segunda-feira, 15 de outubro de 2018

A frequência em que se pesa altera o processo de emagrecimento ?

Preocupação com peso corporal é algo infelizmente inserido na cultura da população como algo comum e aceitável. Eu digo infelizmente, pois ao contrário do que se imagina, a preocupação real não está relacionada à saúde ou melhora de hábitos de vida saudáveis, e sim relacionados à preocupação estética com o corpo. Assim, pesar-se em suas balanças de casa ou mesmo na balança da farmácia passou a ser um hábito incorporado em boa parte das pessoas e se tornou automático, mesmo para quem efetivamente não está preocupado com ganhos ou perdas de peso. E diante disto, para aquelas pessoas que estão insatisfeitas com seu corpo, e acreditam que perder peso seja uma solução, pesar-se se tornou uma obrigação. Acredita-se que, assim, será mais fácil manter o controle sobre o que deverá comer naquele ou no próximo dia para tentar perder ou manter o peso. Além disso, a autoavaliação de peso de forma frequente é muitas vezes recomendada por profissionais em intervenções para perda de peso, acreditando que supostamente pode prevenir o ganho de peso.

Mas será que funciona? Será que pode levar a consequências negativas?

Vamos ver o que nos dizem as evidências científicas?

Cito dois estudos que abordam este tema. O primeiro deles, uma publicação recente de agosto de 2018 por Rohde e colaboradores, que revelou que jovens adultos que se pesam mais frequentemente durante a semana apresentam maior ganho de peso que aqueles que se pesam menos frequentemente ao longo de dois anos de observação, relacionando também com maior risco de apresentarem episódios de compulsão alimentar e tendência a comportamentos compensatórios inadequados na tentativa inapropriada de promoverem de perda de peso. Estes achados sugerem claramente que a autopesagem deve ter efeitos negativos sobre a tentativa de controle de peso. Em revisão de literatura publicada em 2011 por Burke e colaboradores, em que 14 estudos que avaliaram monitorização de peso publicados entre 1993 e 2009 foram analisados, na associação entre automonitoramento e perda de peso, o nível de evidência era fraco (ou seja, monitorar-se com pesagens não determina perda de peso) por causa de limitações metodológicas. Esta revisão destacou a necessidade de estudos populacionais, para definição de medidas objetivas de adesão ao automonitoramento e estudos que estabeleçam qual o padrão necessário de autopesagem para a possibilidade de resultados bem sucedidos.

Mas, e por que será que isto ocorre?

É preciso entender que nosso peso corporal sofre influências de vários fatores comuns do dia a dia e uma oscilação diária é esperada, sem representar aumento ou diminuição real de adiposidade (tecido gorduroso). O quanto de líquidos se ingere em um dia, a frequência que se urina ou de ritmo intestinal, o grau de atividade física diária, o clima quente ou frio (que influencia nossas escolhas alimentares ou nossa hidratação) podem impactar no número exposto na balança sem representar real ganho ou perda de gordura corporal. Assim sendo, a pesagem frequente pode, por consequência de oscilações habituais de peso (sem valor clínico real), levar a insatisfações e frustrações que interferirão nos comportamento alimentar. E podem aparecer como episódios de compulsão ou exagero alimentar ou como tentativas inadequadas de compensação, como fazer restrição e jejuns ou aumentar a intensidade de atividade física, que representam sintomas de um comportamento alimentar transtornado.

Em resumo, as evidências sugerem que se pesar mais frequentemente foi associado com maiores ganhos futuros de peso e pode estar associada a um risco aumentado de início de comportamentos não saudáveis de controle de peso compensatório e posterior surgimento de comportamento alimentar transtornado. 

Autor: Dr. Alexandre Pinto de Azevedo, médico psiquiatra do Programa de Transtornos Alimentares (AMBULIM) do IPq-HC-FMUSP

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Aqui está o quanto os americanos estão comendo de fast food

Mais de um terço - 36,6% - de adultos nos EUA comem fast food em um determinado dia entre 2013 e 2016, diz CDC
O consumo de fast food variou de acordo com a idade, nível de renda, raça e sexo

O fast food se tornou uma parte importante da dieta americana, e um novo relatório dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA revela quantos adultos o comem.

Entre 2013 e 2016, cerca de 37% dos adultos nos EUA consumiram fast food em qualquer dia, de acordo com o resumo de dados publicado quarta-feira pelo National Center for Health Statistics.

Em qualquer dia nos Estados Unidos, estima-se que 36,6%, ou cerca de 84,8 milhões de adultos consomem fast food ", disse Cheryl Fryar, primeiro autor do relatório e um estatístico de saúde no CDC.

"Nós nos concentramos em fast food para este relatório porque fast food tem desempenhado um papel importante na dieta americana nas últimas décadas", disse ela. "O fast food tem sido associado à má alimentação e aumento do risco de obesidade".

Alimentos rápidos tendem a ser ricos em calorias, gordura, sal e açúcar, que - quando consumidos em excesso - podem estar associados à obesidade, pressão alta, diabetes tipo 2 e doenças cardíacas, entre outros riscos à saúde.

Em média, os adultos nos EUA consumiram 11,3% do total de calorias diárias de fast food entre 2007 e 2010, de acordo com um resumo dos dados do National Center for Health Statistics publicado em 2013.

Quem come mais e menos fast food

O novo relatório incluiu dados de cerca de 10.000 pessoas com 20 anos ou mais da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição 2013-2016.

Os dados revelaram que o consumo de fast food variava por idade, nível de renda, raça e sexo. 

Por exemplo, 44,9% dos adultos com idades entre 20 e 39 anos disseram que consumiam fast food em um determinado dia, em comparação com 37,7% dos adultos de 40 a 59 anos e 24,1% dos adultos com 60 anos ou mais.

A porcentagem de adultos que disseram consumir fast food aumentou com o nível de renda familiar, segundo o relatório. 

No geral, 31,7% dos adultos de renda mais baixa, 36,4% dos de renda média e 42% dos de renda mais alta disseram ter comido fast food.

"O que me surpreendeu foi a descoberta de que a renda estava positivamente associada a mais fast food", disse Lawrence Cheskin, professor associado e diretor de pesquisa clínica do Centro Global de Prevenção da Obesidade da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, que não envolvido no novo relatório.

"Essa conexão ou correlação é o oposto do que eu talvez esperasse", disse ele. "Mas precisamos desses tipos de estudos e desse tipo de fatos e estatísticas para entender melhor o que impulsiona o uso de alimentos que, como especialista em nutrição eu diria, não são sua primeira escolha por uma série de razões."

Cheskin, que também é diretor do Centro de Controle de Peso da Johns Hopkins, enfatizou que os alimentos ricos em açúcar e gordura podem aumentar o risco de certos problemas crônicos de saúde. "As pessoas têm o menor risco para a saúde quando comem frutas, verduras e grãos integrais", disse ele.

O relatório também descobriu que uma porcentagem maior de adultos negros não-hispânicos - 42,4% - disseram consumir fast food do que adultos brancos não-hispânicos em 37,6%, adultos asiáticos não hispânicos em 30,6% e adultos hispânicos em 35,5%.

Entre os que comeram fast food, 43,7% o fizeram durante o almoço, 42% durante o jantar, 22,7% no café da manhã e 22,6% como lanches, de acordo com o relatório.

Mais homens (48,3%) que mulheres (39,1%) disseram que comiam fast food durante o almoço. 

No entanto, mais mulheres (25,7%) do que homens (19,5%) disseram que tinham como um lanche. 

Entre todos os adultos, uma porcentagem maior de homens (37,9%) que as mulheres (35,4%) disseram que comiam fast food em um determinado dia.

O relatório tem algumas limitações, incluindo que a informação alimentar dos indivíduos foi obtida através de entrevistas pessoais durante as quais os adultos recordaram o que tinham comido nas últimas 24 horas. 

Essas entrevistas de recall podem levar a subnotificação e outras questões.

'O que devemos ter medo é de cheeseburgers duplos'

Ao todo, as descobertas do relatório são o que a maioria dos especialistas esperaria e refletem os padrões de consumo de fast food encontrados entre crianças, disse Jennifer Harris, professora associada de ciências da saúde na Universidade de Connecticut e diretora de iniciativas de marketing do Rudd Center for Food. Política e Obesidade, que não esteve envolvido no novo relatório do CDC.

Outros estudos que analisaram a recordação alimentar de 24 horas como essa encontraram uma coisa semelhante: que cerca de um terço das crianças em qualquer dia come fast food ", disse Harris.

No mês passado, um relatório do Rudd Center disse que 91% dos 871 pais que fizeram uma pesquisa on-line disseram que haviam comprado almoço ou jantar para a criança na semana anterior em uma das quatro maiores cadeias de fast-food: McDonald's, Burger King, Wendy's ou Subway. 

A pesquisa foi realizada em 2016.
"Em média, eles foram 2½ - na verdade 2,4 - vezes por semana. 

Então esses números são bem comparáveis ​​a cerca de um terço em um determinado dia", disse Harris.

Que 91% foi um aumento de 79% de 771 pais em uma pesquisa de 2010 e 83% de 835 pais em uma pesquisa de 2013, de acordo com o relatório Rudd Center.

"Nós sabemos que a publicidade de fast food subiu durante esse tempo por quantias bastante grandes. Sabemos que os pais levam seus filhos, dizem eles, porque é conveniente, é um bom valor, e seus filhos gostam da comida. Então, todos esses estão impulsionando as compras de fast food ", disse Harris.

"A outra coisa que suspeitamos é que os restaurantes têm introduzido itens mais saudáveis ​​com as refeições de seus filhos", disse ela, acrescentando que, embora haja opções mais saudáveis ​​nos cardápios, vários itens ainda são ricos em calorias, gordura e sal. 

"Nós sabemos que para as crianças, nos dias em que consomem fast food, elas comem cerca de 120 calorias a mais naquele dia. 

Elas também consomem mais açúcar e sódio e gordura nos dias em que comem fast food", disse ela.

Embora a comida rápida seja tipicamente mais alta em gorduras saturadas, sódio e calorias doentias, ela tende a ser baixa em vários nutrientes essenciais que corpos adultos precisam para florescer e que os corpos das crianças precisam crescer, disse Liz Weinandy, dietista registrada da Ohio State University. Wexner Medical Center, que não estava envolvido no novo relatório do CDC.

"É engraçado, quando vemos clipes de notícias de um tubarão nadando perto de uma praia, nos assusta em não ir perto dessa praia. 

No entanto, o que devemos ter medo é de cheeseburgers duplos, batatas fritas e grandes quantidades de bebidas açucaradas". Weinandy disse.

"Os adultos podem ir mais à mercearia e preparar a comida para levar em movimento, para que não tenhamos que entrar em uma situação em que precisamos depender tanto do fast food", disse ela. "Leva tempo e alguma organização. 

Eu vejo muitas pessoas que são bem sucedidas nisso, porém, quando levam algumas horas no fim de semana, e novamente no meio da semana, para preparar comida e depois planejar um pouco para levar algumas coisas com eles."


Fonte: https://edition.cnn.com/2018/10/03/health/fast-food-consumption-cdc-study/index.html

Tradução: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista e idealizador do EndoNews
“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho

Fomos desenhados para ficar sentados?

Mesmo quando as pessoas sabem que o exercício é desejável e planejam funcionar, sinais elétricos dentro de seus cérebros podem estar estimulando-os a serem sedentários.

Nós nascemos para sermos fisicamente preguiçosos?

Um novo estudo neurológico sofisticado, embora desconcertante, sugere que provavelmente somos.
O estudo descobriu que, mesmo quando as pessoas sabem que o exercício é desejável e planejam funcionar, certos sinais elétricos dentro de seus cérebros podem estar estimulando-os a serem sedentários.

Os autores do estudo esperam, no entanto, que aprender como nossas mentes podem minar nossas intenções de exercício possa nos dar uma motivação renovada para nos movimentarmos.
Fisiologistas do exercício, psicólogos e praticantes têm sido desconcertados pela diferença entre os planos e os desejos das pessoas de serem fisicamente ativos e seu comportamento real, o que geralmente envolve fazer o oposto.

Poucos de nós exercitam-se regularmente, embora saibamos que isso é importante para a saúde e o bem-estar.

Normalmente, culpamos a falta de tempo, instalações ou habilidade.

Mas, recentemente, um grupo internacional de pesquisadores começou a se perguntar se parte da causa poderia estar mais profunda, na forma como pensamos.
Para uma revisão anterior, esses cientistas haviam examinado pesquisas anteriores sobre atitudes e comportamentos de exercício e descobriram que grande parte deles mostrava que as pessoas sinceramente desejavam ser ativas.

Em estudos baseados em computador, por exemplo, eles direcionam sua atenção para imagens de atividade física e afastam-se de imagens relacionadas a sentar e a uma languidez semelhante.
Mas, como os cientistas sabiam, poucas pessoas seguiam seus objetivos de serem ativos.
Então, talvez, os cientistas pensassem, algo estava acontecendo dentro de seus crânios que amortecia seu entusiasmo pelo exercício.

Para descobrir, eles recrutaram 29 homens e mulheres jovens saudáveis.

Todos os voluntários disseram aos cientistas que eles queriam ser fisicamente ativos, embora apenas alguns deles fossem regularmente.

Os pesquisadores adaptaram cada um de seus voluntários com uma tampa contendo vários eletrodos que leram e registraram a atividade elétrica do cérebro.

Então eles fizeram os homens e mulheres completarem um elaborado teste de computador projetado para sondar como eles se sentiam sobre o exercício.

No teste, os voluntários receberam um avatar com a forma de um boneco.

Seu avatar, que eles podiam controlar pressionando teclas, podia interagir na tela com outras imagens individuais relacionadas a ser ativo ou fisicamente inerte.

Por exemplo, uma imagem de uma figura caminhando ou pedalando pode aparecer, representando a atividade, seguida quase instantaneamente por uma representação de uma figura diferente reclinada em um sofá ou em uma rede.

Em partes alternadas do teste, os voluntários foram instruídos a mover seus avatares o mais rápido possível em direção às imagens ativas e longe dos sedentários, e vice-versa.

Esse teste é conhecido como uma “tarefa de evitar abordagem” e é considerado um indicador confiável de como as pessoas se sentem conscientemente sobre o que é mostrado na tela.

Se as pessoas respondem com mais avidez a um tipo de imagem, movendo seus avatares para ela mais rapidamente do que as afastam de outros tipos de imagens, presumivelmente elas são atraídas para esse assunto.

E os voluntários neste estudo foram quase uniformemente mais rápidos em se mover em direção às imagens ativas do que os sedentários e mais devagar para evitar essas mesmas figuras ativas.
Todos eles conscientemente preferiram as figuras que estavam em movimento.
Mas em um nível inconsciente, seus cérebros não pareciam concordar.

De acordo com as leituras da atividade cerebral elétrica, os voluntários tiveram que empregar muito mais recursos cerebrais para se moverem em direção a imagens fisicamente ativas do que as sedentárias, especialmente em partes do cérebro relacionadas a ações inibitórias.

A atividade cerebral era muito mais leve quando as pessoas se moviam em direção a sofás e redes, sugerindo que, no que dizia respeito ao cérebro, aquelas imagens o chamavam mais fortemente do que as imagens de ciclismo e escalada de montanhas, o que quer que as pessoas se dissessem conscientemente.

"Para mim, essas descobertas parecem indicar que nossos cérebros são naturalmente atraídos por sedentarismo", diz Matthieu Boisgontier, pesquisador de pós-doutorado da Universidade de British Columbia, em Vancouver, Canadá, que liderou o estudo em conjunto com Boris Cheval no Universidade de Genebra, na Suíça.

Os resultados fazem sentido do ponto de vista evolutivo, diz o Dr. Boisgontier.

"Conservar energia era necessária" para nós como uma espécie em nossos primeiros dias, diz ele.
Quanto menos calorias os humanos atávicos queimaram, menos eles tiveram que substituir no momento em que os alimentos não estavam prontamente disponíveis.

Então, sentar-se tranquilamente foi uma estratégia de sobrevivência útil e pode ter construído uma predileção por ser sedentário na arquitetura de nossos cérebros, diz ele.

As pessoas que relutam em se exercitar "talvez devessem saber que não são apenas elas", diz ele. Os seres humanos podem ter um viés natural em relação à inatividade.

Mas também podemos conscientemente escolher nos mover, ele diz, apesar do que nossos cérebros possam pensar.


“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho


Tradução de Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista

Como o seu cérebro reage quando você escolhe a gentileza e a gratidão

Sabe aquela sensação de gratidão genuína e orgulho que você sente depois de ajudar alguém? Pois é, ela é real graças aos centros de recompensa que funcionam em seu cérebro. Pesquisadores da Universidade de Sussex, na Inglaterra, descobriram que essa reação ocorre em nosso organismo mesmo quando não vamos ganhar nada em troca com o ato de bondade. É, literalmente, "fazer o bem sem olhar a quem".

O estudo intitulado "Uma meta-análise comparativa fMRI de decisões altruístas e estratégicas para doações" foi publicado na revista NeuroImage.

"A decisão de compartilhar recursos é fundamental para qualquer sociedade cooperativa", disse o principal autor do estudo, Dr. Daniel Campbell-Meiklejohn, diretor do Laboratório de Decisão Social em Sussex. "Sabemos que as pessoas podem escolher ser gentis porque gostam de se sentir como uma 'pessoa boa', mas também que as pessoas podem escolher ser gentis quando acham que pode haver algo para elas nesse ato, como se esperássemos por um retorno ou uma reputação. "

Quando se trata de atos de bondade, muitos tendem a se concentrar na ação e não na motivação por trás dela. Mas Campbell-Meiklejohn diz que o "porquê" é algo que deve ser entendido porque pode ter implicações úteis para a nossa espécie.

Ele cita um exemplo de como os governos poderiam usar melhor o conhecimento de por que as pessoas compartilham mesmo quando não recebem nada em troca. Segundo o pesquisador, isso poderia ajudar a criar políticas públicas melhores que encorajem o voluntariado e a doação às comunidades mais vulneráveis, por exemplo.

Para o estudo, a equipe de pesquisa realizou uma análise de outros estudos que envolveram mais de 1000 participantes. Todos tiveram os seus cérebros escaneados enquanto tomavam decisões.
O objetivo era comparar as pessoas que agiam por altruísmo - bondade genuína, sem nada a ganhar e sem segundas intenções - com as pessoas que exibem generosidade estratégica - um ato de bondade que lhes daria algo em troca.

De acordo com o resultado foi possível verificar que o centro de recompensa do cérebro foi acionado em ambos os casos. Mas eles também encontraram mudanças paralelas no cérebro durante as decisões altruístas.

"Descobrimos que algumas regiões cerebrais estavam mais ativas durante as decisões para a generosidade sem esperar nada em troca, comparadas à estratégica, então parece que há algo realmente de especial em situações em que nossa única motivação para compartilhar com o outros é se sentir bem em fazer aquilo", disse Jo Cutler, co-autora do estudo.
Cutler também chama atenção para uma observação interessante sobre o papel das recompensas. Ela explica que, em alguns casos, recompensar atos altruístas pode, na verdade, ser uma coisa ruim, pois altera a forma como a pessoa vê o seu próprio ato de gentileza.

Treino e dieta são eficientes para emagrecer? Qual é a fórmula do sucesso?

A fórmula "dieta + atividade física" provavelmente é a mais usada por quem quer perder peso. Mas volta e meia vemos pessoas discutindo se a combinação realmente é eficaz. A dúvida faz sentido, afinal, muita gente que tenta emagrecer desse jeito --mesmo que poucos quilos -- não obtêm sucesso. 

De acordo com Durval Ribas Filho, médico e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), a respostas é sim. "Pela Curva de Gauss (ou distribuição normal), que expressa os fenômenos biológicos inseridos dentro de um contexto estatístico, 16% das pessoas respondem maravilhosamente bem a exercício e dieta, 16% respondem muito mal e 68%, razoavelmente bem. Então, se considerarmos que 84% têm ótimo ou bom resultado, podemos dizer que essa combinação é mesmo eficiente", afirma.

E essa eficiência toda tem explicação: é que para emagrecer, grosso modo, seu corpo precisa gastar mais calorias do que você consome, o que é possível conseguir ao praticar exercícios e manter a alimentação controlada. Ribas Filho acrescenta que esse balanço energético negativo ainda se destaca por promover uma melhora geral na saúde. "Ele é a condição básica para aumentar a longevidade e evitar, controlar ou adiar o aparecimento de doenças crônico-degenerativas, como diabetes, hipertensão e Alzheimer", relata.

O sobrepeso é um problema multifatorial e o sucesso na perda de peso não vem de uma hora para outra. Ele só é atingido com paciência, persistência e foco. Buscar ajuda médica, em especial de um endocrinologista --para checar se está tudo em ordem com a parte hormonal --, e de profissionais das áreas de educação física, nutrição e psicologia é um ponto essencial. 

"Nem todos que iniciam esse processo por conta própria o fazem da maneira certa, e aí acabam inseguros, angustiados e sem resultados. O ideal é ser bem supervisionado nos diversos aspectos", indica Luna Azevedo, nutricionista da Clínica Nutrindo Ideais.

Mais: para que o ponteiro da balança desça, é fundamental que sua vida esteja equilibrada e o estresse, controlado. Claro que conseguir tudo isso não é tarefa fácil, porém, como o auxílio de um psicólogo ou psiquiatra, é possível. "As pessoas tendem a focar só no corpo e se esquecem do emocional. O problema é que quando não há uma estabilidade, a perda de peso se torna mais complicada", analisa Azevedo. 

Maria Edna de Melo, presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem), concorda: "É realmente importante ter todas essas orientações. E, junto com elas, deve-se fugir das propostas mirabolantes --sabemos que existem muitas por aí -- e ter metas realistas. Para emagrecer com saúde é necessária uma mudança comportamental para a vida toda, e não apenas momentânea."

Poucas calorias e atividade física intensa

A quantidade de calorias que devemos ingerir por dia para alcançar o chamado balanço calórico negativo é algo muito individual. No entanto, os especialistas dizem que esse número geralmente fica entre 1.200 e 1.500 --obviamente, proveniente de alimentos saudáveis e naturais: verduras, legumes, frutas, grãos integrais e carnes magras. Como falamos, um nutricionista é a melhor pessoa para definir os ingredientes e quantidades do seu cardápio, além do número de refeições por dia.

No quesito treino, estudos mostram que é importante mesclar exercícios aeróbicos intensos e musculação. Isso porque atividades como corrida e bike proporcionam grande gasto calórico, já o treino de força favorece a manutenção e o aumento da massa muscular --e quanto mais músculos você tem no corpo, maior é seu gasto calórico em repouso, o que vai contribuir para alcançar o gasto energético negativo.

O tempo de atividade varia de pessoa para pessoa, mas geralmente o recomendado é de pelo menos 30 minutos por dia, inclusive aos finais de semana, ou entre 45 e 60 minutos cinco vezes por semana. O tipo de exercício é uma escolha individual. O importante é optar por algo que você goste de fazer, não o que está na moda. Assim, você consegue tornar o treinamento um hábito prazeroso.


Apneia Obstrutiva do Sono e Deficiência de Testosterona

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é um distúrbio comum, caracterizado por hipóxia intermitente e fragmentação do sono. 

AOSA em homens de meia-idade é frequentemente associada à diminuição da secreção de testosterona, juntamente com a obesidade e o envelhecimento. 

Embora o tratamento com AOS não aumente de forma confiável os níveis de testosterona na maioria dos estudos, o tratamento da AOS com terapia de reposição de testosterona (TRT) pode não apenas melhorar o hipogonadismo, mas também aliviar a disfunção erétil / sexual. 

No entanto, como o TRT pode exacerbar a AOS em alguns pacientes, os pacientes devem ser questionados sobre os sintomas da AOS antes e depois de iniciar o TRT. 

Além disso, o TRT provavelmente deve ser evitado em pacientes com AOS grave não tratada.

INTRODUÇÃO

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é um distúrbio do sono crônico relativamente comum, caracterizado por episódios repetidos de obstrução completa ou parcial das vias aéreas superiores durante o sono, resultando em dessaturação de oxigênio, fragmentação do sono e sonolência diurna [1]. 

Estudos baseados na população sugerem que 2% das mulheres e 4% dos homens com mais de 50 anos têm AOS sintomática [2]. 

Vários efeitos negativos sobre a saúde foram atribuídos à AOS não tratada, incluindo o aumento das taxas de mortalidade, doenças cardiovasculares e dificuldades neurocognitivas. 

Demonstrou-se que a AOS não tratada é um fator de risco independente para a morbidade cardiovascular, incluindo hipertensão, doença cardíaca coronariana, insuficiência cardíaca congestiva, arritmias, hipertensão pulmonar, acidente vascular cerebral, morte súbita, resistência à insulina e doença do refluxo gastroesofágico [2-4].

A AOS também tem sido associada à função pituitária-gonadal alterada e à disfunção sexual, manifestada principalmente como disfunção erétil (DE) e diminuição da líbido [5]. 

A testosterona, o hormônio androgênico primário no sexo masculino, é estimulada pela secreção pulsátil de hormônio luteinizante (LH) e hormônio folículo-estimulante (FSH) [6]. 

A quantidade de testosterona sintetizada é regulada pelo eixo hipotálamo-hipófise-testicular [6,7]. 

A testosterona sérica demonstrou ser menor em homens com AOS e o tratamento da AOS pode ajudar a melhorar o hipogonadismo e a função sexual [7-9]. 

Este artigo analisa investigações recentes sobre a relação entre OSA e deficiência de testosterona.

SONO NORMAL E TESTOSTERONA

O sono normal é basicamente dividido em movimentos oculares não rápidos (NREM) e movimentos rápidos dos olhos (REM) [10]. 

O sono NREM é responsável por 75% a 80% do tempo total de sono, e o sono REM é responsável pelos 20% a 25% restantes [11]. 

Essas duas categorias de sono têm um ciclo de 90 minutos e adultos normais repetem esse ciclo de quatro a seis vezes durante a noite. 

O ciclo torna-se mais longo e mais frequente durante o curso do sono. 

O sono NREM pode ser dividido em três etapas, dependendo da profundidade do sono; os dois primeiros estágios (estágio 1 e 2) são caracterizados por breves episódios de vigília e são shalble. 

O último e mais profundo estágio do sono NREM (estágio 3) ocorre predominantemente durante o estágio inicial do ciclo do sono e se torna mais curto a partir de então.

O sono REM aparece atrás do sono NREM e é predominante no estágio final do ciclo do sono. 

O primeiro sono REM aparece 80 a 100 minutos após o início do sono, e o tempo entre o primeiro sono REM e o início do sono é denominado latência REM [10,11]. 

A arquitetura do sono muda naturalmente com o envelhecimento, de modo que a quantidade relativa de estágio 1 e 2 de sono NREM aumenta e a de estágio 3 diminui, especialmente em homens [12]. 

Além disso, a freqüência de despertar e a frequência REM também aumentam durante o sono com o envelhecimento [12,13].

O ritmo endógeno da produção de testosterona é semelhante ao do cortisol [14]. 

Os níveis séricos de testosterona variam de maneira circadiana, sendo maiores durante as horas de acordar e diminuindo para um nível baixo no final do dia [15]. 

Os níveis de testosterona começam a subir ao adormecer, atingem o pico na época do primeiro episódio do sono REM e permanecem no mesmo nível até o despertar [16]. 

Um estudo anterior demonstrou que o aumento dos níveis séricos de testosterona relacionado ao sono está relacionado com o aparecimento do primeiro episódio do sono REM após cerca de 90 minutos, e com a latência REM [17]. 

O aumento no nível de testosterona é mais lento quando a latência REM é maior [17]. 

Embora os níveis médios de testosterona noturna não estejam correlacionados com o número de episódios REM [16], a fragmentação do sono interrompe o ritmo da testosterona, com considerável atenuação do aumento noturno da testosterona [17]. 

O aumento da testosterona no momento do sono, a diminuição durante o despertar, é estável dentro de um indivíduo, embora haja grande variabilidade entre os indivíduos.

O envelhecimento é um fator importante associado ao nível matinal de testosterona. 

Geralmente, os homens de meia-idade têm mais baixos níveis de testosterona e a quantidade de sono noturno é menor em homens mais velhos [19,20].

APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO E TESTOSTERONA BAIXA

Vários estudos confirmam uma grande relação entre a AOS e a baixa testosterona. 

Uma testosterona está associada à função hipófise-gonadal e a AOS é uma causa direta da diminuição da função gonadal hipofisária [21]. 

Tanto a quantidade quanto a qualidade do sono afeta os níveis de testosterona. 

Pacientes com AOS têm menos sono REM, menos ritmo de sono profundo, aumento do desespertar noturno, fragmentação do sono e redução da eficiência do sono, o que leva a um baixo nível de testosterona [6]. 

Além disso, o fator, incluindo o índice de apneia e hipopnéia (IAH), o índice de dessaturação de oxigênio (ODI), a saturação de oxigênio, a obesidade e a idade estão mais associadas aos menores secreções de testosterona em homens de meia idade com AOS [22]

A gravidade da OSA é classificada de acordo com o valor da IAH e o menor valor de saturação de oxigênio. 

Um IAH normal é definido como ≤5 e um AOS pode ser classificado como leve (IAH, 5-15), moderada (IAH, 15-30) ou grave (IAH> 30) [23]. 

Uma correlação negativa foi encontrada entre a gravidade da OSA e o nível de testosterona; o escore mais alto de IAH está correlacionado com um nível mais baixo de testosterona, sugerindo que a gravidade da apnéia está relacionada com a diminuição das secreções de testosterona em pacientes com AOS [24,25]. 

Além disso, a gravidade da hipóxia durante o sono, indexada ao ODI e O2, está fortemente correlacionada com a redução da testosterona [8]. 

No entanto, esse conceito permanece controverso; níveis mais baixos de testosterona foram encontrados não apenas em pacientes com AOS leve como também em obesos idosos com IAH grave.

A obesidade é comum entre os pacientes com AOS e está associada ao aumento da gravidade do distúrbio. 

Portanto, o índice de massa corporal (IMC) pode ser o principal determinante dos níveis de testosterona em homens com AOS [27]. 

A obesidade está fortemente ligada aos níveis de testosterona nos homens, assim como o aumento da massa gorda, especialmente a abdominal. 

Isto pode ser porque o tecido adiposo, especialmente quando inflamado e em um estado resistente à insulina, expressa aromatase, que converte a testosterona em 17β-estradiol [28]. 

Além disso, a obesidade reduz os níveis de globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG), que carrega a testosterona na corrente sanguínea, devido à hiperinsulinemia associada à obesidade [29,30]. 

Embora a obesidade leve a um nível mais baixo de testosterona, a baixa testosterona também pode promover a obesidade [31]. 

Uma relação bidirecional entre obesidade e baixa testosterona sustenta essa associação, como indicado pelo ciclo de obesidade hipogonadal e perda de peso levando ao aumento dos níveis de testosterona (Fig. 1).

EFEITO DA BAIXA TESTOSTERONA NA QUALIDADE DO SONO E NA FADIGA

Embora a quantidade e a qualidade do sono levem a níveis reduzidos de testosterona, também há evidências para sugerir o inverso. 

Em um estudo de coorte de homens com idade ≥65 anos, aqueles com níveis baixos de testosterona apresentaram diminuição da eficiência do sono, aumento da frequência de despertares noturnos e redução do tempo de sono profundo [32]. 

Um estudo em camundongos mostrou que a perda de testosterona após a gonadectomia resulta em uma diminuição significativa na quantidade de sono profundo, que pode ser tratada com terapia de reposição de testosterona (TRT) [33].

Além da testosterona sérica mais baixa, os pacientes com AOS grave também apresentam níveis mais altos de fadiga geral, fadiga física e fadiga mental e redução da atividade física. 

O nadir da saturação de oxigênio não é um preditor significativo de fadiga, mas uma análise multivariada revelou que o nível de testosterona foi o único preditor independente de fadiga física e atividade reduzida em pacientes com AOS [7].

EFEITO DO TRATAMENTO DA APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO NA TESTOSTERONA

Os efeitos do tratamento com AOS nos níveis de testosterona são controversos. 

Um estudo prospectivo controlado da terapia com uvulopalatofaringoplastia para AOS mostrou níveis aumentados de testosterona e melhora da libido e da função sexual, aos 3 meses pós-cirurgia, sem alterações significativas no IMC, prolactina sérica, LH ou FSH [34]. 

Outro estudo longitudinal, de 43 homens com AOS grave tratados com terapia de pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP), mostrou um aumento significativo na testosterona total e SHBG em 3 meses após o tratamento [35]. 

Embora esses estudos sugiram que o tratamento da AOS por CPAP ou cirurgia aumente os níveis de testosterona plasmática matinal dentro de 3 meses, a maioria dos outros estudos mostra que a terapia com CPAP por 1 a 39 meses não afeta LH, FSH ou testosterona [36-39] . 

Ao contrário dos efeitos do CPAP, há uma relação linear entre a perda de peso e o aumento da testosterona plasmática em homens obesos [40].

EFEITO DA TESTOSTERONA EXÓGENA NA APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO

Embora seu efeito sobre a AOS permaneça incerto, a testosterona exógena tem sido considerada um efeito nocivo sobre a AOS. 

Apesar da falta de evidências convincentes de que o TRT agrava a AOS, nas diretrizes atuais, o TRT é contraindicado na presença de AOS não tratada [41]. 

Embora a baixa testosterona possa afetar a qualidade geral do sono, que é melhorada com doses de reposição, grandes doses de testosterona exógena estão associadas a anormalidades na duração do sono e na arquitetura. 

Vários estudos mostraram que o TRT exacerba os sintomas da AOS, o aumento do IAH e a diminuição da saturação de oxigênio [42-47]. 

O efeito da testosterona na AOS não é exercido pela alteração das dimensões da via aérea superior; em vez disso, a testosterona provavelmente contribui para a AOS por meio de mecanismos centrais.

Há uma variedade de possíveis mecanismos fisiológicos pelos quais a TRT exacerba a AOS, incluindo alterações morfológicas e neuromusculares nas vias aéreas, mudanças nas exigências metabólicas e mudanças nas respostas fisiológicas à hipoxemia e hipercapnia. 

A dilatação das vias aéreas superiores depende da contração dos músculos dilatadores das vias aéreas (por exemplo, o genioglosso), um efeito mediado por neurônios serotoninérgicos e noradrenérgicos paralelos; ambos os tipos de neurônios podem ser afetados pela idade e nível de testosterona [22,48]. 

Explicações alternativas incluem a possibilidade de maiores requerimentos metabólicos com níveis elevados de testosterona, o que pode resultar em um maior consumo de oxigênio que, por sua vez, poderia levar à hipóxia [41]. 

Outras explicações plausíveis incluem um papel para a testosterona na resposta neural vias de hipóxia e hipercapnia [49]. 

Níveis flutuantes de testosterona também podem impactar na resposta ventilatória à hipóxia e hipercapnia, o que poderia explicar as taxas mais altas de AOS observadas em homens em TRT [47,50] (Fig. 2).

O desenvolvimento dos sinais e sintomas da OSA durante o TRT requer avaliação por polissonografia e, potencialmente, tratamento com CPAP. 

Se o paciente não responder ou não puder tolerar o CPAP, a dose de testosterona deve ser reduzida ou descontinuada. 

Além disso, a AOS tem sido proposta como um fator de risco para a policitemia secundária [51] e a TRT exacerba a policitemia em alguns pacientes [52]. 

Isso deve ser lembrado em pacientes com AOS e hipogonadismo que estão considerando a TRT.

APNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO E DISFUNÇÃO SEXUAL

Os homens com AOS também são mais propensos a sofrer complicações associadas, como baixa libido, impotência e disfunção erétil. 

A AOS grave estava claramente associada à DE, embora essa relação fosse muito fraca em pacientes com AOS leve ou moderada [53]. 

Uma metanálise recente relatou que o risco relativo de disfunção erétil em pacientes com AOS era de 1,82 [54]. 

Embora os efeitos do tratamento com AOS nos níveis de testosterona permaneçam incertos, existem dados mais positivos para a melhora da disfunção sexual com o tratamento da AOS, independentemente do nível de testosterona. 

O CPAP resolveu a DE em 75% dos pacientes com AOS, resultando em melhora significativa na qualidade de vida [55]. 

Um estudo piloto mostrou que os efeitos aditivos positivos de TRT para inibidores da fosfodiesterase tipo 5 em homens com hipogonadismo com OSA recebendo terapia com CPAP.

No entanto, ainda não está claro se benefícios semelhantes podem ser alcançados apenas com CPAP sem TRT, o que deve ser confirmado em estudos controlados maiores.

CONCLUSÕES

A testosterona mostra variação circadiana, mas seu padrão não é o mesmo que o cortisol. 

O aumento relacionado ao sono da testosterona sérica está relacionado com o aparecimento do primeiro sono REM e requer 3 horas de sono profundo. 

Embora a relação entre testosterona e AOS seja complexa e ainda não seja completamente compreendida, a AOS pode contribuir para a baixa testosterona, devido à hipóxia e à fragmentação do sono. 

Além disso, a obesidade e a idade avançada podem ser responsáveis ​​por níveis mais baixos de secreção de testosterona em homens de meia-idade com AOS. 

Embora os efeitos do tratamento com OSA nos níveis de testosterona permaneçam pouco claros, o tratamento com AOS pode ajudar a melhorar a função sexual, especialmente em homens com AOS grave. 

No entanto, a TRT deve ser provavelmente evitada em pacientes com AOS grave não tratada, porque a TRT pode piorar a AOS em alguns pacientes.


“Compartilhar é se importar”
Instagram: @dr.albertodiasfilho
Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista. 




Infecções graves aumentando entre americanos com diabetes

O número de americanos com diabetes que acabam em hospitais com infecções graves, ou que os desenvolvem enquanto estão no hospital, está em ascensão.

Entre 2010 e 2015, o número de diabéticos hospitalizados por infecções aumentou 52 por cento (de 16 por 1.000 pessoas para 24 por 1.000), de acordo com pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

"As pessoas com diabetes são mais suscetíveis a infecções hospitalares do que as pessoas sem diabetes, e esse risco está aumentando", disse a pesquisadora Jessica Harding, da Divisão de Tradução de Diabetes do CDC.

"Os tipos mais comuns de infecção em pessoas com e sem diabetes foram infecções do trato respiratório e da pele", disse Harding. Mas as taxas de infecção foram sete vezes maiores em pessoas com diabetes, acrescentou ela.

O aumento das infecções globais é em grande parte impulsionado por aumentos em pacientes que desenvolvem sepse, enquanto no hospital, disse Harding. "No entanto, também vemos nas pessoas com diabetes um aumento nas úlceras nos pés, coincidindo com um aumento nas amputações dos membros inferiores", acrescentou ela.

Louis Philipson, diretor do Centro de Diabetes da Universidade de Chicago, disse que não está claro por que os diabéticos desenvolvem mais infecções.

"Nós nem sequer temos dados sobre se as infecções ocorreram em pessoas com diabetes mais mal controlada, embora isso pareça um palpite razoável", disse Philipson, que também é presidente eleito para medicina e ciência na American Diabetes Association.

O alto nível de açúcar no sangue diminui a atividade do sistema imunológico e pode causar muitas alterações no fluxo de tecidos, pele e sangue, o que pode aumentar o risco de infecções, disse Philipson.

"Exatamente quais fatores são mais importantes aqui, e se o acesso aos cuidados de saúde desempenhou um papel, nós ainda não sabemos", acrescentou.

Infecções do trato urinário, da pele e do tecido conjuntivo estão associadas a altos níveis de açúcar no sangue e diabetes mal controlada, explicou Philipson. Prevenir o diabetes e alcançar os alvos ideais para o controle do açúcar no sangue são fundamentais para reduzir as infecções.

"Juntamente com isso, visitas regulares a um médico de cuidados primários e especialista, conforme necessário para obter os melhores cuidados com os pés, oftalmologia e revisão da função renal irá percorrer um longo caminho no sentido de prevenir complicações da diabetes", disse Philipson.

Para o estudo, Harding e seus colegas usaram dados nacionais de hospitalização de 2000 a 2015. Os dados capturaram cerca de 20% de todas as hospitalizações em 46 estados, representando mais de 96% da população dos EUA.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas com diabetes têm cerca de duas a sete vezes mais chances de serem hospitalizadas com uma infecção do que a população em geral.

"Melhor acesso aos cuidados preventivos, bem como promover a educação para reduzir os fatores de risco para processos de doenças subjacentes, será essencial para diminuir o risco de infecções em pessoas com diabetes", disse Harding.

Dr. Joel Zonszein dirige o Clinical Diabetes Center no Montefiore Medical Center, em Nova York. Ele disse que é preocupante que a maioria dos pacientes com diabetes não seja tratada adequadamente, já que altos níveis de açúcar no sangue os predispõem a infecções.

"Temos maneiras adequadas de tratar o diabetes, e não deve haver desculpa para que os pacientes não recebam os melhores cuidados", disse ele. "Mais pesquisas não são necessárias - um tratamento mais eficaz é imperativo".

Os resultados do estudo foram agendados para apresentação terça-feira na reunião da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes, em Berlim. A pesquisa apresentada em reuniões médicas deve ser considerada preliminar até ser publicada em um periódico revisado por pares.

“Compartilhar é se importar”
Instagram: @dr.albertodiasfilho
Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista. 

Meta-análise: menopausa antes de 45 ligado ao Diabetes tipo 2

- Insuficiência ovariana primária também associada a maior risco de doença

As mulheres que tiveram menopausa precoce ou insuficiência ovariana primária tiveram um risco maior de diabetes tipo 2, relataram os pesquisadores.

De acordo com uma revisão sistemática e meta-análise, as mulheres apresentaram 15% mais chances de desenvolver diabetes tipo 2 quando a menopausa começou antes dos 45 anos, em relação àquelas com início natural da menopausa aos 45-55 anos (OR 1,15; IC95% 1,04- 1,26, P = 0,003).

Da mesma forma, o principal autor do estudo, Panagiotis Anagnostis, MD, PHD, da Universidade Aristóteles de Thessaloniki, na Grécia, e colegas também descobriram que as mulheres que apresentaram falência ovariana primária - considerada menopausa antes dos 40 anos - tinham 50% mais chances de desenvolver diabetes tipo 2 em comparação com mulheres com idade normal de início da menopausa (OR 1,50, IC 95% 1,03-2,19, P = 0,033).

Ampliando a associação, esse risco aumentado de diabetes também foi observado entre mulheres com menopausa precoce ou insuficiência ovariana primária quando comparadas com mulheres que passaram pela menopausa a qualquer momento após os 45 anos, incluindo menopausa normal ou tardia (OR 1,12), para menopausa precoce, IC 95% 1,01-1,23, P = 0,019, OR 1,53 para insuficiência ovariana primária, IC 95% 1,03-2,27, P = 0,035).

Apresentado na reunião anual da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes (EASD), Anagnostis explicou ao MedPage Today que, embora estes resultados fossem esperados pelo seu grupo, esta foi a primeira meta-análise publicada para confirmar esta hipótese.

"Alguns estudos foram publicados durante os últimos anos, produzindo resultados conflitantes em relação ao efeito da menopausa precoce sobre o risco de diabetes mellitus tipo 2. 

Então, pensamos que uma meta-análise esclareceria melhor essa questão crucial", explicou.

As pesquisas revisaram mais de 1.800 estudos das bases de dados Medline, Central e Scopus e, em última análise, limitaram a análise de 13 estudos de caso e coorte, fornecendo dados sobre mais de 190.000 mulheres na pós-menopausa com mais de 21.000 casos de diabetes tipo 2. 

Isso também incluiu um estudo holandês publicado recentemente que relatou que mulheres que tiveram menopausa prematura tinham mais de 3 vezes mais de diabetes tipo 2 em comparação com mulheres que experimentaram menopausa tardia - considerado o início da menopausa após os 55 anos de idade.

Devido a este risco elevado, as diretrizes atuais da Associação Americana de Endocrinologistas Clínicos recomendam a triagem para o histórico de diabetes da mulher no momento da menopausa, particularmente devido ao aumento adicional do risco de doença cardiovascular tanto da menopausa quanto do diabetes.

"Os achados de nossa meta-análise devem ser levados em conta na construção de modelos prognósticos para detecção precoce de diabetes tipo 2 em mulheres, especialmente naqueles em situação de alto risco, para necessitar de estratégias de intervenção no estilo de vida e potencial terapia farmacêutica", recomendou Anagnostis.

“Compartilhar é se importar”
Instagram: @dr.albertodiasfilho
Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista. 

Diabetes, estamos próximos da cura?

Quarta doença que mais provoca mortes no Brasil, o diabetes está entre os maiores desafios da área da saúde da saúde. O problema preocupa pois aumentou bastante nos últimos anos e sua cura ainda não foi descoberta, apesar de estar cada vez mais próxima. 

Pacientes obesos com diabetes tipo 2 relataram não ter mais sintomas após fazer cirurgia bariátrica ou de redução de estômago. Entretanto, não há evidências de que isso continuaria em longo prazo, portanto, a operação não é comprovadamente uma cura para a doença.

A conclusão é a mesma quando se trata do diabetes tipo 1. Tem-se considerado o transplante de pâncreas para esses pacientes, mas o tratamento também não pode ser considerado uma cura, já que envolve riscos e não há doadores suficientes.

Felizmente, novos estudos animam os cientistas. "Hoje existe a ideia de 'cura' com células-tronco que podem ser modificadas para células do pâncreas, para dar aos pacientes a chance de voltar a produzir insulina", explica Stephen Gough, ex-professor e líder de grupos de pesquisa sobre diabetes, endocrinologia e metabolismo na Universidade de Oxford (Reino Unido) e diretor médico da Novo Nordisk.

A empresa criou, em parceria com a Universidade da Califórnia (EUA), um laboratório para desenvolver culturas de células-tronco justamente para pacientes com diabetes tipo 1. Já com a Universidade Cornell (EUA) foi desenvolvido um dispositivo de encapsulamento que protege as células beta que são transplantadas em pacientes de ataques de seus próprios sistemas imunológicos. A empresa estima que o primeiro estudo clínico possa ser iniciado já nos próximos anos. 

"Ainda não sabemos quando essa terapia estará disponível, mas queremos fazer com que isso funcione", conta Gough.

Estudos aumentam expectativa

Um trabalho científico publicado em abril por pesquisadores do Centro de Terapia Celular (CTC) e da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo, da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) também aumentou as expectativas quanto a uma possível cura para a doença.

Na pesquisa, 24 pessoas com a condição fizeram transplante de células-tronco e foram comparadas a 144 indivíduos que seguiram com o tratamento convencional. "Vimos que 84% dos doentes que se submeteram ao transplante ficaram livres das injeções de insulina em algum momento, enquanto nenhum paciente em tratamento convencional deixou de administrar o remédio", declarou o endocrinologista Carlos Eduardo Barra Couri ao Jornal da USP. Após o procedimento, o sistema imunológico para de agredir as células produtoras de insulina localizadas no pâncreas.

Mesmo sem cura, há qualidade de vida

Marco Petti, diretor médico e chefe de pesquisa clínica da Novo Nordisk, acredita que ainda falta muito para a cura, mas que os tratamentos atuais mudaram a forma como diabético vive.

"Acho difícil fazer uma previsão de cura, mas temos buscas constantes e evolução de terapias. Só de pensar que começamos com a insulina, passando por medicamentos orais, insulinas de longa duração, imunossupressão e até células-tronco, é um avanço e tanto. A tendência é que fique cada vez mais fácil tratar e controlar o problema."

O diabetes é uma doença crônica, que, no momento, precisa ser tratada para sempre. Mas hoje os pacientes podem ter uma qualidade de vida muito boa.

"Eles só precisam se tratar. Hoje, metade das pessoas com diabetes não sabe que tem a doença. Da parcela que sabe, 50% não busca tratamento. Entre os que tratam a doença, metade não o faz do jeito certo, e dos que fazem, metade ainda pode ter consequências futuras. São poucos os que fazem tudo certinho (2% a 6%). O paciente que trata direito tem uma vida normal, apenas com alguns cuidados a mais. Entender e não negar a doença é o primeiro passo", conclui Petti.

*A jornalista viajou a convite da Novo Nordisk.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Obrigatoriedade do Titulo de Especialista - Posicionamento da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN)

Na íntegra, comunicado emitido pela ABRAN sobre Título de Especialista em Nutrologia:

A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NUTROLOGIA – ABRAN, representada neste ato nos moldes de seu Estatuto e, no uso de suas atribuições legais, vem a público informar para os devidos fins de direito que:

Para que qualquer médico possa ser considerado Nutrólogo, o mesmo deverá, obrigatoriamente, possuir o “Título de Especialista em Nutrologia”;

Ainda neste mesmo sentido, de acordo com a Resolução nº 2.162/2017 do Conselho Federal de Medicina, as únicas formas de obtenção do referido “Título de Especialista em Nutrologia” são:

  • Conclusão do curso de Medicina há pelo menos 2 anos + Programa de Residência Médica em Nutrologia através da Comissão Nacional de Residência Médica, ou;
  • Conclusão do curso de Medicina há pelo menos 2 anos + Concurso (Prova de Título de Especialista) do Convênio AMB/Associação Brasileira de Nutrologia (cada Edital de Prova, especifica os requisitos necessários para realização da prova).

Vale esclarecer ainda que, a participação em cursos de pós-graduação e congressos de Nutrologia não são habilitadores para o título de especialista em Nutrologia.

Por fim, ressalta-se que os médicos que divulgarem ser nutrólogos sem possuírem o título de especialista, poderão sofrer as penalidades administrativas e judiciais cabíveis.

Era o que tínhamos a informar, estando certos da compreensão de todos os envolvidos.

À Diretoria.

Posicionamento da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) sobre Modulação hormonal



Ozonioterapia: Justiça reitera prerrogativa do CFM de validar novos procedimentos

Decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região reafirmou o direito legal do Conselho Federal de Medicina (CFM) de validar novos procedimentos médicos no Brasil. Essa prerrogativa prevista na Lei 12.842/2013 estava sendo questionada como forma de suspender os efeitos de posicionamento do CFM quanto à proibição da prática da ozonioterapia no País.

O Conselho Federal de Medicina publicou, no dia 10 de julho, a Resolução nº 2.181/2018, que estabelece a ozonioterapia como procedimento experimental, só podendo ser utilizada em experimentação clínica dentro dos protocolos do sistema CEP/Conep. Anterior a essa norma, a Autarquia havia publicado dois pareceres com o mesmo entendimento. As deliberações do CFM vieram após a análise de uma série de mais de 26 mil estudos e trabalhos científicos sobre o tema.

Com a decisão da Justiça, exarada em agosto deste ano no processo nº 0812018-96.2018.4.05.0000, os médicos permanecem proibidos de prescreverem procedimentos deste tipo fora dos critérios estabelecidos pelo CFM, salvo em caráter experimental e em pesquisas científicas. Na decisão, o Judiciário negou a antecipação de tutela pretendida pela Associação Brasileira de Ozonioterapia (Aboz), sendo que o mérito da ação será julgado posteriormente.

Decisão - No despacho, o juiz Leonardo Augusto Nunes Coutinho destaca que as decisões do CFM se fundaram na ausência de evidência científica que justificasse a incorporação da ozonioterapia como prática médica. “Ora, se a autarquia federal (a quem cabe a analisar a eficácia das técnicas experimentais) se manifestou contrária ao uso da ozonioterapia pela classe médica, não há como este Juízo deferir, em exame preliminar, o pedido de tutela antecipada (permissão de uso da técnica)”, enfatizou. Resolução foi destaque no programa dominical Fantástico, em julho deste ano
Resolução foi destaque no programa dominical Fantástico, em julho deste ano


Segundo o magistrado, é inegável a complexidade da matéria, que exige conhecimentos técnicos aprofundados e análise mais detida, a qual só será possível no curso da demanda. Em sua análise, Coutinho também disse não vislumbrar plausibilidade na tese apresentada pela Aboz, “notadamente diante da aparente ausência de respaldo científico à prática da referida técnica”.

“A prescrição indiscriminada da ozonioterapia para tratar doenças diversas sem comprovação científica pode colocar em risco a vida de pacientes que, ludibriados por falsas promessas, optem por se submeter à técnica, abrindo mão do tratamento convencional com eficácia reconhecida”, disse, ao lembrar da reportagem exibida pelo programa Fantástico em julho deste ano.

TRF5 reconhece a legalidade de resolução do CFM que trata sobre as terapias hormonais


A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 negou provimento, por unanimidade, no último dia 28/08, à apelação da Sociedade Brasileira para Estudos da Fisiologia (Sobraf), que tinha por objetivo impedir a aplicação da Resolução n.º 1.999/2012, emitida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), aos seus médicos filiados. A publicação do CFM visa combater a prática de reposição hormonal sem comprovação científica.

De acordo com o relator da apelação, desembargador federal convocado Frederico Wildson, não tem sentido afirmar que as práticas dos médicos associados da Sobraf estão em conformidade com a referida resolução do CFM, tendo em vista que a aplicação da norma não se faz em tese e, sim, diante de cada caso concreto. Sendo assim, para verificar se as práticas dos filiados da apelante se enquadram na moldura normativa da resolução seria necessário apreciar cada caso concreto, com suas circunstâncias.

“Com efeito, consultando a Resolução nº 1.999/2012, verifica-se que, segundo o Conselho Federal de Medicina "a falta de evidências científicas de benefícios e os riscos e malefícios que trazem à saúde não permitem o uso de terapias hormonais com o objetivo de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento", ou seja, o CFM entendeu que a chamada "terapia antienvelhecimento" oferece risco à saúde da população, motivo pelo qual editou o ato normativo impugnado”, ressaltou o magistrado.

Terapia hormonal – A Sobraf ingressou com ação civil coletiva no Juízo da 1ª Vara Federal da Seção Judiciária do Ceará (SJCE), com o intuito de que o CFM, sob pena de multa a ser arbitrada por aquele Juízo, fosse determinado a se abster de aplicar a Resolução n.º 1999/2012 aos médicos filiados à associação, tanto no presente quanto no futuro. O documento emitido pelo CFM trata sobre o uso de terapias hormonais a fim de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento do corpo humano.

Ao julgar improcedente o pedido da Sobraf, o Juízo de Primeira Instância reconheceu a competência do CFM para fiscalizar o exercício profissional do médico. Diante disso, o órgão fiscalizador pode exigir a utilização de procedimentos cientificamente reconhecidos pela comunidade científica médica, na intenção de fornecer segurança à sociedade.

A publicação do CFM tem por objetivo combater a prática de reposição hormonal sem comprovação científica, objetivando retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento.

De acordo com o relator da apelação, desembargador federal convocado Frederico Wildson, não tem sentido afirmar que as práticas estão em conformidade com a referida resolução do CFM, tendo em vista que a aplicação da norma não se faz em tese e, sim, diante de cada caso concreto.

De acordo com colocações publicadas no site do Conselho, “verifica-se que, segundo o Conselho Federal de Medicina a falta de evidências científicas de benefícios e os riscos e malefícios que trazem à saúde não permitem o uso de terapias hormonais, com o objetivo de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento”. Ainda no site, o magistrado explica que o CFM entendeu que a chamada “terapia antienvelhecimento” oferece risco à saúde da população, motivo pelo qual editou o ato normativo impugnado.


No site do CFM está detalhada a Resolução 1999/2012. Vejam alguns pontos de destaque, entre os pontos:

Médicos que prescreverem métodos para deter o envelhecimento podem ser punidos com até com a perda do registro profissional.

Médicos brasileiros que prescreverem terapias com objetivo específico de conter os envelhecimento, práticas conhecidas como antiaging, estarão sujeitos às penalidades precisas em processos éticos.

Ficam vedados o uso e divulgação dos seguintes procedimentos e respectivas indicações da chamada medicina antienvelhecimento:

I. Utilização do ácido etilenodiaminatetraacetico (EDTA), procaína, vitaminas e antioxidantes referidos como terapia antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para o tratamento de doenças crônico- degenerativas;

II. Quaisquer terapias antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para doenças crônico-degenerativas, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra evidências de benefícios cientificamente comprovados;

III. Utilização de hormônios, em qualquer formulação, inclusive o hormônio de crescimento, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra vidências de benefícios cientificamente comprovados;

De acordo com a Resolução CFM 1999/2012, a reposição de deficiências de hormônios e de outros elementos essenciais se fará somente em caso de deficiência específica comprovada e que tenham benefícios cientificamente comprovados:

IV. Tratamentos baseados na reposição, suplementação ou modulação hormonal com os objetivos de prevenir, retardar, modular e/ou reverter o processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;

V. A prescrição de hormônios conhecidos como “bioidênticos” para o tratamento antienvelhecimento, com vistas a prevenir, retardar e/ou modular processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;

VI. Os testes de saliva para dehidroepiandrosterona (DHEA), estrogênio, melatonina, progesterona, testosterona ou cortisol utilizados com a finalidade de triagem, diagnóstico ou acompanhamento da menopausa ou a doenças relacionadas ao envelhecimento, por não apresentar evidências científicas para a utilização na prática clínica diária.

Fontes:

  1. https://www.endocrino.org.br/terapias-hormonais-trf5-reconhece-resolucao-do-cfm/
  2. http://www.trf5.jus.br/index.php?option=com_noticia_rss&view=main&article-id=aHR0cDovL3d3dy50cmY1Lmp1cy5ici9ub3RpY2lhcy8zMjA1NjQ=

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Novidade na Clínica Medicare

Agora contamos com um nutricionista na clínica Medicare. O Dr. Rodrigo Lamonier – CRN 14395 –  é nutricionista e Graduando em Educação física. O convidei para atender comigo pois atua nas seguintes áreas:
  • Intolerâncias alimentares (lactose, frutose, sacarose, rafinose),
  • Alergias alimentares,
  • Transtornos do aparelho digestivo (Diarréia crônica, Constipação intestinal, Doença inflamatória intestinal, Síndrome do intestino irritável, Doença hemorroidária, Doença celíaca),
  • Fibromialgia,
  • Fadiga crônica,
  • Sobrepeso, obesidade,
  • Anorexia, Bulimia, Compulsão alimentar,
  • Ganho de massa e hipertrofia,
  • Melhora da performance na prática de atividade física,
  • Pacientes nefropatas, em especial em diálise,
  • Litíase renal (cálculo renal)
  • Hiperuricemia e gota
  • Diabetes mellitus tipo 2 e tipo 1,
  • Esteatose hepática
  • Dislipidemias
  • Hipertensão arterial
Redes sociais:
Instagram: @rodrigolamoniernutri
O fone para agendamento é (62) 3941-2998.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Chegou !


terça-feira, 31 de julho de 2018

Aditivos alimentares - Posicionamento da Soc. Americana de Pediatria



A nova Diretriz Sociedade Americana de Pediatria frisa a importância de evitar o uso de recipientes plásticos na alimentação de crianças, mas o aviso serve também para os adultos.
O posicionamento foi feito para crianças pois elas são mais suscetíveis aos efeitos dos componentes dos plásticos e de aditivos alimentares. Seus sistemas metabólicos estão ainda em desenvolvimento, principalmente o de desintoxicação.
Na infância os órgãos estão sob maturação, sendo-os vulneráveis a substâncias danosas; nessa fase da vida, a relação da exposição de dose x kg corporal é mais preocupante comparado com adultos.
A desregulação endócrina é a principal consequência da exposição às substâncias dos plásticos. O estímulo obesogênico, cardiotoxidade, imunossupressão, desregulação dos hormônios tireoidianos, carciogenicidade e aumento do estresse oxidativo estão por trás dos malefícios propostos.
Claro que é inconsistente afirmar que as causas destas desregulações metabólicas na população são provindas exclusivamente pela exposição de determinadas substâncias dos plásticos, mas estudos experimentais e observacionais – através da análise urinária das substâncias – estão aí para fortalecer os prejuízos ao organismo.
Aditivos indiretos e diretos listados pela Soc. Americana de Pediatria:
Aditivos indiretos:
  • Bisfenóis:
Uso na alimentação: Embalagens plasticas policarbonadas, resinas para revestimento das embalagens.
Preocupação/Dano potencial: Disrupção endocrina, alteração no desenvolvimento, ação obesogênica, alteração de células beta-pancreáticas.
  • Ftalatos: 
Uso na alimentação: Embalagens/recipientes para armazenamento de alimentos, equipamentos de indústria alimentícia.
Preocupação/Dano potencial: Alteração no metabolismo lipídico, resistência insulínica, anti-androgênicos (reduz níveis de testosterona), estresse oxidativo, cardiotoxicidade.
  • Perfluoro - alquilicos:
Uso na alimentação: Papéis de embalagens à prova de óleos e gorduras.
Preocupação/Dano potencial: Imunidade reduzida à vacinas, alterações hormonais em especial tireoideanas.
  • Percloratos:
Uso na alimentação: Embalagens.
Preocupação/Dano potencial: Alterações na função tireoideanao, hipotireoidismo neonatal.
Aditivos diretos:
  • Nitratos e nitritos:
Uso na alimentação: Preservantes e corantes, sobretudo de carnes e embutidos
Preocupação/Dano potencial: Alteração na função tireoideana, aumento da produção de compostos sabidamente carcinogênicos (N-nitroso)
Algumas das recomendações propostas na diretriz:
  1. Priorizar o consumo de produtos frescos ou frutas/legumes congelados. Recomendação minha (Dr. Frederico): compre de produtores locais, preferencialmente agricultura familiar orgânica.
  2. Evite carnes processas, especialmente o consumo da mãe durante a gestação.
  3. Evite aquecer no microondas alimentos ou bebeidas (incluindo fórmulas lácteas pediátricas ou leite humano bombeado) em recipientes de plástico.
  4. Evite colocar plásticos na lava louça.
  5. Alternativas ao plastico: vidro ou aço inoxidável.
  6. Olhe para o código de reciclagem na base dos produtos, para encontrar o tipo de plástico: evite plásticos com os seguintes códigos:
  7. n3 - tem ftalatos
  8. n6 - tem estireno
  9. n7 - tem bisfenol A
  10. Incentive a lavagem das mãos antes de manusear comida e bebidas.
Às vezes o produto já contém a informação “BPA FREE”, que significa não ter a substância número 7. Mas pode ter ftalatos ou estireno.
Fonte: http://pediatrics.aappublications.org/content/early/2018/07/19/peds.2018-1408.full-text.pdf

Alimentos crus ou cozidos ?


Texto publicado no instagram pela Dra. Ana Paula Pujol


✅Sempre ouvimos falar que é melhor consumir vegetais crus🥦do que cozidos🍲.

❗Porém, alguns nutrientes são mais bem absorvidos quando o alimento é submetido ao calor. É o caso do tomate 🍅 , por exemplo. O calor 🔥faz com que o licopeno – substância que dá o tom avermelhado e tem uma potente ação antioxidante – seja mais bem absorvido pelo corpo.💁🏻‍♀

✅O betacaroteno da cenoura 🥕 também. Quando a cenoura é cozida, o carotenoide, que é excelente para pele e cabelos, é mais bem aproveitado pelo organismo.🤗

✅O espinafre🍃quando cozido reduz o teor de oxalato e taninos substâncias que interferem na absorção de nutrientes como ferro, cálcio, zinco, fósforo.

✅O brócolis 🥦 quando consumido cru ou minimamente cozido concentra mais glicosinalatos que podem auxiliar na prevenção do câncer, atuar como antioxidante e auxiliar nos processos de destoxificação. Quando cozido, confere maior aproveitamento de carotenoides como luteína, zeaxantina e betacaroteno.

✅A beterraba crua tem mais nitrato, a substância que ajuda no desempenho no exercício e cozida concentra mais flavonoides.

💚Por isso, a sugestão é: varie o consumo de vegetais 🥗entre crus e cozidos! No caso na cenoura e espinafre, prefira cozimento “al dente” no vapor. O tomate é melhor que seja cozido sem casca e sem semente por no mínimo 15 minutos. Adicione um pouco de gordura como azeite de oliva. O preparo do brócolis está descrito em um post anterior #preparodobrócolis.


‼️Lembre-se de preferir vegetais da época, de produtores locais e sempre que possível, orgânicos!💚

Fontes: 

  • J. Agric. Food Chem., 2002, 50 (10), pp 3010–3014
  • J. Agric. Food Chem. , 2008 , 56 (1), pp. 139–147
  • J. Agric. Food Chem. , 2000 , 48 (4), pp 1315–1321
  • Pol. J. Food Nutr. Sci. 2003, Vol. 12/53, SI 1, pp. 170–174
  • Food Science and Biotechnology, v. 25, n. 1, p. 79-84, 2016.
  • Nigerian Journal of Basic and Applied Sciences, v. 24, n. 1, p. 35-40, 2016.
  • Journal of Culinary Science & Technology, v. 14, n. 1, p. 1-12, 2016
  • Food chemistry , v. 197, p. 466-473, 2016.