terça-feira, 26 de maio de 2015

Dieta sem glúten ?


quinta-feira, 21 de maio de 2015

Alumínio


Os seres humanos estão sofrendo um aumento estrondoso na exposição ao alumínio (Al). Uma situação que só tende a piorar. O alerta é do professor Christopher Exley, da Universidade de Keele (Reino Unido), em um estudo sobre a exposição humana ao metal. O Al não tem função biológica conhecida e é reconhecidamente uma toxina ambiental. O solo do cerrado é muito rico em alumínio e por isso quase sempre aparece nos mineralogramas capilares.

A exposição humana ao AL está implicada em um grande número de doenças crônicas, incluindo doenças ósseas, autoimunes, câncer e neurodegenerativas. Principalmente diminuição da capacidade cognitiva (memória é concentração). ⚠ A melhor forma de detectar intoxicação crônica por alumínio é através do mineralograma capilar.

Dicas para evitar a contaminação:
1) Trocar as panelas de Al por panelas de vidro ou de aço inox.
2) Trocar os desodorantes convencionais (possuem cloridrato de alumínio que obstrui os poros para que vc não transpire) por desodorantes sem Al.
3) Evitar consumir alimentos armazenados em recipientes que contem AL (enlatados, embalagem tetrapark).
4) Procurar um nutricionista ou nutrólogo para adequar a dieta aumentando o aporte de Magnésio e Cálcio já que eles tendem a "deslocar" o Al dos seus sítios e diminuir a absorção.

Tratamento: Quelação endovenosa com Desferal ou EDTA cálcico.

Chumbo


Há mais de 4.000 anos o chumbo é utilizado sob várias formas. Compostos de chumbo são absorvidos por via respiratória e cutânea.

Os principais usos estão relacionados às indústrias extrativa, petrolífera, de baterias, tintas e corantes, cerâmica, cabos, tubulações e munições. Também pode ser incorporado aos alimentos durante o processo de industrialização ou no preparo doméstico. Outra fonte são as tintas à base de chumbo e fumaça de automóveis.

O sistema nervoso, a medula óssea e os rins são considerados órgãos críticos para o chumbo. Seus efeitos no Sistema nervoso central (SNC) dependerá do tempo de exposição, da quantidade absorvida. Sintomas: aumento da pressão arterial, déficit cognitivo, irritabilidade, dificuldade de concentração, memória deficiente, anemia.

Diagnóstico: intoxicação crônica pode ser detectada via mineralograma capilar, preferencialmente pêlos pubianos. Se níveis muito elevados, pode ser detectado na dosagem sérica ou urinária.

Tratamento: quelação endovenosa com EDTA ou Quelação via oral ou retal com DMSA

 #metaistóxicos #Chumbo #Lead #Mineralograma #MedicinaAmbiental #Toxicologia #EDTA #Alimentação  #SemTerrorismoNutricional #Ética #CiênciasNutricionais #SemModismos #MenosÉmais

Dia mundial de combate à Hipertensão arterial sistêmica


No dia 26 de Abril é comemorado o dia de Combate à Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Segundo a OMS, a HAS é o principal fator de risco de doenças cardiovasculares. Por ser uma doença silenciosa, grande parte dos pacientes não sabe que possuem.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, uma em cada 4 pessoas adultas tem HAS. Assim, estima-se que a doença atinja, no mínimo, 25% da população brasileira adulta, chegando a mais de 50% após os 60 anos.

Ela é a responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal. As graves consequências da HAS podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam sua condição e mantenham-se em tratamento com adequado controle da pressão.

Dicas para prevenir a HAS:

1) Afira a pressão pelo menos uma vez por ano.

2) Pratique atividades físicas regularmente.

3) Mantenha o peso ideal.

4) Adote dieta DASH caso tenha história familiar de HAS.

5) Evite álcool.

6) Não fume.

7) Evite o estresse.

Dietary Approaches to Stop Hypertension (DASH) é um padrão alimentar que incentiva o consumo de certos alimentos e exerce um importante impacto na redução da pressão arterial. Ajuda a controlar o colesterol e sua grande vantagem é que não exclui nenhum grupo alimentar.

Estudos mostram que a adesão a esse estilo alimentar reduz em 14% o desenvolvimento de hipertensão, funcionando positivamente na prevenção de doença cardiovascular. A dieta DASH é rica em fibras e nos minerais potássio, cálcio e magnésio, e esses micronutrientes trazem benefícios sobre a pressão arterial. Orientações da DASH:

1- Escolher alimentos que possuam pouca gordura saturada, colesterol e gordura total. Por exemplo, carne magra, aves e peixes, utilizando-os em pequena quantidade.

2- Comer muitas frutas e hortaliças, aproximadamente de oito a dez porções por dia (uma porção é igual a uma concha média). 3- Incluir duas ou três porções de laticínios desnatados ou semidesnatados por dia.

4- Preferir os alimentos integrais, como pães, cereais e massas integrais ou de trigo integral.

5- Comer oleaginosas (castanhas), sementes e grãos, de quatro a cinco porções por semana (uma porção é igual a ⅓ de xícara ou 40 gramas de castanhas, duas colheres de sopa ou 14 gramas de sementes, ou ½ xícara de feijões ou ervilhas cozidas e secas).

6- Reduzir as gorduras saturadas . Utilizar óleos vegetais insaturados (como azeite, soja, milho).

7- Evitar o sal. Evitar também molhos e caldos prontos, além de produtos industrializados.

8- Diminuir ou evitar o consumo de doces e bebidas com açúcar.

Fonte: www.nhlbi.nih.gov/health/public/heart/hbp/dash/new_dash.pdf

Radicais livres: será que devemos combatê-los ? por Prof. Guilherme Artioli

Esse é o 1o de 2 posts sobre o tema - Essas pequenas partículas subatômicas têm dado o que falar, e não por menos. Sua principal característica físico-química chega a assustar: são altamente instáveis e, portanto, altamente reativas, podendo se ligar a vários tipos de moléculas a fim de tornarem-se estáveis.

O problema é que a reação entre um radical livre e uma molécula qualquer pode modificar a estrutura e a função dessa molécula. A consequência? Perdas funcionais.


Mas será que precisamos deliberadamente tomar medidas para combatê-los? As espécies reativas de oxigênio são produtos naturais dos processos oxidativos que ocorrem em nossas células, nas mitocôndrias. Portanto, produzir energia implica em produzir radicais livres, e não há como evitar tal produção. Uma vez que os músculos produzem muita e são dotados de muitas mitocôndrias, eles acabam sendo um dos principais locais de produção das EROs.

O problema é que, dentro das mitocôndrias, existe muito DNA, que pode sofrer danos. Outro problema é que as mitocôndrias se renovam e, para tanto, precisam copiar o material genético (DNA) das mitocôndrias já existentes. Se o DNA já estiver danificado, a cópia conterá os danos anteriores, os que se somarão aos novos danos. O resultado desse acúmulo de danos ao DNA ao longo do tempo é a diminuição da função da mitocôndria.

Em outras palavras, ao longo do tempo (leia-se envelhecimento), ocorre um acúmulo de danos ao DNA mitocondrial, os quais resultam em diminuição da capacidade de produzir energia. Essa é a base da teoria do envelhecimento mitocondrial e, não ao acaso, ao envelhecer, perde-se progressivamente sua capacidade de produzir energia e de realizar exercícios que dependem do metabolismo aeróbio.

Por esse mesmo motivo, o combate aos radicais livres promete efeitos “antienvelhecimento”. Mas já iremos abordar essa questão em mais detalhes. Em outros tecidos, eles também podem ter efeitos deletérios -cerca de 50 doenças já foram associadas a algum tipo de desequilíbrio entre produção de radicais livres.

Amanhã discutiremos a relevância para o exercício e se a suplementação pode ou não trazer benefício.

------------------------

Continuando o post de ontem - Embora os radicais livres (RL) e EROs tenham sim papel em diversas doenças e no envelhecimento, é importante fazermos uma distinção entre produção fisiológica de radicais livres e estresse oxidativo.

Nosso organismo é dotado de diversos sistemas de defesa contra os danos provocados pelos RL, e eles funcionam muito bem quando estão em equilíbrio. Mais ainda, os RLs atuam como desencadeadores de efeitos benéficos, especialmente no contexto do exercício físico.

Estudos mostram que o exercício aumenta a produção de RLs, mas que aumentam também as defesas antioxidantes naturais, de tal forma que o equilíbrio se mantém. Mostram ainda que os RLs SÃO NECESSÁRIOS PARA QUE O ORGANISMO SE ADAPTE AO EXERCÍCIO.

Ao combater artificialmente os RLs, combatemos adaptações que são benéficas. É como se o tiro saísse pela culatra. Em um outra situação bastante diferente, existe o estresse oxidativo.

Nesses casos, a produção de RLs excede em muito a capacidade do organismos de neutralizá-los. Isso pode acontecer em doenças que resultam em perda das defesas antioxidantes ou em aumento da produção de RLs.

Outra situação comum é quando há excesso de exercício físico, especialmente o aeróbio intenso de longa duração (duas horas, ou mais). Embora volumes de treino assim elevados sejam raros, atletas de longa duração estão muito sujeitos aos danos causados pelo estresse oxidativo.

Como sempre dizemos: esporte de alto-nível está longe de ser saudável. Mas para o indivíduo comum, que simplesmente vai à academia e pratica seus treinos aeróbios 2-4 vezes na semana, os RLs são mais benéficos do que maléficos e, logo, não há porque combatê-los.

Para quem não se sujeita às rotinas de treino de atletas de competição, a literatura é bastante clara: NÃO EXISTEM BENEFÍCIOS COM A SUPLEMENTAÇÃO DE ANTIOXIDANTES (vitaminas A, C e E e coenzima Q10, entre outros). Ao contrário, ela pode até atrapalhar as adaptações ao exercício.

Para quem é atleta, apesar do estresse oxidativo ser uma preocupação legítima, o uso de suplementos também não parece ser muito efetivo. É o que mostram diferentes estudos. Prof. Guilherme Artioli

Creatina e queda de cabelo por Dr. Bruno Cosme



A Diidrotestosterona (DHT) está correlacionada com a perda de cabelo e tudo que ocasione o aumento da DHT pode ocasionar perda de cabelo em pessoas geneticamente susceptíveis (componente genético forte). Devido a isso, tudo que eleva a DHT pode implicar no aceleramento da perda capilar.

E a suplementacao com creatina foi implicada no aumento de DHT em um estudo e tb no aumento da relação DHT/Testosterona. Como se trata de apenas um estudo, é necessário que este seja reproduzido mais vezes ou até mesmo estudos diretos envolvendo creatina e perda de cabelo.

Então se você tem predisposição genética, preza muito por seu cabelo e não quer arriscar aumentar a queda, não suplementaria com creatina. Ou até mesmo suplementar caso necessário e suspender caso perceba aumento da queda.

Consulte um profissional que te oriente quanto a doses e necessidade de suplementação. Gosto muito da creatina, um dos poucos suplementos comprovadamente eficazes e com diversos benefícios para praticantes de atividades físicas, e até mesmo idosos.


Fontes vegetais de ômega 3


"Pq vcs ñ podem acreditar em tudo que vêem no facebook. Não é nem que esta publicação está errada (até porque não fui conferir o teor de omega 3 em ambos alimentos), ela não faz é sentido. O ômega 3 vindo de vegetais está longe de ser o omega 3 de origem animal.

Nos vegetais está na forma ALA e nos animais nas formas EPA e DHA. Cada um deles com atuações distintas e/ou complementares. Por isso não podemos tê-los por farinha do mesmo saco...

Quando ingerimos ALA, a conversão deste em EPA e DHA, dentro de nosso organismo é muito baixa. Não faço aqui nenhuma recomendação ou contra-indicação.

Apenas deixando a dica, que as coisas não são o que parecem ser. Procurem por informações mais concretas do que aquilo que circula por aqui." por Nutricionista Emanuele Salustiano


 #Nutrologia #ABRAN #Ômega3 #Salmão #Chia #Linhaça #EPA #DHA #ALA

Diabetes e Alzheimer


Excelente post da minha amiga Dra. Tatiana Abrão - endocrinologista e nutróloga em Sorocaba - SP.

Excelentes pastagens. "Ainda do COPEM, uma aula de Endocrinologia e Demências .

É claro que não faltou o assunto Diabetes e Alzheimer (DA). Aliás, o diabetes pode aumentar o risco de Demências , incluindo o Alzheimer em até 50% (segundo relatório divulgado pela ADI), mostrando que a doença não tem apenas relação com a genética, envelhecimento e o nível de atividade intelectual.

Devemos ainda intervir nos fatores evitáveis para reduzir os riscos de demência, como o tabagismo. Hipertensão Arterial ( pressão alta) e diabetes, que por si reduzem o risco cardiovascular. Estes riscos afetam os vasos sanguíneos levando a demência vascular ou sua piora.

Quanto ao Alzheimer (DA), diretamente por resistência Insulínica cerebral por um acúmulo de oligômeros de beta amilóides no cérebro, e estas substâncias agem como neurotoxinas, aumentando estresse oxidativo, perda de sinapses ( conexões entre os neurônios), sendo que prejudicam a sinalização neuronal por insulina, ligados ainda a citocinas inflamatórias, como TNF alfa causando estresse metabólico, causando perda de sinapses e déficit de memória em modelos animais.

A insulina protege as sinapses destas neurotoxinas, e sua sinalização é muito importante tanto para o aprendizado quanto para a aquisição e consolidação da memória. Tem inclusive estudos de medicamentos para diabetes, inclusive análogos de GLP1 e insulina nasal, para melhora da doença, pelo menos interrompendo o declínio cognitivo em humanos.

Ainda estão em estudos estas medicações para a DA, e os estudos tanto neste caminho, quanto no caminho de outras drogas, como a DFMO, que age bloqueando a CD11 no início da DA.

Mas intervindo na mudança do estilo de vida, atividade física e dieta, combatendo o tabagismo, Hipertensão e Resistência Insulínica/ Diabetes, já é um bom começo.

 #copem #insulina #resistênciainsulínica #ri #alzheimer #demências #demênciavascular #déficitcognitivo #memória #betaamilóide #endocrinologia #nutrologia #diabetes #diabetescerebral #diabetestype3

Só é nutrólogo quem tem título


Só é nutrólogo quem tem TÍTULO ou RESIDÊNCIA. Quem ainda não tem título ou não fez residência é apenas aspirante. 

Nesse grupo eu me incluo, fiz a pós-graduação de Nutrologia na Associação Brasileira de Nutrologia mas isso não me dá o direito de sair divulgando que sou nutrólogo. Apenas quando passar na prova de título que é em setembro. 

Campanha por uma medicina mais ética e com respeito á legislação.

Se você tem dúvidas se o seu médico é especialista, basta entrar no link abaixo:
http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_medicos&Itemid=59

1) digitar o nome dele
2) selecionar o estado
3) preencher o quadrado com as letras e números mostrados
4) clicar em buscar

Caso ele tenha alguma especialidade registrada, aparecerá o nome da especialidade e o número do RQE. Se não apresentar, provavelmente ele não é especialista.







Campanha do Ministério da Saúde


quinta-feira, 7 de maio de 2015

Controvérsias dentro da ortomolecular por Dr. Frederico Lobo


Semanalmente recebo e-mail de leitores perguntando sobre vários temas dentro da ortomolecular. A maioria sabe que sou bem cético e radical quando o assunto é evidências científicas. Sou taxado de chato e pernóstico por alguns colegas. Então resolvi fazer um post sobre isso. As opiniões aqui expressas não objetivam colocar pacientes em confronto com médicos que solicitam tais exames. Apenas explico o porquê de eu não solicitar tais exames.

TEMA 1: Solicitação do exame ES Complex

Conheço o representante do produto, tive uma aula na Pós de Nutrologia sobre uso do produto. A experiência que tive ao ter contato com o aparelho não foi das melhores. Deixei isso claro para o representante. Ele argumentou que não recebi treinamento para utilizar o aparelho. Nisso ele tem razão. Solicitei o exame pois na clínica que eu trabalha em Brasília tinha o aparelho. O representante me enviou inúmeros artigos científicos e inclusive um parecer do CFM reconhecendo que se a ANVISA autorizou a entrada do aparelho, foi porque o fabricante apresentou estudos mostrando a  eficácia.

A UNICAMP e outras Universidades brasileiras estão utilizando o aparelho. O representante me forneceu os contatos de vários pesquisadores destas universidades e que estão utilizando o aparelho. Como no momento meu foco é passar na prova de título de Nutrologia (Setembro/2015) eu estou sem tempo de entrar em contato com os mesmos e verificar a eficácia do método.

Portanto: NADA posso afirmar ainda sobre a sensibilidade e especificidade do método, apesar de ter vários amigos que há anos utilizam o aparelho e elogiam.

TEMA 2: Bioressonância

Nunca comprei o aparelho, mas há 4 anos solicitei para alguns pacientes. Um professor de acupuntura que tive, realiza os exames em Goiânia. Os resultados foram totalmente incompatíveis com a clínica dos pacientes em questão. Para tirar a prova, fui me submeter ao exame. Encontrei, resultados opostos aos encontrados nos exames laboratoriais. Exemplo: o exame mostrou ressonância para elevação do colesterol, do cortisol, glicemia. Todos meus exames laboratoriais estavam dentro na normalidade.

Pode ser que para alguns funcione, para mim não funcionou.

Portanto a bioressonância eu nao solicito. A não ser que o Conselho Federal de Medicina e ANVISA emitam um parecer mostrando a eficácia do método. Caso o fabricante ou representante queira me mostrar documentos e artigos para provar a eficácia, estou aqui. No próximo ano posso analisar e inclusive testar nos pacientes do ambulatório de nutrologia do SUS. Comparando é claro com os métodos que são padrão-ouro.

TEMA 3: Testes de intolerância alimentar baseados em IgG ou IgG4

Parecer da Sociedade Brasileira de Alergia e Imunologia: http://asbai.org.br/revistas/vol356/Guia-35-6.pdf
"A dosagem de IgG específica e suas subclasses não oferece qualquer contribuição no diagnóstico e portanto sua prática não é recomendada"
Um outro material muito interessante é o disponível nesse site: https://www.sciencebasedmedicine.org/igg-food-intolerance-tests-what-does-the-science-say/

Começo do ano fiz uma revisão sobre métodos diagnósticos de alergias alimentares e todos os artigos mais atuais contraindicam o método. Os estudos afirmam que talvez a dosagem de IGG  ou IGG4 possa fornecer pistas sobre alergias alimentares, mas talvez estejam sendo interpretadas de forma errônea. Alguns amigos alergologistas compactuam da mesma opinião.

Em 2012 o Conselho Federal de Nutrição (CFN) foi questionado sobre a solicitação e execução de tal exame por parte de nutricionistas. O parecer (http://www.crn8.org.br/uploads/arquivo/dbca38c44ddd0076c589c1bcdd450ad4.pdf) diz o seguinte:
"O “Food Detective” é um exame que utiliza o método Elisa para detecção de anticorpos IgG para 59 alimentos. O kit de exame é produzido pela Cambridge Nutricional Sciences Ltda, o resultado fica pronto em 40 minutos e necessita de apenas uma gota de sangue para realizar o exame.
Ressalta-se, no entanto, que alguns testes de alergia são questionáveis aos olhos dos profissionais médicos. É necessário considerar a confiabilidade do teste para realizá-lo. Não foi encontrado pelo CFN nenhum documento que certificasse a confiabilidade do Food Detective.
O teste considerado padrão-ouro no diagnóstico da alergia alimentar é o duplocego controlado por placebo (DADCCP), na qual a análise é feita por IgE (COCCO,2007).
A produção de anticorpos IgG e IgG4 específicos constitui resposta fisiológica à ingestão de alimentos, sem que implique qualquer manifestação clínica de hipersensibilidade alimentar (MORGAN, 1992; SZABO, 2000).
Apesar disso, painéis de anticorpos IgG ou IgG4 específicos para antígenos alimentares têm sido proclamados por alguns como instrumentos diagnósticos na alergia alimentar. Contudo, as evidências disponíveis não dão suporte à eficácia diagnóstica da dosagem de IgG específica em nenhuma doença em particular além da hemossiderose pulmonar (Síndrome de Heiner) (COCCO, 2007).
A Resolução CFN ° 380/2005 também reforça a solicitação de exames ao dispor atividades complementares como: “1.2.1. Solicitar exames laboratoriais necessários à avaliação nutricional, à prescrição dietética e à evolução nutricional do cliente/paciente;”
Portanto, o CFN não recomenda solicitação de exames de IgG por se tratar de diagnostico para alergias, sendo que, o diagnóstico de qualquer doença cabe ao médico realizar. A lei e as resoluções citadas dispõem que os exames são para acompanhamento dietoterápico.
As referências utilizadas por eles:

ASBAI – Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia. Alergia Alimentar. Acesso em:
08/10/2012.Disponível em: www.asbai.org.br.

Cocco, R.R.; Caelo-Nunes, I.C.; Pastorino, A.C.; et.al. Abordagem laboratorial no diagnóstico da alergia alimentar. Rev Paul Pediatr 2007;25(3):258-65.

Morgan JE, Daul CB, Lehrer SB. The relationship among shrimp-specific IgG The relationship among shrimp-specific IgG subclass antibodies and immediate adverse reactions to shrimp challenge. J Allergy Clin Immunol 1990;86:387-92.

Szabo I, Eigenmann PA. Allergenicity of major cow’s milk and peanut proteins determined by IgE and IgG immunoblotting. Allergy 2000;55:42-9.

Em Junho de 2015 o Jornal Estadão fez uma reportagem sobre o tema. Juntamente com o parecer oficial da ASBAI sobre o tema (http://m.vida-estilo.estadao.com.br/noticias/bem-estar,diagnosticos-de-alergias-e-intolerancias-alimentares-confundem-portadores-e-levam-a-deficiencias-,1707483)

Presentes em 40% da população, as intolerâncias alimentares são frequentemente confundidas com as alergias alimentares. Os sintomas são, em diversos casos, parecidos, e a falta de confiabilidade nos exames de detecção aumentam as dúvidas dos pacientes em relação a ambas as doenças. Segundo Renata Rodrigues Cocco, alergologista do Hospital Albert Einstein, “as alergias costumam apresentar sintomas que variam desde erupções cutâneas até problemas mais sérios, como distúrbios gastrointestinais (vômitos e diarreias) e anafilaxias (inchaço de órgãos do sistema respiratório)”. Já no caso das intolerâncias alimentares, os sintomas estão geralmente relacionados ao trato gastrointestinal. “É muito mais comum surgirem transtornos na digestão do alimento, que variam de intensidade de acordo com a quantidade consumida”, Outra diferença entre as alergias e as intolerâncias alimentares está no fator causador. “As alergias são reações ligadas a alguma proteína presente no alimento que foi considerada um elemento estranho pelo organismo. Já a intolerância ocorre quando o corpo não possui enzimas para digerir determinado carboidrato, como no caso da lactose, por exemplo”. Uma característica das alergias é que muitas são curadas naturalmente pelo organismo durante a vida, muitas vezes na fase de adolescência. “Por isso é muito mais comum em crianças. É muito raro encontrarmos adultos com alergias alimentares”, comenta. As intolerâncias podem surgir já durante a fase adulta e, uma vez adquiridas, persistem pelo resto da vida. “Devido ao fato de ser causada pela falta de uma enzima, a única coisa que podemos fazer é criar uma dieta de restrição. Entretanto, comparada à alergia, a atenção que devemos ter não é tão radical, pois os sintomas são menos agressivos”, verifica a alergologista.

Tratamento: Tanto para alergias alimentares quanto para intolerâncias, não existem tratamentos comprovados cientificamente que eliminem a doença. “No caso de alergias, a recomendação é a restrição total do alimento em questão da dieta. Já no caso da intolerância, o consumo é permitido em alguns casos, desde que a quantidade ingerida não seja prejudicial para o trato digestivo”, interpreta a médica. No entanto, quando a restrição a um determinado alimento for total, deve haver um acompanhamento de substituição nutricional. “Principalmente no caso de crianças, excluir algo da dieta pode levar a severos casos de anemia, desnutrição ou falhas no desenvolvimento. Por isso, sempre deve haver essa troca de um alimento por outro de equivalência nutricional”, alerta.

Diagnóstico de Alergias: Para a detecção de alergias alimentares, Renata Cocco afirma que o diagnóstico é muitas vezes baseado na observação. “O exame consiste em a pessoa ingerir uma determinada quantidade do alimento e, a partir daí, se observa as reações do organismo”, relata.
Entretanto, um exame de sangue específico pode indicar a presença da doença, que atinge cerca de 5% da população. “O teste conhecido como RAST consiste na verificação da imunoglobulina E (IgE) no sangue do paciente. Tal procedimento pode indicar a quais alimentos aquele indivíduo possui sensibilização alérgica”, conta a médica. No entanto, “um resultado positivo não significa necessariamente que a pessoa tem alergia àquele determinado alimento, apenas uma propensão”. O teste é encontrado em diversos laboratórios pelo País e possui cobertura da maioria dos planos de saúde.
Outro exame trazido recentemente ao Brasil promete ser mais eficaz no diagnóstico de alergias. Trata-se da identificação de frações proteicas a partir da tecnologia microarray (biochips de DNA que selecionam e se integram a partículas específicas predeterminadas), que pode identificar 112 alérgenos ao mesmo tempo. A alergologista considera que o teste deve ser analisado por um especialista já experiente na área. “Por ser um exame que verifica reações cruzadas, é de difícil interpretação. Por exemplo, alguém que possui ao mesmo tempo aversão ao látex e a uma fruta qualquer é alérgico a uma proteína comum a ambos os alimentos”, expõe Renata. O exame por microarray está em fase de adequações e deve retornar ao mercado no segundo semestre deste ano.

Diagnósticos de Intolerâncias: Os exames que detectam intolerâncias alimentares também são, muitas vezes, realizados a partir de observação clínica. No entanto, um exame criado recentemente, chamado de Food Detective, tem atraído pacientes em busca de um diagnóstico preciso sobre os tipos de intolerância alimentar presentes em seus organismos e acaba levando-os a uma confusão ainda maior. Em relação ao teste, Renata Cocco alerta que não existe nenhuma comprovação científica da eficácia do exame. “Ele simplesmente mede o nível de imunoglobulina G (IgG) no sangue. Porém essa substância pode estar relacionada a diversos outros fatores que não sejam a intolerância. Simplesmente não faz o menor sentido”. Além de ineficaz, o teste é comercializado a preços elevados (de R$ 800 a R$ 3 mil) e não pode ser encontrado em rede pública. “Qualquer exame, principalmente de alergias e intolerâncias, pode apresentar falsos resultados. Porém, nesse caso, os pouquíssimos resultados corretos são obtidos por meio de pura sorte, sem qualquer lógica para tal. Não existe racionalidade”, argumenta.

De acordo com a Dra. Ana Paula Moschione Castro, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), não há embasamento científico para assumir que as intolerâncias alimentares estejam relacionadas à presença de anticorpos do tipo IgG. “As intolerâncias podem ocorrer por diversas razões, inclusive sem envolvimento do sistema imunológico. Portanto, não é possível confiar neste teste, nem sequer fazer inferências baseadas nos seus resultados”, analisa.

A diretora também reforça a posição de Renata Cocco e apresenta oposição à realização do teste em nome da entidade. “A ASBAI compartilha desta opinião por estimular profundamente a prática da medicina baseada em evidências vistas em trabalhos científicos ou opiniões de instituições idôneas e renomadas. Este repúdio ao teste para diagnóstico é compartilhado, inclusive, pela Academia Americana de Alergia e Imunologia”, acrescenta Ana Paula.


TEMA 4: Terapia endovenosa 

Só é autorizada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para casos de intoxicação aguda ou crônica por metais tóxicos ou reposição de nutrientes quando a via oral ou enteral está impossibilitada. Vejamos o que fala a resolução do CFM sobre terapia endovenosa na ortomolecular:

Art. 9º São destituídos de comprovação científica suficiente quanto ao benefício para o ser humano sadio ou doente, e por essa razão têm vedados o uso e divulgação no exercício da Medicina, os seguintes procedimentos da prática ortomolecular e biomolecular, diagnósticos ou terapêuticos, que empregam:

I)        Para a prevenção primária e secundária, doses de vitaminas, proteínas, sais minerais e lipídios que não respeitem os limites de segurança (megadoses), de acordo com as normas nacionais e internacionais e os critérios adotados no art. 5º;

II)        EDTA (ácido etilenodiaminotetracético) para remoção de metais tóxicos fora do contexto das intoxicações agudas e crônicas;

III)     O EDTA e a procaína como terapia antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para patologias crônicas degenerativas;

IV)   Análise do tecido capilar (mineralograma capilar) fora do contexto do diagnóstico de contaminação e/ou intoxicação por metais tóxicos;

V)    Antioxidantes para melhorar o prognóstico de pacientes com doenças agudas, observadas as situações expressas no art. 5º;

VI)   Antioxidantes que interfiram no mecanismo de ação da quimioterapia e da radioterapia no tratamento de pacientes com câncer;

VII) Quaisquer terapias antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para doenças crônicas degenerativas, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra evidências de benefícios cientificamente comprovados.

TEMA 5: Reposição hormonal para antienvelhecimento

É PROIBIDA pelo Conselho Federal de Medicina: http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23324:conselho-federal-de-medicina-proibe-o-uso-das-terapias-antienvelhecimento-no-pais&catid=3

Não é reconhecida pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia: http://www.endocrino.org.br/cfm-proibe-terapias-antienvelhecimento/

Não é reconhecida pela Sociedade Brasileira de Geriatria: http://www.sbppc.org.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=2016&Itemid=26

TEMA 6: Dieta hCG

A Gonadotrofina Coriônica ( HCG) é uma glicoproteína hormonal produzida pelas células trofoblásticas sinciciais. É o único hormônio exclusivo da gravidez, conferindo alta taxa de acurácia como diagnóstico de gestação. Possui a função de manter o corpo lúteo no ovário durante o primeiro trimestre de gestação, estrutura essencial à manutenção da gravidez.
 Em algumas situações patológicas como, mola hidatiforme, coriocarcinoma e câncer de testículo podemos evidenciar a produção do hCG diverso da gravidez e o médico está habilitado ao diagnóstico diferencial correto em tais situações.

No homem a Gonadotrofina Coriônica (HCG) atua estimulando as células intersticiais de Leydig e, consequentemente, a secreção de androgênios.

 Em crianças com criptorquidismo, a HCG atua induzindo a maturação do testículo subdesenvolvido, o crescimento dos cordões espermáticos extremamente curtos e a descida do testículo.

A última revisão sobre o tema, evidenciou que o emagrecimento promovido pela mesma, decorre da dieta hipocalórica de 500Kcal. O mesmo estudo (metanálise) frisa que há riscos de eventos trombóticos com o uso do hCG. O CRM-MS emitiu parecer contrário à dieta: http://www.portalmedico.org.br/pareceres/CRMMS/pareceres/2013/4_2013.pdf

Recentemente (Maio/2015) a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia em conjunto com a Associação Brasileira para Estudos da Obesidade e Síndrome metabólica publicaram um posicionamento sobre a tal terapia: http://www.endocrino.org.br/posicionamento-sobre-hcg/

"Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) em relação à utilização da Gonadotrofina Coriônica Humana (hCG) para tratamento da obesidade.

Considerando que muitos médicos estão administrando hCG para pacientes que querem emagrecer, alegando sua eficácia para tal propósito;
Considerando que não há nenhuma evidência cientifica que hCG seja útil no tratamento da obesidade (pelo contrário, o que se tem de evidências é que não tem nenhuma eficácia);
Considerando que o tratamento com hCG pode ser deletério para os pacientes, podendo levar a graves consequências clínicas, conforme documentado na literatura médica;

A SBEM e a ABESO posicionam-se frontalmente contra a utilização de hCG com a finalidade de emagrecimento, considerando tal conduta não ter evidências científicas de eficácia e apresentar potenciais riscos para a saúde.

No consultório tenho atendido vários pacientes com complicações por uso do hCG. Quem visita meu instagram já percebeu que sempre aparece alguém comentando sobre a experiência negativa que teve com o hCG. Minha visão é a seguinte: as pessoas que perdem peso com a dieta do hCG é devido a restrição calórica.

O hCG pode ser usado mas há indicações. A forma injetável de hCG, vendida com receita médica, é aprovada, como tratamento da infertilidade ( na mulher), criptorquidismo, hipogonadismo hipogonadotrófico e puberdade tardia ( no homem e crianças).

Não há provas de que a Gonadotrofina Coriônica (hCG) aja sobre o metabolismo dos lipídios ou sobre a distribuição dos tecidos adiposos ou ainda, que influencie o apetite.

Consequentemente, a Gonadotrofina Coriônica (hCG) não possui indicações relativas ao controle de peso.( bula medicamento).

O hCG é classificado como “categoria X” pela FDA, significando que ele pode causar malformações fetais. Também constam nas orientações desta categorização que o seu uso não deve ser aplicado a pacientes com câncer hormônio-relacionados, tais como o câncer de próstata, endométrio, mama, ovário; bem como outras patologias homônio-relacionadas.

Com efeito, testes adicionais podem ser necessários para estabelecer a segurança do hCG
para indivíduos com distúrbios da tireóide ou glândula adrenal, cistos ovarianos, hemorragia
uterina, doença cardíaca, epilepsia, enxaqueca ou asma.

Os principais estudos existentes sobre a dieta hCG são esses:

1. Pektezel MY, Bas DF, Topcuoglu MA, Arsava EM. Paradoxical consequence of human chorionic gonadotropin misuse. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2015 Jan;24(1):e17-9.

2. Thellesen L, Jørgensen L, Regeur JV, Løkkegaard E. [Serious complications to a weight loss programme with HCG.]. Ugeskr Laeger. 2014 Jul 21;176(30).

3. Lempereur M, Grewal J, Saw J. Spontaneous coronary artery dissection associated with β-HCG injections and fibromuscular dysplasia. Can J Cardiol. 2014 Apr;30(4):464.e1-3.

4. Sanches M, Pigott T, Swann AC, Soares JC. First manic episode associated with use of human chorionic gonadotropin for obesity: a case report. Bipolar Disord. 2014 Mar;16(2):204-7.

5. Goodbar NH, Foushee JA, Eagerton DH, Haynes KB, Johnson AA. Effect of the human chorionic gonadotropin diet on patient outcomes. Ann Pharmacother. 2013 May;47(5):e23.

Afinal, juridicamente, médico pode prescrever dieta?

DESPACHO SEJUR Nº 277/2014
Expediente nº 4159/2014
Referência: Consulta oriunda da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

Assunto: Elaboração de Dietas alimentares por médicos.

Chegou a este CFM correspondência oriunda da Sociedade Brasileira  de Endocrinologia e Metabologia, sob o expediente acima em referência, onde se relata o recebimento de Consulta formulada por profissional de Educação Física, o qual narra trabalhar em “academia de musculação e
vem observando a prescrição de dietas por Endocrinologistas”. Esta consulta foi formulada nos seguintes termos:

“Pergunta se “existe alguma lei que regulamenta a prescrição de dietas por médicos endócrinos?, acrescentando que “Mesmo que o mesmo tenha uma formação em Endocrinologia e Metabologia, a lei nº 8.234, de 17 de setembro de 1991, priva somente aos nutricionistas a prescrição,
planejamento, coordenação, supervisão e avaliação de estudos dietéticos.” Complementa sua correspondência da seguinte forma: “Se existe alguma lei que regulamenta este exercício, por favor me encaminhe em resposta”.

Assim, sob o entendimento de que a matéria envolva a “categoria médica em geral”, a Sociedade Médica em questão entendeu pela remessa do caso a esse Conselho Federal.

Na data de 25.07.2014, o DEPCO encaminhou o expediente para exame deste SEJUR.

No essencial, é relatório.

Consoante reza o parágrafo único do art. 2º da Lei 12.842/2013(Lei do Ato Médico), “O médico desenvolverá suas ações profissionais no campo da atenção à saúde para: I - a promoção, a proteção e a recuperação da saúde: II – a prevenção, o diagnóstico e o tratamento das doenças; III – a reabilitação dos enfermos e portadores de deficiências”.

Já a Lei 8234/91, que regulamenta a profissão de nutricionista, assim dispõe;
Art. 3º São atividades privativas dos nutricionistas:
[...]
II – planejamento, organização, direção, supervisão e avaliação de serviços de alimentação e nutrição:
[...]
VIII – assistência dietoterápica hospitalar, ambulatorial e a nível de consultórios de nutrição e dietética, prescrevendo, planejando, analisando, supervisionando e avaliando dietas para enfermos.
Art. 4º Atribuem-se, também, aos nutricionistas as seguintes atividades, desde que relacionadas com alimentação e nutrição humana:
[...]

VII – prescrição de suplementos nutricionais, necessários à complementação da dieta;
[...]

Conjugando-se os dispositivos legais supra transcritos, via de regra, tem-se que a prescrição de dietas alimentares por médicos, destacadamente por endocrinologistas e nutrólogos, revestir-se-á de
legalidade quando tiver por pressuposto o diagnóstico de uma doença e tiver um objetivo terapêutico, isto é, voltada à prevenção ou ao tratamento de uma enfermidade/deficiência.

Por outro lado, a prescrição de planos alimentares, com fins meramente dietéticos, ou estéticos (sem envolver um diagnóstico), afigurase como ato privativo dos nutricionistas.

Tal compreensão poderia gerar alguma perplexidade tendo em vista a redação do inc. VIII de art. 3º supra transcrito. Este dispositivo, dentre outros comandos, reza ser atribuição privativa dos nutricionistas a prescrição de dietas para enfermos em ambiente hospitalar.

Uma leitura fria e descontextualizada desta norma poderia gerar a errônea compreensão de que o profissional médico estaria alijado do ato de prescrever dietas alimentares com finalidade terapêutica em ambiente hospitalar.

Contudo, esta prescrição de dietas hospitalares tem por antecedente a realização do diagnóstico de uma moléstia. E o diagnóstico não é senão uma atribuição exclusiva dos médicos, conforme melhor interpretação da Lei 12.842 de 10 de julho de 2013 (Lei do ato médico).

Em assim, pelo critério temporal, a Lei do Ato Médico, posterior à Lei 8234/91, revogou parcialmente (derrogou) o inc. VIII, do art. 3º deste diploma, no que toca especificamente à possibilidade do Nutricionista “prescrever” dietas no âmbito hospitalar para enfermos. Haverá sempre a possibilidade do profissional nutricionista elaborar um programa alimentar, conforme a prescrição (com diagnóstico) médica de uma determinada dieta com fins terapêuticos.

Do ponto de vista exclusivamente jurídico, é o que nos parece, s.m.j.

Brasília-DF, 30 de julho de 2014

Fonte: http://www.endocrino.org.br/media/uploads/PDFs/transcric%CC%A7a%CC%83o_do_oficio_do_cfm_elaborac%CC%A7a%CC%83o_de_dietas_alimentares_por_me%CC%81dicos_sem_logo.pdf

domingo, 3 de maio de 2015

Comedores Compulsivos Anônimos em Goiânia


Comedores Compulsivos Anônimos é uma Irmandade de indivíduos que, compartilhando experiências, força e esperança estão se recuperando do comer compulsivo. Em CCA damos as boas-vindas a todos que desejam parar de comer compulsivamente. Não há taxas ou mensalidades para ser membro de CCA; somos auto-sustentados por meio de nossas próprias contribuições, não solicitando nem aceitando doações de fora. CCA não se filia a nenhuma organização pública ou privada, movimento político, ideologia ou doutrina religiosa; não tomamos posição em assuntos externos. Nosso propósito primordial é abster-nos do comer compulsivo e transmitir esta mensagem de recuperação aos que ainda sofrem.

Em Goiânia temos um grupo de Comedores Compulsivos Anônimos. Nos reunimos todos os sábados das 16:30 às 18:30 e nas terças das 18:30 às 20:00, na Avenida Castelo Branco, nº 905, Setor Coimbra (quase em frente à praça do cigano ou em frente à Pax serviços funerários). Nosso trabalho é autossuficiente e não cobramos nenhum tipo mensalidade. Fone: (62) 8575-6573

CCA é para você?

Somente você pode decidir essa questão. Ninguém poderá tomar essa decisão por você. Nós, que agora estamos em CCA, descobrimos um novo modo de vida, que nos permite viver sem o excesso de comida. Nós acreditamos que o comer compulsivo é uma doença progressiva, que, como o alcoolismo e outras doenças, pode ser detida. Lembre-se, não há vergonha em admitir que você tem um problema; a coisa mais importante é fazer algo sobre isso.

O que você pode esperar de CCA

Após anos de luta com o peso e obsessão pela comida, você decidiu dar uma chance a CCA. Você pode encontrar uma reunião de CCA perto de você através da Internet ou telefonando para nosso escritório de serviço - JUNCCAB. Telefonando para a pessoa responsável pelo grupo você pode confirmar a hora, o local e o dia da reunião e ter certeza de que as informações não foram mudadas.

Ao chegar à reunião, você encontrará homens e mulheres que sofrem de uma doença comum - o comer compulsivo - e encontraram uma solução comum: Os Doze Passos e as Doze Tradições de Comedores Compulsivos Anônimos. Em qualquer lugar, você verá de três a trinta pessoas na reunião. Em média, uma reunião tem 10 pessoas. Você será calorosamente recebido (a).

A reunião geralmente é iniciada com a Oração da Serenidade, e você poderá ouvir uma leitura chamada "Nosso convite a você", que descreve a doença do comer compulsivo e a solução dos Doze Passos. O formato das reuniões pode variar, mas todos os grupos são unânimes em buscar a recuperação em três níveis - físico, emocional e espiritual - através dos Doze Passos, e o único requisito para ser membro é o desejo de parar de comer compulsivamente.

Você poderá ouvir um orador abrir a reunião e falar por 10 a 15 minutos sobre como era a vida antes de vir para CCA, o que aconteceu e como ele ou ela está agora; ou alguém poderá ler algo da literatura de CCA ou de AA (Alcoólicos Anônimos). Outros membros irão compartilhar sua experiência, força e esperança. Você terá a oportunidade de se apresentar como um recém chegado, se você desejar. Você irá descobrir que não está sozinho e que existe uma saída para o desespero. Sendo o anonimato um princípio crítico no programa de CCA, você está seguro de que aquilo que compartilhar será confidencial. Isto garante a segurança necessária para você compartilhar suas experiências honestamente.

Você poderá reconhecer a sua própria história quando ouvir a partilha dos outros. Escutar irá ajudá-lo a encontrar outros que têm aquilo que você quer, seja perda de peso, clareza, alegria, ou recuperação da obsessão. Você poderá pedir a alguém para ser seu padrinho. Um padrinho irá ajudá-lo a trabalhar os Passos do programa a fim de atingir a recuperação que procura. 

Quando membros compartilham, você poderá ouvi-los falar sobre Deus ou um Poder Superior. CCA não é um programa religioso e não apóia nenhuma ideologia religiosa específica. Trata-se de um programa que pratica princípios espirituais, e os membros abordam esses princípios com um Poder Superior do seu próprio entendimento.

Uma lista pode ser passada para que todos coloquem seus nomes e telefones a fim de que membros possam se ajudar fora das reuniões. Algum membro da reunião que você freqüenta poderá lhe telefonar e responder quaisquer perguntas sobre o programa. Você também terá a oportunidade de anotar os números de telefones de outros membros para pedir ajuda. O telefone é um importante instrumento em CCA para dar e pedir ajuda, e para lembrar que você não está sozinho.

A duração das reuniões varia entre uma e duas horas e geralmente elas incluem um intervalo. Durante o intervalo, sinta-se a vontade para fazer perguntas e para olhar a literatura de CCA, o que ajudará você a entender melhor o programa. Ao pedir ajuda, você está dando um importante passo em direção a recuperação.
Como CCA é auto-sustentável, uma sacola será passada para a coleta de doações.

Você notará que alguns membros trabalham voluntariamente para o andamento da reunião como o secretário do grupo, o tesoureiro e o recepcionista. Membros descobrem que prestar serviço a CCA os mantém sem comer compulsivamente. O serviço é importante na recuperação deles porque os permite dar de volta para a Irmandade que salvou a suas vidas. Oportunidades de serviço existem em vários níveis na Irmandade, desde fazer o café e arrumar as cadeiras em uma reunião até estar na Assembléia. 

A reunião geralmente é encerrada com uma leitura como as promessas de CCA. Se você não se sentir bem na reunião que você assistiu, tente um grupo diferente em local e horário diferentes. É uma boa idéia assistir a pelo menos seis reuniões antes de decidir qual é a melhor para você. 

O que você não irá encontrar em uma reunião de CCA são pesagens, pacotes de refeições, taxas, mensalidades, "deveria", "teria" ou julgamentos.

Você irá encontrar nas reuniões:
Aceitação - como você é agora, como você foi e como você será.
Compreensão dos problemas que você está enfrentando agora - problemas quase que certamente compartilhados por outros no grupo.
Comunicação que surge como resultado natural da nossa compreensão e aceitação mútua.
Recuperação da sua doença.
Poder para entrar em um novo modo de vida através da compreensão e da aceitação de si mesmo, da prática do programa de recuperação dos Doze Passos, da crença em um Poder Superior a você mesmo, e do apoio e companheirismo do grupo.

Se você decidir que é um de nós, vos damos as boas vindas de braços abertos. Quaisquer que sejam as suas circunstâncias, nós te oferecemos o presente da aceitação. Você não está mais sozinho. Bem vindo a Comedores Compulsivos Anônimos. Bem vindo a casa.

O CCA é para você ?

01
Eu como quando não estou com fome ou deixo de comer quando meu corpo necessita se nutrir?
02
Faço farras alimentares sem razão aparente, às vezes até me sentir empanturrado ou passar mal?
03
Tenho sentimentos de culpa, vergonha ou constrangimento em relação à maneira como eu me alimento?
04
Como sensatamente na frente de outras pessoas e desconto depois, quando estou sozinho?
05
Minha maneira de comer está afetando minha saúde ou minha maneira de viver?
06
Quando minhas emoções estão intensas - sejam positivas ou negativas - eu me vejo procurando por comida?
07
Meus comportamentos alimentares fazem a mim ou aos outros infelizes?
08
Já cheguei a usar laxantes, vômitos, diuréticos, excesso de atividade física, medicamentos para controle do apetite, injeções ou intervenções médicas (incluindo cirurgias) para tentar controlar meu peso?
09
Faço jejum ou restrinjo severamente a comida para controlar meu peso?
10
Eu fantasio sobre como a vida seria muito melhor se eu usasse um tamanho diferente ou tivesse outro peso?
11
Eu preciso mascar ou ter algo em minha boca o tempo todo, como comida, chicletes, balas ou bebidas?
12
Já cheguei a comer comida congelada, queimada, estragada, retirada de recipientes no supermercado, ou do lixo?
13
Existem certas comidas que não consigo parar de comer depois de dar a primeira mordida?
14
Já cheguei a perder peso com dietas ou períodos de controle, seguidos por períodos de intenso descontrole com a comida e/ou ganho de peso?
15
Passo muito tempo pensando em comida, discutindo comigo mesmo sobre se comerei e o que comerei, planejando a próxima dieta ou cura através de exercícios físicos, ou contando calorias?
Você respondeu “sim” a várias destas perguntas? Caso tenha respondido, é possível que você tenha ou esteja a caminho de ter um problema de comer compulsivo ou de comer além das suas necessidades. Descobrimos que uma das formas de interromper esta doença progressiva é praticando o programa de recuperação de Doze Passos de Comedores Compulsivos Anônimos. CCA é uma Irmandade de pessoas que, compartilhando experiências, forças e esperanças, estão se recuperando do comer compulsivo. Damos as boas vindas a todos que desejam parar de comer compulsivamente. Não há taxas ou mensalidades para membros; somos autossustentáveis através de nossas próprias contribuições, não solicitando nem aceitando doações de fora. CCA não está afiliado a nenhuma organização pública ou privada, movimento político, doutrina ideológica ou religiosa; não nos posicionamos em a ssuntos externos. Nosso propósito primordial é nos abster de comer compulsivamente e levar a mensagem aos que ainda sofrem.
O CCA é para você? 
Apenas você poderá responder a esta pergunta. Ninguém poderá tomar esta decisão por você. Nós que agora estamos em CCA descobrimos um modo de vida que nos permite viver sem necessitar da comida em excesso. Acreditamos que o comer compulsivo é uma doença progressiva que, assim como o alcoolismo e outras doenças, pode ser detida. Lembre-se que não é vergonha admitir que você tem um problema; o mais importante é fazer algo a respeito.
Reuniões 

Há grupos de CCA espalhados em algumas cidades brasileiras. Em Goiânia temos um grupo de Comedores Compulsivos Anônimos. Nos reunimos todos os sábados das 16:30 às 18:30 e nas terças das 18:30 às 20:00, na Avenida Castelo Branco, nº 905, Setor Coimbra (quase em frente à praça do cigano ou em frente à Pax serviços funerários). Nosso trabalho é autossuficiente e não cobramos nenhum tipo mensalidade. Fone: (62) 8575-6573

Você também pode participar das reuniões On-lines (via internet), no link acima há o passo-a-passo para participar.


Perguntas e respostas mais frequentes

O que é comer por compulsão?
CCA acredita que comer por compulsão é uma doença - uma doença progressiva - que não pode ser curada, mas que, como muitas outras doenças, pode se detida.
Antes de chegar em CCA, muitos comedores compulsivos se consideravam glutões, proscritos sociais na aparência ou apenas claramente sem força de vontade. CCA crê que esta doença pode ser detida se a pessoa estiver disposta a seguir um programa simples que provou ser um sucesso para um número sem fim de comedores compulsivos.
Após reconhecer que comer compulsivamente é uma doença, a força de vontade não está mais envolvida, visto que o comedor compulsivo sofredor perdeu o poder de escolha sobre a comida. O mais importante é encarar os fatos da doença e tirar proveito da ajuda disponível. Tem que haver também o desejo de recuperar-se. Nossa experiência demonstrou que o programa de CCA funciona para aqueles que desejam sinceramente parar de comer compulsivamente; raramente funciona para aqueles que não estão totalmente certos de que querem parar.

O que queremos dizer com "comedor compulsivo"? 
Por definição, "compulsão" significa "um impulso ou sensação de estar sendo levado irresistivelmente a executar alguma ação irracional". Não é somente o quanto comemos que faz de nós o que somos, mas a maneira como nos comportamos em relação à comida. Alguns comedores compulsivos comem em segredo, enquanto outros alternam o empanturramento e o jejum. Entretanto, todos os comedores compulsivos têm uma coisa em comum: são levados, por forças que não compreendem, a comer mais ou menos do que eles precisam, e comem essa comida de formas que não são racionais.

Como posso saber se sou um comedor compulsivo? 
Só você pode decidir.
Muitos membros atuais de CCA ouviram da família, de amigos, e mesmo de médicos, que tudo que eles precisam era um pouco de autocontrole e força de vontade para perder peso e comer normalmente. Acreditando nisso, essas pessoas experimentaram períodos frustrantes de dietas e perda de peso, apenas para recuperar todo o peso perdido e ainda mais. Essas mesmas pessoas finalmente se voltaram para CCA, porque elas sentiram que seus hábitos alimentares as derrotaram, e elas estavam prontas a tentar qualquer coisa para serem libertas da terrível compulsão por comer demais.
Outros, com muito menos peso a perder ou com menos tempo de comer compulsivo, também se voltaram para CCA. Eles descobriram o suficiente sobre o comer compulsivo para reconhecer que se trata de uma doença progressiva.
Em CCA, comedores compulsivos são descritos como pessoas cujos hábitos alimentares têm causado problemas crescentes e contínuos em suas vidas. É preciso enfatizar que apenas a própria pessoa pode dizer se a comida se tornou um problema incontrolável.

Preciso estar com um determinado excesso de peso para vir para o CCA?
Não. A experiência mostra que CCA funciona para quase todos que querem parar de comer compulsivamente, não importando de que tamanho o indivíduo seja.
Algumas pessoas que vêm para o CCA já alcançaram seu peso normal; outras talvez estejam abaixo de seu peso normal. Elas se voltam para o CCA para encontrar um modo de vida em que elas possam viver confortavelmente sem voltar aos hábitos alimentares compulsivos.
Existem tantos graus de excesso de peso quantos são os membros de CCA, variando de peso normal até aqueles que têm dezenas de quilos a perder. Seja qual for o peso, todos tiveram o desejo de parar de comer compulsivamente têm as mesmas vantagens ingressando em Comedores Compulsivos Anônimos. Sua relação em comum está expressa no primeiro passo: "Admitimos que éramos impotentes perante a comida e nossas vidas tinham se tornado ingovernáveis."

Eu falhei em todas as dietas. Como CCA pode prevenir estes "deslizes"?
Ninguém falha em CCA. Enquanto a pessoa quiser continuar voltando às reuniões, a recuperação é possível.
"Deslizes" de voltar ao comer compulsivo não precisam necessariamente acontecer em CCA, mas isso acontece com algumas pessoas. Embora os "deslizes" possam ser breves algumas vezes, eles podem também levar a "farras alimentares" e ganho de peso. Sempre que acontece um "deslize", os membros são encorajados a esforçarem-se por obter toda a ajuda disponível para eles no CCA.
Aqueles que já passaram por esses períodos dizem que um "deslize" acontece devido a causa específicas. Talvez eles tenham esquecido que eram comedores compulsivos e tenham se tornado confiantes demais. Ou talvez tenham se deixado ficar demasiadamente preocupados com negócios ou compromissos sociais para se lembrarem da importância de abster-se de comer compulsivamente. Ou talvez tenham se deixado ficar cansados, afrouxando suas defesas mentais e emocionais. Qualquer que seja a causa, a solução foi encontrada com a prática do programa de recuperação de Doze Passos de Comedores Compulsivos Anônimos.

CCA vai me ajudar com uma dieta?
Para aqueles que buscam a ajuda de uma dieta, CCA recomenda uma consulta a um profissional qualificado. Depois de muitos anos de controvérsias sobre planos alimentares, CCA aprendeu que não é função endossar ou distribuir informações sobre nutrição, guias de saúde e planos alimentares para seus membros. O programa de CCA dá possibilidade aos comedores compulsivos de absterem-se da comida em excesso um dia de cada vez. Comedores Compulsivos Anônimos, entretanto, apóia qualquer membro que queira seguir os conselhos de um profissional sobre nutrição.
CCA não é um clube de dieta. Os membros se recuperam praticando o programa espiritual de CCA. Eles encontram, entre outras coisas, liberdade em relação à obsessão por comida, poder de agir racionalmente em situações difíceis e um modo melhor de viver.

Como CCA pode me ajudar se tenho bulimia ou anorexia?
Todos que decidirem fazer parte de CCA são recebidos com amor e companheirismo. Comedores Compulsivos Anônimos apóia o esforço de recuperação de cada um e aceita qualquer membro que deseja parar de comer compulsivamente.
Quando as pessoas perguntam sobre assuntos médicos, CCA sempre recomenda que eles procurem a orientação de um profissional. Comedores Compulsivos Anônimos publica literatura sobre seu programa e comer compulsivo, e não sobre desordens alimentares específicas como bulimia e anorexia.

Se eu tenho problema de tiróide ou de retenção de líquidos, como CCA pode me ajudar?
CCA recomenda àquelas pessoas que precisam de ajuda para uma condição clínica específica, como problema de tiróide, que consultem um médico qualificado. CCA não dá orientação médica.
Os membros de CCA que sofreram de problemas médicos semelhantes descobriram que o programa de CCA possibilitou-lhe seguir as recomendações médicas com menos dificuldade.

Vocês aconselham o uso de moderadores de apetite durante a perda de peso? 
Comedores Compulsivos Anônimos não pode aconselhar sobre nenhum assunto médico.
A grande maioria de CCAs em recuperação descobriram que eles desenvolvem fortes recursos interiores trabalhando os doze passos. Confiando num Poder maior que moderadores de apetite, eles encontram contínuo sucesso em abster-se de comer compulsivamente.

Um comedor compulsivo não pode usar somente força de vontade para parar de comer excessivamente?
Antes se voltarem para CCA, muitos comedores compulsivos tentaram com todas as forças reduzir sua ingestão de comida e mudar seus hábitos alimentares. Normalmente muitos métodos foram tentados: dietas drásticas, pílulas moderadoras de apetite, diuréticos, injeção de um ou outro tipo. Em outros casos, outros "macetes" para emagrecer também foram tentados: comer apenas nos horários das refeições, cortar as porções de comida pela metade, nunca comer sobremesa, comer de tudo menos doces, nunca comer em segredo, abusar apenas nos fins de semana, pular o café da manhã, nunca comer em pé... a lista poderia se estender indefinidamente.
Claro, cada vez que uma nova tentativa era iniciada ou um novo método era tentado, o comedor compulsivo fazia um juramento solene de "seguir a dieta desta vez e nunca mais sair".
Como essas promessas nunca eram cumpridas, sentimentos de culpa e remorso seguiam-se inevitavelmente.
Através desse tipo de experiência, muitos comedores compulsivos admitiram sua falta de força de vontade para mudar seus hábitos alimentares. Quando eles vieram para CCA, eles admitiram que eram impotentes perante a comida. Se eles não têm força de vontade própria, consequentemente precisam de um Poder maior que eles para ajudá-los a se recuperarem.

O que significa "um Poder Superior a nós mesmos"? 
Antes de ingressar em CCA, muitos comedores compulsivos já haviam percebido que não podiam controlar a sua alimentação. A comida havia se tornado um poder maior que eles.
A experiência de CCA mostrou que, para alcançar a abstinência em relação ao comer compulsivo e manter a recuperação, o comedor compulsivo precisa aceitar e depender de um outro Poder que admita como maior que ele próprio. Alguns comedores compulsivos escolhem interpretações diferentes desse Poder, tal como considerar inicialmente o próprio grupo de CCA como o Poder maior que eles. Entretanto a maioria dos CCAs adotam o conceito de Deus, como Este poder ser entendido pelo próprio indivíduo.

CCA é uma sociedade religiosa?
Não. CCA não é uma sociedade religiosa, visto não requerer nenhuma crença religiosa definida como condição para tornar-se membro. CCA tem entre seus membros pessoas de muitas crenças religiosas assim como ateístas e agnósticos.
O programa de recuperação de CCA é certamente baseado na aceitação de certos valores espirituais. Os membros são livres para interpretar esses valores como acharem melhor, ou não pensar absolutamente neles, se assim o escolherem.
Muitos indivíduos quando chegam a CCA têm suas reservas definidas quanto a aceitar qualquer conceito de um Poder maior que eles. A experiência de CCA mostrou que aqueles que mantiverem a mente aberta sobre este assunto e continuarem vindo às reuniões de CCA não terão dificuldades em achar sua própria solução para este problema tão pessoal.

Não posso parar de comer compulsivamente sozinho apenas lendo a literatura de CCA?
CCA usa a frase "só por hoje" para descrever uma abordagem básica para a recuperação em relação ao comer compulsivo. Não dizemos que não podemos dar mais nenhuma mordida compulsiva enquanto vivermos. Não nos prometemos não comer compulsivamente "amanhã" ou "pelo resto da semana". Nossa experiência anterior nos ensinou que essas promessas nunca funcionaram mesmo, que a compulsão por comer demais provou ser mais poderosa que nossas melhores intenções de não comer em excesso.
Os membros de CCA perceberam que as vinte e quatro horas de hoje são o único período durante o qual eles podem fazer algo. Ontem já passou. Amanhã não chegou ainda. "Mas hoje", o CCA diz, "eu não vou me desviar do meu programa de recuperação. Talvez eu fique tentado a comer demais amanhã, mas amanhã é algo que me preocupará quando chegar. O dia de hoje é tudo que importa".
Juntamente com "só por hoje", CCA enfatiza a importância de três expressões que são freqüentemente ouvidas fora de CCA, também: "simplifique, não complique", "viva e deixe viver", e "as primeiras coisas primeiro". Ao fazer dessas expressões parte fundamental de nossas atitudes perante os problemas da vida diária, somos grandemente ajudados nos nossos esforços de viver com sucesso sem comida em excesso.
O programa de CCA é simplesmente, mas não é fácil. Recuperar-se de um dos mais desconcertantes hábitos compulsivos requer um esforço diligente. Honestidade consigo mesmo, mente aberta e boa vontade são as chaves que abrem a porta para a recuperação.

O que fazer para associar-se a CCA? 
Ninguém se "associa" a CCA no sentido usual da palavra. Não existem fichas de sócios a serem preenchidas. Uma vez que tenhamos ouvido falar em CCA e acreditado que temos um problema alimentar, simplesmente comparecemos a uma reunião local de CCA, de nossa escolha.
Deve-se notar que os membros de CCA não têm que comparecer a um número pré-estabelecido de reuniões durante o período determinado. Alguns membros podem freqüentar uma reunião por semana, enquanto outros preferem vir com mais freqüência, quando têm oportunidade.
O gentil lembrete, "Continue voltando", é baseado na experiência da grande maioria de CCAs que descobriram que sua recuperação é abalada quando eles não vão às reuniões por muito tempo.

Os CCAs têm que freqüentar as reuniões pelo resto de suas vidas? 
Ninguém tem que fazer nada em CCA. Há sempre a escolha entre fazer e não fazer, incluindo a escolha vital entre procurar ou não a recuperação através de CCA.
Acreditando que a alimentação compulsiva é incurável, a grande maioria de CCAs acha importante freqüentar as reuniões regularmente para aliviarem-se dessa compulsão.

Quais são os requisitos para se tornar membro de CCA? 
Não existem "requisitos" no sentido usual da palavra. A terceira tradição diz: "O único requisito para se tornar membro de CCA é o desejo de parar de comer compulsivamente".
Nada mais é perguntado ou exigido de ninguém. A aceitação e a prática do programa de recuperação de CCA fica inteiramente a critério do indivíduo.

Quanto custa se tornar membro de CCA?
Não há obrigações financeiras de nenhuma espécie com relação à associação a CCA. Este programa de recuperação está disponível a todos que quiserem parar de comer compulsivamente, não importando sua condição financeira.

Como CCA se mantém?
A maioria dos grupos locais "passam a sacola" nas reuniões para cobrir as despesas da sala, da literatura, e outras despesas adicionais. Os valores excedentes às despesas do grupo são mandados para o intergrupo, o escritório regional, e o Escritório de Serviço Mundial, cujos serviços aos comedores compulsivos dependem primordialmente dessas contribuições regulares.
CCA sempre foi inteiramente auto-sustentável por meio de suas próprias contribuições regulares.
Não é aceita nenhuma doação de fora.

O que é o Escritório de Serviço Mundial (WSO)?
O WSO é um centro de serviços cuja função principal é levar a mensagem de CCA a um nível mais abrangente alcançando muitos comedores compulsivos que ainda sofrem.
O Escritório de Serviço Mundial publica a literatura de CCA, incluindo "Lifeline", revista mensal de recuperação de CCA. O WSO também envia comunicados regulares a todos os grupos e intergrupos, proporcionando um elo entre eles e deixando-os informados sobre assuntos que dizem respeito a CCA como um todo. De modo a manter estes contatos os grupos, intergrupos e regiões registrados e publica periodicamente revisões das listas de endereços das reuniões.
O Escritório de Serviço Mundial também atua na área de informação pública, respondendo a pedidos dos representantes da mídia, profissionais de saúde, e outros interessados no comer compulsivo e no programa de CCA.
O endereço do Escritório de Serviço Mundial pode ser informado em nossa página de contato ou diretamente em www.oa.org (em Inglês).

Quem dirige o CCA?
O CCA é realmente incomum nisto, pois não tem direção central; apenas um mínimo de organização formal. Não tem escritório ou executivos exercendo poder ou autoridade sobre a Irmandade ou os membros individualmente.
Mesmo na mais informal organização, entretanto, alguns trabalhos têm que ser feitos. Por exemplo, em alguns grupos locais alguém tem que arranjar o local de reunião, responder pelas finanças do grupo, certificar-se de que a literatura adequada sobre CCA esteja disponível, e manter contato com os centros de serviços local, regional e internacional. A nível internacional, as pessoas precisam ser responsáveis pela manutenção e o bom funcionamento do Escritório do Serviço Mundial.
Tudo isso significa que o CCA a nível local, regional e internacional precisa de pessoas responsáveis para executar certas obrigações. É importante compreender que esses membros apenas executam serviços. Eles não tomam decisões individuais, não emitem julgamentos individuais afetando outros grupos ou o CCA como um todo. As pessoas que aceitam essas responsabilidades prestam contas diretamente a quem servem.

O que é o programa de recuperação de Doze Passos?
Os Doze Passos são o coração do programa de recuperação de CCA. Eles oferecem um novo modo de vida que possibilita ao comedor compulsivo viver sem a necessidade de comida em excesso. Os passos são apenas sugestões, baseadas na experiência dos membros
de CCA em recuperação. A experiência mostrou que membros que fazem um esforço sincero para seguir estes passos e aplicá-los na vida diária parecem conseguir muito mais de CCA do que aqueles membros que parecem considerar os passos casualmente.
As idéias expressas nos Doze Passos, que se originaram de Alcoólicos Anônimos, refletem a experiência e a prática de discernimentos espirituais conforme registrado por pensadores em muitas épocas. Sua maior importância reside no fato de que funcionam! Possibilitam que comedores compulsivos e milhares de outros que praticam os Doze Passos levem vidas felizes e produtivas. Eles representam a função sobre a qual CCA foi construído.

Os Doze Passos
Aqui estão os Doze Passos que são sugeridos como um programa de recuperação para o comedor compulsivo:1. Admitimos que éramos impotentes perante a comida - que tínhamos perdido o domínio de nossas vidas.
2. Viemos a acreditar que um Poder Superior a nós mesmo poderia devolver-nos a sanidade.
3. Decidimos entregar nossa vontade e nossa vida aos cuidados de Deus, na forma em que O concebíamos.
4. Fizemos minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos.
5. Admitimos perante a Deus, perante nós mesmos e perante outro ser humano e exata natureza de nossas falhas.
6. Prontificamo-nos inteiramente a deixar que Deus removesse todos esses defeitos de caráter.
7. Humildemente rogamos a Ele que nos livrasse das nossas imperfeições.
8. Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados.
9. Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo significasse prejudicá-las ou a outrem.
10. Continuamos fazendo o inventário pessoal e quando estávamos errados nós o admitimos prontamente.
11. Procuramos, por meio da prece e da meditação, melhorar nosso contato consciente com Deus na forma em que O concebíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade e relação a nós e forças para realizar essa vontade.
12. Tendo experimentado um despertar espiritual graças a estes passos, procuramos transmitir esta mensagem aos comedores compulsivos e por em prática estes princípios em todas as nossas atividades.

" A permissão para usar os Doze Passos de Alcoólicos Anônimos para adaptação foi concedida por A.A. World Services, Inc.

O que significa a "sanidade" mencionada nos Doze Passos?
A palavra sanidade deriva do latim "sanus" que significa "sadio, saudável". A frase latina "mens sana in corpore sano" significa simplesmente "uma mente sadia num corpo sadio".
Muitos CCAs admitiram seu comportamento irracional em relação à comida, no passado. Uma pessoa com mente sadia não iria reincidir em ações que não funcionaram e ainda esperar resultados diferentes. No segundo passo não está implícito que os comedores compulsivos sejam mentalmente perturbados, mas que, no que diz respeito às atitudes e sentimentos com relação à comida, sanidade não pode ser alegada. Ao voltar-se para CCA e expressar o desejo de retornar a um comportamento racional, eles deram um passo para alcançar "uma mente sadia num corpo sadio".

O que são as Doze Tradições? 
As Doze Tradições são meios pelos quais CCA permanece unido por uma causa comum. Estas Doze Tradições representam para o grupo o que os Doze Passos representam para o indivíduo. São os princípios sugeridos para assegurar a sobrevivência e o crescimento dos diversos grupos que estão compreendidos em Comedores Compulsivos Anônimos.
Como os Doze Passos, as Doze Tradições têm sua origem em Alcoólicos Anônimos. Estas tradições descrevem atitudes que aqueles primeiros membros consideraram importantes para a sobrevivência do grupo.
Os membros de CCA asseguram a unidade do grupo, tão essencial para a recuperação individual, praticando as atitudes sugeridas pelas Doze Tradições seguintes.

As Doze Tradições
1. Nosso bem-estar comum deve estar em primeiro lugar; a recuperação individual depende da unidade de CCA.
2. Somente uma autoridade preside, em última análise, o nosso propósito comum - um Deus amantíssimo que se manifesta em nossa consciência coletiva. Nossos líderes são apenas servidores de confiança; não têm poderes para governar.
3. Para ser membro de CCA, o único requisito é o desejo de parar de comer compulsivamente.
4. Cada grupo deve ser autônomo, salvo em assuntos que digam respeito a outros grupos ou a CCA em seu conjunto.
5. Cada grupo é animado por um único propósito primordial - o de transmitir sua mensagem ao comedor compulsivo que ainda sofre.
6. Nenhum grupo de CCA deverá jamais sancionar, financiar ou emprestar o nome CCA a qualquer sociedade parecida ou empreendimento alheio à Irmandade, a fim de que problemas de dinheiro, propriedade e prestígio não nos afastem do nosso objetivo primordial.
7. Todos os grupos de CCA deverão ser absolutamente auto-suficientes, rejeitando quaisquer doações de fora.
8. Comedores Compulsivos Anônimos deverá manter-se sempre não-profissional, embora nossos centros de serviço possam contratar funcionários especializados.
9. CCA jamais deverá organizar-se como tal; podemos, porém, criar juntas ou comitês de serviços diretamente responsáveis perante aqueles a quem prestam serviços.
10. Comedores Compulsivos Anônimos não opina sobre questões alheias à Irmandade; portanto, o nome de CCA jamais deverá aparecer em controvérsias públicas.
11. Nossas relações com o público baseiam-se na atração em vez da promoção; cabe-nos sempre preservar o anonimato pessoal em jornais, no rádio, em filmes, na televisão e em outros meios públicos de comunicação.
12. O anonimato é o alicerce espiritual das nossas tradições, lembrando-nos sempre da necessidade de colocar os princípios acima das personalidades.

" A permissão para usar as Doze Tradições de Alcoólicos Anônimos para adaptação foi concedida por  A.A. World Services, Inc"

O que são os Doze Conceitos?Os Doze Conceitos descrevem a estrutura de serviço de CCA e os princípios espirituais que afetivamente conectam nossos servidores ao seu trabalho e uns aos outros.

Os Doze Conceitos
1. A responsabilidade e a autoridade finais pelos serviços mundiais de CCA recaem na consciência coletiva de toda a Irmandade.
2. Os grupos de CCA delegaram à Conferência de Serviço Mundial a manutenção ativa de nossos Serviços mundiais; por conseguinte, a Conferência de Serviço Mundial é a voz, autoridade e consciência efetiva de CCA como um todo.
3. O direito de decisão, baseado na confiança, torna possível uma liderança efetiva.
4. O direito de participação assegura para todos igualdade de oportunidades no processo de tomada de decisões.
5. Os indivíduos têm o direito de apelação e petição, a fim de assegurar que suas opiniões e queixas pessoais sejam cuidadosamente consideradas.
6. A conferência de Serviço Mundial confiou a Junta de Custódios a responsabilidade principal pela administração de Comedores Compulsivos Anônimos.
7. A Junta de Custódios tem direitos legais e responsabilidades a ela conferidos pelos Estatutos de OA Inc., subparte A; os direitos e responsabilidades da Conferência de Serviço Mundial lhe são conferidos por tradição e pelos Estatutos de OA, subparte B.
8. A Junta de Custódios delegou ao seu Comitê Executivo a responsabilidade de administrar o Escritório de Serviço Mundial.
9. Competentes servidores de confiança, juntamente com métodos apropriados de escolhê-los, são indispensáveis para o funcionamento eficaz do serviço em todos os níveis de serviço.
10. A responsabilidade pelo serviço é equilibrada por cuidadosa definição das atribuições de serviço; desta forma, evita-se a duplicação de esforços.
11.A administração do escritório de serviço Mundial feita pelos Custódios deve sempre ser auxiliada pelos melhores comitês permanentes, equipes executivas e consultores.
12. O fundamento espiritual dos serviços garante que:
a) Os comitês ou juntas de serviço de CCA nunca se tornem sede de perigosa riqueza ou poder.
b) Fundos operacionais suficientes acrescidos de uma ampla reserva sejam o princípio financeiro prudente de CCA.
c) Nenhum membro de CCA seja colocado em posição de autoridade irrestrita.
d) Todas as decisões importantes deverão ser alcançadas depois de discussão, votação e, sempre que possível, por unanimidade substancial.
e) Nenhuma ação de serviço deverá jamais ser pessoalmente punitiva ou uma incitação à controvérsia pública.
f) Nenhum comitê ou junta de serviço de CCA execute qualquer ato de governo e cada um deles permaneça sempre democrático em pensamento e ação.
A permissão para usar os Doze Conceitos de Alcoólicos Anônimos para adaptação foi concedida por A.A. World Services, Inc.

Porque CCA dá tanta ênfase ao "Anonimato"?
Anonimato é essencial dentro da Irmandade, mas de forma alguma impede os membros de saber o último nome de outros membros. Significa que, dentro de cada grupo, os princípios de CCA são colocados acima das personalidades. Anonimato oferece aos membros a certeza de que suas confidências não serão reveladas.
Anonimato também é vital a nível público de jornal, rádio, filmes e televisão. Por essa prática, os membros asseguram-se de que o culto do ego e autoglorificação não serão a destruição da Irmandade de CCA.
Humildade é fundamental para o anonimato. Ao pôr em prática estes princípios, ao abdicar da distinção entre pessoas em favor do bem comum, os membros de CCA asseguram que a unidade de Comedores Compulsivos Anônimos continuará. De acordo com a primeira tradição: "A recuperação pessoal depende da unidade de CCA"... e anonimato é essencial para a preservação desta unidade.



Contato do CCA nacional: contato@comedorescompulsivos.org.br Fone (21) 2532-5174