terça-feira, 29 de março de 2016

Sensação de prazer e valor nutritivo do açúcar evocam circuitos neuronais distintos

Pode parecer surpreendente, mas entre se deliciar com sobremesas adoçadas com substâncias artificiais não calóricas e comer algo meio ruim, mas nutritivo, outros vertebrados (seres humanos podem ser uma exceção) escolhem a segunda opção. Isso acontece, de acordo com o neurocientista brasileiro Ivan de Araújo, da universidade norte-americana Yale, porque a percepção do prazer (hedônica) e da nutrição se dá por vias diferentes no sistema nervoso. Trata-se das partes ventral e dorsal do estriado, uma região do sistema subcortical, no miolo do cérebro. O achado, publicado em 25 de janeiro no site da revista Nature Neuroscience, é parte da busca pela morada da gula no cérebro, que o pesquisador vem empreendendo em colaboração com a neuroanatomista Sara Shammah-Lagnado, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), e a biomédica Tatiana Ferreira, da Universidade Federal do ABC (UFABC), além de outros pesquisadores radicados nos Estados Unidos (ver também Pesquisa FAPESP nº 147).

Em uma série de experimentos com camundongos, Araújo montou um sistema em que era possível dissociar aquilo que chegava ao organismo do sabor detectado na língua. Os animais lambiam um líquido adocicado de um bebedouro e recebiam soluções contendo açúcar (D-glicose) ou um adoçante sem conteúdo calórico (sucralose) injetadas diretamente no sistema digestivo. Os resultados mostraram que o sistema estriado ventral se deixa enganar pelo sabor e libera dopamina – neurotransmissor ligado ao sistema de recompensa – mesmo quando o animal recebe apenas adoçante artificial. O estriado dorsal, por outro lado, só reage a açúcar, independentemente do sabor.

Os pesquisadores fizeram uma sucessão de experimentos para deslindar os circuitos neuronais. Mesmo naquele em que o sabor doce era disfarçado por uma substância amarga, a solução de açúcar se mostrou atraente para os roedores, que produziam mais dopamina em resposta ao aporte de energia. Em situações nas quais as duas vias recebem informações contraditórias, o pesquisador mostrou que a reação da dorsal se sobrepõe.

É mais um indício de que o apetite pelo doce faz parte de uma estratégia de sobrevivência quase tão antiga quanto a vida, como Araújo já reiterava em trabalhos anteriores. É um sistema de reforço, segundo ele, que evoluiu ligado às necessidades nutricionais dos organismos e leva o animal a repetir o comportamento sempre que possível. “Os estriados ventral e dorsal são evolutivamente bem conservados, todos os vertebrados expressam essa divisão”, explica, sugerindo que os resultados observados em camundongos podem valer para outros animais também. Inclusive as pessoas, até certo ponto. “Nós aprendemos a associar valores hedônicos com o aspecto nutricional”, relativiza. “O mercado produz produtos agradáveis, do contrário ninguém compraria.”

A ativação dos circuitos estriados pela ingestão de açúcar, com consequente liberação de dopamina, tem um efeito forte na ativação de circuitos motores de ingestão e mastigação, de maneira que o combate ao consumo de açúcar é uma luta inglória. É uma justificativa para quem comete a incoerência de pôr adoçante no café enquanto come uma torta de chocolate.

Projeto
Caracterização dos microcircuitos neurais reguladores das compulsões por carboidratos (nº 13/09405-3); Modalidade Bolsa no exterior – Pós-doutorado; Beneficiário Tatiana Lima Ferreira (UFABC)

Artigo científico
TELLEZ, L. A. et al. Separate circuitries encode the hedonic and nutritional values of sugar. Nature Neuroscience, on-line, 25 jan 2016.

Fonte: http://revistapesquisa.fapesp.br/2016/01/25/sensacao-de-prazer-e-valor-nutritivo-do-acucar-evocam-circuitos-neuronais-distintos/

domingo, 20 de março de 2016

Alimentação na gravidez e na amamentação - O que pode causar cólicas ou alterar o aleitamento


Recentemente minha irmã teve filho e eu sou o padrinho. Fui o primeiro a saber e como irmão (médico) e futuro padrinho, fiz o acompanhamento durante toda a gestação. Realizei a suplementação, estimulei o parto normal e expliquei que a amamentação não era uma tarefa fácil. Dito e feito: o parto normal foi tranquilo, mas a amamentação foi complicada. Nos primeiros dias a Fonoaudióloga (especialista na área) do banco de leite teve que auxiliá-la. Sem muito sucesso, ela recorreu aos cuidados de uma pediatra especialista em amamentação (Dr. Sônia de Brasília, fundadora do banco de leite do Hospital de Taguatinga). Após a saga, meu afilhado aprendeu a mamar e está ganhando peso.

Vale ressaltar que o alimento mais completo para o neném até os 6 meses é o leite materno. Mas a mamãe deve fazer por onde, objetivando que seu leite tenha uma boa composição, rica em todos os nutrientes que o bebê precisa. Ingerir muito líquido (no mínimo 40ml/kg/dia de água), ter uma alimentação equilibrada, sem privação de nenhum macronutriente (gordura, carboidrato e proteínas), além do consumo de alimentos ricos em vitaminas e minerais. Eu particularmente prefiro fazer a dosagem dos nutrientes e acompanhar minuciosamente tudo, com mudanças dietéticas e suplementação específica, quando necessária. Assim o fiz e assim tem funcionado. João Guilherme em menos de 1 mês já cresceu 5cm e ganhou 1kg.

O motivo do post é: Dr. O que eu devo evitar na amamentação? O que eu comer causa cólica no neném? 

Antes de tudo é preciso deixar bem claro, que AINDA não existe nenhuma referência na literatura médica que comprove, que alguns alimentos ingeridos pela mãe possam causar cólica no neném. Mesmo assim, algumas mães costumam observar que certos tipos de comida provocam cólicas na criança.

Minha orientação é: para evitar alteração na densidade nutricional da sua dieta e com isso evitar que você venha a ter algum déficit nutricional, sugiro que por 1 semana suspenda os principais alimentos relatados. Posteriormente inicie um a um a cada 3 dias e observe como o neném reage.

Alimentos que frequentemente as mães alegam causar cólica ou aumentar a irritabilidade no neném:

LEGUMINOSAS: feijões, ervilha, lentilha, grão-de-bico.  Feijões, vagem e soja.
Razões: Há 3 possíveis razões para causarem cólica nos nenéns.
1º - Os alimentos ricos em enxofre provocam gases na mãe e por empirismo algumas mães percebem que eles causam gases no neném.
2º - As leguminosas assim como os cereais são alimentos que contêm alguns tipos de carboidratos que não são absorvidos em nossa digestão (carboidratos fermentáveis), e por isso tendem a fermentar no intestino da mãe e supostamente passar para o leite, causando cólica no neném.
3º - Se a microbiota intestinal da mãe não estiver tão boa (com disbiose ou com supercrescimento bacteriano no intestino delgado), essa fermentação será maior. O leite é rico em probióticos que conseguem produzir toxinas que anulam os efeitos deletérios de bactérias patogênicas, que podem causar gases no neném. Essa hipótese é bem provável pois recentemente surgiu no mercado um probiótico composto por uma cepa de lactobacilos denominado L. reuteri. A indústria lançou um produto no mercado com a finalidade de reduzir cólicas nos nenéns e a composição é unicamente essa cepa. Os resultados são ótimos. (Por isso faço uso de probióticos em todas as minhas gestantes e lactantes e por isso estimulo o consumo de coalhada e iogurte).

CRUCÍFERAS: repolho, couve-flor, brócolis, couve-de-bruxelas, rabanete, espinafre, couve.
Razões: São ricas em enxofre.  Entra na mesma questão das leguminosas. Como são alimentos riquíssimos em nutrientes, em especial antioxidantes, sugiro cautela na suspensão. Apenas se a relação for clara. Consumiu e o neném teve gases.

LEITE E SEUS DERIVADOS: leite, queijo, iogurte, coalhada.
Razões: Há 3 possíveis razões mas nenhuma ainda certa.
1º - A lactose presente no leite e em alguns dos seus derivados pode causar gases na mãe e com isso esses gases passarem para o leite. Uma hipótese um tanto estranha.
2º - A questão da microbiota intestinal: o leite pode alterar beneficamente ou não a microbiota intestinal da mãe e com isso alterar a do neném. Uma hipótese mais plausível.
3º - As proteínas do leite de vaca são maiores que as do leite materno. Essas proteínas quando ingeridas para a mãe podem passar para o neném atrás do aleitamento. Acredita-se que elas possam promover um aumento dos movimentos do intestino (o chamado peristaltismo intestinal) e com isso levar à formação de gases, que se traduzem em cólicas.
Dica: Ficar uma semana sem lácteos, depois iniciar com os pobres em lactose (iogurte e coalhada). Se o neném não apresentar cólicas após 3 a 5 dias com a mãe consumindo, iniciar os queijos curados. Observar por 3 dias. Se não tiver sintomas: iniciar os demais lácteos e observar. A coalhada (principalmente a caseira) deve ser consumida com frequência, pois além de fonte de cálcio e proteína, é a melhor fonte existente de probióticos, o que poderá auxiliar na formação de uma microbiota intestinal saudável no neném.

CEBOLA:
Razões: é rica em fructano, um carboidrato fermentável e que pode causar gases na mãe e consequentemente no neném.
Dica: pode refogar a comida com a cebola, mas retire os pedaços após o óleo ou azeite “puxar’ o sabor da cebola.

FODMAPS: é um  acrônimo de Fermentable Oligo-Di-Monosaccharides and Polyols, são carboidratos de cadeia curta, de difícil absorção que, pelo seu poder osmótico, aumentam o volume de líquido na luz intestinal e são fermentados pelas bactérias do intestino, produzindo gazes.  Podem ser uma das causas de gases no neném, decorrente do consumo dos alimentos ricos em FODMAPS pela mãe. Pesquisas recentes apontam esses carboidratos como “vilões” para o desencadeamento dos sintomas da Síndrome do Intestino Irritável e outros distúrbios gastrintestinais funcionais — distúrbios que não podem ser atribuídos a anormalidades estruturais ou anatômicas e nem a alterações bioquímicas e metabólicas. Algumas lactantes optam por fazer uma dieta pobre em FODMAPS, mas há risco de déficit nutricional. Portanto deve ser feita apenas sob supervisão do médico e nutricionista.
Oligossacarídeos (frutano e galactano) são formados pela união de até 10 moléculas de monossacarídeos. Os frutanos, constituídos por uma cadeia curta de frutose ligada a uma molécula de glicose, não são absorvidos porque o intestino não tem a hidrolase específica para quebrar as ligações frutose-frutose. O trigo é a maior fonte de frutanos da dieta, mas eles estão também presentes na cebola, alho, aspargos, brócolis, beterraba e melancia. Os galactanos, formados por uma cadeia de galactose unida a uma molécula de frutose, também não são absorvidos, sendo então fermentados no intestino. Dentre outros alimentos, estão presentes no feijão, ervilha e soja.
Dissacarídeos (sacarose e lactose) são hidrolisados por enzimas presentes na mucosa intestinal. A sacarose (açúcar comum) é quebrada nos monossacarídeos frutose e glicose, facilmente absorvidos. A lactose é quebrada pela lactase, localizada na superfície das células intestinais, originando glicose e galactose, que também são absorvidas. Porém, quando existe deficiência de lactase, o que é frequente na população, ocorre má absorção de lactose. A tese de doutorado de Adriana Sevá Pereira, orientada por mim na UNICAMP, em 1981, demonstrou intolerância à lactose em 50% dos caucasoides, 85% dos negroides e em 100% dos mongoloides, na região de Campinas. A má absorção de lactose por deficiência de lactase apresenta a mesma proporção tanto em indivíduos saudáveis como em pacientes com Síndrome do Intestino Irritável, porém os sintomas são mais intensos nos pacientes com SII (Clinical Gastroenterology and Hepatology 2013;11:262). Com frequência, observamos isso na prática clínica: os indivíduos com deficiência de lactase, sem problemas digestivos, podem até tolerar a ingestão de um copo de leite por dia. Já, os pacientes com Síndrome do Intestino Irritável e com deficiência de lactase, ao ingerirem alimentos que contenham lactose, apresentam dor abdominal, meteorismo e diarreia.
Monossacarídeos (glicose, galactose, frutose) são absorvidos rapidamente. A frutose, quando presente em excesso em relação à glicose, é absorvida com dificuldade. Isto pode ocorrer com ingestão de grande quantidade de mel e de alguns sucos de frutas, como maçã, manga, pera, melancia.
Polióis (sorbitol, manitol, xilitol) adoçantes artificiais presentes em chicletes e balas sem açúcar e em algumas frutas (pera, maçã, abacate, manga) têm absorção lenta, por difusão passiva, através de poros no epitélio intestinal e são fermentados.

O QUE EVITAR NA AMAMENTAÇÃO?

CAFEÍNA: Alimentos e bebidas ricos em cafeína: café, chá-verde, erva mate e chá inglês.
A cafeína não causa realmente uma cólica, mas seu efeito atrapalha o bem-estar do bebê. Por ser estimulante, pode gerar agitação na criança, resultando em choros, o que as mães confundem com cólica.

CHÁS ESTIMULANTES: Chás de capim-limão, canela, hortelã. São estimulantes e favorecem as cólicas intestinais.

PEIXES DE VIDA LONGA: Devido a possível presença de metais tóxicos (principalmente mercúrio): salmão, atum. Dê preferência para sardinha e tilápia. A sardinha é rica em ômega 3, em especial o DHA, essencial para o desenvolvimento cerebral do neném.

CHOCOLATE:  Quando ingerido em grande quantidade pela mãe, ele pode ter efeito laxativo no neném. Motivo? Incerto, não se sabe se são pelas proteínas do leite presente ou pela concentração de cafeína.

ÁLCOOL: Passa pelo leite materno. Portanto proibidíssimo.

AMENDOIM E NOZES: Pelo potencial alergênico, alguns autores contraindicam a ingestão SE existir história familiar de alergia específica a essas duas oleaginosas. Posteriormente entre o 6º e 7º mês sugere-se que o neném ingira, na tentativa se evitar que ele venha a desenvolver alergia.

ALIMENTOS QUE ALTERAM O GOSTO DO LEITE: 

Alho (altera o gosto e o odor do leite, podendo o neném rejeitar o aleitamento). Frutas muito ácidas. Frutas com digestão lenta: melancia, manga e goiaba.

ALIMENTOS QUE PODEM REDUZIR O APETITE DO NENÉM: 


Salsa e hortelã pimenta.

FITOTERÁPICOS QUE PODEM ALTERAR A LACTAÇÃO OU CAUSAR DESCONFORTOS NOS NENÉNS.

Alcoachofra e espinheira-santa: reduzem o leite.
Babosa e quebra-pedra: causam diarreia no neném.
Arnica: tóxica para o neném.
Losna: tóxica para o neném.
Erva de santa maria (mastruz): tóxica para o neném.
Cavalinha: causa deficiência de vitamina B1 no neném e na mãe pela presença da enzima  tiaminasa.
Confrei: hepatotóxicas para o neném


Autor: Dr. Frederico Lobo - Médico (CRM-GO 13.192)




Alimentação na gravidez: o que evitar? por Dr. Flavio Melo - Médico Pediatra (CRM-PB 539 - RQE 3065)

A alimentação na gravidez muda, nem todos alimentos são indicados. A recomendação deve continuar sendo comer Comida de Verdade, mas com algumas restrições. Veja a lista. baseado no post do Authority Nutrition

Hoje vou listar abaixo, alimentos que toda grávida deve moderar ou evitar durante a gestação, para seu bem e do bebê.

1- Peixes com quantidade elevada de mercúrio

São peixes do mar, que pelo seu grande tamanho, podem acumular quantidades significativas desse metal: Tubarão, Cavala verdadeira, Peixe-espada e Atum (inclui o enlatado).

No máximo, 2 porções por mês.

Que peixes comer? Todos os outros, especialmente os do mar, 2-3x/semana.

2 – Peixe mal cozido (ceviche, por exemplo), peixe cru (sushi, sashimi) ou mariscos.

Podem conter agentes infecciosos como Norovirus, Listeria (especialmente arriscada para o bebê), Salmonela e parasitas.

3 – Carne mal passada, crua ou processada

Também podem conter diversos germes, como a Salmonela, E. coli, Listeria e Toxoplasma (cuidado extra!). As carnes processadas, como por exemplo, as salsichas, além da contaminação, também têm quantidades excessivas de sódio.

4 – Ovos crus ou mal cozidos

Podem ter a Salmonela. Cuidado também com molhos feitos com gema crua, coberturas de bolos com claras em neve, maionese caseira (cuidado com os food trucks!) e sorvetes caseiros (sorbet que não leva ovo tudo bem).

5 – Carnes de órgão

Fígado e outras carnes de órgão (moela) podem conter quantidades significativas de Vitamina A e cobre, que podem ser prejudiciais, principalmente no primeiro trimestre. Por outro lado, são fontes importantes de Colina, Vitaminas do Complexo B e Ferro, necessários para uma boa saúde da gestante e do bebê. Então, consumir no máximo 1 vez por semana, mas não deixar de comer!

6 – Cafeína

Grávidas devem limitar seu consumo de cafeína a no máximo 200mg/dia, o que daria de 2-3 xícaras de café por dia. Um alto consumo de cafeína durante a gestação pode limitar o crescimento fetal e causar baixo peso ao nascer.

7 – Brotos crus

Os brotos, como alfafa e broto de bambu, podem estar contaminados com a Salmonela, que pode estar em suas sementes. Cozidos não há problema em consumir.

8 – Hortaliças e frutas sem lavar

Podem conter bactérias como E.coli, Salmonela e Listeria, além do Toxoplasma.

9 – Leite cru e Laticínios não pasteurizados

Podem conter Listeria, Salmonela, E. coli e Campilobacter. A recomendação é consumir os produtos pasteurizados.

– “Ah, mas eu ouvi dizer que probióticos são ótimos…”

Os lactobacilos benéficos permanecem nos produtos lácteos industrializados pasteurizados, como o iogurte, a coalhada e o queijo.

10 – Álcool

– Tolerância ZERO. Simples assim.

11 – Alimentos ultra-processados – Comida Lixo

– Tolerância ZERO. Simples assim.

Um dos profissionais mais importantes na sua gestação, além do obstetra e do pediatra/neonatologista, é o nutricionista! ‪#‎comidadeverdade‬ , mas com cuidados especiais.

Compartilhem à vontade.

Fonte: http://www.pediatradofuturo.com.br/alimentacao-na-gravidez-o-que-evitar/


segunda-feira, 14 de março de 2016

Ácido fólico

Outros nomes: 5'-methyltetrahydrofolate, 5'-MTHF, Acide Folique, Acide Ptéroylglutamique, Acide Ptéroylmonoglutamique, B Complex Vitamin, Complexe de Vitamines B, Complexe Vitaminique B, Dihydrofolate, Folacin, Folacine, Folate, Folinic Acid, L-methylfolate, Methylfolate, Méthylfolate, Pteroylglutamic Acid, Pteroylmonoglutamic Acid, Pteroylpolyglutamate, Tetrahydrofolate, Tétrahydrofolate, Vitamina B9, Vitamina B9.

Absorção: em todo ID principalmente no terço proximal.

Excreção: urina e bile.


200mcg são reabsorvidos no ID diariamente. 

RDA e fontes:

Crianças, de 0 a 6 meses: 65 mcg (ingestão adequada)
Crianças, de 7 a 12 meses: 80 mcg (ingestão adequada)
Crianças, de 1 a 3 anos: 150 mcg (RDA)
Crianças, de 4 a 8 anos: 200 mcg (RDA)
Crianças, de 9 a 13 anos: 300 mcg (RDA)
Adolescentes, de 14 a 18 anos: 400 mcg (RDA)
Adulto
Homens e mulheres, 19 anos e mais velhos: 400 mcg (RDA)
Mulheres grávidas: 600 mcg (RDA)
Lactantes: 500 mcg (RDA)

Gérmen de trigo         520mcg em 100g
Farelo de trigo            330 mcg em 100g
Ovo de galinha, gema 130
Alga, fresca 180mcg em 100g
Salsa, fresca 116mcg em 100g
Agrião, cru 110mcg em 100g
Nozes 169mcg em 100g
Amendoim torrado 126mcg em 100g
Semente de papoula 100mcg em 100g
Semente de girassol 100mcg em 100g
Semente de gergelim 97mcg em 100g
Amêndoa 96mcg em 100g
Feijão soja, torrado 125mcg em 100g
Fígado, de galinha, cozido 391mcg em 100g
Proteina Texturizada de Soja (PTS) 340mcg em 100g
Fígado, de vitela, cozido 247mcg em 100g
Fígado, bovino, cozido 226mcg em 100g
Rim, bovino, cozido 177mcg em 100g
Fígado, suino, cozido 141mcg em 100g

Funções

1. Formação do tubo neural (fenda palatina, espinha bífida e danos cerebrais)
2. Coenzima em diversas reações de transferência de carbonos
3. Essencial na síntese de DNA e RNA.
4. Essencial na eirotropoiese.
5. Atua com a B6, B12 no metabolismo da homocisteína (Hcy)

Sinais de deficiência
  • Déficit é comum: alcoolismo, DII, Doença celíaca. 
  • Retardo no crescimento, glossite, gengivite, inapetência, dispnéia, diarréia, irritabilidade, rebaixamento do humor, déficit de memória e cognitivo.

Sinais excesso
  • Epigastralgia, alterações no sono (insônia e pesadelos), reações cutâneas, confusão mental, inapetência, náuseas, convulsões.
  • Pode ocasionar déficit de B12. 

Interações com medicamentos e nutrientes
  • Diminui a meia vida de: fenitoína, fenobarbital. Primidona: podendo favorecer convulsões. 
  • Diminui efetividade das tetraciclinas e da Pirimetamina (trocar por ácido folínico).
  • Aumenta os níveis de 5-fluoracil.
  • Antagonistas do ácido fólico: metotrexato, pirimetamina, triantereno, trimetoprim, sulfonamidas, cloranfenicol.
  • Drogas que diminuem a absorção de a.fólico:
  • Inibidores de H2;
  • Inibidores da bomba de prótons; 
  • Sequestrantes dos ácidos biliares: colestiramina; 
  • Anticonvulsivantes: fenobarbital, primidona e carbamazepina; 
  • Aines: ibuprofeno, naproxeno; 
  • Sulfasalazina; 
  • Cicloserina; 
  • Depletadores: contraceptivos orais, antituberculosos (RIP), álcool.
  • Diminui a absorção intestinal do Zinco.
  • A suplementação acima de 800mcg pode reduzir os níveis de B12. E mascarar a deficiência de B12. 

Indicações e possíveis usos
  • Prevenção de defeitos no tubo neural: usar 3 meses antes da gestação e no primeiro trimestre.
  • Reduz o risco de cardiopatias.
  • Reduz homocisteinemia. Níveis elevados de Hcy aumentam 1,7 vezes o risco de desenvolver doença arterial coronariana, e 2,5 vezes o risco de ter AVC.
  • Perda auditiva relacionada a idade.
  • Ação sinérgica com alguns antidepressivos pois entra como co-fator na síntese de alguns neurotransmissores.
  • Prevenção (via dieta) de câncer de: cólon, mama, colo do útero, pâncreas e estômago


quinta-feira, 10 de março de 2016

Mudança de Hábitos | Soninha Francine | TEDxJardinsSalon

A tal “Força de Vontade” para emagrecer. Cadê? Onde? Quando? Como?


Possivelmente todo mundo, ou quase todo mundo, já ouviu ou leu em algum momento que para emagrecer e seguir dietas precisamos ter força de vontade.

Escutamos sobre força de vontade no papo fitness de academia, durante avaliação física de muitos personal trainers, no consultório com o nutricionista, no consultório com o nutrólogo, com muitos endócrinos, nos papos de grupos de emagrecimento, nas fofocas em salões de beleza, nos “conselhos” de amigos que estão de dieta… Puxa, assunto tão falado! Deve ser verdade… Será mesmo?

(Cadê essa bandida da força de vontade que não aparece? Por onde anda essa tal força que todo mundo parece ter e você não? O que faz? O que come? Como vive? Sexta, no Globo Repórter. )

Tanto se fala na maltratada força de vontade para vencer a compulsão, a depressão, a ansiedade… E pouco se sabe sobre ela, de fato. A coitada é vomitada em qualquer conversa ou consulta, com o locutor crente e abafando de que falar dela é a resolução para os problemas da humanidade com a comida (ou sobre qual for o transtorno/problema).

A força de vontade provavelmente é o termo mais usado em consultórios e nos papos de dieta. Mais usado e mais mal empregado!! Dar um tapa na cara ou fazer a pessoa rolar escada abaixo e falar sobre ter força de vontade parecem ser a mesma coisa e parecem estar na moda.

Para viver? Tenha força de vontade.
Para vencer a compulsão? Tenha força de vontade.
Para parar de usar drogas? Tenha força de vontade.
Para combater a depressão? Claro, força de vontade.

Para falar bobagens para os pacientes e pessoas vulneráveis psiquicamente? Não precisa ter força de vontade, só não ser empático e ver o problema de maneira superficial mesmo.

A educação nutricional tradicional parte do conceito de que realizar algo (dietas, no caso) depende unicamente da posse, da vontade, por parte de uma pessoa. Da capacidade para seguir dietas.

Parece lógico. Parece verídico. Na realidade, é apenas um pensamento raso e medíocre. O que mais se encontra nos consultórios e academias são pessoas que possuem PLENA capacidade para fazerem algo, e ainda assim não conseguem fazer!

A conduta tradicional, diante dessa situação, normalmente segue duas opções de intervenção: Ou você comunica a pessoa que ela não tem força de vontade ou você “vê” que a pessoa não quer mudar e então não faz nada e “joga a toalha”, porque, afinal, a culpa vai cair sobre a pessoa em continuar gorda/fracassada/perdedora.

Vamos para uma terceira, e, lúcida, intervenção: A pessoa tem plena capacidade e possui também a vontade consciente de fazer algo, mas NÃO CONSEGUE por fatores INconscientes, conflitos comportamentais/alimentares familiares, fatores econômicos importantes, cultura, crenças e hábitos enraizados, estilo de vida, confusão psíquica com as informações que recebe da mídia e indústrias de alimentos/da moda, e claro, não menos importante, porque dietas realmente são incompatíveis com a mente e também pelas patadas que alguém recebe de pessoas que não compreendem a totalidade do problema em questão e o tratam de forma simplista.

É realmente difícil prosseguir quando alguém te empurra para o chão quando você tenta ser ouvido.

Nasce então a resistência com o tratamento tradicional da compulsão/obesidade/transtorno alimentar/ansiedade/depressão/(preencha aqui o problema)

Compreender a resistência, absolutamente natural por todos esses fatores, e trabalhá-la deveria ser padrão-ouro para conduzir um tratamento. E não forçar a pessoa a adquirir vontade (que ela já deve possuir) para seguir algo que ela não consegue. Aí temos a parte torturante do termo força de vontade: A pessoa é “forçada” a ter vontade. A vontade surge pela força. Principalmente, se associada a comentários humilhantes sobre seu corpo e sobre o que come, seja comentários ditos em consultório ou por conhecidos que estão aconselhando “pela sua saúde”.

Exemplo clássico: Uma pessoa não consegue dizer “NÃO” quando lhe oferecem comida, e então acaba comendo mais do que o seu limite interno de saciedade.

Até onde sabemos, a pessoa tem boca, possui a vontade de dizer, sabe articular palavras (não tem problema neurológico algum que impeça isso)… E, come o que oferecem, não conseguindo dizer o não, por resistência. VIDE FATORES ACIMA.

Ninguém não muda de hábitos alimentares porque não quer. Não muda porque naquele momento, mesmo sendo capaz e querendo, há consequências (pela resistência) reais e imaginárias que a pessoa ainda não consegue suportar ou lidar.

NÃO É UMA SIMPLES QUESTÃO DE FORÇA DE VONTADE.

Repitam conosco: Não é uma simples questão de força de vontade. #mantra

A resistência é um sintoma super, ultra, mega ignorado e perigosamente substituído pela fatigante “força de vontade”.

Seguir dietas e combater a compulsão são tratadas como uma questão de querer, de vontade, de foco. Sendo que o querer muitas vezes é um querer forçado por profissionais, por comentários gordofóbicos, por traumas psíquicos. Não é por livre-arbítrio. A mudança no comportamento alimentar deve ser resultado da relação da pessoa com o ambiente e da relação do sujeito com suas marcas e cicatrizes psíquicas.

Ou seja: dietas não funcionam. E se funcionassem, também não seria por meio da famosa força de vontade.

Eu quero uma casa no campo
Eu quero um pônei
Eu quero um campo de tulipas só para rolar nele
Eu quero um boneco de neve
Eu quero viajar no espaço
Eu quero a coroa da rainha da inglaterra
Eu quero jantar com o George Clooney
Eu quero movimentar objetos por telepatia
Eu quero 1 milhão de dólares para me divertir!
Eu quero um ganso dourado!

Esperamos que por meio desta lista, tenhamos conseguido deixar claro que QUERER não é PODER.
…Ou não necessariamente.

Podemos querer muitas coisas, mas ao contrário do que é dito em muitos discursos de autoajuda que vemos por aí, o UNIVERSO não vai nos conceder algo que queremos pelo mero fato da gente querer.

Razão n. 1: Podemos estar querendo algo inatingível ou esdrúxulo (como um ganso dourado… ou ter um corpo igual ao da modelo da revista)

Razão n.2: o processo não é tão simples. E QUERER é só o começo.

É preciso ir além do QUERER. O querer precisa se transformar em ATITUDE. E do querer até o agir existe um abismo de resistências.

Ok. Antes de qualquer coisa, precisamos verificar se aquilo que estamos QUERENDO é viável. Dizem por aí que nós podemos transformar todos os nossos sonhos e desejos em realidade.

Então…

Eu quero viajar no tempo!

…Não rola.

Assim como viajar no tempo é uma coisa que não vai acontecer, emagrecer todo o peso acumulado em uma vida não vai acontecer. E ter o corpo de OUTRA PESSOA não vai acontecer. E se curar de uma depressão de um momento para outro não vai acontecer. E conquistar sua independência financeira vendendo shakes não vai acontecer. E _____________ (escolha um milagre e preencha aqui) não vai acontecer.

Dito isto, quando nós queremos e determinamos uma meta PALPÁVEL, RAZOÁVEL e ATINGÍVEL precisamos passar para uma etapa que vai além do querer. E essa é a parte mais difícil.

Não basta dizer “basta ter força de vontade” ou “foco, força e fé” para que o problema seja resolvido.

O que normalmente acontece é que o mantra “foco, força e fé” suscita um sucesso aparente em algumas pessoas, mas a realidade é que elas mergulham num comportamento compulsivo e substituem uma dor por outra.

Ou seja, a obsessão por comida pode transmutar em uma (louca) obsessão por restrição alimentar e exercícios…

E a pessoa pára de pensar em comida o tempo todo, mas todo o sofrimento do desejo de emagrecer se converte em contar calorias, frequentar a academia SEM PODER faltar nunca, NUNCA se permitir desviar da dieta e a coisa toda vira um inferno mental vestido com outra roupa.

Para que possamos viver mudanças sustentáveis, verdadeiramente transformadoras, precisamos olhar de frente para o nosso sofrimento e ressiginificar crenças.

 (cadê a força de vontade agora?)

E isso não é um trabalho fácil. A VERDADEIRA mudança é um caminho pedregoso. Não é rápido. Exige muito diálogo interno e descobertas… Para que seja possível modificar um comportamento de maneira que isso não seja efêmero e temporário (ex. Uma dieta que dura semanas ou no máximo alguns meses)

LEMBRANDO QUE: de maneira nenhuma estamos advogando contra o pensamento positivo, a esperança e a fé. Tudo isso é válido, importante, eficaz e faz parte do processo. O que você não pode tomar como verdadeiro são os discursos de autoajuda mastigados que dizem que você pode manipular o Universo para que ele te presenteie com um unicórnio rosa-pink simplesmente porque você “merece”. Não somos tão especiais assim. E quando queremos resolver um problema, infelizmente não há solução mágica: isso dá trabalho.

Somos seres humanos complexos. Não espere que com “força de vontade” seus transtornos psíquicos se resolvam através de psicologia de boteco.

Autoras: Paola Altheia e Ana Perdigão.

Ps:Se você quiser refletir um pouco sobre força do hábito x força de vontade, assista o TED da Soninha Francine. Ela não fala sobre comida, mas a discussão é interessante.

Fonte: https://naosouexposicao.wordpress.com/2016/03/06/forca-de-vontade/

Pessoas obesas têm memória episódica pior, sugere estudo

O estudo é pequeno e se faz necessário um maior aprofundamento da questão, mas testes em 50 pessoas associaram o excesso de peso a pior "memória episódica", ou a capacidade de lembrar experiências passadas.

Publicado no Quarterly Journal of Experimental Psychology, o estudo afirma que memória menos viva de refeições recentes poderiam levar a excessos. No entanto, outros aspectos da memória - tais como o conhecimento geral - não foram afetados.

Testes realizados previamente em ratos haviam mostrado que com a circunferência de cintura maior estavam relacionados a performances mais pobres em testes de memória, isso foi misturado a evidência em humanos.

As últimas experiências olharam para a memória episódica - a fita de vídeo em sua mente - que lembra o cheiro de uma xícara de café ou a sensação de segurar a mão de alguém. Cinquenta pessoas com um Índice de Massa Corporal (IMC) entre 18 (saudável) a 51 (obesidade grave) participaram de um teste de memória – parecido com uma caça ao tesouro.

Eles tiveram de "esconder" objetos em diferentes momentos e em diferentes cenas exibidas em uma tela de computador. Depois, foram convidados a recordar o que haviam escondido, quando e onde.
Os resultados mostraram que entre as pessoas obesas o acerto foi 15% mais baixos do que as pessoas mais magras.

"Para eles, a lembrança de uma refeição recente é mais fraca, tem menos impacto na mente, então, eles podem ter menos capacidade de regular o quanto eles comerão mais tarde."

Os hormônios da fome desempenham um grande papel no quanto comemos, mas já é reconhecido que nossas mentes têm um papel fundamental também.

Pessoas que comem assistindo TV, por exemplo, têm tendência a comer ou sentir mais fome mais cedo. E vai repetindo as refeições em um curto período de tempo.

"É muito cedo para falar em termos de aconselhamento, mas certamente estamos começando a observar os mecanismos em que a obesidade se perpetua”, dizem os pesquisadores.

A regra é “concentre-se na sua comida, mas isso pode ser um pouco mais difícil se a pessoa está acima do peso”.

Fonte: https://www.facebook.com/evidenciasemobesidade/photos/a.127569930742464.28696.127271097439014/573501856149267/?type=3&theater

Estilo de vida ou genes, o que mais influencia a obesidade?

Estilo de vida ou genes, o que mais influencia a obesidade? Esta é uma pergunta recorrente nos estudos sobre obesidade. Alguns estudos apontam que a influencia estaria equilibrada entre um e outro fator, mas uma nova pesquisa sugere que pessoas com história familiar de obesidade ainda podem reduzir o risco de obesidade se investirem em mudança de hábitos.

Uma outro ponto que a pesquisa publicada na revista PLoS Genetic é que o estilo de vida compartilhado com um parceiro tem mais influência do que o estilo de vida anterior; e do que o histórico familiar.

Na meia-idade, as escolhas feitas por casais - incluindo aqueles ligados à dieta e exercício - terá um impacto muito maior do que o estilo de vida que eles compartilhavam com seus irmãos e os pais durante a infância e adolescência, aponta o estudo.

Os resultados sugerem que as pessoas de famílias com história de obesidade ainda pode reduzir o risco, mudando seus hábitos.Da mesma forma que pessoas que não possuem genes ligados à obesidade podem vir a se tornar obesas. Ou seja, caso o companheiro, ou companheira, tenha maus hábitos, relacionados ao estilo de vida, compartilhar esses maus hábitos influencia negativamente o companheiro, podendo o levar à obesidade.

Os pesquisadores disseram que o estudo poderia ajudar os cientistas a entender melhor as ligações entre obesidade, genética e estilo de vida.

As descobertas reforçam a mensagem de que as mudanças de estilo de vida na idade adulta podem ter um impacto significativo no combate à obesidade, independentemente do perfil genético de uma pessoa.

O estudo foi conduzido por Chris Haley, da Unidade de Genética Humana do Conselho de Pesquisa Médica da Universidade de Edimburgo.

A equipe analisou dados fornecidos por 20.000 pessoas de famílias escocesas.

A informação foi originalmente reunida como parte do projeto Geração Scotland, um recurso nacional de dados de saúde que ajuda os pesquisadores a investigar ligações genéticas e condições de saúde.

Os cientistas compararam família, genética e ambientes domésticos de pessoas na infância e na idade adulta, relacionando medidas ligadas à saúde e à obesidade. Foram consideradas dezesseis medidas, incluindo a relação cintura-quadril, pressão arterial, índice de gordura corporal e índice de massa corporal.

Segundo o professor Haley, embora a genética seja responsável por uma proporção significativa da variação entre as pessoas, o nosso estudo mostrou que o ambiente que você compartilhar com seu parceiro na vida adulta também o influencia a se tornar obesos, e isso é mais importante do que a sua educação .

"Os resultados também mostram que mesmo as pessoas que vêm de famílias com história de obesidade podem reduzir seu risco, alterando seus hábitos de vida", lembra o professor responsável pelo estudo.

Fonte: https://www.facebook.com/evidenciasemobesidade/photos/a.127569930742464.28696.127271097439014/573209979511788/?type=3&theater

Conselho Federal de Medicina proíbe o uso das terapias antienvelhecimento no país

Com a Resolução 1999/2012, os médicos que prescreverem métodos para deter o envelhecimento podem ser punidos até com a perda do registro profissional

Médicos brasileiros que prescreveram terapias com o objetivo específico de conter o envelhecimento, práticas conhecidas como antiaging, estarão sujeitos às penalidades previstas em processos ético-profissionais. No caso de condenação, após denúncia formal, eles poderão receber de uma advertência até a cassação do registro que lhes a autoriza o exercício da Medicina.

A Resolução 1999/2012, aprovada pelo plenário do Conselho Federal de Medicina (CFM), determina a proibição da adoção destas práticas pelos médicos. O texto, que será publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (19), se baseia em extensa revisão de estudos científicos que concluiu pela inexistência de evidências científicas que justifiquem e validem a prescrição destas práticas.

A nova regra reforça limitação imposta pelo Código de Ética Médica, em vigor desde 2010, que também desautoriza o emprego de técnicas sem comprovação cientifica. A Resolução também dialoga com os conteúdos das Resoluções 1938/2010, que alerta para a ineficácia das práticas ortomoleculares com o intuito de combater processos como o antienvelhecimento, e mesmo a Resolução 1974/2011, que trata de publicidade médica. Esta regra proíbe os médicos de anunciarem e prometerem resultados aos pacientes e também de anunciarem o uso de métodos sem comprovação cientifica.

O Coordenador da Câmara Técnica de Geriatria do CFM, Gerson Zafalon Martins, que coordenou o trabalho que resultou na nova resolução, alerta  para os riscos que tais métodos podem causar. Segundo ele, há possibilidade de que adoção destas terapias possam provocar danos permanentes, inclusive contribuindo para o aumento do risco de câncer em determinados pacientes. “Prescrever hormônio do crescimento para “rejuvenescer” um adulto que não tem deficiência desse hormônio é submetê-lo ao risco de desenvolver diabetes e até neoplasias”.

Mudança de comportamento - Na avaliação do plenário do CFM, o aumento da longevidade não decorre tratamentos específicos, mas de uma mudança de atitude, que inclui a adoção de hábitos saudáveis (melhor alimentação, prática de esportes, abandono do tabaco e uso limitado do álcool, entre outros pontos). “Estão vendendo ilusão de antienvelhecimento para a população sem nenhuma comprovação científica e que pode fazer mal à saúde. Com a idade, o metabolismo mais lento e a ingestão de algumas substâncias podem aumentar o risco de várias doenças”, alerta a geriatra Elisa Franco Costa, que auxiliou na pesquisa do CFM.

Entre as diferentes técnicas para deter o envelhecimento, a principal crítica do CFM se detém sobre a reposição hormonal e a suplementação com antioxidantes (vitaminas e sais minerais). De acordo com o CFM, a adoção destes métodos não gerou, até o momento, resultados confirmados por estudos científicos em grandes grupos populacionais ou de longa duração. Além disso, como eram empregados em pacientes com hipofunção glandular, podem provocar efeitos adversos que levem seus usuários ao desenvolvimento de outras disfunções.

Para os conselheiros, a prescrição e o emprego de tratamentos de forma inadequada colocam a saúde dos pacientes em risco. Este entendimento é o mesmo de outros órgãos de regulação, tanto nacionais quanto internacionais, se posicionam contra a manipulação hormonal em indivíduos saudáveis.

Penalidades possíveis - Em agosto passado, o CFM divulgou parecer produzido pela Câmara Técnica de Geriatria que propunha um parâmetro normativo sobre a questão.  Apenas de seu caráter orientador, o documento não tinha função normatizadora. Com a nova Resolução, o médico fica o impedido de praticar a terapia, sob pena de ter seu registro profissional cassado.

Segundo dados da corregedoria do CFM, nos últimos quatro anos, a entidade já cassou o registro profissional de cinco médicos que praticavam os procedimentos sem comprovação científica. Outras dez punições (como suspensão e censura pública) também foram dadas a outros médicos. Os Conselhos Regionais de Medicina também apuram outros casos.

O ilícito destes médicos geralmente era agravado pela publicidade imoderada, sensacionalista e promocionais. Muitos deles garantiam resultados, o que contraria o Código de Ética Médica (CEM). “A medicina não é uma ciência de fim e sim de meios. O médico tem que fazer o possível em benefício do paciente, mas nem sempre o resultado é satisfatório”, destaca o corregedor do CFM, José Fernando Maia Vinagre.

SAIBA O QUE DIZ A RESOLUÇÃO CFM 1.999/2012

Ficam vedados o uso e divulgação dos seguintes procedimentos e respectivas indicações da chamada medicina antienvelhecimento:
I. Utilização do ácido etilenodiaminatetraacetico (EDTA), procaína, vitaminas e antioxidantes referidos como terapia antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para o tratamento de doenças crônico- degenerativas;
II. Quaisquer terapias antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para doenças crônico-degenerativas, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra evidências de benefícios cientificamente comprovados;
III. Utilização de hormônios, em qualquer formulação, inclusive o hormônio de crescimento, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra vidências de benefícios cientificamente comprovados;

De acordo com a Resolução CFM 1999/2012, a reposição de deficiências de hormônios e de outros elementos essenciais se fará somente em caso de deficiência específica comprovada e que tenham benefícios cientificamente comprovados:
IV. Tratamentos baseados na reposição, suplementação ou modulação hormonal com os objetivos de prevenir, retardar, modular e/ou reverter o processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
V. A prescrição de hormônios conhecidos como “bioidênticos” para o tratamento antienvelhecimento, com vistas a prevenir, retardar e/ou modular processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
VI. Os testes de saliva para dehidroepiandrosterona (DHEA), estrogênio, melatonina, progesterona, testosterona ou cortisol utilizados com a finalidade de triagem, diagnóstico ou acompanhamento da menopausa ou a doenças relacionadas ao envelhecimento, por não apresentar evidências científicas para a utilização na prática clínica diária.


Fonte: http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23324%3Aconselho-federal-de-medicina-proibe-o-uso-das-terapias-antienvelhecimento-no-pais&catid=3%3Aportal

A atividade física pode ser perigosa, mas é o sedentarismo que mata milhões por ano.

A atividade física pode ser perigosa, mas é o sedentarismo que mata milhões por ano.

Fiz questão de iniciar o texto dessa forma pra deixar claro qual é o verdadeiro problema da sociedade. É claro que é chocante ver uma pessoa de 35 anos apresentar um quadro de morte súbita no meio de outros colegas, mas diariamente as vítimas do sedentarismo estão morrendo e não viram notícia. Elas morrem nos hospitais, de AVC, de hipertensão, de diabetes, de insuficiência cardíaca, de câncer. Isso quando não morrem enquanto dormem, como se fosse uma morte "de causas naturais". Ao mesmo tempo, não estou dizendo que todo mundo deve sair de casa ir fazer exercícios em alta intensidade sem avaliação médica. O que discordo é dizer que o exercício físico é o vilão da história. Mais ainda: discordo que o atestado exigido pelo governo ou por sua academia e que você fez de qualquer jeito irá salvar sua vida.

Você só deve ir ao médico se realmente estiver interessado no que ele tem pra te dizer e não simplesmente pegar um documento pra dizer "estou seguro", mesmo que tenha omitido a informação que está usando estimulantes, anabolizantes, que está fumando ou que usa algum medicamento que possa aumentar a probabilidade de um evento adverso durante a atividade física.

A avaliação médica pré-participativa não deveria ser de interesse do governo ou da academia, mas seu. Por isso discordo que deva ser obrigatório, pois você acaba mais interessado num documento do que realmente em ser avaliado. Quem tem que se interessar pela sua saúde é você mesmo. É você que tem que saber que mais de 10% da população tem alguma condição cardiovascular que necessita de acompanhamento médico, mesmo que não seja uma contraindicação para a prática de atividade física em alta intensidade. Se a academia está mais interessada na sua saúde que você, o atestado médico provavelmente fará muito pouca diferença. Em termos de saúde pública, é muito mais interessante que as pessoas não tenham um obstáculo para realizar a atividade física. Ou seja, o atestado médico não pode ser um obstáculo para que você se exercite. Isso quer dizer que a maioria irá se beneficiar da atividade física, mesmo que algumas pessoas possam passar mal com o exercício. Em termos individuais, pode ser eu ou você essa pessoa que irá se dar mal com o exercício. E ai vem a recomendação individual que você vá ao médico para ser avaliado, não pra ele te dar um documento pra praticar atividade física, mas pra que ele realmente te responda se você pode morrer com o exercício físico ou não e tratar doenças existentes.

Outra coisa: o PAR-Q não substitui o médico, muito menos é um teste sensível para a detecção de problemas e não isenta a academia de responsabilidades. O paciente não sabe descartar que está com um problema cardíaco ou não. Se ele está com sintomas, provavelmente já apresenta uma doença há um certo tempo. As doenças assintomáticas e com maior potencial de um desfecho para a morte súbita, principalmente em pessoas mais jovens, dificilmente trarão sintomas e serão detectadas pelo paciente.

Aos pacientes abaixo de 35 anos e que procuram o médico, a recomendação é que sejam submetidos a uma entrevista médica(anamnese) completa, associada a um exame físico + eletrocardiograma (pelo menos), para descartar doenças congênitas. O ecocardiograma é outro exame que posse auxiliar no diagnóstico de cardiopatias congênitas.

Em pacientes acima de 35 anos, em que a principal causa de morte súbita são as coronariopatias, além da anamnese, do exame físico e do eletrocardiograma, podem ser feitos exames buscando identificar doença coronariana ou sinais indiretos de doença avançada. Alguns exames que podem ser utilizados são a ecografia de carótidas com doppler, teste de esforço (teste ergométrico), exames laboratoriais, entre outros.

Às academias, mais importante do que exigir um atestado de seu cliente é exigir que ele seja avaliado de forma correta e não simplesmente entregar um documento pra se isentar da responsabilidade. Também é importante que os instrutores recebam treinamento de ressuscitação básica, aprendendo a realizar o primeiro socorro, que é determinante para o sucesso na reanimação (não adianta esperar chegar a UTI vida ou o SAMU, pois não dá tempo) e saber utilizar um desfibrilador automático (DEA), que é bastante simples de ser utilizado e que deveria estar presente em todo local que realiza treinamentos em alta intensidade.

Pra finalizar, numa matéria do correio publicada ontem, sem qualquer entrevista com um médico, diz que não há como prever um evento desfavorável em atletas. Essa informação é falsa. É óbvio que você não saberá o momento exato que o problema aparecerá, mas o médico é capaz de identificar pessoas que não devem praticar atividades físicas em alta intensidade. Na Itália, com a adição do eletrocardiograma na avaliação pré-participativa, houve uma redução da incidência de morte súbita em atletas para valores exatamente iguais ao de pessoas que não praticavam exercícios em alta intensidade. O exercício físico pode ser um gatilho para doenças que causam arritmias potencialmente fatais e estas pessoas devem ser identificadas.

Não busque o médico apenas para receber um atestado. Busque um médico porque você se preocupa com a sua saúde. Se o médico der um atestado gracioso, não aceite. Exija que seja avaliado de forma correta. E vá fazer atividade física.

Fonte: Dr. Getúlio Bernardo Morato Filho

Alergia à lactose ?!?!?!? Isso non existe !!!!!

Eu sinto um profundo frio na espinha ao ouvir o termo acima.

E queria explicar a vocês, de uma vez por todas essa confusão, esperando ouvir cada vez menos que seu filho foi diagnosticado com essa doença, simplesmente porque ela, como diria o Pe Quevedo, non existe!

Alergia Alimentar - é uma reação imunológica exarcebada à uma PROTEÍNA, proveniente de alimentos.

Lactose - é o principal AÇÚCAR do leite, portanto é um CARBOIDRATO.

Portanto, não existe ALERGIA À LACTOSE!

Estou me sentido um professor de filosofia e suas lições de lógica, irrefutáveis.

Mas como estou longe de ser professor, filósofo ou de entender a lógica, vou explicar com um pouco mais de cuidado, a origem dessa confusão.

Existem DUAS doenças:

Alergia à proteína do leite de vaca

- ocorre quando o indivíduo tem sintomas gastrointestinais, de pele ou respiratórios, após a ingestão de QUALQUER quantidade de leite ou produtos que o contenha.

-pode se manifestar com sintomas bastante agudos, minutos após a exposição, como por exemplo a urticária, vômitos, dor abdominal ou uma crise de chiado e tosse.

- também pode se manifestar de forma tardia, como o sangramento nas fezes de bebês e na forma mista, como a dermatite atópica, com lesões irritadas e pruriginosas na pele.

Retira-se o leite da dieta, seja da mãe, em caso de bebê em aleitamento materno exclusivo, seja do próprio bebê, em caso de uso de fórmula e o problema se resolve. E no caso de bebês em uso de fórmula, prescreve-se uma fórmula apropriada para a situação.

Intolerância à lactose

- ocorre quando não há absorção adequada do açúcar do leite, que vocês já sabem que se chama LACTOSE, no intestino. Para que isso ocorra, é necessária uma enzima chamada LACTASE, que "quebra" a lactose em glicose e galactose e esta é absorvida para a corrente sanguínea.

- se o indivíduo, por algum motivo, tem pouca (mais comum) ou nenhuma enzima (raríssimo), a lactose se acumula no interior do intestino, é fermentada pelas bactérias e surgem os sintomas de gases, cólicas abdominais e diarréia ácida no indivíduo.

Solução: consumir produtos com baixa quantidade de lactose ou adicionar a enzima LACTASE na alimentação. Nesse caso, pode-se ter laticínios e leite na alimentação a depender da tolerância individual e com a devida orientação do nutrólogo/pediatra E nutricionista.

- Ah, Dr Flávio, meu filho tem os DOIS problemas!

Infelizmente isso pode acontecer, principalmente quando por uma dieta inadequada, um portador de Alergia à proteína do leite de vaca, desenvolve uma inflamação intestinal decorrente do problema e compromete a mucosa intesntinal e consequentemente a quantidade de lactase disponível. Mas não é comum!

Solução: uso de uma fórmula apropriada para APLV sem lactose.

Tem outra coisa que queria que vocês soubessem: após uma infecção intestinal, que pode causar uma inflamação significativa do intestino, o indivíduo também pode desenvolver por algum tempo uma intolerância à lactose, que chamamos de SECUNDÁRIA. Mas nesse caso, entre 15 a 30 dias, com a recuperação da mucosa intestinal, a lactase volta aos níves normais e tudo se normaliza.

Solução: retirar/diminuir a lactose da dieta por um prazo de 15 a 30 dias.

Enfim, deu para entender porque não existe ALERGIA À LACTOSE?

Quando alguém disser que o problema do seu filho é esse, peça desculpas e diga que isso não existe!

Dúvidas?

Perguntem nos comentários.

Compartilhem à vontade!

Autor: Flávio Melo - Médico Pediatra - CRM-PB 5239/RQE 3065 - https://www.facebook.com/flaviopediatra/

Seu bebê precisa comer TUDO, desde o começo da alimentação complementar


 Abaixo um texto do meu amigo Flavio Melo (médico pediatra, super conceituado) sobre alimentação complementar. O tema é interessante porque durante muitos anos restringiu-se a introdução de alimentos sabidamente alergênicos na alimentação da criança. Acreditava-se que a introdução deveria ocorrer somente após os 2 anos de idade. Essa semana um novo estudo veio mostrar que pelo fato do sistema imunológico começar a ficar mais ativo por volta do 5º ao 7º mês, o momento ideal para a introdução desses alérgenos é nessa fase. Vale a pena ler o texto.

Dr. Frederico Lobo

Seu bebê precisa comer TUDO, desde o começo da alimentação complementar

O mais difícil da medicina de hoje é ser atualizado. Precisa de muito estudo, dedicação e estar ligado no mar de informações que se renova todos os dias.

Ontem estava navegando nesse mar e um editorial do New England Journal me chamou a atenção.

Era sobre o estudo EAT, que busca demonstrar a incidência de alergias alimentares, em rota crescente, de acordo com o momento da introdução de alimentos alergênicos para o bebê.

Há alguns anos, recomendávamos que deveria ser evitada ou postergada a introdução precoce de ovo (só podia a gema...), peixe, amendoim, leite de vaca e derivados, para bebês que iriam iniciar a transição do aleitamento materno exclusivo, para os alimentos sólidos.

A partir do estudo LEAP, onde se verificou que a introdução precoce de amendoim para os pacientes com alto risco de alergia, diminui substancialmente seu risco posterior de desenvolver alergia, o conceito mudou radicalmente.

E esse estudo publicado semana passada, apesar de não mostrar que introduzir antes dos 6 meses os alimentos acima tem um caráter protetor em relação à introdução após os 6 meses, continua sinalizando para essa mudança de paradigma.

Portanto, a mensagem que está sendo passada é a seguinte: provavelmente é bastante benéfico, que desde o início da alimentação complementar, sejam introduzidos todos os alimentos, sem postergações ou restrições, sendo essa prática protetora para o desenvolvimento de alergias alimentares.

Ainda luto no consultório para que as famílias introduzam peixe, ovo inteiro e outros alimentos para seus bebês. Há uma resistência cultural.

Que espero esteja no fim, para o bem da saúde dos seus filhos.

Flávio Melo - Médico Pediatra - CRM 5239/ RQE 3065

Fonte: http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMe1601412

domingo, 6 de março de 2016

Sucralose - por CFN


Recomendação CFN nº 3/2016 – Sucralose

O Conselho Federal de Nutricionistas no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas pela Lei nº 6.583, de 20 de outubro de 1978 e pelo Decreto nº 84.444, de 30 de janeiro de 1980;

CONSIDERANDO os vários comentários negativos sobre a sucralose em redes sociais, mídias e em alguns eventos, entre eles, que o referido adoçante aumentaria a secreção de insulina, causaria alterações na tireoide, câncer;

CONSIDERANDO a dúvida se o consumo de sucralose deve ou não ser indicado pelo nutricionista a seus pacientes;

INFORMA que:

Apesar de informações circulantes de malefícios sobre a sucralose, não foram encontrados estudos científicos (desenvolvidos com humanos e em quantidade representativa) que suportem as afirmações de que o consumo do edulcorante aumentaria a secreção de insulina, causaria alterações na tireoide e câncer.

A sucralose foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) como um edulcorante de mesa em 1998, seguindo-se a aprovação como um adoçante de uso geral em 1999. Antes de aprovar o adoçante, o FDA revisou mais de 100 estudos de segurança realizados no edulcorante, incluindo estudos para avaliar o risco de câncer. Os resultados destes estudos não mostraram nenhuma evidência de que o adoçante cause câncer ou represente qualquer outra ameaça à saúde humana (1). Não existem evidências claras de que os adoçantes disponíveis comercialmente nos Estados Unidos estejam associados com o risco de câncer em seres humanos (2).

A Ingestão Diária Aceitável (ADI) é de 0-15 mg / kg de peso corporal – última avaliação em 1990, segundo o resumo das avaliações realizadas pelo Comitê Misto Food and Agriculture Organization of the United Nations/World Health Organization (FAO/WHO) de Peritos em Aditivos Alimentares. (3)

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão auxiliar do Ministério da Saúde no desenvolvimento e coordenação das ações integradas para a prevenção e o controle do câncer no Brasil, registrou em 01 de agosto de 2015 que “evidências obrigam o INCA a cumprir com sua responsabilidade de informar à população que o consumo de adoçantes artificiais está associado ao desenvolvimento de algumas doenças, inclusive do câncer”. No texto, a sucralose especificamente não foi mencionada como causadora de malefícios, e sim a sacarina sódica, o aspartame e edulcorantes em geral. (4)

Em busca de mais informações, em contato com a Unidade Técnica de Alimentação, Nutrição e Câncer do INCA, nos foi informado que ainda não há evidências que relacionem o consumo de sucralose com o desenvolvimento de câncer em seres humanos. No entanto, há motivos para o reconhecimento da hipótese de relação entre o uso de adoçantes não nutritivos e o risco de desenvolver a doença e por isso o INCA adotou a recomendação de evitar o consumo de qualquer tipo de adoçante artificial, inclusive a sucralose, para a população sem indicação clínica específica para o uso da substância.

A sucralose foi sugerida para avaliação do Grupo Consultivo da International Agency for Research on Cancer (IARC), com alta prioridade, para estimativa de carga global do Câncer, no decorrer dos anos de 2015 a 2019 (5).

O Conselho Federal de Nutricionistas recomenda ao nutricionista:

1. Com base no Código de Ética do Nutricionista – Resolução CFN nº 334/2004, alterada pela Resolução CFN nº 541/2014 (6) -, o nutricionista deve analisar com rigor técnico-científico qualquer tipo de prática ou pesquisa, adotando-a somente quando houver níveis consistentes de evidências científicas – sendo que informações repassadas em redes sociais, mídias e eventos sem a apresentação das referências literárias das informações não devem respaldar a prática profissional.

2. Manter constante leitura, pesquisa, estudo e consulta a órgãos que realizam pesquisas, como os mencionados, para atendimento aos pacientes ou outras condutas profissionais.

3. Indicar adoçante artificial apenas a pacientes com necessidade clínica específica para o uso da substância, respeitando-se os limites de Ingestão Diária Aceitável.

Destacamos que é de responsabilidade do nutricionista assumir os atos praticados no seu exercício profissional, cabendo aos Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas a apuração dos mesmos quando provocados.

Algumas sugestões de bases de dados:

1. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/home

2. American Society for Nutrition – http://www.nutrition.org/searchall/

3. Biblioteca Virtual em Saúde – http://www.bireme.br/

4. The Scientific Electronic Library Online – http://www.scielo.org/php/index.php

5. PubMed – http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi

6. Periódicos da Capes – http://www.periodicos.capes.gov.br/

7. Portal da Saúde – http://portalsaude.saude.gov.br/

8. World Health Organization – http://www.who.int/en/

9. Organização Pan-Americana da Saúde – http://www.paho.org/

10. Rede de Nutrição do Sistema Único de Saúde – RedeNutri – http://ecos-redenutri.bvs.br/
REFERÊNCIAS:

(1) NATIONAL CANCER INSTITUTE. Artificial sweeteners and cancer. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2015.

(2) NATIONAL CANCER INSTITUTE. Diet. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2015.

(3) IPCS-INCHEM. Resumo das avaliações realizadas pelo Comité Misto FAO / OMS de Peritos em Aditivos Alimentares: sucralose. Disponível em: Acesso em: 26 out. 2015.

(4) INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Recomendações do INCA são baseadas em evidências científicas. Disponível: < http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/agencianoticias/site/home/noticias/2015/recomendacoes_inca_sao_baseadas_em_evidencias_cientificas>. Acesso em: 26 out. 2015.

(5) INTERNACIONAL AGENCY FOR RESERACH ON CANCER – WORL HEALTH ORGANIZATION. IARC Interim Annual Report 2014. 2014. Disponível em: Acesso em: 27 out. 2015.

(6) CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. Resolução CFN nº 334/2004, alterada pela Resolução CFN nº 541/2014. Dispõe sobre o Código de Ética do Nutricionista e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2015.

Coletânea de Posts sobre Lugol e ingestão de Iodo

Excelentes colocações do Dr. Minuzzi (endocrinologista com 42 anos de experiência em endocrinologia) sobre a moda do Iodo. Semanalmente atendo no consultório particular e até no SUS, pacientes fazendo uso de alguma forma de Iodo. Seja Lugol, Iodo quelato. Isso na minha opinião é um erro e não encontra NENHUM tipo de respaldo científico. Ou seja, as maiores autoridades do mundo em endocrinologia, contraindicam o uso de LUGOL. Vale a pena ler o texto abaixo.



O Excesso de Iodo na População Brasileira No início do século XX a deficiência de Iodo foi reconhecida como um grave problema de saúde pública na maioria dos países da América Latina.

As consequências da deficiência de Iodo levam ao bócio endêmico, cretinismo, prejuízos intelectuais, retardo no crescimento, hipotireoidismo neonatal e ao aumento do aborto espontâneo e mortalidade infantil.

Em função disso, em 1953, legislou-se pela primeira vez para que houvesse a correção da deficiência crônica de Iodo no Brasil. O sal iodado seria distribuído só em áreas endêmicas de bócio, com dose fixa de 10mg de Iodo/Kg de sal, entretanto, isso só foi implementado em 1977.

Na década de 1982 à 1992 o INAN assumiu o Programa Nacional para a Deficiência Crônica de Iodo e forneceu iodeto de potássio a todos os produtores de sal, sem qualquer custo para os mesmos.

Em 1992 o INAN foi dissolvido. Em 1995 nova legislação foi feita determinando que todo sal para consumo humano deveria ser enriquecido com Iodo e a Anvisa ficou encarregada de supervisionar o teor de Iodo em amostras de sal.

Entre 1998 à 2003 o teor de Iodo no sal foi elevado para 40 à 100mg de Iodo/Kg de sal. No período de 1998 à 2003 a população brasileira foi exposta a excessivo aporte nutricional de Iodo advindo do sal. Isso foi confirmado pelo Thyromobil Project em 2001.

Abaixo alguns detalhes dessa pesquisa que encontrou amostras de sal vendidas no Brasil com até 10 vezes mais Iodo do que o recomendado. Alertada por órgãos Internacionais e pesquisadores brasileiros a Anvisa, em 2003, decide reduzir a concentração de Iodo no sal brasileiro para 20-60mg/kg de sal, mas o descontrole segue.

O mapa acima mostra a nossa realidade atual. Esse trabalho foi publicado em 2013. A cor preta representa excessivo consumo de Iodo ( UIC>300mcg/L) por parte da população brasileira.
Nossa população têm que estar atenta .

Frequentemente chegam até mim pacientes tomando as mais diferentes formas de Iodo. ALERTA MÁXIMO . O Iodo em excesso acarreta uma série de doenças!



Estudo feito em 2001, Thyromobil Project, em 13 países da América do Sul em crianças, cuja idade variava entre 6 à 12 anos, demonstrou que, no Brasil, a grande maioria apresentava excesso de iodo.

Aleatoriamente, os pesquisadores coletaram 1324 amostras de sal vendidas no Brasil, em supermercados e lojas de alimentos. Na grande maioria dessas amostras o que se detectou foram níveis de Iodo muito acima do recomendado. Algumas amostras continham até 10 vezes mais Iodo do que o recomendado.

As 1013 crianças brasileiras estudadas, nas mais diferentes cidades de nosso país, todas apresentavam concentração de Iodo na urina muito acima do recomendado. A pesquisa mostrou que, todas as 1013 crianças estavam com excesso de Iodo, sem nenhuma exceção.

A concentração normal de Iodo na urina deve ser de 100 à 199μg/L . Em algumas crianças brasileiras o que se encontrou foi até 3000 μg/L.

O excesso nutricional de Iodo fez com que aumentasse a incidência de Tireoidite de Hashimoto, hipotireoidismo e hipertireoidismo em nosso país. Sabemos que quando há excesso de Iodo em nosso corpo a tendência é o desequilíbrio da glândula tireóide.

Após a exposição de elevados níveis de Iodo a síntese dos hormônios tireoideanos tende a ser inibida via um efeito agudo denominado Wolff-Chaikoff. Um outro fenômeno que pode ocorrer é denominado de Jod-Basedow, ou hipertireoidismo induzido pelo Iodo.

É frequente também o aparecimento de Tireoidite de Hashimotto em indivíduos que consomem Iodo em excesso.

Caso você queira saber como estão seus níveis de Iodo, existe um exame bem simples que reflete a sua realidade, é a concentração de Iodo na urina de 24 horas. Solicitei inúmeras vezes exame e, até hoje, não encontrei nenhum paciente com déficit de Iodo.

Caso você tenha algum distúrbio de tireóide procure um especialista e trate adequadamente. Como endocrinologista, com 42 anos de prática médica e tendo atendido mais de 33 000 pacientes, afirmo que: quando não há deficiência de IODO comprovada laboratorialmente, tratar doenças tireoideanas com Iodo é como apagar o fogo com gasolina.

___________________________________

O Lugol pode estar prejudicando a sua tireóide.

Lugol ou solução de Lugol é um composto formado por iodo metalóide (I2) e Iodeto de Potássio em água destilada.

Este produto se emprega frequentemente como desinfetante e antisséptico, e para a desinfecção de água em emergências e como conservante.

Também é indicado para cobrir deficiências de iodo e para a situação de tempestade tireoideana, provocada por um hipertireoidismo severo.

No Brasil, mais recentemente, temos observado um uso indiscriminado e indevido da solução de Lugol. Um determinado médico, famoso no meio leigo, e professor de  um curso de pós-graduação em medicina antienvelhecimento, voltado para  profissionais da medicina, sem qualquer respaldo do Conselho Federal de Medicina, resolveu defender a prescrição de Lugol para prevenção e tratamento do hipotireoidismo, assim como prevenção e tratamento generalizado do câncer.

Cabe ressaltar que a maior fonte mundial de pesquisa de artigos científicos, o PubMed, que compila mais de 26 milhões de artigos científicos, não apresenta evidências que respaldam o uso de Lugol, seja como preventivo, seja como tratamento para o hipotireoidismo ou câncer em geral. Inclusive o uso prolongado de Lugol pode provocar sério dano para a tireóide, provocando e/ou piorando uma disfunção na tireóide ( hipo ou hipertireoidismo).

Por que não usar solução de Lugol?
O iodo é um mineral essencial para o crescimento e desenvolvimento do corpo humano, sua principal função no organismo é a síntese dos hormônios tireoidianos.

A Lei no 6.150 de 1974 revoga a lei 1.944 (1953),  e determina a obrigatoriedade para a iodação de todo o sal para consumo humano e animal produzido no país. Segundo a lei, cada kilograma de sal deveria conter de 10 a 30mg de iodo metalóide.  Em março de 1999, através da Portaria No 218, o Ministério da Saúde estabelece, que somente será considerado próprio para consumo humano o sal que contiver teor igual ou superior a 40 (quarenta) miligramas até o limite de 100 (cem) miligramas de iodo, por quilograma de produto.  Recentemente, norma da ANVISA readequou os níveis para 15 a 45 mg/kg de sal.

A quantidade necessária de ingesta de iodo é de pelo menos 150 ug por dia, sendo menor para crianças abaixo de 12 anos e lactentes. Em uma alimentação normossódica, na faixa de 06 gramas por dia, a quantidade de iodo ofertada ao organismo é na ordem de 200 a 500 ug por dia. Dados do Ministério da Saúde indicam que o brasileiro consome 9,6 gramas de sal diariamente, mas o consumo total pode chegar a 12 gramas, quando levado em consideração alimentos processados e consumidos fora de casa.

Considerando que o brasileiro já adquire a quantidade necessária de iodo através do sal e outros alimentos, a administração de Lugol pode vir a provocar um excesso de iodo no organismo.

Efeitos adversos do excesso de iodo no organismo

O excesso de iodo pode provocar:
Hipotireoidismo – o excesso de iodo pode provocar doença autoimune contra a tireóide , bem como bloquear a formação e liberação do hormônio da tireóide.
Hipertireoidismo –  o excesso de iodo a longo prazo também pode aumentar a produção do hormônio tireoideano e provocar hipertireoidismo, especialmente naqueles que tem doença tireoideana subjacente.
Câncer de tireóide

Conclusão
Se você consultou um profissional que tenha lhe indicado o uso de Lugol como coadjuvante para prevenção ou tratamento de distúrbios da tireóide ou outras doenças, recomendo que pare imediatamente e faça uma reavaliação com um especialista no assunto, neste caso um endocrinologista.

Tanto a Sociedade Brasileira de Endocrinologia, quanto as Sociedades de Endocrinologia do mundo inteiro, recomendam o uso de Lugol somente para as  situações muito específicas e restritas já anteriormente citadas.

Quero finalizar ilustrando o caso real de  uma paciente portadora de hipotireoidismo, em que foi recomendado o uso de solução manipulada de Lugol como terapia coadjuvante. Ela procurou ajuda de um endocrinologista em razão do aparecimento de sintomas de fadiga, sonolência, ganho de peso e tontura. Seu TSH ( medidor do funcionamento da tireóide), havia passado de um valor de 4 ng/dl ( limite superior da normalidade) para 47 ng/dl, ou seja, um hipotireoidismo severo.

Fonte: http://www.thyroidmanager.org/chapter/chapter-2-thyroid-hormone-synthesis-and-secretion/#toc-iodine-availability-and-transport e http://portalsaude.saude.gov.br/

Autor: Dr. Paulo Freitas - Especialista em Endocrinologia e Metabologia Conselheiro do Conselho Regional de Medicina Presidente da Câmara Técnica de Endocrinologia do CRM Membro da Câmara Técnica de Registro de Especialistas do CRM Médico Concursado da Secretaria de Estado de Saúde atuando na função de Regulador e Teleconsultor

Extraído de: http://vitalitecentromedico.com.br/lugol-malefico-para-tireoide/

______________________________________



DEVO TOMAR IODO? por Dr. Flávio Cadegiani

O que vemos são trabalhos e teorias indo em sentidos opostos. A endocrinologia observou que não há em absoluto a necessidade extra de iodo, ao contrário, pode estar acontecendo um aumento dos efeitos Wolff-Charcoff (causando hipotireoidismo auto-imune) e Jod-Basedow (causando hipertireoidismo).

A recomendação extra de iodo hoje se restringe às pacientes grávidas, cuja necessidade de produção de hormônio tireoidiano aumenta.

Por outro lado, o uso de iodo é vangloriado pelas áreas afins como a resposta da vitalidade e da resolução de todas as doenças tireoidianas. Não consegui encontrar estudos de qualidade que confirmem este posicionamento.

O fato é que tem sido comum na prática clínica pacientes com hipotireoidismo compensado clínico a laboratorialmente descompensarem com a exacerbação do hipotireoidismo por uma prescrição que receberam de iodo. Portanto, minha opinião neste caso é clara: a não ser que esteja grávida, não tome iodo.

Autor: Dr. Flávio A. Cadegiani (É médico, endocrinologista e metabologista de Brasilia - DF - CRM/DF 16.219 / CREMESP 160.400) - É doutorando em Adrenal pela UNIFESP.


Minhas considerações (Dr. Frederico Lobo) sobre Iodo

Complemento às palavras do meu amigo Dr. Flávio Cadegiani - Médico. O iodo estável, administrado como iodeto de potássio ou solução de Lugol em quantidades farmacológicas (30 mg por dia ou mais), bloqueia a liberação de hormônios tireoidianos pela glândula e inibe a organificação do iodo em pacientes com doença de Graves.

Quando combinado com a terapia com fármacos antitireoidianos, o iodo pode acelerar o declínio nas concentrações de hormônio tireoidiano circulante. Porém, seus efeitos são apenas temporários, desaparecendo após 10 a 14 dias, após os quais há recorrência do hipertireoidismo. Consequentemente, ele é útil apenas em duas situações clínicas.
  1. Em primeiro lugar, ele pode ser usado como medida de curto prazo para preparar os pacientes para a tireoidectomia. 
  2. Em segundo lugar, ele pode ser iniciado vários dias após o tratamento com radioiodo para acelerar a restauração do eutireoidismo. Em tais pacientes, a glândula irradiada é incapaz de escapar dos efeitos inibitórios do iodo. 
O iodo tem efeitos colaterais infrequentes, como erupções cutâneas, gastrite e sialoadenite.

Muitos vem até aqui argumentando que alguns médicos famosos prescrevem. A pergunta que fica: São endocrinologistas e estudiosos na área? Já frequentaram laboratórios de pesquisa? Estão ligados a alguma Universidade nacional ou internacional que faz pesquisa justamente sobre Iodo? Tem artigos científicos publicados e indexados na maior base de dados (Pubmed)? Se esses médicos são tão bons e seus resultados com iodo são tão fabulosos pq não publicam Relatos de casos ?