segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Cansaço crônico


A reportagem abaixo foi publicada na FORBES Brasil e apesar de superficial engloba as principais causas de cansaço crônico. O motivo de eu repostar a reportagem aqui, é pq é uma queixa que ao longo dos últimos 10 anos, tem se tornado cada vez mais frequente no consultório. Principalmente na Nutrologia, já que no imaginário popular, cansaço está relacionado a algum tipo de déficit de nutriente.

Déficit de Nutrientes é apenas uma das causas de Cansaço crônico, mas a lista engloba mais de 50 doenças ou condições que podem levar o paciente a relatar para o seu médico: "- Doutor estou sentindo um cansaço, uma fadiga, um desânimo, uma indisposição". 

Tem um texto grande aqui no acervo do blog sobre o tema, mas prometo que em breve escreverei um mostrando o quão difícil é a investigação do sintoma: Cansaço.

Vale a pena ler a reportagem. Apesar do erro já no começo, no qual o autor caracteriza a anemia como exclusivamente por falta de ferro. Temos vários tipos de anemia, com várias etiologias. Falta de ferro pode causar anemia? Sim, anemia ferropriva. Falta de B12 pode também? Sim, anemia megaloblástica. Falta de ácido fólico? Também. Falta de zinco? Pode reduzir o tamanho das hemácias. Falta de cobre tb, bem como de vitamina A, intoxicação por metais tóxicos, déficit de B6.


Abraço

Dr. Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM-GO 13192 / RQE 11915

Descubra os principais motivos do cansaço constante

Em nosso agitado mundo moderno, uma queixa comum que os médicos ouvem é que seus pacientes estão frequentemente cansados. Se esse for o seu caso, o primeiro passo é observar seu estilo de vida. Uma alimentação saudável deve fornecer todos os nutrientes de que você necessita, mas, se você tem uma dieta pobre, a falta de nutrição pode fazer seu corpo lutar por fontes de energia.

Os exercícios podem tonificar e fortalecer os sistemas do seu corpo, além de liberarem hormônios do bem-estar, chamados endorfinas, que podem lhe dar um impulso. No entanto, se você é sedentário, está acima do peso ou é obeso, seu corpo pode estar com dificuldades para funcionar da maneira ideal. Por fim, um bom sono é fundamental para o seu corpo descansar e reparar-se – não dormir o suficiente pode deixá-lo esgotado.

Se você já abordou todos os fatores de estilo de vida que pode controlar e, mesmo assim, está enfrentando uma fadiga que parece não desaparecer, seu cansaço pode ter uma causa médica.

Anemia

A anemia é caracterizada pela falta de ferro no sangue, o que impede o funcionamento correto das hemácias e causa cansaço. As mulheres que menstruam – em especial se forem fluxos intensos – e as gestantes correm um risco particularmente alto, embora as mulheres na pós-menopausa e os homens também possam sofrer desse mal. Um simples exame de sangue é capaz de medir os níveis de ferro, e existem suplementos que podem ser comprados sem receita médica. Além disso, você pode aumentar sua ingestão de fontes naturais de ferro, como carne e verduras de folhas verdes escuras, para ajudar a corrigir o problema.

Doença da tireoide

Como a glândula tireoide controla o seu metabolismo, que, por sua vez, afeta seus níveis de energia, uma tireoide pouco ativa pode fazer com que você se sinta cansado. Chamada de hipotireoidismo, essa moléstia afeta principalmente mulheres e idosos e não tem cura. Felizmente, porém, ela é facilmente diagnosticada com um exame de sangue que mede o nível de hormônio da tireoide. Tomar um medicamento para a tireoide pode normalizar a função da glândula, embora seja necessário para o resto da vida.

Diabetes

Um dos primeiros sinais do diabetes pode ser o cansaço, porque você não está processando e absorvendo a glicose, que é o combustível do corpo. O diabetes é uma disfunção grave que pode prejudicar olhos, rins, nervos e coração, por isso é melhor que seja diagnosticado o quanto antes. Exames de sangue podem ajudar a identificar o diabetes, e você pode mantê-lo sob controle por meio de dieta, exercícios e, muitas vezes, medicamentos.

Depressão ou ansiedade

Os problemas de saúde mental estão intimamente ligados ao corpo e também podem gerar sintomas físicos. Para quem sofre de depressão ou ansiedade, pequenas tarefas podem ser esmagadoras e desgastantes, e essa falta de energia pode fazer com que você se sinta cansado. Medicamentos e aconselhamento ajudam. Porém, mesmo em pessoas sem problemas de saúde mental, o estresse pode levar à fadiga, já que o corpo fica em alerta máximo (a reação de “luta ou fuga”). Nesse caso, técnicas de relaxamento e controle do estresse, como meditação ou ioga, podem liberar a tensão que você sente e que destrói sua energia.

Apneia do sono

O sono costuma ser considerado um dos pilares da saúde, assim como a dieta e os exercícios. Mesmo que você pense que está tendo uma noite inteira de sono, um distúrbio denominado apneia obstrutiva do sono pode deixá-lo cansado, pois o bloqueio da respiração na garganta pode acordá-lo repetidas vezes durante a noite. Se você acha que pode ter apneia do sono (talvez porque seu parceiro ou sua parceira diz que você ronca), o próximo passo é um exame do sono para determinar se está sofrendo desse distúrbio. Mudanças no estilo de vida, como perda de peso, podem ajudar, da mesma maneira que aparelhos respiratórios como o CPAP (sigla em inglês para “pressão de ar positiva contínua”) ou uma cirurgia.

Doença autoimune

Existem mais de 80 tipos de doença autoimune, como artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistêmico, esclerose múltipla, síndrome de Sjögren e doença celíaca, nas quais o corpo ataca por engano suas próprias células. Infelizmente, as doenças autoimunes não são fáceis de diagnosticar. Além disso, a fibromialgia e a síndrome da fadiga crônica – que não se enquadram nas doenças autoimunes, mas muitas vezes atuam como elas – são outras patologias que seu médico pode cogitar ao efetuar um diagnóstico. Embora não esteja totalmente claro o motivo de o cansaço estar associado a essas enfermidades, medicamentos e ajustes no estilo de vida podem ajudar você a controlar o cansaço ao lidar com uma doença crônica.

Doenças cardíacas

Você pode não associar a fadiga a doenças cardíacas, mas ela pode ser um sinal desse mal, especialmente se você tiver outros sintomas, como falta de ar, tontura ou dor no peito. Seu coração está trabalhando demais, e seu sangue não está fluindo adequadamente para os órgãos e tecidos, o que causa cansaço. Se você acha que pode ter algum problema no coração, consulte seu médico imediatamente, pois essa doença pode ser fatal.

domingo, 4 de novembro de 2018

Por que a puberdade começa cada vez mais cedo

Louise Greenspan, pediatra e professora da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, se lembra da primeira vez que atendeu uma menina de sete anos com as mamas começando a se desenvolver;"Seus pais estavam muito preocupados e queriam entender o que estava acontecendo com a menina, que ainda brincava com bonecas", escreveu a médica em um artigo para o portal US News.

"Quando expliquei a eles que 15% das meninas começam a puberdade nessa idade, eles não podiam acreditar." No passado, o desenvolvimento da puberdade, com sinais como o crescimento da mama ou dos pelos pubianos, era considerado anormal antes dos oito anos de idade.

Mas, nos Estados Unidos, 15% das meninas estão iniciando o desenvolvimento das mamas aos sete anos e, aos oito anos, mais de 25% começam a passar por esse processo; E isso não acontece apenas nos Estados Unidos: segundo o médico e especialista em puberdade Frank Biro, do Centro de Medicina Adolescente do Hospital Infantil de Cincinnati, estamos diante de um fenômeno global.

MUDANÇAS COMEÇARAM A SER PERCEBIDAS NO INÍCIO DO SÉCULO 20

"Não há uma razão simples para explicar por que a puberdade tem ocorrido em uma idade mais precoce", explicou Biro em entrevista à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

O médico estima que a puberdade tenha sido adiantada pelo menos um ou dois anos desde o início do século 20, especialmente entre as meninas. "No início do século passado, a alimentação começou a melhorar e a saúde pública também. É nesse ponto que o começo da puberdade ficou mais precoce", explica o médico.

"Mas em meados do século 20, e especialmente nas últimas duas décadas, começamos a ver algo muito diferente".

Frank Biro e colegas conduziram uma pesquisa há alguns anos sobre a puberdade precoce em meninas. Estudos anteriores já haviam vinculado o Índice de Massa Corporal (IMC) a um início mais precoce da puberdade. Para Biro, sua pesquisa ratificou isto: o IMC talvez seja o fator mais importante na explicação deste fenômeno.

Isso ocorre porque as células de gordura participam da produção do estrogênio, um dos hormônios sexuais femininos. Assim, quanto mais tecido adiposo uma menina tiver, maior a probabilidade de que comece a puberdade mais cedo.

Os pesquisadores também apontam que a exposição a elementos químicos no ambiente pode estar alterando a idade em que a puberdade começa. Os fenóis, os ftalatos e os fitoestrógenos são substâncias químicas conhecidas como desreguladores endócrinos, já que interferem no sistema hormonal do organismo.

Eles são encontrados em diversos produtos manufaturados, como esmaltes, perfumes e xampus."O que descobrimos é que a exposição a esses produtos químicos está associada ao desenvolvimento mais precoce das mamas", explica Biro.  Uma puberdade mais precoce antecipa certos riscos. Para começar, as crianças com maior Índice de Massa Corporal são mais propensas a ter obesidade e diabetes tipo 2. E Biro aponta também que a menstruação precoce está associada a um risco aumentado de câncer de mama."Também temos que levar em conta os fatores sociais", alerta o médico. Sabemos que meninos e meninas que iniciam a puberdade mais cedo têm maior probabilidade de se engajar em comportamentos de risco, como fumar, beber ou usar drogas".

Segundo um estudo realizado em janeiro nos Estados Unidos, a puberdade precoce em meninas também está relacionada a uma maior probabilidade de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão.

Para Biro, isto também é tributário de uma questão social. "Como aparentam ser mais velhos, eles são tratados como se assim fossem", explica o especialista. "Se uma menina de 12 anos parece ter 15 anos, é muito provável que a tratem como se tivesse 15 anos, o que pode causar muitos problemas."

E quais são os alertas para os meninos que iniciam a puberdade mais cedo? "Os meninos passam por pressões diferentes das meninas", explica o médico.

"Os garotos que crescem antes tendem a ser vistos como líderes. Apesar de haver também a possibilidade que acabem adotando comportamentos mais arriscados, um início precoce da puberdade pode ser uma coisa positiva para alguns deles."

A boa notícia é que é improvável que a idade em que a puberdade começa continue a diminuir. "Há de existir um mínimo biológico", diz Biro. "E no que diz respeito às garotas, não acho que (a idade) possa continuar caindo muito mais."


segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Probióticos para perda de peso: uma revisão sistemática e meta-análise

A microbiota intestinal tem sido relatada como um dos potenciais determinantes da obesidade em estudos recentes em humanos e animais. Os probióticos podem afetar a microbiota intestinal para modular a obesidade. 

Esta revisão sistemática tem como objetivo resumir e avaliar criticamente as evidências de ensaios clínicos que testaram a eficácia de probióticos ou alimentos contendo probióticos como um tratamento para perda de peso. 

Pesquisas de literatura em bases de dados eletrônicas, como PubMed, Cochrane Library e EMBASE, foram conduzidas. 

A qualidade metodológica foi avaliada usando o peso corporal e índice de massa corporal (IMC).  Pesquisas iniciais renderam 368 artigos. Destes, apenas 9 preencheram os critérios de seleção.  Por causa de dados insuficientes, apenas 4 dos estudos foram randomizados controlados (ECR), que comparou a eficácia terapêutica dos probióticos com placebo. 

A meta-análise destes dados não mostrou efeito significativo dos probióticos no peso corporal e IMC (peso corporal, n = 196; diferença média, -1,77; intervalo de confiança de 95%, -4,84 a 1,29; P = 0,26; IMC, n = 154; diferença média, 0,77; intervalo de confiança de 95%, −0,24 a 1,78; P =, 14). 

No entanto, o número total de ECRs incluídos na análise, o tamanho total da amostra e a qualidade metodológica dos estudos primários foram muito baixos para tirar conclusões definitivas. 

Assim, RCTs mais rigorosamente projetados são necessários para examinar o efeito dos probióticos no peso corporal em maior detalhe. 

Coletivamente, os ECRs examinados nesta meta-análise indicaram que os probióticos têm eficácia limitada em termos de diminuição do peso corporal e IMC e não foram eficazes para perda de peso.

Introdução

A prevalência da obesidade aumentou continuamente em todo o mundo nas últimas décadas. 

A obesidade é um problema não apenas em termos de aparência, mas também como um fator desencadeante para o desenvolvimento de doenças metabólicas, como diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, osteoartrite e certos tipos de câncer.

A obesidade está associada principalmente a um balanço de energia diferença entre consumo de energia e gasto de energia. 

No entanto, mudanças no balanço de energia por si só não podem explicar o aumento da incidência de obesidade.

Estudos recentes em humanos e animais mostraram que a microbiota intestinal é um potencial determinante da obesidade.

A microbiota intestinal desempenha um papel importante na regulação fisiológica das funções metabólicas no hospedeiro.

Alguns membros da microbiota intestinal afetam doenças metabólicas, incluindo a obesidade confirmada por estudos em animais e humanos.

A composição microbiana do intestino é fortemente influenciada pela dieta e, por sua vez, influencia a função intestinal.

A perda de peso induzida pela dieta e a cirurgia bariátrica resultam em mudanças significativas na composição microbiana do intestino e podem afetar o sucesso do controle de peso a longo prazo.

Recentemente, Le Chatelier et al relataram que indivíduos obesos exibiram mudanças qualitativas na microbiota intestinal, a saber, um aumento nos filos Proteobacteria e Bacteroidetes; diminuição da Akkermansia muciniphila (bactéria antiinflamatória); e um aumento de patógenos, como Campylobacter e Shigella.

Essas alterações na microbiota intestinal reduzem a produção de butirato para diminuir a integridade da barreira intestinal e aumentar a degradação do muco e o estresse oxidativo.

Os níveis aumentados de Bacteroides fragilis, Clostridium leptum e Bifidobacterium catenulatum e diminuição dos níveis de Clostridium coccoides, Lactobacillus e Bifidobacterium após intervenções alimentares estão fortemente associados a uma perda de peso significativa, independente da ingestão total de alimentos.

Assim, mudanças na microbiota desempenham um papel crucial na garantia da eficácia dos tratamentos da obesidade.

Os probióticos são definidos pela Organização Alimentar e Agrícola e pela Organização Mundial da Saúde como “microrganismos vivos, que quando administrados em quantidades adequadas, conferem um efeito benéfico à saúde do hospedeiro”. 

Os gêneros Lactobacillus e Bifidobacterium têm sido reportados como exercendo múltiplos efeitos benéficos na síndrome metabólica, tais como perda de peso, gordura visceral reduzida e tolerância à glicose melhorada na maioria dos estudos em animais e alguns em humanos.

No entanto, alguns estudos relataram que os probióticos não exercem efeitos benéficos e que os prebióticos, “substâncias químicas que induzem o crescimento e / ou atividade de microorganismos comensais”, são mais úteis, pois o consumo de probióticos pode não alterar a microbiota intestinal em humanos.

Dois estudos sugeriram que espécies benéficas da microbiota intestinal têm efeitos importantes na modulação da adiposidade.

Embora esses estudos tenham sugerido um efeito potencialmente benéfico dos probióticos nas alterações do peso corporal e da adiposidade, os resultados estão longe de ser conclusivos. 

No entanto, os probióticos foram anunciados para reduzir o peso corporal. 

Portanto, uma revisão sistemática é necessária para examinar mais detalhadamente os efeitos clínicos dos probióticos no peso corporal e na adiposidade. 

Nenhuma revisão sistemática ou metanálise forneceu evidências críticas sobre os potenciais benefícios dos probióticos na perda de peso. 

Portanto, esta revisão sistemática tem como objetivo resumir e avaliar criticamente as evidências de ensaios clínicos que testaram a eficácia de probióticos ou alimentos contendo probióticos como um tratamento para perda de peso, isoladamente ou em combinação com outras intervenções de perda de peso, comparados com nenhum probiótico.

Discussão

A obesidade é uma das causas mais frequentes de problemas de saúde nos países industrializados. 

Além disso, pode levar ao 
desenvolvimento de outras doenças metabólicas graves como adultos. 

Essas tendências dependem de hábitos alimentares e estilo de vida.

Ensaios clínicos com agentes farmacológicos e outras intervenções terapêuticas, incluindo cirurgia, foram implementados.

No entanto, não existem terapêuticas eficazes e específicas para a obesidade no momento.

O papel dos micróbios intestinais na obesidade tem sido enfatizado nos últimos anos, e vários estudos abrangentes sugerem um papel crucial para a composição da microbiota intestinal no desenvolvimento da obesidade.

É bem reconhecido que a microbiota intestinal desempenha um papel na coleta, armazenamento e gasto de energia, e a composição da microbiota intestinal difere entre humanos magros e obesos.

A microbiota intestinal influencia as condições de inflamação de baixo grau, como obesidade e diabetes tipo 2, através da exposição de pequenas proteínas de junção de hiato ao lipopolissacarídeo (LPS), o que aumenta a permeabilidade intestinal.

Além disso, uma dieta que inclui alimentos ricos em açúcar e gorduras altera a flora bacteriana comensal e os produtos microbianos presentes no intestino.

Estudos recentes com probióticos e prebióticos revelaram que alterações na composição da microbiota intestinal contribuem para o desenvolvimento de várias doenças crônicas, e a aplicação de probióticos mostrou potencial para a manutenção da saúde e tratamento de doenças inflamatórias crônicas.

Portanto, seria interessante estudar o efeito dos probióticos no controle do peso por meio de estudos clínicos randomizados, com o objetivo final de determinar se os probióticos têm efeitos benéficos na perda de peso.

O controle de peso está mais associado aos hábitos alimentares e comportamentos alimentares dos indivíduos. 

Aqueles que aderiram aos comportamentos alimentares restritivos recomendados foram mais propensos a relatar perda de peso.

O consumo e os hábitos alimentares influenciaram o peso corporal e a resistência à insulina em um estudo com 15 anos de acompanhamento, e a associação entre hábitos alimentares rápidos e estilo de vida com ganho de peso foi mais forte para brancos do que adultos negros.

Além disso, o corpo humano metaboliza nutrientes como proteínas, carboidratos e lipídios para fornecer energia, e a taxa metabólica depende do tipo de ingestão de nutrientes e energia.

Os estudos selecionados para esta meta-análise não examinaram o comportamento alimentar padrões alimentares dos participantes, então a falta de efeitos benéficos significativos dos probióticos no controle do peso foi possivelmente devido à ausência de controle restritivo dos hábitos alimentares. 

Embora os probióticos não sejam, eles próprios, prejudiciais à saúde, a meta-análise de 4 ensaios clínicos randomizados descritos neste artigo indica que o uso de probióticos não é eficaz para alcançar a perda de peso. 

No entanto, dois ECR não incluídos na meta-análise devido à baixa qualidade mostraram efeitos positivos sobre o peso corporal e gorduras viscerais, especialmente em mulheres. 

Notavelmente, esses dois ECRs recrutaram um número relativamente maior de indivíduos e tiveram estudos mais longos do que os estudos incluídos nesta meta-análise. 

Portanto, estudos futuros que são adequadamente controlados, suficientemente energizados e adequadamente longos podem ser necessários para examinar mais definitivamente o efeito dos probióticos no controle de peso.
Zarrati et al [15] relataram diferenças significativas entre os 3 grupos; no entanto, essas diferenças foram devidas a uma dieta de baixa energia e dieta regular, e não aos probióticos. 

Tratamento probiótico resultou em nenhuma diferença em IMC, gordura corporal e relação cintura-quadril (RCQ) em comparação com o grupo controle. 

A maioria dos 5 estudos de longo prazo (12-24 semanas) relataram alterações no peso corporal ou na gordura corporal como escores z, e alguns não relataram DSs; portanto, eles não poderiam ser incluídos na meta-análise. 

No entanto, Kadooka et al [14] conduziram um estudo grande e bem projetado que encontrou reduções significativas no IMC, gordura visceral, gordura subcutânea e circunferência da cintura no grupo de tratamento (leite fermentado com Lactobacillus) em 2 doses (2 × 109 UFC). / de 2 × 108 UFC / d), e Sanchez et al [26] demonstraram que o tratamento com Lactobacillus cápsulas causou uma diminuição significativa no peso corporal e gordura corporal apenas em mulheres. 

Assim, o tratamento a longo prazo com Lactobacillus pode facilitar a redução do peso corporal e da gordura corporal.

O exercício diário e os níveis de estresse também são fatores importantes associados ao excesso de peso.

O nível de atividade e a ingestão de energia afetam significativamente o balanço energético no desenvolvimento da obesidade.

O estresse tem sido relatado como indutor de glicocorticóides, que estimulam a ingestão de alimentos e a insulina, que promove a obesidade. 

Os efeitos do estresse e fatores emocionais promovem comportamentos alimentares que podem levar à obesidade.

Uma limitação metodológica dos estudos identificados para esta metanálise foi a falta de atenção à restrição dietética e ao exercício na determinação do efeito dos probióticos no controle do peso. 

Nossa análise não encontrou diferenças significativas entre os braços probióticos versus placebo dos ECRs, sugerindo que não houve efeito porque os probióticos não causam perda de peso.

A falta de tamanho da amostra e o controle dos níveis de estresse dos participantes também causam ambigüidade na interpretação dos efeitos dos probióticos na obesidade. 

O estado de saúde mental atual do participante também é importante para o controle da obesidade. 

Pessoas obesas apresentaram comportamentos alimentares desordenados, como bulimia ou anorexia, bem como aumento da psicopatologia, indicando que a obesidade per se é afetada não apenas pelo desequilíbrio energético, mas também pela autoestima.

Os estudos incluídos nesta meta-análise consideraram apenas doenças metabólicas, como diabetes ou hiperlipidemia, e não consideraram o papel do diagnóstico psiquiátrico nos critérios de exclusão para seus estudos de RCT. A forma, o tamanho e a composição do corpo do indivíduo são influenciados por fatores genéticos e ambientais, bem como pela microbiota intestinal.  O microbioma intestinal influencia aumentando a capacidade de colheita de energia.

No entanto, a taxa de sobrevivência dos probióticos é afetada pela acidez, bem como pela presença de prebióticos, como oligossacarídeos, que servem como nutrientes. Portanto, amostras fecais antes e após as intervenções probióticas deveriam ter sido examinadas para investigar os efeitos dos probióticos vivos. 

Além disso, os estudos incluídos nesta meta-análise envolveram a ingestão de diferentes quantidades de probióticos, bem como diferentes durações de tratamento (Tabela 1), o que poderia ter levado a resultados contraditórios.  Devido a uma variedade de fatores, foi difícil determinar os efeitos dos probióticos no controle de peso usando apenas esses resultados.

Sabe-se que a maior parte da microbiota intestinal humana pertence a 4 grandes filos: 

  • Firmicutes, 
  • Actinobacteria, 
  • Proteobacteria, 
  • Bacteroidetes;
  • Mudanças na proporção de Bacteroidetes e Firmicutes estão associadas à obesidade.


Estudos em animais nos quais a composição da microbiota intestinal foi alterada com tratamentos probióticos revelaram os mecanismos de como os probióticos ou prebióticos podem afetar o metabolismo energético do hospedeiro e a obesidade.

Deizenne et al descobriram que ácidos graxos de cadeia curta, como propionato e butirato, produzidos pela fermentação de carboidratos ligam o receptor 41 acoplado à proteína G no intestino e promovem a expressão do peptídeo YY, que retarda o trânsito intestinal, aumentando assim o absorção de nutrientes. 

Eles também descobriram que alguns ácidos graxos de cadeia curta ativam o receptor acoplado à proteína G 43, o que aumenta a diferenciação relacionada ao receptor ativado por proliferador de peroxissomo e, portanto, a adiposidade. 

Outros estudos revelaram que a microbiota intestinal embotou a expressão da proteína 4 relacionada à angiopoietina no intestino e aumentou o armazenamento de ácidos graxos controlados pela lipoproteína lipase no tecido adiposo.

Em camundongos obesos, o LPS derivado de bactérias Gram-negativas alterou a localização da oclusão da proteína da junção estreita e aumentou a permeabilidade do intestino.

O tratamento com probióticos diminuiu o LPS plasmático e a massa gorda em ratos obesos, sugerindo um mecanismo relacionado ao aumento do LPS com o peso corporal e a adiposidade.

Com base nos mecanismos acima, o efeito dos probióticos no controle de peso pode não ser apenas devido a um efeito direto, mas também um efeito indireto contra bactérias nocivas no intestino. 

O envolvimento de múltiplos mecanismos pode explicar porque o uso a curto prazo de probióticos nesta meta-análise não causou uma mudança significativa no peso corporal.

Em conclusão, os resultados desta meta-análise indicam que os probióticos não são eficazes na diminuição do peso corporal e IMC. 

No entanto, esta meta-análise é limitada em sua capacidade de avaliar definitivamente o efeito dos probióticos na perda de peso porque a duração do tratamento, dosagem de probióticos e tipo de alimentação variaram entre os estudos. 

O tipo de probióticos administrados também não estava claro, pois eles podem ter sido administrados na forma de uma cápsula revestida de amido ou comprimido revestido quimicamente. 

Mais pesquisas com ECRs mais rigorosamente desenhados são necessárias para avaliar mais adequadamente o impacto dos probióticos na perda de peso.

“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho

Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista em Goiânia

Consumo de orgânicos pode reduzir o risco de câncer


Mais de 68.000 adultos franceses participaram do estudo. Aqueles que comiam mais alimentos orgânicos tinham 25% menos chances de desenvolver câncer. Você pode se proteger do câncer comendo alimentos orgânicos, sugere um novo estudo. 

Aqueles que freqüentemente comem alimentos orgânicos diminuíram seu risco geral de desenvolver câncer, segundo um estudo publicado na revista JAMA Internal Medicine. 

Especificamente, aqueles que basicamente comem alimentos orgânicos têm maior probabilidade de afastar o linfoma não-Hodgkin e o câncer de mama na pós-menopausa, em comparação àqueles que raramente ou nunca ingeriram alimentos orgânicos.

Liderada por Julia Baudry, epidemiologista do Institut National de la Sante e de la Recherche Medicale, na França, uma equipe de pesquisadores analisou as dietas de 68.946 adultos franceses. 

Mais de três quartos dos voluntários eram mulheres, com idade média de 40 anos. 

Esses voluntários foram categorizados em quatro grupos, dependendo de quantas vezes relataram comer 16 produtos orgânicos, incluindo frutas e legumes, carne e peixe, refeições prontas, óleos e condimentos vegetais, suplementos alimentares e outros produtos.

O tempo de seguimento variou para cada participante, mas durou pouco mais de quatro anos e meio, e durante esse período, os voluntários do estudo desenvolveram um total de 1.340 casos de câncer. 

O mais prevalente foi o câncer de mama (459) seguido pelo câncer de próstata (180), câncer de pele (135), câncer colorretal (99) e linfomas não Hodgkin (47).

Os autores calcularam o risco de câncer

Comparando os escores de alimentos orgânicos dos participantes com os casos de câncer, os pesquisadores calcularam uma relação negativa entre as pontuações mais altas (comer a maior parte dos alimentos orgânicos) e o risco geral de câncer. 

Aqueles que comiam mais alimentos orgânicos tinham 25% menos chances de desenvolver câncer. 

Especificamente, eles tinham 73% menos probabilidade de desenvolver linfoma não-Hodgkin e 21% menos probabilidade de desenvolver câncer de mama após a menopausa.

Mesmo os participantes que ingeriram dietas de baixa a média qualidade, mas ainda assim aderiram à alimentação orgânica, tiveram um risco reduzido de câncer, descobriram os autores.

Os autores teorizam que uma "possível explicação" para a relação negativa entre alimentos orgânicos e risco de câncer decorre da redução "significativa" da contaminação que ocorre quando alimentos convencionais são substituídos por alimentos orgânicos.

"Se as descobertas forem confirmadas, promover o consumo de alimentos orgânicos na população em geral pode ser uma estratégia preventiva promissora contra o câncer", concluíram Baudry e seus colegas.

Dr. Jorge E. Chavarro, professor associado do Departamento de Nutrição da Harvard T.H. Chan School of Public Health, disse em um podcast que o novo estudo é "incrivelmente importante". 

Ele é co-autor de um comentário publicado no estudo.

A maioria das pessoas que não trabalha na agricultura está exposta a resíduos de pesticidas através dos alimentos, disse Chavarro, que não esteve envolvido no estudo.

As novas descobertas são consistentes com as da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer, que descobriu que os pesticidas são cancerígenos em humanos, observou Chavarro. 

Eles também se alinham com os de outro estudo que mostrou uma relação negativa entre comer alimentos orgânicos e linfoma não-Hodgkin, disse ele.

No entanto, Chavarro acrescentou que os pesquisadores que planejam estudos futuros devem estar cientes de certas limitações neste novo estudo.

Desvantagens do estudo

"Avaliar a ingestão de dieta é difícil, avaliando a ingestão de alimentos orgânicos é notoriamente difícil", disse Chavarro. “Isso porque decidir comer alimentos orgânicos ou não é uma decisão que tem determinantes sociais e econômicos muito fortes. 

Mesmo que os autores tenham acesso a informações de por que as pessoas estão optando por não comer alimentos orgânicos, eles consideram todos os não-consumidores de comidas orgânicas iguais. "

Por exemplo, as pessoas que optam por não comer alimentos orgânicos, apesar de poderem fazê-lo, podem ter uma atitude inadequada em relação à sua saúde em geral e isso provavelmente influenciaria os resultados.

Chavarro também disse que não está claro se a quantificação do consumo de alimentos orgânicos está realmente calculando o que os autores do estudo querem medir - reduzindo a exposição a resíduos de pesticidas através da dieta.

É verdade que pesquisas anteriores, incluindo um dos próprios estudos de Chavarro, mostraram uma correlação entre o consumo de alimentos orgânicos e os níveis de pesticidas na urina, portanto a suposição não está incorreta. 

Ainda assim, os autores precisam mostrar isso, ele disse no podcast sobre o estudo. 

E, diferentes alimentos convencionais são mais "sujos" (contaminados com pesticidas) do que outros, ele disse, então comer certos alimentos orgânicos faz um trabalho melhor em nos proteger contra a ingestão de pesticidas do que outros. 

No entanto, o estudo não faz um bom trabalho de classificação e avaliação dessas diferenças, observou ele.

“No atual estágio da pesquisa, a relação entre o consumo de alimentos orgânicos e o risco de câncer ainda não está clara ", escreveram Chavarro e seus coautores no comentário.

No final, a conclusão do estudo, de acordo com Chavarro, é que todos nós deveríamos estar prestando mais atenção à quantidade de alimentos orgânicos que comemos e "provavelmente deveríamos estar estudando isso mais".

“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho

Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista de Goiânia 

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

A frequência em que se pesa altera o processo de emagrecimento ?

Preocupação com peso corporal é algo infelizmente inserido na cultura da população como algo comum e aceitável. Eu digo infelizmente, pois ao contrário do que se imagina, a preocupação real não está relacionada à saúde ou melhora de hábitos de vida saudáveis, e sim relacionados à preocupação estética com o corpo. Assim, pesar-se em suas balanças de casa ou mesmo na balança da farmácia passou a ser um hábito incorporado em boa parte das pessoas e se tornou automático, mesmo para quem efetivamente não está preocupado com ganhos ou perdas de peso. E diante disto, para aquelas pessoas que estão insatisfeitas com seu corpo, e acreditam que perder peso seja uma solução, pesar-se se tornou uma obrigação. Acredita-se que, assim, será mais fácil manter o controle sobre o que deverá comer naquele ou no próximo dia para tentar perder ou manter o peso. Além disso, a autoavaliação de peso de forma frequente é muitas vezes recomendada por profissionais em intervenções para perda de peso, acreditando que supostamente pode prevenir o ganho de peso.

Mas será que funciona? Será que pode levar a consequências negativas?

Vamos ver o que nos dizem as evidências científicas?

Cito dois estudos que abordam este tema. O primeiro deles, uma publicação recente de agosto de 2018 por Rohde e colaboradores, que revelou que jovens adultos que se pesam mais frequentemente durante a semana apresentam maior ganho de peso que aqueles que se pesam menos frequentemente ao longo de dois anos de observação, relacionando também com maior risco de apresentarem episódios de compulsão alimentar e tendência a comportamentos compensatórios inadequados na tentativa inapropriada de promoverem de perda de peso. Estes achados sugerem claramente que a autopesagem deve ter efeitos negativos sobre a tentativa de controle de peso. Em revisão de literatura publicada em 2011 por Burke e colaboradores, em que 14 estudos que avaliaram monitorização de peso publicados entre 1993 e 2009 foram analisados, na associação entre automonitoramento e perda de peso, o nível de evidência era fraco (ou seja, monitorar-se com pesagens não determina perda de peso) por causa de limitações metodológicas. Esta revisão destacou a necessidade de estudos populacionais, para definição de medidas objetivas de adesão ao automonitoramento e estudos que estabeleçam qual o padrão necessário de autopesagem para a possibilidade de resultados bem sucedidos.

Mas, e por que será que isto ocorre?

É preciso entender que nosso peso corporal sofre influências de vários fatores comuns do dia a dia e uma oscilação diária é esperada, sem representar aumento ou diminuição real de adiposidade (tecido gorduroso). O quanto de líquidos se ingere em um dia, a frequência que se urina ou de ritmo intestinal, o grau de atividade física diária, o clima quente ou frio (que influencia nossas escolhas alimentares ou nossa hidratação) podem impactar no número exposto na balança sem representar real ganho ou perda de gordura corporal. Assim sendo, a pesagem frequente pode, por consequência de oscilações habituais de peso (sem valor clínico real), levar a insatisfações e frustrações que interferirão nos comportamento alimentar. E podem aparecer como episódios de compulsão ou exagero alimentar ou como tentativas inadequadas de compensação, como fazer restrição e jejuns ou aumentar a intensidade de atividade física, que representam sintomas de um comportamento alimentar transtornado.

Em resumo, as evidências sugerem que se pesar mais frequentemente foi associado com maiores ganhos futuros de peso e pode estar associada a um risco aumentado de início de comportamentos não saudáveis de controle de peso compensatório e posterior surgimento de comportamento alimentar transtornado. 

Autor: Dr. Alexandre Pinto de Azevedo, médico psiquiatra do Programa de Transtornos Alimentares (AMBULIM) do IPq-HC-FMUSP

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Aqui está o quanto os americanos estão comendo de fast food

Mais de um terço - 36,6% - de adultos nos EUA comem fast food em um determinado dia entre 2013 e 2016, diz CDC
O consumo de fast food variou de acordo com a idade, nível de renda, raça e sexo

O fast food se tornou uma parte importante da dieta americana, e um novo relatório dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA revela quantos adultos o comem.

Entre 2013 e 2016, cerca de 37% dos adultos nos EUA consumiram fast food em qualquer dia, de acordo com o resumo de dados publicado quarta-feira pelo National Center for Health Statistics.

Em qualquer dia nos Estados Unidos, estima-se que 36,6%, ou cerca de 84,8 milhões de adultos consomem fast food ", disse Cheryl Fryar, primeiro autor do relatório e um estatístico de saúde no CDC.

"Nós nos concentramos em fast food para este relatório porque fast food tem desempenhado um papel importante na dieta americana nas últimas décadas", disse ela. "O fast food tem sido associado à má alimentação e aumento do risco de obesidade".

Alimentos rápidos tendem a ser ricos em calorias, gordura, sal e açúcar, que - quando consumidos em excesso - podem estar associados à obesidade, pressão alta, diabetes tipo 2 e doenças cardíacas, entre outros riscos à saúde.

Em média, os adultos nos EUA consumiram 11,3% do total de calorias diárias de fast food entre 2007 e 2010, de acordo com um resumo dos dados do National Center for Health Statistics publicado em 2013.

Quem come mais e menos fast food

O novo relatório incluiu dados de cerca de 10.000 pessoas com 20 anos ou mais da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição 2013-2016.

Os dados revelaram que o consumo de fast food variava por idade, nível de renda, raça e sexo. 

Por exemplo, 44,9% dos adultos com idades entre 20 e 39 anos disseram que consumiam fast food em um determinado dia, em comparação com 37,7% dos adultos de 40 a 59 anos e 24,1% dos adultos com 60 anos ou mais.

A porcentagem de adultos que disseram consumir fast food aumentou com o nível de renda familiar, segundo o relatório. 

No geral, 31,7% dos adultos de renda mais baixa, 36,4% dos de renda média e 42% dos de renda mais alta disseram ter comido fast food.

"O que me surpreendeu foi a descoberta de que a renda estava positivamente associada a mais fast food", disse Lawrence Cheskin, professor associado e diretor de pesquisa clínica do Centro Global de Prevenção da Obesidade da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, que não envolvido no novo relatório.

"Essa conexão ou correlação é o oposto do que eu talvez esperasse", disse ele. "Mas precisamos desses tipos de estudos e desse tipo de fatos e estatísticas para entender melhor o que impulsiona o uso de alimentos que, como especialista em nutrição eu diria, não são sua primeira escolha por uma série de razões."

Cheskin, que também é diretor do Centro de Controle de Peso da Johns Hopkins, enfatizou que os alimentos ricos em açúcar e gordura podem aumentar o risco de certos problemas crônicos de saúde. "As pessoas têm o menor risco para a saúde quando comem frutas, verduras e grãos integrais", disse ele.

O relatório também descobriu que uma porcentagem maior de adultos negros não-hispânicos - 42,4% - disseram consumir fast food do que adultos brancos não-hispânicos em 37,6%, adultos asiáticos não hispânicos em 30,6% e adultos hispânicos em 35,5%.

Entre os que comeram fast food, 43,7% o fizeram durante o almoço, 42% durante o jantar, 22,7% no café da manhã e 22,6% como lanches, de acordo com o relatório.

Mais homens (48,3%) que mulheres (39,1%) disseram que comiam fast food durante o almoço. 

No entanto, mais mulheres (25,7%) do que homens (19,5%) disseram que tinham como um lanche. 

Entre todos os adultos, uma porcentagem maior de homens (37,9%) que as mulheres (35,4%) disseram que comiam fast food em um determinado dia.

O relatório tem algumas limitações, incluindo que a informação alimentar dos indivíduos foi obtida através de entrevistas pessoais durante as quais os adultos recordaram o que tinham comido nas últimas 24 horas. 

Essas entrevistas de recall podem levar a subnotificação e outras questões.

'O que devemos ter medo é de cheeseburgers duplos'

Ao todo, as descobertas do relatório são o que a maioria dos especialistas esperaria e refletem os padrões de consumo de fast food encontrados entre crianças, disse Jennifer Harris, professora associada de ciências da saúde na Universidade de Connecticut e diretora de iniciativas de marketing do Rudd Center for Food. Política e Obesidade, que não esteve envolvido no novo relatório do CDC.

Outros estudos que analisaram a recordação alimentar de 24 horas como essa encontraram uma coisa semelhante: que cerca de um terço das crianças em qualquer dia come fast food ", disse Harris.

No mês passado, um relatório do Rudd Center disse que 91% dos 871 pais que fizeram uma pesquisa on-line disseram que haviam comprado almoço ou jantar para a criança na semana anterior em uma das quatro maiores cadeias de fast-food: McDonald's, Burger King, Wendy's ou Subway. 

A pesquisa foi realizada em 2016.
"Em média, eles foram 2½ - na verdade 2,4 - vezes por semana. 

Então esses números são bem comparáveis ​​a cerca de um terço em um determinado dia", disse Harris.

Que 91% foi um aumento de 79% de 771 pais em uma pesquisa de 2010 e 83% de 835 pais em uma pesquisa de 2013, de acordo com o relatório Rudd Center.

"Nós sabemos que a publicidade de fast food subiu durante esse tempo por quantias bastante grandes. Sabemos que os pais levam seus filhos, dizem eles, porque é conveniente, é um bom valor, e seus filhos gostam da comida. Então, todos esses estão impulsionando as compras de fast food ", disse Harris.

"A outra coisa que suspeitamos é que os restaurantes têm introduzido itens mais saudáveis ​​com as refeições de seus filhos", disse ela, acrescentando que, embora haja opções mais saudáveis ​​nos cardápios, vários itens ainda são ricos em calorias, gordura e sal. 

"Nós sabemos que para as crianças, nos dias em que consomem fast food, elas comem cerca de 120 calorias a mais naquele dia. 

Elas também consomem mais açúcar e sódio e gordura nos dias em que comem fast food", disse ela.

Embora a comida rápida seja tipicamente mais alta em gorduras saturadas, sódio e calorias doentias, ela tende a ser baixa em vários nutrientes essenciais que corpos adultos precisam para florescer e que os corpos das crianças precisam crescer, disse Liz Weinandy, dietista registrada da Ohio State University. Wexner Medical Center, que não estava envolvido no novo relatório do CDC.

"É engraçado, quando vemos clipes de notícias de um tubarão nadando perto de uma praia, nos assusta em não ir perto dessa praia. 

No entanto, o que devemos ter medo é de cheeseburgers duplos, batatas fritas e grandes quantidades de bebidas açucaradas". Weinandy disse.

"Os adultos podem ir mais à mercearia e preparar a comida para levar em movimento, para que não tenhamos que entrar em uma situação em que precisamos depender tanto do fast food", disse ela. "Leva tempo e alguma organização. 

Eu vejo muitas pessoas que são bem sucedidas nisso, porém, quando levam algumas horas no fim de semana, e novamente no meio da semana, para preparar comida e depois planejar um pouco para levar algumas coisas com eles."


Fonte: https://edition.cnn.com/2018/10/03/health/fast-food-consumption-cdc-study/index.html

Tradução: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista e idealizador do EndoNews
“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho

Fomos desenhados para ficar sentados?

Mesmo quando as pessoas sabem que o exercício é desejável e planejam funcionar, sinais elétricos dentro de seus cérebros podem estar estimulando-os a serem sedentários.

Nós nascemos para sermos fisicamente preguiçosos?

Um novo estudo neurológico sofisticado, embora desconcertante, sugere que provavelmente somos.
O estudo descobriu que, mesmo quando as pessoas sabem que o exercício é desejável e planejam funcionar, certos sinais elétricos dentro de seus cérebros podem estar estimulando-os a serem sedentários.

Os autores do estudo esperam, no entanto, que aprender como nossas mentes podem minar nossas intenções de exercício possa nos dar uma motivação renovada para nos movimentarmos.
Fisiologistas do exercício, psicólogos e praticantes têm sido desconcertados pela diferença entre os planos e os desejos das pessoas de serem fisicamente ativos e seu comportamento real, o que geralmente envolve fazer o oposto.

Poucos de nós exercitam-se regularmente, embora saibamos que isso é importante para a saúde e o bem-estar.

Normalmente, culpamos a falta de tempo, instalações ou habilidade.

Mas, recentemente, um grupo internacional de pesquisadores começou a se perguntar se parte da causa poderia estar mais profunda, na forma como pensamos.
Para uma revisão anterior, esses cientistas haviam examinado pesquisas anteriores sobre atitudes e comportamentos de exercício e descobriram que grande parte deles mostrava que as pessoas sinceramente desejavam ser ativas.

Em estudos baseados em computador, por exemplo, eles direcionam sua atenção para imagens de atividade física e afastam-se de imagens relacionadas a sentar e a uma languidez semelhante.
Mas, como os cientistas sabiam, poucas pessoas seguiam seus objetivos de serem ativos.
Então, talvez, os cientistas pensassem, algo estava acontecendo dentro de seus crânios que amortecia seu entusiasmo pelo exercício.

Para descobrir, eles recrutaram 29 homens e mulheres jovens saudáveis.

Todos os voluntários disseram aos cientistas que eles queriam ser fisicamente ativos, embora apenas alguns deles fossem regularmente.

Os pesquisadores adaptaram cada um de seus voluntários com uma tampa contendo vários eletrodos que leram e registraram a atividade elétrica do cérebro.

Então eles fizeram os homens e mulheres completarem um elaborado teste de computador projetado para sondar como eles se sentiam sobre o exercício.

No teste, os voluntários receberam um avatar com a forma de um boneco.

Seu avatar, que eles podiam controlar pressionando teclas, podia interagir na tela com outras imagens individuais relacionadas a ser ativo ou fisicamente inerte.

Por exemplo, uma imagem de uma figura caminhando ou pedalando pode aparecer, representando a atividade, seguida quase instantaneamente por uma representação de uma figura diferente reclinada em um sofá ou em uma rede.

Em partes alternadas do teste, os voluntários foram instruídos a mover seus avatares o mais rápido possível em direção às imagens ativas e longe dos sedentários, e vice-versa.

Esse teste é conhecido como uma “tarefa de evitar abordagem” e é considerado um indicador confiável de como as pessoas se sentem conscientemente sobre o que é mostrado na tela.

Se as pessoas respondem com mais avidez a um tipo de imagem, movendo seus avatares para ela mais rapidamente do que as afastam de outros tipos de imagens, presumivelmente elas são atraídas para esse assunto.

E os voluntários neste estudo foram quase uniformemente mais rápidos em se mover em direção às imagens ativas do que os sedentários e mais devagar para evitar essas mesmas figuras ativas.
Todos eles conscientemente preferiram as figuras que estavam em movimento.
Mas em um nível inconsciente, seus cérebros não pareciam concordar.

De acordo com as leituras da atividade cerebral elétrica, os voluntários tiveram que empregar muito mais recursos cerebrais para se moverem em direção a imagens fisicamente ativas do que as sedentárias, especialmente em partes do cérebro relacionadas a ações inibitórias.

A atividade cerebral era muito mais leve quando as pessoas se moviam em direção a sofás e redes, sugerindo que, no que dizia respeito ao cérebro, aquelas imagens o chamavam mais fortemente do que as imagens de ciclismo e escalada de montanhas, o que quer que as pessoas se dissessem conscientemente.

"Para mim, essas descobertas parecem indicar que nossos cérebros são naturalmente atraídos por sedentarismo", diz Matthieu Boisgontier, pesquisador de pós-doutorado da Universidade de British Columbia, em Vancouver, Canadá, que liderou o estudo em conjunto com Boris Cheval no Universidade de Genebra, na Suíça.

Os resultados fazem sentido do ponto de vista evolutivo, diz o Dr. Boisgontier.

"Conservar energia era necessária" para nós como uma espécie em nossos primeiros dias, diz ele.
Quanto menos calorias os humanos atávicos queimaram, menos eles tiveram que substituir no momento em que os alimentos não estavam prontamente disponíveis.

Então, sentar-se tranquilamente foi uma estratégia de sobrevivência útil e pode ter construído uma predileção por ser sedentário na arquitetura de nossos cérebros, diz ele.

As pessoas que relutam em se exercitar "talvez devessem saber que não são apenas elas", diz ele. Os seres humanos podem ter um viés natural em relação à inatividade.

Mas também podemos conscientemente escolher nos mover, ele diz, apesar do que nossos cérebros possam pensar.


“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho


Tradução de Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista

Como o seu cérebro reage quando você escolhe a gentileza e a gratidão

Sabe aquela sensação de gratidão genuína e orgulho que você sente depois de ajudar alguém? Pois é, ela é real graças aos centros de recompensa que funcionam em seu cérebro. Pesquisadores da Universidade de Sussex, na Inglaterra, descobriram que essa reação ocorre em nosso organismo mesmo quando não vamos ganhar nada em troca com o ato de bondade. É, literalmente, "fazer o bem sem olhar a quem".

O estudo intitulado "Uma meta-análise comparativa fMRI de decisões altruístas e estratégicas para doações" foi publicado na revista NeuroImage.

"A decisão de compartilhar recursos é fundamental para qualquer sociedade cooperativa", disse o principal autor do estudo, Dr. Daniel Campbell-Meiklejohn, diretor do Laboratório de Decisão Social em Sussex. "Sabemos que as pessoas podem escolher ser gentis porque gostam de se sentir como uma 'pessoa boa', mas também que as pessoas podem escolher ser gentis quando acham que pode haver algo para elas nesse ato, como se esperássemos por um retorno ou uma reputação. "

Quando se trata de atos de bondade, muitos tendem a se concentrar na ação e não na motivação por trás dela. Mas Campbell-Meiklejohn diz que o "porquê" é algo que deve ser entendido porque pode ter implicações úteis para a nossa espécie.

Ele cita um exemplo de como os governos poderiam usar melhor o conhecimento de por que as pessoas compartilham mesmo quando não recebem nada em troca. Segundo o pesquisador, isso poderia ajudar a criar políticas públicas melhores que encorajem o voluntariado e a doação às comunidades mais vulneráveis, por exemplo.

Para o estudo, a equipe de pesquisa realizou uma análise de outros estudos que envolveram mais de 1000 participantes. Todos tiveram os seus cérebros escaneados enquanto tomavam decisões.
O objetivo era comparar as pessoas que agiam por altruísmo - bondade genuína, sem nada a ganhar e sem segundas intenções - com as pessoas que exibem generosidade estratégica - um ato de bondade que lhes daria algo em troca.

De acordo com o resultado foi possível verificar que o centro de recompensa do cérebro foi acionado em ambos os casos. Mas eles também encontraram mudanças paralelas no cérebro durante as decisões altruístas.

"Descobrimos que algumas regiões cerebrais estavam mais ativas durante as decisões para a generosidade sem esperar nada em troca, comparadas à estratégica, então parece que há algo realmente de especial em situações em que nossa única motivação para compartilhar com o outros é se sentir bem em fazer aquilo", disse Jo Cutler, co-autora do estudo.
Cutler também chama atenção para uma observação interessante sobre o papel das recompensas. Ela explica que, em alguns casos, recompensar atos altruístas pode, na verdade, ser uma coisa ruim, pois altera a forma como a pessoa vê o seu próprio ato de gentileza.

Treino e dieta são eficientes para emagrecer? Qual é a fórmula do sucesso?

A fórmula "dieta + atividade física" provavelmente é a mais usada por quem quer perder peso. Mas volta e meia vemos pessoas discutindo se a combinação realmente é eficaz. A dúvida faz sentido, afinal, muita gente que tenta emagrecer desse jeito --mesmo que poucos quilos -- não obtêm sucesso. 

De acordo com Durval Ribas Filho, médico e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), a respostas é sim. "Pela Curva de Gauss (ou distribuição normal), que expressa os fenômenos biológicos inseridos dentro de um contexto estatístico, 16% das pessoas respondem maravilhosamente bem a exercício e dieta, 16% respondem muito mal e 68%, razoavelmente bem. Então, se considerarmos que 84% têm ótimo ou bom resultado, podemos dizer que essa combinação é mesmo eficiente", afirma.

E essa eficiência toda tem explicação: é que para emagrecer, grosso modo, seu corpo precisa gastar mais calorias do que você consome, o que é possível conseguir ao praticar exercícios e manter a alimentação controlada. Ribas Filho acrescenta que esse balanço energético negativo ainda se destaca por promover uma melhora geral na saúde. "Ele é a condição básica para aumentar a longevidade e evitar, controlar ou adiar o aparecimento de doenças crônico-degenerativas, como diabetes, hipertensão e Alzheimer", relata.

O sobrepeso é um problema multifatorial e o sucesso na perda de peso não vem de uma hora para outra. Ele só é atingido com paciência, persistência e foco. Buscar ajuda médica, em especial de um endocrinologista --para checar se está tudo em ordem com a parte hormonal --, e de profissionais das áreas de educação física, nutrição e psicologia é um ponto essencial. 

"Nem todos que iniciam esse processo por conta própria o fazem da maneira certa, e aí acabam inseguros, angustiados e sem resultados. O ideal é ser bem supervisionado nos diversos aspectos", indica Luna Azevedo, nutricionista da Clínica Nutrindo Ideais.

Mais: para que o ponteiro da balança desça, é fundamental que sua vida esteja equilibrada e o estresse, controlado. Claro que conseguir tudo isso não é tarefa fácil, porém, como o auxílio de um psicólogo ou psiquiatra, é possível. "As pessoas tendem a focar só no corpo e se esquecem do emocional. O problema é que quando não há uma estabilidade, a perda de peso se torna mais complicada", analisa Azevedo. 

Maria Edna de Melo, presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem), concorda: "É realmente importante ter todas essas orientações. E, junto com elas, deve-se fugir das propostas mirabolantes --sabemos que existem muitas por aí -- e ter metas realistas. Para emagrecer com saúde é necessária uma mudança comportamental para a vida toda, e não apenas momentânea."

Poucas calorias e atividade física intensa

A quantidade de calorias que devemos ingerir por dia para alcançar o chamado balanço calórico negativo é algo muito individual. No entanto, os especialistas dizem que esse número geralmente fica entre 1.200 e 1.500 --obviamente, proveniente de alimentos saudáveis e naturais: verduras, legumes, frutas, grãos integrais e carnes magras. Como falamos, um nutricionista é a melhor pessoa para definir os ingredientes e quantidades do seu cardápio, além do número de refeições por dia.

No quesito treino, estudos mostram que é importante mesclar exercícios aeróbicos intensos e musculação. Isso porque atividades como corrida e bike proporcionam grande gasto calórico, já o treino de força favorece a manutenção e o aumento da massa muscular --e quanto mais músculos você tem no corpo, maior é seu gasto calórico em repouso, o que vai contribuir para alcançar o gasto energético negativo.

O tempo de atividade varia de pessoa para pessoa, mas geralmente o recomendado é de pelo menos 30 minutos por dia, inclusive aos finais de semana, ou entre 45 e 60 minutos cinco vezes por semana. O tipo de exercício é uma escolha individual. O importante é optar por algo que você goste de fazer, não o que está na moda. Assim, você consegue tornar o treinamento um hábito prazeroso.


Apneia Obstrutiva do Sono e Deficiência de Testosterona

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é um distúrbio comum, caracterizado por hipóxia intermitente e fragmentação do sono. 

AOSA em homens de meia-idade é frequentemente associada à diminuição da secreção de testosterona, juntamente com a obesidade e o envelhecimento. 

Embora o tratamento com AOS não aumente de forma confiável os níveis de testosterona na maioria dos estudos, o tratamento da AOS com terapia de reposição de testosterona (TRT) pode não apenas melhorar o hipogonadismo, mas também aliviar a disfunção erétil / sexual. 

No entanto, como o TRT pode exacerbar a AOS em alguns pacientes, os pacientes devem ser questionados sobre os sintomas da AOS antes e depois de iniciar o TRT. 

Além disso, o TRT provavelmente deve ser evitado em pacientes com AOS grave não tratada.

INTRODUÇÃO

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é um distúrbio do sono crônico relativamente comum, caracterizado por episódios repetidos de obstrução completa ou parcial das vias aéreas superiores durante o sono, resultando em dessaturação de oxigênio, fragmentação do sono e sonolência diurna [1]. 

Estudos baseados na população sugerem que 2% das mulheres e 4% dos homens com mais de 50 anos têm AOS sintomática [2]. 

Vários efeitos negativos sobre a saúde foram atribuídos à AOS não tratada, incluindo o aumento das taxas de mortalidade, doenças cardiovasculares e dificuldades neurocognitivas. 

Demonstrou-se que a AOS não tratada é um fator de risco independente para a morbidade cardiovascular, incluindo hipertensão, doença cardíaca coronariana, insuficiência cardíaca congestiva, arritmias, hipertensão pulmonar, acidente vascular cerebral, morte súbita, resistência à insulina e doença do refluxo gastroesofágico [2-4].

A AOS também tem sido associada à função pituitária-gonadal alterada e à disfunção sexual, manifestada principalmente como disfunção erétil (DE) e diminuição da líbido [5]. 

A testosterona, o hormônio androgênico primário no sexo masculino, é estimulada pela secreção pulsátil de hormônio luteinizante (LH) e hormônio folículo-estimulante (FSH) [6]. 

A quantidade de testosterona sintetizada é regulada pelo eixo hipotálamo-hipófise-testicular [6,7]. 

A testosterona sérica demonstrou ser menor em homens com AOS e o tratamento da AOS pode ajudar a melhorar o hipogonadismo e a função sexual [7-9]. 

Este artigo analisa investigações recentes sobre a relação entre OSA e deficiência de testosterona.

SONO NORMAL E TESTOSTERONA

O sono normal é basicamente dividido em movimentos oculares não rápidos (NREM) e movimentos rápidos dos olhos (REM) [10]. 

O sono NREM é responsável por 75% a 80% do tempo total de sono, e o sono REM é responsável pelos 20% a 25% restantes [11]. 

Essas duas categorias de sono têm um ciclo de 90 minutos e adultos normais repetem esse ciclo de quatro a seis vezes durante a noite. 

O ciclo torna-se mais longo e mais frequente durante o curso do sono. 

O sono NREM pode ser dividido em três etapas, dependendo da profundidade do sono; os dois primeiros estágios (estágio 1 e 2) são caracterizados por breves episódios de vigília e são shalble. 

O último e mais profundo estágio do sono NREM (estágio 3) ocorre predominantemente durante o estágio inicial do ciclo do sono e se torna mais curto a partir de então.

O sono REM aparece atrás do sono NREM e é predominante no estágio final do ciclo do sono. 

O primeiro sono REM aparece 80 a 100 minutos após o início do sono, e o tempo entre o primeiro sono REM e o início do sono é denominado latência REM [10,11]. 

A arquitetura do sono muda naturalmente com o envelhecimento, de modo que a quantidade relativa de estágio 1 e 2 de sono NREM aumenta e a de estágio 3 diminui, especialmente em homens [12]. 

Além disso, a freqüência de despertar e a frequência REM também aumentam durante o sono com o envelhecimento [12,13].

O ritmo endógeno da produção de testosterona é semelhante ao do cortisol [14]. 

Os níveis séricos de testosterona variam de maneira circadiana, sendo maiores durante as horas de acordar e diminuindo para um nível baixo no final do dia [15]. 

Os níveis de testosterona começam a subir ao adormecer, atingem o pico na época do primeiro episódio do sono REM e permanecem no mesmo nível até o despertar [16]. 

Um estudo anterior demonstrou que o aumento dos níveis séricos de testosterona relacionado ao sono está relacionado com o aparecimento do primeiro episódio do sono REM após cerca de 90 minutos, e com a latência REM [17]. 

O aumento no nível de testosterona é mais lento quando a latência REM é maior [17]. 

Embora os níveis médios de testosterona noturna não estejam correlacionados com o número de episódios REM [16], a fragmentação do sono interrompe o ritmo da testosterona, com considerável atenuação do aumento noturno da testosterona [17]. 

O aumento da testosterona no momento do sono, a diminuição durante o despertar, é estável dentro de um indivíduo, embora haja grande variabilidade entre os indivíduos.

O envelhecimento é um fator importante associado ao nível matinal de testosterona. 

Geralmente, os homens de meia-idade têm mais baixos níveis de testosterona e a quantidade de sono noturno é menor em homens mais velhos [19,20].

APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO E TESTOSTERONA BAIXA

Vários estudos confirmam uma grande relação entre a AOS e a baixa testosterona. 

Uma testosterona está associada à função hipófise-gonadal e a AOS é uma causa direta da diminuição da função gonadal hipofisária [21]. 

Tanto a quantidade quanto a qualidade do sono afeta os níveis de testosterona. 

Pacientes com AOS têm menos sono REM, menos ritmo de sono profundo, aumento do desespertar noturno, fragmentação do sono e redução da eficiência do sono, o que leva a um baixo nível de testosterona [6]. 

Além disso, o fator, incluindo o índice de apneia e hipopnéia (IAH), o índice de dessaturação de oxigênio (ODI), a saturação de oxigênio, a obesidade e a idade estão mais associadas aos menores secreções de testosterona em homens de meia idade com AOS [22]

A gravidade da OSA é classificada de acordo com o valor da IAH e o menor valor de saturação de oxigênio. 

Um IAH normal é definido como ≤5 e um AOS pode ser classificado como leve (IAH, 5-15), moderada (IAH, 15-30) ou grave (IAH> 30) [23]. 

Uma correlação negativa foi encontrada entre a gravidade da OSA e o nível de testosterona; o escore mais alto de IAH está correlacionado com um nível mais baixo de testosterona, sugerindo que a gravidade da apnéia está relacionada com a diminuição das secreções de testosterona em pacientes com AOS [24,25]. 

Além disso, a gravidade da hipóxia durante o sono, indexada ao ODI e O2, está fortemente correlacionada com a redução da testosterona [8]. 

No entanto, esse conceito permanece controverso; níveis mais baixos de testosterona foram encontrados não apenas em pacientes com AOS leve como também em obesos idosos com IAH grave.

A obesidade é comum entre os pacientes com AOS e está associada ao aumento da gravidade do distúrbio. 

Portanto, o índice de massa corporal (IMC) pode ser o principal determinante dos níveis de testosterona em homens com AOS [27]. 

A obesidade está fortemente ligada aos níveis de testosterona nos homens, assim como o aumento da massa gorda, especialmente a abdominal. 

Isto pode ser porque o tecido adiposo, especialmente quando inflamado e em um estado resistente à insulina, expressa aromatase, que converte a testosterona em 17β-estradiol [28]. 

Além disso, a obesidade reduz os níveis de globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG), que carrega a testosterona na corrente sanguínea, devido à hiperinsulinemia associada à obesidade [29,30]. 

Embora a obesidade leve a um nível mais baixo de testosterona, a baixa testosterona também pode promover a obesidade [31]. 

Uma relação bidirecional entre obesidade e baixa testosterona sustenta essa associação, como indicado pelo ciclo de obesidade hipogonadal e perda de peso levando ao aumento dos níveis de testosterona (Fig. 1).

EFEITO DA BAIXA TESTOSTERONA NA QUALIDADE DO SONO E NA FADIGA

Embora a quantidade e a qualidade do sono levem a níveis reduzidos de testosterona, também há evidências para sugerir o inverso. 

Em um estudo de coorte de homens com idade ≥65 anos, aqueles com níveis baixos de testosterona apresentaram diminuição da eficiência do sono, aumento da frequência de despertares noturnos e redução do tempo de sono profundo [32]. 

Um estudo em camundongos mostrou que a perda de testosterona após a gonadectomia resulta em uma diminuição significativa na quantidade de sono profundo, que pode ser tratada com terapia de reposição de testosterona (TRT) [33].

Além da testosterona sérica mais baixa, os pacientes com AOS grave também apresentam níveis mais altos de fadiga geral, fadiga física e fadiga mental e redução da atividade física. 

O nadir da saturação de oxigênio não é um preditor significativo de fadiga, mas uma análise multivariada revelou que o nível de testosterona foi o único preditor independente de fadiga física e atividade reduzida em pacientes com AOS [7].

EFEITO DO TRATAMENTO DA APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO NA TESTOSTERONA

Os efeitos do tratamento com AOS nos níveis de testosterona são controversos. 

Um estudo prospectivo controlado da terapia com uvulopalatofaringoplastia para AOS mostrou níveis aumentados de testosterona e melhora da libido e da função sexual, aos 3 meses pós-cirurgia, sem alterações significativas no IMC, prolactina sérica, LH ou FSH [34]. 

Outro estudo longitudinal, de 43 homens com AOS grave tratados com terapia de pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP), mostrou um aumento significativo na testosterona total e SHBG em 3 meses após o tratamento [35]. 

Embora esses estudos sugiram que o tratamento da AOS por CPAP ou cirurgia aumente os níveis de testosterona plasmática matinal dentro de 3 meses, a maioria dos outros estudos mostra que a terapia com CPAP por 1 a 39 meses não afeta LH, FSH ou testosterona [36-39] . 

Ao contrário dos efeitos do CPAP, há uma relação linear entre a perda de peso e o aumento da testosterona plasmática em homens obesos [40].

EFEITO DA TESTOSTERONA EXÓGENA NA APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO

Embora seu efeito sobre a AOS permaneça incerto, a testosterona exógena tem sido considerada um efeito nocivo sobre a AOS. 

Apesar da falta de evidências convincentes de que o TRT agrava a AOS, nas diretrizes atuais, o TRT é contraindicado na presença de AOS não tratada [41]. 

Embora a baixa testosterona possa afetar a qualidade geral do sono, que é melhorada com doses de reposição, grandes doses de testosterona exógena estão associadas a anormalidades na duração do sono e na arquitetura. 

Vários estudos mostraram que o TRT exacerba os sintomas da AOS, o aumento do IAH e a diminuição da saturação de oxigênio [42-47]. 

O efeito da testosterona na AOS não é exercido pela alteração das dimensões da via aérea superior; em vez disso, a testosterona provavelmente contribui para a AOS por meio de mecanismos centrais.

Há uma variedade de possíveis mecanismos fisiológicos pelos quais a TRT exacerba a AOS, incluindo alterações morfológicas e neuromusculares nas vias aéreas, mudanças nas exigências metabólicas e mudanças nas respostas fisiológicas à hipoxemia e hipercapnia. 

A dilatação das vias aéreas superiores depende da contração dos músculos dilatadores das vias aéreas (por exemplo, o genioglosso), um efeito mediado por neurônios serotoninérgicos e noradrenérgicos paralelos; ambos os tipos de neurônios podem ser afetados pela idade e nível de testosterona [22,48]. 

Explicações alternativas incluem a possibilidade de maiores requerimentos metabólicos com níveis elevados de testosterona, o que pode resultar em um maior consumo de oxigênio que, por sua vez, poderia levar à hipóxia [41]. 

Outras explicações plausíveis incluem um papel para a testosterona na resposta neural vias de hipóxia e hipercapnia [49]. 

Níveis flutuantes de testosterona também podem impactar na resposta ventilatória à hipóxia e hipercapnia, o que poderia explicar as taxas mais altas de AOS observadas em homens em TRT [47,50] (Fig. 2).

O desenvolvimento dos sinais e sintomas da OSA durante o TRT requer avaliação por polissonografia e, potencialmente, tratamento com CPAP. 

Se o paciente não responder ou não puder tolerar o CPAP, a dose de testosterona deve ser reduzida ou descontinuada. 

Além disso, a AOS tem sido proposta como um fator de risco para a policitemia secundária [51] e a TRT exacerba a policitemia em alguns pacientes [52]. 

Isso deve ser lembrado em pacientes com AOS e hipogonadismo que estão considerando a TRT.

APNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO E DISFUNÇÃO SEXUAL

Os homens com AOS também são mais propensos a sofrer complicações associadas, como baixa libido, impotência e disfunção erétil. 

A AOS grave estava claramente associada à DE, embora essa relação fosse muito fraca em pacientes com AOS leve ou moderada [53]. 

Uma metanálise recente relatou que o risco relativo de disfunção erétil em pacientes com AOS era de 1,82 [54]. 

Embora os efeitos do tratamento com AOS nos níveis de testosterona permaneçam incertos, existem dados mais positivos para a melhora da disfunção sexual com o tratamento da AOS, independentemente do nível de testosterona. 

O CPAP resolveu a DE em 75% dos pacientes com AOS, resultando em melhora significativa na qualidade de vida [55]. 

Um estudo piloto mostrou que os efeitos aditivos positivos de TRT para inibidores da fosfodiesterase tipo 5 em homens com hipogonadismo com OSA recebendo terapia com CPAP.

No entanto, ainda não está claro se benefícios semelhantes podem ser alcançados apenas com CPAP sem TRT, o que deve ser confirmado em estudos controlados maiores.

CONCLUSÕES

A testosterona mostra variação circadiana, mas seu padrão não é o mesmo que o cortisol. 

O aumento relacionado ao sono da testosterona sérica está relacionado com o aparecimento do primeiro sono REM e requer 3 horas de sono profundo. 

Embora a relação entre testosterona e AOS seja complexa e ainda não seja completamente compreendida, a AOS pode contribuir para a baixa testosterona, devido à hipóxia e à fragmentação do sono. 

Além disso, a obesidade e a idade avançada podem ser responsáveis ​​por níveis mais baixos de secreção de testosterona em homens de meia-idade com AOS. 

Embora os efeitos do tratamento com OSA nos níveis de testosterona permaneçam pouco claros, o tratamento com AOS pode ajudar a melhorar a função sexual, especialmente em homens com AOS grave. 

No entanto, a TRT deve ser provavelmente evitada em pacientes com AOS grave não tratada, porque a TRT pode piorar a AOS em alguns pacientes.


“Compartilhar é se importar”
Instagram: @dr.albertodiasfilho
Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista.