segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Pesquisadores descobrem como a vitamina D inibe inflamações


Pesquisadores do National Jewish Health descobriram eventos específicos moleculares e sinalizadores pelos quais a vitamina D inibe a inflamação. Nas suas experiências, eles mostraram que índices baixos de vitamina D, comparáveis aos índices observados em milhões de pessoas, não conseguiram inibir a cascata inflamatória, enquanto que os índices considerados adequados inibiram os sinais de inflamação.

"Este estudo vai além das associações anteriores de vitamina D com diversos efeitos na saúde . Ele descreve uma clara cadeia de eventos celulares, a partir da ligação do DNA, através de uma via de sinalização específica, para a redução de proteínas conhecidas por provocar inflamação", disse a autora principal Elena Goleva, professora assistente de pediatria do National Jewish Health. "Os pacientes com doenças inflamatórias crônicas, como asma, artrite e câncer de próstata, que têm deficiência em vitamina D, podem se beneficiar da suplementação de vitamina D para obter os índices de vitamina D no sangue acima de 30 nanogramas / mililitro."

As atuais diretrizes nacionais sugerem que as pessoas devem manter um índice mínimo de vitamina D no sangue de 20 ng / ml, embora haja muito debate científico sobre o índice ideal. A vitamina D é conhecida pela contribuição à saúde óssea, promovendo a absorção do cálcio. Nos últimos anos, muita atenção tem sido dada aos seus possíveis benefícios imunes e inflamatórios. Baixos índices de vitamina D têm sido associados a várias doenças, incluindo asma, câncer, diabetes e artrite.

No estudo atual, os pesquisadores examinaram os mecanismos específicos pelos quais a vitamina D pode atuar em vias imunes e inflamatórias. Eles incubaram células brancas sanguíneas humanas com diferentes níveis de vitamina D, em seguida, expuseram estas células a lipopolissacarídeo(LPS), uma molécula associada com as paredes das células bacterianas, que é conhecida por promover respostas inflamatórias intensas.

As células incubadas sem vitamina D e em solução contendo 15 ng / ml de vitamina D produziram taxas elevados de citocinas IL-6 e TNF-a, principais agentes na resposta inflamatória. As células incubadas em 30 ng / ml de vitamina D e valores superiores mostraram resposta significativamente reduzida para os LPS. Os índices mais elevados de inibição da inflamação ocorreram a 50 ng / ml.

Através de uma série complexa de experiências, os investigadores identificaram um novo local onde o receptor de vitamina D aparenta se ligar diretamente ao DNA e ativar um gene conhecido como MKP-1. MKP-1 interfere com a cascata inflamatória provocada por LPS, que inclui uma molécula conhecida como p38, e resulta em níveis mais elevados de IL-6 e TNF-a.

"Este recém-identificado local de ligação do DNA ao receptor de vitamina D, e as vias específicas inibidas por índices mais elevados de vitamina D fornecem um mecanismo plausível para muitos dos benefícios que têm sido associados com a vitamina D", disse o Dr. Goleva. "O fato de que nós mostramos uma resposta variada dependendo da dose utilizando índices normalmente encontrados em humanos também adiciona peso ao argumento para o papel da vitamina D em condições imunes e inflamatórias.

Fonte: http://emedix.uol.com.br/not/not2012/12fev23imu-joi-rdh-vitaminaD.php

domingo, 30 de dezembro de 2012

Nutricionista alerta sobre o perigo do consumo excessivo de carne vermelha


De acordo com uma pesquisa realizada pelo Hospital A.C. Camargo, em São Paulo, os cânceres de intestino e cólon estão diretamente ligados à má alimentação. O estudo mostra que a carne vermelha, por exemplo, pode representar um grande perigo à saúde, se for preparada em altas temperaturas. A nutricionista da unidade técnica de alimentação e nutrição ligada ao Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), vinculado ao Ministério da Saúde, Sueli Couto, explica que a carne vermelha é uma excelente fonte de proteína, mas o excesso de calor durante o cozimento favorece a liberação de substâncias tóxicas que podem acabar entrando em contato com a parede do intestino.

“É uma substância cancerígena que fica impregnada na carne. Então, é preciso ter cuidado. Eu sugiro que as pessoas façam o uso da carne mais no forno do que na brasa ou grelhada . Essa é uma dica que a gente faz, recomendação do Ministério da Saúde, porque realmente estas substancias produzidas por essa forma de preparo expõem a população a um maior risco de desenvolvimento da doença. E considerando que o câncer de cólon e reto está sendo o terceiro câncer na população de incidência, é preciso precaução”, alerta a especialista.

Segundo Sueli Couto, comer frutas, verduras e legumes com frequência ajuda a evitar que as substâncias tóxicas liberadas pela carne vermelha fiquem no organismo por muito tempo. “A fibra tem a função de carrear essas gorduras para fora do corpo, faz o intestino funcionar melhor e essas substâncias não ficam no intestino por muito tempo. A questão da carne acompanhada de alimentos protetores certamente vai melhorar a qualidade de vida dessa pessoa”, recomenda.

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde recomenda o consumo de 300g a 500g de carne vermelha por semana. Para saber mais sobre as ações de atenção nutricional do Sistema Único de Saúde (SUS) acesse www.saude.gov.br

Fonte: http://www.blog.saude.gov.br/nutricionista-alerta-sobre-o-perigo-do-consumo-excessivo-de-carne-vermelha/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=nutricionista-alerta-sobre-o-perigo-do-consumo-excessivo-de-carne-vermelha

sábado, 29 de dezembro de 2012

Dez Passos da Alimentação Saudável Para Crianças Menores de Dois Anos


Abordagem ortomolecular da Obesidade - Tratamento para emagrecimento na ortomolecular



A obesidade tem sido considerada por muitos o “mal do século”, e cresce a cada ano, “atacando” não só os países desenvolvidos como os países em desenvolvimento como o Brasil. Cabe a nós profissionais da saúde, em especial nós, médicos, o conhecimento e o interesse adequado para lidar com tal problema. A obesidade é geralmente definida como a condição de pesar 20% ou mais acima do seu peso ideal, como mostrado no quadro peso (Quadro 1.1). Nos Estados Unidos, cerca de um a cada cinco homens, e uma a cada três mulheres são obesos (ABESO, 2003).

No Brasil a situação tornou-se um problema de saúde pública, a qual se não for tomada atitudes drásticas o futuro promete ser sombrio.

Recentemente, o Ministério da Saúde divulgou um pesquisa que revela que quase metade da população brasileira está acima do peso. Segundo o estudo, 42,7% da população estava acima do peso no ano de 2006. Em 2011, esse número passou para 48,5%. O levantamento é da Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), e os dados foram coletados em 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal.

O estudo também revelou que o sobrepeso é maior entre os homens. 52,6% deles está acima do peso ideal. Entre as mulheres, esse valor é de 44,7%. A pesquisa também diz que o excesso de peso nos homens começa na juventude: na idade de 18 a 24 anos, 29,4% já estão acima do peso; entre 25 e 34 anos são 55%; e  entre 34 e 65 anos esse número sobe para 63%.

Já entre as mulheres, 25,4% apresentam sobrepeso entre 18 e 24 anos; 39,9% entre 25 e 34 anos; e, entre 45 e 54 anos, o valor mais que dobra, se comparando com a juventude, passando para 55,9%.


Quadro 1.1. Quadro de classificação do Índice de Massa Corporal (IMC):
18 a 25 kg / m2
Normal
25 a 30 kg / m2
Excesso de peso
30 a 40 kg / m2
Obeso
40 kg / m2
Obesidade Mórbida
(MARINS, 1998)


É importante salientar que a tabela de IMC muda de acordo com a faixa etária. Por exemplo, sobrepeso para idosos é acima de 26,9.

Segundo Fox (2000): “Obesidade refere-se à quantidade de gordura acima da média contida no corpo, que, por sua vez, depende do conteúdo lipídico de cada célula gordurosa e do número total de tais células. Contudo, a avaliação do número e do tamanho de células adiposas constitui um procedimento clínico dispendioso que também não nos diz toda a verdade”.


Logo, foram criadas diversas formas de cálculo mais simples e sem custo para se classificar alguém como obeso. Por exemplo, um IMC acima de 30 é considerado frequentemente como indicador de obesidade. Uma alta relação entre as circunferências da cintura e do quadril também é usada como indicador de excesso de peso. (MCARDLE et al., 1998)


Outra forma de se detectar e classificar excesso de peso é pelo método de dobras cutâneas, que por ser um método de baixo custo e grande funcionalidade é altamente empregado em avaliações pré-treinamento e pós-treinamento. Devido à sua grande utilização surgiram várias equações para predizer a massa gorda, dentre estas as mais utilizadas são as de Pollock (1985) e Faulkner (1973).


Quadro 1.2. Equações para predizer a massa gorda

·         Equação de Pollock para Mulheres (McArdle et al,  1998):
Dc = 1,099421 – 0,0009929 (X1) + 0,0000023 (X1)2 – 0,0001392 (X2)

Dc = Densidade Corporal; X1 = Somatório das medidas das dobras cutâneas (Tríceps, Supra-Ilíaca e Coxa);  X2 = Idade em anos
·         Equação de Pollock para Homens (McArdle et al,  1998):
Dc = 1,10938 – 0,0008267 (X1) + 0,0000016 (X1)2 – 0,0002574 (X2)

Dc = Densidade Corporal; X1 = Somatório das medidas das dobras cutâneas (Peitoral, Abdominal e Coxa); X2 = Idade em anos
Para ambos os sexos: % de Gordura = 492/Dc – 450
·         Equação de Faulkner para ambos os sexos (McArdle et al,  1998):
·         % de Gordura = S4 x 0,153 + 5,783
S4 = Somatório das medidas das pregas cutâneas (Tríceps, Subescapular, Supra-Ilíaca e Abdominal)

Após aplicação da fórmula (Pollock, 1985 ou Faulkner, 1973), a classificação poderá ser obtida através de uma tabela classificatória (Tabela I) como apresentada a seguir:
Tabela I – Tabela classificatória de percentual de gordura para homens e mulheres:

Classificação
Homens
Mulheres
Gordura essencial
1 a 5 %
3 a 8 %
Maioria dos atletas
5 a 13 %
12 a 22 %
Saúde ótima
10 a 25 %
18 a 30 %
Aptidão ótima
12 a 18 %
16 a 25 %
Obesidade limítrofe
22 a 27 %
30 a 34 %
(FOOD AND NUTRITION BOARD, 2000)


As técnicas de imagem como a tomografia computadorizada e ressonância magnética, são recomendadas como técnicas ideais disponíveis para determinação da gordura visceral (FOX, 2000). Porém, estas técnicas não estão disponíveis para a maioria das pessoas.

Na minha prática utilizo a avaliação por bioimpedanciometria.

A Bioimpedância ou Impedância Bioelétrica (BIA) é um método de análise da Composição Corporal (CC). Apesar de não ser considerado padrão-ouro para análise da CC foi considerado pelo Consenso Latino Americano de Obesidade como um método apurado para avaliação da CC. Com os dados dessa avaliação, é possível fazer o correto diagnóstico de peso corporal, avaliando se a pessoa está inchada (edemaciada ou retendo líquido) ou se é excesso de peso realmente.

Com base nesse exame, o cardápio é melhor elaborado e as metas são melhores atingidas.

Além disso o acompanhamento fica mais completo, já que o médico consegue acompanhar se a massa magra ou massa gorda aumentou/diminuiu.

Entretanto para que a análise seja feita correta, faz-se necessário seguir alguns protocolos.

Quais as vantagens da BIA ?
A BIA é um método não invasivo, rápido, com boa sensibilidade, indolor, usado para avaliar a CC, baseado na passagem de uma corrente elétrica (totalmente indolor) de baixa amplitude (500 a 800 mA) e de alta freqüência (50 kHz), e que permite mensurar os componentes resistência (R), reatância (Xc), impedância (Z) e ângulo de fase. Termos difíceis para um leigo, mas resumindo, de posse destes parâmetros o aparelho consegue calcular:

  1. A Real % Gordura Corporal e  o Peso Gordura
  2. A % de massa magra e Peso da massa magra corporal
  3. O peso total
  4. A % Água Corporal
  5. Taxa Metabólica Basal (TMB) – quanto você gasta em calorias por dia para manter-se vivo e em repouso.
  6. O Índice de Massa Corporal (IMC)

Como se faz a BIA ?
Existe um protocolo sugerido por pesquisadores o qual a marca InBody preconiza como fundamental para uma análise correta da CC.

  1. Suspender o uso de medicamentos diuréticos de 24 horas a 7 dias antes do teste
  2. Estar em jejum de pelo menos 4 horas
  3. Estar em abstinência alcoólica por 48 horas
  4. Evitar o consumo de cafeína ou qualquer termogênico (chá-verde, chá-mate, coca-cola, guaraná em pó, chocolate) 24 horas antes do teste
  5. Estar fora do período pré menstrual e menstrual
  6. Não ter praticado atividade física nas últimas 24 horas
  7. Ter bebido pelo menos 2 litros de água nas últimas 24 horas
  8. Urinar pelo menos 30 minutos antes da medida
  9. Permanecer pelo menos 5 -10 minutos de repouso absoluto em posição de decúbito dorsal antes de efetuar a medida
Durante o exame, como já dito acima, uma corrente elétrica passa pelo corpo através de dois pares de eletrodos (adesivos) colocados na mão e no pé direito. O exame é totalmente indolor. Quanto maior é o percentual de gordura, maior é a dificuldade para a corrente elétrica atravessar o corpo.

Existe alguma contra-indicação para realizar a BIA ?
Contra-Indicação absoluta para a realização do teste: portadores de marcapasso e gestantes.

Por que utilizar a BIA no emagrecimento ou quando se quer ganhar massa magra ?
A grande vantagem da BIA é nos processos de emagrecimento. Hoje ja se sabe que perda de peso não é sinônimo de emagrecimento, muitas vezes o paciente perde massa gorda (gordura), ganha massa magra e o peso não altera na balança (as vezes até aumenta). Com a análise pela BIA as chances de uma interpretação errônea é menor. Um outro exemplo é quando o paciente apresenta alto IMC, não se acha tão gordo e aí a BIA evidencia que há uma grande % de massa magra, sendo assim a quantidade de gordura a ser perdida não é a que era estimada de acordo com o IMC.

Considerações importantes sobre a BIA
Além de seguir o correto protocolo, faz-se necessário que o aparelho seja de boa qualidade e esteja calibrado. No Brasil a Ottoboni é representante da maior marca de BIA do mundo, a InBody. Portanto os aparelhos InBody possuem validação científica, sendo chancelados pelas maiores Instituições do Brasil, como a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) e GANEP.

Qualquer aparelho de BIA é fidedigno para análise da CC ?
Não. Quanto maior a tecnologia (número de polos, segmentos e frequências) melhor a acurácia do teste. Nosso aparelho é da marca InBody, tetrapolar, multisegmentar, multifrequencial. O exame dura cerca de 10 minutos e o resultado é impresso na hora.




Para mim como médico, o problema central da obesidade consiste em uma disfunção catabólica (dificuldade do organismo em queimar as reservas calóricas), por bloqueio oxidativo de enzimas fundamentais ao catabolismo. Sendo que esse bloqueio pode ser por inúmeros fatores, desde dietéticos até ambientais.

Na maioria das vezes a quantidade calórica exagerada leva à obesidade, porém em alguns pacientes essa ingestão é normal e mesmo assim o paciente está obeso. Inúmeros fatores podem está envolvidos e somente o médico está apto a diagnosticar isso, ja que na maioria das vezes faz-se necessário solicitar exames que somente médicos podem realizar.

Os itens abaixo podem facilitar o ganho de peso ou redução da taxa metabólica basal.
1)      Disbiose intestinal: Nosso intestino é repleto de bactérias “Boas” e bactérias “Ruins”. Quando o número de bactérias ruins se sobrepõe ao número de boas, surge uma condição chamada disbiose intestinal. Estudos recentes têm evidenciando que o intestino de pacientes obesos possui um perfil de bactérias diferente (firmicutes) do intestino dos pacientes magros (bacterioidetes). Por exemplo, o intestino no gordo possui mais bactérias que diminuem o metabolismo e que favorece a absorção de mais nutrientes, além de influenciar a nível cerebral, na escolha do tipo de alimento a ser ingerido. Portanto em todo tratamento médico sério é fundamental a adoção de medidas dietético-higiênicas que diminuam essa disbiose. A maneira mais eficaz de se tratar é com antibióticos (infelizmente é o que tem dado resultado segundo a maioria dos trabalhos) em ciclo curto e posteriormente recolonização com uso de cepas variadas por um período prolongado. É importante salientar que mesmo em ciclos curtos, o uso de antibióticos é capaz de alterar a flora intestinal e a mesma ser recomposta somente após 2 anos. 
2)      Hipotireoidismo (na verdade o hipotireoidismo apenas promove uma retenção hídrica, ou seja, ninguém engorda devido o hipotireoidismo), porém pode promover uma queda do gasto energético de repouso. A avaliação médica com dosagem do TSH, T4 livre, T3 livre é crucial. Se o TSH estiver alto mesmo com uso de levotiroxina, o endocrinologista deve aumentar a dose, a fim de manter o TSH nos níveis adequados. Com isso reestabelecer o metabolismo do paciente.
3)      Insônia: As pesquisas revelam que indivíduos que dormem poucas horas por noite apresentam redução nos níveis de leptina (hormônio que favorece a saciedade e o gasto energético) e um acréscimo similar na concentração de grelina (hormônio que favorece a compulsão principalmente por carboidratos e alimentos gordurosos). Além disso, a insônia favorece uma diminuição do hormônio do crescimento (este, sabidamente diminui massa gorda e favorece aumento da massa magra) e diminuição dos pulsos do LH, o hormônio que estimula a produção de testosterona. O déficit de testosterona (muitíssimo comum em homens obesos) favorece o ganho de gordura abdominal. 
4)      Aumento do cortisol sanguíneo: O cortisol tem múltiplas funções, dentre elas auxilia na manutenção dos níveis glicêmicos e controle da pressão arterial. Quando em excesso poderá favorecer o ganho de peso. Mas afinal, que situações podem desencadear maior liberação do cortisol ? O que ativa esta liberação são estressores como poluentes, alimentação rica em gordura saturada ou trans, excesso de sódio, adoçantes, o jejum prolongado (ficar horas sem comer alguma coisa), a ansiedade, a apreensão, o nervosismo, medicamentos (corticóides), alcoolismo dentre outro."O estresse leva ao aumento do hormônio cortisol, que facilita a diferenciação de células gordurosas (aumento do número de células gordurosas), aumenta a formação de gordura (entrada de triglicérides no adipócito - célula de gordura), dificulta o emagrecimento.Além disso ocorre um desequilíbrio na massa magra pois uma das ações do cortisol é a utilização da massa magra (degradação das proteínas) e com isso alteração do metabolismo basal, fraqueza muscular.
5)      Déficit de minerais que fazem parte do metabolismo de carboidratos e lipídios: vitaminas do complexo B, Cromo, Vanádio, Biotina, Zinco, Magnésio, Selênio.

Índice fitoquímico e intolerância alimentar

Frequentemente atendemos pacientes que possuem a mesma ingestão calórica, porém, um engorda e o outro não. Portanto dentro dos preceitos ortomoleculares não se conta calorias, assim como nutricionistas funcionais. Os pacientes são diferentes entre si, receberam nutrientes diferentes no período intra-útero e infância, gerando metabolismos diferentes entre si. 

Há ainda a questão do tipo de alimento ingerido. Sabe-se que há diferença entre comer 300 calorias de uma barra de chocolate amargo e 300 calorias em um hambúrguer. A diferença é a quantidade de fitoquímicos que irão regular o funcionamento das células, no caso da barra de chocolate que possui estes fitoquímicos, fazendo com as calorias sejam gastas nas mitocôndrias, diferente do hambúrguer, que as calorias serão estocadas. Hoje chamamos isso de índice fitoquímico da dieta. A ciência vem mostrando que quando 40% das calorias de uma dieta provêm de alimento rico em fitoquímicos, não precisamos fazer dieta de restrição, nem regime de emagrecimento, basta trocar a qualidade dos alimentos, para aqueles ricos em fitoquímicos, que se consegue manter a perda de peso e manter o peso perdido.

Uma dieta com alimentos pró-oxidantes ou já oxidados favorece um maior armazenamento de gordura. Ou seja, para nós, o mais importante é a qualidade dos alimentos ingeridos, e não o seu valor calórico. Deve haver uma mudança qualitativa na dieta, sem grandes privações (passar fome), para obtenção de perda progressiva e eficaz do excesso de peso.

A compulsão por determinado alimento é sintoma de intolerância alimentar, ou seja, o paciente é, organicamente, intolerante ao alimento de que mais gosta de consumir o que leva ao aumento de peso por gerar um processo inflamatório no intestino e sistemicamente. Hoje já se sabe que estados inflamatórios podem favorecer o ganho de peso dependendo do tipo de mediadores químicos presentes. No caso das intolerâncias alimentares e compulsão pelo alimento intolerante, o mecanismo não está bem estabelecido, mas acredita-se que durante a liberação de substâncias “alérgicas” como, por exemplo, a histamina, ocorra também liberação de Serotonina, gerando prazer no paciente e perpetuando essa compulsão alimentar.

Gordura marrom

A dieta ocidental, rica em alimentos refinados, leva a uma grande produção e estoque da gordura clara (branca), com pouca concentração de mitocôndrias, que são os grandes produtores de energia nas células.  

Quando nascemos, para mantermos um equilíbrio na temperatura corporal (nos mantermos aquecidos já que perdemos calor facilmente) somos dotados de uma gordura denominada de marrom, devido a sua coloração.

A gordura marrom é rica em mitocôndrias, provoca maior atividade metabólica, queimando as calorias e impedindo seu acúmulo sob a forma de gordura. Após adultos continuamos tendo gordura marrom, porém em quantidade menor. Porém há indivíduos que possuem mais e isso pode explicar os casos em que paciente tem alta ingestão de comida e mesmo assim não engorda. Hoje a medicina ja conhecer algumas táticas para aumentar a quantidade de gordura marrom.

Obesidade como doença multifatorial

Abaixo alguma das possíveis causas de Obesidade, só para compreendermos como o problema é muito mais complexo do que a maioria dos nossos pacientes imaginam.

Causas 1
Causas 2
Alimentação inadequada
Alto consumo de comida industrializada
Muita gordura na dieta 
Muito açúcar na dieta
Bebidas açucaradas
Sobremesas
Restaurantes Fast food
Comer fora em geral
Alto custo de comida saudável 
Pouca atividade física 
Automóvel 
Falta de calçadas para se caminhar
Diminuição de atividade física no trabalho 
Baixa renda
Alta renda
Economia
Poluição
Flora intestinal
Genética 
Epigenética
Problemas endocrinológicos
Medicamentos
Temperatura ambiente
Problemas do sono
Distúrbios intra-uterinos
Casamento consangüíneo
Vírus 
Idade mais avançada de maternidade 
Mães que trabalham fora
Pais que trabalham muito
Mães solteiras
Ganho de peso na gestação 
Diabetes gestacional

Causas 3
Causas 4
Ajuda financeira do governo (bolsa família etc)
Lares com 3 gerações 
Tabagismo materno
Ganho de peso rápido na infância 
Falta ou pouco aleitamento materno
Relacionamento mãe-filho ruim 
Maus tratos na infância ( negligência, abuso físico, abuso sexual)
Problemas comportamentais crônicos na infância 
Depressão 
Problemas respiratórios 
Incapacidade física 
Incapacidade mental
Subsídios agrícolas
Superprodução de grãos 
Publicidade de alimentos para crianças 
Globalização 
Industrialização 
Urbanização 
Facilidade no transporte
Aumento da renda per capita e do PIB
Melhor fornecimento de água 
Melhoria no saneamento básico 
Baixo nível educacional dos pais
Uso exagerado de TV e computador 

Causas 5
Causas 6
Termogênese não relacionada a atividade física 
Inflamação crônica 
Relacionamentos sociais
Parar de fumar
Estresse
Equipamentos domésticos 
Problemas na tireóide 

Ir para escola particular 
Não comer no café da manhã
Beliscar
Massas
Chocolate 
Conflitos familiares
Baixa taxa de obesidade entre gays e homens bissexuais
Alta taxa de obesidade entre lésbicas e mulheres bissexuais 
Imigrante latino nos EUA
Mulher presa nos EUA
Ter feito amigdalectomia
Deixar a luz acesa à noite 
Exposição pré-natal a desastres naturais

Foi criada uma teoria chamada de “Teoria do Set-Point” que defende um ponto de equilíbrio quanto ao peso corporal. Explicando o porquê pessoas submetidas a regimes de restrição calórica retornam ao seu peso quando a dieta é interrompida. 

Essa teoria mostra que uma subalimentação reduz a taxa metabólica basal, a termogênese induzida pela dieta e a atividade física voluntária. Este conjunto de fatores faz com que a restrição alimentar não gere o equilíbrio energético negativo necessário para manter a redução ponderal. Tais regulações são promovidas pelo hipotálamo, comprovando experiências conduzidas por Kessey que defende a existência de um ponto de equilíbrio ponderal (POLLOCK, 1993).

Mas porque combater a obesidade?

Admite-se que em breve a obesidade acabará ultrapassando o fumo como causa de morte nos Estados Unidos. Segundo Pollock (1993), os riscos específicos da obesidade para saúde incluem:

  1. Função cardíaca deteriorada como resultado de um maior trabalho mecânico e da disfunção autônoma e ventricular esquerda;
  2. Hipertensão e acidente vascular cerebral;
  3. Diabetes mellitus com início da vida adulta, pois cerca de 80% desses pacientes são obesos;
  4. Doença Renal crônica devido à associação com hipertensão arterial;
  5. Doença pulmonar como resultado do maior esforço necessário para movimentar a parede torácica ou apnéia obstrutiva do sono;
  6. Alterações farmacodinâmicas de algumas drogas, principalmente anestésicos, devido à lipossolubilidade;
  7. Osteoartrite, doença articular degenerativa e gota;
  8. Vários tipos de câncer;
  9. Níveis plasmáticos anormais de lipídeos e lipoproteínas;
  10. Irregularidades menstruais;
  11. Alterações psicológicas.
Abordagem da obesidade

Inicialmente sugiro pros meus pacientes o que denomino de quatro passos para iniciar o processo de emagrecimento.

1) Aceitação
- Estou gordo e preciso emagrecer
- Reconhecer a obesidade
- Reconhecer os malefícios e futuras consequências caso a obesidade não seja tratada
- Compreender que a questão estética é o de menos nesse jogo.
- No caso dos comedores compulsivos recomendo que procurem grupos de Comedores Compulsivos anônimos (CCAs) http://www.comedorescompulsivos.org.br/

2) Encontrar os passos:
O primeiro já foi dado, que foi procurar o auxílio médico. Montaremos então uma estratégia de mudanças. Estas mudanças serão a médio e longo prazo, e deverão se adequar às necessidades do paciente.
Nesse momento discutimos inúmeros fatores que estão envolvidos no processo e até que ponto o paciente irá aceitar as sugestões, como por exemplo:
Quer parar de comer o que gosta? O quanto vai comer?  Quantidade ou qualidade? Quer se sujeitar a praticar atividade física?

Explico a matemática da comida, mas saliento que diferente da matemática, ela não é tão exata. Nem sempre o que entra (comida) e o que se gasta (atividade física) gera eliminação de gordura. Na maioria das vezes isso pode acontecer, mas até quando a pessoa conseguirá sustentar esse processo? O diferencial aqui será a qualidade do alimento, já que estudos atuais evidenciam que a qualidade dos nutrientes pode influenciar diretamente no metabolismo.

O tipo de atividade física é de importância crucial e para isso temos como ferramenta a calorimetria indireta (exame que mostra a taxa metabólica de repouso) e a ergoespirometria (exame que mostra em qual zona de frequência cardíaca o paciente inicia a queima de gordura). A ergoespirometria só ser realizada por médicos. A interpretação é feita por médico especializado na área. É uma ferramente primordial, pois assim o médico pode direcionar o melhor treinamento. 

3) Salientar que o processo é como se preparar para uma maratona. Se não tiver planejamento, com disciplina e determinação, a vontade pode ser grande, mas o resultado esperado não acontece. Ou seja, deixamos claro pro paciente que não adianta:
1 - aceitar o problema
2 - pensar positivo
3 - tratar emoções
Mas CONTINUAR comendo desregradamente, vida sedentária e acreditar que irá emagrecer. Não irá. 

4) Tratar as emoções, portanto quase sempre é imprescindível a presença de um psiquiatra ou psicólogo no processo.  Trabalhar as emoções que paralisam, amedrontam, faz fugir de si mesmo e descarregar no corpo. 
Resolver os bloqueios emocionais é de suma importância para eliminar os quilos a mais.
1 - Ser vítima não ajuda
2 - Fugir das responsabilidades, não ajuda.
3 - Tem que ter coragem para agir e ser feliz. Se a coragem não aparecer, aí tem que buscá-la dentro de si. Porque ela existe. Coragem pra tampar o sentimento indesejável com alimento existe, mas pra mudar não há?

As 6 alterações químicas cerebrais que mais detectamos na anamnese:
  1. Comedor compulsivo (vício, come desesperadamente na tentativa de sentir-se bem) - geralmente apresenta serotonina baixa e aumento da atividade do cérebro antigo (período paleolítico), compulsão por carboidrato principalmente no final da tarde: respondem bem à sibutramina, 5HTP, dieta rica em triptofano.
  2. Comedor impulsivo (não controla o impulso, ele não se controla pra começar a "comilança") -  geralmente apresenta baixa de dopamina, e na nossa anamnese apresenta o teste de checagem de hipoatividade do lobo pré-frontal positivo. Os alimentos prediletos são: chocolate, cafeína. Tem uma sensação de recompensa após a "comilança". Respondem bem a Bupropiona, Topiramato, Mucuna, Tirosina, DHA, Camelia, L-PEA, dieta low carb.
  3. Comer impulsivo/compulsivo - É uma mistura dos dois: tratamento mais complexo, aminoacidoterapia na qual os aminoácidos prescritos têm posologias diferentes.
  4. Comedor ansioso (expectativa constante do futuro) - Geralmente apresenta baixa de GABA e responde bem aos precursores do mesmo.
  5. Comedor do estresse - Geralmente apresenta uma elevação do cortisol, sendo que este pode dificultar a queima de gordura e favorecer a diferenciação das células de gordura (adipócitos). Tratamento visando redução do cortisol, com medidas higiênico-dietéticas.
  6. Comedor da depressão (variação climática/ambiental) - Geralmente são pacientes que possuem baixos níveis de vitamina D, disbiose intestinal, intolerâncias alimentares. Respondem      bem à suplementação básica e tratamento do intestino. 
Abordagem nutricional e medicamentosa

Hoje na medicina temos inúmeras substâncias que diminuem o apetite mas nenhuma delas apresenta estudos bem estabelecidos, ao contrário de fármacos alopáticos já consagrados na literatura. Existem pacientes que infelizmente precisam destas medicações alopáticas para reduzir o apetite. Para esse grupo de pacientes, na maioria das vezes, sugiro um tratamento com endocrinologista ou nutrólogo.

Na nossa abordagem utilizamos elementos naturais (sem efeitos adversos) que:
1) Estimulam a produção da gordura marrom e aumentando o consumo energético (aumento do metabolismo). Usamos alimentos e suplementos termogênicos
2) Tratamento da irritabilidade, ansiedade ou depressão já que estes podem ser gatilhos para um maior consumo de alimentos ou favorecem a diminuição da prática de atividade física. Utilizamos alimentos e suplementos.
3) Alimentos e fitoquímicos com finalidade de reduzir a ingestão de comida e promoção de maior saciedade.

Quando apenas a utilização de elementos naturais não funciona, faz-se necessário a instituição de terapia medicamentosa. Falo isso abertamente pois os maiores especialistas na área deixam isso muito claro. Uma pequena parcela de pacientes consegue emagrecer definitivamente e manter o peso adequado, apenas com dieta e atividade física.

Existe um estigma que ronda o tratamento medicamentoso da obesidade. Isso é fruto da ignorância de vários profissionais, em especial nutricionistas e profissionais da educação física. Quem estuda a fundo obesidade, sabe que a terapia medicamentosa, utilizada de forma racional tem papel crucial no tratamento. São inúmeras medicações que podem auxiliar. Somente após anamnese, que o médico saberá escolher qual a medicação mais adequada.

As principais medicações são:

  1. femproporex (venda suspensa no Brasil, em processo de liberação) 
  2. anfepramona (venda suspensa no Brasil, em processo de liberação) 
  3. mazindol (venda suspensa no Brasil, em processo de liberação) 
  4. sibutramina,
  5. naltrexona com bupropiona (off-label no Brasil, mas ja liberado no USA para uso em obesidade)
  6. victoza (off-label no Brasil, mas ja liberado no USA para uso em obesidade)
  7. metformina (off-label)
  8. fluoxetina
  9. sertralina
  10. fentermine
  11. topiramato (off-label no Brasil, mas ja liberado no USA para uso em obesidade)
  12. lisdexanfetamine
  13. SGLT2:  inibidores do co-transportador de sódio e glicose 2 
As 3 primeiras como citei, estão com venda suspenda no Brasil. Nunca utilizei nos meus pacientes mas não recrimino quem utiliza. A sibutramina pode ser eficaz em alguns pacientes, mas há riscos em alguns grupos de risco. Não prescrevo geralmente. 

Naltrexona com bupropiona é uma combinação excelente, sem muitos efeitos colaterais, com boa tolerabilidade. Tenho boa experiência com os pacientes.

Victoza é uma boa medicação, o problema é o custo.

Metformina é uma medicação muito segura, com inúmeros estudos e geralmente utilizada para melhorar a captação de glicose e com isso reduzir o excesso de insulina, muito comum em individuos obesos. Tenho uma boa experiência com seu uso. Medicação que o governo fornece de graça.
Fluoxetina e sertralina são antidepressivos com ação ansiolítica e de excelente escolha nos pacientes portadores de compulsão alimentar. Tenho boa experiência com ambos. São drogas segurar, utilizadas ha quase 3 década, com poucos efeitos colaterais. Preço acessível. 

Fentermine, é um derivado anfetamínico, ainda não disponível no Brasil. 

Topiramato é uma droga anticonvulsivante, que posteriormente foi utilizada para enxaqueca. Tem uma potente ação ansiolítica e reduz a fome. É a medicação de escolha nos casos de compulsão alimentar. Não utilizo muito devido os efeitos colaterais ligados a cognição. 

Lisdexanfetamina é uma medicação utilizada pra deficit de atenção e que alguns pesquisadores perceberam que suprimia o apetite. Não tenho experiência. 

SGLT2 são inibidores do co-transportador de sódio e glicose 2, a indicação formal é em diabetes, porém perceberam que em doses maiores, pode favorecer o emagrecimento, por eliminar cerca de 70g/dia de carboidratos, o que gera um deficit calórico de 280kcal. Na dose usada para obesidade promove uma eliminação de quase 600kcal. É ainda nova no mercado, cara, mas que tem resultados bons e promissores. 

Além disso, é imprescindível:
1) Beber água (40ml/kg/dia),
2) Dormir bem (8 horas de sono toda noite em ambiente adequado), sendo que se o paciente apresentar ronco, é imprescindível a realização de uma polissonografia para estratificar o numero de apnéias durante o sono. Muitas vezes faz-se necessário utilizar dispositivo para evitar a apnéia. 
3) Correção de deficiências nutricionais ou presença de metais tóxicos 
4) Melhora dos mecanismos de "desintoxicação" do organismo (o que denominamos de suporte hepático e intestinal), 
5) Acompanhamento nutricional é imprescindível, até mais que a própria prática de atividade física (ou seja, em processo de emagrecimento: 30%se deve à prática de exercícios, 70% à dieta seguida).
6) Prática regular de atividade física com acompanhamento de profissional habilitado, que respeite acima de tudo seus limites. Se possuir alguma patologia osteomuscular (ex. hérnia de disco, artrose, artrite reumatóide), cardiopulmonar, endócrina (diabetes) faça antes uma consulta com o especialista na área e sempre procure educadores físicos com experiência em grupos especiais. Muitas vezes o barato sai muito caro. 


Métodos que condeno


  1. HCG
  2. Uso de GH para emagrecimento
  3. Uso de testosterona para emagrecimento
  4. Uso de termogênicos
  5. Dietas altamente restritivas
  6. Cirurgia bariátrica sem ao menos tentar métodos clínicos por no minimo 2 anos e sem IMC acima de 35. 



Dr. Frederico Lobo (CRM-GO 13192 / CRM-DF 18620)
Médico, clínico geral







Abordagem ortomolecular do estresse


Definição

O Estresse pode ser definido como função das situações de vida que, quando percebidas como afetivas, desencadeiam estados emocionais e reações fisiológicas diversas.
O estresse é a resposta inespecífica do corpo à qualquer coisa que lhe seja solicitada. Isto significa que os estressores podem ser coisas boas (ex.: promoção no emprego) às quais devemos adaptar-nos (estresse) ou coisas ruins (ex.: morte de alguém), às quais devemos também adaptarmo-nos (distresse): ambas desecadeiam as mesmas respostas fisiológicas.
O estresse começa com uma situação de vida que causa desequilíbrio (de forma suave ou abrupta).

Fisiopatologia

Os hormônios adrenais causam aceleração cardíaca, dilatação coronariana, aumento do metabolismo basal, maior consumo de oxigênio e aumento da pressão arterial como algumas respostas físicas do corpo ao agente estressor.
Os efeitos do estresse sobre o organismo são de diversos tipos: doenças cardíacas coronarianas, doenças digestivas (gastrites, úlceras), neurológicas (cefaléias, enxaquecas, ansiedade, depressão, vontade de ficar sozinho, baixa autoestima, distúrbios do sono), imunológicas (alergias cutâneas e respiratórias, psoríase, câncer), esqueléticas (fibromialgia, dores lombares, cervicais, artroses, fadiga), endócrinas e alterações do peso, impotência, libido, TPM).
O Estresse nada mais é do que a interação entre estímulo (o que causa o estresse) e a resposta orgânica à este estímulo (Hipertensão Arterial, aumento da transpiração e respiração, hiperglicemia). Quando acumula-se a química do estresse não descarregado a reação ao mesmo se torna nociva.
Quanto mais, e por maior tempo, a fisiologia variar, mais propenso o organismo se torna a sentir os efeitos prejudiciais da reação ao estresse.
Muitas vezes o paciente vai ao consultório para realizar vários exames, para investigar os motivos para o cansaço excessivo, variação de peso, irritabilidade, ansiedade e outros sintomas. Na maioria dos casos, os exames estão normais, mas isto não significa que o paciente não tenha nada.
No estresse, é comum a presença de diversos sinais e sintomas clínicos sem modificações laboratoriais associados, o que leva os médicos a prescreverem medicamentos de vários tipos, visando eliminar os sintomas, mas não tratando a causa base, que é o estresse.

Estresse Profissional

Pouco estresse do trabalho é quase tão prejudicial à saúde quanto muito estresse do trabalho. Existe um nível ideal de estresse profissional. O esgotamento é uma reação adversa do estresse do trabalho com componentes psicológicos, psicofisiológicos e comportamentais.
Os sintomas incluem diminuição do senso de humor, pular intervalos para repouso e alimentação, aumento no número de horas extras, ausência de férias, aumento de queixas físicas, diminuição do desempenho profissional, auto medicação e mudanças psicológicas, como depressão ou sensação de estar num “beco sem saída”.

Estresse Familiar

Os estressores familiares incluem preocupações financeiras, casamentos onde ambos trabalham fora, criação de filhos, influência das características individuais dos membros da família e desmoronamento do núcleo familiar, do convívio entre pais e filhos motivados pela absoluta falta de tempo canino.
As pessoas têm maior controle sobre as vidas e ambiente do que pensam. Infelizmente, muitos de nós não exercemos este controle e perdemos o rumo com as mudanças rápidas e estressantes.
Administrar o estresse é aprender o auto controle. Pessoas com baixa auto estima sentem estresse por não pensarem bem sobre si mesmas. Diminuindo os comportamentos estressantes e aumentando os componentes saudáveis, você pode lidar melhor com o estresse em sua vida.

Tratamento ortomolecular


  • A boa nutrição pode ajudar no controle do estresse. Procure ingerir alimentos frescos, saudáveis de fontes variadas (carboidratos, proteínas, vegetais, frutas, cereais).
  • Mantenha a saúde pela alimentação com práticas como comer menos gordura, menor ingestão de bebidas alcoólicas, ingestão de mais fibras e vegetais crucíferos. Isto reduz os estressores da dieta. O estresse pode esgotar as reservas de vitamina C e complexo B.
  • No estresse crônico, a suplementação vitamínico-mineral geralmente é necessária.
  • Diminuir drasticamente o consumo do café, que é um pseudo estressor.
  • Atividades físicas regulares, além de técnicas de relaxamento são extremamente eficazes.
  • Quanto maiores e mais importantes forem as mudanças na vida de uma pessoa, maiores também as chances de contrair doença física ou psicológica.
  • Já que o estresse é uma adaptação à mudança maiores quantidades de mudanças na vida equivalem a mais estresse e mais doenças. Aborrecimentos no dia-a-dia causam mais danos ao coração do que se imagina.



Autor: Dr. Jose Carlos Ventura Trogo

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Nem toda depressão é de origem psíquica


quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Ingestão diária de vitamina D pode evitar doenças graves


Uma entidade de saúde britânica está lançando uma campanha para conscientizar a população do país para os benefícios da ingestão diária de suplementos de vitamina D, cuja deficiência está associada a inúmeras doenças.

Segundo o Royal College of Paediatrics and Child Health (RCPCH, na sigla em inglês), órgão que supervisiona a saúde infantil no Reino Unido, tais suplementos, que são baratos e acessíveis, deveriam ser adicionados às refeições diárias de todas as pessoas, para fortalecer a saúde.

O RCPCH está concentrando sua campanha no Reino Unido para que grávidas, mulheres que estão na fase de amamentação, crianças de seis meses a cinco anos e adultos acima de 65 anos tomem a vitamina D na quantidade recomendada.

No país, estima-se que metade da população branca e 90% dos negros e asiáticos sofram de alguma doença relacionada à falta de vitamina D no organismo. Em países como Estados Unidos, Canadá e Finlândia, a ingestão suplementar de vitamina D já é bem mais comum.

Sintomas

Os primeiros sintomas da deficiência deste nutriente são dor óssea e muscular e inchaço nos punhos e nas costelas. A falta de vitamina D também está associada ao aumento da incidência de diabetes, tuberculose, esclerose múltipla e raquitismo, doença que provoca e enfraquecimento e deformação dos ossos.
O suplemento pode ser obtido pela luz solar e por alimentos como peixes oleosos, ovos e cogumelos.

"Sabemos que a falta de vitamina D é um problema crescente e estudos mostram que há altos níveis de deficiência deste nutriente entre certos grupos, incluindo crianças", disse Mitch Blair, professor do RCPCH.
"Pegando sol e comendo alimentos que são fontes de vitamina D, as pessoas obtém somente uma parcela de 10% da quantidade diária recomendada", avalia.

"Comer um pouco mais de peixe e apanhar um pouco mais de sol não vão resolver o problema", acrescenta.
"A falta de vitamina D está relacionada a uma série de doenças graves em crianças e adultos, que podem ser prevenidas com medidas simples, como o uso de suplementos", explica.

"Garantir que as pessoas estejam conscientes de que os suplementos estão disponíveis é um passo crucial para diminuir a incidência de doenças. Nós precisamos fazer com que esses suplementos estejam disponíveis para a população, que é algo que já está acontecendo em alguns países", acrescentou o especialista.

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/12/121216_vitamina_d_deficiencia_ingestao_lgb.shtml

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Poluição do ar doméstico: um perigo silencioso e invisível



Sabia que nos países desenvolvidos a qualidade do ar das nossas casas pode ser bem mais preocupante que o ar da rua? 

Imaginava que a poluição do ar que respiramos dentro de casa pode ser muito superior à do ar de uma rua do centro de uma cidade movimentada, levantando sérias preocupações para a nossa saúde?

Nos países desenvolvidos, os poluentes mais perigosos do ar das nossas casas são substâncias químicas denominadas compostos orgânicos voláteis (VOC).

Trata-se de milhares de substâncias produzidas pela indústria petro-química que se evaporam com facilidade e se ligam às estruturas orgânicas dos seres vivos, de uma forma persistente.

Estes compostos orgânicos voláteis (VOC) entram na constituição de muitos materiais presentes nas nossas casas: materiais de construção, colas, tintas, vernizes, tecidos decorativos, móveis, …
Mas também estão presentes em milhares de produtos domésticos de uso corrente que talvez compre e use sem saber os perigos a que se expõe. Deixamos o alerta para que compreenda, de forma mais clara, o que pode pôr a sua saúde em risco de forma silenciosa.
Alguns dos perigos dos Compostos Orgânicos Voláteis para a saúde:

Os VOC, uma vez ligados às células do corpo humano, alteram o seu funcionamento orgânico por muitos mecanismos diferentes.
Imitam a ação de hormonas quando estimulam os órgãos-alvo dessas hormonas. Este fenómeno denomina-se por disrupção endócrina. Os principais  perigos são os efeitos sobre os recetores dos estrogénios para a mama, próstata e cólon.

Ao ligarem-se a recetores celulares, bloqueiam-nos, e dificultam a comunicação intercelular. Este obstáculo químico pode diminuir as capacidades cognitivas, memória, raciocínio, concentração, e ser responsável por graves alterações do funcionamento do sistema imunitário.
Podem ainda alterar a expressão genética, favorecendo o desenvolvimento de múltiplos cancros.

O que pode fazer para diminuir a poluição com VOC do ar da sua casa?
- Eliminar todos os produtos que integrem aromas artificiais na sua composição: perfumes de casa, ambientadores, incensos, velas aromáticas.
Ou seja, opte por produtos exclusivamente feitos com essências naturais.

- Eliminar o uso de todos os anti-parasitários inseticidas e antifúngicos domésticos
Opte por soluções ecológicas e naturais.

- Substituir os pesticidas e inseticidas para plantas domésticas por produtos de agricultura biológica.

- Na lavagem da roupa a seco são usados vários VOC.
Quando traz a sua roupa da lavandaria nunca a leve diretamente para o seu quarto ou roupeiro. Deixe-a ficar em local arejado durante 3 semanas antes de a arrumar!

- Reduza ao mínimo o uso de produtos de limpeza em spray. As pequenas partículas destas substâncias químicas depositam-se por toda a casa e entram facilmente em contacto com a pele e podem até ser ingeridas.

- Os produtos de limpeza que se dissolvem em água para lavar o chão ou outras superfícies, uma vez secos transformam-se em pó que se espalha no ar da sua casa.
Escolha desinfetantes sem aroma.

- Abra as janelas e renove todo o ar da casa pelo menos uma vez por dia
  
- E ainda: elimine total e permanentemente o uso de tabaco dentro de sua casa!

Agora que já conhece estes perigos ofereça a si, à sua casa e aos seus amigos produtos com aromas de essências naturais! Opte por prendas que gerem qualidade e saúde a si e aos seus.

Fonte: http://www.esmeraldazul.com/pt/blog/poluicao-do-ar-domestico-um-perigo-silencioso-e-invisivel/

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Estudo: Vitamina D reduz infecções respiratórias e uso de antibióticos


Pesquisa publicada hoje no BMJ Open sugere que a suplementação diária com de vitamina D resulta em menos casos de infecções respiratória severas e em menor uso de antibióticos em uma população suscetível.

Pesquisas sobre a deficiência de vitamina D e infecções respiratórias tem sido um tema quente de notícias ultimamente, com vários estudos que defendendo diferentes conclusões.

Pedro Bergman, médico residente em microbiologia clínica no Karolinska University Hospital, em Huddinge, e colegas conduziram um estudo randomizado, duplo-cego, atribuindo 140 pacientes com deficiência do sistema imunológico a suplementação diária de vitamina D (4.000 UI) ou placebo durante 1 ano. Os participantes tiveram freqüentes infecções do trato respiratório (mais de 4 por ano) e tiveram pelo menos "42 dias com sintomas de infecções do trato respiratório durante o ano anterior à inclusão. "

Os resultados são os seguintes:
Os participantes do grupo da vitamina D reduziram o desconforto
Os pacientes que necessitaram de tratamento com antibióticos, durante o período do estudo foi 63 por cento menor no grupo da vitamina D em relação ao grupo placebo
Houveram resultados significativamente menores de streptococcus aureus, infecções fúngicas e infecções respiratórias no grupo da vitamina D

Para pesquisas futuras, Bergman declarou: "Eu me concentraria em pacientes com menos de 50 nmol / l [20 ng / ml] ... A evidência disponível diz que somente aqueles abaixo desses níveis, há o benefício adicional da vitamina D. "

Bergman estimula que hajam pesquisas sobre o assunto antes de fazer recomendações definitivas.

Fonte: Vitamin D Council

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Posições corretas


Especialistas alertam para a ressaca e mostram como cuidar do organismo


Muito comemorado, o mês de dezembro marca um período do ano de muitas celebrações e festividades. E, em muitas ocasiões, a bebida alcoólica sempre está presente, seja em um simples "amigo oculto" ou nas festas mais agitadas. Há quem comemore sem ingerir esse tipo de bebida, mas para aqueles que bebem em excesso, o organismo pode sofrer com a "famosa" ressaca. Ela apresenta sintomas de intoxicação como náusea, dor de cabeça e diarreia. "Tudo em excesso não é bom. O uso exagerado da bebida alcoólica pode trazer graves consequências ao corpo, como hipertensão, diabetes e problemas no fígado", alerta a médica psiquiatra Maria Célia Brangioni. A especialista ainda afirma que o consumo demasiado do álcool também pode trazer riscos às pessoas que têm problemas físicos e para aquelas com tendência genética para o desenvolvimento de alguma doença.

Segundo a doutora Maria Célia, o desgaste causado pela ressaca pode ser amenizado com uma alimentação adequada. "É importante manter refeições saudáveis e tomar muito líquido". Para manter o bom funcionamento do corpo, a ingestão de água é essencial, assegura a nutricionista Isis Moreira. "Ela mantém a circulação sanguínea. Se a pessoa não beber a quantidade ideal de água, os nutrientes não chegam de maneira adequada às células e, dessa forma, as toxinas não são devidamente eliminadas", explica. De acordo com a nutricionista Raquel Ferreira, é comum as pessoas beberem refrigerante à base de cola, mas ela explica que essa não é uma boa opção. "As melhores alternativas são os sucos de frutas com água gelada ou água de coco", garante. Frutas que ajudam na hidratação, como abacaxi, laranja e melancia, são boas escolhas. O importante é escolher pelo menos uma fruta", acrescenta Raquel.

A refeição para quem está de ressaca deve ganhar reforço de alimentos com pouca gordura e açúcar, para não prejudicar ainda mais o organismo, indica Raquel Ferreira. "Salada, vegetais escuros e carboidratos integrais são opções interessantes para desintoxicar o fígado. Carnes magras, como filé de frango e peixe, também podem ser consumidos". Raquel relembra que alimentos comuns nas ceias de fim de ano, como peitos de peru ou chester, podem ser consumidos, desde que não sejam muito gordurosos. Investir na alimentação é essencial, mas não só no almoço, aponta a nutricionista Isis Moreira. Ela recomenda o uso de especiarias no preparo de alimentos nas demais refeições do dia. "Gengibre e hortelã ajudam no combate à náusea. O alecrim e a pimenta-vermelha podem aliviar a dor de cabeça. A canela normaliza picos de glicose associados ao consumo do álcool".

Formas de prevenção
Para se prevenir da ressaca, muitos recorrem a medicamentos específicos, que podem ser obtidos sem prescrição médica. E, no período de fim de ano, a procura aumenta. A reportagem do Correio Braziliense visitou cinco drogarias e confirmou, embora sem dados precisos, que a venda desses remédios cresce entre novembro e dezembro. "Cerca de dez medicamentos são vendidos com a mesma finalidade. Eles ajudam a acelerar o metabolismo do fígado", conta a farmacêutica Paula Regina Meira. Contudo, ela faz um alerta e diz que o uso abusivo desses produtos medicinais pode trazer riscos ao corpo. A médica psiquiatra Maria Célia vai além. "O excesso de automedicação pode até matar".

O estudante Victor Meira, 20 anos, não acredita no efeito de alguns desses medicamentos. "Nunca senti diferença. Tomei seguindo as instruções e não surtiu efeito", garante. "Sempre que consumo álcool costumo beber muita água", diz. A estudante Mada Victória Garcia, 23 anos, também evita comprar os remédios para ressaca. "O máximo que tomo são aqueles para dor de cabeça". De acordo com a nutricionista Raquel Ferreira, é importante não consumir medicação à base de paracetamol sem orientação médica se o organismo estiver intoxicado. "Essa substância, que pode ser encontrada em remédios para dor de cabeça, depende do funcionamento do fígado", avisa.

Outra maneira eficiente de evitar a ressaca é fazer uma boa refeição antes de tomar alguma bebida alcoólica. Como muitas confraternizações são realizadas a noite, a nutricionista Isis Moreira recomenda uma janta leve. "Não é adequado consumir carboidratos refinados, como açúcar e alimentos feitos com farinha branca (pães e massas). O mais correto é comer alimentos integrais, com fibras, vitaminas e minerais". Segundo a especialista, uma alimentação inadequada, com muitos aditivos químicos, tais como corantes e conservantes, só faz o organismo se intoxicar ainda mais rápido. "É importante não extrapolar tanto no fim de ano", aconselha. "Tem que saber participar das festas e aproveitá-las de forma que o organismo não sofra os sintomas do álcool", endossa a doutora Maria Célia.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/especiais/fim-de-ano-2012/2012/12/21/interna-fim-de-ano,340481/especialistas-alertam-para-a-ressaca-e-mostram-como-cuidar-do-organismo.shtml#comentarios

Auxilam o fígado


Confira os benefícios dos alimentos que compõem a ceia de Natal e Ano Novo...


Conheça alguns alimentos da ceia que além de serem tradição são saudáveis e ricos em propriedades antioxidantes.

Romã: rico em antioxidantes contribui para o controle do mau colesterol, além disso, seu consumo diário ajuda a combater a formação de coágulos sanguíneos, responsáveis pelos enfartes. Reduz a inflamação das articulações (artrite, reumatismo); ajuda no alívio de diarreias; ajuda a aliviar sinais de cansaço e atrasa o aparecimento dos sinais de envelhecimento.

Nozes: contêm duas vezes mais antioxidantes do que castanhas, amêndoas, amendoins, pistaches, avelãs, castanhas-do-pará e castanhas de caju. Além disso, os antioxidantes presentes nas nozes têm maior qualidade e potência do que os dos outros frutos secos. Esses antioxidantes são entre duas a 15 vezes mais poderosos do que os da vitamina E. Os antioxidantes impedem reações químicas que ocasionam mudanças na estrutura molecular das células do corpo. O consumo regular pode reduzir o risco de doenças cardíacas, alguns tipos de câncer, diabetes tipo 2 e outros problemas de saúde. As porções dessas frutas consumidas devem ser pequenas, sete ao dia são o suficiente para obter os benefícios necessários.

Lentilha: Uma pena ser apenas lembrada nas festividades de final de ano. Ela ajuda a reduzir e a prevenir o colesterol elevado e controla o diabetes. O alto teor de ferro, vitaminas do complexo B e fibras, contribuem para o bom funcionamento do intestino.

Uva: Contém vitamina C e vitaminas do complexo B, mas o grande benefício da uva é ser rica em resveratrol, que está contido na sua casca, responsável pela melhoria da saúde cardíaca, prevenindo para vários tipos de câncer e aumenta a longevidade. Além disso, é diurética e laxante.

Ameixa: Outra fruta que faz parte da ceia tanto no Natal como no ano novo é a ameixa. Esta fruta tem poucas calorias e é uma boa fonte de fibras importantes para a dieta, como a celulose e a pectina. Melhora o trânsito intestinal e melhora a digestão. Outra de suas riquezas são as vitaminas A, E, e C, cálcio, potássio, ferro e magnésio. Por tudo isso vale a pena consumi-la na ceia e sempre.

Um Natal com muita saúde para todos!!!

Autora: Dra. Cristiane Spricigo

Fonte: http://ligadasaude.blogspot.com.br/2012/12/confira-os-beneficios-dos-alimentos-que.html

Top 10: dicas para não afundar a dieta na ceia de Natal


1ª dica: Cuidado com os perigos "refrescantes" no verão. Cervejas, refrigerantes, sucos, caipirinhas, sorvetes e outras bebidas geladas parecem inocentes, mas contêm calorias que podem fazer a diferença na balança. Para matar a sede e hidratar, aposte em duas garrafas de água de 1,5 litro diariamente. Tomar água melhora a circulação, o sistema renal e elimina as toxinas.

2ª dica: Fuja de alimentos ou bebidas com açúcar e sal. No verão, retemos muito líquido e as causas vão além da TPM. Oito em cada dez mulheres sofrem com o problema ocasionado pelo excesso de açúcar e sal, falta de exercícios físicos, uso de salto alto, desidratação, problemas renais e hormonais. Nesse caso, a drenagem linfática costuma agir de forma positiva contra o inchaço.

3ª dica: Além do sal e açúcar, evite também produtos com farelos brancos. Pães, biscoitos, farinha de trigo e massas são carboidratos e, em excesso, geram compulsões alimentares e se tornam gordura no nosso organismo. Encare de frente os alimentos integrais, mas não abuse das quantidades. A diferença entre eles está nos nutrientes, fibras, vitaminas e minerais que são mantidos na segunda versão, proporcionando saciedade por mais tempo.

4ª dica: Nas festas, atenção redobrada com petiscos, couvert, aperitivos e sobremesas. Restaurantes e churrascos podem ser grandes aliados em uma dieta balanceada, uma vez que oferecem variedade de alimentos saudáveis pertencentes a todos os grupos alimentares (carboidratos, proteínas, hortaliças, frutas e gorduras). Durante a ceia, cuidado com a supervalorização de alimentos e bebidas. Presentes, bom astral, companhia, bate-papo e outras coisas devem estar em primeiro lugar.

5ª dica: O ideal é ir previamente alimentado para a ceia. Consumir um iogurte desnatado ou uma fruta antes do jantar ajudará no controle da compulsão alimentar por alimentos calóricos e gordurosos. Caso a estratégia não dê certo, invista em escolhas inteligentes para não afundar a dieta. Opte por alimentos menos prejudiciais à saúde: abuse da salada e coma bem pouquinho os alimentos que prefere, mantendo a disciplina com refrigerantes, vinhos, cervejas, frituras e doces.

6ª dica : Durante todo mês de dezembro, abasteça a geladeira com verduras, legumes, frutas e alimentos que possam matar a vontade do doce. Uma alimentação mais saudável nas semanas anteriores permite um docinho na noite de Natal. No final da ceia, é comum que as sobras dos alimentos sejam distribuídas entre os amigos e familiares. O ideal é aceitar a oferta apenas de saladas e alimentos mais saudáveis. Doces são os vilões da boa forma e devem passar longe da geladeira. Caso não possa recusar os pratos, doe os alimentos para quem de fato precisa se alimentar no Natal.

7ª dica: Além de inibir o apetite, exercícios físicos são a melhor forma de gastar energia e queimar os quilinhos extras. Mesmo no calor, aposte em atividades moderadas e em horários mais frescos para se exercitar. O suor excessivo faz com que o corpo perca mais água em menos tempo. Então, não esqueça de hidratar o corpo bebendo muita água. Para quem pretende experimentar os docinhos da ceia, invista na malhação e aproveite a festa sem culpa.

8ª dica: Aproveite para acelerar o emagrecimento e evite o chocolate. Reserve a tentação para a Páscoa e, caso faça muita questão, consuma no máximo 20 gramas de chocolate com 50% ou mais de cacau apenas uma vez ao dia. Fique atenta às versões diet: apesar de poucas calorias, o índice de gordura costuma ser superior ao chocolate tradicional.

9ª dica: Apesar da tentação, passe longe dos panetones, eles realmente engordam muito! Prefira alimentos mais saudáveis e nutritivos e que também fazem parte do cenário natalino: ½ xícara de castanhas, passas e frutas como figo, uva, ameixa e damasco. Caso não consiga resistir, experimente as versões light sem abusos.

10ª dica: Se os planos são viajar no Natal, encare o passeio como um SPA e relaxe apenas a mente. Nada de abandonar a dieta e os exercícios físicos. Mantendo-se disciplinada e com foco nas metas, você retornará ainda mais feliz do descanso e com pique total para continuar linda no novo ano.

Fonte: http://corpoacorpo.uol.com.br/dieta/nutricao/top-10-dicas-para-nao-afundar-a-dieta-na-ceia-de-natal/1628

domingo, 23 de dezembro de 2012

Vitamina C


sábado, 22 de dezembro de 2012

Projeto que tramita na Câmara dos Deputados pretende retirar rotulagem de transgênicos das embalagens



Está pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados o Projeto de Lei nº 4148/2008, que elimina a rotulagem obrigatória de alimentos com menos de 1% de matéria-prima transgênica em sua composição. O texto, de autoria do deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS), causa polêmica entre consumidores e entidades da sociedade civil, que defendem a indicação em todos os produtos compostos por ingredientes geneticamente modificados, independentemente da porcentagem. Se aprovado, o projeto segue para apreciação do Senado, onde poderá sofrer modificações. Matéria de Anna Beatriz Lisbôa, no Correio Braziliense, socializada pelo ClippingMP.

Além de estabelecer o limite mínimo para o símbolo de transgênicos nas embalagens, a matéria tira a obrigação de rotulagem para produtos de origem animal produzidos a partir de espécies alimentadas com ração transgênica, exclui o atual símbolo de alerta para a presença de organismos geneticamente modificados — a letra “T” no centro de um triângulo amarelo —, bem como a informação sobre a matriz doadora do gene. A intenção do projeto é reverter a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região que, em agosto deste ano, julgou obrigatória a rotulagem dos bens que contenham ingredientes primários alterados.

De acordo com o autor, Luis Carlos Heinze, o texto é uma adaptação à realidade brasileira, que não permite a fiscalização da porcentagem de organismos geneticamente modificados em todos os produtos. “Não há como fazer isso por causa da diversidade alimentícia produzida pelo Brasil. O Ministério da Agricultura não tem como fazer esse controle”, afirma Heinze. “Nos casos de níveis ínfimos de transgênicos, é preciso ter laboratórios muito apurados que façam exames e a maioria deles está nos grandes centros.”

Para Heinze, o projeto colocaria o Brasil de acordo com legislações internacionais. “Na Europa, por exemplo, o produto só é rotulado quando tem acima de 0,9% de organismos geneticamente modificados.” O parlamentar também defende que o atual símbolo das embalagens seja substituído por uma das seguintes expressões: “(nome do produto) transgênico” ou “contém (nome do ingrediente) transgênico”. “A maioria dos consumidores não consegue associar o ‘T’ a transgênicos”, justifica. Apesar de constar nas embalagens desde 2003, o “T” ainda passa desapercebido pela maioria dos consumidores. “Acho que deveria ter uma identificação melhor. Nunca reparei no símbolo”, revela a analista de sistemas Rosemeire Alves, 46 anos.

Precaução

A presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), Maria Emília Pacheco, defende o princípio da precaução em relação aos alimentos transgênicos. “Foram divulgados vários estudos que mostram as consequências dos organismos geneticamente modificados para o meio ambiente e para saúde. Nesse contexto, é fundamental que haja rotulagem para atender o direito à informação do consumidor e exercitar o princípio da precaução.” Dados do Ministério da Agricultura mostram que atualmente soja, algodão e milho transgênicos representam respectivamente, 80%, 30% e 60% da produção nacional dessas culturas.

Para o pesquisador do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) João Paulo Amaral, a falta de identificação da espécie doadora do gene poderia trazer insegurança para os consumidores. “Caso ocorra alguma pandemia, como houve no Japão e nos Estados Unidos, por causa de algum produto transgênico, não conseguiríamos tirá-lo de circulação”, explica.

O presidente do Conselho Nacional de Nutricionistas, Élido Bonomo, alerta que o maior risco desses alimentos é a falta de informações sobre a dimensão dos efeitos que eles podem causar. “Como se faz a alteração genética das plantas, gera-se um novo produto, e não sabemos como ele vai reagir no organismo das pessoas. Para liberar os alimentos para consumo, seria necessária uma análise a longo prazo, mas estão liberando com apenas três meses de estudo”, lamenta.

Aumento de alergias

De acordo com o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), os transgênicos podem oferecer riscos à saúde, entre eles, crescimento da incidência de alergias e aumento da resistência a antibióticos. Em 1999, o Instituto de Nutrição de York, Inglaterra, por meio de pesquisa, constatou o aumento de 50% em alergia a produtos à base de soja. De acordo com estudo, o resultado estava relacionado ao consumo de soja geneticamente modificada. Nos Estados Unidos, reações em pessoas alérgicas impediram a comercialização de uma soja que possuía gene de castanha-do-pará.

Fonte: http://www.ecodebate.com.br/2012/12/17/projeto-que-tramita-na-camara-dos-deputados-pretende-retirar-rotulagem-de-transgenicos-das-embalagens/

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Toxicidade reforçada



Fumar crack – mistura de pasta de cocaína, bicarbonato de sódio e água – é mais danoso aos neurônios do que cheirar cocaína pura. A conclusão é de um trabalho feito por um grupo de pesquisadores paulistas, liderados por Tania Marcourakis, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), que estuda desde 2007 a ação dessas drogas nas células cerebrais. Os efeitos negativos do crack se potencializam porque, ao consumi-lo, o indivíduo inala não apenas cocaína, um alcaloide, mas também um éster conhecido como metilecgonidina ou simplesmente Aeme. Há poucas informações a respeito dos efeitos do éster, que é produzido quando a cocaína é queimada em alta temperatura e pode causar, como sugere o estudo, a morte de neurônios.

A pesquisa foi realizada em cultura de células do hipocampo de ratos expostas a diferentes concentrações do éster e do alcaloide, isolados e em combinação. O hipocampo está envolvido no processo de aprendizagem e é rico em receptores colinérgicos muscarínicos que se ligam ao neurotransmissor acetilcolina, importante para a fixação da memória. “Constatamos que, quando os neurônios permanecem em contato com a cocaína e o Aeme por um período de 48 horas, ocorre um efeito neurotóxico muito maior do que quando expostos a cada uma dessas substâncias isoladamente”, afirma Tania. A neurotoxicidade se dá por mecanismos diferentes. A cocaína induz a morte neuronal por duas vias: por necrose – a célula sofre uma espécie de inflamação, incha e arrebenta, extravasando seu conteúdo – e por apoptose, uma morte celular programada, em que o núcleo da célula se fragmenta, formando pequenos corpos que são fagocitados pelas células de defesa do organismo. O Aeme provoca a morte celular apenas por apoptose. Os primeiros resultados do estudo, com apoio da FAPESP, foram publicados em abril na revista científica Toxicological Sciences.

A devastação nas células cerebrais provocada pelo uso do crack está relacionada à sua quantidade e frequência de consumo, já que o éster permanece no organismo por um tempo prolongado. “O efeito cumulativo do Aeme ainda não foi avaliado. Constatamos, no entanto, que a exposição de uma cultura de neurônios ao éster por 24 a 48 horas mata essas células. Se essa neurotoxicidade pode levar a uma neurodegeneração é uma pergunta que não podemos responder no momento”, afirma Tania.

Os efeitos do crack atingem rapidamente o cérebro e causam uma sensação de prazer de curta duração. Isso leva os usuários a aumentar a frequência do consumo da droga e desenvolver rapidamente dependência. A produção do Aeme durante o ato de fumar a droga parece reforçar a dependência do usuário. A cocaína inibe a recaptura de dopamina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer, e aumenta sua concentração na fenda sináptica, pontos de comunicação entre dois neurônios. Esse mecanismo é o responsável por seus efeitos estimulantes. “Nossa teoria é que o Aeme se liga a receptores muscarínicos do tipo M5 na área tegumental ventral [grupo de neurônios localizados no mesencéfalo, parte do cérebro ligada à visão, audição, controle motor, sono e vigília e controle de temperatura]”, diz Tania. “Isso estimularia a liberação de dopamina no núcleo accunbens [estrutura cerebral ligada à sensação de prazer], potencializando o processo de dependência da cocaína.” Essa teoria será testada na Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos, pelo aluno de doutorado Raphael Caio Tamborelli Garcia. Os efeitos da cocaína no núcleo já eram conhecidos. “No entanto, a pesquisa mostra que, no caso do crack, há algo mais”, diz Cleopatra da Silva Planeta, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Araraquara.

Segundo maior mercado

O uso da cocaína, em sua forma intranasal ou na mistura de crack para ser fumada, assumiu proporções dramáticas no Brasil: o país já é o segundo maior consumidor global da droga, com 2,6 milhões de usuários, um terço deles dependentes do crack. Os números foram coletados pelo II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), realizado pelo Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas (Inpad), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com o apoio da FAPESP. “Temos um mercado consumidor maior que o de toda a Europa e América Latina. Perdemos apenas para os Estados Unidos”, diz Ronaldo Laranjeira, coordenador do Inpad.

A posição de destaque do Brasil se sustenta em função do baixo preço da droga. Aqui ela custa um décimo do valor de mercado praticado nos Estados Unidos e um vigésimo do preço cobrado na Europa, segundo o pesquisador da Unifesp. A proximidade dos grandes produtores de cocaína – Colômbia, Peru e Bolívia – e a alta capilaridade do sistema de distribuição da droga no Brasil são outros fatores que favorecem seu alto consumo. A rede de distribuição, formada por pequenos traficantes, é altamente eficiente: o maior consumo está no Sudeste, com 45% dos usuários, mas a cocaína/crack está presente no Nordeste (27%), Norte e Centro-Oeste (10%) e no Sul (7%). “Isso torna o controle muito mais difícil”, diz ele.

A cocaína consumida por via nasal é de uso mais comum. Foi experimentada por 4% dos adultos, segundo a pesquisa. Dois milhões de brasileiros já utilizaram o crack pelo menos uma vez na vida e um em cada 100 adultos fumou essa substância no último ano, expondo-se aos riscos duplos da cocaína e do éster Aeme, ainda de acordo com levantamento da Unifesp. Quase a metade dos usuários experimentou a cocaína pela primeira vez antes dos 18 anos.

O Ministério da Saúde e o governo paulista têm investido no tratamento de indivíduos viciados. “O estado de São Paulo se comprometeu a ampliar para 3.700 o número de leitos de internação em clínicas especializadas”, afirma Laranjeira. Os números, no entanto, não deixam dúvidas de que o Brasil deixou de ser um país de passagem para ser um consumidor da droga, o que exige uma atuação forte junto às áreas produtoras. “É preciso adotar uma política de negociação com esses países, já que se trata de uma atividade de produção que envolve uma parcela representativa do PIB. Esse entendimento envolve relações bilaterais e multilaterais, considerando que não temos recursos para fechar fronteiras.”

Artigo científico: GARCIA, R. C. et al. The neurotoxicity of anhydroecgonine methyl ester, a crack cocaine pyrolysis product. Toxicological Sciences. v. 128, p. 223-34. jul 2012.

Fonte: http://revistapesquisa.fapesp.br/2012/12/10/toxicidade-reforcada/