Mostrando postagens com marcador atividade física. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador atividade física. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Caminhadas podem beneficiar pacientes de Mal de Parkinson

Uma nova pesquisa desenvolvida na Universidade de Maryland e apresentado na 63ª reunião anual da American Academy of Neurology, evidenciou que portadores de doença de Parkinson podem se beneficiar mais de caminhadas em esteiras a uma velocidade confortável do que praticando o exercício com mais intensidade, aumentando velocidade e inclinação.

Em um experimento, 67 pessoas que sofrem da doença foram separadas em três grupos que se exercitaram de formas diferentes. Um grupo fez caminhada de baixa intensidade por 50 minutos em uma esteira, o segundo grupo fez caminhada de alta intensidade por 30 minutos e o terceiro fez alongamentos com pesos.

Os indivíduos praticaram os exercícios três vezes por semana durante um período de três meses. Os resultados mostraram que todos os tipos de exercícios foram benéficos para os pacientes, mas que a caminhada de baixa intensidade proporcionou melhorias mais consistentes de mobilidade dos pacientes.

Fonte: http://www.hebron.com.br/

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Acupuntura e exercícios são benéficos para portadoras de síndrome do ovário policistíco (SOP)

A síndrome do ovário policístico afeta de 20% a 30% das mulheres que estão na idade fértil.

A síndrome faz com que os ovários produzam mais testosterona, podendo causar acne, obesidade e um crescimento incomum de pelos no corpo.

Além disso, ela também pode fazer com que a ovulação e a menstruação da mulher sejam irregulares.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Gothenburg (Suécia) dividiu as participantes de um estudo em três grupos. As mulheres do primeiro tiveram sessões de acupuntura onde as agulhas eram estimuladas manualmente e com correntes elétricas fracas. O segundo grupo recebeu instruções de se exercitar três vezes por semana e o terceiro funcionou como grupo controle.

Os resultados mostraram que houve redução no nível de testosterona nas mulheres que se exercitaram e também naquelas que tiveram as sessões de acupuntura.

Outra melhora que houve no quadro geral das participantes foi que os ciclos menstruais das mulheres desses grupos ficaram mais regulares. Dos dois tratamentos, a acupuntura foi o mais eficaz.

Fonte: http://www.eurekalert.org/pub_releases/2011-02/uog-wwp020711.php

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Exercícios físicos podem melhorar memória de idosos

A prática regular de exercícios físicos moderados durante um ano pode aumentar o tamanho do hipocampo cerebral em adultos com mais de 55 anos, proporcionando um aumento da memória espacial, segundo um novo estudo.

O hipocampo é a área do cérebro responsável pela formação de todos os tipos de memória.

O estudo, conduzido por pesquisadores das universidades de Pittsburgh, Illinois, Rice e Ohio State, foi publicado na revista especializada "Proceedings of the National Academy of Sciences".

"Os resultados de nossa pesquisa são particularmente interessantes por sugerirem que mesmo modestas quantidades de exercício podem fazer com que adultos idosos sedentários registrem melhora substancial da memória e da saúde do cérebro", explica Art Kramer, diretor do Beckman Institute na Universidade de Illinois e principal autor do estudo.

"Estas melhorias têm implicações importantes para a saúde de nossos cidadãos e para o aumento da população idosa em todo o mundo", acrescenta.

Para seu projeto, os cientistas convocaram 120 idosos sedentários sem qualquer sinal de senilidade e divididos ao acaso em dois grupos. O primeiro começou a praticar um regime de exercícios leves, como caminhar 40 minutos por dia, três vezes por semana. O segundo manteve apenas atividades como alongamento e exercícios de tonificação muscular.

Os resultados mostram que o grupo que praticou a atividade aeróbica registrou um aumento do volume do hipocampo nos dois lados do cérebro (2,12% no esquerdo, 1,97% no direito).

As mesmas regiões do cérebro dos participantes que ficaram no grupo dos exercícios de alongamento sofreram um aumento de 1,4% e 1,43%, respectivamente.

"Estamos acostumados a achar que a atrofia que ocorre no hipocampo no fim da vida é praticamente inevitável", diz o autor. "Mas nós mostramos que mesmo exercícios moderados durante um ano podem aumentar o tamanho desta estrutura. O cérebro nesta fase permanece maleável".

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/868435-exercicios-fisicos-podem-melhorar-memoria-de-idosos.shtml