quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Por que é tão fácil engordar?


sábado, 5 de outubro de 2013

Europa discute o uso de substâncias que afetam o sistema hormonal

Publicado originalmente no Le Monde (5/10/2013)

É um caso tão polêmico que agora está nas mãos do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso. Assim, sua conselheira científica, Anne Glover, deverá reunir nos próximos dias todos os cientistas envolvidos em uma grande controvérsia com importantes questões econômicas envolvidas: que posição os Estados-membros devem adotar em relação aos disruptores endócrinos?

Bruxelas deve decidir até o final do ano sobre as medidas destinadas a proteger os europeus dos efeitos dessas substâncias – plastificantes, cosméticos, pesticidas etc – que interferem no sistema hormonal, a exemplo do Bisfenol A, que será proibido definitivamente nas embalagens de alimentos na França em 2015.

A polêmica atingiu uma intensidade inédita nos últimos dias. Certos membros da comunidade científica acusam – veladamente – vários de seus pares de fazerem manobras a favor de interesses industriais, em detrimento da saúde pública.

"A ciência se tornou motivo de guerra"

A rixa começou neste verão com a publicação, em diversas revistas acadêmicas, de um artigo no qual dezoito toxicólogos (professores ou membros de órgãos públicos de pesquisa) criticavam as medidas em discussão em Bruxelas. Restritivas demais para muitas indústrias, estas seriam, segundo os autores, "precauções cientificamente infundadas". Os signatários, liderados pelo toxicólogo Daniel Dietrich (Universidade de Konstanz, Alemanha), contestam, por exemplo, que essas moléculas possam ter consequências nocivas em doses muito baixas.

No entanto, esses efeitos são o foco de inúmeras pesquisas científicas feitas nos últimos quinze anos e são reconhecidos por um relatório publicado conjuntamente em 2012 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). Em especial, nos animais, a exposição in utero a algumas dessas moléculas em doses baixíssimas aumenta os riscos de ocorrência de determinadas patologias no decorrer da vida – câncer hormônio-dependente, obesidade, distúrbios neurocomportamentais etc.

O texto dos dezoito pesquisadores imediatamente provocou comoção. E uma suspeita considerável. "O problema das 'intenções dissimuladas' se acentuou, ao mesmo tempo em que aumentou a capacidade da ciência de influenciar na regulamentação dos poluentes e que a pesquisa acadêmica passou a depender cada vez mais do apoio financeiro da indústria", escreveram na revista "Environmental Health" Philippe Grandjean (Harvard Public School of Medicine, University of Southern Denmark) e David Ozonoff (Boston University), professores de saúde ambiental e responsáveis pela publicação. "A ciência se tornou motivo de uma guerra, com a maior parte de suas batalhas ocorrendo nos bastidores."

Nada menos que 18 contratos de consultoria entre 2007 e 2012

Na mesma edição da "Environmental Health", cerca de quarenta toxicólogos e endocrinologistas publicaram uma outra resposta cáustica, apontando que o texto de Daniel Dietrich e de seus coautores é produto de "uma vontade de influenciar nas decisões iminentes da Comissão Europeia". Uma centena de outros cientistas opinaram, em um editorial do último número da revista "Endocrinology", que o texto de Dietrich e de seus coautores "representa a ciência de maneira enganosa."

Acima de tudo, as réplicas dirigidas aos dezoito pesquisadores se indignam com o fato de que estes não divulgaram – como é de praxe nas revistas científicas – seus laços de interesse com as indústrias potencialmente afetadas por uma nova regulamentação. "É isso que fazem os 25 cientistas, dos quais faço parte, que redigiram em 2012 o relatório da OMS e do Pnuma", explica Ake Bergman (Universidade de Estocolmo). "É também o que fizeram todos os signatários – dos quais faço parte – da resposta enviada a Dietrich e seus coautores."

As ligações destes últimos com a indústria por fim vieram a público. No final de setembro, uma pesquisa da agência Environmental Health News (EHN) revelou que 17 dos 18 autores mantinham relações financeiras com "indústrias químicas, farmacêuticas, cosméticas, do tabaco, de pesticidas ou de biotecnologia."

Carta aberta à conselheira científica de Barroso

Alguns deles tiveram seus laboratórios financiados por empresas, outros receberam remunerações pessoais como consultores ou conselheiros científicos. O toxicólogo Wolfgang Dekant (Universidade de Würzburg, Alemanha), por exemplo, assinou, segundo informações reunidas pela EHN, nada menos que dezoito contratos de consultoria entre 2007 e 2012 com empresas cuja identidade ele não divulgou. E a lista não para por aí. Dietrich e seus coautores também estão na iniciativa de uma carta aberta a Anne Glover, assinada por cinquenta outros cientistas. De acordo com uma primeira análise efetuada pela EHN, pelo menos quarenta deles também têm ligações com indústrias.

"As estimativas mais recentes sugerem que quase mil moléculas poderiam ser disruptores endócrinos", explica Grandjean. "Logo, são vários os setores que podem ser implicados." O pesquisador, uma das referências em pesquisa em saúde ambiental, diz não estar surpreso com as colaborações de Dietrich e seus coautores com os meios industriais, mas se espanta com o fato de que "eles aparentemente não colaborem com ONGs ou associações de pacientes."

As zonas cinzentas também se estendem para dentro da Comissão

Dietrich não quis responder ao "Le Monde". Um dos coautores, Wolfgang Dekant, garante que não houve "nenhum envolvimento da indústria, formal ou informal", na iniciativa ou na redação do texto.

As zonas cinzentas se estendem também para dentro da Comissão. A deputada europeia Michèle Rivasi (Europe Ecologie-Les Verts), bem como outros parlamentares, vão endereçar nos próximos dias uma questão por escrito a José Manuel Barroso para exigir a publicação da declaração de interesses de Anne Glover, sua conselheira científica. Esses elementos por enquanto não foram comunicados no site da Comissão.

Em Bruxelas, afirma-se que somente os comissários são obrigados a redigir e tornar pública uma declaração de interesses. Foi explicado ao "Le Monde" que José Manuel Barroso havia escolhido Anne Glover após um "rigoroso processo de recrutamento".

Fonte: http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/lemonde/2013/10/05/europa-discute-o-uso-de-substancias-que-afetam-o-sistema-hormonal.htm

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

22 coisas que as pessoas felizes fazem diferente

Existem dois tipos de pessoas no mundo: aquelas que escolhem ser felizes e aquelas que optam por ser infelizes. Ao contrário da crença popular, a felicidade não vem de fama, fortuna, de outras pessoas ou bens materiais. Ela vem de dentro. A pessoa mais rica do mundo pode ser miseravelmente infeliz, enquanto uma pessoa sem-teto pode estar sorrindo e contente com a sua vida. As pessoas felizes são felizes porque se fazem felizes. Elas mantêm uma visão positiva da vida e permanecem em paz com elas mesmas. A questão é: como elas fazem isso?

É muito simples. As pessoas felizes têm bons hábitos que melhoram suas vidas. Elas fazem as coisas de forma diferente. Pergunte a qualquer pessoa feliz e ela vai te dizer que:


1. Não guarde rancor.

As pessoas felizes entendem que é melhor perdoar e esquecer do que deixar seus sentimentos negativos dominarem seus sentimentos positivos. Guardar rancor tem um monte de efeitos prejudiciais sobre o seu bem-estar, incluindo aumento da depressão, ansiedade e estresse. Por que deixar alguém que o ofendeu ter poder sobre você? Se você esquecer os seus rancores, vai ganhar uma consciência clara e energia suficiente para apreciar as coisas boas da vida.

2. Trate a todos com bondade.

Você sabia que foi cientificamente provado que ser gentil faz você feliz? Toda vez que você realizar um ato altruísta, seu cérebro produz serotonina, um hormônio que facilita a tensão e eleva o seu espírito. Não só isso, mas tratar as pessoas com amor, dignidade e respeito, também permite que você construa relacionamentos mais fortes.

3. Veja os problemas como desafios.

A palavra “problema” não faz parte do vocabulário de uma pessoa feliz. Um problema é visto como uma desvantagem, uma luta ou uma situação instável, quando um desafio é visto como algo positivo, como uma oportunidade, uma tarefa. Sempre que você enfrentar um obstáculo, tente olhar para isso como um desafio.

4. Expresse gratidão pelo que já têm.

Há um ditado popular que diz algo assim: “As pessoas mais felizes não têm o melhor de tudo, elas fazem o melhor de tudo com o que elas têm.” Você terá um sentido mais profundo de contentamento se você contar suas bênçãos em vez de ansiar para o que você não tem.

5. Sonhe grande.

As pessoas que têm o hábito de sonhar grande são mais propensas a realizar seus objetivos do que aquelas que não o fazem. Se você se atreve a sonhar grande, sua mente vai colocar você em uma atitude focada e positiva.

6. Não se preocupe com as pequenas coisas.

As pessoas felizes se perguntam: “Será que este problema importa daqui a um ano?” Elas entendem que a vida é muito curta para ficar preocupado com situações triviais. Deixar os problemas rolarem à sua volta vai definitivamente colocar você à vontade para desfrutar das coisas mais importantes na vida.

7. Fale bem dos outros.

Ser bom é melhor do que ser mau. Fofocar pode ser divertido, mas geralmente deixa você se sentindo culpado e ressentido. Dizer coisas agradáveis sobre as outras pessoas o encoraja a pensar positivo, sem se preocupar em julgar as ações de outras pessoas.

8. Não procure culpados.

As pessoas felizes não culpam os outros por seus próprios fracassos na vida. Em vez disso, elas assumem seus erros e, ao fazer isso, elas pro-ativamente tentam mudar para melhor.

9. Viva o presente.

As pessoas felizes não vivem no passado ou se preocupam com o futuro. Elas saboreiam o presente. Elas se deixam envolver em tudo o que está fazendo no momento. Param e cheiram as rosas.

10. Acorde no mesmo horário todos os dias.

Você já reparou que um monte de pessoas bem sucedidas tendem a ser madrugadores? Acordar no mesmo horário todas as manhãs estabiliza o seu metabolismo, aumenta a produtividade e coloca-o em um estado calmo e centrado.

11. Não se compare aos outros.

Todos trabalham em seu próprio ritmo, então por que se comparar com os outros? Se você acha que é melhor do que outra pessoa ganha um sentido saudável de superioridade. Se você acha que alguém é melhor do que você acaba se sentindo mal sobre si mesmo. Você vai ser mais feliz se concentrar em seu próprio progresso.

12. Escolha seus amigos sabiamente.


A miséria adora companhia. É por isso que é importante cercar-se de pessoas otimistas que vai incentivá-lo a atingir seus objetivos. Quanto mais energia positiva que você tem em torno de você, melhor vai se sentir.

13. Não busque a aprovação dos outros.

As pessoas felizes não importam com o que os outros pensam delas. Elas seguem seus próprios corações, sem deixar os pessimistas desencorajá-los. Elas entendem que é impossível agradar a todos. Escute o que as pessoas têm a dizer, mas nunca busque a aprovação de ninguém.

14. Aproveite seu tempo para ouvir.

Fale menos, ouça mais. Escutar mantém a mente aberta. Quanto mais intensamente você ouve, mais silenciosa sua mente fica e mais conteúdo você absorve.

15. Cultive relacionamentos sociais.

Uma pessoa só é uma pessoa infeliz. As pessoas felizes entendem o quão importante é ter relações fortes e saudáveis. Sempre tenha tempo para encontrar e falar com sua família e amigos.

16. Medite.

Ficar no silêncio ajuda você a encontrar a sua paz interior. Você não tem que ser um mestre zen para alcançar a meditação. As pessoas felizes sabem como silenciar suas mentes em qualquer lugar e a qualquer hora que elas precisam acalmar seus nervos.

17. Alimente-se bem.

Tudo que você come afeta diretamente a capacidade do seu corpo produzir hormônios, o que vai ditar o seu humor, energia e foco mental. Certifique-se de comer alimentos que irão manter sua mente e corpo em boa forma.

18. Faça exercícios.

Estudos têm demonstrado que o exercício aumenta os níveis de felicidade. Exercício também aumenta a sua auto-estima e dá uma maior sensação de auto-realização.

19. Viva com o que é realmente importante.

As pessoas felizes mantêm poucas coisas ao seu redor porque elas sabem que coisas extras em excesso as deixam sobrecarregadas e estressadas. Alguns estudos concluíram que os europeus são muito mais felizes do que os americanos, o que é interessante porque eles vivem em casas menores, dirigem carros mais simples e possuem menos itens.

20. Diga a verdade.

Mentir corrói a sua auto-estima e faz você antipático. A verdade o libertará. Ser honesto melhora sua saúde mental e faz com que os outros tenham mais confiança em você. Seja sempre verdadeiro e nunca peça desculpas por isso.

21. Estabeleça o controle pessoal.

As pessoas felizes têm a capacidade de escolher seus próprios destinos. Elas não deixam os outros dizerem como devem viver suas vidas. Estar no controle completo de sua própria vida traz sentimentos positivos e um grande senso de auto-estima.

22. Aceite o que não pode ser alterado.

Depois de aceitar o fato de que a vida não é justa, você vai estar mais em paz com você mesmo. Em vez de ficar obcecado sobre como a vida é injusta, se concentre apenas no que você pode controlar e mudar para melhor.

Fonte: http://ligadasaude.blogspot.com.br/2013/05/22-coisas-que-as-pessoas-felizes-fazem.html

Você pode acessar o texto original aqui: http://successify.net/2012/10/31/22-things-happy-people-do-differently/

Confira 12 alimentos bons para a saúde que estão 'na moda'....

Celebridades andam sendo clicadas com um novo acessório: um smoothie verde. Para identificar quais alimentos estão “na moda”, veja as 13 opções:

1. Chia: Embora esta rica fonte de ômega-3 tenha se tornado conhecida só em 2012, o frenesi em torno das sementinhas já atingiu grandes proporções. Adicione uma colher de sopa a qualquer bebida, ou a uma camada de tofu e deixe refogar. Outra alternativa é usar um quarto de copo com leite de amêndoa, baunilha, canela e frutas secas para uma gostosa sobremesa.

2. Cookie de carne: Algumas companhias já estão investindo nesta tendência – trata-se de um cookie feito com uma mistura de carne, amêndoas, sementes e frutas. São carregados de nutrientes.

3. Cúrcuma: Este antigo tempero ayurvédico carrega propriedades anti-inflamatórias, que é um alívio para dores e também ajuda na desintoxicação do organismo. Indicado para depois da malhação. Você pode adicionar no seu suco ou smoothie.

4. Sementes: Elas são as novas nozes, e com os mesmos benefícios nutricionais – fibra, proteína e ômega-3. Além disso, não vêm acompanhadas do “estigma da alergia”. Gergelim, chia, linho, cânhamo, abóbora. Adicione-as ao cereal, à salada ou à sopa.

5. Proteína da ervilha: Esta é a mais recente alternativa à proteína do leite ou da soja. Além de ser livre de glúten, contém aminoácidos e ferro. Misture uma colher de sopa no seu smoothie.

6. Smoothie verde: Você pode fazer um smoothie verde, super vitaminado, na sua própria casa. Misture uma fruta cremosa, como banana ou magna, com folhas verdes, como espinafre ou couve. Adicione também uma fruta suculenta como laranja e um pouco de água.

7. Alimentos fermentados

Ao invés de obter vitaminas por meio de suplementos, opte pelos alimentos integrais funcionais que não tenham sido artificialmente enriquecidos com vitaminas do complexo B e cálcio agregado. São opções o kimchi, o chucrute e kombucha, que contêm probióticos naturais.

8. Vaca e galinha caipira: Vacas e galinhas caipiras que se alimentam de grama são mais magros e têm mais gorduras boas (ômega-3) do que os animais que comem grãos, ainda que sejam orgânicos.

9. Cacau cru: Esta é uma boa opção antioxidante. Misture uma colher de sopa de cacau em pó com uma banana, um copo de água, além de um pouco de canela e noz-moscada para um chocolate que realmente vai te fazer bem.

10. Leite “3.0”: Uma nova geração feita a partir de sementes de girassol, linho, cânhamo e castanha de caju vem para ficar. Lojas de alimentos saudáveis muitas vezes vendem versões frescas que são muito mais saborosas do que os de caixinha. Misture um quarto de xícara de nozes ou sementes (pode deixar ao de molho durante a noite para amaciá-los) com um copo de água ou de água de coco. Filtre com uma gaze ou peneira fina. Se você quiser adicionar um pouco de sabor, misture meia colher de chá de baunilha, cacau em pó ou mel.

11. Chás: Existem linhas orgânicas que misturam especiarias à folhas de chá, com sabores como segurelha, repolho, beterraba, brócolis, coentro e cenoura.

12. Grãos antigos: A quinoa foi o precursor, mas agora outros grãos minimamente processados e sem glúten estão ganhando, como amaranto, kamut, milho e sorgo. Para uma alternativa mais saudável, você pode prepará-los com arroz, ou procurar como alternativa em cereais bolachas, barrinhas e pães.



Fonte: http://ligadasaude.blogspot.com.br/2013/06/confira-13-alimentos-bons-para-saude.html

Que tal uma horta em casa?

Para desfrutar de um canteiro de temperos em casa, bastam um cantinho arejado, que receba luz do sol, e alguns vasos-até mesmo quem mora em apartamento pode ter uma horta particular.

A vantagem é a possibilidade de colher os ingredientes pouco antes de irem parar na panela, fresquinhos, com aroma e sabor acentuado.

Fonte: Folha de São Paulo

Dietas vegetarianas são associadas com menor risco de morte...


Estudos têm mostrado que pessoas com dietas vegetarianas oferecem menor risco de ter câncer, diabetes, derrame e ataque cardíaco.

Se, de um lado, já se sabia que o consumo de carne vermelha eleva o risco de morte em até 20%, agora se confirmou o outro lado da questão - que as dietas vegetarianas estão associadas com taxas de mortalidade reduzidas.

Para estudar o risco de mortalidade geral, os pesquisadores identificam um grupo e acompanham todos os seus membros durante um período de tempo - seis anos no caso deste estudo.

Tipos de dietas vegetarianas

Os dados estão em um estudo com mais de 70.000 pessoas, com resultados mais favoráveis para os homens do que as mulheres - que normalmente já vivem mais -, publicado pelo JAMA Internal Medicine.
Michael J. Orlich e seus colegas examinaram todas as causas de mortalidade por causa específica em um grupo de 73.308 homens e mulheres pertencentes à Igreja Adventista do Sétimo Dia, onde é comum a prática do vegetarianismo em suas várias vertentes.

Os pesquisadores classificaram os participantes em cinco grupos: não vegetarianos, semi-vegetarianos, pesco-vegetarianos (incluem frutos do mar na dieta), ovo-lacto-vegetarianos (incluem leite e ovos) e vegan (excluem todos os produtos de origem animal).

Os pesquisadores observaram que as pessoas vegetarianas, além de viverem mais, tender a ter maior nível educacional, são mais propensas a se casar, a beber menos álcool, a fumar menos, a se exercitar mais e serem mais magras.

"Estes resultados demonstram uma associação global dos padrões de dieta vegetariana com uma menor mortalidade em comparação com o padrão de dieta não vegetariana.

"Eles também demonstram algumas associações com menor mortalidade das dietas ovo-lacto-vegetarianos, pesco-vegetarianos e vegan quando especificamente comparadas com a dieta não vegetariana," concluem os autores.

Fonte: http://ligadasaude.blogspot.com.br/2013/08/dietas-vegetarianas-sao-associadas-com.html

Saiba porque muitos treinam há anos e não hipertrofiam...

1-                  GENÉTICA:
DESTACO ESTE 1º FATOR, POIS QUEM TEM A GENÉTICA DESFAVORÁVEL PARA HIPERTROFIA MUSCULAR, IRÁ DEMORAR MAIS PARA ATINGIR OS RESULTADOS DO QUE OS INDIVÍDUOS GENETICAMENTE FAVORECIDOS, PORÉM, COM TREINOS E ALIMENTAÇÃO ADEQUADOS, CERTAMENTE OS OBJETIVOS SERÃO ATINGIDOS!!! MEU CONSELHO É TER MAIS ATENÇÃO NOS FATORES ABAIXO!!!

2-                  INGESTÃO CALÓRICA MENOR DO QUE AS NECESSIDADES DIÁRIAS:
Ingerir menos calorias do que as necessidades diárias é muito comum principalmente no público feminino que tem o receio de engordar. Mas veja bem, para hipertrofiar os músculos, é preciso ingerir mais calorias do que se gasta, incluindo proteínas de boa qualidade, carboidratos integrais, gorduras boas, mas em doses certas!!! Caso contrário, poderá haver perda de massa muscular. Por isso é muito importante o acompanhamento nutricional paralelamente aos treinos!!!

3-                  DESCANSO INADEQUADO:
É durante o sono que ocorre a hipertrofia muscular, pois durante este período, ocorre maior liberação de hormônios anabolizantes e assim, os músculos se regeneram (cicatrizam) dos esforços submetidos nos treinos. Por isso, “virar noites” atrapalha completamente o processo de hipertrofia muscular!!!
Já durante o treino, o músculo que está sendo solicitado é degradado pelos esforços, mas aumenta de tamanho (incha) devido ao fluxo sanguíneo que se dirige para o mesmo. Por exemplo: ao treinar bíceps, o sangue se concentra nos braços.

4-                  PROGRAMAS DE MUSCULAÇÃO INADEQUADOS:
1º ERRO: TUDO 3X12 OU 4X10. É muito comum encontrarmos numa sala de musculação, vários alunos com a mesma série: 3x12 ou 4x10 em tudo. Além da monotonia, é muita falta de sensibilidade, criatividade ou mesmo dedicação em elaborar um treino apropriado, pois um bom professor sabe que temos diferentes tipos de fibras musculares e por isso, os métodos de treinamento devem ser variados. Um programa de musculação não pode ser único para todos. Alunos são seres únicos, com características e necessidades individuais e por isso, os treinos devem ser elaborados individualmente!!! Caberá ao professor ter o “feeling” na escolha dos exercícios!!!

2º ERRO: TREINOS LONGOS, ACIMA DE 60 MINUTOS. Muitos pensam que quanto maior a série, melhores os resultados. Mas isto não procede. O ideal para hipertrofia muscular é treinar no máximo 60 minutos por dia, para evitar o catabolismo, ou seja, a utilização de massa muscular como fonte de energia.

3º ERRO: MANTER O MESMO TREINO POR MAIS DE 3 MESES. Por incrível que pareça, já me deparei por diversas vezes com alunos que treinavam durante 1 ano ou mais sem trocar os exercícios. Isto é um descuido enorme por parte da academia e dos professores!!! O período máximo para se manter um treino é 3 meses, mas o ideal é trocar a cada 2 meses para evitar adaptação dos músculos, o que impede a hipertrofia muscular, ou seja, o esforço já não é suficiente para gerar resultados.

4º ERRO: NÃO DAR UM DESCANSO ADEQUADO ENTRE OS TREINOS. Para os músculos crescerem, é necessário não só o descanso durante o sono como também intervalos de 24 a 72 horas entre os grupos musculares a serem treinados durante a semana. Quanto maior a intensidade, maior deverá ser o intervalo.

SEGUEM ALGUNS EXEMPLOS QUE SUGIRO PARA A DIVISÃO DOS TREINOS:


2ª F
3ª F
4ª F
5ª F
6ª F
SAB
DOM
TREINO A
TREINO B
TREINO C
TREINO A

TREINO B
TREINO C
OFF

2ª F
3ª F
4ª F
5ª F
6ª F
SAB
DOM
TREINO A
TREINO B
OFF
TREINO C

TREINO D
TREINO E
OFF

2ª F
3ª F
4ª F
5ª F
6ª F
SAB
DOM
TREINO A
TREINO B
TREINO
A
TREINO B
TREINO A
TREINO B
OFF

2ª F
3ª F
4ª F
5ª F
6ª F
SAB
DOM
TREINO A
TREINO B
TREINO C
TREINO D

TREINO E
TREINO F
OFF

5-   O ALUNO NÃO UTILIZAR UM RELÓGIO PARA MARCAR SEU DESCANSO ENTRE AS SÉRIES:
 O uso de um cronômetro faz toda a diferença durante o treino. O descanso é uma forma de aumentar a intensidade dos exercícios, pois influencia no gasto calórico, queima de gordura e hipertrofia muscular. Por exemplo: 30, 45, 60, 120 segundos. Descansos menores (30 e 45 segundos) aumentam o gasto calórico, otimizam a queima de gordura e elevam o fluxo sanguíneo no músculo solicitado. Descansos maiores são para treinos com grandes sobrecargas, mais voltados para treinos de força. Este é mais um recurso que pode e deve ser utilizado nos treinos para estimular os músculos de formas diferentes. Segundo estudos recentes (Fonte: Rahimi, R, Qaderi, M, Faraji, H, and Boroujerdi, SS. Effects of very short rest periods on hormonal responses to resistanceexercise in men.J Strength Cond Res,24(7): 1851–1859,2010), treinar utilizando 60 segundos de descanso estimula a liberação de GH, hormônio este que otimiza a queima de gordura, enquanto  120 segundos, favorece a liberação de testosterona, que otimiza a hipertrofia muscular. O que ocorre, é que muitas vezes o aluno se distrai, conversa, e esquece do descanso, atrapalhando o treino e consequentemente os resultados!!! 

Autora: Profª Paula Fortes - Educadora física, pos-graduada em Personal Trainer e Musculação - CERF 014132/G-RJ


Aumento das prescrições de testosterona gera preocupação com excessos


A quantidade de homens de meia idade que obtém prescrições de testosterona vem crescendo rapidamente. Isso eleva a preocupação de que um número cada vez maior de homens esteja usando de forma imprópria esse potente hormônio, para aumentar a libido e sentir-se mais jovem, relataram pesquisadores na última segunda-feira.

A terapia de reposição de testosterona é autorizada somente no tratamento o hipogonadismo, ou redução anormal nos níveis de testosterona. Esse hormônio ajuda a aumentar a massa muscular, reduzir a gordura corporal e aumentar a libido. Um estudo publicado no periódico JAMA Internal Medicine, porém, descobriu que muitos homens recebem prescrições para o hormônio sem que seja comprovada essa deficiência.

O estudo recente é o maior realizado até agora sobre padrões de prescrição de testosterona e incluiu aproximadamente 11 milhões de pessoas do sexo masculino, que foram monitorados por meio de uma seguradora de saúde de grande porte. O relatório demonstrou que o número de homens idosos e de meia-idade que recebeu receitas do hormônio triplicou a partir de 2001.

Os homens na faixa dos 40 constituem o grupo de usuários cujo uso tem aumentado mais rapidamente. Entre os homens que receberam prescrições de testosterona, aproximadamente metade havia recebido o diagnóstico de hipogonadismo, e cerca de 40 por cento tinham disfunção erétil ou sexual. Um terço tinha recebido o diagnóstico de fadiga.

A Sociedade de Endocrinologia dos Estados Unidos, associação de médicos que estabelece as diretrizes para a terapia de reposição de testosterona, recomenda o tratamento apenas para os homens que possuem níveis claramente baixos de testosterona. Para que esses níveis sejam descobertos é necessária a realização de um exame de sangue. O novo relatório, porém, descobriu que um quarto dos homens não realizou o exame antes de receber o hormônio. Também era incerta a porcentagem de homens que realizou o exame e apresentou deficiência hormonal.

A terapia com testosterona pode engrossar o sangue, causar acne e reduzir a contagem de espermatozoides. Muitos médicos também temem que a terapia aumente o risco de doenças cardíacas e câncer de próstata. Alguns especialistas, porém, afirmam não existir comprovações para tais afirmações. Jacques Baillargeon, principal autor da nova pesquisa, afirmou que a segurança do uso de testosterona no longo prazo ainda precisa ser demonstrada em estudos de qualidade.

"Eu acredito que esses homens relativamente saudáveis que começaram a receber testosterona aos 40 anos talvez fiquem expostos por um período de tempo muito grande e não sabemos quais são os riscos envolvidos", afirmou Baillargeon, professor adjunto de epidemiologia do departamento médico da Universidade do Texas, em Galveston.

Os níveis de testosterona normalmente começam a diminuir de forma gradual após os 30 anos. Para a maioria dos homens, o nível médio varia de 300 a 1000 nanogramas por decilitro de sangue. Mas esse nível pode oscilar muito de acordo com diversos fatores: sono, hora do dia, medicação. Em muitos homens, o nível atinge o intervalo que caracteriza o hipogonadismo em um dia e normaliza no dia seguinte.

Alguns estudos estimam que até 30% dos homens entre 40 e 79 anos possuam uma deficiência hormonal real, embora apenas uma pequena porcentagem desenvolva de fato sintomas clínicos como depressão, ondas de calor e disfunção erétil.

O Dr. Ronald S. Swerdloff, endocrinologista da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, e um dos autores das diretrizes de tratamento da Sociedade de Endocrinologia, afirmou que as recomendações são "muito claras" em relação ao fato de que o tratamento se destina a homens cujos exames de sangue comprovem uma deficiência de testosterona e que apresentem os sintomas do distúrbio. "Eu não acredito que seja adequado o paciente receber tratamento para hipogonadismo sem a comprovação por meio de exame", afirmou.

O Dr. Abraham Morgentaler, professor de urologia da Faculdade de Medicina de Harvard e autor de Testosterone for Life ('Testosterona para a Vida'), afirmou que as descobertas são um sinal positivo de que a deficiência de testosterona está sendo diagnosticada e tratada. Embora muitos médicos se preocupem com os efeitos colaterais do uso excessivo de testosterona, alguns estudos demonstraram que homens com níveis baixos desse hormônio têm expectativa de vida reduzida e risco maior de contrair diabetes, doenças cardíacas e osteoporose, afirmou.

"O envelhecimento está associado a problemas de visão, audição e dentários, bem como problemas nas artérias e articulações, além de câncer - e nós lidamos com todos eles", afirmou Morgentaler. "Eu acho que é uma limitação injusta afirmar que, porque algo é comum ou natural, não deva ser tratado."

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2013/06/1293220-aumento-das-prescricoes-de-testosterona-gera-preocupacao-com-excessos.shtml

Quem come frutas e vegetais vive por mais tempo...

Um dos segredos da longevidade pode estar em seguir uma conhecida recomendação dos médicos: comer pelo menos cinco porções de frutas e vegetais todos os dias. Um extenso estudo feito no Instituto Karolinska, na Suécia, observou que ingerir uma quantidade menor do que essa está ligado a uma menor expectativa de vida e maior taxa de mortalidade. Os resultados da pesquisa serão publicados na edição de agosto do periódico The American Journal of Clinical Nutrition.

De acordo com Alicja Wolk, professora de epidemiologia nutricional do instituto e coordenadora do estudo, embora os efeitos positivos à saúde provocados por esses alimentos sejam conhecidos, poucas pesquisas feitas até agora olharam para a relação entre expectativa de vida e o consumo de frutas e vegetais.

O estudo de Alicja envolveu 71.706 pessoas de 45 a 83 anos de idade que foram acompanhadas ao longo de 13 anos. Durante a pesquisa, os participantes completaram questionários sobre hábitos alimentares. Após analisar os dados dos participantes e a taxa de mortalidade entre eles ao longo desses anos, os pesquisadores descobriram que aqueles que nunca consumiam frutas e vegetais viviam, em média, três anos a menos do que os que ingeriam mais do que cinco porções desses alimentos por dia. Essas pessoas também foram 53% mais propensas a morrer durante a pesquisa.

Quando os autores olharam para o consumo de frutas e de vegetais separadamente, eles descobriram que as pessoas que nunca comiam frutas viveram, em média, 19 meses menos do que quem ingeria uma porção por dia. Além disso, os participantes que consumiam três porções de vegetais ao dia viveram, em média, 32 meses a mais do que aqueles que nunca comiam esse tipo de alimento.

A pesquisa encontrou, portanto, uma relação entre o consumo de alimentos saudáveis e uma maior longevidade, mas não explicou as causas da associação. Em entrevista à agência Reuters, Alicja disse que pessoas que comem poucas frutas e vegetais são mais propensas a fumar e a consumir muita carne vermelha e gordura, por exemplo. Por outro lado, as quem ingerem maiores quantidades de frutas e vegetais também tendem a consumir mais calorias. No entanto, os resultados do novo estudo não foram alterados após a equipe ajustar os dados levando em consideração fatores como tabagismo, peso e atividade física.


Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/quem-come-frutas-e-vegetais-vive-por-mais-tempo

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Quer prescrever?


Lamento.... por Dra. Carminha Duarte


Curandeirismo oficializado - Nota Oficial do SIMERS

O Sindicato Médico do RS (SIMERS) divulga nota oficial sobre a manutenção dos vetos da presidente Dilma à Lei do Ato Médico.

CURANDEIRISMO OFICIALIZADO

Depois da liberação de mais de R$ 2 bilhões pela presidente para destinação dos parlamentares, vergonhosamente, o Congresso Nacional volta atrás de sua própria decisão e curva-se à vontade de Dilma. Trata-se de uma página que mancha a história da democracia brasileira.

Os vetos determinam que diagnósticos e tratamentos deixam de ser atribuição exclusiva do médico, mas também não dizem de quem é essa atribuição, deixando livre o exercício para quem assim o desejar. O que ontem era curandeirismo (e continua sendo no resto do planeta), passa a ser ato lícito no Brasil.

Como efeito colateral cria-se o cidadão de segunda categoria, o usuário do SUS. Ninguém que tenha posses chega a um hospital e diz: “Quero um não médico para tratar a minha dor de cabeça!”. Já no SUS, não se sabe quem fará o atendimento.

O que é ser médico ? Por Dr. Flávio Moutinho

O que é ser MÉDICO?
Não é uma pergunta retórica nem filosófica. É uma pergunta prática que define uma profissão. Não é "médico é um ser abençoado", ou "médico é um bicho-papão, mau feito picapau". A pergunta é: o que faz do médico - e que não faz de outro profissional - um médico?

Gostaria de abrir essa pergunta para vocês. Médicos, outros profissionais da área da saúde, população geral. Todos os comentários serão permitidos (menos os agressivos, óbvio).

Eu sempre pensei (antes até de fazer Medicina) que fosse prerrogativa do médico, e só dele, fazer o diagnóstico nosológico (antes até de saber o que isso quer dizer). O diagnóstico da doença de base. E prescrever a melhor forma de tratamento. Com auxílio terapêutico de todos os outros profissionais de saúde atuando em suas respectivas áreas.

Digo diagnóstico NOSOLÓGICO porque "diagnóstico", tout-court, todo mundo faz.
O mecânico faz anamnese - o que aconteceu com o carro? desde quando ele está fazendo esse barulho? bateu em algum buraco? você estava a que velocidade quando isso aconteceu?; faz exame físico - abre o capô, checa o nível de óleo, vê se alguma peça está quebrada; faz um diagnóstico - quebrou a rebimboca da parafuseta; traça um plano terapêutico - vai ter trocar isso, isso e aquilo; e faz um prognóstico - se eu fosse você, trocava de carro, que vai quebrar de novo daqui a no máximo 5000km.
O economista, o dentista, o sociólogo, o fonoaudiólogo, o meteorologista, o dentista, o historiador, o fisioterapeuta analisam uma situação presente, preveem uma situação futura e traçam planos para evitar as adversidades.
Tanto quanto o diagnóstico de cada profissão específica cabe a ela própria, o diagnóstico médico cabe ao médico.

Não se nega à enfermeira o diagnóstico em Enfermagem. Seria proibi-la de analisar uma situação própria à Enfermagem e tirar conclusões sobre a conduta. Seria proibi-la de pensar. Idem para qualquer outro profissional de qualquer área, da saúde ou não.

Ao médico cabe o diagnóstico nosológico porque a formação médica lhe dá acesso a fazer diagnósticos diferenciais com doenças de outras áreas.
Se uma fonoaudióloga identifica uma disartria e inicia o tratamento fonoaudiológico, ela pode suspeitar que se trate de um AVC; mas quem deve fazer o diagnóstico do AVC e dizer se o tratamento é cirúrgico ou clínico com tal ou qual medicação é o médico. O que de modo nenhum tira a necessidade de se melhorar a disfunção da fala com o acompanhamento fonoaudiológico.
Se um psicólogo identifica um quadro depressivo, ele pode suspeitar de que se trate de um transtorno de humor. Mas quem deve fazer o diagnóstico de se é isso de fato ou, por exemplo, um câncer de pâncreas, que também cursa com quadro depressivo, é o médico.

Nos dois casos, e em tantos outros, o acompanhamento terapêutico é importante, mas fixar-se nele é correr o risco de perder diagnósticos fundamentais, e, por consequência, o tempo de tratamento.

Por Dr. Flávio Moutinho - Médico, especialista em endocrinologia e endocrinopediatria . Professor de fisiologia endócrina da UERJ. Preceptor na residência de endocrinologia da UERJ e residência de Endocrinopediatria da UERJ.

Ato Médico e os vetos mantidos por Dra. Amanda Madureira

O ato médico teve seus vetos mantidos... O que muda na vida do rico, classe média, funcionário público com plano de saúde? Nada! Você nem pergunta se quem está atendendo seu filho é médico, exige que seja pediatra... Você não procura nem um clínico pra tratar diabetes, procura um endocrinologista. Você nem considera ir ao postinho pra enfermeira trocar a receita de captopril, seu cardiologista é que faz sua revisão periódica. Sua esteticista é bacana e faz uma limpeza de pele supimpa, mas, se você tem o mínimo de noção, corre pro dermatologista na hora do peeling.

Mas os pobres? O SUS? Esses sim acabaram de sofrer um golpe tão feio que, já dá pra ver, é o prenuncio da morte. O SUS vai acabar, esse foi só o primeiro passo.

Os médicos? Nós vimos que o governo não nos reconhece e nem nos valoriza, mas nós vamos sobreviver. Nós vamos continuar sendo os profissionais com carga horária compatível com diagnóstico nosológico e tratamento, continuaremos a ser procurados por todos que tiverem direito de escolha, e continuaremos limpando a bagunça que os idiotas, sim, idiotas irresponsáveis, que se metem no que não têm competência pra fazer deixam.

Entendam de uma vez por todas: quem perdeu essa guerra foi o povo. Os pobres.

Por Dra. Amanda Madureira - Médica

sábado, 6 de julho de 2013

O câncer renal pode estar correlacionado ao arsênico na água potável

A ingestão elevada de arsênico presente na água potável está associada com um risco aumentado de câncer de ureter e pelve renal, de acordo com um estudo de caso-controle realizado no norte do Chile.

O estudo comparou 122 casos de câncer de rim e 640 de controles baseados na população. Os casos incluíram 76 tipos de câncer de células renais, 24 carcinomas de células transicionais da pelve renal e do ureter (TCC) e 22 outros tipos de câncer nos rins.

Em comparação com os indivíduos cuja média de ingestão de arsênico da água potável era inferior a 400 mg/dia, aqueles cuja média de consumo foi de 400-1.000 mg/dia e maior que 1.000 mg/dia apresentaram um significativo aumento do risco em 5,7 vezes e 11 vezes para o desenvolvimento dos cânceres de pelve renal e ureter, respectivamente, informaram os pesquisadores, liderados por Craig Steinmaus, MD, MPH, online no American Journal of Epidemiology. A ingestão de arsênico elevada não foi associada com um risco aumentado de câncer das células renais.

O grupo do Dr. Steinmaus apontou que o norte do Chile é um dos melhores lugares do mundo para investigar a carcinogenicidade de arsênio, em parte, por causa das altas exposições ao metal pesado e da disponibilidade de bons registros sobre as concentrações passadas de arsênio na água.

Eles observaram que vários fatores apoiam a viabilidade biológica de suas descobertas. Primeiro, o arsênio ingerido é uma causa bem estabelecida para o câncer de bexiga, a maioria dos quais é também um TCC. Em segundo lugar, o rim é a principal via de excreção para o arsênio, então, quase todo o arsênio ingerido atinge os rins.

"Com essas novas descobertas", concluíram os autores, "incluindo a evidência de uma dose-resposta, acreditamos que exista, agora, evidências suficientes em humanos de que o arsênico na água potável causa câncer da pelve renal e de ureter."

Fonte: Renal and Urology News

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Para os que me perguntam da Herbalife, dou minha opinião apenas com 5 artigos




  1. Slimming at all costs: Herbalife-induced liver injury
  2. Toxic hepatitis by consumption Herbalife products a case report: 
  3. Herbal does not mean innocuous: ten cases of severe hepatotoxicity associated with dietary supplements from Herbalife products: 
  4. Association between consumption of Herbalife nutritional supplements and acute hepatotoxicity: 
  5. Severe hepatotoxicity following ingestion of Herbalife nutritional supplements contaminated with Bacillus subtilis: 
Quem tiver mais artigos, pode me enviar. To colecionando rs.

domingo, 19 de maio de 2013

ALERTA – PRÉ-TREINOS, TERMOGÊNIICOS E A VERDADE SOBRE O CASO “NETINHO” – VALE A PENA LER


Excelente texto de um amigo endocrinologista de Brasília, Dr. Flavio Cadegiani (http://corpometria.com.br/), que compactua da mesma opinião que eu, sobre termogênicos e pré-treinos.

Muitos pacientes me consideram chato por ser reticente quanto à prescrição destas substâncias. Felizmente nesse ponto sou radical e paciente meu não é cobaia. Logo, não prescrevo e recrimino o uso.

Vi inúmeras vezes pacientes iniciarem tratamento comigo e utilizarem "escondido" Jack3D ou Oxyelite. No início do tratamento apresentavam TSH (horrmônio tireoestimulante) normal e depois de 6 meses o mesmo subir vertiginosamente, indicando alteração tireoideana, além de positivar anticorpos.

Também vi inúmeras vezes pacientes com "tendências" a transtornos psiquiátricos e após o uso, o mesmo servir como "gatilho" para o desencadeamento de doenças psiquiátricas.

Sem contar que vários desses termogênicos e pré-treinos possuem na sua composição substâncias que podem aumentar a pressão arterial, frequência cardíaca, causar insônia.

Alguns são "batizados" com hormônios ou anorexígenos.

Parece inofensivo mas não é, portanto preservo ao máximo meu paciente. Alimentos termogênicos estão aí pra serem adicionados à alimentação. É muito mais seguro procurar uma nutricionista ou nutrólogo. Mais seguro, mais barato, só não é mais prático rs.


Parece inofensivo mas não é, portanto preservo ao máximo meu paciente.

att





ALERTA – PRÉ-TREINOS, TERMOGÊNIICOS E A VERDADE SOBRE O CASO “NETINHO” – VALE A PENA LER

POR DR. FLÁVIO CADEGIANI

Os tão difundidos pré-treinos e termogênicos, utilizados para melhora da performance no treino, sensação de bem-estar e aceleração da queima de gordura, aparentemente inofensivos pois são vendidos livremente nos Estados Unidos, escondem uma realidade um pouco diferente e não tão bacana quanto imaginamos.
Primeiramente, não sabemos ao certo o que estes produtos contêm em sua composição. Na descrição dos ingredientes e produtos utilizados para formulação, costumam vir escrito o nome de algum complexo que não explicita o que contem neste complexo. Diversos estudos independentes nos EUA mostraram que entre 20 e 50 por cento destas formulações contém doses consideráveis de androgênios, anfetaminas e outros aceleradores, Ou você acha que aquele “gás” que o C4 ou Jack3d costumam dar vem de doses homeopáticas de plantinhas que nunca fariam mal algum? No ímpeto de associar seu produto a melhores resultados e a sensação de vitalidade e de força, os fabricantes muitas vezes adulteram propositadamente suas fórmulas.

E por que o FDA (Food and Drug Administration, ou a “Anvisa” dos EUA) não age? Pois bem, todos estem produtos, pasmem, são classificados como simples “alimentos” por este órgão, o que os exime de análise prévia para autorizar a venda destes “simples e inofensivos alimentos”. Sim, é uma grande lacuna de qualidade na competência deste órgão americano, e existe um grande movimento para mudar isso, que enfrenta um gigante lobby das indústrias de suplementos (não, lobby não é uma exclusividade brasileira). Portanto, por enquanto, o que é classificado como suplemento e alimento tem de provar que faz mal para ser avaliado, enquanto qualquer novo medicamento, para ser aprovado, tem de provar que não faz mal para ser liberado. Observem a lógica americana.

Ok, mas quais seriam as consequências a curto e longo prazos?

Para contar da primeira consequência, utilizarei um exemplo que atualmente está em voga: o Netinho. Alguns detalhes da história não estão bem esclarecidos. Primeiro, a questão do nódulo hepático. Doses supra-fisiológicas de androgênios, normalmente acima de 06 vezes o nível normal, que se atinge por usuários pesados de androgênios, podem (vejam bem, eu disse podem, porque não há evidência suficiente de que causam, embora a relação seja clara) causar nódulos hepáticos, mas principalmente quando associados a hormônios de cavalo. Só que o cantor em questão tem comorbidades que não cabe dizer aqui que estas sim apresentam por si só um grande risco de lesões hepáticas. Tudo bem, culparam os androgênios que para ele julgaram ser de cunho meramente estético quando na realidade é um tratamento médico, até onde a informação chegou a mim.

Porém, o maior complicador foi a hemorragia que ele apresentou à biópsia hepática. Ora, o risco de hemorragia é inerente ao procedimento. Mas dizem que a hemorragia foi em excesso por culpa da testosterona e derivados que ele vinha utilizando. Aí já é extremamente questionável. Primeiro, os androgênios causam vasodilatação sim, mas em outros locais como músculos. Nada comprova esta vasodilatação na trama hepática. Segundo e mais importante, o uso de androgênios está associado a aumento de risco de TROMBOSE, e não hemorragia, tanto que temos vistos muitos pacientes jovens sem qualquer fator de risco apresentarem AVC. Normalmente, o aumento de risco de trombose vai de encontro ao risco de hemorragia, pois ele rapidamente coagularia impedindo uma perda maior de sangue.

Então, quem poderia causar o sangramento? Sim, os pré-treinos, aceleradores e outros vaso-dilatadores! Estes sim, se consumidos até 30 dias antes do procedimento, aumentam risco de sangramento. Aproveito aqui para sugerir aos pacientes que serão submetidos a procedimentos e a meus colegas médicos que irão realizar procedimentos invasivos, que solicitem a interrupção de qualquer prép-treino ou termogênico ao menos 30 dias antes. E não somente por conta do aumento de risco de sangramento, mas por outro motivo. Mas qual?

Um caso em Recife(PE) chamou atenção quando um adolescente faleceu por causas cardíacas após ingesta de grandes quantidades de Jack 3d, na antiga formulação (não sei a as novas formulações, sem o DMAA, ou dimethilamylamina, serão tão inofensivas assim). Pois então, esse caso explicitou os riscos cardiovasculares associados ao uso exagerado destes produtos. Que aumentam risco de arritmias, infartos e outras descompensações cardíacas. E estudos também sugerem que o uso prévio também aumento o risco trans-operatório de complicações hemodinâmicas. Portanto, evitar de qualquer modo o uso de Jack 3d, C4, 1MR, Hemo-Rage, OxyelitePro, Lipo6Black ou outros nos 30 dias que antecedem qualquer cirurgia.
Mas os riscos não param por aí. Aproximadamente 30% dos usuários crônicos de Jack3d desenvolvem sintomas depressivos, ansiosos ou associados a síndrome do pânico. E provavelmente estes valores são extrapolados para outros produtos. Os sintomas neuro-psiquiátricos costumam perdurar por algum tempo após a interrupção do uso destes suplementos. E muitos tornam-se verdadeiros dependentes destas composições para poder treinar e viver bem. E garanto, o vício não é somente psicológico, mas químico também, devido a substâncias abertamente descritas e principalmente as escondidas e disfarçadas, como disse no início deste alerta.

Alterações de produção de diversos hormônios, como testosterona e GH, aumento do risco de infecções por apresentar imunomodulações, aumento do risco de Síndrome de Fadiga Crônica, aumento do risco de artropatias e de overtraining são só mais alguns dos riscos associados a estes “inofensivos” produtos.
Então tudo isso significa que devemos parar de usar estes produtos? Bem, eu recomendo fortemente o uso máximo de metade da dose preconizada pelo fabricante. Recomendo também a interrupção prévia a cirurgia como já citei, assim como durante a gravidez e amamentação, por falta de segurança em estudos. E sugiro a substituição, de for imprescindível, de uso de substâncias alternativas, como cafeína e taurina, onde sabemos o que estamos utilizando ao certo.

Espero te mostrado um pouco do que há por trás destes maravilhosos termogênicos e pré-treinos que nos deixam tão felizes e empolgados.

Compartilhem este texto, acredito que seja bem esclarecedor.

Um abraço,

Dr. Flávio Cadegiani (CRM-DF 16219 e CREMESP 160.400)
Médico - Endocrinologista e nutrólogo
http://corpometria.com.br

Fonte: http://www.cadegiani.com.br/alerta-pre-treinos-e-termogeniico-e-a-verdade-sobre-o-caso-netinho-vale-a-pena-ler/

terça-feira, 7 de maio de 2013

Água da torneira pode ser mais limpa que água mineral em garrafão


Pesquisadores da UNESP de Araraquara (SP) avaliaram a qualidade de três "modelos" de água mineral e detectaram níveis preocupantes de contaminação em galões de 20 litros.

Todos os garrafões analisados estavam dentro do período de validade.

Nunca se vendeu tanta água mineral no mundo, o que em parte é resultado de uma bem-sucedida promoção do produto engarrafado como alternativa mais limpa, mais pura e mais segura àquela que nos chega pelas torneiras.

Mas o estudo realizado por Maria Fernanda Falcone Dias e seus colegas, e publicado na revista Food Control, sugere que não é bem assim.

Na verdade, em alguns casos, pode ser o contrário.

1.000 vezes pior

Em várias amostras analisadas foram encontrados níveis preocupantes de bactérias nos garrafões de água mineral antes do vencimento do prazo de validade indicado no rótulo das garrafas.

Em alguns casos, isso ocorreu já nos primeiros dias após o envase.

Em dois terços dos 60 galões a contagem de microrganismos ficou acima do limite aceitável para a água da torneira.

Em certos casos, o valor obtido era 1.000 vezes maior que esse padrão. Uma bactéria oportunista foi encontrada em pelo menos duas amostras.

Proveniente de fontes naturais, a água mineral não passa por nenhum tipo de tratamento. Ela deve ser livre de contaminação na origem e preservar suas características originais, o que inclui a presença de diversos sais e de uma fauna microbiana considerada benéfica à saúde humana.

Geralmente em posse da iniciativa privada, as fontes de água mineral devem ter sua qualidade certificada pelo Departamento Nacional de Pesquisa Mineral (DNPM).

Já a água de abastecimento público (vulgarmente conhecida como "torneiral"), além de passar por tratamento químico e físico, tem sua qualidade obrigatoriamente verificada por análises microbiológicas antes de ser distribuída nas cidades.

A principal análise é chamada CHP, sigla para Contagem de [microrganismos] Heteretróficos em Placa. Embora esse teste seja feito também na água engarrafada, antes do envase, a legislação só estabelece um valor máximo aceitável - de 500 UFC/ml (unidades formadoras de colônia por mililitro de água) - para o líquido que vai para as torneiras.

"Esse é o padrão internacional, que é seguido pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]", explica Maria Fernanda.

Mas já existe uma tendência mundial de adotar o mesmo limite máximo também para a água de garrafa, acrescenta ela.

Contaminação na água mineral

Maria Fernanda analisou o conteúdo de garrafas de meio litro e de 1,5 litro em 11 ocasiões ao longo de um ano, que é o prazo recomendado para seu consumo. Já os garrafões de 20 litros passaram por cinco testes, realizados ao longo dos 60 dias de validade do produto. Ao todo foram 324 amostras de seis marcas diferentes.

Além da CHP, outras análises procuraram detectar a presença de coliformes fecais e totais e de bactérias como a Escherichia coli e a Pseudomonas aeruginosa, que podem causar diarreia e infecções, principalmente em crianças, gestantes e idosos.

Os resultados mostraram que, dos três tipos de garrafa d'água, o garrafão de 20 litros foi o que apresentou mais problemas de contaminação.

Em dois terços dos 60 garrafões analisados foi encontrada contagem superior a 500 UFC/ml - às vezes chegando a incríveis 560.000 UFC/ml, mais de mil vezes acima do padrão aceitável para a água de abastecimento.

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=agua-torneira-mais-limpa-agua-mineral-garrafao&id=8813&nl=nlds

Assista também:


Estudo da USP detecta concentrações expressivas de arsênio em arroz


O arroz, um dos principais grãos da dieta do brasileiro, se não submetido a um controle de qualidade eficaz, pode apresentar uma concentração de variações da substância arsênio acima do ideal. O alerta vem de uma pesquisa realizada na Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP. "Tal concentração elevada pode contribuir para o desenvolvimento de doenças crônicas, como o câncer", observa o farmacêutico-bioquímico Bruno Lemos Batista, autor do estudo.

Batista identificou concentrações expressivas da substância arsênio em diversas variedades de arrozes comercializados no país, tais como o tipo branco (polido), o arroz integral (sem polimento) e parboilizado (do inglês partial boiled, ou seja, parcialmente fervido). Nas análises, foram constatados níveis moderadamente elevados, na faixa dos 222 nanogramas (ng) de arsênio por grama de arroz, similares a concentrações encontradas em arrozes de outros países como a China. O arroz do tipo integral foi um dos que apresentaram maiores concentrações, pois, em geral, o arsênio pode se acumular no farelo.

"Decidimos fazer a especiação química destes grãos, verificando que, em média, nossos grãos possuem ao redor de 40% do arsênio presente nas formas orgânicas e 60% nas formas inorgânicas", conta Bruno.

Considerando a média de arsênio no arroz e que o brasileiro consome 86,5 g desse grão ao dia, a ingestão de arsênio via arroz é pouco maior que via água em sua concentração máxima permitida para ingestão (10 microgramas [µg] de arsênio por litro de água), a partir da média de 2 litros de água diários.

Variações da substância

O arsênio se apresenta na natureza (solo, alimentos, água) em mais de vinte formas diferentes, algumas mais e outras menos tóxicas aos seres humanos, outros animais e até plantas. Dependendo da forma e da quantidade ingerida pela pessoa este arsênio pode causar sérios danos ao organismo como o câncer, causado pelo arsenito, uma das formas de arsênio. Por outro lado, existem formas que, se ingeridas em grandes quantidades, não causam danos ao organismo humano como, por exemplo, a arsenobetaína, comumente encontrada em alimentos marinhos como o camarão.

O estudo buscou identificar essas variações da substância por um método de análise denominado especiação química de arsênio. Nesse processo são definidas todas as espécies (ou formas) de arsênio em uma determinada amostra e suas quantidades. As formas de arsênio são separadas por um instrumento de análise química chamado ligado a outro instrumento para "quantificar". "No primeiro equipamento, as moléculas contendo arsênio em suas diversas formas passam por um aparato chamado 'coluna cromatográfica' que é nada mais que um tubo 'recheado' com uma substância que retém por mais tempo algumas moléculas por interações físico-químicas, e retém menos outras moléculas, por haver pouca ou nenhuma interação com esse recheio", explica o pesquisador.

Após o primeiro processo, o segundo equipamento faz a quantificação do arsênio presente nessas moléculas. "Este instrumento de análise química é o mais moderno para este tipo de análise, conseguindo determinar baixíssimas concentrações com alta especificidade", ressalta Batista, que alertou para a importância do preparo da amostra durante o procedimento. "Como não queremos 'modificar' as espécies de arsênio devemos utilizar um meio que as remova dos grãos de arroz, por exemplo, sem quebrar a molécula contendo arsênio", completa.

Das vinte espécies de arsênio presentes no ambiente, as cinco vistas como mais importantes foram utilizadas como objeto de estudo. As variações mais importantes são assim classificadas por serem mais comuns, mais estudadas ou mais tóxicas. Entre estas espécies destacam-se, em ordem crescente de toxicidade, a arsenobetaína (AsB), dimetil arsênio (DMA), monometil arsênio (MMA), arsenato (As5+) e arsenito (As3+). "Assim, por exemplo, o As3+ é mais tóxico, gera mais danos a um organismo, que o DMA", aponta o pesquisador.

Políticas de saúde

Para o pesquisador, a fiscalização sobre o que consumimos deve estar entre as principais diretrizes das políticas públicas e, no caso do arroz, essa proposta não muda."Temos que procurar sempre a segurança através, no mínimo, do monitoramento da concentração de arsênio e suas espécies químicas, principalmente as inorgânicas e, na medida do possível e da necessidade, realizar pesquisas básicas para entendê-las num processo dinâmico desde plantas até o ser humano".

Para Batista, outros alimentos também deveriam entrar nesse monitoramento, "focando tanto a quantidade de elementos que causam danos ao organismo, como o mercúrio presente no peixe da Amazônia, como na quantidade de elementos químicos essenciais ao funcionamento do nosso organismo, como o selênio na castanha do Pará".

Fonte: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/05/06/estudo-da-usp-detecta-concentracoes-expressivas-de-arsenio-em-arroz.htm

domingo, 21 de abril de 2013

As vantagens do treinamento funcional


Resolvi postar sobre esta prática aqui no blog, já que estou fazendo, gostando e indicando para os meus pacientes. A nutrição é funcional, logo o treinamento também tem que ser funcional, rs.

Bem, já fiz natação, vôlei, ergometria, musculação, hidroginástica e nada se compara ao treinamento funcional. Por um simples motivo: não é entediante, trabalha o corpo inteiro, melhora a capacidade cardiopulmonar, promove o ganho de força e equilíbrio. A princípio os exercícios parecem simples e bobos, mas só quem executa percebe a dificuldade e como cansam.

Abaixo uma reportagem e alguns vídeos exemplificando como funciona o treinamento funcional.

Att

Dr. Frederico Lobo - CRM-GO 13192/CRM-DF 18620








Um corpo saudável e bonito é assunto relevante para quem malha ou não. E novas modalidades, aulas e propostas para entrar em forma aparecem com frequência e logo recebem o aval de personalidades, que precisam exibir silhueta sempre em dia.

Pois a nova moda atende pelo nome de treinamento funcional, praticado por atrizes, modelos e cantoras no Brasil e no mundo. Flávia Alessandra recentemente passou a usar manequim 36 e concede os méritos do corpo mais enxuto à modalidade. Juliana Paes perdeu os quilos conquistados na gestação e Deborah Secco esculpiu as formas, ambas da mesma maneira. A top model Bar Refaeli, a cantora Gwen Stefani e Jennifer Lopez também se declaram praticantes.

O treinamento funcional trabalha o corpo como um todo e não apenas grupos musculares isolados. "Explora o corpo de forma integrada e diversas capacidades, como força, resistência, agilidade", explica Alessandro Melo, coordenador personal da Reebok Academia. Essa é a principal diferença em relação aos outros tipos de exercícios, e pode ser comparado a outras práticas como Pilates e ioga, no conceito global, mas não nas atividades propostas. Entenda o que é, quais os benefícios e desvende um pouco do mistério em torno do corpo escultural de algumas das mulheres mais bonitas do mundo.

O que é

É uma proposta criada pelo americano Gray Cook há mais de uma década, batizada de Functional Movement System (Sistema de Movimentos Funcionais), que propõe que os movimentos feitos pelo corpo sejam corretos. A melhor imagem para definir são os movimentos feitos por crianças que agacham de maneira correta, são elásticas, mantêm a coluna ereta, só para citar alguns exemplos. Com o passar dos anos, o corpo vai se adaptando a posturas e movimentos errados que levam a desequilíbrios de força, redução de agilidade ou mesmo lesões, entre outros problemas. Mesmo quem mantém rotina de atividades físicas pode estar sujeito a tais questões. Há pouco mais de dois anos, ganhou notoriedade com o lançamento do livro Movement (Movimento), que reuniu pela primeira vez as pesquisas, exercícios e proposta do Treinamento Funcional.

O que propõe

Por meio de uma avaliação, chamada de Functional Movement Screen, composta por sete movimentos naturais do corpo, são avaliadas as condições gerais, como força, resistência e agilidade. "Nesse trabalho podem ser diagnosticadas lesões, assimetrias ou outras deficiências que serão trabalhadas com exercícios, aumentando a eficiência dos resultados e evitando lesões", explica Alessandro Melo, coordenador personal da Reebok Academia.

Musculação funcional

O termo correto que descreve o método é Treinamento Funcional, mas muitos profissionais associam o método a exercícios da musculação tradicional, o que popularizou o termo 'musculação funcional'.

Principal diferença

Exercícios de musculação geralmente são localizados, focando a força em um determinado músculo. Já os exercícios do treinamento funcional focam em cadeias musculares, são bem variados e envolvem, além da força, equilíbrio, agilidade, consciência corporal, entre outros fatores. "Os exercícios são complexos e exigem consciência corporal", explica o personal trainer Rafael Lund, que treina as atrizes Flávia Alessandra e Deborah Secco.

Benefícios

O corpo simplesmente passa a se movimentar melhor. Parece pouco, mas significa que tudo estará em equilíbrio. "O principal é preparar o corpo para movimentos mais próximos daqueles que usamos no dia a dia. A ideia é focar nos padrões fundamentais do movimento humano, como empurrar, puxar, agachar, girar, lançar, entre outros", diz Rafael Lund. A proposta vai além da estética. "É algo para gerar benefícios para o resto da vida, não apenas um resultado imediato. Vai fazer melhor atividades como praticar esportes, trocar uma lâmpada, pegar coisas no alto", enumera Alessandro Melo.

Redução de riscos

Uma das principais propostas do Treino Funcional é a de evitar lesões no corpo. Elas geralmente acontecem porque músculos e articulações muitas vezes ficam limitados a movimentos feitos em diversas modalidades, como a musculação, por exemplo. "Quando o corpo precisa se movimentar fora daquele padrão, aparecem as lesões", explica Alessandro Melo. O profissional conta sua experiência pessoal de ter desenvolvido duas hérnias de disco na região lombar mesmo sendo ativo e estando em forma. Isso aconteceu devido à falta de mobilidade nos quadris e encurtamento de alguns músculos que não eram trabalhados em treinos de musculação tradicional. Além da rigidez e encurtamento, são comuns problemas de compensação, quando o corpo tem mais força de um lado do que do outro. O treinamento funcional é empregado no preparo de atletas de elite em diversas modalidades, pois preparadores físicos e empresas preferem manter esportistas longe de lesões, o que significa perda de oportunidades e dinheiro gasto com tratamentos, muitas vezes, longos.

Modismo

Assim como aconteceu com o Pilates e a ioga, cujos exercícios mais difíceis, muitos dos quais se pareciam com acrobacias circenses, eram tidos como meta geral dos praticantes, no Treino Funcional, movimentos realizados com o corpo suspenso são normalmente divulgados como centrais para a prática. Eles podem ser feitos e fazem parte da proposta, mas existem exercícios mais simples, como agachamentos, entre outros, que geram os resultados esperados. "Muitos pensam em fazer coisas impossíveis e que os movimentos devem ser difíceis, mas não é esse o objetivo", diz o personal trainer da Reebok.

Isso também não significa que não se deve almejar as posições mais difíceis". Como são exercícios dinâmicos e muitas vezes desafiadores, fazem com que o aluno queira ir cada vez além. É um dos aspectos principais, o aluno querer evoluir cada vez mais no grau de dificuldade", explica Rafael Lund.

Quem pode praticar

Segundo Rafael Lund, qualquer pessoa, independentemente de idade ou gênero. O que diferencia o treino de uma pessoa para outra são os exercícios e o grau de dificuldade destes para atingir o objetivo.

Como são as aulas

Não existe um padrão, pois os exercícios são definidos de acordo com as necessidades do aluno. Em geral, faz-se muitos tipos de agachamentos, exercícios de sustentação do corpo e de puxar e empurrar.

Diferença em relação à musculação tradicional

Além do trabalho global do corpo, o treinamento funcional pede que o aluno aprenda a executar um movimento corretamente, para depois acrescentar a sobrecarga. Por exemplo, num agachamento, a pessoa deve conseguir flexionar os joelhos, mantendo a coluna ereta e, quando realizar a descida com perfeição, poderá contar com auxílio de pesos para potencializar resultados. Na musculação tradicional, existe a ideia de que a conquista da força muscular é que irá corrigir o movimento incorreto, o que pode levar a lesões.

Abordagem global

Alguns críticos do Treino Funcional afirmam que movimentos sempre feitos nas academias ganharam apenas uma nova etiqueta para cair na moda. O fato é que o método propõe buscar o equilíbrio em movimentos naturais ao corpo, daí a confusão. "Existe, sim, uma volta a padrões de movimento já utilizados em treinamentos de diversas modalidades e aspectos de tratamento fisioterápico, mas com uma proposta um pouco diferente e mais estudos científicos que justificam e alinham o trabalho", explica Rafael Lund.

Aparelho

O principal aparelho usado nos exercícios é o peso do próprio corpo. Mas conta-se com auxílio de equipamentos como Cross Core, Bosu, entre outros, que levaram o treinamento funcional a outro patamar. Mas pode-se usar qualquer objeto que esteja disponível, como pneus, barras, barreiras. O equipamento TRX é um dos mais procurados por celebridades e que chama atenção por ser um treino suspenso, onde o corpo realiza movimentos, como simulando remadas, usando o próprio peso. Outro aparelho que se integra à proposta é o Keiser, que possibilita treinar a força sem trancos ou impactos devido a um sistema pneumático. Diferentemente dos aparelhos de musculação convencionais, não mascaram encurtamentos ou diferenças de forças entre os lados do corpo, por exemplo.

Mescla de propostas

A prática do treinamento funcional, em geral, não irá resultar em um abdômen sarado. O principal objetivo é o de melhorar os movimentos do corpo de maneira geral. Portanto, a maioria dos alunos opta por um trabalho conjugado, misturando o treino funcional com a musculação ou outras modalidades. "Se o treino funcional for intenso, ajuda no emagrecimento, mas se a ideia for focar em alguma área específica, como ganhar massa nos braços ou glúteos, precisa completar com outras atividades", explica Alessandro Melo. "No meu trabalho, não crio distinções entre os métodos de treinamento. Normalmente misturo um pouco de tudo para atingir o objetivo do aluno. Funcional, convencional, lutas, esportes com bola, até mesmo ioga ou Pilates", disse Rafael Lund.

Fonte: http://beleza.terra.com.br/corpo-em-forma/treino-funcional-conheca-a-malhacao-que-esculpe-o-corpo-das-famosas,e379880e41399310VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html

Vídeos