segunda-feira, 31 de agosto de 2020

31 de Agosto - Dia do Nutricionista

Parabéns a todos os Nutricionistas pelo seu dia.

Especialmente para aqueles que exercem uma Nutrição com amor, acolhimento e conseguem trabalhar de forma harmônica com Nutrólogos. Minha gratidão a todos os nutricionistas que trabalharam e trabalham comigo.
@carolmoraisnut minha eterna ex-sócia e que me ensinou muito do que sei.
@moreira.isis minha afilhada que virou uma águia gigante ao seguir as batidas do próprio coração.
@rodrigolamoniernutri meu afilhado que virou meu braço direito e não me vejo mais exercendo a Nutrologia sem ele, lado a lado na consulta. 
@franciele.martins17 minha nutri no ambulatório de Nutrologia no SUS, que divide comigo as dificuldades de se praticar nutrição e nutrologia na saúde pública. 

E a todos aqueles que passaram e ainda passam pela minha vida. 

Atenção: o Parabéns não se estende aos Nutricionistas que desencadeiam transtornos alimentares/psiquiátricos em seus pacientes.Nem a aqueles que ficam ferindo o código de ética. Que exibem paciente como troféu, que prescrevem medicamentos e postam foto de antes e depois.

Nutricionista tem que trabalhar em prol da vida, da saúde, da cura.

sábado, 29 de agosto de 2020

O Ministério da saúde adverte, seu Junk food é prejudicial à saúde

Extraí o texto abaixo do Site: Corpo em foco. Vale a pena ler. Bem interessante.

Hoje vou abordar um dos temas mais discutidos na mídia, nas academias, na roda de amigos que é sobre alimentação, parece que sempre vai existir dúvidas sobre isso, porém algo mudou, estão comentado e muito sobre um projeto de lei para que as embalagens de alimentos industrializados tragam estampados os perigos de seu consumo, bem como as possíveis restrições para algumas pessoas.

Basta mencionar a palavra “obesidade” diante de pesquisadores de saúde para perceber que o único ponto em que há consenso a esse respeito é o fato de que a questão atingiu proporções críticas. A obesidade, é considerada uma epidemia generalizada que afeta crianças e adultos, e não apenas nos EUA e na Europa Ocidental, mas também em países como a África do Sul, China e Brasil. Os órgãos responsáveis pela saúde pública advertem sobre a iminência de uma crise nos sistemas de saúde, que deverão receber em breve uma quantidade imensa de pacientes com diabetes, pressão alta, problemas cardíacos e outras enfermidades associadas ao excesso de peso. Mas de onde vem toda essa problemática, o que está acontecendo com nosso hábito alimentar? Se tudo que precisamos para ter uma vida saudável, duradoura, cheia de energia vem dos alimentos.

Devo ressaltar que esse tipo de problema que estamos enfrentando principalmente pelo estilo de vida corrida, vem atingindo as crianças que crescem recebendo de seus pais o mau hábito alimentar, e estão herdando doenças que não são típicas dessa faixa etária. É só andar pela rua com um olhar um pouco mais crítico para perceber a enorme quantidade de crianças obesas, e isso acarretará a um adulto obeso e cheio de doenças.

Como diz o Personal Trainer Flávio Settanni, famoso pelas celebridades, “devemos encarar alguns produtos como verdadeiras drogas, na mesma linha adotada com cigarro e álcool”, porém a informação que nos é apresentada não é a verdadeira que devemos obter, e não basta ter informação, mas principalmente a consciência do que aquele tipo de produto nos causa. Creio que a culpa não seja somente dos pais que assim como as crianças são vítimas da falta de informação, mas também, da mídia, do governo, das escolas enfim, para o consumidor, o que é apresentado nas embalagens é uma verdadeira “sopa” de letras e números (P.I, EPX, A-I, CT II, etc.) de difícil compreensão para o público leigo que compõem a quase totalidade dos consumidores. Considerando que o Código do Consumidor garante a este o direito a uma informação clara e precisa no rótulo a respeito do que contém no produto. Esses alimentos, se consumidos em excesso, principalmente por pessoas predispostas a sofrer danos com seu consumo, têm o potencial de uma droga sim. Uma droga que engorda, entope artérias e provoca envelhecimento precoce, além de outros prejuízos. Veja aqui alguns aditivos que são acrescentados nos alimentos industrializados para que eles possam durar mais, ter uma aparência mais sedutora para o consumo e que devem ser consumidos com restrição ou até evitados:

1.Gorduras Hidrogenadas: riscos de doenças cardiovasculares e obesidade.
2.Corantes Artificiais para alimentos: alergias, asma, hiperarividade, possibilidade de serem substâncias carcinogênicos (que induzem o aparecimento de cânceres) (Quem quiser ler mais, postei no começo do ano sobre o tema)
3.Nitritos e Nitratos: essas substâncias podem gerar nitrosaminas no organismo, que podem ser cancerígenas.
4.Sulfitos (dióxido de enxofre, metabisulfito, e outros): reações alérgicas e asmáticas.
5.Açúcares e Adoçantes: obesidade, cáries, diabetes, hipoglicemia, incremento de triglicerídeos (gordura na corrente sanguínea) ou candidíase.
6.Adoçantes artificiais (Aspartame, Acesulfame K e Sacarina): problemas de comportamento, hiperativiade, alergias e possivelmente carcinogênicos. O governo desaconselha o uso de adoçantes artificiais para crianças e mulheres grávidas. Qualquer pessoa com fenilcetonúria (com incapacidade para metabolizar o aminoácido “fenilalanina” presente nas proteínas) não deve usar o aspartame.
7.Glutamato monosódico: alergias e reações como dores de cabeça e depressão, também pode agir como uma neurotoxina por ter ação neuroestimulante.
8.Conservantes (Butil Hidroxitolueno – BHT; Butil Hidroxianisol – BHA; Cálcio Dissódico – EDTA, entre outros): reações alérgicas, hiperatividade, possibilidade de causar câncer. O BHT pode ser tóxico para o sistema nervoso.
9.Flavorizantes Artificiais: alergias e alterações no comportamento.
10.Farinhas refinadas: baixo teor de calorias, desbalanceamento de carbohidratos, alterações na produção de insulina, perda de vitaminas do complexo B devido o refino.
11.Sal (excesso): retenção de líquidos no corpo e aumento da pressão arterial. Não ultrapassar o permitido: 1,5g de Sódio por dia.
12.Olestra (um tipo de gordura artificial): diarréia e distúrbios digestivos.

Conheço pessoas que levam a obesidade somente pelo aspecto estético que já é muita coisa e não levam em consideração o que acontece com nosso corpo, lá dentro com o consumo de alimentos industrializados. A importância deve ser dada principalmente por nós, porém cada vez mais posso perceber que as empresas já estão mudando de estratégia ou mascarando ainda mais a problemática, como por exemplo a empresa General Mills que em janeiro, anunciou que substituiria os grãos refinados de vários cereais por grãos integrais. No mesmo mês, a empresa lançou uma nova versão do chocolate da marca Chocolate Lucky Charms (com alto teor de açúcar e grande quantidade de marshmallow).

“As pessoas gostam de ter opção.” E havendo opções, as empresas não precisam se impor aos clientes. Não é interessante que o marketing diga aos consumidores o que devem comer ou fazer. Não há lugar para paternalismos. Médicos e nutricionistas, ou talvez o governo, podem desempenhar esse papel, mas não o profissional de marketing.” Diz Barbara Kahn, professora de Marketing da Wharton.

Algo que devemos levar muito em consideração é que “as pessoas não sabem quanto comer. Elas não comem mais apenas para satisfazer seu apetite. Os adultos não conhecem limites. Não é o que acontece com as crianças. Quando não sentem fome, elas não comem. Param no meio de uma mordida, uma atitude que os adultos desaprenderam”.

E nesta situação o que nós adultos costumamos fazer é forçar a criança a comer mais. A decisão de cortar o excesso, ou de mudar o hábito alimentar, de modo geral, supõe que o consumidor está disposto a assumir “pessoalmente a responsabilidade” por suas ações — conforme mais uma frase sempre citada no debate em torno da obesidade. Shelley Rosen, membro da Equipe Global de Estilos de Vida Equilibrados do McDonald’s, observa que as pessoas são responsáveis pelas “decisões que tomam na vida. Nós e outras marcas procuramos oferecer opções, de modo que as pessoas possam tomar as decisões corretas com base nas suas necessidades — levando em conta, entre outras coisas, preço, portabilidade e conveniência. Se as pessoas não se interessam pelas opções que oferecemos, nós as retiramos do cardápio. Todos dizem que deveríamos ter um hambúrguer vegetariano. Nós temos [em alguns de nossos mercados], porém a taxa de ‘consumo’ desse tipo de hambúrguer não é a mesma de outros produtos. Apesar disso, continuamos a testá-lo”.

Com isso podemos observar que não é somente a falta de informação, pois nós sabemos o quanto prejudicial é consumir este tipo de alimento, o que falta mesmo é mais amor pela vida, pela sua própria vida.

“Os gordinhos que não se controlam, os hipertensos que sofrem com o consumo excessivo de sal e as pessoas com altos índices de colesterol deveriam ser proibidas de comprar alguns produtos, ou, ao menos, deveriam ser aterrorizadas com imagens do mal que eles podem fazer, como nos maços de cigarros” diz Flávio. Talvez devessem ter até sua propaganda proibida, principalmente nos programas e materiais infantis. O problema, porém, é que muitos anúncios são dirigidos a uma parcela vulnerável da população — as crianças. No momento em que se recorre a personagens do desenho animado, associando-se produtos a filmes infantis, por exemplo, a pergunta passa a ser outra: será que o consumidor é capaz de escolher com base em informações detalhadas ou será que ele está sendo inundado com material de marketing capaz de modificar seu comportamento? As empresas podem retrucar com o argumento de que as crianças não são responsáveis pelas decisões de compra; cabe aos pais decidir comprar ou não, mas todos sabemos do enorme poder de persuasão das crianças.

Não sei exatamente quais produtos estarão sujeitos a essa legislação, mas posso dizer qual é minha lista de alimentos que deveriam ser banidos de qualquer alimentação, principalmente pelos candidatos a problemas sérios:

- Salgadinhos de pacote: quase todos! Farinha refinada frita, muitas vezes com gordura trans e lotado de sal. Consumir isso todos os dias provavelmente fará mais mal do que fumar alguns cigarros ou beber um pouco. Faço uma pequena exceção para alguns novos que são assados e feitos sem gordura trans, que, embora não sejam recomendados, provocam menos prejuízos.

- Bolachas e biscoitos: novamente a farinha refinada, preparada com gordura, açúcar e/ou sal em abundância. Esse é o lanchinho da tarde preferido nos escritórios, talvez por isso homens e mulheres engordem tanto quando começam a trabalhar e compartilhar essas tranqueiras.

- Refrigerantes com açúcar: é quase burrice tomar refrigerante com açúcar quando se pode tomar um diet.

Existem outros produtos perigosos, mas os que citei acima lideram o ranking dos alimentos que deveriam ter seu uso controlado ou conter drásticas advertências na embalagem.

Mais uma vez a escolha é só sua. Continue comendo e engordando, comendo e prejudicando sua saúde, comendo e envelhecendo mais depressa, se pelo menos não existisse outras opções eu até entenderia, mais existe e com certeza aquele tempinho que você gastou cozinhando algo ou refletindo melhor no que ingerir será recompensado com um corpo saudável e uma vida mais tranqüila. Nada vai adiantar se o governo ir lá nas embalagens colocar o quanto aquele alimento pode fazer mau e mesmo assim, irmos lá e comprá-lo, levar para casa, para mesa de nossa família uma refeição mascarada de bomba atômica. Fica para todos aquela frase mágica:

VOCÊ É O QUE VOCÊ COME.

Ah, quero agradecer a participação de todos! Aos poucos vamos atendendo aos pedidos de temas enviados e também estamos procurando responder rapidamente as dúvidas e esclarecer as verdades e mitos do universo fitness

29 de agosto - Dia Nacional do Combate ao Tabagismo



A OMS considera o tabagismo a principal causa de morte evitável em todo o mundo. 

Alguns trabalhos estimam que um terço da população mundial adulta seja tabagista (1 bilhão e 200 milhões de pessoas), sendo 47% de toda população masculina e 12% da feminina. Felizmente o tabagismo vem reduzindo nas últimas décadas.

O cigarro possui inúmeras substâncias tóxicas diferentes, sendo a nicotina a droga responsável pela dependência. A fumaça que penetra os alvéolos carrega diversas substâncias tóxicas.

O cigarro pode provocar doenças cardiorrespiratórias, infartos fulminantes e câncer de pulmão. As substâncias tóxicas presentes na fumaça aumentam a predisposição ao câncer de boca e pele.

Além disso, o hábito de fumar também pode trazer consequências em vários aspectos nutricionais, pois o cigarro promove diversas alterações no organismo:
  1. Por atuar diretamente no sistema nervoso central, o cigarro causa uma diminuição do apetite e afeta a atividade da serotonina e dopamina, neurotransmissores responsáveis pelo controle da fome. Por isso é tão comum pacientes relatando que ganharam de 5 a 8kg após cessar o tabagismo.
  2. Com a alteração do paladar, as percepções olfativas e o aroma dos alimentos diminuem;
  3. O cigarro aumenta a formação de radicais livres e consequentemente eleva a demanda de nutrientes antioxidantes, os quais estão presentes em diversos alimentos, principalmente os de origem vegetal; 
  4. O hábito de fumar leva à enfermidade coronariana por meio de vários mecanismos. A nicotina estimula a liberação de adrenalina, catecolaminas, vasopressina e outros hormônios, provocando aumento da freqüência cardíaca e da pressão arterial, bem como a vasoconstrição das artérias coronarianas. O monóxido de carbono inalado reduz a disponibilidade de oxigênio ao miocárdio com conseqüente aumento da freqüência cardíaca. Soma-se a isso o efeito adverso do tabaco sobre as lipoproteínas, diminuindo as partículas de lipoproteínas de alta densidade (HDL) e o efeito trombogênico, por aumentar a agregação plaquetária
  5. Além disso, o cigarro contém substâncias oxidantes e pró-oxidantes que atuam na indução das doenças cardiovasculares (DCV) por promoverem e propagarem o aumento do estresse oxidativo. A produção de espécies reativas de oxigênio com o consumo de cigarro excede a capacidade antioxidante do organismo, comprometendo o status antioxidante do indivíduo, podendo ocorrer dano oxidativo nos lipídios plasmáticos e de membranas, propiciando o surgimento da aterosclerose. 
  6. A fumaça do cigarro provoca a morte celular e ocasiona o aparecimento de rugas. Pela alta temperatura, contribui também para o envelhecimento dos cabelos, que ficam opacos e caem com mais frequência;
  7. Unhas, dentes e pele amarelada são consequência do alcatrão presente.
  8. Pacientes tabagistas tendem a ter níveis plasmáticos menores das vitaminas C e E, além de elevação de substâncias indicativas de um maior estresse oxidativo (malondialdeído).
  9. Dois grandes estudos realizados no final dos anos 2010 evidenciaram que a suplementação de Vitamina A, C e E foram deletérias para pacientes com história de tabagismo. Favorecendo câncer de pulmão, principalmente a Vitamina A (sintética). O mesmo não foi observado no grupo que ingeria de fontes naturais. 

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Deficiência de vitamina D é preditor de mau prognóstico em pacientes COVID-19

Baixos níveis de vitamina D é uma condição frequente nos dias atuais e está correlacionada ao aumento do risco de infecções do trato respiratório. 

Em pacientes afetados por doença respiratória aguda devido infecção pelo coronavírus (COVID-19), as respostas imunológicas e inflamatórias estão diretamente associadas à gravidade da doença. Em consideração ao papel da vitamina D no sistema imunológico, o objetivo deste estudo foi analisar os níveis de vitamina D em pacientes com insuficiência respiratória aguda devido ao COVID-19 e avaliar as suas correlações com a gravidade da doença e o prognóstico.

O estudo retrospectivo e observacional analisou ​​dados demográficos, clínicos e laboratoriais de 42 pacientes com insuficiência respiratória aguda por COVID-19, atendidos na Unidade de Tratamento Intermediário Respiratório.

Oitenta e um por cento dos pacientes apresentaram baixos níveis de vitamina D. Posteriormente, a população do estudo foi estratificada em quatro grupos: sem deficiência de vitamina D, com insuficiência da vitamina, deficiências moderada e deficiência grave. Não foram encontradas diferenças em relação às características demográficas e clínicas. Uma análise de sobrevida destacou que, após 10 dias de hospitalização, os pacientes com deficiência grave de vitamina D apresentavam 50% de probabilidade de mortalidade, enquanto aqueles com níveis de vitamina D maiores que 10 ng/mL apresentavam risco de mortalidade de 5% (p = 0,019).

Com essa pesquisa, os autores concluíram que a hipovitaminose de vitamina D foi frequentemente observada em pacientes com COVID-19 e insuficiência respiratória aguda. Pacientes com deficiência grave da vitamina tiveram um risco de mortalidade significativamente maior. A deficiência grave de vitamina D pode ser um marcador de mau prognóstico nesses pacientes, sugerindo que o tratamento adjuvante pode melhorar os resultados da doença.

Referência: Carpagnano GE, Di Lecce V, Quaranta VN, et al. Vitamin D deficiency as a predictor of poor prognosis in patients with acute respiratory failure due to COVID-19 [published online ahead of print, 2020 Aug 9]. J Endocrinol Invest. 2020.

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Terapia com injetáveis em Nutrologia



Recentemente, temos percebido uma confusão sobre o tema “terapia com injetáveis em Nutrologia”. Classicamente, na Nutrologia temos a Terapia Nutricional Parenteral que, de acordo com a Portaria 120/2009 (ANVISA), consiste em uma solução ou emulsão composta por carboidratos, lipídeos, aminoácidos, vitaminas e minerais destinada à administração intravenosa, para suprir as necessidades metabólicas e nutricionais de pacientes impossibilitados de alcançá-las pela via oral ou pela via enteral. 

Há indicações bem estabelecidas na literatura e é uma prática que salva vidas, devendo ser prescrita somente por médicos.

Atualmente, temos visto aplicação de aminoácidos, vitaminas, minerais e nutracêuticos por via intramuscular ou por via intravenosa, realizadas em consultórios. 

Isso é proibido? Não, se seguir as normativas da vigilância sanitária. 

Isso é área de atuação do nutrólogo? Sim, se tiver indicação com evidência científica, mas será considerado antiético se o médico exagerar no diagnóstico do paciente, praticando atos médicos desnecessários. Nesse caso, ele pode infringir os artigos 14 e 35 do Código de Ética Médica (CEM), citados a seguir:

Art. 14. [É vedado ao médico] Praticar ou indicar atos médicos desnecessários ou proibidos pela legislação vigente no País.

Art. 35. [É vedado ao médico] Exagerar a gravidade do diagnóstico ou do prognóstico, complicar a terapêutica ou exceder-se no número de visitas, consultas ou quaisquer outros procedimentos médicos.

Caso o paciente apresente alguma complicação decorrente do tratamento prescrito, o médico também pode responder por infração referente ao artigo 1º do CEM:

Art. 1º [É vedado ao médico] Causar dano ao paciente, por ação ou omissão, caracterizável como imperícia, imprudência ou negligência.

Além disso, pode ser processado civilmente, caso o paciente venha a apresentar alguma complicação ou se sinta lesado moralmente. 

E quais seriam as situações em que se justifica a aplicação dessas substâncias por uma via que não seja a via oral? 

1º: se o trato grastrointestinal (TGI) não está funcionante, ou inacessível, ou com dificuldade absortiva, ou quando a demanda metabólica é superior a capacidade de tolerância do TGI: opta-se pela nutrição parenteral, plena ou suplementar.

Temos como exemplos pacientes portadores de síndrome do intestino curto, pacientes oncológicos com deficiência nutricional grave, portadores de doença inflamatória intestinal em atividade que não toleram dieta oral ou dieta enteral, dentre outras  condições clínicas e cirúrgicas. 

Lembrando que, comodidade não é indicação de escolha de via. 

2º: situações de falhas no tratamento após tentativas de reposição de eletrólitos, vitaminas ou minerais por via oral ou por via enteral, como pacientes pós bariátricos que podem não responder a reposição de ferro, vitamina B12 ou vitamina D, por exemplo. 

Ou seja, a via de escolha inicialmente sempre deve ser a via oral, seja através da alimentação, seja através da suplementação nos casos das deficiências nutricionais. 

Recentemente, a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) publicou nota de esclarecimento sobre a administração de soroterapia e o novo coronavírus onde esclarece que não faz parte de seus roll de procedimentos a administração de soroterapia endovenosa para a prevenção de doenças infectocontagiosas, bem como, não há nenhuma evidência científica de que a infusão de soros, com qualquer dose de vitaminas, minerais, aminoácidos, antioxidantes ou outros nutrientes, tenha efeito preventivo contra o novo Coronavírus. 


Autores:
Dr. Frederico Lobo - CRM-GO 13192 | RQE 11915 - Médico Nutrólogo. Idealizador do movimento Nutrologia Brasil. @drfredericolobo 
Dra. Karoline Calfa - Médica Nutróloga e com área de atuação em parenteral e enteral. Conselheira do CRM-ES. 
@karol.calfa 
Dr. Pedro Dal Bello -  Nutrólogo e Oncologista clínico.  @pedrodalbello
Dr. Rafael Iazetti - Médico Nutrólogo e professor da pós-graduação de Nutrologia do Hospital Albert Einstein. @rafael_iazetti 

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Alergias – Os principais “gatilhos” estão dentro de casa

 As alergias podem ser desencadeadas por diferentes fatores, como: alterações climáticas, sedentarismo ou estresse, mas também podem surgir pelo contato com partículas e micro organismos que levam o nome de alérgenos. Por isso, os alérgicos, que já chegam a 35% da população brasileira, devem estar atentos a três importantes medidas para o controle destes problemas. O tratamento e a prevenção dos processos alérgicos consiste em um tripé terapêutico, através do controle alimentar, do uso de imunoterapia, mas sem esquecer de um criterioso e indispensável controle do ambiente, retirando de casa o que produz alergia.

O controle ambiental passa por diversas medidas que poderão auxiliar a exterminar os maiores vilões daqueles que tossem, espirram, se coçam e até respiram mal por causa dos quadros de alergias. Os maiores causadores destes sintomas estão presentes dentro de casa, ambiente mais poluído que frequentamos, como os ácaros, a poeira, o mofo e até alguns tipos de fungos. Sendo assim, determinados hábitos dentro de casa precisam mudar, pois algumas medidas irão diminuir a presença destes inimigos dos alérgicos do ambiente doméstico.

Segundo o Alergista e Imunologista, Coordenador Técnico do Projeto Social Brasil Sem Alergia, o Dr. Marcello Bossois, o controle do ambiente é responsável por uma significativa redução dos processos alérgicos, que pode chegar a 40%(quarenta por cento). “As mudanças na arrumação, limpeza e faxina do lar produzirão um ambiente que será menos alergênico, mais fácil de ser limpo e mais saudável para toda a família.”

Mantendo a alergia longe do quarto

Dentre os ambientes a serem cuidados, o quarto de dormir requer uma atenção especial, em virtude da grande quantidade de horas que as pessoas permanecem no mesmo. Além disto, a cama reúne condições excelentes (temperatura, umidade e escamação de pele humana) para o desenvolvimento de colônias de ácaro, fungos e mofo, elementos detestados pelo alérgico.

Uma das medidas de maior importância para o tratamento dos quadros de alergias é a forração dos colchões e travesseiros com um material impermeável, a vulcan napa impermeável ou PVC, pois as pessoas passam cerca de um terço de suas vidas em suas camas. Desta forma, as pessoas depositam pele descamada, alimento preferido dos ácaros, que penetra nos colchões e travesseiros, formando uma verdadeira fábrica destes bichinhos.

“Por este motivo, que a forração dos colchões e travesseiros é tão importante no processo de combate da alergia, já que desta maneira cria-se uma barreira entre o corpo e estes objetos. Esta forração evita a proliferação destes alérgenos, pois os ácaros não terão mais seu principal alimento, a queratina presente na pele. Além disso, a barreira formada não mais permitirá que as pessoas inalem estes alérgenos, tornando-as mais distantes do que as provoca alergia”, afirma Dr. Marcello Bossois.

Alguns objetos devem ser evitados na maior parte possível dos aposentos de casa, sobre tudo no quarto daqueles que já apresentam alguma alergia. Os pacientes que sofrem com alergias respiratórias como as rinites, bronquites, sinusites e faringites devem abolir de seus quartos cortinas de pano, carpetes, tapetes, cadeiras ou poltronas de pano, bichos de pelúcia e até evitar a presença de plantas no ambiente de dormir.

Outras providências podem ser tomadas para tornar o quarto um ambiente mais saudável e menos convidativo para os provocadores dos males das alergias. O acúmulo de jornais e revistas facilita a produção de poeira e ajuda o surgimento de mofo, o que deve ser evitado. O quarto deve ser bem arejado para manter o ar constantemente renovado e atrapalhar a vida dos alérgenos.

Os alérgicos podem evitar ainda perfumes com odores muito intensos e outros irritantes respiratórios como tintas, ceras, removedores e produtos químicos. O cigarro tem que ter sua entrada barrada no quarto de um alérgico, pois a sua fumaça é uma grande provocadora de alergias no sistema respiratório. Os quadros e espelhos podem fazer parte de outros cômodos, mas não são bem-vindos dentro do quarto, já que estes dificultam a limpeza das paredes e contribuem para a presença de mofo.

“As persianas podem ser utilizadas no lugar das cortinas de pano com o objetivo de facilitar a limpeza e evitar o acúmulo de poeira. Para o combate dos insetos, os repelentes naturais como velas de andiroba e citronela podem substituir o uso dos inseticidas em aerosol. Mas, jamais, um paciente alérgico poderá utilizar um travesseiro de origem animal, seja de pena ou de pluma, pois ambos são ricos em queratina, o alimento preferido dos ácaros”, adverte o Coordenador Técnico do Brasil Sem Alergia.

Limpando as alergias

Na faxina, por exemplo, o procedimento tradicional do uso de vassouras e determinados produtos de limpeza deve ser modificado o quanto antes. Isso pois a vassoura é responsável por acabar levantando a poeira pelo ar, o que é péssimo para aqueles que sofrem com as alergias. Já alguns produtos de limpeza, assim como a vassoura, precisam ser abolidos nas casas dos alérgicos, uma vez que a maioria destes produtos agride a mucosa respiratória.

“No lugar da vassoura, que não é apropriada para a limpeza das residências dos alérgicos, deve-se trocar o seu uso pelo aspirador de pó, pois desta forma a poeira não será espalhada. Após aspirar a sujeira, poderá ser utilizado um pano úmido para a retirada completa de toda a poeira, porém, no lugar de produtos químicos com cheiros mais fortes, a limpeza pode ser feita por meio de detergentes bio degradáveis ou álcool, produtos mais apropriados para os alérgicos”, comenta o Alergista.

O controle do ambiente também passa por mudanças na maneira de lavar as roupas. O amaciante de roupas e o sabão em pó comum também precisam ser excluídos das listas de compras, pois, no momento da lavagem, eles impregnam as roupas com substâncias que são nocivas às alergias. O sabão de coco nas apresentações líquida, em pó ou em barra pode substituir os amaciantes e o sabão em pó comum e manter a alergia longe de casa.

O que é o Brasil Sem Alergia?

Coordenado pelo médico, Dr. Marcello Bossois, o Brasil Sem Alergia é um Projeto Social que oferece gratuitamente a realização de diversos procedimentos de combate, controle e prevenção dos mais variados tipos de processos alérgicos e doenças ligadas ao sistema imunológico. Além do acompanhamento médico gratuito, a Ação Social realiza os testes alérgicos, gratuitamente, em toda população do Rio de Janeiro, além de oferecer a imunoterapia por um baixo custo, assumindo um papel muito importante no combate das doenças alérgicas.

Fonte: https://www.ecodebate.com.br/2020/08/23/alergias-os-principais-gatilhos-estao-dentro-de-casa/

Ar poluído pode ser gatilho no desenvolvimento de doenças cardiovasculares e diabetes

 A poluição do ar é o principal fator de risco ambiental do mundo e causa mais de nove milhões de mortes por ano. Uma nova pesquisa publicada no Journal of Clinical Investigation mostra que a poluição do ar pode desempenhar um papel no desenvolvimento de doenças cardiometabólicas, como o diabetes.

É importante ressaltar que os efeitos foram reversíveis com a interrupção da exposição. Os pesquisadores descobriram que a poluição do ar era um “fator de risco para um fator de risco” que contribuiu para o solo comum de outros problemas fatais como ataque cardíaco e derrame. Semelhante à forma como uma dieta pouco saudável e a falta de exercícios podem levar a doenças, a exposição à poluição do ar também pode ser adicionada a esta lista de fatores de risco.

“Neste estudo, criamos um ambiente que imitava um dia poluído em Nova Delhi ou Pequim”, disse Sanjay Rajagopalan, MD, primeiro autor do estudo, Chefe de Medicina Cardiovascular dos Hospitais Universitários Harrington Heart and Vascular Institute e Diretor do Instituto de Pesquisa Cardiovascular da Case Western Reserve University. “Concentramos partículas finas de poluição do ar, chamadas PM 2,5 (componente do material particulado <2,5 mícrons). Partículas concentradas como esta se desenvolvem a partir do impacto humano no meio ambiente, como escapamento de automóveis, geração de energia e outros combustíveis fósseis ”.

Essas partículas têm sido fortemente conectadas a fatores de risco para doenças. Por exemplo, os efeitos cardiovasculares da poluição do ar podem levar a ataques cardíacos e derrames. A equipe de pesquisa mostrou que a exposição à poluição do ar pode aumentar a probabilidade dos mesmos fatores de risco que levam a doenças cardíacas, como resistência à insulina e diabetes tipo 2. No estudo de modelo de camundongo, três grupos foram observados: um grupo de controle recebendo ar filtrado limpo, um grupo exposto ao ar poluído por 24 semanas e um grupo alimentado com uma dieta rica em gordura. Curiosamente, os pesquisadores descobriram que ser exposto à poluição do ar era comparável a comer uma dieta rica em gordura. Tanto a poluição do ar quanto os grupos de dieta rica em gordura mostraram resistência à insulina e metabolismo anormal – exatamente como alguém veria em um estado pré-diabético.

Essas mudanças foram associadas a mudanças no epigenoma, uma camada de controle que pode ativar e desativar com maestria milhares de genes, representando um buffer crítico em resposta a fatores ambientais. Este estudo é o primeiro de seu tipo a comparar as mudanças epigenéticas de todo o genoma em resposta à poluição do ar, comparar e contrastar essas mudanças com a ingestão de uma dieta pouco saudável e examinar o impacto da cessação da poluição do ar nessas mudanças.

“A boa notícia é que esses efeitos foram reversíveis, pelo menos em nossos experimentos”, acrescentou o Dr. Rajagopalan. “Uma vez que a poluição do ar foi removida do meio ambiente, os ratos pareceram mais saudáveis e o estado pré-diabético pareceu se reverter”.

O Dr. Rajagopalan explica que se você mora em um ambiente densamente poluído, tomar medidas como usar uma máscara N95, usar purificadores de ar internos portáteis, utilizar ar condicionado, fechar janelas de carro durante o trajeto e trocar filtros de ar de carro com frequência podem ser úteis em manter-se saudável e limitar a exposição à poluição do ar.

Os próximos passos desta pesquisa envolvem reunir-se com um painel de especialistas, bem como com o National Institutes of Health, para discutir a realização de ensaios clínicos que comparem a saúde cardíaca e o nível de poluição do ar no meio ambiente. Por exemplo, se alguém tiver um ataque cardíaco, deve usar uma máscara N95 ou um filtro de ar portátil em casa durante a recuperação?

O Dr. Rajagopalan e sua equipe acreditam que é importante abordar o meio ambiente como um fator de risco à saúde da população e continuar a pesquisar diligentemente essas questões. Os autores também observam que essas descobertas devem encorajar os legisladores a promulgar medidas destinadas a reduzir a poluição do ar.

Shyam Biswal, PhD, Professor do Departamento de Saúde Ambiental e Engenharia da Escola de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins, é o co-autor sênior do estudo. Drs. Rajagopalan e Biswal são co-PIs no subsídio do NIH que apoiou este trabalho.

Referência: Metabolic effects of air pollution exposure and reversibility. Sanjay Rajagopalan, Kasper D. Hansen, Shyam Biswal, August 11, 2020, J Clin Invest. 2020. https://doi.org/10.1172/JCI137315.

Fonte: https://www.ecodebate.com.br/2020/08/24/poluicao-do-ar-pode-influir-no-desenvolvimento-de-doencas-cardiovasculares-e-diabetes/

Paraquate, agrotóxico altamente contaminante, pode ter banimento revisto pela Anvisa

O Partido Verde alerta para os riscos do uso do paraquate, que deve ser banido do país no próximo dia 22 de setembro.

Altamente tóxico e com sérios riscos para a saúde, em especial de produtores rurais, o agrotóxico conhecido como “paraquate”, com data prevista para o banimento em todo o território nacional, pode ter autorização revista pela Anvisa. Parlamentares se mobilizam para evitar que substância continue a ser usada na produção agrícola, que resulta em recusa de mercados internacionais.

No próximo dia 22 de setembro começa a valer a norma que proíbe a produção, importação, comercialização e uso deste herbicida no país. No entanto, há relatos de manobras em curso visando neutralizar esta determinação legal da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) datada de setembro de 2017.

Fabricada pela gigante mundial suíça Syngenta desde a década de 60, e proibido em território europeu desde julho de 2007, em função de ser, comprovadamente, depressivo, cancerígeno e mutagênico o paraquate ocupa o oitavo lugar no ranking dos agrotóxicos mais vendidos no Brasil.

O risco da ocorrência de câncer no sistema linfático, como casos registrados em Puglia, no sul da Itália, aumenta se há a interação entre o paraquate e outros agrotóxicos, como o captafol e o radone. Pesquisadores acreditam ainda que haja associação entre o uso desta substância, de alta letalidade, e o mal de Parkinson.

No total, mais de cinquenta países já baniram o paraquate, além de toda a união européia. Recentemente, China, Vietnã e Tailândia também anunciaram a proibição.

Ações

Na contramão do mundo, o Brasil autorizou desde o ano passado 479 novos agrotóxicos. O índice é o maior dos últimos 14 anos. Em reunião do conselho diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, houve um pedido de vista ao processo que visa adiar o banimento. Em abril, a agência já havia tentado rediscutir a postergação do prazo, em meio a pandemia. A tentativa não prosperou por ação do Ministério Público do Mato Grosso do Sul.

Em 2019, o deputado federal Célio Studart ingressou com ação popular na Justiça Federal visando suspender ato do Ministério da Agricultura que havia liberado, em setembro, 63 novos agrotóxicos, tendo, inclusive, obtido decisão liminar favorável à época. Muitos desses produtos apresentam alto grau de toxicidade e periculosidade, além de serem proibidos em diversos países.

No último mês, Studart protocolou ofícios à Anvisa e à Advocacia-geral da União, alertando para a possibilidade de manobras para o adiamento do cumprimento da Resolução 177, que determinou o efetivo banimento do Paraquate no Brasil. A bancada do Partido Verde informa que está alerta e aguarda definições da Anvisa para adoção de todas as medidas pertinentes.


Fontehttps://www.ecodebate.com.br/2020/08/24/paraquate-agrotoxico-altamente-contaminante-pode-ter-banimento-revisto-pela-anvisa/

terça-feira, 18 de agosto de 2020

Perda de peso e redução da mortalidade - Por Dr. Bruno Halpern



A associação entre #obesidade e maior risco de doenças crônicas e redução da expectativa de vida é bem estabelecida, embora o risco individual dependa mais da distribuição de gordura do que do peso em si.

No entanto, é muito difícil provar que perder peso reduz risco de mortalidade por algumas razões: 1- perder peso de forma significativa (ao menos 10%) e manter a longo prazo é difícil, e somente estudos muito grandes conseguiriam responder essa questão 2-estudos observacionais confundem perdas de peso intencionais com as não intencionais, em q a pessoa perde peso por estar doente e assim, tem mortalidade maior.

Estudos de intervenção demonstram que pessoas que perdem mais de 10% tem redução de riscos, mas em geral esses são estudos de poucos anos. A melhor evidência de longo prazo vem de estudos com cirurgia bariátrica , q tb demonstram redução de riscos.

Agora, um estudo com mais de 20mil pessoas e quase 30 anos de seguimento mostra que sair da obesidade para o sobrepeso no início da vida adulta (ao redor de 25 anos) reduziu em 54% o risco de mortalidade precoce nesse grupo em comparação aos que permaneceram com obesidade. O risco desses indivíduos se igualou (ou foi até um pouco menor) do que o de pessoas que sempre tiveram apenas sobrepeso.

O longo tempo de seguimento reduz a chance de que quem perdeu peso perdeu por estar doente e analisa melhor dados de perda intencional de peso. Também dá a idéia de quanto mais precoce melhor essa perda, pois quando a perda ocorre mais para frente na vida, o resultado é menos claro (mas talvez ainda precisamos de mais anos de acompanhamento).

Esse é um estudo observacional, com suas limitações. E também mostra que, infelizmente, é muito mais comum pessoas saírem de pesos “normais” para sobrepeso e obesidade do que pessoas que conseguem fazer o caminho inverso. Obesidade não se resolve “espontaneamente”. Perder peso e manter vai contra nossa biologia básica e exige tratamento continuo. Essa é uma informação a precisa ser passada para levarmos a doença e o tratamento a sério. Se mais pessoas conseguirem bons resultados, conseguiremos reduzir essas taxas de complicações! 


quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Atendimento via Telemedicina


Em decorrência da pandemia, o conselho Federal de Medicina liberou o uso da Telemedicina na tentativa de facilitar o atendimento médico em todo país e com isso evitar a disseminação do novo coronavírus.

Eu não consegui me adaptar à Telemedicina, talvez por que dependo muito de exame físico e preciso coletar dados antropométricos. Ou seja, Telemedicina não é pra mim. Mas tenho vários colegas que estão atendendo por Telemedicina. Abaixo uma lista com os principais. São Profissionais capacitados e que confio.

Profissionais Médicos que estão atendendo por Telemedicina

Dra. Amanda Weberling – Médica Nutróloga em Vitória
Email: dra.amandaweberling@gmail.com
Fone para agendamento: (27) 99716-2404

Dra. Natalia Jatene – Médica Endocrinologista em Goiânia
Fone para agendamento: (62) 3281-7799 | (62) 98326-2012

Dr. Thiago Calzada – Médico Neurologista em Curitiba/Goiânia
Fone para agendamento: (62) 99994-7826

Dr. Sávio Teixeira – Médico Psiquiatra em Goiânia
Fonte para agendamento: (62) 98598-7107

Dra. Diana Sá – Médica Endocrinologista em Brasília
dianasa@dianasa.com
Fone para agendamento: (61) 99964-0202


Dr. Juan Bernard – Médico Nutrólogo em Belo Horizonte
juan@imnutrologia.com.br
Fone para agendamento: (31)3565-7500

Dra.Juliany Luz – Médica de Família e Nutróloga em Florianópolis
Fone para agendamento: (48) 99151-3176
Dra. Patrícia Peixoto – Médica endocrinologista em Campos
peixotopcb@hotmail.com
Fone para agendamento (22) 999007668

Dr. Hélio Gonçalves – Médico Homeopata em Goiânia
Fone para agendamento: (62) 3941-2998

Dra. Juliana Lara – Médica generalista com foco principalmente em vegetarianos. Atende em São Paulo
Fonte para agendamento: (11) 997382-0509

Dr. Lúcio Vieira – Médico Endocrinologista no Rio de Janeiro
Fone para agendamento: (21) 99556-4047

Dr. Marcos Kano – Médico Psiquiatra em São José do Rio Preto
Fone para agendamento: (17) 3234-5076

Dr. Leandro Figueredo – Médico Nutrólogo em São Paulo
Fone para agendamento: (11) 98873-6696

Dr. Rafael Leal – Médico Nutrólogo em Brasília
leal.rafa@hotmail.com
Fone para agendamento: (61) 99406-9494

Dra Elza Daniel de Mello – Médica Nutróloga, Nutróloga Pediátrica e Gastropediatria em Porto Alegre
elzadmello@gmail.com
Fone para agendamento: (51) 99123-1965

Dra. Andrea Fernanda de Oliveira – Médica Nutróloga
dra.andreafernanda@gmail.com
Fone e whats para agendamento: (47) 99709-2987

Dr. Haroldo Falcão R. Cunha – Médico Nutrólogo – Medicina Intensiva / Nut. Parenteral e Enteral no Rio de Janeiro
www.facebook.com/drharoldofalcao
Fone para agendamento: (21) 97929-6611

Dra. Alessandra Bedin – Médica Nutróloga e Ginecologista / Obstetra em São Paulo
albedin@gmail.com
Fone para agendamento: (11) 99134-3654

Dra. Marília Zanier – Médica Endocrinologista em Goiânia
Agendamento pelo whatsapp: (62) 3251‑0973‬

Dr. Breno Coimbra – Médico generalista em Palmas
Fone para agendamento: (63) 99109-2790

Dra. Ana Valéria Ramirez - Medica Nutróloga em São José do Rio Prêto e São Paulo 
anaramirez@terra.com.br
Fone para agendamento: (17) 98815-0003

O consumo de proteína vegetal tem impacto sobre a mortalidade?

Dietas com maior aporte proteico vem sendo utilizadas como estratégia válida para perda de peso e redução da gordura corporal, porém poucos estudos avaliaram se o tipo de proteína consumida teria impacto na mortalidade.

Com o objetivo de examinar a associação entre mortalidade geral, mortalidade por causa específica e ingestão de proteínas vegetais, Huang e colaboradores analisaram o questionário de ingestão alimentar, dados demográficos, estilo de vida e mortalidade de um estudo de coorte de 416.104 homens e mulheres norte-americanos, com idade 50 a 71 anos, acompanhada por 16 anos.

Os pesquisadores observaram que a ingestão diária de proteína total representou 15,3% do total de energia consumida, sendo que as fontes vegetais correspondiam a 40% desse consumo e as fontes animais correspondiam a 60% do total. Indivíduos com diabetes, maior nível educacional, menor IMC, menor consumo total de calorias, maior consumo de fibras, frutas e vegetais, mais ativos fisicamente e com menos probabilidade de ser fumantes apresentaram maior consumo de proteínas vegetais.

Ao longo dos 16 anos de acompanhamento, houve 77.614 mortes. A ingestão de proteínas vegetais foi inversamente associada à mortalidade ajustada à idade por todas as causas, tanto em homens quanto em mulheres, representando redução de 12% e 14% da mortalidade por aumento na ingestão de 10 g de proteína vegetal/1000 kcal (p<0,001). Olhando para a mortalidade por causas específicas, o consumo de proteína vegetal foi inversamente proporcional a mortalidade por todas as doenças cardiovasculares e acidente vascular cerebral (P <0,003). Por outro lado, não se associou a mortalidade por câncer, doenças respiratórias e infecções.

Os pesquisadores sugerem que a substituição da proteína do ovo e da proteína da carne vermelha pela proteína de origem vegetal resulta em menor risco para a mortalidade geral, representando risco 24% e 21% menor para homens e mulheres, respectivamente, para reposição da proteína do ovo, e 13% e 15% menor risco de mulheres e mulheres para reposição de proteínas da carne vermelha. Assim, os pesquisadores concluem que modificações na escolha de fontes proteicas, favorecendo o consumo de vegetais, podem influenciar na saúde e longevidade.

Referência: Huang J, Liao LM, Weinstein SJ, Sinha R, Graubard BI, Albanes D. Association Between Plant and Animal Protein Intake and Overall and Cause-Specific Mortality. JAMA Intern Med. 2020; e202790.

Fonte:https://ganepeducacao.com.br/o-consumo-de-proteina-vegetal-tem-impacto-sobre-a-mortalidade/

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Efeito da ingestão de azeite de oliva associado ou não a dieta saudável na composição corporal e na sarcopenia de indivíduos obesos

Intervenções nutricionais podem ter impacto positivo na progressão da sarcopenia e na composição corporal. Dessa maneira, um estudo brasileiro avaliou a efetividade do consumo de azeite de oliva extra virgem (AOEV) e de uma dieta tradicional brasileira saudável (DieTBra) em indicadores de sarcopenia e na redução da gordura corporal em obesos graves.

O estudo randomizado controlado incluiu participantes com IMC ≥ 35 kg/m², entre 18 e 64 anos, alocados em três grupos de tratamento. O grupo 1 foi o AOEV (n=28), no qual os participantes receberam 52ml/dia de azeite de oliva; grupo 2 foi DieTBra (n=32), que realizou dieta tradicional brasileira saudável conforme orientação no guia alimentar nacional; e grupo 3 foi a associação DieTBra +AOEV (n=37), que realizou a dieta que o grupo 2 e recebeu a mesma quantia de azeite de oliva que o grupo 1.

Os participantes não sabiam qual tipo de óleo estavam utilizando. A intervenção foi realizada durante 12 meses com visitas mensais para acompanhamento do estudo. Foi calculada individualmente a percentagem desejada de perda de peso e a ingestão calórica diária dos participantes. Foram realizadas medidas antropométricas de densitometria por dupla emissão de raios-X (DEXA), massa muscular esquelética apendicular (MMEA) para análise da composição corporal e a força de preensão manual – hand grip (HP) e velocidade de marcha para análise funcional da progressão da sarcopenia.

No início do estudo, não houve diferença entre os grupos em relação aos parâmetros de composição corporal. Dos participantes, 93,7% eram mulheres, com IMC médio de 43,7 kg/m², 51,7% de gordura corporal e média de 8,2 kg/m² de MMEA. Não houve diferença entre os grupos em nenhum momento do estudo quanto a calorias e macronutrientes ingeridos.

No final do estudo, foram observadas reduções significativas na gordura corporal total (p = 0,041) e no peso corporal (p = 0,003) no grupo DieTBra. No grupo DietBra+ azeite de oliva também foi observada uma redução significativa no peso corporal (0,001) em comparação ao grupo somente de azeite de oliva. Também houve redução significativa na gordura corporal total nos grupos DieTBra (p = 0,016) e DieTBra + azeite (p = 0,004).

Na avaliação da sarcopenia, os participantes do grupo DieTBra apresentaram melhoras significativas em sua velocidade de caminhada (p = 0,042) e na força de preensão manual (p = 0,044).

Os autores concluiram que uma dieta tradicional brasileira saudável, associada ou não ao consumo de azeite de oliva, foi capaz de melhorar a força e a funcionalidade muscular, além de ter se associado com a redução da gordura corporal total em indivíduos obesos. O uso isolado do azeite de oliva extra virgem não melhorou nenhuma das variáveis investigadas.

Referência: Silveira EA et al. Efects of Extra Virgin Olive Oil (EVOO) and the Traditional Brazilian Diet on Sarcopenia in Severe Obesity: A Randomized Clinical Trial. Nutrients 2020, 12, 1498

Fonte: https://ganepeducacao.com.br/efeito-do-consumo-de-azeite-de-oliva-associado-ou-nao-a-dieta-saudavel-na-composicao-corporal-e-na-sarcopenia-de-individuos-obesos/

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

A infinidade de tratamentos para obesidade

Dias através eu conversava com uma amiga endocrinologista e com meu nutricionista. A heterogeneidade de resposta dos pacientes aos tratamentos de obesidade.  Confusa a frase acima, vamos esclarecer enumerando.
  1. Há pacientes em estado de obesidade que reduzem o percentual de gordura (emagrecem) só com dieta e atividade física? Sim
  2. Há os que reduzem só com atividade física ? Sim
  3. Há os que reduzem só com dieta? Sim
  4. Há os que emagrecem com a combinação: dieta, atividade física e uso de medicação ? Sim
  5. Há os que garantem que perderam peso apenas com fitoterápicos, combinado com dieta e atividade física? Sim
  6. Há os que perdem gordura só em utilizar medicações ansiolíticas e com isso tratar o gatilho base da obesidade (no caso daquela pessoa específica)? Sim
  7. Há os que apenas com medicação conseguem perder gordura? Sim
  8. Há os que apenas com psicoterapia combinada com reeducação alimentar alcançam bons resultados? Sim
  9. Há os que só perderão peso com cirurgia bariátrica? Sim
  10. Há os que perder peso com bariátrica, reganharam boa parte do peso perdido e posteriormente perderão com dieta e atividade física? Sim
Enfim, há vários tratamentos, várias formas de se tratar a obesidade. Mas o principal ponto é: cada paciente é único. Cada paciente tem uma resposta ao tratamento. Não é porque a cirurgia bariátrica funcionou para um que funcionará para outro.

Estou cansado de ver pacientes que foram submetidos a cirurgia bariátrica, foram mau respondedores (perderem pouco peso) e que se arrependeram da cirurgia. Mas isso é assunto para outro post.