quarta-feira, 8 de abril de 2020

Posicionamento da ABRAN a respeito de micronutrientes e probióticos na COVID-19



Considerando-se a pandemia causada pelo COVID-19 e a preocupação da ABRAN com a promoção da saúde e prevenção de doenças, a prevalência de desnutrição específica no Brasil e o papel de vitaminas e minerais no sistema imunológico, e após análise rigorosa das evidências disponíveis até a presente data, a Associação Brasileira de Nutrologia aqui elenca vitaminas e minerais com atuação de maior relevância no cenário da síndrome respiratória aguda grave causada pelo COVID-19 (SARS-CoV-2). Importante enfatizar que, nenhum desses nutrientes tratam diretamente a infecção pelo COVID-19.

Fundamentado na literatura vigente, relacionada não somente ao COVID-19, mas também a outros vírus, o presente documento descreve os efeitos benéficos dos tratamentos das deficiências específicas referentes a vitaminas A, D, C, zinco e selênio, além do possível papel dos probióticos.

Vitamina A

Há evidências de que a suplementação de vitamina A reduz morbidade e mortalidade em várias infecções como, HIV, malária, sarampo, pneumonia associada a sarampo e diarreia. Resultados adversos durante infecções virais têm sido associados a baixos níveis de vitamina A. Essa hipótese foi explanada em recente revisão que propõe que a vitamina A deve ser considerada em pacientes portadores de COVID-19.

Embora seja importante tratar as deficiências de micronutrientes, não existem ainda evidências de que doses supra fisiológicas de vitamina A possam prevenir ou melhorar clinicamente os portadores de COVID-19. Deve ser ressaltado que há risco de toxicidade se ingerida em altas doses. Assim, não se recomenda a ingestão de supra doses de vitamina A e de seu precursor (β-caroteno) visando diminuir esse risco.

A RDA (Recommended Dietary Allowance) é a diretriz que representa a meta diária de ingestão de nutrientes para indivíduos saudáveis. A da vitamina A é de 700 mcg/d para mulheres e 900 mcg/d para homens. Tais valores podem ser alcançados somente pela alimentação na maioria das pessoas. Os alimentos considerados melhores fontes de vitamina A, na forma de retinol, são os de origem animal, tais como, vísceras (principalmente fígado, óleos de fígado de bacalhau e de linguado gigante), além de gemas de ovos. Já os carotenoides são encontrados em vegetais folhosos verde-escuros e vegetais e frutas amarelo-alaranjadas (manga, mamão, abóbora, cenoura, batata doce, espinafre, mostarda e couve). Em alguns casos, a suplementação pode ser necessária. Os polivitamínicos disponíveis no mercado têm cerca de 55 até 167% da RDA.

Vitamina C (ácido ascórbico)

A vitamina C pode reduzir a suscetibilidade do hospedeiro a infecções do trato respiratório inferior sob certas condições, assim como exercer funções fisiológicas para diminuir os sintomas gripais, por sua ação anti-histamínica fraca.

Estudos controlados em humanos relataram que havia incidência significantemente menor de pneumonia em grupos de pacientes suplementados com vitamina C. Avaliando a suplementação de altas doses de vitamina C para pacientes com síndrome do desconforto respiratório grave, recente estudo considerou uma opção de tratamento segura em relação a desfechos secundários pesquisados (menor mortalidade após 28 dias de internação em UTIs, dias sem UTI e dias sem hospital). Em uma revisão sistemática, a ingestão de 1g/dia de ácido ascórbico reduziu a duração da gripe (8% para adultos e 14% para crianças). Os autores não recomendaram a suplementação de rotina devido à ausência de efeito na incidência dos resfriados e gripes. Entretanto, a gravidade da gripe foi reduzida com a utilização regular de vitamina C, podendo ser considerado um tratamento seguro e de baixo custo.

Com relação especificamente ao COVID-19, recente revisão sugere que, a vitamina C pode ser uma das escolhas para o tratamento de suporte, embora sejam necessários estudos longos e sistemáticos. Para indivíduos sob risco de infecções virais respiratórias, a utilização de doses elevadas de vitamina C (até 2g/dia) por via oral pode ser indicada.

A deficiência de vitamina C em indivíduos vivendo na comunidade é rara, uma vez que é abundante na natureza. As principais fontes são as frutas cítricas e vegetais crus. As necessidades diárias recomendadas são variáveis entre países indo de 45 mg a 110 mg/d. No Brasil, adota-se a RDA de 75 mg/dia para mulheres e 90 mg/d para homens.

Vitamina D (colecalciferol)

A atuação da vitamina D na resposta imune vem sendo amplamente estudada. Vários estudos mostram que o colecalciferol aumenta a expressão de peptídeos antibacterianos, contribuindo para melhor resposta imunológica do hospedeiro. A relevância da vitamina D se baseia no aumento da evidência de que sua suplementação e restauração para valores normais em pacientes infectados possam melhorar a recuperação, e desta forma reduzindo os níveis de inflamação e melhora da ativação imunológica.

As principais fontes alimentares são peixes com alto teor de gordura (salmão, sardinha), gema de ovo, fígado, leite e seus derivados.

Tendo em vista a atual pandemia de COVID-19, é relevante atentarmos para a letalidade maior em pessoas acima de 60 anos. Nesses indivíduos se observa maior prevalência de hipovitaminose D e menor exposição solar (isolamento social) com consequente comprometimento da resposta imune.

A RDA é entre 600 a 800 UI/d. Baseado nas melhores referências disponíveis, a utilização de vitamina D entre 2.000 e 4.000UI/dia por via oral pode ser indicada em grupos de risco ou de baixa exposição solar.

Entretanto, na presença de déficit de 25-hidroxivitamina D (25 [OH] D), o colecalciferol deve ser prontamente fornecido de acordo com os resultados dos níveis séricos. A reposição recomendada por via oral é 50.000 UI / semana, se níveis séricos de 25 (OH) D <20 25.000="" 25="" a="" d="" de="" e="" ml.="" ml="" ng="" p="" se="" semana="" ui="">

Zinco

Zinco é um oligoelemento essencial determinante para manutenção da função imune inata e adaptativa. Embora o mecanismo seja incerto, tem sido relatada atividade antiviral do zinco pela inibição da replicação viral em cultura de células, inibindo a atividade da polimerase do RNA do coronavírus e pela amplificação da ação antiviral de citocinas e interferon humano (IFN-α).

Estima-se que a deficiência mundial de zinco seja em torno de 17 a 20%, especialmente em países em desenvolvimento da África e Ásia. Nos países desenvolvidos, a deficiência de zinco ocorre em idosos, veganos/vegetarianos e em portadores de doenças crônicas, como doença inflamatória intestinal e cirrose. Sua ação contra o coronavírus foi mostrada por estudo in vitro. Estudos com relação ao novo coronavírus ainda não estão disponíveis.

O conteúdo de zinco varia entre os alimentos. Mariscos, ostras, carnes vermelhas, fígado, miúdos e ovos são consideradas as melhores fontes de zinco. Vale ressaltar que, a absorção intestinal de zinco de alimentos vegetais não é tão grande quanto de alimentos de origem animal. Portanto, os vegetarianos podem precisar de até 50% mais de zinco na dieta do que os não vegetarianos. O nível superior de ingestão de zinco é de 40 mg por dia. Consumir mais do que essa quantidade pode aumentar o risco de deficiência de cobre, bloqueando sua absorção.

Vários micronutrientes são depletados durante a resposta inflamatória, o que torna difícil a interpretação de valores abaixo do nível de referência. Por outro lado, evidências recentes parecem mostrar que sepse recorrente está associada à concentração sérica persistentemente baixa de zinco.

Apesar da difícil interpretação do nível baixo de zinco em pacientes sob inflamação, recente revisão recomenda que, para suporte da função imune ideal, a ingestão de zinco segue a mesma da RDA e deve ser de 8 (mulheres) e de 11 (homens) mg/dia. Na vigência de diarreia aguda, recomenda-se zinco entre 20 e 40 mg/dia via oral.

Selênio

Durante infecções virais, espécies reativas de oxigênio e de nitrogênio (radicais livres) são abundantemente produzidas, o que sobrecarrega o sistema de defesa antioxidante e induz desequilíbrio redox (estresse oxidativo). Tal cenário proporciona e amplifica a replicação viral, desequilibrando a resposta imunológica. O selênio ocupa papel importante na defesa antioxidante do hospedeiro e no grau de patogenicidade do vírus.

A ingestão diária de selênio recomendada é de 55 mcg segundo a RDA. Selênio em doses mais elevadas (200 mcg) pode atuar como coadjuvante no tratamento de infecções, contudo, não podem ser utilizadas por tempo prolongado.

O conteúdo de selênio, presente em vários alimentos, como a castanha do Brasil, pode variar de um local para outro de cultivo. O consumo de 3 castanhas do Brasil (15g) corresponde a recomendação diária de ingestão sugerida recentemente. Outras fontes são peixes (sardinha, salmão), fígado de boi, farelo de arroz, farinha de trigo integral.

Baseado nas melhores evidências disponíveis, a utilização de doses diárias de 55 mcg de selênio pode ser indicada, e doses acima desta RDA deverão ser avaliadas conforme nível sérico. Esta dose pode ser encontrada em determinados polivitamínicos disponíveis em território brasileiro.

Probióticos

O trato gastrintestinal humano abriga uma enorme população de microrganismos, denominado microbioma intestinal humano, que interagem entre si e sobre o epitélio e o sistema imunológico do hospedeiro. Alterações nas quantidades relativas à população e à diversidade microbiana intestinal podem romper as interações benéficas entre a microbiota e o hospedeiro (disbiose), apresentando um efeito direto na saúde humana. Alguns pacientes portadores de infecção por COVID‐19 apresentam repercussões gastrintestinais (dor abdominal, diarreia) devido à contaminação viral direta da mucosa intestinal ou consequente às alterações do tratamento específico (medicamentos anti-virais ou anti-bacterianos, para o tratamento de infecções secundárias). Tal fato representa uma redução local significativa na quantidade de microbiota, tais como lactobacillus e bifidobacterium. O desequilíbrio microecológico, pode levar à translocação bacteriana intestinal, favorecendo infecções secundárias e piora do quadro geral. Embora não existam estudos robustos, recomendações recentes sugerem o uso de probióticos em infecções pelo COVID‐19 reduzindo as chances de translocação bacteriana intestinal. Estudos sistemáticos suportam utilização cuidadosa de probióticos ou simbióticos, reduzindo pneumonia associada à ventilação mecânica e infecções em doenças críticas. Para os centros que apresentarem recursos relevantes e puderem realizar análises da flora intestinal (por exemplo, sequenciamento da microbiota), a prescrição pode ser realizada de acordo com os resultados. A indicação de probióticos pode ser considerada nos casos de COVID-19 com diarreia, salvaguardando-se as contraindicações específicas de cada grupo de pacientes.

Tendo em vista as considerações acima, sugerimos que o fornecimento de doses diárias de vitaminas, minerais devem ser assegurados a pacientes sob risco de deficiência dos mesmos, visando maximizar a defesa nutricional geral anti-infecção pelo COVID-19.

A suplementação de vitaminas, minerais e probióticos não trata e não previne a infecção por COVID-19, porém pode otimizar a resposta imunológica, atuando como tratamento coadjuvante.

A Associação Brasileira de Nutrologia reforça que uma alimentação adequada é fundamental para a integridade do sistema imunológico. Pacientes sob risco de deficiência podem receber suplementação de acordo com avaliação médica.

Referências Bibliográficas

  1. De Brito TBB, Oliveira TA, Medina TS, et al.. (2019). Acessibilidade, biodisponibilidade e consumo de alimentos ricos em carotenoides e vitamina A em crianças de até 5 anos. Revista de Alimentação, Nutrição e Saúde, 1(1):1-13.
  2. Zhang L, Liu Y. (2020). Potential interventions for novel coronavirus in China: A systematic review. Journal of Medical Virology, 92:479-490
  3. Barazzoni R, Bischoff SC, Krznaric Z, Pirlich M, Singer P, endorsed by the ESPEN Council (2020). ESPEN expert statements and practical guidance for nutritional management of individuals with sars-cov-2 infection, Clinical Nutrition, https://doi.org/10.1016/j.clnu.2020.03.022.
  4. Russell RM, Beard JL, Cousins RJ, et al.. (2001). Dietary reference intakes for vitamin A, vitamin K, arsenic, boron, chromium, copper, iodine, iron, manganese, molybdenum, nickel, silicon, vanadium, and zinc. A Report of the Panel on Micronutrients, Subcommittees on Upper Reference Levels of Nutrients and of Interpretation and Uses of Dietary Reference Intakes, and the Standing Committee on the Scientific Evaluation of Dietary Reference Intakes Food and Nutrition Board Institute of Medicine. Washington, DC: National Academies Press; 2001.
  5. Schwingshackl L, Boeing H, Stelmach-Mardas M, et al.. (2017). Dietary Supplements and Risk of Cause-Specific Death, Cardiovascular Disease, and Cancer: A Systematic Review and Meta-Analysis of Primary Prevention Trials. Advances in Nutrition: An International Review Journal, 8(1):27-39.
  6. Zaatari S, Radecki RP, Spiegel R. (2020). Vitamin C may not help your cold, but can it treat sepsis and acute respiratory distress syndrome? Ann Emerg Med. 2020; 75(3):45
  7. Hemilä H, Chalker E. (2013) Vitamin C for prevention and treating the common cold. COCHRANE DB SYST REV. https://doi.org/10.1002/14651858.CD000980.pub4
  8. Teng J, Pourmand A, Mazer-Amirshahi M. (2018). Vitamin C: the next step in sepsis management?. Journal of Critical Care, 43:230-234.
  9. National Health Commission of the People’s Republic of China. Handbook of COVID-19 Prevention and Treatment. China, 2020. Alibaba Foundation.
  10. Xu K, Cai H, Shen Y, et al. (2020) Management of corona virus disease-19 (COVID-19): the Zhejiang experience. Journal of Zhejiang University (Medical Sciences), 49(1):0-0.
  11. Li LQ, Huang T, Wang YQ, et al. (2020) 2019 novel coronavirus patients’ clinical characteristics, discharge rate, and fatality rate of meta-analysis [published online ahead of print, 2020 Mar 12]. J Med Virol. 10.1002/jmv.25757.
  12. Caccialanza R, Laviano A, Lobascio F, et al . (2020) Early nutritional supplementation in non-critically ill patients hospitalized for the 2019 novel coronavirus disease (COVID-19): Rationale and feasibility of a shared pragmatic protocol. Nutrition (pre-poof). https://doi.org/10.1016/j.nut.2020.110835
  13. Grant WB, Lahore H, McDonnell SL et al.. (2020). Evidence that Vitamin D Supplementation Could Reduce Risk of Influenza and COVID-19 Infections and Deaths. Nutrients, 12(4):988. doi:10.3390/nu12040988
  14. Gombart AF, Pierre A, Maggini S. (2020) A review of micronutrients and the immune system-working in harmony to reduce the risk of Infection.Nutrients, 12(1):236. doi:10.3390/nu12010236
  15. U.S. Institute of Medicine Dietary Reference Intakes for Calcium and Vitamin D; National Academies Press: Washington, D.C, National Academy Press; 2011.
  16. Hewison M. (2010) Vitamin D and the immune system: new perspectives on an old theme. Endocrinol Metab Clin North Am., 39(2):365–379. doi:10.1016/j.ecl.2010.02.010
  17. Calder PC, Carr AC, Gombart AF, et al.. (2020) Optimal Nutritional Status for a Well-Functioning Immune System is an Important Factor to Protect Against Viral Infections. Preprints, 2-9 (Not Peer-Reviewed).
  18. Zumla A, Hui DS, Azhar EI, et al.. (2020) Reducing mortality from 2019-nCoV: host-directed therapies should be an option. The Lancet, 395(10224), e35-e36. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30305-6.
  19. Read SA, Obeid S, Ahlenstiel C, et al.. (2019) The Role of Zinc in Antiviral Immunity, Advances in Nutrition, 10(4): 696–710. https://doi.org/10.1093/advances/nmz013.
  20. Mafra D, Cozzolino SMF. (2004) The importance of zinc in human nutrition. Revista de Nutrição-Campinas, 17(1):79-88.
  21. Hoeger J, Simon TP, Beeker T, et al.. (2017) Persistent low serum zinc is associated with recurrent sepsis in critically ill patients-A pilot study. PloS one. 12(5). doi: 10.1371/journal.pone.0176069.
  22. Singer P, Blaser AR, Berger MM, et al.. (2019) ESPEN guideline on clinical nutrition in the intensive care unit. Clinical Nutrition, 38(1):48-79. https://doi.org/10.1016/j.clnu.2018.08.037.
  23. Guillin OM, Vindry C, Ohlmann T, et al.. (2019). Selenium, selenoproteins and viral infection. Nutrients, 11(9):2101. doi:10.3390/nu11092101
  24. Hoffmann PR, Berry MJ. (2008) The influence of selenium on immune responses. Mol Nutr Food Res., 52(11):1273-1280. doi:10.1002/mnfr.200700330
  25. Lima LW, Stonehouse GC, Walters C, et al.. (2019). Selenium Accumulation, Speciation and Localization in Brazil Nuts. (Bertholletia excelsa HBK). Plants, 8(8):289.
  26. Food and Nutrition Board, Panel on Dietary Antioxidants and Related Compounds. Vitamin C. Dietary Reference intakes for vitamin C, vitamin E, selenium, and carotenoids. Washington, DC: National Academy Press; 2000.
  27. Manzanares W, Lemieux M, Langlois PL, et al. (2016) Probiotic and synbiotic therapy in critical illness: a systematic review and meta-analysis. Crit Care. (20):262.


Autores: Ana Lúcia dos Anjos Ferreira, Eline de Almeida Soriano, Isolda Prado de Negreiros Nogueira Maduro, Sandra Lúcia Fernandes e Simone Chaves de Miranda Silvestre, sancionados pela Associação Brasileira de Nutrologia.

ABRAN - Associação Brasileira de Nutrologia
POLÍTICA DE PRIVACIDADETERMOS DE USOASSOCIE-SECONTATO
Copyright © 2018 - ABRAN - Associação Brasileira de Nutrologia


segunda-feira, 23 de março de 2020

Nota da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e do Exercício


domingo, 22 de março de 2020

Nutrientes e sistema imunológico - vídeo educativo da ABRAN





domingo, 15 de março de 2020

COVID 19: Nutrologia baseada em evidências, prevenção e soroterapia



Com a declaração da Organização Mundial de Saúde (OMS) que o novo coronavírus ( doença Covid-19) tornou-se uma pandemia, “brotaram” na internet uma quantidade imensurável de fake news. E para piorar a situação, alguns profissionais da área da saúde começaram a propagar que aplicam em seus consultórios, soros endovenosos com finalidade de aumentar a imunidade. O que me deixa revoltado é saber quem há pessoas que gastam mais de 5 mil reais nessas aplicações, com a ilusão de que infusão de vitaminas, minerais e aminoácidos vão realmente potencializar a imunidade e protegê-las de uma possível infecção pelo novo Coronavírus. Nas redes sociais surgiram inúmeros falsos nutrólogos divulgando esse tipo de terapia. O que levou a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (BRASPEN) a emitirem pareceres sobre o tema.


Sendo assim, eu como médico Nutrólogo me vejo no dever de deixar claro para os meus pacientes, e para quem me acompanha no blog, site e redes sociais minha opinião sobre o tema. É revoltante ver colegas da área da saúde se aproveitando de um momento tão crítico como esse. Profissionais vendendo ilusões. Fico indignado por saber quem sempre existirá quem pagará para ser enganado. Assim como pagam por prescrições de Anabolizantes, dieta hCG, uso de hormônios sem necessidade, exames sem validação científica.




Meus posicionamentos:

1) NÃO existe soro endovenoso para imunidade. Vários nutrientes podem ter ação sobre o sistema imunológico: Zinco, Vitamina C, Vitamina D, Vitamina A, Vitamina E, Selênio, Cobre, Ácido fólico, Fibras, Aminoácidos, Carboidratos e Ácidos graxos. Mas devem ser utilizados pela alimentação. E se de acordo com os exames laboratoriais (existir deficiência) ou baseado no inquérito alimentar o Nutrólogo/Nutricionista detectar que a ingestão de determinado nutriente está baixa, aí sim, postula-se a suplementação.
Exemplo: vegetarianos com baixo consumo de Ferro, B12, Zinco e ômega 3. Ou pacientes submetidos a cirurgia bariátrica.
2) NÃO existe na Nutrologia essa prática de Soros aplicados em consultório: exceto infusão de micronutrientes específicos em situações especiais como déficit de Ferro, déficit de B12, Hiperemese gravídica, Pacientes pós-bariátricos refratários ao tratamento via oral, Pacientes com Síndrome do Intestino Curto ou qualquer outra situação na qual o trato digestivo não pode ser utilizado ou não está "funcionante". Ou seja, são situações muito específicas.

Recomendações baseada em evidências, para a prevenção da infecção pelo Novo Coronavírus:
1) Ingerir pelo menos 30ml/kg/dia de água.
2) Manter uma dieta adequada, balanceada, com o mínimo de alimentos ultraprocessados. Evitar dietas restritivas ou ingestão alimentar excessiva. 
3) Ter pelo menos 7 a 8 horas de sono por noite.
4) Lavar bem as mãos, várias vezes ao dia.
5) Usar álcool gel quando a lavagem de mãos não for possível.
6) Passar álcool 70 nas superfícies em que várias pessoas entram em contato.
7) Evitar contato físico com terceiros e se o fizer, utilizar álcool gel.
8) Evitar aglomerações ou reuniões. Se tiver como trabalhar via home office é recomendado. Reuniões via internet também auxiliam. Isolamento social temporário é uma medida eficaz para evitar a propagação do vírus.
9) Quando espirrar ou tossir coloque a mão ou o braço. Se apresentar qualquer tipo de sintoma respiratório inicie o uso de máscara cirúrgica e procure uma unidade de saúde.
10) Se você cuida/convive com idosos, utilize máscara e redobre os cuidados.
11) Não faça jejuns ou dietas restritivas, pois podem interferir na resposta imune. Assim como atividade física extenuante.

Dr. Frederico Lobo
Médico Nutrólogo
CRM-GO 13192 RQE 11915

quinta-feira, 12 de março de 2020

Alzheimer: diretrizes para prevenção, aspectos nutricionais



Foram publicados os resultados de um relatório global sobre a doença de Alzheimer

De acordo com um estudo global publicado hoje, poderia ser feito mais para prevenir a doença de Alzheimer.

Alzheimer's Disease International, a federação mundial das associações de Alzheimer, encomendou o 'Relatório Mundial Alzheimer 2014 - Redução do risco e demência: Uma análise dos fatores protetores e modificáveis'.

Publicado hoje (17 de setembro), ele revela que controlar o diabetes e a pressão arterial elevada pode reduzir o risco de demência no futuro. Parar de fumar e reduzir os fatores de risco cardiovascular também ajuda a reduzir o risco de desenvolver doença de Alzheimer.

O diabetes sozinho aumenta o risco de demência em 50%, relatam os autores, liderados pelo Professor Martin Prince do King's College London, Reino Unido.

Ele diz: "Já há evidências de vários estudos quanto a que a incidência de demência está diminuindo em países de alta renda, associados a melhorias na educação e na saúde cardiovascular. Precisamos fazer tudo o que pudermos para acentuar essas tendências. Com um custo global de mais de 600 bilhões dólares americanos, dificilmente poderia ser mais importante o que está envolvido."

O relatório afirma que o controle do tabaco e a melhor prevenção, detecção e controle da hipertensão e do diabetes são fundamentais para reduzir o risco de demência em nível da população. De maneira que a demência deve ser "integrada nos programas de saúde pública tanto globais como nacionais, ao lado de outras importantes doenças não transmissíveis".

Marc Wortmann, da Alzheimer's Disease International, comentou: "De uma perspectiva de saúde pública, é importante notar que a maioria dos fatores de risco para a demência se sobrepõem com os de outras importantes doenças não transmissíveis. Em países de alta renda, há um maior foco nos estilos de vida mais saudáveis, mas este não é sempre o caso com os países de baixa e média renda

"Estima-se que em 2050, 71% das pessoas com demência estarão vivendo nestas regiões, então implementar campanhas eficazes de saúde pública pode ajudar a reduzir o risco global."

Fonte: www.doctors.net.uk

Todo dia 21 é um dia especial rs. Hj é dia da Árvore, Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência e Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença de Alzheimer. Estima-se que em todo o mundo, existam mais de 35 milhões de pessoas com Alzheimer e q esse nº provavelmente ultrapassará 80 milhões até 2040.

A Diretriz publicado pela George Washington University School of Medicine e pelo Physicians Committee for Responsible Medicine (PCRM) defende a diminuição do risco de se desenvolver Doença de Alzheimer pela alimentação nutrologicamente equilibrada. “Combinar alimentação com atividade física, evitando o consumo exagerado de metais como cobre e ferro pode maximizar a proteção do cérebro”, afirma Dr Barnard, um dos autores desta diretriz.

A diretriz pode ser dividida em 7 pilares:

1- Evitar ao máximo gordura trás e gordura saturada

2- A base da dieta deve ser constituída de vegetais, legumes ( feijão, ervilha, lentilha), frutas e grãos integrais.

3- Vitamina E diária – fornecida por nozes, castanhas ou sementes.

4- Vitamina B 12 diária (2,4μg por dia para adultos).

5- Evite polivitamínicos que contenham ferro e Cobre. Faça reposição destes micronutrientes somente com orientação Medica.

6- Evite tigelas e outros utensílios que possuam alumínio na sua composição.

7- Atividade Física aos menos 120 minutos por semana.


Fonte: http://www.pcrm.org/health/reports/dietary-guidelines-for-alzheimers-prevention

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Por que abomino Modulação Hormonal?


Praticamente todos os dias pelo menos 10 pessoas ligam aqui na clínica e perguntam se trabalho com modulação hormonal.

A resposta é em alto e bom som: N-Ã-O. Abomino esse tipo de prática e aqui dou alguns motivos bem simples. Mas antes é preciso entender o porquê das pessoas associarem a Nutrologia à prática de Modulação Hormonal.

Vamos lá ! A Nutrologia NÃO tem dentro do seu rol de procedimentos a Modulação hormonal. Os profissionais que praticam, fazem por conta própria. Pois não é ensinado nada disso nas residências de Nutrologia ou cursos de especialização, em especial o dado pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Em 2019 a própria ABRAN emitiu um comunicado deixando claro que algumas práticas não fazem parte do rol de procedimentos nutrológicos.
Rol de procedimentos Nutrológicos:
https://abran.org.br/2018/03/14/rol-de-procedimentos/
A ABRAN em comunicado também publicou no próprio site um posicionamento especificamente sobre Modulação Hormonal.

Ou seja, tal tipo de prática não tem respaldo da sociedade a qual sou membro titular. Para acessar: Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN): http://abran.org.br/2018/03/04/posicionamento-sobre-a-modulacao-hormonal/

A especialidade responsável por estudar mais a fundo os hormônios é a Endocrinologia e Metabologia e a própria Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) publicou ano passado um posicionamento sobre Modulação Hormomal: https://www.endocrino.org.br/alerta-sbem-nao-existe-especialista-em-modulacao-hormonal/

Os praticantes de Modulação hormonal argumentam que com o passar dos anos há quedas acentuadas de vários hormônios e devemos "modulá-los" deixando em valores ótimos. Mesmo o indivíduo não apresentando déficit. Ou seja, alguns defendem uma ação antienvelhecimento da reposição desses hormônios. 

A Associação Brasileira para Estudos da Obesidade e Síndrome Metabólica (ABESO) se posicionou contra a prática de medicina anti-envelhecimento: http://www.abeso.org.br/pdf/Posicionamento%20SBEM%20-%20anti-aging2.pdf

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) tatambém se posicionou contra: http://portaldaurologia.org.br/medicos/destaque-sbu/nota-oficial/


Além de todas as sociedades médicas acima reprovarem a prática de Modulação Hormonal, o Conselho Federal de Medicina (CFM) que é a autarquia que regulamenta o exercício da Medicina no Brasil tem uma resolução no qual PROÍBE EXPRESSAMENTE a prática de modulação hormonal no Brasil. Podendo ser acessado em:

Abaixo, texto transcrito do site do CFM: 

Com a Resolução 1999/2012, os médicos que prescreverem métodos para deter o envelhecimento podem ser punidos até com a perda do registro profissional
Médicos brasileiros que prescreveram terapias com o objetivo específico de conter o envelhecimento, práticas conhecidas como antiaging, estarão sujeitos às penalidades previstas em processos ético-profissionais. No caso de condenação, após denúncia formal, eles poderão receber de uma advertência até a cassação do registro que lhes a autoriza o exercício da Medicina.

A Resolução 1999/2012, aprovada pelo plenário do Conselho Federal de Medicina (CFM), determina a proibição da adoção destas práticas pelos médicos. O texto, que será publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (19), se baseia em extensa revisão de estudos científicos que concluiu pela inexistência de evidências científicas que justifiquem e validem a prescrição destas práticas.

A nova regra reforça limitação imposta pelo Código de Ética Médica, em vigor desde 2010, que também desautoriza o emprego de técnicas sem comprovação cientifica. A Resolução também dialoga com os conteúdos das Resoluções 1938/2010, que alerta para a ineficácia das práticas ortomoleculares com o intuito de combater processos como o antienvelhecimento, e mesmo a Resolução 1974/2011, que trata de publicidade médica. Esta regra proíbe os médicos de anunciarem e prometerem resultados aos pacientes e também de anunciarem o uso de métodos sem comprovação cientifica.

O Coordenador da Câmara Técnica de Geriatria do CFM, Gerson Zafalon Martins, que coordenou o trabalho que resultou na nova resolução, alerta para os riscos que tais métodos podem causar. Segundo ele, há possibilidade de que adoção destas terapias possam provocar danos permanentes, inclusive contribuindo para o aumento do risco de câncer em determinados pacientes. “Prescrever hormônio do crescimento para “rejuvenescer” um adulto que não tem deficiência desse hormônio é submetê-lo ao risco de desenvolver diabetes e até neoplasias”.

Mudança de comportamento - Na avaliação do plenário do CFM, o aumento da longevidade não decorre tratamentos específicos, mas de uma mudança de atitude, que inclui a adoção de hábitos saudáveis (melhor alimentação, prática de esportes, abandono do tabaco e uso limitado do álcool, entre outros pontos). “Estão vendendo ilusão de antienvelhecimento para a população sem nenhuma comprovação científica e que pode fazer mal à saúde. Com a idade, o metabolismo mais lento e a ingestão de algumas substâncias podem aumentar o risco de várias doenças”, alerta a geriatra Elisa Franco Costa, que auxiliou na pesquisa do CFM.

Entre as diferentes técnicas para deter o envelhecimento, a principal crítica do CFM se detém sobre a reposição hormonal e a suplementação com antioxidantes (vitaminas e sais minerais). De acordo com o CFM, a adoção destes métodos não gerou, até o momento, resultados confirmados por estudos científicos em grandes grupos populacionais ou de longa duração. Além disso, como eram empregados em pacientes com hipofunção glandular, podem provocar efeitos adversos que levem seus usuários ao desenvolvimento de outras disfunções.

Para os conselheiros, a prescrição e o emprego de tratamentos de forma inadequada colocam a saúde dos pacientes em risco. Este entendimento é o mesmo de outros órgãos de regulação, tanto nacionais quanto internacionais, se posicionam contra a manipulação hormonal em indivíduos saudáveis.
Penalidades possíveis - Em agosto passado, o CFM divulgou parecer produzido pela Câmara Técnica de Geriatria que propunha um parâmetro normativo sobre a questão. Apenas de seu caráter orientador, o documento não tinha função normatizadora. Com a nova Resolução, o médico fica o impedido de praticar a terapia, sob pena de ter seu registro profissional cassado.

Segundo dados da corregedoria do CFM, nos últimos quatro anos, a entidade já cassou o registro profissional de cinco médicos que praticavam os procedimentos sem comprovação científica. Outras dez punições (como suspensão e censura pública) também foram dadas a outros médicos. Os Conselhos Regionais de Medicina também apuram outros casos.

O ilícito destes médicos geralmente era agravado pela publicidade imoderada, sensacionalista e promocionais. Muitos deles garantiam resultados, o que contraria o Código de Ética Médica (CEM). “A medicina não é uma ciência de fim e sim de meios. O médico tem que fazer o possível em benefício do paciente, mas nem sempre o resultado é satisfatório”, destaca o corregedor do CFM, José Fernando Maia Vinagre.

SAIBA O QUE DIZ A RESOLUÇÃO CFM 1.999/2012
Ficam vedados o uso e divulgação dos seguintes procedimentos e respectivas indicações da chamada medicina antienvelhecimento:
I. Utilização do ácido etilenodiaminatetraacetico (EDTA), procaína, vitaminas e antioxidantes referidos como terapia antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para o tratamento de doenças crônico- degenerativas;
II. Quaisquer terapias antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para doenças crônico-degenerativas, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra evidências de benefícios cientificamente comprovados;
III. Utilização de hormônios, em qualquer formulação, inclusive o hormônio de crescimento, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra vidências de benefícios cientificamente comprovados;
De acordo com a Resolução CFM 1999/2012, a reposição de deficiências de hormônios e de outros elementos essenciais se fará somente em caso de deficiência específica comprovada e que tenham benefícios cientificamente comprovados:
IV. Tratamentos baseados na reposição, suplementação ou modulação hormonal com os objetivos de prevenir, retardar, modular e/ou reverter o processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
V. A prescrição de hormônios conhecidos como “bioidênticos” para o tratamento antienvelhecimento, com vistas a prevenir, retardar e/ou modular processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
VI. Os testes de saliva para dehidroepiandrosterona (DHEA), estrogênio, melatonina, progesterona, testosterona ou cortisol utilizados com a finalidade de triagem, diagnóstico ou acompanhamento da menopausa ou a doenças relacionadas ao envelhecimento, por não apresentar evidências científicas para a utilização na prática clínica diária. 



Em 2018 a Justiça também corroborou com o CFM e proibiu a prática de Modulação Hormonal.


A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região - TRF5 negou, por unanimidade, a apelação contra a Resolução Nº1999/2012, do Conselho Federal de Medicina (CFM).
A publicação do CFM tem por objetivo combater a prática de reposição hormonal sem comprovação científica, objetivando retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento.
Esta Resolução foi questionada judicialmente por uma Associação, que impetrou ação civil coletiva (no Juízo da 1ª Vara Federal da Seção Judiciária do Ceará - SJCE), com o intuito de que o CFM fosse determinado a se abster de aplicar a Resolução aos médicos filiados à associação, tanto no presente quanto no futuro.
A ação foi negada na primeira instância, motivando recurso à segunda instância, mas, no dia 28/08/18, também foi negada por unanimidade. Desta forma ficou reconhecido o direito de o CFM regular e impedir a prática, que vinha sendo intitulada por alguns de “modulação hormonal”, e que a SBEM sempre combateu e reprovou por falta de evidências científicas.
Posição do CFM e do Relator
De acordo com o relator da apelação, desembargador federal convocado Frederico Wildson, não tem sentido afirmar que as práticas estão em conformidade com a referida resolução do CFM, tendo em vista que a aplicação da norma não se faz em tese e, sim, diante de cada caso concreto.
De acordo com colocações publicadas no site do Conselho, “verifica-se que, segundo o Conselho Federal de Medicina a falta de evidências científicas de benefícios e os riscos e malefícios que trazem à saúde não permitem o uso de terapias hormonais, com o objetivo de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento”. Ainda no site, o magistrado explica que o CFM entendeu que a chamada “terapia antienvelhecimento” oferece risco à saúde da população, motivo pelo qual editou o ato normativo impugnado.
A Resolução
No site do CFM está detalhada a Resolução 1999/2012. Vejam alguns pontos de destaque, entre os pontos:
Médicos que prescreverem métodos para deter o envelhecimento podem ser punidos com até com a perda do registro profissional.
Médicos brasileiros que prescreverem terapias com objetivo específico de conter os envelhecimento, práticas conhecidas como antiaging, estarão sujeitos às penalidades precisas em processos éticos

Ficam vedados o uso e divulgação dos seguintes procedimentos e respectivas indicações da chamada medicina antienvelhecimento:
I. Utilização do ácido etilenodiaminatetraacetico (EDTA), procaína, vitaminas e antioxidantes referidos como terapia antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para o tratamento de doenças crônico- degenerativas;
II. Quaisquer terapias antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para doenças crônico-degenerativas, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra evidências de benefícios cientificamente comprovados;
III. Utilização de hormônios, em qualquer formulação, inclusive o hormônio de crescimento, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra vidências de benefícios cientificamente comprovados;
De acordo com a Resolução CFM 1999/2012, a reposição de deficiências de hormônios e de outros elementos essenciais se fará somente em caso de deficiência específica comprovada e que tenham benefícios cientificamente comprovados:
IV. Tratamentos baseados na reposição, suplementação ou modulação hormonal com os objetivos de prevenir, retardar, modular e/ou reverter o processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
V. A prescrição de hormônios conhecidos como “bioidênticos” para o tratamento antienvelhecimento, com vistas a prevenir, retardar e/ou modular processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
VI. Os testes de saliva para dehidroepiandrosterona (DHEA), estrogênio, melatonina, progesterona, testosterona ou cortisol utilizados com a finalidade de triagem, diagnóstico ou acompanhamento da menopausa ou a doenças relacionadas ao envelhecimento, por não apresentar evidências científicas para a utilização na prática clínica diária.


Cansaço crônico - Um dos sintomas que mais aparecem no consultório



Ao longo desses 12 anos de formado tenho visto que a cada dia essa queixa se torna cada vez mais frequente na minha prática clínica. O #cansaço excessivo, a #fadiga e a #indisposição para se realizar as tarefas básicas e programações do #dia a dia são algumas das queixas mais comuns que parecem estar aumentando a prevalência, chegando a quadros mais graves, com importante limitação das atividades de vida diária. 

Contudo, esse sintoma pode ser decorrente de uma série de fatores específicos ou da junção deles, sendo necessário uma investigação minuciosa e holística, para que seja possível voltar a normalidade (ter novamente disposição para a realização das atividades diárias).
.
Caso os sintomas citados acima te acompanham, esse post é para você! 

Veja alguns dos fatores que podem favorecer a indisposição física e mental:

🔷Sono insuficiente e/ou inadequado, cujo problema é comum devido a uma má #higiene do sono. Não é tão simples quanto parece fazer uma avaliação do sono. Na maioria das vezes solicitamos exames que mostram os estágios do sono e aplicamos escalas para verificar se o paciente está tendo ou não um sono reparador. 

🔷Realização de dietas e estratégias alimentares com restrição alimentar excessiva: aqui a máxima " saco vazio não pára em pé" se faz verdadeiríssima. Está existindo um equilíbrio entre os macronutrientes? A ingestão de água está adequada? Um recordatório alimentar funcional minucioso se faz necessário e é isso que fazemos na Clínica (eu e o meu nutricionista, Rodrigo Lamonier);

🔷Consumo #alimentar nutricionalmente pobre, resultando em déficits nutricionais de #vitaminas (principalmente vitaminas do complexo B pois entram no ciclo de Krebs, que gera energia para nosso corpo) e #minerais (ferro, zinco, magnésio, cobre, fósforo, cálcio) que são importantes na produção de energia e outras reações essenciais;

🔷Excesso de atividades diárias, estresse, ansiedade, depressão, insegurança e outras inúmeras condições que caracterizam algum problema com a saúde mental, que invariavelmente podem levar a redução do nível de energia do paciente;

🔷Uso de determinados medicamentos: principalmente ansiolíticos, antidepressivos, beta-bloqueadores entre outros;

🔷Doenças que estejam mal controladas, como por exemplo: hipotireoidismo, diabetes mellitus, doença renal, doenças pulmonares, problemas cardíacos, dentre outras.

Por isso é muito importante você sempre buscar o acompanhamento #profissional para uma investigação aprofundada! 

Evite utilizar estratégias para burlar o #cansaço como uso de #estimulantes e outros adaptógenos (principalmente por conta própria), busque tratar os fatores causais do problema! 

Autores: 
Dr. Frederico Lobo - CRM-GO 13.192  - Médico Nutrólogo
Rodrigo Lamonier - Nutricionista clínico, graduando em Educação física

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

O Efeito do Consumo de Óleo de Coco nos Fatores de Risco Cardiovascular


O Efeito do Consumo de Óleo de Coco nos Fatores de Risco Cardiovascular: Uma Revisão Sistemática e Meta-Análise de Ensaios Clínicos

Abstrato

Antecedentes: O óleo de coco é rico em gordura saturada e pode, portanto, aumentar as concentrações séricas de colesterol, mas efeitos benéficos em outros fatores de risco cardiovascular também foram sugeridos. Portanto, realizamos uma revisão sistemática do efeito do consumo de óleo de coco nos lipídios no sangue e outros fatores de risco cardiovascular em comparação com outros óleos de cozinha, usando dados de ensaios clínicos.

Métodos: Pesquisamos PubMed, SCOPUS, Cochrane Registry e Web of Science até junho de 2019. Selecionamos estudos que compararam os efeitos do consumo de óleo de coco com outras gorduras que duraram pelo menos 2 semanas. Dois revisores selecionaram independentemente os artigos, extraíram os dados e avaliaram a qualidade do estudo de acordo com as diretrizes do PRISMA (itens de relatório preferenciais para revisões sistemáticas e meta-análises). Os principais desfechos incluíram colesterol de lipoproteína de baixa densidade (colesterol LDL), colesterol de lipoproteína de alta densidade (colesterol HDL), colesterol total, triglicerídeos, medidas de gordura corporal, marcadores de inflamação e glicemia. Os dados foram agrupados usando meta-análise de efeitos aleatórios.

Resultados: 16 artigos foram incluídos na metanálise. Os resultados estavam disponíveis em todos os ensaios com lipídios no sangue, 8 ensaios com peso corporal, 5 ensaios com porcentagem de gordura corporal, 4 ensaios com circunferência da cintura, 4 ensaios com glicemia plasmática em jejum e 5 ensaios com proteína C reativa. O consumo de óleo de coco aumentou significativamente o colesterol LDL em 10,47 mg / dL (IC 95%: 3,01, 17,94; I 2 = 84%, N = 16) e o colesterol HDL em 4,00 mg / dL (IC 95%: 2,26, 5,73; I 2= 72%, N = 16) em comparação com os óleos vegetais não tropicais. Esses efeitos permaneceram significativos após a exclusão de ensaios não randomizados ou de baixa qualidade (escore de Jadad <3 adiposidade="" afetou="" coco="" com="" compara="" consumo="" de="" e="" em="" glicemia="" inflama="" leo="" leos="" marcadores="" n="" o="" os="" p="" significativamente="" tropicais.="" vegetais="">

Conclusões: O consumo de óleo de coco resulta em colesterol LDL significativamente mais alto que os óleos vegetais não tropicais. Isso deve informar as escolhas sobre o consumo de óleo de coco.

INTRODUÇÃO

Dietas ricas em ácidos graxos saturados aumentam as concentrações plasmáticas de colesterol lipoproteína de baixa densidade (LDL-colesterol) e podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares (DCVs) em comparação com os ácidos graxos poliinsaturados.

A popularidade do óleo de coco aumentou nos últimos anos devido aos seus supostos efeitos à saúde, embora a gordura de coco contenha cerca de 90% de gordura saturada e as diretrizes alimentares geralmente recomendem a restrição  ingestão de gordura saturada.

Um argumento comum a favor do consumo de gordura de coco é que ele é composto por ácidos graxos de cadeia média (MCFAs).

Os MCFAs são rapidamente absorvidos pela veia porta e, portanto, podem desempenhar um papel mais importante como fonte de energia via oxidação beta do que na síntese do colesterol.

No entanto, o ácido láurico (12: 0), que compreende cerca de metade  dos ácidos graxos totais do óleo de coco e é quimicamente classificado como um AGCM, pode não atuar biologicamente como outro AGCM.

O ácido láurico é amplamente absorvido e transportado pelos quilomícrons, semelhante aos ácidos graxos de cadeia longa.

Além disso, cerca de 25% da gordura de coco consiste no ácido graxo saturado de cadeia longa.

2 ácidos ácido mirístico (14: 0) e ácido palmítico (16: 0). 

Resultados de ensaios clínicos sobre os efeitos do consumo de óleo de coco no perfil lipídico foram misturados com alguns resultados de estudos de 6 a 8, mas não todos, 9 a 21, sugerindo que o consumo de gordura de coco reduz os níveis séricos de colesterol em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

Além das concentrações lipídicas, o óleo de coco tem sido sugerido para aliviar a inflamação, melhorar a homeostase da glicose e reduzir a gordura corporal.

Em uma meta-análise de rede sobre o consumo de diferentes gorduras e lipídios no sangue, o óleo de coco não alterou significativamente o colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais, mas essa análise incluiu apenas 6 ensaios com óleo de coco.

Além disso, a meta-análise de rede  não avaliaram o impacto de diferentes gorduras em outros fatores de risco para DCV. 

Portanto, realizamos uma revisão sistemática e atualizamos meta-análises de ensaios clínicos para avaliar os efeitos do consumo de óleo de coco em comparação com os óleos vegetais com baixo teor de gordura saturada e gorduras trans (óleos vegetais não tropicais) e outras gorduras para cozinhar sobre fatores de risco cardiovascular.

DISCUSSÃO

Em nossa meta-análise de ensaios clínicos, o consumo de óleo de coco aumentou significativamente as concentrações de colesterol total, LDL-colesterol e HDL-colesterol em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

Óleo de coco também aumentou significativamente as concentrações de colesterol total e LDL-colesterol em comparação com o óleo de palma (outro óleo tropical com ≈50% de gordura saturada vs ≈90% de gordura saturada no óleo de coco).

O consumo de óleo de coco não alterou significativamente a proteína C-reativa, as concentrações de glicose em jejum ou as medidas de gordura corporal em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

O efeito hipercolesterolêmico da ingestão de óleo de coco é provavelmente atribuído ao seu alto teor de gordura saturada.

Em uma recente análise de meta-regressão, o ácido láurico, o ácido mirístico e o ácido palmítico, que juntos constituem cerca de 70% do óleo de coco, aumento do colesterol LDL significativamente comparado com a ingestão de carboidratos.

O aumento de 10,47 mg / dL no colesterol LDL resultante da substituição de óleos vegetais não tropicais por óleo de coco pode resultar em um aumento de 6% no risco de eventos vasculares principais e um aumento de 5,4% no risco de mortalidade por doença coronariana (CC ).

Da mesma forma, a substituição de 5% da ingestão de energia da gordura saturada por gordura poliinsaturada (a gordura predominante na maioria dos óleos vegetais não tropicais) tem sido associada a 13% e 10% a menos de risco  de CHD em estudos epidemiológicos e ensaios clínicos, respectivamente.

Nossos resultados sobre os efeitos adversos do óleo de coco, em comparação com os óleos de cozinha alternativos, nas concentrações de LDL-colesterol, estão alinhadas com recomendações alimentares para substituir gordura saturada com gordura poliinsaturada. 

De acordo com nossos achados, autores de uma revisão sistemática anterior de 8 estudos que não incluíram uma meta-análise concluíram que o óleo de coco aumentou o colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais e que não havia evidências convincentes para apoiar o consumo.  de óleo de coco sobre óleos vegetais não tropicais para redução do risco de DCV.

Em uma meta-análise de rede comparando múltiplas gorduras de cozinha, o óleo de coco não aumentou significativamente o colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

A meta-análise de rede pode teoricamente fortalecer a base de evidências como resultado da combinação de comparações diretas e indiretas, embora essa abordagem não esteja isenta de possíveis vieses.

No entanto, os autores da metanálise da rede incluíram apenas 6 ensaios com óleo de coco em comparação com a nossa análise que incluiu 16 ensaios que compararam o óleo de coco com óleos vegetais não tropicais e 4 ensaios com óleo de palma.

A busca pela metanálise da rede foi realizada até março de 2018 e três novos ensaios foram publicados desde então.

Além disso, os autores excluíram ensaios de alimentação seqüencial não-dominados e ensaios de suplementos de óleo encapsulados.

O menor número de ensaios em óleo de coco incluídos na metanálise da rede pode, portanto, ter reduzido seu poder estatístico.

O consumo de óleo de coco aumentou as concentrações de HDL-colesterol em comparação com os óleos vegetais não tropicais em nossa meta-análise.

Esse resultado é consistente com a constatação de que a ingestão de gordura saturada, particularmente o ácido láurico, que é o principal ácido graxo do óleo de coco, aumenta o colesterol HDL mais do que a gordura poliinsaturada, a gordura monossaturada e os carboidratos.

Maior HDL-col  - as concentrações de colesterol têm sido consistentemente associadas a um menor risco de doença coronariana em estudos epidemiológicos.

No entanto, descobertas recentes de pesquisas colocam dúvidas sobre a causalidade dessa associação.

Nas análises aleatórias mendelianas, o HDL-colesterol circulante mais alto como resultado do polimorfismo de nucleotídeo único no gene da lipase endotelial ou um escore genético combinando polimorfismos de nucleotídeo único em diferentes alelos que aumentam o colesterol HDL não foram associados ao risco de infarto do miocárdio.

Além disso, tratamentos farmacológicos que aumentam o colesterol HDL, como niacina ou fibratos, não diminuíram o risco de mortalidade por doença coronariana, infarto do miocárdio ou derrame.

Esses resultados desafiam a noção de que o aumento do colesterol HDL necessariamente se traduzirá em  uma redução de risco em eventos cardiovasculares.

Em contraste com o HDL, o papel do LDL na promoção das DCV ateroscleróticas tem sido consistentemente demonstrado com base em achados de estudos randomizados mendelianos e em diferentes tratamentos para redução do colesterol LDL.

A aparente falta de causalidade para as concentrações de HDL-colesterol na DCC levou à hipótese de que a composição heterogênea de apolipoproteínas do HDL possa afetar o transporte reverso de colesterol de maneira diferente.

Um mecanismo cardioprotetor potencial da gordura não saturada da dieta em comparação com a gordura saturada é o aumento  em subespécies de HDL contendo apolipoproteína E, que demonstrou facilitar todas as etapas do transporte reverso de colesterol.

Portanto, embora a ingestão de gordura saturada aumente mais as concentrações de HDL do que a gordura não saturada, concentrações médias de HDL podem não ser eficazes  em refletir a função HDL ou risco de doença coronariana.

Os defensores do consumo de óleo de coco argumentam que a DCV é incomum entre as populações que consomem coco como alimento básico, como as populações de Pukapukans e Tokeelauan, que obtêm 34% e 63%, respectivamente, da ingestão diária de energia do coco.

Indivíduos toquelauanos  os que migraram para a Nova Zelândia apresentaram níveis mais altos de colesterol total, colesterol LDL e colesterol HDL do que aqueles que permaneceram em Tokelau, apesar de terem uma menor ingestão de gordura saturada.

No entanto, esses achados devem ser tratados com cautela, pois  da natureza observacional e ecológica dos estudos com alto potencial de confusão pelas dietas tradicionais dessas populações, geralmente contendo grandes quantidades de peixe e baixa quantidade de alimentos processados.

A substituição do óleo de palma pelo óleo de coco também aumentou significativamente as concentrações de LDL-colesterol, o que pode refletir o maior teor de gordura saturada no óleo de coco do que o óleo de palma.

O contraste no colesterol LDL entre o óleo de coco e o óleo de palma era pelo menos tão grande quanto ao óleo de coco versus óleos vegetais não tropicais.

Isso foi inesperado porque o óleo de palma aumenta significativamente as concentrações de colesterol LDL em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

No entanto, devido às diferenças nas características dos desenhos e populações do estudo, os efeitos da substituição do óleo de coco por diferentes óleos de controle não podem  ser facilmente comparado.

Identificamos apenas 1 estudo elegível que comparou manteiga com óleo de coco.

Neste estudo, o óleo de coco reduziu significativamente o colesterol LDL e aumentou o colesterol HDL em comparação com a manteiga, apesar da maior proporção de gordura saturada no óleo de coco.

No entanto, esse resultado deve ser tratado com cautela, pois foi baseado em um único estudo  e apenas gorduras para cozinhar foram fornecidas aos participantes, em vez de refeições preparadas, o que pode ter reduzido a adesão.

Foi sugerido que os polifenóis no óleo de coco não refinado podem ser benéficos para melhorar a inflamação e a homeostase da glicose.

A maioria dos estudos incluídos em nossa metanálise não relatou os tipos de óleo de coco usados.

No entanto, 2 estudos usaram óleo de coco extra-virgem orgânico, 2 estudos usaram óleo refinado, branqueado e desodorizado, 1 estudo utilizou óleo de coco fracionado, e 1 estudo utilizou óleo de coco filtrado obtido pressionando  polpa de coco desidratada.

Devido às informações limitadas, não conseguimos realizar análises estratificadas pelos tipos de óleo de coco utilizados.

Em nossa meta-análise, as estimativas para estudos que utilizaram um delineamento cruzado randomizado ou estudos realizados em populações ocidentais eram relativamente homogêneas.

Os ensaios cruzados não são afetados por características imperfeitamente equilibradas dos participantes no braço de intervenção e controle.

Além disso, os outros tipos de testes tiveram maior probabilidade de ter tamanhos menores de estudo, doses mais baixas de óleo de coco e fornecimento de cápsulas ou óleos de cozinha apenas em vez de todas as refeições.

Essas características do estudo pode ter contribuído para uma maior heterogeneidade nos resultados de estudos que utilizam ensaios de alimentação paralelos e sequenciais ou estudos realizados em populações não ocidentais.

Os resultados de nossa meta-análise não apoiam as alegações de benefícios do consumo de óleo de coco para aliviar a inflamação, melhorias na homeostase da glicose ou redução da adiposidade.

Em um estudo cruzado randomizado em 45 adultos saudáveis ​​da Malásia, o óleo de coco aumentou significativamente o leucotrieno B4 pró-inflamatório em comparação com o azeite e não afetou os índices de trombogenicidade.

Em 9 homens indianos saudáveis, os níveis da molécula-1 de adesão intercelular solúvel em pró-inflamatória e nos níveis de metaloproteinase da ma- trix foram significativamente reduzidos.  após uma intervenção com óleo de coco, mas não após uma intervenção com óleo de amendoim.

No entanto, o pequeno tamanho da amostra, o desenho sequencial não randomizado e o status não cego dos participantes limitam as interpretações desses resultados.

Comparados aos triglicerídeos de cadeia longa, os triglicerídeos de cadeia média podem reduzir o peso e a gordura corporal como resultado do aumento da oxidação gordurosa e do gasto energético aumentado pela ativação do sistema nervoso simpático.

No entanto, os triglicerídeos de cadeia média utilizados nesses estudos  consistem principalmente em ácidos graxos caprílico (8: 0) ou caprico (10: 0), que constituem apenas ~ 7% e ~ 5% respectivamente no óleo de coco, em vez de ácido láurico, o principal ácido graxo do óleo de coco.

Várias limitações potenciais de nossa meta-análise precisam ser consideradas.

Primeiro, vários dos ensaios clínicos incluídos tiveram um desenho, conduta e apresentação de dados ruins, e esses ensaios de baixa qualidade podem ter introduzido vieses em nossos resultados.

No entanto, restringir a análise a estudos randomizados, estudos com cegamento ou estudos de maior qualidade com base no escore de Jadad não alterou substancialmente os achados do nosso estudo.

Observamos uma sugestão de viés de publicação para os efeitos do óleo de coco no HDL-colesterol, mas não para os efeitos de outros lipídios no sangue.  Isso pode ser atribuído ao acaso ou a outras características do estudo relacionadas ao tamanho da amostra, mas não podemos excluir completamente a possibilidade de que o viés de publicação tenha afetado nossos resultados.

Nossa meta-análise concentrou-se em fatores de risco intermediários da doença e não nos pontos finais da doença.

No entanto, até onde sabemos, nenhum estudo prospectivo ou ensaio clínico avaliou o consumo de óleo de coco em relação à incidência de DCV. 

O pequeno número de estudos em vários estratos nas análises de subgrupos pode ter contribuído para estimativas imprecisas e uma falta de poder estatístico para detectar a modificação do efeito.

Da mesma forma, o número modesto de ensaios e o fato de nem todos garantirem a conformidade, fornecendo todas as refeições, pode ter reduzido nosso poder estatístico para uma análise dose-resposta.

Mais evidências de estudos de coorte e ensaios clínicos sobre o efeito do consumo de óleo de coco em eventos cardiovasculares são, portanto, desejáveis.

Nossos resultados levantam preocupações sobre o alto consumo de óleo de coco, porque aumentou significativamente LDL-colesterol em comparação com óleos vegetais não tropicais. 

Enquanto a ingestão de óleo de coco também aumentou as concentrações de HDL-colesterol, os esforços para reduzir o risco de DCV, aumentando o HDL-colesterol, não foram bem-sucedidos.  

Também não houve evidência de benefícios do óleo de coco em relação aos óleos vegetais não tropicais para adiposidade ou marcadores glicêmicos e inflamatórios.

Portanto, o óleo de coco não deve ser visto como um óleo saudável para reduzir o risco de DCV e limitar o consumo de óleo de coco devido ao seu alto teor de gordura saturada é necessário.

“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho
EndoNews: Lifelong Learning

Perspectiva clínica O que há de novo?

 • Em uma meta-análise de 16 ensaios, o consumo de óleo de coco aumentou significativamente as concentrações de colesterol da lipoproteína de baixa densidade (LDL) em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

 • Embora o consumo de óleo de coco também tenha aumentado as concentrações de colesterol das lipoproteínas de alta densidade (HDL), os esforços para reduzir o risco de doenças cardiovasculares ao aumentar o colesterol HDL não foram bem-sucedidos.

 • Não houve evidência de benefícios do óleo de coco em relação aos óleos vegetais não tropicais para adiposidade ou marcadores glicêmicos e inflamatórios.

 Quais são as implicações clínicas?

 • Apesar da crescente popularidade do óleo de coco por causa de seus supostos benefícios à saúde, nossos resultados levantam preocupações sobre o alto consumo de óleo de coco.

 • O óleo de coco não deve ser visto como um óleo saudável para reduzir o risco de doenças cardiovasculares e limitar o consumo de óleo de coco devido ao seu alto teor de gordura saturada é necessário.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Consistência é mais importante que perfeição

Começo de ano o consultório lota de pacientes querendo mudar de vida em 2020. A grande maioria tem empolgação pra dar e vender, transbordam força de vontade até antes da páscoa. 

Entretanto a maioria perde o ritmo e acabem fraquejando. 

Fraquejar em mudanças de hábitos é normal, aceitável. Não é crime e nem sinal de fraqueza. E em partes um dos principais fatores que atrapalham esse engajamento seja a busca por uma perfeição.

Quando se trata de mudança de hábitos, a Constância é muito mais importante que a perfeição. 

Melhor um "feito" que um perfeito. 

Final do ano o Dr. Bruno Halpern, um endocrinologista que admiro muito, postou as seguintes palavras na sua página do facebook.


Termino meus atendimentos no consultório em 2019 com mais uma reflexão a respeito do final de ano e desejando a todos um excelente final de ano. 

👉Falei em outra postagem que “todo ano tem final de ano” e não podemos deixar que esse período arruíne nossos esforços do resto do ano. Porém é necessário também entender que comemorações são algo positivo e pequenas escapadas, sem perder totalmente o controle, não podem ser fonte de arrependimento. 

👉Recebi muitos pacientes que se frustram com essas escapadas nessa época do ano com perdas de peso “menores do que queriam”, como se precisássemos ser sempre perfeitos, ou que não pudéssemos aproveitar festas e confraternizações! 

👉Num bom programa de perda de peso, muito mais importante do que nunca sair da linha é seguir uma direção: há pessoas que querem fazer tudo perfeito e logo se cansam e largam tudo. Mais importante é se permitir algumas saídas e excessos, mas manter um ritmo. Melhor sempre perder de forma consistente, consulta após consulta, que perder muito de início e logo desacelerar pois perdeu o pique. 

👉Porém, não vejam essa postagem como uma “carta branca”, apenas como um ajuste de expectativas: lembrem que a maioria das pessoas ganha bastante peso essa época do ano (e tem dificuldade de perder depois) e, portanto manter o peso já é um excelente resultado

Óleo de coco elevando colesterol LDL quando comparado aos outros óleos vegetais


Uma meta-analise (compilação de dados) de 16 estudos randomizados (o melhor tipo de evidência), recém-publicada na prestigiada revista Circulation, aumenta o grau de evidência que já tínhamos que o uso de óleo de coco (rico em gordura saturada, principalmente o ácido láurico) como substituto de óleos vegetais comuns (como oliva, soja, linhaça, canola, que contém mais gorduras insaturadas) está associado a um aumento médio de 10,5 mg/dL do LDL, o colesterol ruim, sabidamente associado a maior risco de doenças cardiovasculares (apesar de alguns “gurus” dizerem o contrário por aí). 

👉Sim, é verdade que o óleo de coco também aumenta em 4mg/dL o HDL, o colesterol bom, mas ainda não temos evidências de nenhum estudo que aumentar o HDL reduza o risco de doenças cardiovasculares, provavelmente pois não é apenas a quantidade e sim a qualidade desse colesterol que seja importante (e há evidências que gorduras saturadas poderiam piorar a qualidade destes). 

👉Esse aumento de LDL pode não ser tão significativo, a princípio, mas o importante aqui é discutir que essa meta-análise não mostra nenhum outro dos alegados benefícios do óleo de coco (ex: glicemia, peso, inflamação) e portanto trocar óleos vegetais por ele por questões de saúde não faz o menor sentido, o que não significa que, em pratos específicos em que ele seja gostoso, não possa ser consumido! No estudo, o óleo de coco se comportou pior inclusive que o óleo de palma (dendê) conhecido por sua alta carga de gordura saturada. 

👉Lembro também que outras meta-análises já mostraram que substituir gorduras saturadas (como a do coco, mas também de animais) por insaturadas está associada a menor risco de doenças cardiovasculares; no entanto, trocar gorduras saturadas por carboidratos não traz benefícios. 

Isso é importante pois não estou aqui condenando gorduras em geral e incentivando excesso de carboidratos , mas sim mostrando que há gorduras melhores que outras, e que a evidência ligando excesso de colesterol a risco cardiovascular é fortíssima, ao contrário do que alguns extremos low-carb, ou até defensores de dietas carnívoras, advogam! 

Ref: Neelakantan, Circulation 2020

Fonte: https://www.facebook.com/DrBrunoHalpern/photos/a.614298932033894/1770073666456409/?type=3&theater