sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

O Efeito do Consumo de Óleo de Coco nos Fatores de Risco Cardiovascular


O Efeito do Consumo de Óleo de Coco nos Fatores de Risco Cardiovascular: Uma Revisão Sistemática e Meta-Análise de Ensaios Clínicos

Abstrato

Antecedentes: O óleo de coco é rico em gordura saturada e pode, portanto, aumentar as concentrações séricas de colesterol, mas efeitos benéficos em outros fatores de risco cardiovascular também foram sugeridos. Portanto, realizamos uma revisão sistemática do efeito do consumo de óleo de coco nos lipídios no sangue e outros fatores de risco cardiovascular em comparação com outros óleos de cozinha, usando dados de ensaios clínicos.

Métodos: Pesquisamos PubMed, SCOPUS, Cochrane Registry e Web of Science até junho de 2019. Selecionamos estudos que compararam os efeitos do consumo de óleo de coco com outras gorduras que duraram pelo menos 2 semanas. Dois revisores selecionaram independentemente os artigos, extraíram os dados e avaliaram a qualidade do estudo de acordo com as diretrizes do PRISMA (itens de relatório preferenciais para revisões sistemáticas e meta-análises). Os principais desfechos incluíram colesterol de lipoproteína de baixa densidade (colesterol LDL), colesterol de lipoproteína de alta densidade (colesterol HDL), colesterol total, triglicerídeos, medidas de gordura corporal, marcadores de inflamação e glicemia. Os dados foram agrupados usando meta-análise de efeitos aleatórios.

Resultados: 16 artigos foram incluídos na metanálise. Os resultados estavam disponíveis em todos os ensaios com lipídios no sangue, 8 ensaios com peso corporal, 5 ensaios com porcentagem de gordura corporal, 4 ensaios com circunferência da cintura, 4 ensaios com glicemia plasmática em jejum e 5 ensaios com proteína C reativa. O consumo de óleo de coco aumentou significativamente o colesterol LDL em 10,47 mg / dL (IC 95%: 3,01, 17,94; I 2 = 84%, N = 16) e o colesterol HDL em 4,00 mg / dL (IC 95%: 2,26, 5,73; I 2= 72%, N = 16) em comparação com os óleos vegetais não tropicais. Esses efeitos permaneceram significativos após a exclusão de ensaios não randomizados ou de baixa qualidade (escore de Jadad <3 adiposidade="" afetou="" coco="" com="" compara="" consumo="" de="" e="" em="" glicemia="" inflama="" leo="" leos="" marcadores="" n="" o="" os="" p="" significativamente="" tropicais.="" vegetais="">

Conclusões: O consumo de óleo de coco resulta em colesterol LDL significativamente mais alto que os óleos vegetais não tropicais. Isso deve informar as escolhas sobre o consumo de óleo de coco.

INTRODUÇÃO

Dietas ricas em ácidos graxos saturados aumentam as concentrações plasmáticas de colesterol lipoproteína de baixa densidade (LDL-colesterol) e podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares (DCVs) em comparação com os ácidos graxos poliinsaturados.

A popularidade do óleo de coco aumentou nos últimos anos devido aos seus supostos efeitos à saúde, embora a gordura de coco contenha cerca de 90% de gordura saturada e as diretrizes alimentares geralmente recomendem a restrição  ingestão de gordura saturada.

Um argumento comum a favor do consumo de gordura de coco é que ele é composto por ácidos graxos de cadeia média (MCFAs).

Os MCFAs são rapidamente absorvidos pela veia porta e, portanto, podem desempenhar um papel mais importante como fonte de energia via oxidação beta do que na síntese do colesterol.

No entanto, o ácido láurico (12: 0), que compreende cerca de metade  dos ácidos graxos totais do óleo de coco e é quimicamente classificado como um AGCM, pode não atuar biologicamente como outro AGCM.

O ácido láurico é amplamente absorvido e transportado pelos quilomícrons, semelhante aos ácidos graxos de cadeia longa.

Além disso, cerca de 25% da gordura de coco consiste no ácido graxo saturado de cadeia longa.

2 ácidos ácido mirístico (14: 0) e ácido palmítico (16: 0). 

Resultados de ensaios clínicos sobre os efeitos do consumo de óleo de coco no perfil lipídico foram misturados com alguns resultados de estudos de 6 a 8, mas não todos, 9 a 21, sugerindo que o consumo de gordura de coco reduz os níveis séricos de colesterol em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

Além das concentrações lipídicas, o óleo de coco tem sido sugerido para aliviar a inflamação, melhorar a homeostase da glicose e reduzir a gordura corporal.

Em uma meta-análise de rede sobre o consumo de diferentes gorduras e lipídios no sangue, o óleo de coco não alterou significativamente o colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais, mas essa análise incluiu apenas 6 ensaios com óleo de coco.

Além disso, a meta-análise de rede  não avaliaram o impacto de diferentes gorduras em outros fatores de risco para DCV. 

Portanto, realizamos uma revisão sistemática e atualizamos meta-análises de ensaios clínicos para avaliar os efeitos do consumo de óleo de coco em comparação com os óleos vegetais com baixo teor de gordura saturada e gorduras trans (óleos vegetais não tropicais) e outras gorduras para cozinhar sobre fatores de risco cardiovascular.

DISCUSSÃO

Em nossa meta-análise de ensaios clínicos, o consumo de óleo de coco aumentou significativamente as concentrações de colesterol total, LDL-colesterol e HDL-colesterol em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

Óleo de coco também aumentou significativamente as concentrações de colesterol total e LDL-colesterol em comparação com o óleo de palma (outro óleo tropical com ≈50% de gordura saturada vs ≈90% de gordura saturada no óleo de coco).

O consumo de óleo de coco não alterou significativamente a proteína C-reativa, as concentrações de glicose em jejum ou as medidas de gordura corporal em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

O efeito hipercolesterolêmico da ingestão de óleo de coco é provavelmente atribuído ao seu alto teor de gordura saturada.

Em uma recente análise de meta-regressão, o ácido láurico, o ácido mirístico e o ácido palmítico, que juntos constituem cerca de 70% do óleo de coco, aumento do colesterol LDL significativamente comparado com a ingestão de carboidratos.

O aumento de 10,47 mg / dL no colesterol LDL resultante da substituição de óleos vegetais não tropicais por óleo de coco pode resultar em um aumento de 6% no risco de eventos vasculares principais e um aumento de 5,4% no risco de mortalidade por doença coronariana (CC ).

Da mesma forma, a substituição de 5% da ingestão de energia da gordura saturada por gordura poliinsaturada (a gordura predominante na maioria dos óleos vegetais não tropicais) tem sido associada a 13% e 10% a menos de risco  de CHD em estudos epidemiológicos e ensaios clínicos, respectivamente.

Nossos resultados sobre os efeitos adversos do óleo de coco, em comparação com os óleos de cozinha alternativos, nas concentrações de LDL-colesterol, estão alinhadas com recomendações alimentares para substituir gordura saturada com gordura poliinsaturada. 

De acordo com nossos achados, autores de uma revisão sistemática anterior de 8 estudos que não incluíram uma meta-análise concluíram que o óleo de coco aumentou o colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais e que não havia evidências convincentes para apoiar o consumo.  de óleo de coco sobre óleos vegetais não tropicais para redução do risco de DCV.

Em uma meta-análise de rede comparando múltiplas gorduras de cozinha, o óleo de coco não aumentou significativamente o colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

A meta-análise de rede pode teoricamente fortalecer a base de evidências como resultado da combinação de comparações diretas e indiretas, embora essa abordagem não esteja isenta de possíveis vieses.

No entanto, os autores da metanálise da rede incluíram apenas 6 ensaios com óleo de coco em comparação com a nossa análise que incluiu 16 ensaios que compararam o óleo de coco com óleos vegetais não tropicais e 4 ensaios com óleo de palma.

A busca pela metanálise da rede foi realizada até março de 2018 e três novos ensaios foram publicados desde então.

Além disso, os autores excluíram ensaios de alimentação seqüencial não-dominados e ensaios de suplementos de óleo encapsulados.

O menor número de ensaios em óleo de coco incluídos na metanálise da rede pode, portanto, ter reduzido seu poder estatístico.

O consumo de óleo de coco aumentou as concentrações de HDL-colesterol em comparação com os óleos vegetais não tropicais em nossa meta-análise.

Esse resultado é consistente com a constatação de que a ingestão de gordura saturada, particularmente o ácido láurico, que é o principal ácido graxo do óleo de coco, aumenta o colesterol HDL mais do que a gordura poliinsaturada, a gordura monossaturada e os carboidratos.

Maior HDL-col  - as concentrações de colesterol têm sido consistentemente associadas a um menor risco de doença coronariana em estudos epidemiológicos.

No entanto, descobertas recentes de pesquisas colocam dúvidas sobre a causalidade dessa associação.

Nas análises aleatórias mendelianas, o HDL-colesterol circulante mais alto como resultado do polimorfismo de nucleotídeo único no gene da lipase endotelial ou um escore genético combinando polimorfismos de nucleotídeo único em diferentes alelos que aumentam o colesterol HDL não foram associados ao risco de infarto do miocárdio.

Além disso, tratamentos farmacológicos que aumentam o colesterol HDL, como niacina ou fibratos, não diminuíram o risco de mortalidade por doença coronariana, infarto do miocárdio ou derrame.

Esses resultados desafiam a noção de que o aumento do colesterol HDL necessariamente se traduzirá em  uma redução de risco em eventos cardiovasculares.

Em contraste com o HDL, o papel do LDL na promoção das DCV ateroscleróticas tem sido consistentemente demonstrado com base em achados de estudos randomizados mendelianos e em diferentes tratamentos para redução do colesterol LDL.

A aparente falta de causalidade para as concentrações de HDL-colesterol na DCC levou à hipótese de que a composição heterogênea de apolipoproteínas do HDL possa afetar o transporte reverso de colesterol de maneira diferente.

Um mecanismo cardioprotetor potencial da gordura não saturada da dieta em comparação com a gordura saturada é o aumento  em subespécies de HDL contendo apolipoproteína E, que demonstrou facilitar todas as etapas do transporte reverso de colesterol.

Portanto, embora a ingestão de gordura saturada aumente mais as concentrações de HDL do que a gordura não saturada, concentrações médias de HDL podem não ser eficazes  em refletir a função HDL ou risco de doença coronariana.

Os defensores do consumo de óleo de coco argumentam que a DCV é incomum entre as populações que consomem coco como alimento básico, como as populações de Pukapukans e Tokeelauan, que obtêm 34% e 63%, respectivamente, da ingestão diária de energia do coco.

Indivíduos toquelauanos  os que migraram para a Nova Zelândia apresentaram níveis mais altos de colesterol total, colesterol LDL e colesterol HDL do que aqueles que permaneceram em Tokelau, apesar de terem uma menor ingestão de gordura saturada.

No entanto, esses achados devem ser tratados com cautela, pois  da natureza observacional e ecológica dos estudos com alto potencial de confusão pelas dietas tradicionais dessas populações, geralmente contendo grandes quantidades de peixe e baixa quantidade de alimentos processados.

A substituição do óleo de palma pelo óleo de coco também aumentou significativamente as concentrações de LDL-colesterol, o que pode refletir o maior teor de gordura saturada no óleo de coco do que o óleo de palma.

O contraste no colesterol LDL entre o óleo de coco e o óleo de palma era pelo menos tão grande quanto ao óleo de coco versus óleos vegetais não tropicais.

Isso foi inesperado porque o óleo de palma aumenta significativamente as concentrações de colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

No entanto, devido às diferenças nas características dos desenhos e populações do estudo, os efeitos da substituição do óleo de coco por diferentes óleos de controle não podem  ser facilmente comparado.

Identificamos apenas 1 estudo elegível que comparou manteiga com óleo de coco.

Neste estudo, o óleo de coco reduziu significativamente o colesterol LDL e aumentou o colesterol HDL em comparação com a manteiga, apesar da maior proporção de gordura saturada no óleo de coco.

No entanto, esse resultado deve ser tratado com cautela, pois foi baseado em um único estudo  e apenas gorduras para cozinhar foram fornecidas aos participantes, em vez de refeições preparadas, o que pode ter reduzido a adesão.

Foi sugerido que os polifenóis no óleo de coco não refinado podem ser benéficos para melhorar a inflamação e a homeostase da glicose.

A maioria dos estudos incluídos em nossa metanálise não relatou os tipos de óleo de coco usados.

No entanto, 2 estudos usaram óleo de coco extra-virgem orgânico, 2 estudos usaram óleo refinado, branqueado e desodorizado, 1 estudo utilizou óleo de coco fracionado, e 1 estudo utilizou óleo de coco filtrado obtido pressionando  polpa de coco desidratada.

Devido às informações limitadas, não conseguimos realizar análises estratificadas pelos tipos de óleo de coco utilizados.

Em nossa meta-análise, as estimativas para estudos que utilizaram um delineamento cruzado randomizado ou estudos realizados em populações ocidentais eram relativamente homogêneas.

Os ensaios cruzados não são afetados por características imperfeitamente equilibradas dos participantes no braço de intervenção e controle.

Além disso, os outros tipos de testes tiveram maior probabilidade de ter tamanhos menores de estudo, doses mais baixas de óleo de coco e fornecimento de cápsulas ou óleos de cozinha apenas em vez de todas as refeições.

Essas características do estudo pode ter contribuído para uma maior heterogeneidade nos resultados de estudos que utilizam ensaios de alimentação paralelos e sequenciais ou estudos realizados em populações não ocidentais.

Os resultados de nossa meta-análise não apoiam as alegações de benefícios do consumo de óleo de coco para aliviar a inflamação, melhorias na homeostase da glicose ou redução da adiposidade.

Em um estudo cruzado randomizado em 45 adultos saudáveis ​​da Malásia, o óleo de coco aumentou significativamente o leucotrieno B4 pró-inflamatório em comparação com o azeite e não afetou os índices de trombogenicidade.

Em 9 homens indianos saudáveis, os níveis da molécula-1 de adesão intercelular solúvel em pró-inflamatória e nos níveis de metaloproteinase da ma- trix foram significativamente reduzidos.  após uma intervenção com óleo de coco, mas não após uma intervenção com óleo de amendoim.

No entanto, o pequeno tamanho da amostra, o desenho sequencial não randomizado e o status não cego dos participantes limitam as interpretações desses resultados.

Comparados aos triglicerídeos de cadeia longa, os triglicerídeos de cadeia média podem reduzir o peso e a gordura corporal como resultado do aumento da oxidação gordurosa e do gasto energético aumentado pela ativação do sistema nervoso simpático.

No entanto, os triglicerídeos de cadeia média utilizados nesses estudos  consistem principalmente em ácidos graxos caprílico (8: 0) ou caprico (10: 0), que constituem apenas ~ 7% e ~ 5% respectivamente no óleo de coco, em vez de ácido láurico, o principal ácido graxo do óleo de coco.

Várias limitações potenciais de nossa meta-análise precisam ser consideradas.

Primeiro, vários dos ensaios clínicos incluídos tiveram um desenho, conduta e apresentação de dados ruins, e esses ensaios de baixa qualidade podem ter introduzido vieses em nossos resultados.

No entanto, restringir a análise a estudos randomizados, estudos com cegamento ou estudos de maior qualidade com base no escore de Jadad não alterou substancialmente os achados do nosso estudo.

Observamos uma sugestão de viés de publicação para os efeitos do óleo de coco no HDL-colesterol, mas não para os efeitos de outros lipídios no sangue.  Isso pode ser atribuído ao acaso ou a outras características do estudo relacionadas ao tamanho da amostra, mas não podemos excluir completamente a possibilidade de que o viés de publicação tenha afetado nossos resultados.

Nossa meta-análise concentrou-se em fatores de risco intermediários da doença e não nos pontos finais da doença.

No entanto, até onde sabemos, nenhum estudo prospectivo ou ensaio clínico avaliou o consumo de óleo de coco em relação à incidência de DCV. 

O pequeno número de estudos em vários estratos nas análises de subgrupos pode ter contribuído para estimativas imprecisas e uma falta de poder estatístico para detectar a modificação do efeito.

Da mesma forma, o número modesto de ensaios e o fato de nem todos garantirem a conformidade, fornecendo todas as refeições, pode ter reduzido nosso poder estatístico para uma análise dose-resposta.

Mais evidências de estudos de coorte e ensaios clínicos sobre o efeito do consumo de óleo de coco em eventos cardiovasculares são, portanto, desejáveis.

Nossos resultados levantam preocupações sobre o alto consumo de óleo de coco, porque aumentou significativamente LDL-colesterol em comparação com óleos vegetais não tropicais. 

Enquanto a ingestão de óleo de coco também aumentou as concentrações de HDL-colesterol, os esforços para reduzir o risco de DCV, aumentando o HDL-colesterol, não foram bem-sucedidos.  

Também não houve evidência de benefícios do óleo de coco em relação aos óleos vegetais não tropicais para adiposidade ou marcadores glicêmicos e inflamatórios.

Portanto, o óleo de coco não deve ser visto como um óleo saudável para reduzir o risco de DCV e limitar o consumo de óleo de coco devido ao seu alto teor de gordura saturada é necessário.

“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho
EndoNews: Lifelong Learning

Perspectiva clínica O que há de novo?

 • Em uma meta-análise de 16 ensaios, o consumo de óleo de coco aumentou significativamente as concentrações de colesterol da lipoproteína de baixa densidade (LDL) em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

 • Embora o consumo de óleo de coco também tenha aumentado as concentrações de colesterol das lipoproteínas de alta densidade (HDL), os esforços para reduzir o risco de doenças cardiovasculares ao aumentar o colesterol HDL não foram bem-sucedidos.

 • Não houve evidência de benefícios do óleo de coco em relação aos óleos vegetais não tropicais para adiposidade ou marcadores glicêmicos e inflamatórios.

 Quais são as implicações clínicas?

 • Apesar da crescente popularidade do óleo de coco por causa de seus supostos benefícios à saúde, nossos resultados levantam preocupações sobre o alto consumo de óleo de coco.

 • O óleo de coco não deve ser visto como um óleo saudável para reduzir o risco de doenças cardiovasculares e limitar o consumo de óleo de coco devido ao seu alto teor de gordura saturada é necessário.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Consistência é mais importante que perfeição

Começo de ano o consultório lota de pacientes querendo mudar de vida em 2020. A grande maioria tem empolgação pra dar e vender, transbordam força de vontade até antes da páscoa. 

Entretanto a maioria perde o ritmo e acabem fraquejando. 

Fraquejar em mudanças de hábitos é normal, aceitável. Não é crime e nem sinal de fraqueza. E em partes um dos principais fatores que atrapalham esse engajamento seja a busca por uma perfeição.

Quando se trata de mudança de hábitos, a Constância é muito mais importante que a perfeição. 

Melhor um "feito" que um perfeito. 

Final do ano o Dr. Bruno Halpern, um endocrinologista que admiro muito, postou as seguintes palavras na sua página do facebook.


Termino meus atendimentos no consultório em 2019 com mais uma reflexão a respeito do final de ano e desejando a todos um excelente final de ano. 

👉Falei em outra postagem que “todo ano tem final de ano” e não podemos deixar que esse período arruíne nossos esforços do resto do ano. Porém é necessário também entender que comemorações são algo positivo e pequenas escapadas, sem perder totalmente o controle, não podem ser fonte de arrependimento. 

👉Recebi muitos pacientes que se frustram com essas escapadas nessa época do ano com perdas de peso “menores do que queriam”, como se precisássemos ser sempre perfeitos, ou que não pudéssemos aproveitar festas e confraternizações! 

👉Num bom programa de perda de peso, muito mais importante do que nunca sair da linha é seguir uma direção: há pessoas que querem fazer tudo perfeito e logo se cansam e largam tudo. Mais importante é se permitir algumas saídas e excessos, mas manter um ritmo. Melhor sempre perder de forma consistente, consulta após consulta, que perder muito de início e logo desacelerar pois perdeu o pique. 

👉Porém, não vejam essa postagem como uma “carta branca”, apenas como um ajuste de expectativas: lembrem que a maioria das pessoas ganha bastante peso essa época do ano (e tem dificuldade de perder depois) e, portanto manter o peso já é um excelente resultado

Óleo de coco elevando colesterol LDL quando comparado aos outros óleos vegetais


Uma meta-analise (compilação de dados) de 16 estudos randomizados (o melhor tipo de evidência), recém-publicada na prestigiada revista Circulation, aumenta o grau de evidência que já tínhamos que o uso de óleo de coco (rico em gordura saturada, principalmente o ácido láurico) como substituto de óleos vegetais comuns (como oliva, soja, linhaça, canola, que contém mais gorduras insaturadas) está associado a um aumento médio de 10,5 mg/dL do LDL, o colesterol ruim, sabidamente associado a maior risco de doenças cardiovasculares (apesar de alguns “gurus” dizerem o contrário por aí). 

👉Sim, é verdade que o óleo de coco também aumenta em 4mg/dL o HDL, o colesterol bom, mas ainda não temos evidências de nenhum estudo que aumentar o HDL reduza o risco de doenças cardiovasculares, provavelmente pois não é apenas a quantidade e sim a qualidade desse colesterol que seja importante (e há evidências que gorduras saturadas poderiam piorar a qualidade destes). 

👉Esse aumento de LDL pode não ser tão significativo, a princípio, mas o importante aqui é discutir que essa meta-análise não mostra nenhum outro dos alegados benefícios do óleo de coco (ex: glicemia, peso, inflamação) e portanto trocar óleos vegetais por ele por questões de saúde não faz o menor sentido, o que não significa que, em pratos específicos em que ele seja gostoso, não possa ser consumido! No estudo, o óleo de coco se comportou pior inclusive que o óleo de palma (dendê) conhecido por sua alta carga de gordura saturada. 

👉Lembro também que outras meta-análises já mostraram que substituir gorduras saturadas (como a do coco, mas também de animais) por insaturadas está associada a menor risco de doenças cardiovasculares; no entanto, trocar gorduras saturadas por carboidratos não traz benefícios. 

Isso é importante pois não estou aqui condenando gorduras em geral e incentivando excesso de carboidratos , mas sim mostrando que há gorduras melhores que outras, e que a evidência ligando excesso de colesterol a risco cardiovascular é fortíssima, ao contrário do que alguns extremos low-carb, ou até defensores de dietas carnívoras, advogam! 

Ref: Neelakantan, Circulation 2020

Fonte: https://www.facebook.com/DrBrunoHalpern/photos/a.614298932033894/1770073666456409/?type=3&theater

Ar condicionado e obesidade - Causas não-óbvias - Por Dr. Bruno Halpern


Nesse calorão dos últimos dias, em que não conseguimos ficar longe de um ar-condicionado, me lembrei de um artigo que citava causas não óbvias do aumento da obesidade no mundo, e uma dessas causas seria o uso de ar-condicionado.

👉Como o ar-condicionado poderia “engordar”? Na verdade existem evidências que ficarmos em ambientes com pouca variação de temperatura possa reduzir nosso gasto energético, visto que não precisamos nos ajustar nosso corpo às diferentes temperaturas. Porém, o ponto principal que se discute é que o calor reduz bastante o apetite, e aí ficarmos em temperaturas confortáveis tendemos a comer mais. Um recente estudo comprovou essa teoria ao mostrar que pessoas ao redor dos 26-27graus comiam 357 kcal a menos que pessoas a 19-20 graus.
👉Por outro lado, ficar em ambientes mais frios, principalmente ao dormir, poderia também ativar nosso tecido adiposo marrom e aumentar o gasto energético, mas o grande problema é q o frio aumenta o apetite!
👉Claro que essa influência, individualmente pode ser pequena, mas é mais uma prova que o aumento da obesidade no mundo tem várias causas complexas, algumas mais importantes que outras, e o que o ambiente engordativo vai muito além do excesso de oferta de comida e redução do exercício, mas passa também pelo nosso conforto térmico!

Ref: Richardson, et al. Effects of indoor thermal environment on human food intake... Obesity 2018; Keith, et al. Putative contributors to the secular obesity epidemics:exploring the road less travelled. Int J Obes 2006

'É normal fracassar na dieta': quem são e o que pregam as nutricionistas que se opõem a dietas restritivas

Vale a pena ler a reportagem na íntegra: https://www.bbc.com/portuguese/geral-50690775?fbclid=IwAR37K3nubXvvQfO1ZX21OjLOoCpox7tSSV7q2ElzbKOR9ISN-hyeKNPBvG0#

Janeiro Branco


Tenho observado nos últimos 8 anos um aumento absurdo no consultório de pacientes com diagnóstico de algum transtorno psiquiátrico. E muitos me perguntam se a Nutrologia/Nutrição poderiam auxiliar nesses casos. Sim, pode, mas sempre como adjuvante ao tratamento psicoterápico e psiquiátrico.

No meu site na parte Profissionais que indico tem uma lista de Psicólogos e Psiquiatras que indico de olhos fechados. Excelentes profissionais. Portanto se você está procurando auxílio profissional, dê uma olhada na lista. https://www.nutrologogoiania.com.br/profissionais-que-indico/

Por que eu estar repassando essa lista? Por conta do Janeiro Branco. A campanha Janeiro Branco consiste em uma campanha dedicada a convidar as pessoas a pensarem sobre suas vidas, o sentido e o propósito das suas vidas, a qualidade dos seus relacionamentos e o quanto elas conhecem sobre si mesmas, suas emoções, seus pensamentos e sobre os seus comportamentos. Dedica-se também a colocar os temas da Saúde Mental em máxima evidência no mundo em nome da prevenção ao adoecimento emocional da humanidade.

A campanha também visa sensibilizar as mídias, as instituições sociais, públicas e privadas, e os poderes constituídos, públicos e privados, em relação à importância de projetos estratégicos, políticas públicas, recursos financeiros, espaços sociais e iniciativas socioculturais empenhadas(os) em valorizar e em atender as demandas individuais e coletivas , direta ou indiretamente, relacionadas aos universos da Saúde Mental.

#PorUmaCulturaDaSaúdeMental

Uma campanha dedicada a mostrar às pessoas – e à sociedade – que os seres humanos são seres de conteúdos psicológicos e subjetivos, que suas vidas, necessariamente, são estruturadas em torno de questões mentais, sentimentais, emocionais, relacionais e comportamentais, sendo, portanto, imperioso e necessário, que a subjetividade humana possua lugar de destaque em nossa cultura e em nossos cotidianos, sob pena de sermos vítimas de nós mesmos e de quem despreza as próprias necessidades psicológicas e as necessidades psicológicas alheias.

Uma Campanha pensada, planejada e projetada para a promoção de Saúde Emocional nas vidas de todos os indivíduos que compõe a humanidade, buscando estratégias políticas, sociais e culturais para que o adoecimento emocional seja prevenido, conhecido e combatido em todos os campos, esferas, dimensões e espaços em que o humano se faz presente.

Uma Campanha que está dando certo.

Uma Campanha que, por meio dela em todo o Brasil e em outros países, cidadãos, psicólogos e demais profissionais (da saúde ou não), estão se mobilizando para levar mensagens e reflexões aos indivíduos e às instituições às quais esses mesmos indivíduos encontram-se entrelaçados: “quem cuida da mente, cuida da vida”; “quem cuida das emoções, cuida da humanidade”; “quem cuida de si, já cuida do outro”; “sem psicoeducação não haverá solução”; “autoconhecimento: isso também tem a ver com a sua saúde mental”; “o que você não resolve em sua mente, o corpo transforma em doença”; “saúde mental pressupõe políticas públicas” e várias outras orientações, dicas e reflexões que têm o poder de chamar a atenção de todos para os cuidados consigo, com os outros e, também, para a importância das lutas por políticas públicas em defesa da Saúde Mental de todos.

O mundo tem pedido isso e nós, psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais e demais cidadãos brasileiros envolvidos pelo Janeiro Branco, nos propusemos a atender a esse chamado e a esse pedido de ajuda por parte da humanidade.

Sim – ações, orientações e reflexões a respeito das condições e características emocionais dos seres humanos mudam e salvam vidas.

Isso se chama Psicoeducação e o Janeiro Branco nasceu para isso, por amor à humanidade, senso de responsabilidade social, senso de dever profissional e pura solidariedade humanística.

Porque há sofrimentos que podem ser prevenidos. Dores que podem ser evitadas. Violências que podem ser impedidas, cuidadas ou reparadas. Exemplos que podem ser partilhados. Ensinamentos que podem ser difundidos em nome de povos mais saudáveis e mais bem resolvidos em termos emocionais. Por um mundo melhor e uma humanidade com mais amor e mais responsabilidade em relação a si mesma e em relação a cada uma das suas partes.

Os 5 objetivos da Campanha Janeiro Branco:

1 – Fazer do mês de Janeiro o marco temporal estratégico para que todas as pessoas e instituições sociais do mundo reflitam, debatam, conheçam, planejem e efetivem ações em prol da Saúde Mental e do combate ao adoecimento emocional dos indivíduos e das próprias instituições;

2 – Chamar a atenção de todo o mundo para os temas da Saúde Mental e da Saúde Emocional nas vidas das pessoas;

3 – Aproveitar a simbologia do início de todo ano para incentivar as pessoas a pensarem a respeito das suas vidas, dos seus relacionamentos e do que andam fazendo para investirem e garantirem Saúde Mental e Saúde Emocional em suas vidas e nas vidas de todos ao seu redor;

4 – Chamar a atenção das mídias e das instituições sociais, públicas e privadas, para a importância da promoção da Saúde Mental e do combate ao adoecimento emocional dos indivíduos;

5 – Contribuir, decisivamente, para a construção, o fortalecimento e a disseminação de uma “cultura da Saúde Mental” que favoreça, estimule e garanta a efetiva elaboração de políticas públicas em benefício da Saúde Mental dos indivíduos e das instituições.

Como o Janeiro Branco pode ajudar as pessoas?

1 – Colocando os temas da Saúde Mental e da Saúde Emocional em máxima evidência na sociedade.

2 – Construindo, fortalecendo e disseminando uma “cultura da Saúde Mental” na humanidade.

3 – Contribuindo para a valorização da subjetividade humana e o combate ao adoecimento emocional das pessoas.

4 – Contribuindo para o desenvolvimento e a disseminação do conceito de ‘psicoeducação’ entre as pessoas e as instituições sociais.

5 – Contribuindo para o desenvolvimento e a valorização de políticas públicas relativas aos universos da Saúde Mental em todo o mundo.

Princípios básicos da Campanha Janeiro Branco

1 – As ações em nome da Campanha e no contexto da Campanha serão todas de forma gratuita, totalmente sem fins lucrativos.

2 – Não serão cobrados, nem será feita publicidade, de valores simbólicos, “valores sociais”, nenhum tipo de cobrança para os participantes das ações em nome da Campanha.

3 – Para confecção de materiais de divulgação, as pessoas envolvidas poderão conseguir ajuda de gráficas e pessoas interessadas a doar os materiais para a Campanha.

4 – O que tem sido feito todo ano é uma “vaquinha” solidária e voluntária entre os profissionais para a compra dos materiais de divulgação (ou busca de ‘apoios’ e ‘patrocínios’ como ocorre em Congressos): balões brancos com tema da campanha, laços brancos com alfinetes, banners, panfletos etc. e cada profissional comprou sua camiseta da campanha.

5 – Custo de deslocamento, alojamento e alimentação para as palestras e demais ações é de responsabilidade dos palestrantes ou das instituições que os convidam, por isso, antes de se disponibilizar para dar palestras em nome do Janeiro Branco e no contexto da Campanha, observar se o deslocamento e todos os custos serão possíveis dentro da gratuidade da colaboração prestada à Campanha.

6 – O Janeiro Branco é uma Campanha dedicada a promover a psicoeducação das pessoas e das instituições, promovendo a Saúde Mental e combatendo o adoecimento emocional dos indivíduos e instituições por meio de debates, reflexões, mini palestras, palestras relâmpago, rodas de conversa, oficinas, caminhadas, corridas, piqueniques, cineclubes, entrevistas à mídia, murais de poesias, distribuição de balões brancos, panfletos, fitas brancas e várias outras formas de ações e intervenções urbanas que tenham como tema central a Saúde Mental, a Saúde Emocional, a valorização da subjetividade humana, a criação de uma cultura da Saúde Mental entre os seres humanos (a nível individual, institucional, social e coletivo), a valorização de políticas públicas em nome da Saúde Mental, a valorização da Saúde Mental no SUS e nas redes públicas e privadas de saúde no Brasil e no mundo.

7 – A Campanha Janeiro Branco é uma Campanha gratuita, democrática, horizontal, espontânea, desburocratizada, descentralizada, social, solidária, voluntária, inclusiva, laica, humanista, apartidária, multidisciplinar, transdisciplinar, colaborativa e caracterizada pela pluralidade e diversidade de temas, direta ou indiretamente, ligados aos universos da Saúde Mental e Emocional dos seres humanos e suas instituições.

8 – O Janeiro Branco respeita, aplaude e reverencia todas as lutas e conquistas dos movimentos passados e atuais relativos ao universo da Saúde Mental – seu papel é ampliar e aprofundar as estratégias de comunicação com a humanidade a respeito desses temas, conforme o Outubro Rosa o fez com a temática da “prevenção ao câncer de mama”, por exemplo.

9 – A Campanha Janeiro Branco nasceu em Minas Gerais e a metáfora do TREM a identifica: psicólogos(as) são a locomotiva da Campanha que, em sua integralidade e por seu caráter multidisciplinar e transdisciplinar, também possui inúmeros vagões a constituí-la com a necessária e oportuna participação de outros cidadãos e profissionais capazes de enriquecer as suas potencialidades e possibilidades em relação ao universo da Saúde Mental e Emocional dos indivíduos e instituições.

10 – A Campanha Janeiro Branco está sempre em construção. Toda colaboração ao seu crescimento, desenvolvimento, amadurecimento e enriquecimento é extremamente bem-vinda. Manifeste-se e engate novos vagões temáticos ao TREM DA SAÚDE MENTAL que partiu de Minas Gerais com destino ao mundo.

Fonte: http://janeirobranco.com.br/projeto-janeiro-branco/

Ministério da Agricultura libera o registro de mais 36 agrotóxicos genéricos

O Ministério da Agricultura aprovou hoje o registro de 36 defensivos agrícolas genéricos, conforme consta no Diário Oficial da União (DOU), no ato 91, do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária. 

Destes, quatro são biológicos ou orgânicos. Assim, desde janeiro, o Ministério da Agricultura liberou o registro de 474 agrotóxicos, sendo 94,5% genéricos. 

A pasta explica em seu site que os defensivos genéricos contêm ingredientes ativos que já estavam presentes em outros produtos existentes no mercado, mas cuja patente expirou. 

Depois que uma patente expira, "outras empresas podem registrar novos produtos à base do princípio ativo". 

Felicitações Nutrológicas para 2020


quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

5 dias pro Natal e já tem paciente se martirizando...

5 dias pro Natal e já tem paciente se martirizando... Aproveitem as festas. Divirtam-se e comam de forma consciente.

Felicitações


Minha gratidão a todos vocês que acompanham esse blog desde 2010. Que sempre comentam, mandam mensagens via comentários ou redes sociais. Vocês que me motivam a continuar escrevendo e compartilhando informações de qualidade.

Desejo a todos um Feliz Natal e um excelente 2020.

Abraço

Dr. Frederico Lobo


quinta-feira, 14 de novembro de 2019

14 de Novembro - Dia Mundial do Diabetes

O Brasil tem 17 milhões de adultos (entre 20 e 79 anos) convivendo com o diabetes, o equivalente a 11,4% da população nessa faixa etária. Os dados são 9º Atlas de Diabetes, produzido pela IDF (Federação Internacional de Diabetes).

Desde o último levantamento da entidade, feito em 2017, o aumento de casos no Brasil foi de 31%. Isso coloca o país na lista das dez nações que apresentaram maior elevação de casos da doença no mundo todo —estamos em quinto lugar, atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Paquistão.

Globalmente, a estimativa do documento é que 463 milhões de adultos sejam diabéticos, com cerca de 32 milhões de casos na América Central e do Sul. A diabetes tipo 2, em que há uma resistência à insulina (diferente da tipo 1, em que o corpo deixa de produzir o hormônio por perder as células beta do pâncreas), é responsável por até 90% dos casos.

O mapeamento ainda identificou que existem 38 milhões a mais de pessoas vivendo com diabetes em todo o mundo em comparação com o último Atlas. Para os estudiosos, é um indício importante do crescimento de casos da doença.

A pesquisa ainda estima que 95.800 crianças e adolescentes menores de 20 anos conviviam com a diabetes tipo 1 no Brasil —índice que coloca o país em terceiro lugar no ranking mundial, depois de EUA e Índia.

Custos da doença e mortalidade

Quando não tratado ou controlado, o diabetes pode causar diversas complicações à saúde, especialmente para o sistema cardiovascular, com comprometimento tanto de pequenos vasos (microvascularização) como dos grandes (macrovascularização).

Os cuidados com a saúde de quem convive com a doença, claro, impactam na economia das famílias e do país. A despesa médica anual com esses pacientes ficou em US$ 3.117, a mais alta na América do Sul. A entidade estima que, até 2030, o gasto com diabetes na região aumente em 15,3%.

No quesito mortalidade, o Brasil novamente assume a liderança com 135.200 mortes causadas por complicações da diabetes —o número corresponde a 55,6% dos óbitos registrados na América do Sul, um total de 243.200 adultos entre idades de 20 a 79 anos.

Os dados ainda dão conta de que a mortalidade é maior entre homens (122.200) do que em mulheres (121.000), e que os números são maiores em países de renda média em comparação às nações consideradas de alta renda.

Obesidade como fator de risco

De acordo com o Manual MSD, a obesidade e o aumento de peso são fatores importantes para o desenvolvimento de resistência à insulina, provocando a diabetes tipo 2.

Nesse quesito, o Brasil já havia demonstrado dados igualmente preocupantes. A pesquisa Vigitel 2018, preparada pelo Ministério da Saúde, mostrou que entre 2006 e 2018 o número de obesos no Brasil aumentou em 67,8%.

O crescimento do índice foi maior justamente entre os adultos, nas faixas de 25 a 34 anos (84,2%) e 35 a 44 anos (81,1%).

Mas nem todos os números são desanimadores. A pesquisa revelou ainda um aumento de 15,5% no consumo de frutas e hortaliças entre 2008 e 2018; e um crescimento de 25,7% na prática de exercícios físicos. Houve ainda uma queda de 54,4% no consumo de bebidas açucaradas e refrigerantes entre adultos.

A população também aumentou sua consciência em relação à própria saúde. Os cerca de 40% de entrevistados que receberam o diagnóstico de diabetes demonstraram ter maior conhecimento sobre suas necessidades e sentiram-se estimulados a procurar o serviço de saúde para iniciar o tratamento o quanto antes.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Alimentação e prevenção de Alzheimer

Enquanto algumas pessoas herdam genes que aumentam a probabilidade de desenvolver algum tipo de demência, muitas têm a oportunidade de reduzir substancialmente seus riscos adotando um estilo de vida saudável, sugere a Organização Mundial de Saúde (OMS), em relatório divulgado neste ano. E, tão importante quanto manter corpo e mente ativos, a alimentação tem papel fundamental na prevenção do Alzheimer.

Em todo o mundo, cerca de 50 milhões de pessoas têm demência e, com um novo caso surgindo a cada três segundos, esse número, com o envelhecimento da população, tende a triplicar até 2050. O Alzheimer, tipo mais comum, representa entre 60% e 70% dos casos. Causa e cura ainda são desconhecidas, e os principais avanços científicos são no sentido de mapear comportamentos e intervenções para retardar ou prevenir o declínio cognitivo.

Se, por um lado, a idade é o fator de risco mais forte, por outro, a demência não é uma consequência natural ou inevitável do envelhecimento. Na verdade, estudos recentes demonstraram, segundo a OMS, uma relação entre o comprometimento cognitivo e hábitos como inatividade física, uso de álcool e tabaco e dietas não saudáveis, assim como certas condições médicas, como colesterol alto, diabetes, hipertensão e obesidade.

“Hoje sabemos que o estilo de vida pode proteger ou aumentar o risco de ter demências e que em torno de um terço dos casos podem ser preveníveis”, afirma Celene Queiroz Pinheiro de Oliveira, geriatra e diretora da Associação Brasileira de Alzheimer - Regional São Paulo (ABRAz-SP). “Nesse quesito, a nutrição tem um papel central”, ressalta.

Nelson Iucif Junior, diretor do Departamento de Geriatria da Associação Brasileira de Nutrologia, não só corrobora com a importância da boa alimentação como mostrará evidências científicas que sugerem uma forte relação entre flora intestinal e saúde do cérebro na palestra "Microbiota e Doença de Alzheimer", no 23º Congresso Brasileiro de Nutrologia, de 26 a 28 de setembro, em São Paulo.

Ele explica que, conforme envelhecemos, naturalmente aumenta o grau de inflamação (“inflammaging”) orgânica, que é agravado com doenças como aterosclerose (formação de placas de gordura na parede das artérias do coração), disbiose (intestino preso) e isquemia (diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea): “Isso aumenta a permeabilidade intestinal de tal forma que substâncias agressivas passam para a corrente sanguínea e vão atingir o cérebro, facilitando o desencadeamento de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer”.

Qual a melhor dieta para a prevenção do Alzheimer?

Muitos estudos tratam do assunto, pontua a geriatra. O mais importante deles, o WW Fingers, conduzido na Finlândia em 2013 e agora com desdobramentos para vários países, mostra que a dieta mediterrânea, a prática de exercícios regulares e o controle rigoroso de diabetes, colesterol alto e hipertensão arterial reduziram em 31% a manifestação de demências num grupo de 1.200 pessoas de 60 a 77 anos de idade, seguidas por dois anos.

Há pesquisas que mostram que a dieta dash (para hipertensão) é forte aliada também na prevenção de Alzheimer, assim como a dieta mind, que une as duas (dash e mediterrânea) e incorpora ao cardápio substâncias neuroprotetoras e antioxidantes para combater o declínio cognitivo. “O fato é que não existe um alimento mágico e um alimento matador”, lembra o nutrólogo. “É o conjunto da alimentação que faz toda a diferença.”

Coloque no seu cardápio para prevenir o Alzheimer:

  • Vegetais, com ênfase nos folhosos e verdes;
  • Fibras e cereais integrais;
  • Frutas;
  • Gorduras boas, como as presentes no azeite, nos óleos vegetais e nas oleaginosas, mas não abuse, já que são calóricos;
  • Peixes, aves e carnes magras (limitada a 2 vezes por semana);
  • Azeite de oliva;
  • Leite e derivados, para quem não tem intolerância.

Use com moderação:

  • Carnes vermelhas gordurosas e embutidos;
  • Álcool, “o uso constante em doses altas é extremamente tóxico para o organismo, incluindo o cérebro”; o consumo elevado, segundo a ABRAz (≥38 g/dia ou 23 drinques/semana), aumenta em 10% o risco de desenvolver demência.

Tire do seu cardápio para a prevenção do Alzheimer:

  1. Comidas industrializadas;
  2. Fast foods e frituras;
  3. Embutidos;
  4. Bolos, bolachas recheadas e produtos que contém gorduras trans.


Fonte: https://institutomongeralaegon.org/longevidade-e-saude/saude-fisica/prevencao-do-alzheimer?fbclid=IwAR0DHpfig0CDkYUQK8sRLdJ0vlYBn9QFf8AUyISPe_gRQZsnW8c-6TlKmPg

Alimentar-se fora de casa pode favorecer obesidade

Um estudo inédito feito em cinco países, incluindo o Brasil, analisou o conteúdo energético das refeições servidas em restaurantes fast food com os restaurantes de serviço à La Carte e o comparou com os índices dos Estados Unidos. 

Segundo uma das pesquisadoras envolvidas, Professora Dra. Vivian Suen Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP) e médica nutróloga da ABRAN (Associação Brasileira de Nutrologia), 94% das refeições de serviço completo e 72% das refeições de fast food continham 600 quilocalorias ou mais. 

O estudo não é uma defesa aos restaurantes fast food, mas a pesquisadora destaca que o tamanho das porções mesmo quando se trata de comida saudável, deve ser levado em consideração como um alerta no combate à obesidade.

“Consumir as porções atuais de um restaurante tradicional e uma refeição de fast food diariamente forneceria entre 70% e 120% da energia diária que um indivíduo precisa. Isso é o aporte energético suficiente para uma mulher sedentária, sem refeições adicionais como bebidas, lanches, aperitivos ou sobremesas”, declara.

O alto conteúdo energético da alimentação consumida fora de casa tanto nas refeições de serviço completo quanto nos fast foods é um fenômeno generalizado que provavelmente está aumentando a epidemia global de obesidade – considerado maior problema de saúde pública do mundo.

Os resultados dos dados da investigação apontaram que a quantidade de calorias medida em refeições em restaurantes no Brasil, Gana, Índia e Finlândia não foi significativamente diferente dos valores altos relatados anteriormente para os EUA. Apenas a China teve os valores inferiores aos dos EUA. As refeições de fast food continham significativamente menos energia do que as refeições dos restaurantes de serviço completo.

Vivian pondera: “A consistência dos resultados obtidos na pesquisa nos países analisados sugere que o alto conteúdo energético de refeições preparadas fora de casa, em geral, e não apenas nas redes de fast food, pode ser um importante contribuinte para a epidemia global da obesidade e uma meta potencialmente impactante para as intervenções de saúde pública”.

O estudo intitulado, “Measured energy content of frequently purchased restaurant meals: multi-country cross sectional study” (Mensuração do conteúdo energético das refeições mais pedidas em restaurantes: um estudo comparativo entre países), financiado pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), analisou 223 refeições selecionadas aleatoriamente, 111 menus completos e restaurantes de fast food populares no Brasil, China, Finlândia, Gana e Índia. 10 refeições de cinco cantinas foram estudadas na Finlândia. Para elaborar esta pesquisa estiveram envolvidos pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP), Instituto de Saúde Pública e Nutrição Clínica da Finlândia, Departamento de Alimentação e Nutrição da Universidade da Georgia, Escola de Ciência e Nutrição da Universidade de Boston; Laboratório de Biologia Molecular do Instituto de Genética e Desenvolvimento da Academia Chinesa de Pequim, Instituto de Biologia e Desenvolvimento Científico da Inglaterra, Departamento de Medicina, Endocrinologia e Nutrição Clínica da Finlândia e do Centro de Excelência em Evolução Animal e Genética da Academia Chinesa de Ciências.

O estudo: https://www.bmj.com/content/bmj/363/bmj.k4864.full.pdf

Fonte: http://abran.org.br/2019/01/16/estudo-aponta-que-refeicoes-fora-de-casa-contribuem-com-aumento-da-obesidade/

Benefícios dos queijos brancos: Queijo minas, cottage e ricota:

Os queijos brancos são ótimas opções para quem deseja manter uma alimentação equilibrada.

Versáteis, podem aparecer no café da manhã, no lanche e nas saladas. E ainda são cheios de nutrientes: proteína, cálcio, vitaminas e minerais, por exemplo.

O médico Durval Ribas Filho, nutrólogo e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), explica que todas as versões desse alimento podem ser interessantes para a saúde. “Mas vale lembrar que os queijos brancos têm menos gordura que os amarelos, portanto, são mais indicados para quem tem o objetivo de emagrecer”, diz. 

Esse é o caso do queijo minas, do cottage e da ricota. Abaixo, você descobre as características de cada um desses queijos brancos.

Cottage 

Esse queijo se parece com uma pasta em pedaços, sendo mais macio e de sabor mais marcante.

É bastante indicado para quem quer seguir uma dieta mais light. “Ele possui uma quantidade menor de calorias em comparação com o queijo minas e a ricota e também menos gorduras”, afirma Durval. 

Por conter menos leite em sua composição, apresenta menor quantidade de cálcio. Também ajuda a equilibrar a flora intestinal.

Uma fatia e meia (50 g) de queijo cottage tem, em média:

  • 46 calorias
  • 2,15 g de gorduras
  • 186 mg de sódio 
  • 41,3 mg de cálcio

Queijo minas frescal

De consistência mais mole e úmida que os outros, é o mais calórico das três opções, mas você encontra no mercado versões com menor teor de gordura. Apesar de apresentar um número maior de calorias, o queijo minas pode fazer parte de uma dieta balanceada porque não deixa de ser uma boa fonte de proteínas e cálcio.

É importante destacar que o queijo minas frescal não é a mesma coisa que o queijo minas padrão (queijo minas curado ou pasteurizado). O frescal, mais branquinho e macio, forma soro. Já o minas padrão é seco e firme.

Em uma porção de 50 g de queijo minas frescal você encontra:

  • 132 calorias
  • 10,1 g de gorduras
  • 150 mg de sódio 
  • 289 mg de cálcio

Ricota

Essa é a opção que contém menos sódio, além de teor de gordura e colesterol mais baixo.  “A ricota é feita com o soro do queijo e não diretamente do leite. É uma excelente fonte de cálcio e vitaminas A, B, D e E. Ajuda a fortalecer os ossos, prevenindo a osteoporose”, detalha Durval.

Uma porção de 50 g de ricota apresenta:

  • 70 calorias
  • 4,0 g de gorduras
  • 141 mg de sódio 
  • 126 mg de cálcio


Fonte: https://cuidai.com.br/queijo-minas-cottage-ricota-queijos-brancos/

Consumo de carne vermelha e risco cardiovascular

Estudos observacionais sugerem que a ingestão de carne vermelha está associada ao aumento do risco de doença cardiovascular (DCV), enquanto que essa associação não foi observada com o consumo regular de aves. 

Por outro lado, fontes de proteínas vegetais e padrões alimentares vegetarianos parecem ser cardioprotetores, um achado apoiado por uma revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados que mostram diminuição do colesterol LDL (0,16 mmol/L), colesterol não HDL (0,18 mmol/L) e apolipoproteína B (apoB) (0,05g/L) quando a proteína animal é substituída pela proteína da planta.

Como é sabido que os ácidos graxos saturados da dieta (AGSs) aumentam as concentrações plasmáticas de colesterol LDL, geralmente se supõe que o conteúdo de AGS da carne vermelha contribui para sua associação com o risco de DCV. Essa suposição é apoiada pela falta de diferenças significativas no colesterol total, no colesterol LDL e no colesterol HDL em ensaios clínicos randomizados, em que a carne vermelha magra (carne bovina, suína ou cordeiro) em comparação com frango/ave magra foi consumida como parte de um dieta com baixo AGS (7 a 11% da energia total [E]).

Efeitos equivalentes da carne vermelha comparada à carne branca nos lipídios e lipoproteínas plasmáticos também foram relatados em metanálises de ensaios clínicos randomizados, embora esses resultados não tenham sido avaliados em relação ao teor de AGS das dietas.

Em resumo, até o momento não houve avaliação sistemática da interação potencial da fonte de proteína na dieta e do conteúdo de AGS nas concentrações de colesterol LDL e nas medidas aterogênicas relacionadas às lipoproteínas, incluindo níveis de partículas de lipoproteínas.

OBJETIVOS DO ESTUDO

O objetivo principal do presente ensaio clínico (Animal and Plant Protein and Cardiovascular Health: APPROACH) foi testar as diferenças nos efeitos das lipoproteínas de dietas nas quais a principal fonte de proteína é a carne vermelha, em comparação com dietas com conteúdo total de proteína semelhante de carne branca (aves) ou fontes de proteínas vegetais, e para determinar se esses efeitos foram modificados comparando a alta com a baixa ingestão de AGS.

MÉTODOS

Homens e mulheres geralmente saudáveis, 21 a 65 anos, índice de massa corporal de 20 a 35 kg/m2, foram aleatoriamente designados para 1 de 2 grupos paralelos (alto ou baixo AGS) e, em cada um, alocados em carne vermelha, carne branca, e dietas proteicas sem carnes consumidas por 4 semanas cada uma em ordem aleatória. Os desfechos primários foram LDL-colesterol, apolipoproteína B (apoB), partículas pequenas + médias de LDL e colesterol total / alta densidade de lipoproteínas.

RESULTADOS

A análise incluiu participantes que completaram todas as três atribuições de proteína na dieta (61 para alto AGS; 52 para baixo AGS). O colesterol LDL e a apoB foram maiores com carne vermelha e branca do que com dieta sem carne, independentemente do teor de AGS (P <0 0="" a="" afetados="" ags="" alta="" ao="" apob:="" apob="" aumento="" aumentou="" baixo="" branca.="" carne="" colesterol="" com="" compara="" culas="" da="" de="" densidade="" devido="" diferiram="" dio="" e="" em="" enquanto="" entre="" exceto="" fonte="" foram="" grande="" grandes="" independente="" isso="" ldl="" lipoprote="" m="" n="" na="" nas="" o="" ocorreu="" os="" p="" para="" part="" pela="" pequeno="" prim="" principalmente="" prote="" respectivamente="" resultados="" rios="" sem="" significativamente="" todos="" total="" vermelha="">

CONCLUSÕES

Os resultados estão de acordo com as recomendações que promovem dietas com alta proporção de alimentos à base de plantas, mas, com base nos efeitos de lipídios e lipoproteínas, não fornecem evidências para a escolha de carne branca em vez de vermelha para reduzir o risco de DCV.

Este estudo foi registrado no Clinicaltrials.gov como NCT01427855. Am J Clin Nutr 2019; 110: 24–33.

Estudo: http://abran.org.br/new/wp-content/uploads/2019/09/abran_artigo_20092019.pdf

Fonte: http://abran.org.br/2019/09/20/efeitos-da-ingestao-de-carne-vermelha-branca-ou-proteinas-vegetais-no-risco-de-doenca-cardiovascular/

Pular café da manhã e efeito no metabolismo energético e no ritmo diurna da glicemia de jovens saudáveis

As atuais estratégias terapêuticas para a obesidade se concentraram principalmente no desequilíbrio entre gasto energético e consumo de energia, mas o tempo das refeições também foi estudado como um fator que controla o peso corporal. A refeição consumida após um jejum noturno, ou seja, café da manhã, é frequentemente descrita como “a refeição mais importante do dia”, e acredita-se que contribua para uma boa saúde e nutrição, fornecendo nutrientes essenciais no início do dia.

Revisões sistemáticas, incluindo uma metanálise, sugerem que é globalmente observada uma associação positiva entre pular o café da manhã e estar com sobrepeso ou obesidade, independentemente das diferenças culturais entre os países. O efeito térmico dos alimentos após o café da manhã é maior do que após o almoço e o jantar, e isso sugere a possibilidade de que o gasto energético acumulado durante 24h (gasto energético de 24 horas) seja afetado pelas diferenças nos hábitos alimentares diários: tomar café da manhã ou pulando o café da manhã. No entanto, estudo anterior não observou nenhum efeito de pular o café da manhã no gasto energético de 24 horas, e outro estudo relatou um ligeiro aumento no gasto energético de 24 horas após o pulo do café da manhã em comparação com um padrão de três refeições. Tomados em conjunto, os resultados dos estudos de calorimetria estritamente controlada não enfatizaram a ligação epidemiológica entre pular o café da manhã e aumentar o peso corporal.

O desalinhamento das refeições com o relógio biológico está associado a um maior risco de obesidade e diabetes tipo 2. Os efeitos de pular o café da manhã no perfil de glicose de 24 horas foram avaliados usando um sistema de monitoramento contínuo de glicose (CGMS), mas os resultados são inconsistentes; a glicose média de 24 horas foi aumentada ao pular o café da manhã em estudo anterior, enquanto a curva glicêmica em 24 horas em outro estudo não foi diferente entre pular o café da manhã e três refeições. Na tentativa de obter uma melhor compreensão da dinâmica glicêmica, métodos avançados de análise de séries temporais foram desenvolvidos. A análise de flutuação diluída (DFA) da dinâmica glicêmica revelou que reduzir e interromper o tempo sentado com atividade intermitente de intensidade de luz pode desempenhar um papel na manutenção do controle glicêmico. É possível, portanto, que os efeitos de pular o café da manhã na dinâmica glicêmica em uma condição de vida livre possam ser diferentes daqueles observados quando um indivíduo permanece em uma câmara metabólica.

Uma maneira plausível de esclarecer os efeitos de pular o café da manhã no metabolismo energético e no controle glicêmico é avaliar os efeitos de pular repetidamente no café da manhã, em vez dos efeitos de um único incidente de pular o café da manhã.

OBJETIVOS DO ESTUDO

A hipótese do estudo foi de que pulos repetidos no café da manhã e comportamento sedentário afetam o metabolismo energético e a flutuação glicêmica. Observe que o período de intervenção da refeição de 6 dias como o período limite superior do CGMS. Assim, o objetivo do estudo foi esclarecer a influência de 6 dias consecutivos de pular o café da manhã no metabolismo energético e no controle glicêmico de jovens saudáveis ​​do sexo masculino, além de alterar a composição corporal como desfechos secundários.

MÉTODOS

Dez homens jovens participaram de 2 ensaios (com ou sem café da manhã) que duraram 6 dias consecutivos, ambos foram realizados com uma semana de intervalo com um desenho repetido de medidas. Durante a intervenção da refeição, a glicemia de cada indivíduo foi medida usando o sistema de monitoramento contínuo de glicose. Se o café da manhã era ignorado, os participantes faziam grandes refeições no almoço e no jantar, de modo que a ingestão de energia em 24 horas era idêntica à da condição de 3 refeições. Às 22h, do quinto dia, os indivíduos entraram em uma câmara respiratória do tamanho de uma sala, onde permaneceram por 33 horas, e foram instruídos a realizar um comportamento sedentário.

RESULTADOS

Os níveis de glicose foram semelhantes entre as 2 refeições durante os primeiros 5 dias de intervenção, mas a glicemia às 23h foi maior na condição de pular o café da manhã do que na condição de 3 refeições. Pular o café da manhã elevou a resposta glicêmica pós-prandial após o almoço no primeiro dia de intervenção. No sexto dia, não houve diferenças significativas no gasto energético de 24 horas e na oxidação do substrato. Quando os indivíduos permaneceram em uma câmara metabólica, o nível de atividade física diminuiu significativamente, a estabilidade glicêmica deteriorou-se levemente e a glicemia média ao longo de 24 h foi maior no ensaio de pular o café da manhã do que no ensaio de 3 refeições.

CONCLUSÕES

O estilo de vida sedentário e o pulo repetido no café da manhã causaram flutuações anormais de glicose, enquanto o metabolismo energético de 24 horas permaneceu inalterado.

Registro de Ensaio Clínico: Este estudo foi registrado em http://www.umin.ac.jp/english/ como UMIN000032346.

Am J Clin Nutr 2019; 110: 41–52.

O estudo: http://abran.org.br/new/wp-content/uploads/2019/09/abran_artigo_27092019.pdf

Fonte: http://abran.org.br/2019/09/27/existe-relacao-entre-pular-o-cafe-da-manha-e-aumentar-o-peso-corporal/

Uma Lei para alertar sobre os riscos do uso excessivo de telas na infância


Iniciativa é da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS). Assim como a indústria do cigarro passou a ser obrigada a alertar sobre os riscos do tabagismo com dizeres nas embalagens, fabricantes de celular poderão, em breve, ter a obrigação de dispor de um alerta nos seus equipamentos. O objetivo é informar os males que o uso excessivo de telefones celulares, televisão e tablets causam no desenvolvimento da criança.

A iniciativa é da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) e a proposta será apresentada em forma de Projeto de Lei pelo deputado estadual Pedro Pereira. A intenção é fazer um projeto de lei para que, em todas as embalagens de dispositivos eletrônicos vendidos, tenha uma etiqueta com a recomendação de um uso moderado - principalmente durante a infância. A medida permitirá orientar a sociedade sobre os perigos do uso excessivo e indicar qual é o tempo máximo ideal que as crianças podem ficar expostas a essas tecnologias.

O anúncio oficial do Projeto de Lei será feito no primeiro dia de atividades do 39º Congresso Brasileiro de Pediatria (CBP) que acontece de 9 a 12 de outubro na FIERGS, reunindo cerca de sete mil participantes, em Porto Alegre (RS).

Justificativa

Os benefícios e prejuízos das tecnologias é um foco de atenção de todos os profissionais que lidam com as questões da saúde durante a infância e a adolescência. Estudos científicos comprovam que a tecnologia influencia comportamentos através do mundo digital, modificando hábitos na infância que podem causar prejuízos e danos à saúde física e mental dos jovens, com impacto em diversos aspectos.

A neurociência comprovou, através de exames de Ressonância Magnética, que o uso excessivo de telas prejudica o desenvolvimento cerebral das crianças. Por isso, elas não devem ser expostas de forma precoce a dispositivos eletrônicos.

Por outro lado, o celular tornou-se uma alternativa fácil aos pais, já que poupa o esforço que eles fariam com brincadeiras ou contando histórias, por exemplo. Tendo acesso a vídeos, cores e canções que ajudam na distração das crianças, os responsáveis passaram a usar esse artifício desde muito cedo, em bebês de poucos meses, o que prejudica o período da aquisição da linguagem e da estrutura psíquico-social, que ocorre principalmente nos dois primeiros anos de vida. É claro que é necessário conviver com os avanços da tecnologia e saber tirar proveito deles, mas não se pode esquecer que, durante o processo de formação da criança, é muito importante que ela receba estímulos através de canções de ninar, histórias contadas pelos pais e brincadeiras que gerem algum tipo de interação, pois é essa troca de estímulos que vai fazer com que o seu desenvolvimento seja saudável.

É comprovado que o uso excessivo de dispositivos eletrônicos prejudica a qualidade do sono: crianças e adolescentes que ficam muito tempo conectados dormem menos e dormem mal. O contato com as telas dentro de uma ou duas horas antes de dormir induz à insônia e à dificuldade de iniciar o sono, isso é decorrente do alto estímulo visual que a luz azul provoca. A baixa qualidade do sono, por sua vez, provoca outros problemas de saúde, como a obesidade, alterações de humor (ansiedade e depressão), déficit de atenção e diminuição do rendimento escolar.

O tempo que jovens e crianças dedicam às telas suprime o tempo que eles poderiam ter dedicado a atividades lúdicas, esportivas e de interação com outras pessoas. Isso é um fator que provoca o sedentarismo, que, junto à obesidade, contribui para o surgimento de futuras doenças cardiovasculares e diabetes.

Evidências científicas mostram que o tempo de conexão excessivo das crianças e da família afetam a convivência, o diálogo e as suas relações interpessoais, alterando a qualidade do vínculo e a dinâmica familiar - pontos que são muito importantes para o desenvolvimento saudável de uma criança. Inclusive existem pesquisas em que crianças afirmaram achar que os pais preferem o celular a elas, causando um sentimento de carência e exclusão por serem deixadas de lado.

Além de todos os danos que os dispositivos eletrônicos podem causar à saúde, existem também os impactos causados pelos conteúdos das mídias. Alguns conteúdos mais violentos podem estimular condutas agressivas, antissociais e autolesivas. Também existem evidências científicas sobre a relação do uso excessivo de redes sociais com depressão e problemas de autoestima.

Portanto, é muito importante que os pais saibam dos impactos que o uso excessivo de dispositivos eletrônicos tem no desenvolvimento das crianças e, a partir disso, possam controlar da melhor forma o tempo que seus filhos ficam conectados às telas.

Helena Muller
Cristina Targa Ferreira
Sergio Amantea
Diretoria SPRS

Os efeitos de uma dieta baseada em vegetais ricos em inulina na saúde intestinal e no comportamento nutricional


Efeitos de uma dieta baseada em vegetais ricos em inulina na saúde intestinal e no comportamento nutricional em humanos saudáveis

Por vários anos, a microbiota intestinal tem sido apontada como um ecossistema atraente que desempenha um papel fundamental na fisiologia do hospedeiro. Alterações da composição intestinal microbiana têm sido associadas a uma ampla variedade de condições, como obesidade, diabetes tipo 2, doença inflamatória intestinal, autismo e distúrbios comportamentais. Na dieta, alguns carboidratos não digeríveis, chamados prebióticos, são fermentados pela microbiota intestinal, conferindo assim benefícios potenciais à saúde. Foi demonstrado que a suplementação dietética com frutanos purificados do tipo inulina (ITFs) exerce efeitos positivos na saúde em humanos, como melhora da permeabilidade intestinal, diminuição da massa gorda, aumento da produção de peptídeos de incretina no intestino que atuam na saciedade e melhora no controle do apetite. No entanto, pouco se sabe sobre o efeito da ITF no comportamento e no apetite, ao considerar o consumo de vegetais naturalmente ricos em ITF. Além disso, dados recentes sugerem que a fermentação da fibra alimentar pode levar ao desconforto intestinal, principalmente em pacientes com síndrome inflamatória intestinal.

Surpreendentemente, apenas alguns estudos tentaram analisar o impacto de prebióticos que ocorrem naturalmente em produtos alimentícios na composição e função da microbiota intestinal e na tolerância gastrointestinal. Os ITFs ocorrem principalmente nas raízes das plantas, como alcachofra-girassol , alho-poró ou cercefi, onde atuam como um polímero de armazenamento e de preservação do estresse.

OBJETIVOS DO ESTUDO

Neste estudo, foi desenvolvido um protocolo para uma intervenção dietética diária que durou 2 semanas com vegetais ricos em ITF para atingir uma ingestão mínima de pelo menos 9 g ITF/d em voluntários saudáveis. O objetivo do estudo foi avaliar o efeito da intervenção nutricional na composição e atividade da microbiota intestinal, ingestão de nutrientes, comportamento relacionado a alimentos e sintomas gastrointestinais. A composição da microbiota intestinal estava relacionada aos sintomas gastrointestinais. Também foi avaliada a persistência dos efeitos 3 semanas após a conclusão da intervenção alimentar.

MÉTODOS

Um único grupo de estudos composto por 26 indivíduos saudáveis. Durante duas semanas, os participantes foram instruídos a aderir a uma dieta controlada baseada em vegetais ricos em ITF (fornecendo uma ingestão média de 15 g ITF/d). Foram organizados três dias de teste: antes e após a intervenção nutricional e três semanas após o retorno à dieta habitual. Foram avaliados a ingestão de nutrientes, comportamento alimentar, composição da microbiota fecal, fermentação microbiana e sintomas gastrointestinais.

RESULTADOS

As principais modificações microbianas durante a intervenção foram uma proporção aumentada do gênero Bifidobacterium, um nível reduzido de Clostridiales não classificados e uma tendência para diminuir as Oxalobacteraceae. Essas alterações foram revertidas três semanas após a intervenção. Os voluntários mostraram maior saciedade, um desejo reduzido de comer alimentos doces, salgados e gordurosos e uma tendência para aumentar as atitudes hedônicas em relação a alguns vegetais ricos em inulina. Apenas episódios de flatulência foram relatados durante a intervenção na dieta, enquanto o desconforto intestinal, inversamente associado ao Clostridium cluster IV e Ruminococcus callidus, foi melhorado ao final da intervenção.

CONCLUSÕES

Um maior consumo de vegetais ricos em ITF permite um aumento substancial de fibras alimentares bem toleradas, o que por sua vez pode melhorar o comportamento relacionado aos alimentos. Além disso, leva a modificações benéficas da composição e função da microbiota intestinal.

Este estudo está registrado em clinictrial.gov como NCT03540550. Am J Clin Nutr 2019; 109: 1683–1695.


sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Déficit de vitamina B12 na população com diabetes tipo 2

Um assunto pouco falado entre pessoas com diabetes e mesmo no consultório do endocrinologista é a deficiência de vitamina B12.

Esse é um nutriente fundamental para a formação dos glóbulos vermelhos do sangue e necessário para o bom funcionamento dos nervos e do cérebro. Sua carência está associada, portanto, a anemia, neuropatia (doença que acomete os nervos do corpo) e até demência.

As principais fontes de vitamina B12 na dieta são leite, ovos, fígado, carne de porco, atum, salmão e truta. Porém, para ser absorvida lá no intestino, ela precisa se ligar a uma proteína produzida pelo estômago.

A carência dessa vitamina é muito mais comum em pessoas com diabetes tipo 1 e também com diabetes tipo 2, mas por mecanismos diferentes.

Pessoas com diabetes tipo 1 têm um risco cinco vezes maior de ter deficiência de vitamina B12. Isso se deve ao fato de que o sistema imunológico delas chega a destruir as células do estômago que produzem a tal da proteína que se liga ao nutriente e permite sua posterior absorção. Como eu disse, sem a proteína, a vitamina não é aproveitada pelo organismo direito.

Tem mais: quem tem diabetes tipo 1 encara uma maior probabilidade de ter doença celíaca — condição inflamatória e autoimune que se agrava com a ingestão de glúten. A associação da doença celíaca com o diabetes, por sua vez, aumenta a propensão à deficiência da vitamina B12.

Com o diabetes tipo 2 a história é outra. O problema isoladamente não eleva o risco de faltar B12 no organismo. A questão está na metformina, medicamento usado para tratar a resistência à insulina e controlar os níveis de glicose no sangue.

Falamos de um remédio com mais de 60 anos de história e prescrito a praticamente toda pessoa com diabetes tipo 2. Entre seus efeitos colaterais, ele está ligado a uma diminuição na absorção intestinal de vitamina B12. Isso não é motivo para largar o tratamento, por favor. Mas pede atenção!

Tanto quem tem diabetes tipo 1 como indivíduos com o tipo 2 devem ter seus níveis de vitamina B12 avaliados periodicamente. Deficiências podem ser corrigidas com mudanças na dieta e suplementação a critério médico.