Mostrando postagens com marcador açúcar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador açúcar. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 28 de março de 2011

Suco de caixinha tem mais açúcar que refrigerante

Em média, os sucos vendidos em caixinha têm mais açúcar do que os refrigerantes. Dependendo da marca, um suco de uva, por exemplo, pode ter até 70% a mais de açúcar do que um guaraná.

Essa é uma das conclusões de um estudo divulgado nesta quinta-feira (18) pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que comparou a quantidade de açúcares, sódio e gorduras em diversos alimentos industrializados de várias marcas.

Na média, os refrigerantes de cola ou guaraná apresentam um teor de açúcar de 10 g em um copinho de 100 ml. Os sucos, entre 11 g e 11,7 g, em média, dentro do mesmo recipiente. As diferenças maiores, porém, foram detectadas na comparação entre marcas e sabores.

Foi constatado, por exemplo, que entre os sucos com concentração de polpa entre 30% e 50%, o de manga é o que tem menor quantidade de açúcar: foi detectado uma concentração de 9,8 g por 100 ml. No mesmo tipo de suco, sabor uva, o teor de açúcar era de 14,5 g.

O néctar, tipo de suco com concentração de polpa menor (entre 20% e 30%) apresentaram, em média, quantidade de açúcar menor (11g, contra 11,7g dos sucos mais concentrados).

Neste caso, também houve diferença entre marcas e sabores. Os de laranja, maçã e pêssego, por exemplo, tinham média de 11 g de açúcar por 100 ml. Os de uva, novamente, tinham mais, 14g/100 ml.

Nos refrigerantes, também há variação de açúcar dependendo da marca. Entre quatro fabricantes de guaraná, por exemplo, houve uma marca que registrou 8,5 g de açúcar em 100 ml analisados, o menor valor. Outra marca, apresentou 11,3g/100ml, a maior concentração.

O estudo completo está disponível no site da agência

Fonte: http://noticias.r7.com/saude/noticias/suco-de-caixinha-tem-mais-acucar-que-refrigerante-20101118.html

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Açúcar também pode causar dependência, alerta estudo

Um bombom seguido de outro e, de repente, a caixa de chocolates está vazia. Um grupo de cientistas alemães tenta descobrir como o açúcar pode levar à dependência.

A grande maioria das pessoas não consegue resistir ao chocolate – mesmo quando a vontade é dizer "não". A suspeita de que o açúcar cause dependência levou pesquisadores do Instituto Central para Saúde Psicológica de Mannheim a mergulharem no tema.

Da mesma maneira que a pessoas se viciam em álcool, tabaco ou outras drogas, os estudiosos tentam compreender quando e por que o açúcar pode causar dependência.

O efeito da comida

Para desvendar a questão, o pesquisador Falk Kiefer submete pacientes acima do peso a uma sessão de ressonância magnética e observa suas reações diante da exibição de imagens de doces, bolos e sorvetes.

Com o experimento, Kiefer descobriu que as imagens ativam o chamado mecanismo de compensação do cérebro em pessoas que apresentam problemas alimentares.

Em todos os casos, foi observada a liberação de dopamina, um neurotransmissor que estimula o sistema nervoso central. Também conhecida como "hormônio da felicidade", a substância proporciona expectativas positivas e a sensação de bem-estar.

Açúcar e drogas

Esta reação é comparável aos efeitos provocados por drogas ou álcool. Quando administrado em doses cada vez mais altas em ratos, por exemplo, o álcool provoca a liberação da dopamina. Quando o animal deixa de receber a substância, ele demonstra sintomas humanos de abstinência, como tremores, inquietação e ansiedade.

Sintomas semelhantes são observados quando os ratos recebem água com açúcar. Os pesquisadores encontraram no cérebro dos ratos "viciados em açúcar" as mesmas alterações observadas em pessoas viciadas em drogas.

"Os processos que são liberados no mecanismo de compensação pelo açúcar são, de fato, comparáveis com o álcool e a nicotina", assegura o pesquisador Rainer Spanagel.

Vício e o cérebro

Além do mecanismo de compensação, o consumo de drogas envolve ainda o circuito cerebral do estresse, liberando neurotransmissores produzidos pelo próprio corpo, como a endorfina e opióides.

Esses neurotransmissores são responsáveis pela sensação de felicidade e causam o vício. Grande quantidade de açúcar transforma os dois sistemas nos ratos, explica Spanagel. O pesquisador acredita que as conclusões possam também ser válidas para pessoas, já que testes com animais na área de dependência química são geralmente aplicáveis a seres humanos.

Autores: Johanna Bayer, Andreas Neuhaus (np)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,14809773,00.html