Mostrando postagens com marcador reserva legal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador reserva legal. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Reforma do código florestal


Muito tem se falado em política, em posicionamento dos candidatos com relação a questões ambientais.

Minha intenção com este post não é fazer apologia a nenhum candidato, mas fora a candidata Marina Silva, nenhum outro candidato teve como foco a questão ambiental. Ao meu ver, no atual estágio planetário, o desenvolvimento sustentável associado a métodos de reestruturação do meio ambiental são primordiais.

A edição de Outubro/2010 da revista UNESP Ciência traz uma reportagem bastante elucidativa sobre a questão do código florestal e sua reforma.

Acho inconcebível postular tal tipo de reforma num país em que os hectares protegidos de APPs (áreas de preservação permanente como matas ciliares e/ou topos de morros) chegam a 59 milhões de hectares quando na verdade deveriamos ter 103 milhões de hectares protegidos.
É inadmissível falar em reforma de caráter redutor num país onde o esperado para Áreas de Reserva Legal (RL) (trechos de propriedades privadas que não podem ser desmatados – a porcentagem varia conforme o bioma) seria de 254 milhões de hectares e temos no momento um déficit de 43 milhões.
É impossível não ficar estarrecido com as afirmações do autor do projeto (Aldo Rebelo do PCdoB-SP), alegando que ouviu a opinião de vários pesquisadores e especialistas, sem citar algum nome específico ou citar publicações indexadas.

Sou médico e me interesso muito pelo assunto pois assim como a Ecologia trata da saúde do ecossistema, a Medicina aborda a saúde humana e tudo aquilo que possa afetá-la. Muitas vezes brinco com a ignorância do homem diante da grandiosidade da natureza ao manter um  determinado equilíbrio em um ecossistema. Aí chega o homem, cheio de "novas idéias", acreditando ter compreensão de toda uma dinâmica e almeja mudar tudo aquilo. Invadindo áreas outrora de polinizadores, peixes e anfíbios que se alimentam de insetos com potencial praguicida ou vetores de doenças transmitidas ao homem. O que se sabe sobre a função de APPs e Reservas legais é que ambas possuem importante papel protetor para o ecossistema e ao ceder parte delas para a agricultura estaremos criando um novo problema ambiental, além dos inúmeros que já possuímos e pouco conseguimos resolver.
E o pior, estaremos indo na contra-mão de toda uma corrente que visa Preservação do Meio-ambiente e tentativa de um desenvolvimento sustentável.

No dia 6 de Julho de 2010 o Projeto de Lei 1876/99, que propõe a reforma do Código Florestal, foi votado na Câmara dos Deputados, em Brasília.
Com 13 votos a 5, o texto principal do substitutivo do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) foi aprovado e agora segue para o Senado, para ser votado.

Abaixo a lista dos deputados e seus votos:

Votos favoráveis às reformas ruralistas

Anselmo de Jesus (PT-RO)
Homero Pereira (PR-MT)
Luis Carlos Heinze (PP-RS)
Moacir Micheletto (PMDB-PR)
Paulo Piau (PPS-MG)
Valdir Colatto (PMDB-SC)
Hernandes Amorim (PTB-RO)
Marcos Montes (DEM-MG)
Moreira Mendes (PPS-RO)
Duarte Nogueira (PSDB-SP)
Aldo Rebelo (PCdoB-SP)
Reinhold Stephanes (PMDB-PR)
Eduardo Sciarra (DEM-PR)

Votos contrários às reformas ruralistas:
Dr. Rosinha (PT-PR)
Ricardo Tripoli (PSDB-SP)
Rodrigo Rollemberg (PSB-DF)
Sarney Filho (PV-MA)
Ivan Valente (PSOL-SP)
Vale a pena ler a reportagem: http://www.unesp.br/aci/revista/ed13/novo-codigo-florestal

Frederico Lobo*


*Dr. Frederico Lobo (CRM - GO – 13.192) é médico clínico geral, ecologista clínico, pós-graduado em  estratégia ortomolecular e medicina tradicional chinesa,  atua também com consultoria em Hábitos Saudáveis e Qualidade de Vida . Goiânia - GO