terça-feira, 24 de maio de 2016

Consequências do uso de EAA (anabolizantes) sem indicação médica criteriosa

O uso de esteroides anabolizantes androgênicos (EAA) está cada vez mais difundido, principalmente entre praticantes de atividade física e atletas. As principais causas apontadas para o uso de anabolizantes incluem: insatisfação com a aparência física, baixa autoestima, pressão social, o culto pelo corpo que a nossa sociedade tanto valoriza e a falsa aparência saudável. Estudos estimam que um número tão alto quanto 30% dos praticantes de academia abusam ou já abusaram do uso de hormônios para tal fim. Uma parcela não desprezível dos usuários tem uma percepção equivocada de que o uso de EAA é seguro ou que os efeitos adversos são controláveis, o que é um verdadeiro erro!!  Os esteroides anabolizantes oferecem riscos graves à saúde física e mental.

O uso de EAA compreende o abuso de testosterona e seus derivados. A testosterona permanece ainda como o EAA mais popular devido ao seu baixo preço, acesso relativamente fácil e dificuldade de distinguir, em exames de sangue, a testosterona exógena da endógena. A testosterona é produzida, na sua maior parte, pelos testículos e promovem o desenvolvimento de características sexuais masculinas. Na medicina, o uso da testosterona está indicado basicamente nos casos de hipogonadismo masculino (situação em que os homens deixam de produzir o hormônio ou o produzem em menor quantidade do que o normal), em alguns casos de transsexualismo, sarcopenias e, raramente, no rol de terapias de última linha em câncer de mama avançado em mulheres.

No ano de 1935 a testosterona foi sintetizada pela primeira vez e, em 1939, sugeriu-se que os hormônios sexuais poderiam aumentar o desempenho atlético. Em 1945, ocorreu a popularização no meio atlético através da publicação do The Male Hormone, do escritor Paul de Kruiff. Em 1956, quando o Laboratório Ciba criou a metandrosterona, comercializada com o nome de Dianabol, os relatos da eficácia desta droga difundiram-se pela comunidade de levantadores de peso.    Já em 1964, nas Olimpíadas de Tóquio, os EAA foram largamente utilizados em diversas modalidades; e durante a competição “Mister America”, em 1972, estimou-se que 99% dos atletas estreantes fizeram ou faziam uso de EAA. O controle do doping, para detecção de EAA, começou a ser feito somente a partir da Olimpíada de Montreal, em 1976. Segundo o Comitê Olímpico Internacional (COI), doping é definido como o uso de qualquer substância endógena ou exógena em quantidades ou vias anormais com a intenção de aumentar o desempenho do atleta em uma competição. No Brasil, os EAA foram considerados agentes dopantes a partir de 1985, segundo publicado na Portaria 531, de 10 de julho de 1985.

Os efeitos dos EAA sobre o comportamento dos usuários têm sido há muito tempo pesquisados, assim como os vários efeitos adversos em diferentes órgãos e sistemas do corpo. Além disso, já está comprovado que os EAA podem induzir efeitos sobre o sistema de recompensa do cérebro, o que pode tornar os usuários  mais suscetíveis ao abuso de outras drogas. Os usuários de EAA normalmente usam hormônios em doses absurdas, aumentando ainda mais os risco!! Doses de testosterona que, na prática médica, são usadas a cada 21 dias, chegam a ser usadas diariamente por vários dias seguidos!!

Na tabela abaixo estão descritos alguns dos efeitos adversos dessas substâncias:

EFEITOS CARDIOVASCULARES
Dislipidemia (alteração dos níveis de gordura no sangue)
Doença aterosclerótica (formação de placas dentro dos vasos, podendo levar à infarto cardíaco e derrame cerebral)
Cardiomiopatia (aumento do músculo cardíaco, prejudicando o funcionamento do coração)
Arritmias
Anormalidades de coagulação
 Hipertensão Arterial

NEUROPSIQUIÁTRICOS
Distúrbios do humor e depressão, inclusive com relatos de suicídio
Comportamento agressivo e violento
Alteração cognitiva e de memória
Dependência de EAA
Aumento do abuso de outras drogas

HOMENS
Supressão de hormônios importantes na produção endógena de testosterona (hipogonadismo), levando a perda de libido, distúrbios de ereção, atrofia dos testículos
Ginecomastia (aumento das mamas)
Aumento da próstata
Câncer de próstata
Infertilidade

MULHERES
Supressão de hormônios importantes na produção endógena de estrogênios, levando a distúrbios da menstruação
Infertilidade
Atrofia das mamas
Excesso de pelos e alopecia (perda de cabelo do couro cabeludo)
Aumento do clitóris
Alteração da voz

MUSCULOESQUELÉTICO
Fechamento prematuro das cartilagens de crescimento (adolescentes), prejudicando crescimento
Ruptura de tendões


RENAL
Falência renal secundária à rabdomiólise (lesão muscular)
Glomeruloesclerose (fibrose no rim, prejudicando seu funcionamento)
Câncer renal

DERMATOLÓGICO
Acne
Estrias
Excesso de pelos e alopecia (perda de cabelo do couro cabeludo)

HEPÁTICOS (fígado)
Inflamação e colestase
Hepatite
Câncer de fígado

Como podemos ver acima, os EAA são drogas que podem provocar efeitos colaterais gravíssimos, sendo que muitos deles podem ser IRREVERSÍVEIS!! Ainda assim, os usuários de EAA continuam usando tais substâncias de maneira desenfreada, sem considerar os efeitos colaterais ou julgando, erroneamente, que os benefícios são maiores do que os riscos. Testosterona só deve ser usada em doses adequadas e se há uma necessidade clínica ou patológica com indicação médica para o seu uso!

Médicos sérios e éticos não compactuam com o uso de anabolizantes com fins de melhorar desempenho ou forma física!! Se você quer melhorar seu desempenho físico ou composição corporal, procure uma equipe multidisciplinar, composta por médicos, nutricionistas e educadores físicos, buscando adequar sua dieta e rotina de exercícios para atingir o seu objetivo!

Fonte: http://fernandaendocrino.com.br/index.php/2016/05/16/consequencias-do-uso-de-esteroides-anabolizantes/

domingo, 15 de maio de 2016

Alimentos com potencial de prevenir o diabetes mellitus – baseado em evidências

Vivemos uma verdadeira epidemia de diabetes! Hoje no Brasil são mais de 12 milhões de pessoas convivendo com a doença. Segundo o Centers for Disease Control and Prevention dos Estados Unidos, 2 em cada 5 americanos vai desenvolver diabetes no decorrer de suas vidas. Como compartilhamos cada vez mais diversos aspectos culturais com aquela população, é esperado que tenhamos cada vez mais pessoas diabéticas aqui no Brasil também.

Entre as recomendações formais para a prevenção do diabetes estão redução do peso e atividades físicas regulares. Contudo, acumulam-se evidências de que o consumo regular de certos alimentos também possam ajudar a prevenir a doença. Vamos conhecê-los?

1- Mirtilos e uvas
Um estudo publicado na revista BMJ em 2013 compilou dados de 3 coortes totalizando mais de 187 mil pessoas que foram seguidas por até 24 anos. Neste estudo o consumo de 3 porções de mirtilo por semana reduziu o risco de diabetes em 26 por cento. Já o consumo de uvas reduziu o risco em 12 por cento. Outras frutas que também se mostraram protetoras foram maçãs e bananas. Detalhe: o efeito protetor vale apenas para o consumo das frutas inteiras. O consumo de suco teve efeito contrário! Isto é, aumentou o risco de diabetes.

2- Oleaginosas
Castanhas, nozes, amêndoas, macadâmias, avelãs e pistaches são ricos em gorduras insaturadas, proteínas de alto valor biológico, fibras, vitaminas e minerais (potássio, cálcio, magnésio e selênio), além de fitoquímicos (flavonoides, carotenoides e fitosteróis). Estes nutrientes têm efeitos protetores do coração, antioxidantes, anticancerígenos e anti-inflamatórios, explicando por que são capazes de reduzir mortalidade. O consumo regular de oleaginosas também tem efeitos metabólicos importantes como melhora do controle da glicemia (açúcar no sangue), redução do LDL (colesterol ruim) e triglicerídeos, aumento do HDL (colesterol bom), redução da pressão arterial e auxílio em manter o peso ideal, reduzindo o risco de obesidade. Além disso, quem consome oleaginosas acaba deixando de consumir carboidratos, o que é benéfico até mesmo para quem já convive com o diabetes.

3- Café
Apesar dos dados ainda não serem definitivos, diversos estudos associam o consumo do café preto a menor risco de diabetes. Um desses estudos calculou que aumentar o consumo em 1 xícara e meia por dia já é capaz de oferecer redução no risco de diabetes de 11 por cento em 4 anos.

4- Chocolate amargo
Chocolates com altas concentrações de cacau são ricos em polifenóis. Estas substâncias antioxidantes são responsáveis por benefícios como redução no risco de doenças cardiovasculares, além de ter efeitos metabólicos semelhantes aos das oleaginosas. No entanto, as versões ao leite e branco, por terem alto teor de açúcar e gordura adicionada, não são recomendadas e podem ser até deletérias.

5- Iogurte desnatado
Ao contrário do que alguns blogueiros propagam, derivados lácteos magros, especialmente o iogurte desnatado se associam a menor risco de diabetes. No estudo EPIC-Norfolk, o consumo de iogurte desnatado nos lanches reduziu o risco de diabetes em 47 por cento. Outros estudos mostram que derivados lácteos desnatados fermentados, como o iogurte desnatado, melhoram a função da insulina, explicando o mecanismo de prevenção do diabetes.

6- Azeite de oliva
Um dos poucos alimentos rigorosamente avaliados dentro de pesquisa de alta qualidade metodológica, no estudo PREDIMED, o consumo regular de 50 mL por dia de azeite de oliva se mostrou efetivo não só na redução no risco de diabetes como na redução de doenças cardiovasculares (risco cerca de 30 por cento menor para ambos os desfechos).

Dicas interessantes, não? Contudo, vale lembrar que mudanças nos hábitos alimentares devem ser preferencialmente realizadas sob supervisão de profissional qualificado, seja médico ou nutricionista, após apropriada avaliação clínica.

Referências:
1-Muraki I, Imamura F, Manson JE, et al. Fruit consumption and risk of type 2 diabetes: results from three prospective longitudinal cohort studies. BMJ.2013;347:f5001.
2-Jaceldo-Siegl K, Haddad E, Oda K, Fraser GE, Sabaté J. Tree nuts are inversely associated with metabolic syndrome and obesity: the Adventist Health Study-2. PLoS One. 2014;9:e85133.
3-Bhupathiraju SN, Pan A, Manson JE, Willett WC, van Dam RM, Hu FB. Change in coffee intake and subsequent risk of type 2 diabetes: three large cohorts of US men and women. Diabetologia.2014;57:1346-1354.
4- Stetka BS. 7 health benefits of chocolate. Medscape. February 6, 2013.
5- O’Connor LM, Lentjes M, Luben R, Khaw KT, Wareham NJ, Forouhi NG. Dietary dairy product intake and incident type 2 diabetes: a prospective study using dietary data from a 7-day food diary. Diabetologia.2014;57:909-917.
6- Estruch R, Ros E, Salas-Salvadó J, Covas MI, Corella D, Arós F, Gómez-Gracia E, Ruiz-Gutiérrez V, Fiol M, Lapetra J, Lamuela-Raventos RM, Serra-Majem L, Pintó X, Basora J, Muñoz MA, Sorlí JV, Martínez JA, Martínez-González MA; PREDIMED Study Investigators. Primary prevention of cardiovascular disease with a Mediterranean diet. N Engl J Med. 2013 Apr 4;368(14):1279-90.

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Mestre em Endocrinologia
CREMERS 30.576


Fonte: http://www.drmateusendocrino.com.br/2016/04/17/alimentos-com-potencial-de-prevenir-o-diabetes-mellitus-baseado-em-evidencias/

Óleo de coco baseado em evidências (nada de achismos)

A internet é uma grande fonte de informação, e isso é inegável. No entanto, nem tudo que lemos em sites, blogs ou redes sociais passa por crivo científico criterioso. A literatura médica é vasta. E os diferentes estudos são hierarquizados de acordo com sua qualidade metodológica e com a força das evidências.

Por exemplo, um estudo pequeno que disse que determinado tratamento em ratinhos pode baixar o colesterol não deve ser interpretado da mesma maneira que outro estudo que avaliou a mesma intervenção em um grande número de seres humanos e observou que este tratamento não serviu para reduzir infartos ou mortes.

Em outras palavras, estudos que replicam as situações da vida real de maneira mais apropriada “pesam mais” na balança da ciência. Dito isto, vamos ao óleo de coco…

Basta digitarmos “óleo de coco” no Google para nos maravilharmos com efeitos positivos no colesterol e no risco cardiovascular, além de potencial antioxidante e até mesmo emagrecedor. Contudo, ao fazermos a mesma pesquisa na base de dados médicos Pubmed, podemos perceber que o óleo de coco ainda precisa provar muita coisa…

O óleo de coco virgem, que é obtido através da prensagem a frio do coco, retém grande quantidade de fitoesteróis, tocotrienóis, tocoferóis, além de outros compostos bioativos, substâncias que realmente têm potencial de redução do colesterol e efeito antioxidante. Contudo, aqui cabem duas ressalvas. O processo de fabricação do óleo de coco é bastante variável na indústria. Quando o processo de extração do óleo não controla a temperatura de forma apropriada, perde-se grande parte dos antioxidantes. Além disso, o potencial efeito benéfico dos fitoesteróis é contrabalanceado pelo alto teor de gordura saturada (92%).

Os defensores do óleo de coco argumentam que a gordura saturada nele presente é diferenciada. Os ácidos láurico e mirístico, por serem de ácidos graxos de cadeia média, seriam rapidamente metabolizados favorecendo a elevação do colesterol HDL (bom), menor oxidação do colesterol LDL (ruim) e queima de gordura, com potencial redução do risco cardiovascular e do peso. No entanto, os estudos que evidenciaram estes possíveis benefícios foram feitos em ratos (1) ou apresentaram limitações metodológicas (2). Como vimos no início deste texto, a Medicina hierarquiza a pequisa e, até agora, o óleo de coco permanece no nível mais baixo de evidência, isto é, precisa, no mínimo, ser melhor estudado.

Em março de 2016, um grupo de pesquisadores da Nova Zelândia compilou toda a literatura disponível sobre os potenciais benefícios do óleo de coco e publicou na revista Nutrition Reviews o artigo intitulado “Coconut oil consumption and cardiovascular risk factors in humans” (3).

Os autores localizaram 21 estudos (8 controlados e 13 observacionais). Segundo os autores, o óleo de coco aumentou os níveis de colesterol total e colesterol LDL (ruim). Apesar de aumentar os níveis de colesterol, o óleo de coco aparentemente não aumentou o risco de doenças cardiovasculares, pelo menos em populações que culturalmente o consomem.

Ou seja, o óleo de coco parece não aumentar o risco de problemas cardíacos dentro da dieta dos povos polinésios, mas não podemos dizer o mesmo dentro da dieta Ocidental.

Em resumo, não existem provas definitivas que o óleo de coco ajude a melhorar a imunidade e o metabolismo ou a reduzir o risco de doenças cardíacas. Não é um suplemento, muito menos um remédio. A preferência pelo seu uso restringe-se mais a uma opção culinária e deve ser feita com moderação.

Para quem ficou interessado nos antioxidantes e nos fitoesteróis, a sugestão é consumir a polpa do coco, que também é rica em fibras. Mas dentro de uma alimentação equilibrada, com atividades físicas regulares e… sem esperar milagres!

Fontes:
1 – Nevin KG, Rajamohan T. Beneficial effects of virgin coconut oil on lipid parameters and in vitro LDL oxidation. Clin Biochem. 2004 Sep;37(9):830-5.

2 – Cardoso DA, Moreira AS, de Oliveira GM, Raggio Luiz R, Rosa GA. COCONUT EXTRA VIRGIN OIL-RICH DIET INCREASES HDL CHOLESTEROL AND DECREASES WAIST CIRCUMFERENCE AND BODY MASS IN CORONARY ARTERY DISEASE PATIENTS. Nutr Hosp. 2015;32(5):2144.

3 – Eyres L, Eyres MF, Chisholm A, Brown RC. Coconut oil consumption and cardiovascular risk factors in humans. Nutr Rev. 2016 Apr;74(4):267-80.

Autor: Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Mestre em Endocrinologia
CREMERS 30.576
www.facebook.com/drmateusendocrino

Fonte: http://www.drmateusendocrino.com.br/2016/05/01/oleo-de-coco-baseado-em-evidencias/

Sua avó estava certa: canja de galinha faz bem para a gripe!


Alguns estudos nas últimas décadas encontraram relação entre tomar canja de galinha e melhora nos sintomas da gripe. Sua avó estava certa! Leia o post para entender melhor e ver como se proteger com uma bela receita de canja

Era só escorrer o nariz e começar a tossir que sua avó dizia:

– Ah, vou preparar uma canja extra forte pra você melhorar!

E aí você até aceitava, meio à contragosto, pois preferia mesmo tomar aquele efervescente com zilhões de gramas de uma vitamina que saía quase toda na urina. E melhorava. E sempre atribuía a melhora ao efervescente.

Pois é, eu respeito muito as avós e sinto informar, para os que reviram os olhos quando sentem o cheiro da canja perfumando a casa, que elas estão cobertas de razão!

Canja de galinha melhora os sintomas da gripe, Nossas avós já diziam

Esse estudo de 2000, publicado na revista CHEST, maior periódico de doenças pulmonares do mundo, deixou alguns cientistas de cabelo em pé, pois ninguém havia pensado nisso antes!

Os autores demonstraram que a ingestão de uma canja de galinha caprichada, com hortaliças variadas, causava uma  diminuição/balanceamento da resposta inflamatória, o que ajudava a diminuir os sintomas (tecnicamente falando isso acontecia pela redução significativa da quimioatração dos neutrófilos). Só não descobriram o que exatamente tinha esse efeito.

Ainda nessa linha de pesquisa canja/gripe, pesquisadores da universidade de Moscou, descobriram que o elemento responsável pela modulação dessa resposta inflamatória frente aos vírus da Influenza (um dos tipos de gripe), eram os peptídeos e isopeptídeos da carnosina, presentes na carne do frango.

Incrível, não?

Calma, vacina e ida ao médico ainda são importantes no caso do H1N1

Claro que não estou dizendo para ninguém deixar de se prevenir com a vacina! Como a eficácia dela não é 100%, caso você tenha os sintomas da H1N1, não deixe de ir ao médico, nem de se medicar com o que ele prescreveu. Mas, definitivamente, brilhe os olhos quando sua avó lhe oferecer aquela canja de galinha, feita com tanto amor e sapiência.

Afinal, amor de avó é amor em dobro!

Não sabe a receita da canja?

Caldo de Galinha

Ingredientes

1 peito de frango com pele e osso
1 colher de café de sal
2 folhas de louro
1 ramo de alecrim
1 colher de chá de curcuma fresca (açafrão em pó)
1/2 cebola picada
2 dentes de alho amassado
1/3  de cenoura
3 colheres de sopa de alho poro em rodelas
1 chuchu picado
cheiro verde e pimenta do reino a gosto
1 pequena batata doce picada

Modo de fazer

Coloque todos os ingredientes (menos o cheiro verde e a pimenta do reino) em uma panela grande e funda e complete com água.
Deixe ferver ate cozinhar todos os ingredientes
Desligue o fogo e inclua a pimenta e o cheiro verde.
Sirva a seguir

Compartilhem à vontade!

Autor: Dr. Flavio Melo - Médico pediatra - CRM-PB 5239 - RQE: 3065

Fonte: http://www.pediatradofuturo.com.br/canja-de-galinha-faz-bem-para-a-gripe/

Comida de Verdade pode melhorar a resposta ao H1N1 e outros? E comer porcaria e junk food ?

Alguns estudos, como este da curcumina, mostram que uma alimentação rica em antioxidantes, como aquela composta de Comida de Verdade, pode melhorar nossa resposta imunológica à Dengue e H1N1. Veja o que penso a respeito e também quais alimentos são ricos em antioxidantes.

Vocês já sabem que não gosto de boatos: nos últimos tempos tenho tentado agir mais como caçador de mitos do que qualquer outra coisa por aqui.

Toda semana um novo boato, que dura uma semana, dá bastante dinheiro para o boateiro pelos cliques em suas páginas e depois vira lenda urbana ou desaparece.

Mas tem uma coisa sobre essas doenças da moda que vale a pena “boatar”. Na verdade estou fazendo uma extrapolação, depois de estudar muito sobre os flavivírus e vírus em geral, nos últimos dias.

Uma coisa me intriga: comer Comida de Verdade melhora nossa resposta imunológica?
Por que algumas pessoas pegam H1N1, Dengue ou Zika e tem um quadro mais leve? E por que outras complicam tanto?

A resposta não é tão simples, mas envolve a reação imunológica de cada indivíduo à infecção. Imaginem que quando o vírus entra no indivíduo, soa um alarme para nosso sistema de defesa, normalmente esse alarme se traduz em febre, pela liberação de substâncias que agem no nosso hipotálamo, onde se localiza nosso controle de temperatura.

Precisamos de uma resposta balanceada, pois para matar uma barata, basta um chinelo, para matar um rato, uma vassourada, e para matar um leão, um tiro de rifle, talvez.

Nos indivíduos com uma resposta anormal, chama-se toda a artilharia pesada, todos os canhões, mísseis e caças, e estes chegam atirando para todo lado, e terminam causando mais estrago do que devia.

Essa resposta anormal, no H1N1, na Dengue, e possivelmente no Zika e Chikungunya, tem a ver com essa hiperexcitação do sistema de defesa e esta está relacionada com o nível de inflamação do nosso corpo e as complicações da doença.

Se o indivíduo é sadio, normalmente tem baixos níveis de inflamação e lida bem com a infecção. Agora, se o indivíduo é obeso, diabético, hipertenso, tem doença autoimune, está em um estado alterado da imunidade (gravidez é um exemplo) ou é muito jovem, esse estado inflamatório pode estar alterado.

E isso também tem muito a ver com a alimentação. A alimentação habitual ocidental típica, aquela do McDonalds e Cia Ltda., tem um grande potencial inflamatório, pois é pobre em compostos antioxidantes e riquíssima em compostos oxidantes e que desencadeiam uma resposta imune favorecendo à inflamação.

Então, vamos deixar de enrolar, qual a hipótese?
Alguns estudos já realizados com o vírus da Dengue e Influenza, usando alguns compostos antioxidantes, mostraram a sua utilidade em balancear essa reposta inflamatória, otimizar a ação do sistema imune em destruir os vírus e impedir a replicação viral.

São vários compostos testados, mas na essência, parece que uma dieta rica em antioxidantes, especialmente os polifenóis, está relacionada com essa melhor resposta imune.

Não posso garantir que ao consumir essas fontes de polifenóis você nunca terá essas doenças ou evitar suas complicações, mas os estudos indicam um controle importante da resposta imune à esses vírus, naturalmente dependente de vários outros fatores na saúde do indivíduo.

Quais as fontes alimentares dos polifenóis?
Comida de Verdade favorece sistema imunológicoVejam esta foto anexada ao post e comecem a colocar esses alimentos na sua alimentação:

– Chocolate Amargo (70% de cacau pra cima)
– Chá verde (catequinas)
– Canela (Ac. Cinâmico)
– Café (Ac. Caféico)
– Gengibre (gingerol)
– Alho e Cebola (alicina e quercetina)
-Cúrcuma/açafrão-da-terra (curcumina, leia mais aqui) ou Curry (curcuminóides)
– Cominho (galatos)
– Pimenta vermelha (capsaicina)
– Vinho tinto (resveratrol)
– Frutas vermelhas (ex morango, mirtilo e framboesa)
– Frutas negras (ex Açaí) (antocianinas)
– Pimenta Preta (piperina)
– Tomate cozido (licopeno)

Posso comer toneladas desses alimentos?
Já sabe que não, excesso de antioxidantes, como excesso de tudo, faz mal!

Posso correr para a loja de suplementos em busca desses compostos e me entupir deles? Se você fizer isso, vai morrer antes da H1N1, Dengue ou do Zika.

O que fazer, então?
Procure um nutricionista e um nutrólogo da sua confiança, ele poderá ajudar a incluir esses alimentos no seu dia a dia, de acordo com suas possibilidades e sua condição individual.

Ah, mas eu não posso pagar uma consulta…

Então, vá incluindo aos poucos esses alimentos no seu dia a dia, em substituição às porcarias que você vem comendo.

Uma coisa eu garanto: você pode até pegar as doenças, mas dificilmente morrerá de um infarto.

E não se esqueçam de que o combate à Dengue, Zika e Chikungunya sempre começa pelo combate ao mosquito. Combate ao H1N1 envolve a vacina e os cuidados de proteção individual.

À propósito, o açafrão da terra (cúrcuma), quando colocado nos vasos de plantas, elimina 100% das larvas do Aedes.


Autor: Dr. Flavio Melo - Médico pediatra - CRM-PB 5239 - RQE: 3065

Fonte: http://www.pediatradofuturo.com.br/h1n1-zika-dengue-e-cia-ltda-e-comida-de-verdade/

Medo da H1N1 mas dá porcaria pro filho comer?

Novos estudos trazem à tona algo que já imaginava: comer porcaria e ficar obeso prejudica sua imunidade. Não acredita? Pior pra você! Veja como isso pode ter a ver com H1N1.

Todo mundo já está cansado de saber que alimentação é a base da saúde. Mas parece ser mais fácil fechar os olhos e ouvidos e entrar no fast-food mais próximo.

Ontem pude sentir o quanto as pessoas estão apavoradas com o H1N1. Quem me acompanha sabe que não sou alarmista, mas confesso que estamos em um momento crítico.

Na volta do trabalho pra casa, estava escutando sobre a situação em São Paulo na CBN e realmente o cenário é de se preocupar.

Mas talvez as pessoas estejam deixando o básico para trás e tentando fazer apenas o mais fácil. Pode ser que isso não funcione.

Vacinar contra H1N1 é importante, mas não vale se sabotar.

Não existe imunidade boa quando quase tudo o que se come é porcaria (junk food)!

Todo mundo correndo atrás da vacina e do álcool gel, o pessoal das clínicas de vacina (não tenho, nem pretendo) com o telefone tocando sem parar, você já quase um especialista no tema de tanto que já leu, mas todos esquecendo o principal.

A nossa população está cada vez mais acima do peso e obesa – não é para menos: comemos cada vez mais comida de pacote e cada vez menos comida de verdade.

“- Ah, Doutor Flávio, isso eu já sabia! Mas aí eu dou a vacina pro meu filho e fico tranquilo.”

É mesmo? Não, definitivamente não!

Para que você que pensa assim possa refletir, queria deixar a conclusão de dois estudos sobre alimentação, vírus influenza e vacinação:

1. Journal of Nutrition – 2007 – Estudo com ratos obesos e resposta à infecção por influenza: http://%28http//jn.nutrition.org/content/137/5/1236.full.pdf

“Os dados indicam que a obesidade inibe a habilidade do sistema imunológico responder apropriadamente à infecção por influenza e sugerem que pode levar a um aumento de morbidade e mortalidade por infecções virais.”

“-Beleza, é só dar a vacina então…”

Será? Veja este outro estudo então.

2. International Journal of Obesity – 2012 – A obesidade está associada com resposta imune diminuída à vacinação para influenza em humanos: http://www.nature.com/ijo/journal/v36/n8/pdf/ijo2011208a.pdf

A farmácia da Comida de Verdade

Pois é, acho que não precisamos de mais motivos para entender o quanto estamos doentes e adoecendo nossos filhos por causa de nossa alimentação e estilo de vida.

E se todo mundo só fala de vacina (deve ser feita por todos, vejam este outro post meu), álcool gel e máscaras N95, eu prefiro te alertar que na boa alimentação está o alicerce para a tua saúde e dos teus filhos.

Como sempre, dúvidas nos comentários abaixo. Ficarei feliz em responder assim que possível.


Autor: Dr. Flavio Melo - Médico pediatra - CRM-PB 5239 - RQE: 3065

Fonte: http://www.pediatradofuturo.com.br/medo-da-h1n1-mas-da-porcaria-pro-filho-comer/

Quanto açúcar escondido seu filho come? por Dr. Fávio Melo (Médico Pediatra)

O açúcar escondido está em 80% dos produtos industrializados. Pior: muitas vezes vem disfarçados com outros nomes que você nem imagina que são açúcares. Aprenda neste post a identificar e evitar o açúcar escondido que seu filho come.

O problema do açúcar escondido

Apesar da ciência da alimentação humana discordar em inúmeros pontos de vista, se tem um que não se tem praticamente nenhuma dúvida é o impacto negativo do alto consumo de açúcar adicionado dos alimentos, que prefiro chamar de açúcar escondido.

Em especial, o consumo do chamado xarope de frutose ou xarope de milho de alta frutose (em inglês HFCS – High Fructose Corn Syrup), uma forma mais barata e industrialmente plausível, causa uma verdadeira tempestade no seu metabolismo.

Em doses excessivas, que é o que se vê nos dias de hoje principalmente na forma de bebidas (refrigerantes, sucos industrializados, leites adoçados), ultrapassa rapidamente a capacidade e a necessidade do nosso organismo de utilizá-lo, direcionando o armazenamento na forma de gordura (sim, açúcar em excesso se transforma em gordura no organismo!).

A partir daí se inicia todo o processo de inflamação, excesso de liberação de insulina e acúmulo de gordura, que estão na base da obesidade, hipertensão, diabetes e esteatose hepática.

Seus triglicérides sobem por dois motivos básicos: excesso de açúcar/carboidratos e excesso de calorias.

Suco de laranja tem bastante açúcar

Não se inclui nesse contexto este mesmo açúcar presente nas frutas inteiras, onde estão em menor quantidade e acompanhado de fibras, que desaceleram seu impacto metabólico, além de sua saciedade ser bem maior.

Exemplo prático: um copo de suco de laranja – quatro a cinco laranjas. Você consegue comer cinco laranjas de uma vez? Mas consegue “beber” tranquilamente, não?

Até a OMS recomenda baixo consumo de açúcar

Por esse motivo, a OMS recomenda nos dias de hoje um consumo ideal de 5% das calorias diárias na forma de açúcar adicionado, com um máximo de 10%, incluindo o mel e sucos de frutas 100% na conta.

Trocando em miúdos: em média, de 4 a 6 colheres de chá para uma criança e mulheres e de 6 a 10 colheres de chá para um adulto masculino. Você pode pensar: mas é muito açúcar!!!!!

Você come açúcar sem saber: Açúcar escondido por alimento


Créditos: nutricionista Fernanda Bortolon

Vou repetir o alerta: o açúcar está escondido em muitos alimentos do seu dia a dia. Não conte como açúcar apenas o pó branco que você adiciona ao café. Esse é o explícito, claro, que todo mundo sabe.

Mas você sabia que um refrigerante em lata (não diet/zero) contém sete colheres de açúcar?

Ou seja, se seu filho consome uma lata de refrigerante por dia, já passa da conta! Isso é açúcar escondido!

O açúcar escondido está presente em 80% dos industrializados que comemos.

Em média, estamos comendo seis vezes mais açúcar do que deveríamos. E o resultado está aí, uma pandemia de obesidade e síndrome metabólica.

É só o açúcar a causa? Definitivamente não! Mas devemos começar por ele!

A solução: Comida de Verdade!

Comida de Verdade é gostosa e saudável. Tudo aquilo que não está em uma embalagem contendo nomes incompreensíveis nos ingredientes, inclusive uma das 52 denominações técnicas do açúcar escondido. Isso sim é Comida de Verdade. Veja a foto: as opções são inúmeras, disponíveis e dá pra ser barato.

Autor: Dr. Flavio Melo - Médico pediatra - CRM-PB 5239 - RQE: 3065

Fonte: http://www.pediatradofuturo.com.br/quanto-acucar-escondido-seu-filho-come/

Seu filho toma antibióticos todos os dias e você não sabe. Por Dr. Flavio Melo (Médico, pediatra)


A conta é simples: produtores usam antibióticos nos animais que comemos e, portanto, ingerimos uma quantidade considerável destes, sem saber quanto. Não subestime o tamanho do problema. Veja neste post quais os impactos disso e o que pode ser feito.

Essa semana li um artigo na maior revista de pediatria do mundo, a Pediatrics, da Academia Americana de Pediatria (AAP) que me deixou preocupado, revoltado e instigado, tudo ao mesmo tempo.

Em poucas palavras, é o que está no título: você, eu, nossos filhos, os sãos e os doentes, tomamos antibióticos todos os dias!

Não é lenda urbana – o uso de antibióticos nos animais é abusivo

É uma grande preocupação, tanto que a AAP escreveu esse relatório técnico essa semana, que vou tentar resumir aqui pra vocês.

Em 2012, vendeu-se 15 toneladas de antobióticos para uso animal, comparando com 3 toneladas para uso humano. Aproximadamente 60% dos antibióticos usados para animais, tem relevância para a saúde humana, sendo inclusive usados para tratamento das nossas doenças infecciosas.

Aí começa o problema: nos EUA, não há controle para venda de antibióticos para uso veterinário e provavelmente, igualmente a nós, muitos animais “tomam” antibióticos sem nenhuma necessidade.

Do mesmo jeito que me irrito com a prescrição excessiva de Amoxicilina para “viroses”ou “garganta” – aquele nome de uma estrutura do corpo que virou nome de doença (garganta não é doença!!!!) – nos animais, ocorre prescrição abusiva, e pior, sem controle! Nos EUA, 97% sem prescrição veterinária.

Só que no caso dos animais, muitas vezes os antibióticos são usados em baixas doses, cronicamente, em caráter “preventivo”, para “promover crescimento”, para “melhorar a eficiência da sua alimentação”: todos eufemismos para seu uso abusivo.

Antibióticos são frequentemente usados na raçãoE onde eles vão? Na comida que o animal come, frequentemente uma ração, e da mesma forma que engordamos e acumulamos gordura maléfica ao redor dos órgãos, ocorre com os animais. E provavelmente da mesma forma que as alterações na flora intestinal causam esses efeitos em nós, nos animais não é diferente.

Resumindo: comemos carnes de animais com péssima qualidade de composição, animais entupidos de antibióticos, doentes por esse motivo e adoecemos duplamente!

E o pior: comemos pequenas doses de antibióticos de uso humano diariamente, podemos estar sendo contaminados com bactérias que causam intoxicações alimentares cada vez mais poderosas (Salmonela, Estafilococos, Campilobacter), causando um brutal aumento na resistência bacteriana nos humanos.

Então, não vamos colocar somente na conta dos médicos a questão da resistência bacteriana, vamos dividir a conta com a indústria alimentícia e veterinária (tô morto a partir de hoje…).

E agora, o que fazer?

Primeiro, cobrar o controle da prescrição excessiva de antibióticos tanto dos médicos, quanto dos veterinários.

Segundo, comprar carnes de pequenos produtores, carne orgânica (frango caipira, carne de gado alimentado com pasto), digamos, pode ser um caminho.

E fica bem claro, que a preocupação está longe de ser os hormônios que supostamente fazem o frango crescer (não acredito nisso, deixo claro para os especialistas da área de produção animal não me crucificarem) e sim os antibióticos que eles comem todos os dias que devemos ter cuidado.

Autor: Dr. Flavio Melo - Médico pediatra - CRM-PB 5239 - RQE: 3065

Fonte: http://www.pediatradofuturo.com.br/seu-filho-toma-antibioticos-todos-os-dias-e-voce-nao-sabe/

60% do risco de desenvolver Diabetes mellitus tipo 2 pode ser reduzido com dieta adequada e prática regular de exercícios

Você sabia que a OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que 9% da população mundial tenha diabetes mellitus tipo 2 e que em 2035 ela seja a  sétima causa de morte no mundo? Dois hábitos relativamente simples podem ajudá-lo a não entrar para as estatísticas: alimentação adequada e prática de exercício físico ?

“Combater a obesidade ainda é o melhor método preventivo para o diabetes. Manter um controle nutricional adequado e praticar exercícios físicos regularmente são medidas capazes de reduzir em até 60% o risco de desenvolver a doença”, orienta a endocrinologista do HCor (Hospital do Coração) dra. Laura Frontana.

Válidas para todas as pessoas, como forma de prevenção, ou para aqueles que já receberam o diagnóstico de diabetes, algumas recomendações nutricionais são importantes aliadas para a busca de melhor qualidade de vida. O ideal é ingerir alimentos em quantidade e qualidade adequadas e fazer três refeições diárias intercaladas com pequenos lanches, dando preferência aos alimentos ricos em fibras e nas versões integrais.

“Um plano nutricional individualizado, considerando características como idade, nível de atividade física, peso, altura, o uso ou não de hipoglicemiantes e insulina é imprescindível para prevenir, tratar e até controlar a doença”, destaca a endocrinologista.

Atividade física pode ser feita sem restrições. Caminhada, dança, hidroginástica, corrida, natação e ciclismo, em intensidade moderada, três vezes por semana, são algumas das atividades físicas indicadas para prevenir complicações da doença e o controle dos níveis de glicemia, além de ajudar a baixar a pressão arterial e reduzir o risco de desenvolver doenças cardíacas.



Fonte: http://drauziovarella.com.br/diabetes/alimentacao-e-atividade-fisica-podem-reduzir-em-60-risco-de-diabetes/

É possível prevenir crise de herpes labial ? Por Juliana Conte


Herpes labial em geral começa com formigamento e ardência local e logo surgem pequenas vesículas agrupadas. Quem já teve crises de herpes, sabe o quanto as vesículas incomodam, doem e causam constrangimento.

Um dos gatilhos para a manifestação da doença é a exposição solar intensa (por isso recomenda-se o uso de protetor labial), baixa imunidade do organismo, estresse, cansaço físico e mental, além de vigência do período menstrual.

Infelizmente, não existe cura definitiva para o herpes labial. O tratamento convencional consiste em antivirais orais (o famoso aciclovir) e algumas pomadas específicas. O medicamento ajuda a inibir a replicação do vírus e a diminuir o tempo a intensidade dos sintomas.

Mas aqui vai um alerta: é necessário iniciar o tratamento o mais rápido possível, ou seja, de preferência no primeiro dia de manifestação da doença, para que o vírus não se replique. E mesmo que você já saiba decor o remédio a ser utilizado, não se automedique durante as crises, pois é fundamental procurar ajuda médica.

O inconveniente dos medicamentos, porém, é que sua ação  no controle das recidivas é limitada e seu uso frequente pode determinar casos de resistência viral.

Por isso, uma parcela relevante da população está propensa a ter reincidência das crises, com até seis episódios por ano. Mas é possível, então, pelo menos prevenir as crises?

Segundo o dr. Walmar Roncalli Pereira, dermatologista do HCFM/USP, sim. Para isso, é importante apostar em alimentos que contenham lisina, já que o corpo humano não é capaz de fabricar esse aminoácido. 

Os principais alimentos que contêm são:
 Queijo;
Soja;
Verduras;
Frango;
Peixe.

Também é indicado procurar diminuir o consumo de alimentos que contenham arginina, como:
 Castanhas;
Chocolates;
Laranja;
Uvas;
Amêndoas.

“O papel fundamental da lisina é inibir a arginina, aminoácido que ajuda na reprodução do vírus. Como elas competem dentro da célula, o aumento da lisina no organismo significa uma queda da arginina, e manter essa relação harmoniosa é muito importante como medida profilática para prevenir o herpes labial e sua reincidência, além de acelerar o processo de cicatrização”, esclarece Roncalli.

De acordo com o dr. Roncalli, uma alimentação bem balanceada, com consumo adequado de proteína, contém de 5 a 8 gramas de lisina. Entretanto, há uma redução de até 42% dessa proteína durante o processo digestivo e até no processo de preparo dos alimentos. Ou seja, mesmo que se consuma a quantidade correta de lisina, há sempre uma perda natural desse aminoácido.

Uma opção é utilizar a suplementação de lisina como medida profilática. Como ela não é um agente antiviral, sua utilização frequente e prolongada não causa resistência viral.

“Na verdade, para efeito de prevenção de recorrência de  herpes labial devemos ter no sangue uma concentração de 165 nmol/ml de lisina, o que pode ser atingido utilizando-se 1.500mg de cloridrato de lisina por 6 meses”, diz.


Fonte: http://drauziovarella.com.br/virus-e-bacterias/e-possivel-prevenir-crise-de-herpes-labial/

sábado, 14 de maio de 2016

Rótulos: quais são os limites diários e os riscos que os aditivos podem trazer? Por Tainah Medeiros

Em letras pequenas e bem escondida na embalagem está uma informação bastante importantes: os ingredientes. Para saber realmente o que está se ingerindo, deve-se olhar cuidadosamente para esse item. Tudo o que foi usado durante a fabricação está (ou devia estar) ali, em ordem de maior quantidade, incluindo os aditivos.

Como ler corretamente os rótulos?

A priori, o nome assusta, e com certa razão: são componentes químicos que em sua maioria não têm relevância nutritiva, sendo adicionados para conservar, conferir cor e sabor, como define a FAO/Who ( Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação).

Mas calma, existe quantidade limite para tudo, principalmente para um componente fazer mal à saúde a ponto de provocar algum problema. O uso desses “aditivos” é permitido tanto pela FAO quanto pela Anvisa, empresas que estudam e investigam a seguridade dos produtos.

“A Anvisa é um dos órgãos de fiscalização mais cautelosos do mundo” enfatiza a nutricionista Dra. Carolina Godoy, membro da câmara técnica do Conselho Regional de Nutrição de São Paulo, quando questionada sobre o alarde em cima dos aditivos químicos. “Existem pessoas com restrições alimentares e estas precisam, de fato, respeitar e não consumir o alimento. Pessoas saudáveis que consomem os aditivos dentro da quantidade recomendada com uma alimentação equilibrada não precisam se preocupar.”

As quantidades recomendadas são rigorosamente investigadas por essas instituições e têm nome: a IDA (Ingestão Diária Aceitável ) é a porção considerada segura de um aditivo químico para que ele não faça mal à saúde, a qual é estabelecida pelo JECFA (Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives, comitê de especialistas em aditivos alimentares). “A IDA é estabelecida a partir de um fator de segurança para uma dose que não provoca nenhum efeito adverso no ser humano. O valor que temos hoje com a IDA é uma dose que não tem efeito adverso dividida 100 vezes, justamente considerando que alguns excessos podem ocorrer”, explica Godoy.

Como as embalagens geralmente não trazem a quantidade desses aditivos, o recomendado é: quando houver limite de quantidade diária, evite consumir mais de um produto com o mesmo aditivo ou ingerir além da porção estabelecida na tabela nutricional.

Acidulantes

– Para que servem: Como o nome já diz, os acidulantes têm função de intensificar ou atribuir gosto ácido aos alimentos, além de conseguir imitar o sabor de certas frutas.
 – Onde estão: Em balas, refrigerantes, sucos e, principalmente, em bebidas alcóolicas, como a cerveja. Em algumas embalagem estão identificados pela letra “H”, em outras pelo seu próprio nome.
 – No Brasil, segundo a IDA, são permitidos:

Adípico – limite de 5mg/Kg – ou seja, um indivíduo com 60 kg pode consumir 60 x 5 = 300 mg).
Cítrico – IDA não especificada – quando consta “não especificada”, quer dizer que não representa risco à saúde.
Fosfórico – limite de 70mg/kg.
Fumárico – IDA não especificada.
Lático – IDA não especificada.
Málico – IDA não especificada.
Tartárico- limite de 30mg/kg.
Glucona delta-lactona- IDA não especificada.
– O que o excesso pode provocar: O excesso ao longo da vida pode levar a descalcificação de ossos e dentes.

Adoçantes artificiais

– O que fazem: Também conhecidos como edulcorantes, são substâncias de valor energético nulo ou baixo que dão ao alimento o gosto doce.
– Onde estão: Produtos diet e light.
– No Brasil, segundo a IDA, são permitidos:

Acesulfame de potássio – limite de 15mg/Kg.
Aspartame – limite de 40 mg/Kg.
Ciclamato – limite de 11 mg/Kg.
Glicosídeos de Esteviol (Estévia) – limite de 4mg/Kg.
Neotame – limite de 2mg/Kg.
Sacarina – limite de 5 mg/Kg.
Sucralose – limite de 15 mg/Kg.
– O que o excesso pode provocar: Ao contrário do que dizem, os adoçantes não causam tumores (segundo a FDA, órgão dos Estados Unidos correspondente à Anvisa). Mas há suposições, ainda em estudo, de que o excesso de adoçantes pode aumentar o risco de desequilíbrio metabólico.

Antioxidantes

– Para que servem: Evita que o alimento oxide e apodreça, mantendo-o em boas condições de consumo por mais tempo.
– Onde estão: Óleos e gorduras, sorvetes, leite em pó instantâneo, leite de coco, produtos de cacau, conservas de carne, margarina e farinhas.
– No Brasil, segundo a IDA, são permitidos:

Ácido ascórbico – IDA não especificada.
Butil-hidroxianizol (BHA) – limite de 0,05 mg/KG.
Butil-hidroxitolueno (BHT) – limite de 0,03 mg/Kg.
Citrato de monoisopropila – limite de 14 mg/kg.
Lecitinas – IDA não especificada.
Galato de propila – limite de 1,4mg/Kg.
Tocoferóis – limite de 2mg/kg.
Acido eritórbico – IDA não especificada.
Palmitato de ascorbila- limite de 0,25 mg/Kg.
Terc-butil-hidroxiquinona – limite de 0,07 mg/Kg.

– O que o excesso pode provocar: O BHA e BHT, mesmo sendo permitidos dentro do limite considerado saudável, são derivados fenólicos, grupo químico com alto poder tóxico. Fique atento às embalagens e evite consumir muitos produtos com esse item, já que não se sabe ao certo a quantidade real presente nos alimentos. Os demais, em excesso, podem afetar as funções gastrointestinais, causar alergias e aumentar o nível de colesterol no sangue.

Conservantes

– O que fazem: Evitam a ação dos microrganismos que agem na deterioração dos alimentos, fazendo com que durem mais tempo sem estragar. Na embalagem, eles aparecem muitas vezes pelos códigos de P1 a P10.
– Onde estão: Na grande maioria dos alimentos industrializados, como refrigerantes, concentrados de frutas, chocolates, sucos, queijos fundidos, margarinas, conservas vegetais (como azeitonas e palmitos), carnes e pães.
– No Brasil, segundo a IDA, são permitidos:

Ácido benzoico (benzoato) – limite de 5mg/Kg.
Ácido propiônico – IDA não especificada.
P-hidroxibenzoico – limite de 10mg/Kg.
Nitrato (potássio ou sódio) – limite de 3,7 mg/kg.
Nitrito (potássio ou sódio) – limite de 0,06 mg/Kg.
Sulfato de sódio – limite de 0,7 mg/Kg.
– O que o excesso pode provocar: O limites de nitrato e nitrito são bem restritos, o que torna mais fácil extrapolar. O consumo excessivo por muitos anos pode ser cancerígeno, assim como os demais conservantes. Além disso, podem afetar as funções gastrointestinais, causar alergias e aumentar o nível de colesterol no sangue.

Corantes

– O que fazem: Colorem os alimentos, fazendo com que os produtos industrializados tenham uma aparência mais agradável e parecida com a de produtos naturais.
– Onde estão: Na maioria dos produtos industrializados, como massas, bolos, margarinas, sorvetes, bebidas, gelatinas, biscoitos, entre outros.
– Existem três tipos: corantes naturais, corantes artificiais e caramelos, mas aqui vamos focar apenas nos dois últimos.
– No Brasil, segundo a IDA, são permitidos:

 Artificiais
 Amaranto ou Bordeaux – limite de 0,5 mg/Kg.
Azorrubina – limite de 4 mg/Kg.
Vermelho – limite de 7 mg/Kg.
Amarelo crepúsculo – limite de 2,5 mg/Kg.
Azul brilhante – limite 12,5mg/Kg.
Eritrosína – limite de 0,01 mg/Kg.
Ponceau – limite de 4 mg/Kg.
Indigotina – limite de 5mg/Kg.
Tartrazina – limite de 7,5 mg/Kg .
Verde rápido – limite de 25 mg/Kg.
Caramelos

Corante natural obtido pelo aquecimento do açúcar. A IDA é 200mg/Kg.
– O que o excesso pode provocar: Os corantes podem causar reações alérgicas, dependo da pessoa. Uma vez diagnosticada essa relação, a pessoa não deve mais consumir o alimento que leva o aditivo. Também podem causar irritações intestinais.

Realçador de sabor

– O que faz: Torna mais perceptível o sabor de alimentos industrializados. É ele que dá um toque que aproxima o gosto ao de produtos naturais.
– Onde está: Sopas, sucos, carnes enlatadas, biscoitos, bolos, sorvetes, entre outros.
– No Brasil, segundo a IDA, são permitidos:

Glutamato monossódico – IDA não estipulada.
– O que o excesso pode provocar:Mesmo diante de todo o burburinho em cima desse componente, tanto a Anvisa, quanto a JECFA e a FAO consideram-no seguro, sem quantidade de risco estipulada.

“De qualquer forma, os valores estão estabelecidos, mas não são verdades absolutas. A todo momento novos estudos podem surgir e os valores podem mudar”, alerta Godoy. Portanto, ficar atento às informações mais recentes sobre o tema é sempre válido.

Hipotireodismo/hipertireoidismo/nódulos tireoidianos


A glândula tireoide é importantíssima para o funcionamento harmônico do organismo. Ela se situa na parte inferior do pescoço, bem perto de onde começa o osso esterno. Está apoiada na traqueia bem ao lado da artéria carótida.

A tireoide possui dois lobos, o esquerdo e o direito, que juntos assumem o formato de uma borboleta de asas abertas ou de um escudo. Na verdade, seu nome deriva da palavra grega thureós que significa escudo.

Os hormônios liberados pela tireoide são responsáveis por uma série de funções orgânicas. Eles garantem que coração, cérebro e muitos outros órgãos exerçam suas funções adequadamente. Superprodução dos hormônios tireoidianos provoca no organismo um distúrbio, o hipertireoidismo. Já, quando a produção não atinge os níveis hormonais necessários, o quadro recebe o nome de hipotireoidismo.

Os hormônios da tireoide chamam-se tireoxina (T4) e triiodotironina (T3). Eles são fundamentais para o metabolismo, ou seja, o conjunto de reações necessárias para assegurar todos os processos bioquímicos que ocorrem no nosso corpo.

Atualmente, parece haver uma epidemia de problemas da tireoide, especialmente um número aumentado de casos de hipotireoidismo e da incidência de nódulos na tireoide, que atinge especialmente as mulheres. Será isso verdade?

FALSA IDEIA DE EPIDEMIA

Drauzio – Existe realmente uma epidemia de problemas da tireoide no momento?

Marcello Bronstein – Quando se fala em epidemia, dá-se a impressão de que, de repente, se tornou mais comum o aparecimento de problemas da tireoide. Isso não é necessariamente verdade. Acontece que os métodos de diagnóstico – quer laboratoriais, quer por imagem – estão cada vez mais aperfeiçoados e pequenas alterações que não eram detectadas no passado, agora são percebidas com clareza. Com isso, o número de pessoas com alterações mínimas e subclínicas da tireoide aumentou. Por outro lado – e eu diria infelizmente – há um excesso de requisições de exames não necessários que leva ao diagnóstico de “problemas” que, na verdade, não são problemas.

Eu diria, então, que não há propriamente uma epidemia. O que há é um aumento considerável de pedido de exames e uma tecnologia mais avançada que permitem a detecção de situações subclínicas.

Drauzio – Somos do tempo em que os médicos examinavam a tireoide com as mãos. Eles mandavam o paciente engolir, sentiam o tamanho da glândula e, às vezes, surpreendiam alguns nódulos que já mediam, no mínimo, um centímetro. Que alterações o ultrassom trouxe para o diagnóstico e em que isso mudou a prática médica? 

Marcello Bronstein – Embora nódulos muito pequenos não sejam detectados pela palpação, também continuo sendo do tempo em que o exame clínico da tireoide é muito importante. Temos de admitir que apenas 5% dos nódulos tireoidianos são palpáveis no exame clínico, número que cresce muito se o ultrassom for utilizado. Só para ter uma ideia da frequência com que ocorrem no sexo feminino, mulheres com mais de 40 anos têm cerca de 40% de probabilidade de apresentar nódulos na tireoide; acima dos 50 anos, esse número sobe para 50% e depois dos 70 anos, praticamente 90% delas têm nódulos na tireoide, que podem estar localizados superficial ou profundamente. É claro que um nódulo superficial, mesmo que  pequeno, pode ser palpado mais facilmente do que outro de dimensões maiores, porém mais profundo. Por isso, o exame com ultrassom fez com que o número de casos diagnosticados aumentasse muito. O dilema é o que fazer depois de detectado o nódulo, uma vez que ele vai ser encontrado em praticamente metade da população acima dos 40 anos.

Isso é uma epidemia? Não é. É uma situação que veio à tona desencadeada pelo avanço da tecnologia. Nódulos não palpáveis são detectados atualmente na tireoide, porque se pediu um exame de ultrassom sem necessidade ou porque ele foi realizado com outro objetivo, por exemplo, o de avaliar a incidência ou não de aterosclerose nas carótidas, artérias que passam ao lado da tireoide.

A grande questão é se isso não representa um progresso no momento em que se prestigia a prevenção. Será que realmente a detecção precoce não traz a possibilidade de cura definitiva? Vou responder citando alguns números. Apenas de 15% a 20% dos nódulos de tireoide são malignos. Não é um índice desprezível, concordo. No entanto, quando se fala em câncer, faz muita diferença ser um câncer de pâncreas ou de tireoide. A agressividade do câncer de tireoide é, em geral, muito baixa, tanto que cerca de 5% da população que morreu de gripe, infarto, dengue ou atropelada, quando submetidos à autopsia, apresentam nódulos malignos assintomáticos na tireoide.

TUMORES DE TIREOIDE SÃO INDOLENTES

Drauzio – Um dos problemas que enfrentamos na clínica é atender pessoas que foram encaminhadas para biópsia, porque um ultrassom revelou a existência de nódulos na tireoide. Esse exame realmente deve ser sempre indicado?

Marcello Bronstein – Na maioria das vezes, o câncer de tireoide, quando existe, é indolente. A grande indicação do ultrassom e, eventualmente da punção para biopsia, são os nódulos palpáveis que, em geral, medem mais de um centímetro e estão mais sujeitos a desenvolver câncer. A probabilidade diminui nos nódulos menores Existem, no entanto, recursos ultrassonográficos que permitem dizer, através das características ecogênicas, se o nódulo apresenta maior ou menor possibilidade de ser maligno.

No exame por ultrassom, o som emitido produz um reflexo que projeta um desenho do órgão que está sendo analisado. No caso específico da tireoide, dependendo do formato desse desenho, pode-se saber qual a probabilidade de determinado nódulo ser ou não maligno. Desse modo, muitas vezes, é possível fechar o diagnóstico apenas com resultado do exame de ultrassom. A punção só deve ser indicada quando o ultrasssom não foi suficiente para esclarecer o caso ou para as pessoas de maior risco, com história familiar de câncer de tireoide ou exposição à radioatividade.

De modo geral, só peço ultrassom quando apalpo o nódulo. Se a pessoa já fez o exame a pedido de outro profissional, analiso um conjunto de dados – sexo, idade, tamanho e aspecto do nódulo no ultrassom – e decido sobre a necessidade da punção para identificar se o nódulo é maligno ou benigno.

IMPORTÂNCIA DA DOSAGEM DO TSH

Drauzio – Há anos li um artigo que me convenceu da necessidade de incluir o pedido de dosagem do hormônio TSH na lista de exames de rotina que as pessoas devem fazer especialmente depois dos 40 anos. O fato é que fiquei muito surpreso com a quantidade de pessoas absolutamente normais, sem sintoma algum da doença, que apresentam resultado compatível com hipotireoidismo ou hipertireoidismo. É mesmo importante pedir dosagem de TSH no sangue?

Marcello Bronstein – O TSH, sigla para Thyroid Stimulanting Hormone, ou Hormônio Estimulador da Tireoide, é um hormônio fabricado pela hipófise, uma glândula que fica no meio do cérebro, bem pequenininha, mas que controla o funcionamento de várias outras glândulas, entre elas os testículos, os ovários, as suprarrenais e a tireoide. Existe um sincronismo entre a produção de TSH e a tireoide semelhante ao funcionamento do termostato da geladeira, que liga e desliga automaticamente de acordo com a flutuação da temperatura interna do aparelho. Da mesma maneira, o TSH estimula a tireoide para produzir os hormônios T4 e T3 que, uma vez fabricados, inibem a produção de TSH.

Se a fabricação de hormônios pela tireoide for prejudicada por uma inflamação, por exemplo, haverá um aumento de TSH para tentar corrigir essa deficiência. Esse é o primeiro estágio de hipotireoidismo subclínico caracterizado pela manutenção do nível normal de hormônios da tireoide à custa da elevação do TSH.

Como você observou, a frequência dessa constatação é muito grande e ajuda a fortalecer a ideia de epidemia, visto que 3% dos homens, 7,5% das mulheres abaixo dos 45 anos, 10% delas acima dos 45 anos e 20% acima dos 75 anos manifestam esse tipo de problema. Como se pode notar, as doenças de tireoide acomentem mais as mulheres do que os homens numa proporção de cinco, seis ou sete mulheres para cada homem.

Drauzio – Você recomenda que esse exame de TSH seja feito de rotina em pessoas acima de 40 anos?

Marcello Bronstein – Sim, em todas as pessoas acima de 40 anos, principalmente porque, no hipotireoidismo subclínico, podem aparecer alguns sintomas como cansaço, depressão leve e adinamia (falta de iniciativa).

Quando a tireoide entra num processo de falência maior, a produção de TSH sobe, diminui a de hormônios tireoidianos e instala-se o hipotireoidismo clínico, que apresenta quadros bem manifestos de depressão, pele seca e fria, prisão de ventre, falta de vontade de levantar da cama e coração batendo mais lento. A pessoa fala devagar e sua voz engrossa, como se fosse um disco em baixa rotação. A presença desses sintomas, em geral, torna mais fácil o diagnóstico. O mais importante, porém, é que esse diagnóstico seja feito na fase subclínica.

SINTOMAS DO HIPOTIREOIDISMO E DO HIPERTIREOIDISMO

Drauzio – O perigo é que esses sintomas são sutis no início. A pessoa sente um pouco de cansaço, de indisposição, uma leve depressão e atribui tudo às vicissitudes da vida moderna. Como se trata de um processo gradativo, elas se acostumam com o que estão sentindo e não buscam ajuda.

Marcello Bronstein – Isso acontece mesmo, o que torna fundamental lembrar sempre da possibilidade de um distúrbio da tireoide. O hipotireoidismo clínico é bem menos frequente. Cerca de 1% dos casos atinge mulheres jovens; 2%, mulheres acima de 40 anos e 5% das que têm mais de 60 anos de idade. Então, à medida que envelhecemos, a tireoide deve ser avaliada.

Entretanto, é importante destacar a existência de um mito folclórico, segundo o qual as pessoas obesas não conseguem emagrecer por causa de problemas na tireoide. Isso não é verdade. O porcentual de hipotireoidismo subclínico é alto, mas ele não leva à obesidade. Embora o metabolismo fique mais lento, a pessoa come menos, pois sente menos fome. Seu peso aumenta, porque ela incha e forma o que chamamos de mixedema. Em vista disso, o tratamento para combater a obesidade com hormônios de tireoide deve ser rigorosamente condenado.

Drauzio – Vamos ressaltar os principais sintomas do hipotireoidismo?

Marcello Bronstein – No hipotireodismo, diminui a produção de hormônios da tireoide. Como eles são fundamentais para a ativação do metabolismo, ocorre uma diminuição geral da atividade do organismo. Decrescem a atividade cerebral e a frequência do batimento cardíaco. A pessoa pensa mais lentamente, tem tendência à depressão e à sonolência. Há também maior deposição de líquidos no corpo, o que provoca o edema característico do mixedema. O aumento de peso deriva mais desse edema do que propriamente do acúmulo de gordura. A pele fica fria e seca e os reflexos, mais vagarosos. Além disso, verificam-se alterações menstruais e na potência e libido dos homens.

Drauzio – Nas fases mais avançadas, o hipotireoidismo pode ser uma doença grave?

Marcello Bronstein – Pode ser grave e fatal. No estágio final da doença, os pacientes tornam-se mixedematosos, entram em coma e o tratamento pode ser infrutífero.

Drauzio – O hipertireoidismo também pode ser detectado pelo exame do TSH?

Marcello Bronstein – Nos casos de hipertireoidismo, o TSH está suprimido, porque o excesso de hormônios de tireoide inibe o funcionamento da hipófise. Os sintomas são opostos aos do hipotireoidismo. Há uma hiperativação do organismo. A pessoa fica nervosa e irritadiça, dorme pouco, tem taquicardia, seu coração bate rápido. Como apresenta intolerância ao calor, numa sala em que todos estão com frio, ela transpira muito. Além disso, perde peso, principalmente à custa de proteínas e dos músculos. Essa é mais uma razão para não usar hormônio da tireoide quando se quer emagrecer, porque é maior a queima dos músculos do que a da gordura.

HORMÔNIO TIREOIDIANO NOS REGIMES PARA EMAGRECER

Drauzio – É enorme o número de médicos que receita hormônio tireoidiano nos regimes para emagrecer, especialmente quando prescrevem as fórmulas aviadas em farmácia.

Marcello Bronstein – Na verdade, a composição da fórmula emagrecedora fica a critério do médico. Infelizmente, a maior parte inclui o hormônio tireoidiano.

Drauzio – Quais são as consequências de tomar esse hormônio por tempo prolongado?

Marcello Bronstein – Se a quantidade for pequena, simplesmente estaremos trocando seis por meia dúzia, uma vez que, se inibirmos o funcionamento da hipófise, a tireoide para de funcionar e a pessoa substitui os hormônios que seu organismo produz por aqueles que está recebendo na pílula.

Quantidade acentuada de hormônios ingeridos pode desencadear o hipertireoidismo, ou seja, um excesso de funcionamento farmacológico da tireoide chamado de tirotoxicose.

É importante lembrar que, acima dos 60 anos, as pessoas predispostas correm risco maior de fibrilação, arritmia cardíaca e infarto, uma vez que a aceleração do metabolismo aumenta a necessidade de oxigênio, sobrecarregando o coração. Também pode favorecer o desenvolvimento de osteoporose, sobretudo em mulheres menopausadas que não efetuam a reposição dos hormônios sexuais.

Drauzio – Você recomenda que os médicos peçam de rotina a realização do exame TSH para pessoas acima de 40 anos, especialmente para as mulheres pela maior prevalência de hipotireoidismo. Com que frequência esse exame deve ser feito?

Marcello Bronstein – Isso vai depender muito de cada caso.Mas, como é recomendável checar colesterol, triglicérides e glicemia anualmente, eu diria que o exame de TSH deve ser pedido uma vez por ano, junto com os outros exames.

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO TRATAMENTO

Drauzio – Vamos falar um pouco do tratamento. Se o valor de TSH estiver elevado, o que se deve fazer?

Marcello Bronstein – Se o resultado for elevado, temos de pedir necessariamente o exame do T4, um dos hormônios da tireoide. Se ele estiver normal, o diagnóstico é hipotireoidismo subclínico ou inicial. Antes, havia muita controvérsia a respeito de começar o tratamento nesse estágio da doença, porque não havia dados suficientes de que ela pudesse ser prejudicial. Hoje, não há dúvida, principalmente se o TSH estiver acima de 8 ou 10, uma vez que o valor normal vai até 4. Resultado baixo no exame do hormônio T4 é característica de hipotireoidismo clínico ou manifesto e deve ser tratado da mesma forma que o subclínico, ou seja, com reposição de hormônios tireoidianos.

Minha experiência indica que, em geral, para o hipotireoidismo subclínico, uma dose muito pequena de hormônio é o bastante. No entanto, ela precisa ser maior nos quadros de hipotireoidismo clínico. O resultado do tratamento é gratificante, porque o que a pessoa toma não propriamente uma droga estranha ao organismo com possíveis efeitos colaterais. Ela toma exatamente o hormônio que a tireoide deixou de fabricar ou está fabricando em quantidade insuficiente. Portanto, não há reações indesejáveis e os resultados são excelentes, devendo o hormônio ser for tomado em jejum e com regularidade.

Drauzio – Esse hormônio deve ser tomado pela vida toda?

Marcello Bronstein – Em geral, pela vida toda. O hipotireoidismo, uma vez instalado, é permanente. Entretanto, existem algumas formas de hipotireoidismo, principalmente as que se manifestam no pós-parto, que são transitórias. Trata-se, porém, de uma minoria que consegue recuperar a função da tireoide.

Drauzio – E no caso de se encontrar o TSH muito baixo?

Marcello Bronstein – TSH baixo e hormônios da tireoide dentro dos limites normais podem ser considerados características do hipertireoidismo subclínico. O tratamento vai depender da causa do distúrbio e deve ser efetuado principalmente na terceira idade, por causa do risco de arritmias cardíacas e/ou osteoporose. É óbvio que níveis elevados dos hormônios da tireoide fazem parte do quadro de hipertireoidismo clínico que, obrigatoriamente, deve ser tratado.

Drauzio – Que precauções devem ser tomadas se há casos de hipertireoidismo ou hipotireoidismo na família?

Marcello Bronstein – É preciso dar ênfase maior ao exame de TSH e mesmo antecipá-lo no caso de pessoas mais jovens. A causa mais comum do hipotireoidismo é chamada de tireoidite de Hashimoto, nome do médico japonês que a identificou. Como o sufixo “ite” indica, trata-se de uma inflamação da tireoide que provoca a redução paulatina de seu tamanho até a glândula perder sua função. A tireoidite de Hashimoto é uma das doenças autoimunes, ou de autoagressão, que têm a incidência aumentada em pessoas da mesma família.

CARÊNCIA DE IODO E CRESCIMENTO DO BÓCIO

Drauzio – No passado, era frequente encontrar pessoas com bócio nos hospitais-escola. Hoje, esses casos são mais raros. Por quê?

Marcello Bronstein – Uma das substâncias fundamentais para a produção do hormônio da tireoide é o iodo presente na alimentação. Assim, se a pessoa viver numa zona onde haja carência de iodo, a tireoide não vai fabricar o hormônio e a hipófise vai estimulá-la para que supra essa deficiência. Resultado: crescimento do bócio indicativo do aumento de volume da glândula.

Felizmente, com a obrigatoriedade da iodação do sal de cozinha, a ocorrência desses quadros de bócio endêmico diminuiu muito, mas ainda ocorrem em algumas regiões centrais quer do Brasil, quer da Europa. É interessante notar que tanto a falta quanto o excesso de iodo podem levar ao hipotireoidismo. Existem inclusive evidências de associação da ingestão excessiva de iodo e tireoidite.

 Drauzio – Como se pode consumir exageradamente iodo?

Marcello Bronstein – Em geral, não há razão nenhuma para existir excesso de iodo na alimentação, embora o sal de cozinha esteja mais iodado, o que deve ser levado em conta. No entanto, casos esporádicos de consumo aumentado de iodo ou de hormônio da tireoide podem desencadear esse processo. Um deles, a síndrome do hambúrguer, aconteceu nos Estados Unidos. Ela se caracterizou por uma concentração maior de tecido tireoidiano contida na carne bovina empregada na fabricação desse alimento. Deve-se também considerar a ingestão proposital de hormônios tireoidianos por pessoas, em geral com o intuito de emagrecimento (tirotoxicose factícia), hábito que deve ser severamente condenado.

Autor: Marcello D. Bronstein é médico e professor de Endocrinologia da Faculdade de Medicina da Universidade São Paulo.

Fonte: http://drauziovarella.com.br/letras/t/hipotireodismohipertireoidismonodulos-tireoidianos/

O que fazer em caso de diarréia ?

Muita gente não sabe, mas a diarreia  é a segunda maior causa de morte de crianças no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). A cada dia, 15 crianças morrem vítimas da doença no Brasil.

O que caracteriza a diarreia são o número excessivo de evacuações e a mudança de consistência das fezes. Ir ao banheiro muitas vezes e apresentar  fezes muito amolecidas ou praticamente líquidas são sinais de diarreia.

Há vários tipos de diarreia, que pode ser causada por agentes nocivos ao organismo, como vírus, bactérias ou parasitas, pelo uso de determinados medicamentos e ainda por algumas doenças mais graves.

A diarreia aguda tende a cessar espontaneamente em poucos dias. O principal risco da diarreia é a desidratação. Para evitá-la, o paciente deve ingerir de 2 a 3 litros de líquido por dia.
Atenção: se os sintomas persistirem por mais de dois dias ou houver sangue nas fezes ou outro sintoma (como febre, por exemplo), procure orientação médica.

Em caso de diarreia:

1. Tome bastante líquido (cerca de 2 a 3 litros por dia). Dê preferência ao soro caseiro* ou a bebidas que contenham sódio e potássio, como água de coco. É importante ingerir de 50 a 100 ml (1 copo e meio) de líquido depois de cada ida ao banheiro. Atenção: pessoas com pressão alta, doenças renais ou cardíacas, glaucoma, entre outras não podem ingerir sódio em grandes quantidades. Se você tem alguma doença crônica e apresentar diarreia, consulte seu médico;

2. Mantenha o aleitamento materno, caso o paciente ainda seja lactente. Pessoas de outras faixas etárias devem manter a alimentação, mas evitar alimentos gordurosos e com resíduos, como bagaço de frutas e salada. (Veja a lista de alimentos mais adequados em caso de diarreia aqui);

3. Lave bem as mãos depois de usar o banheiro e antes das refeições;

4. Preste atenção às crianças, idosos e pessoas com doenças crônicas, pois eles desidratam mais depressa.


*Modo de preparo do soro caseiro:
Em um litro de água mineral, filtrada ou fervida (mas já fria), misture uma colher pequena (café) de sal e uma colher grande (sopa) de açúcar. Mexa bem e ofereça ao doente em pequenas colheradas durante o dia.

Fonte: http://drauziovarella.com.br/crianca-2/durante-uma-crise-de-diarreia-voce-deve/

Por que ainda recomendamos o consumo de leite ?

Na página do Facebook do Dr. Drauzio Varella uma seguidora esbravejou: “Que tamanho desserviço com a população! Em pleno 2015 ter que explicar para adultos formados que leite de ser humano é para ser humano e leite de vaca é para bezerro. Meu Deus!”. O post era sobre o consumo de leite para a prevenção da osteoporose. Para ela e muitos outros dos mais de 500 comentários, o leite de vaca deveria entrar no ostracismo por não trazer nenhum benefício à saúde e não ser adequado para seres humanos.

Realmente, os seres humanos são os únicos animais que consomem leite na fase adulta, mas existem motivos para isso que vão além da discussão sobre saúde: 1)  desenvolvemos técnicas para domesticação do gado e, assim, conseguimos incorporar o leite animal em nossa dieta; e 2) não destinamos o leite à alimentação de outros animais adultos porque ele é considerado muito nobre e seu custo é alto demais para que ele seja um ingrediente de ração, embora alguns produtores de suínos utilizem soro de leite para a alimentação dos animais.

Esses apontamentos são da dra. Patrícia Blumer Zacarchenco, pesquisadora científica do TECNOLAT-ITAL (Centro de Tecnologia de Alimentos –Instituto de Tecnologia de Alimentos do Estado de São Paulo), que há mais de 18 anos anos estuda o alimento. “Quando o filhote se torna adulto, o desmame feito pelas fêmeas das diversas espécies ocorre não porque o leite deixa de ser adequado para a cria, mas sim para que o filhote passe a ingerir outros alimentos. Também serve para poupar energia da fêmea para um novo processo de gestação.”**

A mesma lógica pode ser aplicada às pessoas. O leite, mesmo o de origem animal, não deixa de ser nutritivo quando nos tornamos adultos, apenas incorporamos outros alimentos em nossa dieta, tanto por terem outros nutrientes que não estão presentes no leite quanto por aumentarem nossa capacidade gustativa. Por mais que exista uma vertente contrária ao seu consumo, o leite traz benefícios à saúde, sim. Ele ajuda na prevenção da síndrome metabólica, na redução da pressão arterial, na prevenção do diabetes tipo 2 e, claro, da osteoporose, pois quando o assunto é ingestão de cálcio, a bebida ainda é uma das fontes mais importantes.

Claro que existem outros meios de ingerir o mineral. As verduras verde-escuras (brócolis, espinafre e couve), assim como castanhas-do-pará, amêndoas e tofu, são excelentes fontes de cálcio (ver tabela abaixo). Muitas dessas, inclusive, têm teor mais elevado do mineral que o próprio leite. Por exemplo: 100 g de brócolis têm 513 mg de cálcio, enquanto 100 ml de leite têm 107 mg.

Por que, então, insistir no consumo de leite? “Alguns alimentos, principalmente os ricos em fibras, contêm fitatos (presentes nos farelos de cereais), oxalatos (presentes no espinafre e nas nozes) e taninos (presentes nos chás). Esses componentes diminuem a biodisponibilidade (a velocidade e extensão de absorção de um princípio ativo) do cálcio, o que pode comprometer a quantidade de mineral efetivamente aproveitada pelo organismo. Já o leite conta com a presença de caseinofosfopeptídeos, lactose e proteínas que facilitam a absorção do cálcio”,* explica a dra. Patrícia Blumer.




Recomendamos o leite, também, com base nos hábitos alimentares dos brasileiros

Quando falamos sobre hábitos alimentares de um país, é preciso não generalizar a partir dos costumes que temos em casa.

O ideal é que a alimentação e as vitaminas não sejam provenientes de apenas uma fonte. Quanto mais colorido o prato e mais variado o cardápio, melhor. O leite não serve para suprir todo o cálcio necessário diariamente, até porque para isso seria necessário ingerir perto de 1 litro do alimento (e poucos gostam do leite puro). Por outro lado, alguns fatores importantes contam para mantê-lo em nossa dieta: sua multifuncionalidade, o preço e, claro, o gosto da população.

O leite é um dos ingredientes mais versáteis da gastronomia (ainda mais que as hortaliças). Se eliminarmos seu consumo, deixaremos de ingerir, também, todos seus derivados: manteiga, queijo, requeijão, creme de leite, leite condensado, iogurte etc. Excluir todos esses alimentos significa abrir mão de inúmeras receitas, muitas enraizadas na nossa cultura, como pães, doce de leite, pão de queijo, brigadeiro e bolos. Até algumas receitas com legumes e verduras ficariam comprometidas: legumes na manteiga, purê de batata, brócolis gratinado, entre muitas outras.

Do ponto de vista econômico, as hortaliças ficam em desvantagem em relação ao leite. Os preços, é claro, podem variar dependendo do produto e do local de compra, mas tomando como referência valores do Instituto de Economia Agrícola do Estado de São Paulo, em fevereiro de 2016 um maço de brócolis custava, em média, R$ 5,69, enquanto o litro do leite longa-vida (o mais consumido no país) saía por R$ 3,03.

A diferença entre os preços (R$ 2,66) pode parecer pequena, mas  quando pensamos no orçamento da maioria dos brasileiros, ela é significativa. Em 2015, dados do Banco Central sobre distribuição de renda mostraram que 28,2% da população recebia um salário mínimo, e 54,4%, de um a três salários. Nessa época, o salário era de R$ 788.

Vamos ao cálculo comparativo. Em média, 30% do salário é destinado à alimentação. Fazendo uma conta rápida, e nos baseando no atual salário mínimo, que é de R$ 880, grande parte dos brasileiros costuma gastar, em média, de R$ 264 a R$ 792 por mês com comida.

Para suprirem a necessidade de ingestão diária de cálcio, esses brasileiros precisariam comprar quase um maço de brócolis por dia, o que resultaria em um investimento mensal de aproximadamente R$170, enquanto com o leite o gasto seria quase metade dessa quantia, R$91. Com a primeira opção de compra e baseando-nos no menor salário, sobrariam R$ 94 para comprar os alimentos básicos (arroz, feijão, farinha, carne etc.). Isso se levarmos em conta apenas aos gastos individuais, sem contar famílias que têm dois ou mais integrantes e apenas uma renda.

Já em relação aos costumes alimentares, a maioria dos brasileiros não consome hortaliças e frutas. De acordo com o estudo mais recente Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), publicado em 2015, apenas 24% dos brasileiros ingerem a quantidade ideal recomendada pela OMS (Organização Mundial de Saúde) desse tipo de alimento (400 g diários).

Se não consumimos nem o que é necessário para termos uma alimentação balanceada, imagine quantos conseguirão ingerir a quantidade diária de cálcio por meio das hortaliças. Por outro lado, o consumo do leite tem aceitação bem maior no país: 54% dos brasileiros consomem o alimento, segundo o mesmo estudo.

As recomendações da OMS para consumo de cálcio podem variar de 300 a 400 mg por dia nos primeiros meses de vida (período da amamentação) e até 1.300 mg/dia na adolescência, por exemplo. Isso equivaleria a comer, diariamente, 234 g de brócolis, 67 7g de couve-manteiga, 882 g de espinafre ou 250 g de sardinha, todos os dias. “Essas pessoas não têm o hábito de ingerir verduras, legumes nem peixes. Como compensar a falta de cálcio? Com o leite, claro”, explica a dra. Sônia Trecco, nutricionista responsável pelo atendimento ambulatorial do HC-FMUSP.

E é exatamente na adolescência que se inicia a prevenção contra danos futuros. Nessa fase, a massa óssea está em formação e segue assim até os 20 anos, quando a densidade óssea atinge o pico. Depois, a estrutura começa a enfraquecer.

A dra. Ana Hoff, endocrinologista do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, explica que uma boa ingestão de cálcio desde cedo é importante para prevenção da perda óssea que pode resultar em osteoporose, mesmo que isso só vá ocorrer décadas depois. “No caso de um consumo pobre do mineral, o organismo sacrifica o esqueleto (depósito de 99% do cálcio no corpo humano) para que suas funções sejam mantidas. A retirada de cálcio do esqueleto para suprir sua falta no sangue resulta em perda óssea.”

O grande desafio deveria ser incentivar a ingestão de cálcio no país sem condenar o leite. Mesmo quem consome a bebida garante a quantidade ideal de cálcio por dia. Apenas 20% das mulheres com 45 anos ingerem o necessário. Entre aquelas com menos de 45 anos, essa porcentagem não passa de 10%.

É claro que é necessário sempre promover uma alimentação diversificada, e também outros hábitos que interferem na saúde da população. “É importante lembrar que a prevenção à osteoporose só é efetiva quando há ingestão de vitamina D, pois essa vitamina ajuda o organismo a absorver o mineral. Para obtê-la, basta tomar dez minutos de sol diariamente”, afirma a nutricionista Sônia Trecco.

Quando recomendamos trocar o leite por outra fonte de cálcio

Não há discussão: a intolerância à lactose (hipolactasia primária) é um dos fatores que impõe restrição ao consumo de leite e laticínios. Segundo a dra. Ana Hoff, o problema causa sintomas desagradáveis após a ingestão desses produtos, tais como distensão do abdômen, acúmulo de gases e fezes amolecidas. “Neste caso, a necessidade de cálcio deve ser suprida por outros alimentos ou, se necessário, com suplementos”, afirma.

Rejane Matar, médica responsável pelo Laboratório de Provas Funcionais do Aparelho digestivo do HC-FMUSP, explica que parte da população apresenta declínio fisiológico e grande diminuição da ação da enzima lactase (responsável pela quebra da lactose, transformando-a em galactose e glucose, monossacarídeos que conseguem ser absorvidos pelo organismo). “Sem a produção abundante de lactase, o organismo não consegue ‘quebrar’ e absorver a lactose no intestino delgado e o manda direto para o grosso. Lá, existem bactérias que fermentam a lactose produzindo gás hidrogênio, que acaba provocando os sintomas desagradáveis.”

A intolerância à lactose é levantada por muitos que vilanizam o leite como uma prova de que ele não deveria ser consumido pelos humanos. Embora o organismo passe inevitavelmente a produzir menos enzima lactase ao longo do tempo, isso não significa que todos nos tornaremos intolerantes à lactose. De acordo com a dra. Rejane Matar, só é considerado intolerante quem apresenta os sintomas. Se não há sinais, não há intolerância à lactose. “O problema é que as pessoas inventaram essa história de que todo mundo precisa tirar o glúten e os produtos lácteos da dieta para emagrecer, enquanto na verdade eles só devem ser retirados em casos especiais e realmente confirmados”. Entretanto, a dra. Rejane ressalta: “Pacientes com genótipo de lactasia persistente num dado momento poderão ter intolerância à lactose.”

Segundo estudos epidemiológicos, as populações que nos seus primórdios dependiam da pecuária muito mais que da agricultura (e eram grandes consumidores de leite e laticínios em geral) apresentam menor prevalência de intolerância à lactose em relação àquelas que dependeram mais da agricultura para sobreviver. “No geral, a prevalência da hipolactasia primária do adulto varia no mundo. Na Dinamarca, 4% da população é intolerante. No nordeste europeu (próximo ao Mar Norte) e na Grã-Bretanha esse número é de 5%, e na Suécia,de  7%”,** explica a dra. Patrícia Blumer. Ou seja, a intolerância não é uma condição soberana.

“E mesmo sendo intolerante, é preciso ter cautela. Quando o paciente tem problemas de intolerância, ele não precisa necessariamente parar de consumir laticínios. É possível que ele seja intolerante apenas a uma determinada quantidade. Por isso, sempre recomendamos fazer um teste e diminuir a porção ingerida. Se ele consumia 3 copos de leite e apresentava sintomas, pedimos que reduza para 2, para 1 e observe como seu corpo reage”, explica dra. Rejane. Se mesmo assim houver desconforto, aí sim, o ideal é a total retirada do leite da dieta. “Nesses casos, o mais indicado é suprir a necessidade de cálcio por meio de outros alimentos”, completa.

A restrição ao consumo de leite também se estende a pessoas com determinadas doenças, como Doença de Crohn, enfermidades inflamatórias, úlcera, gastrite (a bebida estimula a produção de suco gástrico, o que pode piorar o quadro), entre outros problemas já existentes que possam ser agravados com o consumo da bebida. “O leite integral, por exemplo, pode agravar sintomas de refluxo em pessoas que já têm esse problema. A gordura, de um modo geral, retarda o esvaziamento gástrico e propicia o surgimento dos sintomas.”, afirma dra. Rejane.

E dá para confiar na qualidade do leite?

Para quem não se lembra, em 2014 testemunhamos um caso grave de adulteração de leite descoberto pela Operação Leite Compen$ado: cerca de um milhão de litros de leite adulterado ou fora dos padrões sanitários foi comercializado pelas empresas de laticínios Pavlat e Hollmann no Rio Grande do Sul. Nas dependências da empresa foram encontrados soda cáustica, formol e água oxigenada. Em São Paulo e no Paraná, 300 mil litros da bebida, das marcas Parmalat* e Líder, também estavam batizados e chegaram às casas dos consumidores.

No entanto, a fiscalização acontece e é por causa dela que produtos adulterados são retirados do mercado e tomamos conhecimento do que está sendo comercializado. O MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) tem um Programa de Combate a Fraude no Leite, que por meio de análises laboratoriais monitora os estabelecimentos que recebem e processam a bebida. Caso seja detectada alguma adulteração no produto, são aplicadas as sanções administrativas previstas na legislação, incluindo o Regime Especial de Fiscalização.

Enquanto vigora este Regime, a inspeção é intensificada e nenhum produto é liberado para comercialização até que os resultados de análises oficiais demonstrem que ele está dentro dos padrões. Só assim é liberado para consumo. Uma vez descoberta nova fraude, as empresas responsáveis ficam obrigadas a incluir análises específicas dentro do seu programa de controle de qualidade.

Nos últimos três anos, o Programa de Combate à Fraude no Leite realizou em média quatro mil análises de leite pronto para consumo (leite pasteurizado, UHT – longa vida, leite em pó) por ano. Desde o início da operação no RS, em 2013, o percentual de amostras adulteradas passou de 37% para 26%. No primeiro trimestre de 2015, o índice caiu ainda mais, alcançando 22%, e depois chegando a 10%, segundo o promotor Mauro Rockenback, que estava à frente das investigações.

Questionar a qualidade e a confiabilidade do produto é de extrema importância, deve ser uma atitude tomada sempre e sem pudor pelos consumidores, em qualquer âmbito. Acompanhar o trabalho das fiscalizações também é salutar, mas não se passa a ser um hábito cego e sem critério. “Seguir nessa linha de raciocínio é colocar em cheque a confiabilidade de toda a indústria nacional, não apenas a de laticínios ou alimentos”, explica a dra. Patrícia Blumer, que há nove anos é pesquisadora científica do TECNOLAT-ITAL (Centro de Tecnologia de Alimentos-Instituto de Tecnologia de Alimentos).

 * A empresa Lactalis do Brasil entrou em contato com a nossa Redação para informar que o ocorrido aconteceu na época em que a Parmalat era gerida por outra empresa. Em 2015, quando adquiriram a licença da marca, modificaram os processos de certificação do leite por um método mais rigoroso.

Referências bibliográficas utilizadas pela dra. Patrícia Blumer

* Foram consultados 2 artigos científicos (Simone Correa Leite; Indiomara Baratto; Rosangela Silva. CONSUMO DE CÁLCIO E RISCO DE OSTEOPOROSE EM UMA POPULAÇÃO DE IDOSOS. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.8. n.48. p.165-174. Nov./Dez. 2014. E Brito, A.C.; Pinho, L.G. Relação entre a ingestão de leite e a osteopenia e osteoporose em mulheres acima dos 50 anos. Revista do INTO. Vol. 1. Núm. 1. 2008) e o livro “Leite para Adultos: Mitos e Fatos frente à Ciência” da Varela Editora e Livraria Ltda, lançado em 2009 das autoras Antunes, A.E.C.; Pacheco, M.T.B.

**Foi consultado o artigo científico Rejane Mattar, Daniel Ferraz de Campos Mazo. intolerância à lactose: mudança de paradigmas com a biologia molecular. Rev Assoc Med Bras 2010; 56(2): 230-6 e o livro “Leite para Adultos: Mitos e Fatos frente à Ciência” da Varela Editora e Livraria Ltda, lançado em 2009 das autoras Antunes, A.E.C.; Pacheco, M.T.B.

Fonte: http://drauziovarella.com.br/alimentacao/por-que-ainda-indicamos-o-leite/

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Comer intuitivo e peso corporal: novos resultados científicos e implicações para a prática clínica


Por Maria Luiza Petty, nutricionista

Um recente trabalho publicado na revista Obesity (veja referência no final do texto) avaliou a associação entre comer intuitivamente e o índice de massa corporal (IMC) de mais de 50.000 indivíduos franceses, de ambos os sexos e diferentes idades.

Comer de maneira intuitiva foi determinado no estudo a partir de uma escala que avalia 3 componentes deste comportamento: comer por razões físicas ao invés de emocionais (tristeza, ansiedade, tédio, solidão, etc), confiar em seus sinais de fome e saciedade e ter permissão incondicional para comer (por exemplo, não seguir dietas ou restringir determinados tipos de alimentos).

Os resultados mostraram uma associação inversa entre comer intuitivamente e o IMC dos indivíduos. Isto quer dizer que as pessoas do estudo que comiam de maneira intuitiva apresentavam menores índices de massa corporal. Este tipo de associação foi verificada para o escore total da escala e também para os 3 subgrupos.

Embora o delineamento transversal do estudo não nos permita dizer que ao ter deixado de comer de maneira intuitiva as pessoas engordaram, ele nos dá um retrato que revela que as pessoas com excesso de peso não estão comendo por razões físicas, não estão confiando nos seus sinais de fome e saciedade e não estão se dando permissão incondicional para comer.

Pensando neste resultado, vale uma reflexão sobre o trabalho dos nutricionistas, que, na maioria das vezes, consiste em prescrever uma dieta que desrespeita os sinais físicos de fome e saciedade, não trabalha as motivações - além da esperada necessidade fisiológica - para o consumo alimentar e ainda reitera proibições e regras alimentares arbitrárias. Dessa maneira, me pergunto: será que não estamos contribuindo para uma obesidade iatrogênica? Até quando os nutricionistas (e outros profissionais) vão insistir em um método ineficaz e que tem se mostrado tão prejudicial?

E se você está se perguntando como trabalhar sem prescrever uma dieta, a resposta vem do quarto parágrafo deste texto. Falando brevemente, o nutricionista pode ajudar seus pacientes a reconhecerem sinais de fome em que é possível fazer escolhas alimentares equilibradas e comer calmamente percebendo o momento de parar (coisas impossíveis quando a fome é grande demais). Também é possível auxiliar as pessoas a perceberem o que as levam a comer sem estar com fome e propor alternativas para alcançarem suas reais motivações (por exemplo, se a pessoa percebe que come quando está cansada, sugerir que ela busque maneiras que realmente irão fazê-la descansar). E por fim,  pode-se construir com o paciente uma relação com a comida em que ele possa comer os alimentos que gosta, garantindo que a motivação para isso seja o prazer (e não razões emocionais, por exemplo), permitindo-se verdadeiramente e estando totalmente presente para desfrutá-lo e se satisfazer com o necessário.

O estudo citado acima é parte de uma pesquisa maior que continuará por alguns anos e a temporalidade entre exposição e desfecho será capaz de comprovar se a hipótese de que comer intuitivamente contribui para a manutenção de um peso saudável. Até lá, será que vamos continuar dando murro em ponta de faca ou será que não podemos começar a repensar o mal que as dietas podem fazer à alimentação das pessoas?

Referência do estudo citado: Camilleri et al. Intuitive eating is inversely associated with body weight status in the general population-based NutriNet-Santé study. Obesity (Silver Spring). 2016. Mar 17.


Fonte: http://gentabrasil.blogspot.com.br/2016/04/comer-intuitivo-e-peso-corporal-novos.html