terça-feira, 20 de abril de 2021

"Estou Tentando" e a falta de objetividade- Por Dr. Bruno Halpern



Sempre tento chamar a atenção de meus pacientes como algumas palavras que usamos na consulta dizem muito sobre nossas atitudes fora dela. 

O “estou tentando” é um ótimo exemplo. O que significa “tentar” tomar alguma atitude, quando ela depende de você? Exemplo: “estou tentando controlar a alimentação”, “estou tentando cortar carboidratos”, “estou tentando fazer mais exercícios”, “me pesar mais”, “tomar os remédios regularmente”, etc.

👉Sempre digo que esse gerúndio diz muito mais sobre o que não fazemos: “estou tentando controlar minha alimentação” em geral significa uma análise superficial do consumo alimentar, restringindo um ou outro alimento em determinada refeição e não nas outras, provavelmente levando a uma real redução do consumo ínfima! “Tentar fazer mais exercício” em geral significa buscar mentalmente horários que seriam possíveis, mas não colocá-los em prática (ou muito eventualmente). 

👉Atitudes que dependem exclusivamente de nós não devem ser “tentadas”, devem ser “feitas”. OK, você reduzir muito o número de calorias e ter fome ou ter dificuldade para resistir aos impulsos; ou pode aumentar exercícios e ter dor ou se sentir cansado; mas ainda assim a composição da frase deve ser outra: “eu fiz tal coisa, mas tenho tais dificuldades”. 

👉Devemos usar o “tentar” para situações que não

Autor: Dr. Bruno Halpern 

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Vantagens de se estar acima do peso - alegadas pelos pacientes




Muito se fala sobre as desvantagens e as consequências de se estar acima do peso. Mas pouco se fala sobre as "vantagens" que os pacientes alegam. Soa estranho, eu, um nutrólogo escrever sobre isso, afinal deveria "amedrontar" os pacientes com o que a ciência vem mostrando nas últimas décadas. A lista de desvantagens é quilométrica. 

Então por que escrever sobre isso ? Por que colocar a obesidade ou sobrepeso como algo com vantagens ?

Simplesmente porque existem "vantagens" e elas são inegáveis (do ponto de vista do paciente). Queiramos ou não, elas existem na concepção do paciente! Se elas não existissem, a grande maioria dos pacientes não estariam acima do peso e perpetuando um processo. 

Obviamente que existem fatores genéticos, bioquímicos, emocionais, comportamentais e até mesmo sociais que auxiliam nessa perpetuação da obesidade.

Em um dos questionários que aplico nos pacientes que atendo, questiono:
- Quais as vantagens e desvantagens de se estar acima do peso. 

Então ao longo dos anos, anotei as principais vantagens que os pacientes alegam. Na maioria das vezes eles esquecem que a maioria dessas vantagens continuam existindo mesmo quando atingem um peso saudável.  Abaixo algumas relatadas por pacientes:
  • Comer o que se gosta. Não ter limites quanto à qualidade (tipo) da comida. Gostam de comer algo mais palatável ou se é algo com sabor mais comum e que não estimula tanto as papilas gustativas e a produção de dopamina). 
Consideração: estando acima do peso ou magro, as comidas hiperpalatáveis continuarão existindo. Há magros que possuem paladar infantilizado ou com preferência por alimentos hiperpalatáveis. 
  • Comer o quanto se quer, na hora que quer, como quer. Não ter limites quanto à quantidade da comida. 
Consideração: o limite sempre vem, cedo ou tarde. Seja ele voluntário ou imposto por uma doença como um diabetes mellitus tipo 2 ou uma retirada do estômago por câ ncer gástrico. Então é melhor aceitar que a nossa alimentação também precisa de limite. 
  • Não precisar sofrer com limites (dieta é uma restrição, é uma limitação e por isso quanto mais restritiva, maiores as chances do paciente abandonar o tratamento). 
Consideração: entra no tópico anterior. 
  • Conhecer novos estabelecimentos de comida. Comer novidades. Há pacientes afoitos por novidades, a novidade leva a uma maior produção de dopamina. No fim, garimpar novos lugares pode se tornar um hobby e fonte de prazer. 
Consideração: a não ser que o Brasil afunde em uma crise econômica sem precedentes e a maioria dos estabelecimentos de comida fechem as portas, sempre haverá novidades "alimentícias". A tendência é a variedade aumentar, produtos mais "limpos" irem surgindo, com a finalidade de atender a um consumidor cada vez mais exigente e que se preocupa com a própria saúde. Brincamos no consultório: as sobremesas não deixarão de existir e alegrar almoços. Fast-foods vão continuar existindo, assim como bons restaurantes. Então é melhor os pacientes tentarem ser mais longevos para conhecer o futuro promissor que temos no ramo da alimentação.
  • Não precisar "sofrer" em academia/estúdios, sentindo dor muscular, cansando, abdicando de uma hora do dia. Por mais que na prática percebamos que a dor dá lugar a um prazer (talvez por reação bioquímica no cérebro), a idéia que os pacientes sedentários possuem é: malhar dói ! 
Consideração: O nosso corpo é repleto de articulações e a finalidade é permitir que nos movamos. O movimento é inerente à nossa natureza. Quando paramos de nos movimentar a nossa energia fica estagnada e nosso corpo adoece. Sempre falamos no consultório uma frase que diz: Escolha o exercício que você menos odeie. Faça-o. Crie o hábito. O prazer pode surgir depois. Nosso corpo precisa de movimento. Músculos precisam de estímulo, o sangue precisa circular e o cérebro funciona melhor quando abandonamos o sedentarismo.
  • Evitar relacionamentos amorosos e com isso evitar sofrimentos de uma vida a dois. É inegável que portadores de obesidade podem ter uma maior dificuldade para acharem parceiros (as). Com isso evitam sofrer em relacionamentos.  
Consideração: estando acima do peso ou magro, conflitos amorosos sempre existirão. E o mais engraçado é que muitos pacientes acreditam piamente que os problemas relacionados à esfera afetiva desaparecerão como uma passe de mágica. Indicação: Psicoterapia. Notícia triste: problemas sempre teremos, mas a gente evolui e aprende a manejar sem gerar tanta dor em sí próprio ou no outro.

  • A comida é um anestésico diante dos sofrimentos cotidianos, diante de situações que incomodam ou causam dor emocional. Mesmo o efeito anestésico sendo de curta duração e o prazer proporcionado por ela também. A comida pode ser uma válvula de escape. 
Consideração: muitas vezes o que queremos após um dia complicado é chegar em casa e comer algo que gostamos. Isso é comida emocional e faz parte da vida. Não há nada de errado em utilizar a comida como anestésico. O que não se pode permitir é que isso se torne uma constante, a maioria dos dias da semana. O preço a se pagar é caro e a sobremesa chamar-se-á: Culpa. 
  • Sendo portador de obesidade, o paciente não precisa ficar se preocupando com a saúde. Ou seja, ele se esquiva de procurar auxílio ao médico anualmente, para realizar exames que podem escancarar uma verdade difícil de ser vista. Isso também é uma vantagem, mesmo sabendo que lá no fundo isso é mentira, que todos nós temos medo de adoecer. Muitas vezes uma negação da realidade na qual o paciente está inserido. 
Consideração: A conta chega e as vezes o preço é exorbitante. 
  • Viver em sociedade é prazeroso mas pode ser doloroso. Relações interpessoais podem ser fonte de angústia, raiva, aflição. Quando você se torna obeso, você pode voluntariamente evitar eventos sociais em que terá que relacionar com pessoas que você não tem afinidade. Ou seja, o isolar-se socialmente e com isso reduzir atritos também pode ser uma das vantagens da obesidade. 
Consideração: vale o mesmo que explicamos nas relações amorosas. Problemas nas relações interpessoais existirão sempre, em maior ou menor grau. É assim que evoluimos, é assim que aprendemos a viver em sociedade. 
  • Mas para outros, viver em sociedade é prazeroso e a comida é um dos meios de agrupar pessoas queridas. Ou seja, se uns tiram vantagem ao evitar o contato, outros veem isso como uma forma de socializar. Socializar, confraternizar, comemorar, "resenhar" geralmente envolve comes e bebes. 
Consideração: pode-se comemorar, celebrar a vida, reunir amigos, beber, comer. Mas o prazer principal não pode ser a comida. Estar com familiares, amigos, parceiro(a) pode ser tão prazeroso quanto uma comida apetitosa.
  • Fuga da auto-responsabilidade e de autocuidados. Ter consciência de que está acima do peso e assumir a responsabilidade de parte disso é um ato que demonstra maturidade emocional e até mesmo intelectual. Quando o portador de obesidade se nega a assumir isso, ele traz à tona um lado rebelde, infanto-juvenil, no qual ele se exime de se responsabilizar por parte do problema. Menos peso no ombro, mesmo que isso custe mais peso no corpo.
Consideração: novamente afirmamos que a conta chega e as vezes é alta e vem acompanhada de dor: física e emocional. Com um punhado de culpa (sensação de que poderia ter sido diferente).
  • Ser portador de obesidade, faz com que algumas pessoas se vejam na obrigação de ser legal com as pessoas, boazinhas, engraçadas, inteligentes e mais competente que as demais. Um fato de compensação pois se acha inferior por estar acima do peso. Ser uma pessoa mais legal e querida pela maioria (mesmo que essa maioria seja veladamente preconceituosa) pode ser uma vantagens para alguns. 
Consideração: utilizamos várias máscaras para viver em sociedade. Nada que uma boa psicoterapia não seja capaz de fazer o paciente enxergar as máscaras que ele utiliza para ser aceito.
Entenderam as inúmeras vantagens? O porquê de tanta gente perpetuar o processo ?

Obesidade é muito mais complexo do que se pensa. Não é apenas chegar e cuspir as desvantagens. Muitas vezes precisamos entender o que a pessoa ganha com o excesso de peso. Essas vantagens como citei acima existem e devem ser levadas em conta. Barganhas inconscientes. 

Explicar ao paciente o quanto elas são ilusórias e superficiais. Tais "vantagens" devem ser detectadas e o paciente encaminhado para a psicoterapia. Tratamento da obesidade deve ser multidisciplinar para que se obtenha êxito. Médico + Nutricionista + Psicólogo + Profissional da educação física. 

Obviamente a lista de desvantagens é infinitamente maior, com eficácia comprovada através de inúmeros estudos publicados nas ultimas 3 décadas, mas isso é assunto para o próximo texto: A dor da obesidade. 

Autor: Frederico Lobo (Médico Nutrólogo)
Revisor: Rodrigo Lamonier (Nutricionista e Profissional da Educação física).

terça-feira, 6 de abril de 2021

Doutor, eu faço tudo direitinho e não emagreço. Por que ?

Engordou sem motivo aparente? Não consegue emagrecer mesmo fazendo atividade física e dieta? Veja 5 motivos que podem estar provocando o aumento de peso

1. VOCÊ NÃO DORME O SUFICIENTE
A privação do sono pode favorecer o ganho de peso, ou seja, quem não dorme direito:
1) Produz mais cortisol (que engorda por estimular a diferenciação de pré-adipócitos em adipócitos);
2) Produz menos leptina (hormônio relacionado à saciedade e que também facilita o gasto de energia pelo organismo);
3) Produz mais grelina (substância responsável por estimular o apetite e aumentar  a avidez por alimentos ricos e carboidrato e gordura);
Além disso, a privação do sono pode gerar estresse, irritabilidade, aumento da incidência de doenças cardiovasculares, labilidade emocional, indisposição e fadiga no dia seguinte. Portanto qualidade de sono é igual Qualidade de vida. Nos últimos 10 anos o que mais tenho visto tanto no consultório quando no ambulatório de Nutrologia são pessoas que correlacionam ganho de peso após piora da qualidade do sono.

2. SUA MEDICAÇÃO
Quando você ganha peso, a primeira hipótese que você avalia é sua dieta, mas o culpado pode ser de algumas medicações. Por isso os Nutrólogos sempre enviam "cartinhas" para os colegas, que se possível troquem algumas medicações por outras que não estejam relacionadas ao ganho de peso. Muitos medicamentos, incluindo os que tratam enxaquecas e distúrbios do humor, assim como alguns anticoncepcionais, podem causar ganho de peso por uma variedade de razões. Se você suspeitar que um medicamento pode estar te fazendo engordar, converse com seu médico para discutir outras opções.

Resumo das principais medicações que podem alterar o peso:


  • As medicações psiquiátricas são as que mais possuem potencial para favorecer o ganho de peso. Na tabela acima listei quais são as que favorecem ganho de peso, as que são "relativamente" neutras e as que promovem a perda de peso. Créditos para o meu primo e Psiquiatra e professor de Nutrologia (Hewdy Lobo) que me passou a tabela. 
  • Anticoncepcionais, Corticoides, Anti-histamínicos, Insulina, Sulfoniluréias, Tiazolidinedionas, Beta-bloqueadores também pode favorecer o ganho de peso.
Minhas considerações: desde que comecei no ambulatório de Nutrologia no começo de 2015, tenho recebido centenas de pacientes utilizando medicações listas acima e durante a anamnese eles mostram uma associação muito forte de ganho de peso quanto utilizam as seguintes medicações: 
  • Duloxetina: Velija, Cymbi, Dual, Abretia.
  • Paroxetina: Parox, Paroxiliv, Paxil CR, Paxtrat, Pondera, Pondix, Roxetin, Sertero, Zyparox.
  • Escitalopram: Lexapro, Espran, Exodus, Reconter.
  • Amitriptilina: Tryptanol, Amytril, Neo Amitriptilina ou Neurotrypt.
  • Clomipramina: Clo, Fenatil e Clomipran.
  • Imipramina: Tofranil, Tofranil Pamoato, Depramina, Mepramin, Praminan, Uni Imiprax. 
  • Nortriptilina: Pamelor.
  • Carbonato de Lítio: Carlit XR, Carbolim, Carbolitium, Carlit.
  • Valproato ou ácido valpróico: Depakene, Depakine, Depakote, Divalproex, Epilim, Valparin, Valpakine,Torval CR, Epilenil.
  • Carbamazepina: Tegretol.
  • Gabapentina: Neurotin.
  • Quetiapina: Neuroquel, Queropax, Quetiel, Quetifren, Quetibux, Neotiapim, Atip, Aebol, Queopine.
  • Olanzapina: Axonium, Midax, Zyprexa, Zydis, Zap, Zalasta, Zolafren, Olzapin, Rexapin.
  • Risperidona:Zargus, Respidon, Viverdal.
  • Pregabalina: Lyrica, Prebictal, Dorene, Proleptol, Preneurim
  • Prednisona: Metcorten, Predsin.
  • Contraceptivos (Anticoncepcionais): na maioria das vezes é apenas uma leve retenção de líquido, mas algumas pacientes relatam ganho de peso com os injetáveis como o Depo-provera.
  • Insulinas
  • Sulfoniuluréias: Clorpropamida, Glibenclamida, Glipizida, Gliclazida, Gliclazida MR, Glimepirida. 
  • Tiazolidinedionas: Pioglitazona: Actos, Aglitil, Gliactis, Glicopio, Glitasolin, Pioglit, Pioglizon, Piotaz, Stanglit.
  • Beta-bloqueadores: Propranolol (Inderal, Rebaten), Atenolol (Atenol, Angipress, Ablok, Atenopress), Nadolol, Metoprolol (Selozok, Seloken, Lopressor), Bisoprolol (Concardio, Concor) teoricamente diminuem a conversão periférica do T4 (hormônio tireoideano com menor atividade) em T3 (hormônio tireoideano mais ativo) e com isso estudos mostram um maior ganho de peso. Além disso agem "segurando" a frequência cardíaca e assim o indivíduo não consegue elevar a frequência cardíaca durante uma atividade física mais intensa. E também agem bloqueando um receptor chamado Beta 3 adrenérgico, responsável pela quebra da gordura. Entretanto o impacto no peso, dependerá da seletividade do fármaco. Alguns são mais seletivos para atuar no coração, outros como o propranolol agem de forma mais sistêmica e com isso tem-se mais efeitos indesejáveis. 

3. ESTRESSE CRÔNICO
“O estresse leva ao aumento do hormônio cortisol, que facilita a diferenciação de células gordurosas (aumento do número de células gordurosas), aumenta a formação de gordura (entrada de triglicérides no adipócito – célula de gordura), dificulta o emagrecimento”, afirma o endocrinologista, Dr. Marcio Mancini, Presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e médico responsável pelo Grupo de Obesidade do Hospital das Clínicas.
Além disso ocorre um desequilíbrio na massa magra pois uma das ações do cortisol é a utilização da massa magra (degradação das proteínas) e com isso alteração do metabolismo basal, fraqueza muscular.

4. SEU TRABALHO CASO ELE SEJA ESTRESSANTE
Se você está ocupada demais em seu escritório levando uma vida sedentária é provável que seu trabalho esteja causando o aumento de peso. Talvez, em meio à tantas tarefas, você não esteja prestando atenção em sua alimentação ao longo do dia, e esteja ingerindo calorias extras.

5. SEU TREINO
É comum achar que você "ganhou" peso depois de começar a fazer academia, e isto acontece por duas razões. A musculação aumenta a massa muscular e maior retenção de água dentro do músculo. 
Outro fato interessante é que muitos afirmam ficar horas nos exercícios aeróbicos e não perderem peso. Aeróbico só favorecer queima de gordura de forma significativa quando a frequência cardíaca é acima de 60% da Frequência cardíaca máxima. Ou seja, treine pesado.
Muitas mulheres optam por fazer apenas aeróbico com medo da musculação. Musculação emagrece mais a longo prazo do que o exercício aeróbico. Primeiro pq ela favorece o ganho de massa magra, já o aeróbico não, pelo contrário, você pode perder gordura mas também massa magra. Segundo pq o treinamento de força (musculação) mantém seu metabolismo basal alterado (gastando calorias mesmo em repouso) por mais tempo.

Outras causas de ganho de peso não-intencional

Retenção de líquidos: também conhecida como edema, a retenção de líquidos faz com que as mãos, pés, rosto e abdômen fiquem inchados, levando o paciente a pensar que engordou. Não engordou! Engordar significa ganhar gordura. Ganhar líquido não é engordar. O peso pode até subir, mas às custas de líquidos. No hipotireoidismo isso pode acontecer? Sim, mas não quer dizer que o Hipotireoidismo engorde. Essa retenção pode ser de no máximo 4kg. Problemas cardíacos no qual o bombeamento do sangue fica prejudicado, problemas renais, problemas no fígado, desnutrição podem favorecer retenção de líquido. 

Menstruação: Ganho de peso periódico pode ocorrer devido ao ciclo menstrual. Mulheres podem ter retenção de líquidos durante o período pré-menstrual. O aumento da progesterona é o responsável pelo inchaço e infelizmente o peso pode oscilar até 2kg, mas volta a abaixar quando a menstruação acaba.

Mudanças hormonais: Algumas alterações hormonais que favorecem o ganho de peso são: síndrome de Cushing, aumento da produção de cortisol, ovários policísticos e menopausa. Pode ocorrer alteração no metabolismo ou retenção de líquido.

Gravidez: A gravidez leva ao ganho de peso não-intencional devido ao bebê, placenta, líquido amniótico, aumento da quantidade de sangue e crescimento do útero

Constipação: A dificuldade para evacuar também leva ao ganho de peso não-intencional. Ou seja, excesso de "massa fecal" pode levar a uma elevação de peso e segurar "mais água" na luz intestinal. Geralmente o peso decai após o paciente evacuar.


Autores: Dr. Frederico Lobo (Médico Nutrólogo) e Rodrigo Lamonier (Nutricionista e Profissional da educação física). 

quinta-feira, 18 de março de 2021

A COVID-19 talvez não seja a pior pandemia, há outras doenças novas ou antigas que podem se alastrar pelo planeta

O UOL fez uma reportagem muito interessante sobre o tema, na qual mostrou como as mudanças ambientais podem fazer surgir novas pandemias e ressurgir doenças já existentes.

Covid talvez não seja a pior pandemia: veja doenças "novas" e "antigas" com risco de se espalhar pelo globo

No apagar das luzes de 2020, a OMS (Organização Mundial da Saúde) realizou uma reunião para marcar um ano da notícia do aparecimento do Sars-CoV-2. O evento fez um apanhado dos fatos, do conhecimento adquirido, destacou a notável colaboração mundial e também contemplou o futuro.
Na ocasião, a fala do presidente da comissão para emergências sanitárias, Michael Ryan, chamou atenção: "A covid foi um alerta. Ela é grave, difundiu-se pelo mundo rapidamente, mas não é, necessariamente, a ameaça mais perigosa".

Ryan se referia ao fato de que essa enfermidade é facilmente transmissível e fatal, mas sua taxa de mortalidade é baixa quando comparada a outras doenças. "Daqui em diante, temos de nos preparar para algo ainda mais grave", disse.

Os cientistas de todo o planeta não estão alheios aos possíveis agentes causadores de doenças. Essa é a razão pela qual a própria OMS listou quais seriam as possíveis doenças infecciosas com potencial epidêmico. Muitas delas já são conhecidas de nós, como a dengue, tuberculose, zika, ebola. Mas também podem surgir novos problemas, como aconteceu com a covid-19.

Por isso, a ideia é reforçar a vigilância e investir em ações para conter o avanço de patologias novas ou "antigas" que estão controladas. Embora achados científicos indiquem possibilidades, ainda é difícil saber qual será o agente infeccioso causador da próxima emergência de saúde global. O certo é que as epidemias não acontecem de um dia para o outro, se relacionam a fatores sociais e ambientais e suas prevenções e enfrentamentos devem envolver toda a comunidade

Patógenos contagiosos e virulentos

Chamamos de infecciosas as doenças causadas por agentes (patógenos) que invadem determinado hospedeiro e ainda são capazes de causar enfermidades que podem ser transmitidas para outros. Os micro-organismos potencialmente envolvidos nesse processo são bactérias, vírus, fungos, protozoários e helmintos, mas há outros agentes com igual poder, como os príons (partículas proteicas infecciosas sem carga genética).

Parte desses agentes são facilmente transmissíveis, portanto, mais contagiosos. Porém, muitos deles têm maior dificuldade para causar doenças. Já outros, definidos como virulentos, causam infecções mais graves. No entanto, nem sempre são tão contagiosos. Os patógenos mais preocupantes são aqueles que combinam a fácil transmissão e a virulência.

As portas de entrada desses agentes infecciosos, em geral, são os orifícios e as mucosas do corpo humano. E a primeira providência deles é procurar células ou tecidos hospedeiros, que serão invadidos, colonizados e lesionados por meio de toxinas ou do comprometimento do funcionamento celular. Alguns desses agentes se multiplicam entre as células; outros, como os vírus e alguns tipos de bactérias, nelas se instalam e crescem.

Perigo mora no desequilíbrio ambiental

Na última década, muitos países implantaram medidas para conter as mudanças climáticas. O objetivo é reduzir a emissão e concentração de gases de efeito estufa, cuja origem principal são a queima de combustíveis fósseis (como o petróleo) e o desmatamento. O que isso tem a ver com doenças infecciosas? Muito. Desequilíbrios ambientais e condições socioeconômicas são um prato cheio para muitos micro-organismos darem as caras.

Joel Henrique Ellwanger, biólogo e pesquisador do departamento de genética da UFRGS, explica que muitos vírus do nosso tempo, como ebola, HIV e zika, são fruto da ocupação e da devastação desordenadas de florestas, da exploração da vida selvagem, assim como das condições precárias de vida nas cidades.

Tais situações são tidas como propícias para o chamado spillover, ou seja, o salto de um agente infeccioso de um hospedeiro para o outro (do animal para o homem). O especialista acrescenta que a biodiversidade do Brasil é vasta e, por isso, pode esconder patógenos desconhecidos.
Basta que as condições ecológicas sejam favoráveis e uma nova doença pode emergir. O problema não é a biodiversidade e, sim, as formas agressivas e desequilibradas pelas quais os humanos interagem com ela.


Existem, então, reservatórios de doenças?

O médico veterinário João Carlos Minozzo, professor do curso de biotecnologia da PUC-PR, explica que esses micro-organismos sempre existiram na natureza e se perpetuam por meio de seus reservatórios.

"Os reservatórios são animais que convivem com esses vírus, bactérias e outros parasitas, sem adoecerem. Mas esses micróbios podem evoluir e se tornar capazes de infectar humanos". Nesse caso, a infecção pode se dar por meio das seguintes situações:
Vetores - mosquitos e carrapatos
Contato indireto - beber água contaminada ou por via aérea
Contato direto - com animais ou outros humanos ou consumo de carne contaminada
São exemplos dessas infecções os vírus das gripes aviária e suína, além da doença Creutzfeldt-Jakob (popularmente conhecida como "vaca louca"), que apareceram por meio do contato ou do consumo de carne contaminada, respectivamente.

A nutricionista Wanessa Natividade, chefe do Núcleo de Alimentação, Saúde e Ambiente da Fiocruz, diz que isso também explica as conhecidas orientações sobre a importância de estar atento à procedência e qualidade dos itens que consumimos, sejam eles de origem animal, sejam de origem vegetal.

"Em qualquer fase da produção, armazenamento e distribuição de alimentos pode haver contaminação de agentes causadores de doenças. Por isso, é preciso estar sempre atento aos selos de inspeção sanitária", adverte a especialista.

O que são as doenças emergentes e reemergentes

"Há 50 anos, a comunidade científica acreditava que a batalha contra as doenças infecciosas estava virtualmente vencida", conta o médico epidemiologista Expedito Luna, professor do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. "Mas então apareceram novas enfermidades como a Aids, além de outras que pareciam ter sido erradicadas", completa.

Doenças desconhecidas e que vez por outra surgem são chamadas de emergentes porque não tinham ocorrência conhecida em humanos, tiveram dificuldade de se estabelecerem ou eram raras. E elas até podem ter surgido no passado, mas afetaram pequeno grupo de pessoas em lugares isolados. São também emergentes as que foram recentemente reconhecidas como doença distinta, dada a presença de determinado agente só agora identificado.

Já as reemergentes são as enfermidades que, no passado, eram conhecidas em todo o mundo ou em determinada região e, depois, declinaram, mas agora reapareceram em uma proporção significante da população. A explicação é de José Eduardo Levi, biólogo, virologista e pesquisador do Instituto de Medicina Tropical da USP.

É o caso da dengue e da tuberculose. De olho nesses quadros, a OMS elencou quais seriam as doenças que mereciam maiores vigilância e atenção, considerando seu potencial epidêmico, ausência de medidas de combate a elas ou a insuficiência destas.

As doenças emergentes listadas pela OMS
1 - Febre Hemorrágica Crimeia-Congo
Causada por um vírus da família Nairoviridae, é transmitida provavelmente por carrapatos, já que seu reservatório ainda tem sido objeto de debates.
2 - Ebola e Marburg
Causadas por agentes distintos, essas doenças são semelhantes. Geram febres hemorrágicas de transmissão direta que decorrem da infecção pelos vírus ebola ou de Marburg, da família dos filovírus, cujos hospedeiros potenciais são os morcegos.
3 - Febre Lassa
Febre hemorrágica cuja origem é um vírus da família Arenaviridae e tem transmissão direta por meio do contato com fezes de ratos.
4 - Nipah
A infecção por esse vírus pode causar encefalite; seu reservatório é o morcego-da-fruta, e pode infectar humanos e animais de criação.
5 - Febre do Vale do Rift
Esta zoonose acomete o gado prioritariamente, mas também humanos; sua via de transmissão são mosquitos infectados e contato com sangue ou tecidos contaminados.
6 - Zika
Até o momento não se sabe qual é o seu reservatório, mas é transmitido por mosquitos infectados. Pode provocar malformação fetal.
7 - Doença "X"
Representa uma incógnita, uma doença ainda desconhecida, que pode emergir com potencial pandêmico.

E dá para prevenir?

A pandemia colocou os cientistas em evidência para o bem e para o mal. O filósofo João de Fernandes Teixeira, ex-professor da Unesp, acredita que as variáveis e complexidades científicas são difíceis de entender e, assim, algumas pessoas preferem negá-las. 

O fato é que, no passado, os patógenos só eram detectados quando já estavam instalados. Foi assim com a raiva, a peste negra e a gripe de 1918.

A ciência, porém, persevera. E desse modo deve ser, porque nela se ancoram medidas essenciais ao combate de epidemias. Já a partir dos anos 2000, entidades de vigilância epidemiológica e sanitária foram beneficiadas por uma nova técnica, a metagenômica. Fernando Spilki, coordenador da rede Corona-Ômica do MCTIC, diz que ela possibilitou uma nova forma de vigilância, a genômica.
"Ao isolar RNAs e DNAs de amostras ambientais, possíveis vetores, animais e humanos, ela permite conhecer e detectar, antecipadamente, a presença de patógenos. Isso fortaleceu nosso sistema de preparação", pontua Spilki.

Somam-se a essas medidas as vacinas. "Elas também dependem de pesquisas e célere detecção de mutações genômicas de vírus, para se adaptarem na mesma velocidade", observa a pediatra Flávia Bravo, membro da diretoria da SBIm.

No mundo ideal da prevenção contra pandemias só a ciência não basta, afirmam os especialistas. É preciso um conjunto de políticas públicas de proteção da saúde e do meio ambiente, justiça social, educação da população, boa comunicação, além do imprescindível envolvimento de toda a comunidade. O desafio está lançado.

Para prevenir epidemias, as ações mais importantes são a identificação molecular de micro-organismos e dos casos suspeitos, além da intervenção para controle de surtos. Tudo deve ser rápido e eficaz.
Fernando Bozza, chefe do Laboratório de Medicina Intensiva do INI-Fiocruz

Estratégias para prevenir novas epidemias
  1. Conhecimento da ecologia dos micro-organismos (pesquisa básica)
  2. Identificação rápida de agentes patogênicos
  3. Vigilâncias (genômica, de saúde pública, entomológica e epidemiológica)
  4. Desenvolvimento de vacinas e medicamentos
  5. Água e esgoto tratados
  6. Segurança dos alimentos
  7. Programas de controle animal
  8. Controle de mosquitos e ratos

sexta-feira, 5 de março de 2021

Força de vontade não é tratamento para obesidade

 

É muito comum pessoas com obesidade serem aconselhadas a perder peso “só com a força de vontade”. E aqui, lembrando que o obesidade é uma doença crônica que requer tratamento, ressalto q “força de vontade” não entra no rol dos tratamentos possíveis. Vamos lá. 

"Força de vontade” a princípio seria algo realizado contra seu desejo, com um objetivo maior. Assim, eu vou numa festa cheia de doces q adoro e resisto firmemente ou tenho fome à noite e vou dormir mais cedo para ver se ela passa. Isso até pode funcionar por períodos curtos de tempo, mas é impossível que funcione cronicamente, além de impactar negativamente em qualidade de vida, pois é algo feito de forma contrário aos seus desejos.

Ok, isso é diferente de motivação (há confusão entre esses conceitos), que pode funcionar melhor, em que a razão pela qual quero aquele objetivo (emagrecer) passa a ser maior que os obstáculos e consigo seguir, não à revelia, mas pois tenho percepção de benefícios. Acontece que a #motivação também tende a reduzir em algum momento, ou os obstáculos se tornam muito grandes (no caso da obesidade, muitos desses obstáculos são fisiológicos, como o próprio aumento de fome e desejo de comer). Então, você também não tratará uma doença crônica só com motivação, pois ela não é infinita, embora uma estratégia comportamental seja sim sempre buscar novos objetivos quando a motivação diminui.

É por isso que devemos buscar estratégias de longo prazo que possam ser aprendidas e usadas e não dependam de “força de vontade” e que hábitos criados possam fazer com que, com ou sem motivação, você consiga manter uma certa estabilidade. Isso significa tornar alguns hábitos automáticos, como fazer exercício físico, se pesar com frequência, ter o mínimo de alimentos para se comer com a mão em casa, evitar calorias líquidas (sucos ou refrigerantes normais), etc. E também entender que, sendo obesidade uma doença crônica, não há nada de errado em ter acompanhamento crônico, usar medicação para controle da fome (se indicado) ou considerar cirurgia (em casos de IMCs mais altos).

Achar que “força de vontade” basta é não entender nada nem de fisiologia da #obesidade nem mesmo de comportamento

Autor: Dr. Bruno Halpern - Médico Endocrinologista


quinta-feira, 4 de março de 2021

Dia Mundial da Luta contra a Obesidade - 4 de Março

Hoje em todo o mundo comemoramos o Dia Mundial da Luta contra a obesidade.

Eu poderia ficar aqui discorrendo sobre aspectos epidemiológicos, opções terapêuticas e complicações que a Obesidade pode trazer para o individuo, mas esse ano será diferente. Abordarei o preconceito que o indivíduo portador de obesidade ou com sobrepeso sofre. 

Já pararam para pensar, qual outra doença, o portador dela é culpado por tê-la ?

Com a obesidade isso ocorre e se pararmos para pensar, de forma científica e humanística isso é uma crueldade, para não falar desumanidade.

O indivíduo portador de um corpo obeso vive menos? Talvez.

Adoece mais? Sim!

É mais propenso a transtornos psiquiátricos? Sim!

É discriminado no âmbito familiar, trabalho, círculo social? Sim !

É julgado como preguiçoso? Sim !

É julgado como portador de desvio de caráter e sem força de vontade? Sim !

E a realidade é que a Obesidade é uma doença: Repitam comigo:

  • MULTIFATORIAL
  • CRÔNICA
  • RECIDIVANTE
  • SEM CURA

Ao longo de 14 anos tratando indivíduos portadores de Obesidade (e não foram poucos, ao todo na minha estimativa, mais de 6 mil) percebi que:

Menos de 10% consegue perder peso e manter essa perda por toda a vida.

A grande maioria dos indivíduos com obesidade terão uma curva de peso ascendente.

A grande maioria se submeterá aos tratamentos mirabolantes e no final se culpará e se sentirá fracassado. 

A grande maioria não receberá acolhimento por parte dos profissionais da área da saúde, em especial Nutricionistas, Endocrinologistas e Nutrólogos. Sim, a gordofobia é altamente prevalente entre essas 3 classes. É vergonhoso? Sim, muito! Mas verdade seja dita. 

  • Falta empatia. 
  • Falta acolhimento.
  • Falta ciência. 
  • Falta resiliência.
  • Falta aceitação e autoaceitação. 
  • Falta humanização. 
  • Falta interdisciplinaridade.
  • Falta valorização de aspectos psicológicos.
  • Falta consideração de aspectos psicossociais.
  • Falta política de saúde pública. 
  • Falta educação nutricional na infância.
  • Falta muita coisa e sobra preconceito, ignorância, desprezo.

Autor: Dr. Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM-GO 13192 | RQE 11915

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Cuidado com quem você escolhe para ser seu médico

A razão desse post é a minha indignação. Comecei 2021 indignado com o nível de alguns profissionais.
  • Gente que por ganância prescreve 3 páginas de medicações manipuladas só para receber comissão de farmácias de manipulação. E depois xingam a indústria farmacêutica em suas redes sociais. 
  • Gente que prescreve terapias que sabidamente são deletérias para os pacientes, não possuem respaldo do Conselho Federal de Medicina e das principais sociedades médicas brasileiras. 
  • Gente que parece nunca ter estudado em uma faculdade e aprendido coisas básicas no ciclo básico. Desconhecimento total de fisiologia, bioquímica, farmacologia. Gente que quer prescrever fitoterápicos mas sequer sabe como escrever uma formulação em um receituário. Que sequer conhecem interações básicas entre nutrientes. São papagaios de farmácias de manipulação e prescrevem fórmulas como se fossem receita de bolo, sem nenhum senso crítico
  • Gente que fez cursos de fim de semana e sai por aí enganando os pacientes e fingindo que é especialista sem ter o título ou o registro no CRM. O que pode ser enquadrado como propaganda enganosa.
  • Gente que cria doenças inexistentes e vende as soluções: tratamentos mirabolantes e sem respaldo das principais sociedades médicas.
  • Gente que sequer sabe fazer uma anamnese decente, um exame físico correto. Gente que finge que é médico, pois em nada conhecem da arte de cuidar. 
Portanto, uma dica para você que me acompanha no blog: PARE de ser trouxa. Honre o seu dinheiro ou de quem pagará uma consulta pra você. Consulte o mínimo sobre o profissional antes de agendar uma consulta.

Se busca um Nutrólogo, certifique no Site da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) se o médico é realmente Nutrólogo: http://abran.org.br/busca_medicos/

Para um profissional ser considerado Nutrólogo, ele precisa ter feito a residência de Nutrologia ou ter sido aprovado na difícil prova de título de Nutrologia. Se no Site do Conselho Federal de Medicina não consta o RQE (registro de qualificação de especialista) do profissional, provavelmente ele não é especialista. 

Busque o currículo do profissional que você deseja consultar. Veja as qualificações, formações, se tem artigos publicados, em quais lugares já trabalhou, se fez residência médica ou foi aprovado na prova de título. 

Veja se em suas redes sociais, o tal médico comete infrações éticas tais como:
  • Fotos de antes e depois dos pacientes
  • Foto com celebridades
  • Propaganda de farmácias

Tenha bom senso e não agende com um médico por conta do número de seguidores em Instagram. Pelo amor de Deus!  A coisa mais fácil do mundo é comprar seguidores. Pode parecer um absurdo achar que alguém escolherá um médico baseado nisso, mas é a realidade que ouço no consultório, amigos e familiares,

Desconfie de profissionais que vendem soluções milagrosas para problemas antigos, como por exemplo: Obesidade, doenças crônico-degenerativas.

Medicina é MUITO difícil. Diagnosticar corretamente as vezes é uma tarefa que leva semanas Escolher a melhor medicação, muitas vezes pode ser uma tentativa de erro e acerto. 

E aí aparece um médico(a) que vende soluções milagrosas, com medicações que você só encontra na farmácia de manipulação indicada por ele ou com os soros que ele vende em seu consultório.

Dr. Frederico Lobo
CRM-GO 13192 - RQE 11915
Médico Nutrólogo 

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

9 coisas que todo paciente que vai se consultar comigo deveria saber


 









segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Veneno à nossa mesa – O Brasil é o país que mais consome agrotóxicos

Vale a pena ler a reportagem em: https://www.ecodebate.com.br/2020/11/16/veneno-a-nossa-mesa-o-brasil-e-o-pais-que-mais-consome-agrotoxicos/

sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

Impactos do desperdício de alimentos que vão para o lixo

Pode-se entender todo esbanjamento como despesa inútil, mas entre todos os tipos possíveis de desperdício, as proporções e os desdobramentos do desperdício de alimentos torna-o uma despesa censurável em um planeta com recursos naturais escassos e finitos.

Dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) revelam que, por ano, aproximadamente um terço dos alimentos produzidos em todo o mundo não é consumido pela população, sendo perdido em alguma etapa da cadeia de produção ou desperdiçado no elo final, em restaurantes e residências. Isso representa cerca de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos que não são aproveitados ou, em valor monetário, uma quantia aproximada de US$ 1 trilhão.

Somente os números absolutos do desperdício de alimentos já são alarmantes, contudo, há uma série de desperdícios embutidos que anuviam ainda mais o cenário global.

A cadeia de produção e distribuição de alimentos necessita de água, terra, adubos minerais, pesticidas, energia elétrica e combustíveis fósseis. O alimento que vai para o lixo enterra junto com ele todos esses recursos que foram consumidos durante o seu processo de produção e causa impactos ambientais na atmosfera e na biodiversidade.


Os custos ambientais do desperdício de alimentos não será sentido somente pelas próximas gerações em virtude da escassez dos recursos naturais e da degradação do meio ambiente, que invariavelmente ocasionam impactos no clima, mas já são pagos hoje pela sociedade. Além de US$ 1 trilhão de custos econômicos por ano, a FAO estima que os custos ambientais e os custos sociais do desperdício de alimentos alcançam US$ 700 bilhões e US$ 900 bilhões, respectivamente. Na somatória da tríade de custos – econômicos, ambientais e sociais, a estimativa total do desperdício de alimento gira em torno de US$ 2,6 trilhões por ano, o que equivale ao PIB do Reino Unido – quinta maior economia do mundo.

“A lógica é essa: quanto mais alimento é jogado no lixo, mais alimento precisa ser produzido para repor aquele que foi posto fora. Portanto, mais recursos naturais precisam ser usados para isso”, problematiza a pesquisadora Milza Moreira Lana, que estuda a temática e trabalha na área de pós-colheita na Embrapa Hortaliças, em Brasília/DF. Junto com a comida, também está indo para o lixo a água e as terras agricultáveis utilizadas no processo de produção dos alimentos.

Se, por um lado, a demanda crescente por alimentos tem fomentado a pesquisa agropecuária e exigido novas tecnologias para os produtores obterem maior produtividade por área plantada, por outro, o desequilíbrio na equação “produção x consumo” causado pelo desperdício faz com que o setor produtivo precise recorrer à expansão das lavouras em áreas de vegetação nativa e de preservação. Assim, aumentam as perdas de biodiversidade, os processos erosivos no solo e a contaminação do ar e lençóis freáticos por pesticidas e adubos minerais.

As fontes minerais de fósforo e potássio, principais nutrientes dos adubos químicos, são finitas no planeta. O pesquisador Juscimar Silva, da área de Nutrição de Plantas da Embrapa Hortaliças, explica que, ao descartar qualquer alimento, em especial as hortaliças, deixa-se de aproveitar os minerais contidos nos resíduos. Ele sugere a técnica da compostagem para aproveitar esses nutrientes e torná-los disponíveis novamente para a planta. “A compostagem converte resíduos em compostos orgânicos ricos em nutrientes, substâncias húmicas e carbono, que servem de fertilizantes para as plantas. Pode-se dizer que é um sistema da mesa para a mesa, com impactos positivos diretos na sustentabilidade”, anota Silva, ao destacar que a compostagem evita que resíduos causem contaminação de solos e aquíferos.

O desperdício da água utilizada para irrigar cultivos agrícolas que resultam em lixo, e não em alimento, também é repreensível se se considerar as constantes crises hídricas e os conflitos existentes ao redor do mundo por causa desse insumo cada vez mais escasso no planeta. A legislação brasileira, por exemplo, prevê que o uso prioritário da água, em situações de escassez, deve ser o consumo humano e a dessedentação de animais. Sendo assim, o desabastecimento pode ter implicação direta nas atividades econômicas sejam industriais ou agrícolas. Além de terra e água, ao longo da cadeia também foram perdidos os combustíveis fósseis para transporte e a energia elétrica para refrigeração de produtos que, no fim de todas essas etapas, foram convertidos em lixo e não em alimento.

“Contabilizar todos os custos implicados no desperdício de alimentos amplia nossa compreensão do sistema alimentar e traz mais clareza para a discussão dos impactos do desperdício na sociedade. É claro que desperdiçar alimentos é censurável porque enquanto há comida indo para o lixo, há pessoas passando fome. O desperdício também pode contribuir para aumentar o preço e tornar o alimento menos acessível para a população de baixa renda”, avalia Milza ao acrescentar que, ainda assim, não se pode concluir que a fome automaticamente é reduzida com um menor desperdício de alimentos, pois há componentes mais complexos nessa questão. Na atualidade, por exemplo, as regiões do mundo que mais sofrem com insegurança alimentar são zonas de conflito civil e instabilidade social, enquanto as regiões que mais desperdiçam alimentos são os países mais ricos onde a população tem acesso aos alimentos na quantidade necessária.

Ao inserir a problemática do desperdício de alimentos com base nas questões estruturantes e nas deficiências da cadeia produtiva e de suprimentos, nota-se que nos países em desenvolvimento as perdas estão concentradas nos estágios que antecedem o consumo: produção, pós-colheita, processamento, distribuição e varejo. Já nos países desenvolvidos despontam os percentuais de desperdícios no varejo e no consumo.

Milza explica que o Brasil apresenta características desses dois grupos de países, devido ao contraste socioeconômico entre as regiões do País: “Há perdas concentradas no início da cadeia, devido a problemas na pós-colheita, como também uma fatia considerável de alimentos jogados no lixo pelos próprios consumidores após a compra ou o preparo”. Estimativas da FAO para a América Latina sugerem que 230 quilos de alimentos são desperdiçados por pessoa todos os anos.

“Existem providências específicas que devem ser tomadas por cada agente responsável por esses números: governantes, agricultores, comerciantes e indústria alimentícia. Contudo, os consumidores não podem ficar alheios a sua parcela de responsabilidade e devem ser sensibilizados para contribuir com a redução do desperdício”, opina a pesquisadora.

O desperdício na ponta do lápis do consumidor

Em primeiro lugar, o que fica mais evidente é que, ao jogar fora o alimento comprado, o consumidor está desperdiçando também seu próprio dinheiro. Muito provavelmente, as pessoas ficariam espantadas se calculassem os preços pagos pelos alimentos que, poucos dias depois, foram parar no lixo.

Os resultados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) realizada pelo IBGE, em 2008/2009, indicaram que aproximadamente 25% do orçamento familiar é destinado à alimentação. Agora façamos uma conta rápida: segundo o mesmo instituto, na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, o rendimento mensal domiciliar per capita do brasileiro em 2016 foi de R$ 1.226,00. Logo, uma família de cinco pessoas, com renda mensal de R$ 6.130,00, gasta R$ 1.532,50 com alimentação.

Mas a pergunta que fica é: desse valor que parte é realmente aproveitada e consumida e que percentual vira desperdício de dinheiro e comida jogada no lixo? Se considerar a média mundial de que 30% dos alimentos são desperdiçados, essa família gastou R$ 459,75 com alimentos que, no final das contas, foram parar no lixo.

Quando se fala em hortaliças – folhas, frutos, raízes e tubérculos -, que são um dos grupos de alimentos mais perecíveis, o desperdício beira metade de todos esses vegetais produzidos no mundo. “O prejuízo direto é sentido no bolso do consumidor que poderia ter reservado esse dinheiro para educação, vestuário, lazer ou investimentos”, enfatiza a pesquisadora, que enumera três regras básicas para o melhor aproveitamento das hortaliças: (1) saber cozinhar para aproveitar qualquer hortaliça em diferentes pratos, (2) ir ao mercado com mais frequência para evitar estoque em casa e (3) armazenar corretamente as hortaliças.

Quanto custa o lixo?

O consumidor paga a conta de outra maneira também, visto que há prejuízos indiretos com o alimento descartado no lixo como a própria gestão desses resíduos pelo poder público. Todo munícipio destina uma fatia de seu orçamento para o tratamento do lixo e, quanto mais dinheiro é utilizado para transportar e tratar o lixo, mais uma vez menos dinheiro público está sendo aplicado em investimentos com saúde, educação e segurança.

Há também um impacto ambiental dos alimentos que vão parar no lixo

“Os resíduos orgânicos representam por volta de 50% dos resíduos urbanos gerados no Brasil. Quando descartados em lixões, geram contaminação do solo e da água devido ao chorume, atraem e favorecem a proliferação de vetores de doenças e emitem gás metano, um dos gases responsáveis pelas mudanças climáticas”, observa o analista ambiental Lúcio Costa Proença, do Departamento de Qualidade Ambiental e Gestão de Resíduos do Ministério do Meio Ambiente.

Para minimizar esse impacto, o poder público deve investir em aterros sanitários, com tratamento dos líquidos, recobrimento dos resíduos com solo e queima dos gases. Contudo, Proença sinaliza que a destinação mais adequada para os resíduos orgânicos seriam os processos de degradação controlada como compostagem e biodigestão. “Os resíduos orgânicos devem retornar ao solo de forma segura, porém, atualmente menos de 1% dos resíduos recebem esse tratamento”, adverte.

Os desperdícios por trás do alimento que vai para o lixo passam por eixos sociais, econômicos e ambientais. “As ações individuais não são suficientes para a resolução dos problemas estruturantes do sistema alimentar, mas é preciso coordenar iniciativas nesses dois âmbitos para caminhar em direção à redução do desperdício”, defende a pesquisadora.

“Com tecnologia pós-colheita de hortaliças adequada mais alguns cuidados, é possível reduzir o desperdício, economizar dinheiro e ajudar a proteger o meio ambiente”, registra Milza, coordenadora do projeto “Hortaliça não é só salada”, que disponibiliza em um site, entre outros conteúdos, informações sobre como identificar os produtos de melhor qualidade, como acondicionar para que durem por mais tempo e como consumir em diferentes tipos de preparações.

Fonte: https://www.ecodebate.com.br/2020/11/10/impactos-do-desperdicio-de-alimentos-que-vao-para-o-lixo/