quinta-feira, 25 de junho de 2020

BombaTôFora - Exercício induzindo importantes funções cerebrais


Revisão científica sobre o efeito protetor cerebral do exercício físico e sobre as repercussões cerebrais do uso de esteroides anabonizantes, disponível gratuitamente no link: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/…/PM…/pdf/medicina-55-00396.pdf

Informe-se! Não permita que você, seus familiares, amigos e clientes entrem ou fiquem nessa!

Os danos são bem maiores que os ganhos!!!

Fonte: https://www.facebook.com/bombatofora/photos/a.340483713180222/498684717360120/?type=3&theater

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Efeitos Psiquiátricos dos Anabolizantes

Dr. Clayton Macedo, um dos responsáveis pela campanha Bomba Tô Fora - que tem o apoio da SBEM -, fala sobre os efeitos psiquiátricos que podem surgir com o uso dos anabolizantes (testosterona e afins).

Ele explica também que agressividade e reações inesperadas estão entre alguns dos sintomas e que podem estar ligados ao aumento do feminicídio. “Estamos vivendo um grave problema de saúde pública”, enfatizou o Dr. Clayton

O médico alerta para que é importante ficar alerta aos sintomas e que diversas pesquisas estão sendo feitos, como uma pesquisa dinamarquesa. Nos dados, ele explica que cerca de 20% dos pesquisados que utilizavam os anabolizantes praticaram algum tipo de crime grave.

Vejam as informações que o médico deu na entrevista ao site da SBEM Nacional.

Para ouvir acesse: https://www.endocrino.org.br/efeitos-psiquiatricos-dos-anabolizantes/?fbclid=IwAR3EclMNEh_nLXo-mhjhlw7hgaAdpegTxz7p1XO2uMhdO6o3yP0J5xhwb5Q

quinta-feira, 18 de junho de 2020

O Instagram proíbe posts com produtos de dietas e cirurgia estética.

Não é difícil ver alguma publicação sobre cirurgias estéticas ou produtos voltados para uma vida mais “fitness” (como chás de emagrecimento) no Instagram (e, pela lógica, quanto mais você vê, mais elas aparecem para você). Nesta quarta-feira (18), a plataforma anunciou algumas restrições que mudam as normas para esse tipo de postagem com produtos de dietas e cirurgias estéticas.

De modo geral, as redes sociais podem promover grande influência sobre o modo como vivemos, criando uma pressão social para que mudemos nosso padrão e para nos sentirmos mal em relação ao nosso corpo. Anúncios estéticos ou de produtos que fazem milagres, como “isso me ajudou a perder 10kg em uma semana” ou “isso me deixou 20 anos mais jovem”, prometem fazer rapidamente algo que leva mais tempo e podem influenciar distúrbios alimentares e problemas emocionais, principalmente em adolescentes.

O que muda no Instagram

Dentre as novas regras, estão proibidos posts de produtos duvidosos ligados à perda de peso vinculados a alguma oferta comercial (ou oferecendo desconto). O objetivo é promover mudanças benéficas e que não tirem da rede social sua ideia principal, que é ser um lugar positivo para todos os usuários.

Justamente por afetar um grande número de jovens, outro fator adicionado foi sobre a restrição de idade. Conteúdos relacionados ao uso de alguns produtos de emagrecimento e procedimentos estéticos ficam restritos para maiores de 18 anos. Em breve será possível denunciar esse tipo de publicação.

É claro que as empresas ligadas a esses setores não ficarão nada contentes com a notícia. Ysabel Gerrard, professora da University of Sheffield e uma das consultoras do Instagram (que prestou esse serviço gratuitamente para a rede social), afirmou que tais empresas devem agir com responsabilidade e remodelar seus produtos e técnicas de marketing visando a segurança das pessoas.

Alguns estudos recentes mostram como determinados tipos de publicações podem interferir na saúde mental dos adolescentes. Um deles, da Royal Society for Public Health e do Young Health Movement, realizado em 2017, mostrou que o Instagram é a pior plataforma de mídia social para a saúde mental de um jovem. Um segundo estudo, do Pew Research Center, feito em 2018, encontrou que 37% dos adolescentes se sentem pressionados para publicar conteúdos que receberão um grande número de curtidas.

Nos últimos dias, vimos que o Instagram tem mudado sua postura com relação a algumas questões. Uma mudança radical que deixou muitos chocados (e até mesmo chateados) foi a remoção do número de curtidas. A medida, adotada em julho deste ano no Brasil, teve como um dos seus objetivos também remover a pressão sobre o usuário.

Tais alterações transformam a rede social não em um lugar para competir por popularidade, curtidas ou ser “tóxico” para a saúde mental, mas sim para que diferentes pessoas possam se expressar. O ideal não é se concentrar em quão popular a sua foto foi, mas sim no conteúdo que foi publicado. Acredita-se que novas alterações virão por aí, algumas delas relacionadas ao combate ao bullying, mas não há nada certo ainda. Elas também podem chegar ao Facebook em breve.

No mês de prevenção ao suicídio no Brasil (chamado de Setembro Amarelo), ver ações como essa da rede social lembram que devemos nos empenhar mais não em exibir corpos considerados “perfeitos”, mas com a aceitação própria e a lembrança de que cada característica nossa é o que nos torna especiais, diferentes e, consequentemente, únicos.

Fonte: https://www.showmetech.com.br/instagram-proibe-posts-de-dieta-e-estetica/?fbclid=IwAR1bVOQjwUQB-QyJC4J5xdIeYH_ICJ62RUCRjB39JrtiTEGTQLxZe3qYrVo

segunda-feira, 15 de junho de 2020

Uso de esteroides anabolizantes: um breve histórico do problema por Dr. Mateus Dornelles

Uso indevido de esteroides androgênicos, um velho problema

O uso de esteroides androgênicos para melhorar o desempenho físico, ao contrário do que se possa imaginar, é tema antigo na prática médica. Em 1893, um médico idoso chamado Brown-Séquard reportou “um ganho importante de força” após auto injetar um “fluido testicular” desenvolvido em laboratório de animais. Esta descoberta criou bastante entusiasmo e marcou o início da andrologia. Após algum tempo, já na década de 1930, começaram a ser desenvolvidos os primeiros andrógenos sintéticos derivados da testosterona. Desde então, diversos esteroides androgênicos foram sintetizados e aprovados para o tratamento de diversos problemas de saúde, incluindo deficiência de testosterona, caquexia, osteoporose, atraso no desenvolvimento da puberdade e até câncer de mama.

Ganho de massa muscular, as custas de efeitos adversos potencialmente graves

Os derivados sintéticos da testosterona possuem graus variados de atividade androgênica e anabólica, isto é, são capazes de aumentar a massa muscular, queimar gordura e melhorar o desempenho esportivo. Contudo, o uso de esteroides anabolizantes não se faz sem um custo muito alto à saúde. Efeitos adversos são frequentes e incluem toxicidade ao fígado e coração, aumento da viscosidade sanguínea (policitemia) com risco de trombose, aumento das gorduras do sangue (colesterol e triglicerídeos), pressão alta, depressão, crescimento de mamas em homens (ginecomastia), atrofia dos testículos, problemas sexuais e infertilidade em graus variados.

Falta de informação confiável dificulta a abordagem do problema

Como a maioria dos usuários destas substâncias não costuma procurar atenção médica, a literatura científica ainda carece de informações principalmente sobre as sequelas causadas pelo seu uso. Isso é problemático, pois o usuário não vê o médico como alguém com capacidade de fornecer informações apropriadas e acaba por buscá-las na internet ou com outros usuários. Já o médico, por não ter acesso a estudos confiáveis, fica desconfortável em abordar o assunto e acaba por adotar uma postura repressiva. Esta falta de empatia afasta paciente e médico, e o assunto vira tabu.

#BombaTôFora, uma luz no fim do túnel

Com o intuito de melhorar a assistência, prevenindo o uso e tratando as complicações, tanto médicos quanto pacientes devem estar dispostos a dialogar abertamente e a estudar sobre o assunto. Só desta maneira cooperativa, seremos capazes de construir conhecimento apropriado e confiável sobre o uso de esteroides anabolizantes. O projeto #BombaTôFora, apoiado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, cumpre muito bem esta função.

Referência:

1- Pope HG Jr, Wood RI, Rogol A, Nyberg F, Bowers L, Bhasin S. Adverse health consequences of performance-enhancing drugs: an Endocrine Society scientific statement. Endocr Rev. 2014 Jun;35(3):341-75.

Autor: Dr. Mateus Dornelles Severo - Médico Endocrinologista, Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS. CRM-RS 30.576 - RQE 22.991 - www.facebook.com/drmateusendocrino

sábado, 13 de junho de 2020

Diminuir o consumo de carne vermelha e sua relação com meio ambiente

Diminuir o consumo de carne vermelha é uma decisão muito difícil. A questão é que não podemos mais fazer vista grossa para o fato que o principal motor do desmatamento da Amazônia é a ampliação de pastos para o setor da carne. Se estamos juntos pedindo mais cuidado do governo pela floresta, um passo importante que cada um pode tomar individualmente é diminuir o consumo de boi. Se ainda gostamos de carne, há opções de proteína animal que causam menos impacto ambiental: frango, porco, cordeiro, cabra, peixes, frutos do mar, ovos, queijos...

Estudo publicado pela Academia Nacional Americana de Ciências compara o impacto ambiental da criação de boi com a criação de outras carnes (referência abaixo). Segundo a pesquisa, a produção atual de boi no mundo é a maior responsável por desmatamento no mundo, com extinção de espécies, poluição das águas e 1/5 das emissões de gases de efeito estufa.

Quem está junto nessa bandeira em defesa pela Amazônia em pé, convidamos para essa guinada juntos. Também estamos nesse processo de transição, por uma questão de coerência de discurso e ideais.

Saiba mais:

"Burdens of meat" - PNAS - pesquisa da Academia Nacional Americana de Ciências: https://www.pnas.org/content/early/2014/07/17/1402183111

STOP DEFORESTATION - Beef Cattle: http://bit.ly/2lQTwIk

quinta-feira, 11 de junho de 2020

Documentário: O Silêncio dos homens


Vale a pena assistir e perceber o quanto vivemos em uma sociedade com uma masculinidade tóxica.

quarta-feira, 10 de junho de 2020

Carnes alternativas (a base de vegetais) podem fazer parte de uma dieta saudável e sustentável?


Os alimentos ricos em carne vermelha, especialmente carnes processadas, têm sido associados a uma ampla gama de conseqüências para a saúde, incluindo obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

Com base em uma revisão abrangente das evidências epidemiológicas, a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer da Organização Mundial da Saúde classificou carnes processadas, como salsichas, bacon e salsichas como carcinogênicas para o homem para câncer colorretal, e carnes vermelhas não processadas, como carne bovina e carne de porco, como "provavelmente cancerígeno".

Além disso, existe uma crescente preocupação de que a produção industrial de carne possa contaminar recursos naturais, incluindo rios, córregos e água potável, com nutrientes de lagoas de resíduos animais e escoamento.

Existe também a preocupação de que a criação de gado possa levar à perda de florestas e outras terras que fornecem valiosos sumidouros de carbono, bem como a grande quantidade de emissões de gases de efeito estufa que contribuem para as questões ambientais e climáticas em andamento.

É claro que, tanto para a saúde humana como para a saúde dos recursos naturais e do planeta, é necessário um sistema alimentar sustentável que desloque a população global para mais alimentos à base de plantas e menos alimentos de origem animal.

Padrões alimentares predominantes em frutas minimamente processadas, vegetais, grãos integrais, nozes, soja e outras leguminosas têm sido recomendados para melhorar a saúde humana e a sustentabilidade ambiental.

Nesse meio tempo, uma variedade de produtos alimentícios à base de plantas foi desenvolvida para substituir aqueles tradicionalmente feitos de animais.

Esses produtos incluem tanto alternativas lácteas (por exemplo, “leites” de soja e nozes) quanto alternativas de carne na forma de hambúrgueres, salsichas e outros produtos semelhantes à carne feitos a partir de componentes amplamente processados ​​à base de plantas.

Embora esses produtos forneçam mais alternativas baseadas em plantas para alimentos de origem animal, eles não são necessariamente destinados a imitar a experiência sensorial real do consumo de carne.

Uma nova geração de alternativas de carne à base de vegetais (PBMAs) entrou no mercado.

Estes produtos são projetados especificamente para imitar o sabor e a experiência de comer carne, enquanto são comercializados como uma maneira de acelerar a mudança de produtos baseados em animais.

Mas os PBMAs devem ser considerados parte de uma dieta saudável com baixo teor de carbono (uma que visa reduzir os gases de efeito estufa devido aos métodos de produção, embalagem, processamento, transporte, preparação e desperdício de alimentos) que podem ajudar a reduzir a dependência da produção industrial de carne ?

A resposta a essa pergunta permanece longe de ser clara, dada a falta de estudos rigorosamente desenhados e financiados independentemente.

Neste ponto, 2 empresas dominam o cenário PBMA. A Impossible Foods e a Beyond Meat oferecem hambúrgueres, que agora estão disponíveis em várias cadeias de restaurantes de fast food, supermercados e outras entidades de alimentos, principalmente na América do Norte.

Projetados para imitar o gosto e a experiência de comer carne, esses novos produtos visam atrair uma base de consumidores mais ampla do que os demógrafos vegans ou vegetarianos relativamente menores que tinham sido mais frequentemente alvo de alternativas anteriores a produtos animais.

Por seu clima de elogios e benefícios de recursos naturais e seu mimetismo exclusivo de carne, PBMAs atraiu atenção significativa do consumidor.

A Avaliação do Ciclo de Vida recente encomendado pelo Beyond Meat descobriram que o Beyond Burger gera emissões de gases 90% menos gases de efeito e requer 46% menos energia, 99% menos água e 93% menos uso da terra em comparação com um hambúrguer feito de carne bovina dos EUA, de liderança para a conclusão de que os PBMAs provavelmente terão menos efeitos ambientais do que a produção industrial de carne bovina com base nas métricas analisadas.

No entanto, a robustez desta conclusão merece estudos adicionais.

Embora fatores ambientais possam e devam ser fortes motivadores da escolha de alimentos, é igualmente importante considerar os efeitos dos PBMAs na saúde humana.

É importante ser cauteloso ao extrapolar diretamente os potenciais benefícios encontrados em pesquisas anteriores sobre alimentos à base de plantas e padrões alimentares para PBMAs, dada a sua natureza altamente processada.

Ensaios clínicos randomizados demonstraram que a substituição de carne vermelha por nozes, legumes e outros alimentos protéicos vegetais reduz os níveis de colesterol total e lipoproteína de baixa densidade.

Estudos epidemiológicos de longo prazo também mostraram que essa mudança de carne vermelha para alimentos vegetais está associada a menores riscos de doenças crônicas e mortalidade total.

No entanto, os PBMAs incorporam proteína vegetal purificada em vez de alimentos integrais, com a Beyond Burgers usando isolado de proteína de ervilha e hambúrgueres impossíveis usando isolado e concentrado de proteína de soja.

Um recente estudo de alimentação controlado de curto prazo descobriu que o consumo de dietas ricas em alimentos ultraprocessados ​​provoca excesso de ingestão calórica e ganho de peso.

Além da criação de produtos caloricamente densos e altamente palatáveis, o processamento de alimentos também pode levar à perda de alguns nutrientes e fitoquímicos naturalmente presentes nos alimentos vegetais.

Enquanto os hambúrgueres Beyond Meat and Impossible Foods são mais baixos em gordura total e saturada do que um hambúrguer de carne bovina e contêm zero colesterol (eles são semelhantes em calorias e proteínas), eles também são mais ricos em sódio.

Sem estudos adicionais, não há evidências para comprovar que essas diferenças de nutrientes por si só oferecem um benefício significativo à saúde.

De fato, os PBMAs são mais ricos em gordura saturada em comparação com a maioria das fontes de proteínas vegetais minimamente processadas, como feijões e lentilhas.

Ao avaliar os efeitos sobre a saúde dos PBMAs, também é necessário considerar como esses produtos são consumidos.

Por exemplo, esses populares hambúrgueres PBMA são frequentemente consumidos em ambientes de fast food, onde podem ser colocados em um pão refinado com uma variedade de coberturas, servidos com batatas fritas e até mesmo uma bebida açucarada.

Assim, não é possível supor que a substituição de um hambúrguer de PBMA por um hambúrguer melhora a qualidade geral da dieta.

Além disso, outra preocupação exclusiva do Impossible Burger deve ser considerada.

Este produto contém grandes quantidades de heme (uma molécula contendo ferro) de plantas de soja adicionadas ao hambúrguer para melhorar o sabor e a aparência do produto.

A ingestão mais elevada de ferro heme tem sido associada ao aumento das reservas de ferro no organismo e ao risco elevado de desenvolver diabetes tipo 2.

Para responder a perguntas sobre os efeitos dos PBMAs sobre a saúde e o papel que os PBMAs podem desempenhar em uma dieta sustentável de baixo carbono, são necessários estudos rigorosamente planejados e financiados independentemente.

Embora não seja viável a realização de grandes ensaios de longa duração sobre desfechos de doenças, ensaios de intervenção de curto prazo podem ser realizados para comparar os efeitos desses produtos com produtos animais convencionais e fontes de proteína vegetal minimamente processadas sobre o risco cardiometabólico e outros fatores, como o microbioma.

Além disso, tanto a intervenção quanto os estudos observacionais devem ser realizados para examinar como o consumo de PBMAs influencia a qualidade geral da dieta, a ingestão calórica, o estado nutricional e o peso corporal dos indivíduos.

Além disso, no nível da população, será importante examinar se um aumento no consumo de PBMAs realmente leva a uma redução significativa no consumo de carne vermelha.

Um grande desafio no estudo de alternativas à carne é que suas formulações e conteúdos de nutrientes podem mudar rapidamente devido a rápidas inovações tecnológicas e reformulações de produtos.

Embora hambúrgueres e outros substitutos de carne vermelha possam ser os produtos mais amplamente disponíveis até o momento, outros PBMAs estão sendo introduzidos ou desenvolvidos, incluindo aqueles que imitam aves ou peixes.

Outra linha de produtos no horizonte é a carne, aves e peixes cultivados em laboratório (ou cultivados), que utiliza tecnologias baseadas em células para cultivar e cultivar células de animais, produzindo produtos animais sem criar e abater o animal.

Embora todas ou algumas dessas tecnologias alternativas de carne possam representar uma oportunidade significativa para reduzir os gases de efeito estufa que alimentam as mudanças climáticas, elas também podem representar uma grande ruptura nos sistemas de alimentos, agricultura, e pesca, o que poderia ter importantes implicações em saúde pública, ambiental e regulatória.

Embora o consumo de carne vermelha nos Estados Unidos tenha declinado continuamente por décadas e tenha permanecido estável nos últimos anos, aumentou acentuadamente em todo o mundo, especialmente em países de renda baixa e média.

A demanda global por carne, bem como as necessidades energéticas, continuará a aumentar nas próximas décadas.

Paralelamente à rápida transição nutricional, a carga global de obesidade e doenças crônicas relacionadas à dieta tem aumentado consideravelmente.

Os PBMAs podem ter algum papel na melhoria da saúde humana e planetária, mas não há evidências que sugiram que eles possam substituir dietas saudáveis ​​focadas em alimentos vegetais minimamente processados.

Políticas nutricionais e orientações dietéticas devem continuar a enfatizar uma dieta rica em alimentos vegetais, como nozes, sementes e leguminosas ou leguminosas, que são ricas em proteínas e muitos outros nutrientes, mas requerem pouco processamento industrial.

Opções mais tradicionais, como tofu, seitan e tempeh, também podem ser usadas para diversificar as alternativas à carne.

Para atender ao desafio sem precedentes de alimentar uma dieta saudável e sustentável para cerca de 10 bilhões de pessoas até 2050, relatórios recentes recomendam uma redução substancial no consumo de carne vermelha e a mudança para padrões alimentares baseados principalmente em plantas.

As inovações tecnológicas são vitais para a criação deste sistema, mas será importante manter-se vigilante para garantir que esses novos produtos sejam benéficos para a saúde humana, bem como para a saúde do planeta, e para entender e considerar quaisquer conseqüências não intencionais

“Compartilhar é se importar”

Instagram:@dr.albertodiasfilho

Artigo: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2749260

terça-feira, 9 de junho de 2020

Conclusão sobre modulação hormonal

O professor Mauro Cziepiekeski deu uma brilhante aula no III Update em Nutrição e Metabolismo em Hospital de Clínicas de Porto Alegre HCPA. esclarecendo sobre o uso inadequado de hormônios e a inaceitabilidade do uso de hormônios bioidênticos, que tem sido preconizado para a manutenção da jovialidade. Veja a sua conclusão.


sábado, 6 de junho de 2020

6 de Junho - Dia Nacional do Teste do Pezinho


06 de junho é o "Dia Nacional do Teste do Pezinho", um exame de sangue simples, essencial para a saúde dos nossos bebês e que, mesmo no contexto da pandemia, precisa ser feito! Sabe por que?

Nos primeiros dias de vida, todo bebê deve fazer o Teste do Pezinho para diagnosticar algumas doenças genéticas raras que podem comprometer o seu desenvolvimento e causar sequelas irreversíveis ou até mesmo a morte.

Sete doenças estão na lista desse exame básico realizado pelo SUS e toda família tem o direito desse diagnóstico o quanto antes para que possa agir rápido.

Mas o que muita gente ainda não sabe é que existe um exame mais completo, incluindo mais doenças. Isso acontece no Distrito Federal, onde a versão ampliada do Teste do Pezinho já é lei, pelo SUS..

Ou seja, é possível salvar mais vidas. Há um movimento para que o teste ampliado seja feito em todos RNs do Brasil ( abaixo ):



6 de Junho - Dia do Combate à Desnutrição Hospitalar


A Campanha Diga não à Desnutrição é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (BRASPEN) que visa tornar de conhecimento público a prevalência, os problemas causados pela desnutrição hospitalar.

No Brasil, a taxa de desnutrição varia entre 20 e 60% em adultos hospitalizados e durante a hospitalização esta condição piora progressivamente principalmente em idosos e pacientes críticos.

  • 1 a cada 3 pacientes internados é desnutrido (hospitais públicos e privados);
  • Destes pacientes, somente 7% são diagnosticados como desnutridos;
  • Pacientes desnutridos têm tempo de internação 3 vezes maior; a desnutrição apresenta como principais complicações: pior resposta imunológica, atraso no processo de cicatrização, risco elevado de complicações cirúrgicas e infecciosas, maior probabilidade de desenvolvimento de lesões por pressão, aumento no tempo de internação e do risco de mortalidade, com consequente considerável aumento dos custos hospitalares.
  • A identificação precoce da desnutrição, bem como o manejo, por meio de ferramentas recomendadas, possibilita estabelecer conduta nutricional mais apropriada e melhora do desfecho nestes pacientes.

Uma equipe multidisciplinar especializada é fundamental para implantar e difundir ações (“cultura” da identificação/diagnóstico precoce, tratamento e prevenção da desnutrição hospitalar).

#Nutrologia
#NutrologiaHospitalar
#NutrologiaDeVerdade 
#DiaD
#Desnutrição
#DesnutricaoHospitalar

5 de Junho - Dia Mundial do Meio Ambiente - O que você fazer para minimizar impactos ambientais ?


Ontem, 5 de Junho foi comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e na minha concepção, é impossível ter saúde se não se respeita o meio ambiente.

Somos seres integrados a um ecossistema e qualquer disrupção nessa simbiose pode levar a algum tipo de transtorno, como por exemplo:
  1. Cronodisrupção.
  2. Poluição do ar, solo, águas.
  3. Poluição luminosa (excesso de luminosidade no período noturno).
  4. Poluição sonora.
  5. Ambientes não-biofilicos (pouco verde)
  6. Pouco contato com a natureza.
  7. Baixo conforto térmico.
Há 14 anos estudo a inter-relação entre saúde e meio ambiente (essa foi a razão de montar esse blog). Cada dia me convenço mais da força dessa simbiose e que não existe poluição, o que existe é envenenamento. Essa poluição a qual estamos sendo submetidos deveria ser considerada um problema de saúde pública mundial. Entretanto, é negligenciada até mesmo por nos médicos, afinal há poucos estudos sobre disrupção endócrina, carcinogênese oriunda de agrotóxicos e metais tóxicos...doenças neurodegenerativas e sua correlação com poluentes orgânicos persistentes (POPs) e metais tóxicos. Uma das poucas sociedades médicas que estudam esses efeitos é a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), com a campanha sobre Disruptores endócrinos.  Além disso lançou um Guia dos Disruptores endócrinos. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) também tem um posicionamento acerca dos agrotóxicos e provável carcinogênese.

E o que podemos fazer para tentar minimizar esse impacto na nossa saúde?

  1. Jogue lixo no lixo
  2. Separe os lixos e recicle.
  3. Ajude a educar e conscientizar próximas gerações.
  4. Defenda o meio ambiente (todos os biomas em especial o cerrado, o berço das nossas águas).
  5. Dê preferência por uma alimentação mais "limpa".
  6. Compre de produtores locais e de preferência orgânicos.
  7. Durma bem, afinal sono = qualidade de vida.
  8. Não tenha muito tecido adiposo, a cascata que ele gera vai muito além de bioquímica.
  9. Pratique atividade física pois ela é adjuvante no nosso processo de destoxificação.
  10. Exponha-se ao sol.
  11. Tenha contato com a natureza.
  12. E lembre-se que tudo está integrado.


#Nutrologia
#MeioAmbiente
#Natureza
#MedicinaAmbiental
#Biomas
#nature
#cosciencia
#bemcomum
#reciclar
#reutilizar
#sustentabilidade
#preservar
#DiaMundialDoMeioAmbiente

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Falta de vitamina B12 na população com diabetes 2

Um assunto pouco falado entre pessoas com diabetes e mesmo no consultório do endocrinologista é a deficiência de vitamina B12.

Esse é um nutriente fundamental para a formação dos glóbulos vermelhos do sangue e necessário para o bom funcionamento dos nervos e do cérebro. Sua carência está associada, portanto, a anemia, neuropatia (doença que acomete os nervos do corpo) e até demência.

As principais fontes de vitamina B12 na dieta são leite, ovos, fígado, carne de porco, atum, salmão e truta. Porém, para ser absorvida lá no intestino, ela precisa se ligar a uma proteína produzida pelo estômago.

A carência dessa vitamina é muito mais comum em pessoas com diabetes tipo 1 e também com diabetes tipo 2, mas por mecanismos diferentes.

Pessoas com diabetes tipo 1 têm um risco cinco vezes maior de ter deficiência de vitamina B12. Isso se deve ao fato de que o sistema imunológico delas chega a destruir as células do estômago que produzem a tal da proteína que se liga ao nutriente e permite sua posterior absorção. Como eu disse, sem a proteína, a vitamina não é aproveitada pelo organismo direito.

Tem mais: quem tem diabetes tipo 1 encara uma maior probabilidade de ter doença celíaca — condição inflamatória e autoimune que se agrava com a ingestão de glúten. A associação da doença celíaca com o diabetes, por sua vez, aumenta a propensão à deficiência da vitamina B12.

Com o diabetes tipo 2 a história é outra. O problema isoladamente não eleva o risco de faltar B12 no organismo. A questão está na metformina, medicamento usado para tratar a resistência à insulina e controlar os níveis de glicose no sangue.

Falamos de um remédio com mais de 60 anos de história e prescrito a praticamente toda pessoa com diabetes tipo 2. Entre seus efeitos colaterais, ele está ligado a uma diminuição na absorção intestinal de vitamina B12. Isso não é motivo para largar o tratamento, por favor. Mas pede atenção!


Tanto quem tem diabetes tipo 1 como indivíduos com o tipo 2 devem ter seus níveis de vitamina B12 avaliados periodicamente. Deficiências podem ser corrigidas com mudanças na dieta e suplementação a critério médico.

Fonte: https://saude.abril.com.br/blog/futuro-do-diabete/o-que-a-vitamina-b12-tem-a-ver-com-o-diabetes/?fbclid=IwAR1y2evBuzl4g-7Tf7O-bMCRuooiZGGv8FXdDjHxz2MDxhwa63DZ8BslI1A

quarta-feira, 3 de junho de 2020

E-book de Autocuidado



Caros leitores e fiéis seguidores,

Tem e-book novo saindo...em breve para download gratuito no meu site www.nutrologogoiania.com.br

Esse e-book é uma parceria que fiz alguns profissionais da área de saúde (psicólogos principalmente), explicando técnicas que podem favorecer bem-estar, saúde física e mental:

  • Mindfulness, 
  • Meditação transcendental, 
  • Trauma Release Exercises (TRE), 
  • Meditação Dinâmica, 
  • Exercícios de Tai Chi Chuan, 
  • Exercícios de Yoga, 
  • Respirações, 
  • Contemplações, 
  • Binaural beats
Em breve !

Os malefícios da privação de sono


Instagram: perfis que vale a pena seguir


As vezes o pessoal me pede indicação de perfis interessantes para seguir nas redes sociais.

Fiz um apanhado dos meus 60 preferidos.

https://www.instagram.com/abeso_evidenciasemobesidade/
https://www.instagram.com/abranbr/
https://www.instagram.com/acaciaestanislau/
https://www.instagram.com/advogadapalova/
https://www.instagram.com/agnaldo_cardiologia/
https://www.instagram.com/alexandreaguiarquiminutri/
https://www.instagram.com/andreheibel/
https://www.instagram.com/comerintuitivo/
https://www.instagram.com/desire.coelho/
https://www.instagram.com/doutorsemmoda/
https://www.instagram.com/dr.albertodiasfilho/
https://www.instagram.com/dr.alexandrepintodeazevedo/
https://www.instagram.com/dr.audie/
https://www.instagram.com/dr.hirose/
https://www.instagram.com/dr.zorzo_nutrologo/
https://www.instagram.com/dra.fernandasallesr/
https://www.instagram.com/dra.isoldaprado/
https://www.instagram.com/dra.patriciapeixoto/
https://www.instagram.com/dradaniellacosta/
https://www.instagram.com/drajulianagarciad/
https://www.instagram.com/dralexandreplaza/
https://www.instagram.com/dramandanutrologia/
https://www.instagram.com/dranataliajatene_endocrino/
https://www.instagram.com/drarenatamachado/
https://www.instagram.com/dratacianaborges/
https://www.instagram.com/draugustomargon/
https://www.instagram.com/drbrunohalpern/
https://www.instagram.com/drflaviocadegiani/
https://www.instagram.com/drgiorelli/
https://www.instagram.com/drharoldofalcao/
https://www.instagram.com/drjoaomota/
https://www.instagram.com/drjuanbernard/
https://www.instagram.com/drmarciomancini/
https://www.instagram.com/drnutrologo/
https://www.instagram.com/drtiagoqueiroz/
https://www.instagram.com/dryurigaleno/
https://www.instagram.com/endocrinologistamariliazanier/
https://www.instagram.com/gdpimentel/
https://www.instagram.com/guiartioliusp/
https://www.instagram.com/guilhermeschweitzernutri/
https://www.instagram.com/jeffbitencourtnutricionista/
https://www.instagram.com/jhonescarneiromedico/
https://www.instagram.com/joaopaim_nutricao/
https://www.instagram.com/karolcalfa_nutrologa/
https://www.instagram.com/leandromarques.nutrologia/
https://www.instagram.com/lulancha/
https://www.instagram.com/medicosnacozinha/
https://www.instagram.com/minutodesaude/
https://www.instagram.com/moreira.isis/
https://www.instagram.com/murilodattilo/
https://www.instagram.com/nutricaocomportamental/
https://www.instagram.com/nutriricardodurante/
https://www.instagram.com/nutrologiabrasil/
https://www.instagram.com/nutrologorafael/
https://www.instagram.com/pistarinosergio/
https://www.instagram.com/rodrigolamoniernutri
https://www.instagram.com/saudehonesta/
https://www.instagram.com/sbemnacional/
https://www.instagram.com/tatianaabrao/
https://www.instagram.com/valentim_nutri/





segunda-feira, 1 de junho de 2020

9 pilares da roda da saúde

Dê uma nota de 0 a 10 para cada um desses pilares. Depois discuta com o seu médico ou psicoterapeuta.