terça-feira, 27 de agosto de 2019

Carnes alternativas (a base de vegetais) podem fazer parte de uma dieta saudável e sustentável?


Os alimentos ricos em carne vermelha, especialmente carnes processadas, têm sido associados a uma ampla gama de conseqüências para a saúde, incluindo obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. 

Com base em uma revisão abrangente das evidências epidemiológicas, a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer da Organização Mundial da Saúde classificou carnes processadas, como salsichas, bacon e salsichas como carcinogênicas para o homem para câncer colorretal, e carnes vermelhas não processadas, como carne bovina e carne de porco, como "provavelmente cancerígeno". 

Além disso, existe uma crescente preocupação de que a produção industrial de carne possa contaminar recursos naturais, incluindo rios, córregos e água potável, com nutrientes de lagoas de resíduos animais e escoamento. 

Existe também a preocupação de que a criação de gado possa levar à perda de florestas e outras terras que fornecem valiosos sumidouros de carbono, bem como a grande quantidade de emissões de gases de efeito estufa que contribuem para as questões ambientais e climáticas em andamento. 

É claro que, tanto para a saúde humana como para a saúde dos recursos naturais e do planeta, é necessário um sistema alimentar sustentável que desloque a população global para mais alimentos à base de plantas e menos alimentos de origem animal.

Padrões alimentares predominantes em frutas minimamente processadas, vegetais, grãos integrais, nozes, soja e outras leguminosas têm sido recomendados para melhorar a saúde humana e a sustentabilidade ambiental. 

Nesse meio tempo, uma variedade de produtos alimentícios à base de plantas foi desenvolvida para substituir aqueles tradicionalmente feitos de animais. 

Esses produtos incluem tanto alternativas lácteas (por exemplo, “leites” de soja e nozes) quanto alternativas de carne na forma de hambúrgueres, salsichas e outros produtos semelhantes à carne feitos a partir de componentes amplamente processados ​​à base de plantas. 

Embora esses produtos forneçam mais alternativas baseadas em plantas para alimentos de origem animal, eles não são necessariamente destinados a imitar a experiência sensorial real do consumo de carne.

Uma nova geração de alternativas de carne à base de vegetais (PBMAs) entrou no mercado. 

Estes produtos são projetados especificamente para imitar o sabor e a experiência de comer carne, enquanto são comercializados como uma maneira de acelerar a mudança de produtos baseados em animais. 

Mas os PBMAs devem ser considerados parte de uma dieta saudável com baixo teor de carbono (uma que visa reduzir os gases de efeito estufa devido aos métodos de produção, embalagem, processamento, transporte, preparação e desperdício de alimentos) que podem ajudar a reduzir a dependência da produção industrial de carne ? 

A resposta a essa pergunta permanece longe de ser clara, dada a falta de estudos rigorosamente desenhados e financiados independentemente.

Neste ponto, 2 empresas dominam o cenário PBMA. A Impossible Foods e a Beyond Meat oferecem hambúrgueres, que agora estão disponíveis em várias cadeias de restaurantes de fast food, supermercados e outras entidades de alimentos, principalmente na América do Norte. 

Projetados para imitar o gosto e a experiência de comer carne, esses novos produtos visam atrair uma base de consumidores mais ampla do que os demógrafos vegans ou vegetarianos relativamente menores que tinham sido mais frequentemente alvo de alternativas anteriores a produtos animais.

Por seu clima de elogios e benefícios de recursos naturais e seu mimetismo exclusivo de carne, PBMAs atraiu atenção significativa do consumidor. 

A Avaliação do Ciclo de Vida recente encomendado pelo Beyond Meat descobriram que o Beyond Burger gera emissões de gases 90% menos gases de efeito e requer 46% menos energia, 99% menos água e 93% menos uso da terra em comparação com um hambúrguer feito de carne bovina dos EUA, de liderança para a conclusão de que os PBMAs provavelmente terão menos efeitos ambientais do que a produção industrial de carne bovina com base nas métricas analisadas. 

No entanto, a robustez desta conclusão merece estudos adicionais.

Embora fatores ambientais possam e devam ser fortes motivadores da escolha de alimentos, é igualmente importante considerar os efeitos dos PBMAs na saúde humana. 

É importante ser cauteloso ao extrapolar diretamente os potenciais benefícios encontrados em pesquisas anteriores sobre alimentos à base de plantas e padrões alimentares para PBMAs, dada a sua natureza altamente processada. 

Ensaios clínicos randomizados demonstraram que a substituição de carne vermelha por nozes, legumes e outros alimentos protéicos vegetais reduz os níveis de colesterol total e lipoproteína de baixa densidade. 

Estudos epidemiológicos de longo prazo também mostraram que essa mudança de carne vermelha para alimentos vegetais está associada a menores riscos de doenças crônicas e mortalidade total. 

No entanto, os PBMAs incorporam proteína vegetal purificada em vez de alimentos integrais, com a Beyond Burgers usando isolado de proteína de ervilha e hambúrgueres impossíveis usando isolado e concentrado de proteína de soja. 

Um recente estudo de alimentação controlado de curto prazo descobriu que o consumo de dietas ricas em alimentos ultraprocessados ​​provoca excesso de ingestão calórica e ganho de peso.

Além da criação de produtos caloricamente densos e altamente palatáveis, o processamento de alimentos também pode levar à perda de alguns nutrientes e fitoquímicos naturalmente presentes nos alimentos vegetais.

Enquanto os hambúrgueres Beyond Meat and Impossible Foods são mais baixos em gordura total e saturada do que um hambúrguer de carne bovina e contêm zero colesterol (eles são semelhantes em calorias e proteínas), eles também são mais ricos em sódio. 

Sem estudos adicionais, não há evidências para comprovar que essas diferenças de nutrientes por si só oferecem um benefício significativo à saúde. 

De fato, os PBMAs são mais ricos em gordura saturada em comparação com a maioria das fontes de proteínas vegetais minimamente processadas, como feijões e lentilhas.

Ao avaliar os efeitos sobre a saúde dos PBMAs, também é necessário considerar como esses produtos são consumidos. 

Por exemplo, esses populares hambúrgueres PBMA são frequentemente consumidos em ambientes de fast food, onde podem ser colocados em um pão refinado com uma variedade de coberturas, servidos com batatas fritas e até mesmo uma bebida açucarada. 

Assim, não é possível supor que a substituição de um hambúrguer de PBMA por um hambúrguer melhora a qualidade geral da dieta.

Além disso, outra preocupação exclusiva do Impossible Burger deve ser considerada. 

Este produto contém grandes quantidades de heme (uma molécula contendo ferro) de plantas de soja adicionadas ao hambúrguer para melhorar o sabor e a aparência do produto. 

A ingestão mais elevada de ferro heme tem sido associada ao aumento das reservas de ferro no organismo e ao risco elevado de desenvolver diabetes tipo 2. 

Para responder a perguntas sobre os efeitos dos PBMAs sobre a saúde e o papel que os PBMAs podem desempenhar em uma dieta sustentável de baixo carbono, são necessários estudos rigorosamente planejados e financiados independentemente. 

Embora não seja viável a realização de grandes ensaios de longa duração sobre desfechos de doenças, ensaios de intervenção de curto prazo podem ser realizados para comparar os efeitos desses produtos com produtos animais convencionais e fontes de proteína vegetal minimamente processadas sobre o risco cardiometabólico e outros fatores, como o microbioma. 

Além disso, tanto a intervenção quanto os estudos observacionais devem ser realizados para examinar como o consumo de PBMAs influencia a qualidade geral da dieta, a ingestão calórica, o estado nutricional e o peso corporal dos indivíduos. 

Além disso, no nível da população, será importante examinar se um aumento no consumo de PBMAs realmente leva a uma redução significativa no consumo de carne vermelha.

Um grande desafio no estudo de alternativas à carne é que suas formulações e conteúdos de nutrientes podem mudar rapidamente devido a rápidas inovações tecnológicas e reformulações de produtos. 

Embora hambúrgueres e outros substitutos de carne vermelha possam ser os produtos mais amplamente disponíveis até o momento, outros PBMAs estão sendo introduzidos ou desenvolvidos, incluindo aqueles que imitam aves ou peixes. 

Outra linha de produtos no horizonte é a carne, aves e peixes cultivados em laboratório (ou cultivados), que utiliza tecnologias baseadas em células para cultivar e cultivar células de animais, produzindo produtos animais sem criar e abater o animal. 

Embora todas ou algumas dessas tecnologias alternativas de carne possam representar uma oportunidade significativa para reduzir os gases de efeito estufa que alimentam as mudanças climáticas, elas também podem representar uma grande ruptura nos sistemas de alimentos, agricultura, e pesca, o que poderia ter importantes implicações em saúde pública, ambiental e regulatória.

Embora o consumo de carne vermelha nos Estados Unidos tenha declinado continuamente por décadas e tenha permanecido estável nos últimos anos, aumentou acentuadamente em todo o mundo, especialmente em países de renda baixa e média.

A demanda global por carne, bem como as necessidades energéticas, continuará a aumentar nas próximas décadas. 

Paralelamente à rápida transição nutricional, a carga global de obesidade e doenças crônicas relacionadas à dieta tem aumentado consideravelmente. 

Os PBMAs podem ter algum papel na melhoria da saúde humana e planetária, mas não há evidências que sugiram que eles possam substituir dietas saudáveis ​​focadas em alimentos vegetais minimamente processados. 

Políticas nutricionais e orientações dietéticas devem continuar a enfatizar uma dieta rica em alimentos vegetais, como nozes, sementes e leguminosas ou leguminosas, que são ricas em proteínas e muitos outros nutrientes, mas requerem pouco processamento industrial. 

Opções mais tradicionais, como tofu, seitan e tempeh, também podem ser usadas para diversificar as alternativas à carne.

Para atender ao desafio sem precedentes de alimentar uma dieta saudável e sustentável para cerca de 10 bilhões de pessoas até 2050, relatórios recentes recomendam uma redução substancial no consumo de carne vermelha e a mudança para padrões alimentares baseados principalmente em plantas.

As inovações tecnológicas são vitais para a criação deste sistema, mas será importante manter-se vigilante para garantir que esses novos produtos sejam benéficos para a saúde humana, bem como para a saúde do planeta, e para entender e considerar quaisquer conseqüências não intencionais.

“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho

Proteína de origem vegetal relacionada a maior longevidade

Maior consumo de proteínas à base de plantas - como as encontradas em cereais e leguminosas - está associado com menor risco de mortalidade, de acordo com um estudo observacional no JAMA Internal Medicine.

 Aproximadamente 70.000 pessoas com idade entre 40 e 69 anos no Japão completaram questionários de frequência alimentar.

Durante um seguimento médio de 18 anos, 18% morreram.

 Maior ingestão de proteína vegetal foi associada com menor risco de mortalidade (razão de risco para quintis 2-5: 0,84-0,89). 

Um padrão semelhante foi observado para mortalidade cardiovascular, mas não para mortalidade relacionada ao câncer.

Em contraste, o aumento da ingestão de proteínas totais ou baseadas em animais não foi associado à mortalidade.

A troca de 3% da energia da proteína animal pela proteína vegetal resultou em menor risco de mortalidade total, cardiovascular e relacionada ao câncer. 

As reduções de risco foram ainda maiores quando substituímos as carnes processadas por vegetais

Os autores dizem que a falta de uma associação entre proteína animal e mortalidade pode ser porque o consumo animal é geralmente menor no Japão do que nos EUA, e a principal proteína animal é o peixe.

Eles concluem: "Nosso estudo sugere que incentivar dietas com maior ingestão de proteína baseada em vegetais pode contribuir para a saúde e a longevidade a longo prazo"

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Guia dos Disruptores Endócrinos

Foi lançado durante o Congresso Brasileiro de Atualização em Endocrinologia e Metabologia de 2019, o Guia aos Disruptores Endócrinos em português. 

O guia consiste em uma iniciativa conjunta da Endocrine Society e o IPEN, que é uma rede global composta por 700 organizações não-governamentais. 

A apresentação do Guia foi feita na manhã desta quinta-feira, na conferência Global Health Impacts of Exposure do Tendcrine-Disrupting Chemicals, realizada pela Dra. Michele Andrea La Merril (USA), uma das autoras.

Para que o material fique disponível para todos os sócios, população e imprensa,  Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia liberou o arquivos em PDF para ser baixado gratuitamente: Guia dos Disruptores Endócrinos: https://www.endocrino.org.br/media/uploads/PDFs/ipen-intro-edc-v1_9h-pt-print.pdf

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Documentário What the health


A postagem abaixo foi extraída do facebook do Dr. Bruno Halpern, médico endocrinologista. Achei interessante pois com o advento da internet, redes sociais, youtube e netflix, muita informação em saúde circula e quem é leigo não consegue distinguir o que tem realmente evidência científica, daquilo que não passa de achismo. Ou indo mais além, extrapolações de estudos in vitro para a saúde humana. 

Quem me acompanha e me segue nas redes sociais desde 2009 sabe que já fui vegetariano e uma boa parcela dos meus pacientes no consultório são vegetarianos. Que o motivo pelo qual sou a favor do vegetarianismo é exclusivamente ambiental. Acredito que a redução do consumo de carnes pode sim auxiliar a reduzir os impactos ambientais e minimizar o sofrimento animal. 

Nutricionalmente não vejo superioridade da dieta vegetariana à dieta onívora ( a qual sigo hoje). Ambas tem riscos se não tiverem equilíbrio. A vegetariana com os riscos nutricionais (B12, Ferro) e a Onívora com o risco de desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, caso tenha excesso de carboidratos simples, gorduras saturada, gordura trans, alimentos industrializados. 

Acredito que a pessoa deva seguir a dieta que te faz bem e não lesa a própria saúde. É possível ter uma dieta vegetariana equilibrada desde que se faça suplementação de B12. Tenho centenas de pacientes que assim o fazem e estão bem do ponto de vista metabólico. 

O que não concordo é com o fanatismo e xiitismo de alguns grupos de vegetarianos. Muito menos com utilizar dados fakes ou baixo nível de evidência científica para fazer terrorismo e tentar "converter" onívoros. Isso é errado. Ninguém muda ninguém, ao longo desses anos tenho percebido isso claramente na prática clínica. 

Abaixo a tradução do Dr. Bruno Halpern do texto do profissional da saúde Ted Kyle do Site https://conscienhealth.org/

Att

Dr. Frederico Lobo
Médico Nutrólogo
CRM-GO 13192 | RQE 11915

Sobre o documentário What the Health

Muito cuidado com alguns documentários sobre saúde que, passando em uma rede de streaming conhecida, podem parecer de alta credibilidade. E nem sempre é assim. No caso do “What the health” trata-se de um manifesto vegano, com evidências que não passam nem no mais básico escrutínio científico. 

👉Ted Kyle, do @conscienhealth apontou alguns erros que o tornam um “auto de fé” #vegano e não um documentário científico.

1 - Não, carnes processadas não são tão perigosas como o cigarro. Apesar da OMS ter colocado os processados como provavelmente carcinogênicos, o consumo excessivo pode aumentar em 16% o risco de câncer de cólon. Cigarro aumenta a prevalência de diversos cânceres na ordem de 4000%.

2 - Ovos não são perigosos como o cigarro! Cigarro matará, direta ou indiretamente, dois em cada 3 fumantes. Ovo está muito distante disso e o consumo moderado é nutritivo e seguro. Inclusive, o #colesterol que comemos não é a principal fonte de produção de colesterol no nosso corpo.

3 -Leite não causa câncer. Há diversas metanálises (compilações de estudos) que mostram de maneira clara que essa relação não existe. E evidências indiretas ligam o #leite #iogurte e derivados a um risco reduzido de obesidade, diabetes e risco cardiovascular.

4 - Peixes não irão te "envenenar". Infelizmente, é verdade que peixes em topo de cadeia alimentar (cação, peixe espada e um pouco menos o atum), podem conter maior quantidade de mercúrio e por isso de fato se recomenda moderação no consumo desses peixes (não mais de 1 vez por semana). Porém, outros peixes continuam sendo muito saudáveis, com gorduras benéficas (embora ômega3 em quantidades benéficas seja difícil de encontrar em peixes no Brasil).

👉Ted Kyle termina seu texto dizendo:
"Quando as linhas entre fatos, presunções e opiniões se confudem, a ciência se torna política. A propaganda (que tem um viés proposital de persuasão) invade o documentário. What the health é mais propaganda que documentário. Uma opção individual por uma dieta vegana pode ser uma opção saudável e pode ajudar a reduzir a pressão que estamos fazendo na Terra. Porém, propaganda corrompe mesmo causas nobres."


segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Vigitel Brasil 2018

O Vigitel, Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico, é realizado desde 2006, em todas as capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal e apresenta dados epidemiológicos da população brasileira.

A atualização com dados do ano de 2018 acaba de ser publicada. Entre as informações, podemos destacar os índices de obesidade que chegaram a 19,8% da população, sendo 18,7% entre homens e 20,7% entre as mulheres. Além disso, a pesquisa demonstra que apenas 33,9% da população consome quantidade igual ou maior que 5 porções de frutas ou hortaliças por dia.

Link: https://nutritotal.com.br/pro/wp-content/uploads/sites/3/2019/08/vigitel-brasil-2018.pdf

Livro - Além da Nutrição - ABRAN 2019



A  ABRAN publicou uma obra intitulada “Além da Nutrição: O impacto da nutrição materna na saúde das futuras gerações”. 

O livro foi escrito com muita cautela, todo embasado em evidências robustas e aceitas na comunidade cientifica, trazendo as principais informações sobre os benefícios da suplementação durante as fases de planejamento, gestação e amamentação.

O livro é fruto do trabalho realizado por renomados profissionais da saúde, com o reconhecimento científico da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) e apoio da Bayer.

Link para download. Clique aqui. 

domingo, 18 de agosto de 2019

Quem pode se denominar Nutrólogo ?


Deseja saber se o seu médico é realmente Nutrólogo? Leia esse texto de minha autoria: http://www.nutrologogoiania.com.br/a-nutrologia/seu-medico-e-nutrologo/

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Gases intestinais

Talvez uma das queixas mais frequentes no meu consultório seja essa: Gases e distensão abdominal. Há anos venho me aprofundando no estudo desse sintoma, elaborando protocolos de investigação e tratamento em conjunto com outros Nutrólogos e a participação de amigos nutricionistas.

É uma queixa muito comum e muitas vezes negligenciada por alguns profissionais: médicos e nutricionistas. E muitas vezes por pura ignorância acreditam que dar probióticos pode melhorar o quadro, quando na verdade pode é piorar.

Nos últimos 3 anos é raro um dia que não atendo alguém com essa queixa. Brinco que virou o meu feijão com arroz no consultório.

Abaixo posto um vídeo de um amigo (Dr. Joffre Rezende Neto) que esclarece de forma clara e didática as principais causas de gases e distensão abdominal.

O nutrólogo geralmente é capacitado para investigar o sintoma e instituir um tratamento adequado de acordo com a etiologia. Só depois que o paciente apresenta um diagnóstico (que somente o profissional médico pode dar) encaminhamos para o Nutricionista.


quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Déficit de micronutrientes pode ser muitas vezes o único sinal de doença celíaca

Em muitos casos, os adultos com doença celíaca não diagnosticada apresentam deficiências nutricionais como o único sinal da doença. Os médicos costumam procuram por sinais típicos como perda de peso inexplicável ou magreza extrema. Mas os sinais característicos da doença celíaca podem ser baixos níveis de vitaminas e outros micronutrientes, segundo um estudo recentemente publicado no Proceedings da Mayo Clinic.

“As pessoas têm ideias preconcebidas de como é a doença celíaca. Elas esperam ver pacientes que, por causa da má absorção de nutrientes e da diarreia, fiquem magros com muitas deficiências. Entretanto, observamos muitos pacientes que não perderam peso (e muitos que estão com sobrepeso), mas que ainda apresentam deficiências de micronutrientes. Ao mesmo tempo que eles não estão perdendo calorias, também não estarão absorvendo alguns nutrientes vitais.”, explicou o coautor do estudo, Joseph Murray, professor de medicina da Mayo Clinic, em Rochester, Minnesota, nos Estados Unidos.

Baixos níveis de nutrientes

De acordo com o estudo, isso significa que os médicos precisam estar atentos a baixos níveis de certos micronutrientes, em particular de ferro, vitamina D e zinco. Como muitos pacientes não fazem exames de sangue regulares, eles podem apresentar fadiga, sintoma clássico de falta de ferro no organismo.

“É um sintoma muito comum. As pessoas chegam e dizem que não têm a energia que costumavam ter, seja durante exercícios ou atividades diárias. Isso mostra que elas podem ser deficientes em ferro devido à doença celíaca oculta”, diz Joseph Murray.

O procedimento inicial é realizar um exame de sangue. “Se isso voltar positivo, significa que o paciente precisa ser encaminhado para um especialista gastrointestinal, uma vez que é preciso ter certeza para chegar a um diagnóstico que exigirá tratamento ao longo da vida”, destaca o médico.

Joseph Murray suspeita que até 50% dos adultos com doença celíaca não são diagnosticados porque não apresentam perda de peso e outros sinais e sintomas considerados típicos da doença. Ou também porque eles se colocaram em uma dieta sem glúten, que pode distorcer os resultados do exame de sangue.

Metodologia

Joseph Murray e seus colegas estudaram 309 adultos recém-diagnosticados com doença celíaca entre 2000 e 2014. Os pacientes foram selecionados por idade com os participantes do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES), um banco de dados representativo nos Estados Unidos.

Quando os pesquisadores compararam os pacientes celíacos recém-diagnosticados com os participantes do NHANES, encontraram algumas grandes diferenças nos níveis de nutrientes. O zinco foi deficiente em 59,4% daqueles com celíaca versus 33,2% dos controles e o cobre ficou baixo em 6,4% dos pacientes celíacos versus 2,1% dos controles. Já o ácido fólico ficou baixo em 3,6% dos pacientes celíacos versus 0,3% dos controles e, por fim, a vitamina B12 ficou baixa em 5,3% dos pacientes celíacos versus 1,8% dos controles.

Entre os pacientes celíacos, o nível de ferro ficou baixo em 30,8%, mas não houve controles com medidas de ferro para comparações. E, ao contrário dos pressupostos tradicionais sobre celíacos e magreza, a perda de peso foi observada em apenas 25,2% dos pacientes diagnosticados com a enfermidade.

Conclusões do estudo

Joseph Murray espera que o novo estudo sirva de alerta para que os médicos da atenção primária possam notar deficiências nutricionais em seus pacientes. Ele os adverte para lembrar que “só porque alguém está acima do peso não significa que eles não tenham doença celíaca”.

Autora: Úrsula Neves - Jornalista carioca. Diretora executiva do Digitais do Marketing, colunista de cultura e maternidade dos sites Cabine Cultural e Feminino e Além, respectivamente.


Epidemia de obesidade atinge populações da América Latina e do Caribe

As populações da América Latina e do Caribe estão sendo vítimas de uma epidemia de obesidade. Os dados são da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da agência da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Ao mesmo tempo, aumenta também o número de pessoas que apresenta casos de má nutrição alimentar na região.  

“A obesidade afeta quase 25% da população e 60% dos habitantes têm sobrepeso na América Latina e no Caribe”, destaca o relatório “Perspectivas agrícolas 2019-2028”, redigido pelas duas instituições.

O documento aponta que o “triplo ônus da má nutrição, uma mescla de subalimentação, obesidade e falta de micronutrientes, cria um problema de saúde pública cada vez mais grave. E o fenômeno parece seguir avançando, especialmente para os setores mais pobres da população, as mulheres, as populações autóctones, as pessoas de ascendência africana e as crianças”.

Taxas comparáveis a países ricos

As taxas de sobrepeso e de obesidade na América Latina e no Caribe, claramente superiores ao nível médio mundial há mais de 40 anos, são comparáveis à dos países de alta renda.

Atualmente, a região fica na segunda posição na classificação mundial, atrás somente da América do Norte. Ao mesmo tempo, apesar do excedente na produção agrícola e alimentar na América Latina, a quantidade de pessoas em situação de insegurança alimentar aumentou pelo terceiro ano consecutivo.

No entanto, mais do que a disponibilidade dos alimentos, o custo para os consumidores pobres é o que explica a agravamento da situação, de acordo com os analistas.

“A América Latina e o Caribe vivem uma verdadeira epidemia de sobrepeso e obesidade. Contudo, diferentemente dos países desenvolvidos, é improvável que esses países tenham condições econômicas de lidar com as epidemias de doenças causadas pela obesidade, que provavelmente ocorrerão caso a enfermidade não seja fortemente e prontamente combatida”, destaca Flávio Cadegiani, mestre e doutor em Endocrinologia Clínica pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM).  

Ainda segundo o especialista, a América Latina passou a apresentar uma epidemia de obesidade quando deixou de priorizar a alimentação local e se rendeu às grandes redes de fast-food e de alimentos ultraprocessados. 

“Ao contrário do que inicialmente se imaginaria, a coexistência entre insegurança alimentar e obesidade não é necessariamente um paradoxo. Na verdade, é uma sequência natural do desenvolvimento humano. Na maior parte das populações, a alimentação farta e descontrolada é um ode ao acúmulo para pessoas que já viveram períodos de insegurança alimentar. Somente com a estabilização do provimento de comida por, ao menos, uma a duas gerações que a abundância e o entendimento cultural do pensamento de “quanto mais se comer melhor” passará a perder força. Aconteceu assim com os imigrantes europeus pós-guerra, que imigraram para a América (inclusive no Brasil). A cultura da obesidade como a beleza a ser atingida é um fator de atração que ainda tem força em determinadas populações da África, por exemplo”, analisa Cadegiani.

Recomendações
O documento aponta algumas iniciativas de políticas públicas como a limitação da publicidade de alimentos e bebidas processados, assim como rótulos nutricionais detalhados nas embalagens, medida implementada pelo Chile, o imposto sobre os alimentos vinculado à saúde no México e a lei sobre alimentação nas escolas no Brasil.

Na opinião de Cadegiani, primeiramente os médicos precisam entender que a obesidade trata-se de uma doença real, grave, de grande componente genético, metabólico. E que seus portadores não são pessoas mais fracas, pois a atração por alimentos mais calóricos é mais intensa e a facilidade de armazenamento é maior. Ou seja, não se trata de uma doença em que se falar para o paciente “fechar a boca” vai trazer qualquer efeito positivo.

“Devido à grande epidemia e à altíssima prevalência, não somente os médicos especialistas, mas todos os médicos, incluindo médicos de família, têm que saber lidar e tratar (inclusive do ponto de vista medicamentoso), e saber encaminhar, somente quando necessário, para cirurgia bariátrica. É necessário um treinamento médico maciço no Brasil e uma cobrança maior com uma abordagem mais proativa dos médicos para prevenir o aparecimento de mais de 200 doenças decorrentes da obesidade em milhões de pessoas”, enfatiza o especialista em Endocrinologia.

Uma abordagem mais consciente pode ajudar nesta difícil missão, principalmente, em relação aos pacientes. As informações sobre alimentação e estilo de vida saudável devem vir após a ampla conscientização do que é obesidade e do que ela pode causar, uma vez que os indivíduos precisam entender as razões de comer menos alimentos muito calóricos, ultraprocessados, e com grande teor de carboidratos refinados e de gorduras más.

“A mensagem de que ‘sim, nós entendemos o quanto é difícil comer saudável em face da ampla oferta de alimentos que trazem prazer instantâneo e aliviam sentimentos, mas estamos aqui para ajudar efetivamente’ precisa sempre estar junto às campanhas de conscientização sobre a obesidade. E, claro, oferecer caminhos efetivos e verdadeiramente acessíveis àqueles que necessitam de ajuda”, defende Cadegiani.

Autora: Úrsula Neves
Jornalista carioca. Diretora executiva do Digitais do Marketing, colunista de cultura e maternidade dos sites Cabine Cultural e Feminino e Além, respectivamente.

Referências: https://nacoesunidas.org/onu-ve-epidemia-de-obesidade-na-america-latina-e-caribe/