotóxicos ja É SUPERIOR !


2) SAÚDE GARANTIDA


Vários pesticidas utilizados hoje em dia no Brasil estão proibidos em muitos países, em razão de consequências provocadas à saúde, tais como:
1) Cânceres dos mais viversos tipos
2) Alergias alimentares
3) Asma
4) Infertilidade
5) Alterações hormonais principalmente quando se trata de hormônios sexuais
6) Hiperatividade em adultos e crianças
7) Déficit de atenção
8) Doenças neurodegenerativas
9) Aumento da produção de radicais livres e diminuição da produção de antioxidantes.
10) Intoxicação por metais pesados

Um relatório da Academia Americana de Ciências, de 1982, calculou em 1.400.000 o número de novos casos de câncer provocados por agrotóxicos. Além disso, os alimentos de origem animal estão contaminados pela ação dos perigosos coquetéis de antibióticos, hormônios e outros medicamentos que são aplicados na pecuária convencional, quer o animal esteja doente ou não. Consumindo orgânicos protegemos nossa saúde e a saúde de nossos familiares com a garantia adicional de não estarmos consumindo alimentos geneticamente modificados.
Vale a pena ler o Post sobre a recente pesquisa da Anvisa, na qual a mesma detectou irregularidade em 29% dos alimentos analisados.

3) PROTEÇÃO ÀS FUTURAS GERAÇÕES

As crianças são os alvos mais vulneráveis da agricultura com agrotóxicos. “Quando uma criança completa um ano de idade, já recebeu a dose máxima aceitável para uma vida inteira, de agrotóxicos que provocam câncer”, diz um relatório recente do Environmental Working Group (Grupo de Trabalho Ambiental). A agricultura orgânica, além disso mais, tem a grande tarefa de legar às futuras gerações um planeta reconstruído.

4) AMPARO AO PEQUENO PRODUTOR

O trabalhador rural precisa ser preservado, tanto quanto a qualidade ecológica dos alimentos. Adquirindo produtos ecológicos, contribuímos com a redução da migração de famílias para as cidades, evitando o êxodo rural e ajudando a acabar com o envenenamento por agrotóxicos sofrido por cerca de 1 milhão de agricultores no mundo inteiro.

5) SOLOS FÉRTEIS

Uma das principais preocupações da Agricultura Orgânica é o solo. O mundo presencia a maior perda de solo fértil pela erosão em função do uso inadequado de práticas agrícolas convencionais. Com a Agricultura Orgânica é possível reverter essa situação.

6) ÁGUA PURA

Quando são utilizados agrotóxicos e grande quantidade de nitrogênio, ocorre a contaminação nas fontes de água potável. Cuidando desse recurso natural, garante-se o consumo de água pura para o futuro.

7) BIODIVERSIDADE

A perda das espécies é um dos principais problemas ambientais. A Agricultura Orgânica preserva sementes por muitos anos e impede o desaparecimento de numerosas espécies, incentivando as culturas mistas e fortalecendo o ecossistema. A Fauna permanece em equilíbrio e todos os seres convivem em harmonia, graças à não utilização de agrotóxicos. A Agricultura Orgânica respeita o equilíbrio da natureza e cria ecossistemas saudáveis.

8) REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL E ECONOMIA DE ENERGIA

O solo tratado com substâncias químicas libera uma quantidade enorme de gás carbônico, gás metano e óxido nitroso. A agricultura e administração florestal sustentáveis podem eliminar 25% do aquecimento global. Atualmente, mais energia é consumida para produzir fertilizantes artificiais do que para plantar e colher todas as safras.

9) CUSTO SOCIAL E AMBIENTAL

O alimento orgânico não é, na realidade, mais caro que o alimento convencional se consideramos que, indiretamente, estaremos reduzindo:
1) Gastos com MÉDICOS e MEDICAMENTOS
2) CUSTOS com a recuperação ambiental.

10) CIDADANIA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Consumindo orgânicos, estamos exercitando nosso papel social, contribuindo com a conservação e preservação do meio ambiente e apoiando causas sociais relacionadas com a proteção do trabalhador e com a eliminação da mão-de-obra infantil.


Maiores Informações: http://www.prefiraorganicos.com.br


Locais de Vendas de Produtos Orgânicos em Goiânia


Seivas e Aromas (Empório Orgânico)
Rua C220, Esq c/ C149, Qd.529, L.10, Jd América - Goiânia
Funcionamento: de segunda a sábado das 08:00 às 18:00. Domingo até às 13:00.
Fone: (62) 30863909
Produtos: Grande variedade de verduras, leguminosas, pães integrais,
geléias, pestos, grãos orgânicos a granel, grande variedade de produtos sem
glúten e sem lactose, produtos de higiene íntima.

Feira Agroecológica do Mercado Popular Aberto (Municipal)
Rua 74, 329, Centro - Goiânia
Funcionamento: aos sábados, das 7h30 às 11h
Fone: (62) 3524-1111
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira Orgânica da loja Cerrado Alimentos Orgânicos
Rua 15, 461, Centro - Goiânia
Funcionamento: terças e quintas-feiras, das 16h às 19h
Fone: (62) 3213-4388
E-mail:cerradoalimentosorganicos@hotmail.com
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira da Igreja Messiânica (Johrei Center)
Rua T-53, 238, Setor Marista - Goiânia
Funcionamento: quintas-feiras, das 17h às 20h
Fone: (62) 3241-3725
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira do Colégio Interamerica
Rua T-30, 2455, Setor Bueno - Goiânia
Funcionamento: segunda a sexta-feira, das 11h30 às 12h30 e das 17h30 às 18h30
Fone: (62) 3526-8500
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira do Shopping Cidade Jardim
Av. N. Macedo, Q 49 - Cidade Jardim - Goiânia
Funcionamento: sábados, das 8h às 14h, e terças, das 8h às 13h
Fone: (62) 3576-3606
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira da Loja Alimentos Naturais/Estação do Açaí
Rua 4, 124, Centro - Goiânia
Funcionamento: segundas e quintas-feiras, das 16h às 19h
Fone: (62) 3229-1219
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira do SEBRAE em Goiás
Av. T-3, 1000, Setor Bueno, no Centro de Convivência - Goiânia
Funcionamento: segundas e quintas-feiras, das 16h às 19h
Fone: (62) 3250-2322
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira do Mercado de Campinas
Av. Benjamin Constant - Goiânia Funcionamento: terças-feiras, das 8h às h
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces

Feira do Restaurante Panela Mágica
Rua 4, 394, Setor Oeste - Goiânia
Funcionamento: todo primeiro domingo do mês, das 9h às 16h
Fone: (62) 3223-6604
Produtos: hortaliças em geral, frutas, geléias, doces


Outros posts sobre o tema:


1) Vale a pena pagar mais pelos orgânicos?


2) A Agricultura ontem e hoje (Rochagem, adubagem)

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Onde encontrar alimentos orgânicos em Goiânia by Carol Morais

A nutricionista e escritora Carol Morais publicou em seu blog Fale com a Nutricionista, uma listinha super útil para quem deseja dar um tapa na dispensa e na geladeira de casa com produtos naturais orgânicos. A ideia é mudar hábitos e melhorar a alimentação do dia a dia com frutas e vegetais sem agrotóxicos. Confira alguns lugares selecionados pela Carol que oferecem esse tipo de produto em Goiânia

Por Carol Morais
Andei visitando algumas feiras e locais que vendem orgânicos em Goiânia e experimentando alguns serviços de entrega para passar para vocês as minhas impressões. Confesso que fiquei bem surpresa e feliz com a quantidade e qualidade das opções.
Com relação aos preços não cheguei a encontrar diferenças muito discrepantes. Praticamente todos os dias tem feira acontecendo e em diferentes horários, uma maravilha maravilhosa para quem AMA feira como eu.
Então separei em duas categorias: primeiro as feiras por dia da semana para quem curte e pode ir até à feira escolher pessoalmente, e depois os fornecedores que você pode pedir pelo telefone, email ou ou whatsapp (que maravilha essas modernidades meu povo) e entregam em casa.

FEIRAS DE ORGÂNICOS
Cerrado Alimentos Orgânicos
Rua 10, 342, Setor Sul, próximo a Catedral
Além da feira a loja também oferece almoço e possui um empório. Mesmo em dias que não tem feira costumam ter orgânicos disponíveis. Vale a visita! Olha o site aqui.

Mercadinho do Restaurante Panela Mágica
Unidade da Rua 13, nº 773, Setor Marista, (62) 3223-6604
Funciona também aos sábados
Os alimentos chegam às quartas e sábados, mas durante toda a semana você encontra opções e outros produtos especiais e orgânicos do mercadinho como pães e ovos caipiras. Ótima opção também para um café da manhã bem gostoso com direito a suco verde, tapiocas, o lugar é lindo e agradabilíssimo, sou muito fã. Se for mais tarde, não deixe de almoçar, para mim uma das melhores comidas de Goiânia ♥ Visita o site!

Jardim das delícias
Rua 93, n.35, St. Sul, das 15h às 17h, (62)82339210
Funciona em uma casa linda, histórica, o Solar Sá Peixoto. Descendo a Rua 10 sentido centro > universitário, terceira rua à direita, terceira casa à esquerda. Eles sempre tem opções ótimas de frutas e comidinhas deliciosas feitas pela chef Nayana, uma das proprietárias do local. Pães sem glúten, bolos, e produtos a base de biomassa de banana verde, como a deliciosa veganese. Todos os produtos são veganos. Mais informações aqui na página do Facebook.

Cerrado Alimentos Orgânicos
Rua 10, 342, Setor Sul, próximo a Catedral.
Além da feira, a loja também oferece almoço e possui um empório. Mesmo nos dias que não tem feira costumam ter orgânicos disponíveis. Vale a visita. O almoço também tem um ótimo custo benefício, com comida caseira e muitas saladas e um suco verde sempre delicioso.

Mercado da Vila Nova
5ª Avenida, esquina com a 4ª Avenida, Praça Boaventura, Vila Nova, das 16h às 19h.
Eu tive que ir duas vezes, pois passei na praça e não vi a feira, só depois descobri que ela fica dentro do Mercado, o que por si só já é um programa bacana, eu adoro. Achei bem variada em folhas e vegetais, pães e outros.

Mercado Municipal
Rua 74, nº 329, Centro, das 7h às 11h
A feira é pequena, porém variada em produtos e fornecedores. Recomendo chegar bem cedinho, pois as coisas acabam rápido. Para quem madruga aos sábados é um programa bacana para já garantir a comida do final de semana e da semana que vem vindo, e ainda visitar um pedacinho do centro da cidade, que ainda está tranquilo de manhãzinha…

Mercadinho do Panela Mágica Restaurante
Rua 13, nº 773, Setor Marista
(62) 3223-6604

DIAS DE FEIRA
Segunda-feira
Não encontrei nenhuma, e normalmente é o dia que a gente começa a semana com a geladeira vazia, por isso quem for organizadinho é melhor se prevenir no sábado, pois domingo também não encontrei feira de orgânicos aqui. :(
Terça-feira
Cerrado Alimentos Orgânicos
Quarta-feira
Mercadinho do Restaurante Panela Mágica
Jardim das Delícias
Mercado da Vila Nova
Quinta-feira
Cerrado Alimentos Orgânicos
Jardim das Delícias
Sexta-feira
Parece que não tem :( Se alguém souber de alguma, compartilha a informação!
Sábado
Mercado Municipal da rua 74
Mercadinho do Restaurante Panela Mágica
Domingo
Não encontrei :(

SERVIÇOS DE DELIVERY
Jardim das delícias
Possui um grupo no whatsapp onde informam os produtos disponíveis, você pode reservar e ir buscar ou pedir para entregar em casa (com custo adicional). Fone: (62) 82339210
 Humberto Barbosa
Faz entregas em domicílio de produtos de alta qualidade na cidade. O pedido é feito por email ou telefone. Já testei várias vezes e adoro. Sempre tem brotos incríveis e outros produtos como frango caipira. Fone: (62) 3095-4380 e 8183-0615
 Pudica
Eles possuem serviço de entrega semanal, de quarta a sexta-feira até meio dia, para entrega aos sábados (com taxa de entrega). Realizei o pedido por whatsapp e adorei o serviço e os alimentos. Também possuem algumas opções de pães, pedi o de fermentação natural e adorei. Fone: (62) 92276161 e Facebook aqui.

Bom gente, isso foi o que consegui levantar até aqui. Se você sabe de algum outro lugar ou contato que não está nessa lista, manda pra mim please. E se experimentar comprar de algum dessa listinha, me conta como foi a experiência também. Esse é um post de todo mundo.