quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Quer prescrever?


Luto pela medicina por Dr. Frederico Lobo


Hoje acordei com a sensação de que a Medicina foi enterrada. Os senadores nos traíram e não derrubaram o veto da presidente fantoche. Agora não existe exercício ilegal da medicina. Qualquer um pode diagnosticar e tratar, não é necessário ter feito 6 anos de medicina + 3 ou 5 anos de especialização. Tudo no lixo? Pelo visto sim. Se antes muita gente já morria na mão de alguns poucos médicos inaptos, agora será uma desgraça. Morrerão na mão de gente incompetente, inapta a dar diagnósticos. Muitas vidas serão lesadas e nós médicos "mercenários, playboyzinhos, corporativistas" estaremos lá pra socorrer as iatrogenias alheias, assinar atestado de óbito. Afinal foi só isso que sobrou como privativo do médico.

Lamento.... por Dra. Carminha Duarte


Ontem toda classe médica sofreu um tiro certeiro no peito.
Ontem feriram nossa dignidade.
Não é uma luta de classes, não entendo porque enfermeiros, fisioterapeutas entre tantos outros nutrem uma raiva estranha de nós médicos ( quero deixar bem claro que não estou generalizando, tenho grandes amigos em todas as áreas e os respeito muito assim como eles também me respeitam...).
Não entendo porque o governo, PT deixo bem claro, nos querem tão mal.
Sei que me esforcei muito para chegar onde cheguei. E vejo tudo isso com uma profunda tristeza....
Me responda, você caro amigo, ficaria tranquilo se seu pai estivesse infartando e sendo atendido por um profissional não médico??? Pense....
Lamento pelos que agonizam nas filas á espera de um tratamento....
Lamento pelos que faleceram sem a mínima condição sequer de estrutura....
Lamento pelos que ainda são enganados por um governo inescrupuloso.
Lamento por aqueles que ainda continuarão morrendo por falta de médico, por falta de estrutura e agora....por diagnóstico e tratamento ( ou falta dele?) errados.
Lamento pela ignorância alheia.
Lamento por mim, por você caro colega médico que no dia de hoje se sente fracassado, triste, desmotivado e o pior...órfão, porque descobriu que simplesmente nenhuma entidade te representa.
Hoje eu lamento....ser brasileira.

 por Dra. Carminha Duarte

Curandeirismo oficializado - Nota Oficial do SIMERS

O Sindicato Médico do RS (SIMERS) divulga nota oficial sobre a manutenção dos vetos da presidente Dilma à Lei do Ato Médico.

CURANDEIRISMO OFICIALIZADO

Depois da liberação de mais de R$ 2 bilhões pela presidente para destinação dos parlamentares, vergonhosamente, o Congresso Nacional volta atrás de sua própria decisão e curva-se à vontade de Dilma. Trata-se de uma página que mancha a história da democracia brasileira.

Os vetos determinam que diagnósticos e tratamentos deixam de ser atribuição exclusiva do médico, mas também não dizem de quem é essa atribuição, deixando livre o exercício para quem assim o desejar. O que ontem era curandeirismo (e continua sendo no resto do planeta), passa a ser ato lícito no Brasil.

Como efeito colateral cria-se o cidadão de segunda categoria, o usuário do SUS. Ninguém que tenha posses chega a um hospital e diz: “Quero um não médico para tratar a minha dor de cabeça!”. Já no SUS, não se sabe quem fará o atendimento.

O que é ser médico ? Por Dr. Flávio Moutinho

O que é ser MÉDICO?
Não é uma pergunta retórica nem filosófica. É uma pergunta prática que define uma profissão. Não é "médico é um ser abençoado", ou "médico é um bicho-papão, mau feito picapau". A pergunta é: o que faz do médico - e que não faz de outro profissional - um médico?

Gostaria de abrir essa pergunta para vocês. Médicos, outros profissionais da área da saúde, população geral. Todos os comentários serão permitidos (menos os agressivos, óbvio).

Eu sempre pensei (antes até de fazer Medicina) que fosse prerrogativa do médico, e só dele, fazer o diagnóstico nosológico (antes até de saber o que isso quer dizer). O diagnóstico da doença de base. E prescrever a melhor forma de tratamento. Com auxílio terapêutico de todos os outros profissionais de saúde atuando em suas respectivas áreas.

Digo diagnóstico NOSOLÓGICO porque "diagnóstico", tout-court, todo mundo faz.
O mecânico faz anamnese - o que aconteceu com o carro? desde quando ele está fazendo esse barulho? bateu em algum buraco? você estava a que velocidade quando isso aconteceu?; faz exame físico - abre o capô, checa o nível de óleo, vê se alguma peça está quebrada; faz um diagnóstico - quebrou a rebimboca da parafuseta; traça um plano terapêutico - vai ter trocar isso, isso e aquilo; e faz um prognóstico - se eu fosse você, trocava de carro, que vai quebrar de novo daqui a no máximo 5000km.
O economista, o dentista, o sociólogo, o fonoaudiólogo, o meteorologista, o dentista, o historiador, o fisioterapeuta analisam uma situação presente, preveem uma situação futura e traçam planos para evitar as adversidades.
Tanto quanto o diagnóstico de cada profissão específica cabe a ela própria, o diagnóstico médico cabe ao médico.

Não se nega à enfermeira o diagnóstico em Enfermagem. Seria proibi-la de analisar uma situação própria à Enfermagem e tirar conclusões sobre a conduta. Seria proibi-la de pensar. Idem para qualquer outro profissional de qualquer área, da saúde ou não.

Ao médico cabe o diagnóstico nosológico porque a formação médica lhe dá acesso a fazer diagnósticos diferenciais com doenças de outras áreas.
Se uma fonoaudióloga identifica uma disartria e inicia o tratamento fonoaudiológico, ela pode suspeitar que se trate de um AVC; mas quem deve fazer o diagnóstico do AVC e dizer se o tratamento é cirúrgico ou clínico com tal ou qual medicação é o médico. O que de modo nenhum tira a necessidade de se melhorar a disfunção da fala com o acompanhamento fonoaudiológico.
Se um psicólogo identifica um quadro depressivo, ele pode suspeitar de que se trate de um transtorno de humor. Mas quem deve fazer o diagnóstico de se é isso de fato ou, por exemplo, um câncer de pâncreas, que também cursa com quadro depressivo, é o médico.

Nos dois casos, e em tantos outros, o acompanhamento terapêutico é importante, mas fixar-se nele é correr o risco de perder diagnósticos fundamentais, e, por consequência, o tempo de tratamento.

Por Dr. Flávio Moutinho - Médico, especialista em endocrinologia e endocrinopediatria . Professor de fisiologia endócrina da UERJ. Preceptor na residência de endocrinologia da UERJ e residência de Endocrinopediatria da UERJ.

Ato Médico e os vetos mantidos por Dra. Amanda Madureira

O ato médico teve seus vetos mantidos... O que muda na vida do rico, classe média, funcionário público com plano de saúde? Nada! Você nem pergunta se quem está atendendo seu filho é médico, exige que seja pediatra... Você não procura nem um clínico pra tratar diabetes, procura um endocrinologista. Você nem considera ir ao postinho pra enfermeira trocar a receita de captopril, seu cardiologista é que faz sua revisão periódica. Sua esteticista é bacana e faz uma limpeza de pele supimpa, mas, se você tem o mínimo de noção, corre pro dermatologista na hora do peeling.

Mas os pobres? O SUS? Esses sim acabaram de sofrer um golpe tão feio que, já dá pra ver, é o prenuncio da morte. O SUS vai acabar, esse foi só o primeiro passo.

Os médicos? Nós vimos que o governo não nos reconhece e nem nos valoriza, mas nós vamos sobreviver. Nós vamos continuar sendo os profissionais com carga horária compatível com diagnóstico nosológico e tratamento, continuaremos a ser procurados por todos que tiverem direito de escolha, e continuaremos limpando a bagunça que os idiotas, sim, idiotas irresponsáveis, que se metem no que não têm competência pra fazer deixam.

Entendam de uma vez por todas: quem perdeu essa guerra foi o povo. Os pobres.

Por Dra. Amanda Madureira - Médica

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Onde encontrar produtos Orgânicos, sem glúten e/ou sem lactose em Goiânia ?

Caros leitores,

Ao longo desses quase 5 anos de blog várias pessoas enviaram e-mail ou perguntaram via instagram, twitter ou facebook  onde encontrar alguns tipos de produtos em Goiânia.

Produtos que nutrólogos, ortomoleculares e nutricionistas prescrevem com frequência. Por exemplo:
1- Pão sem glúten e outros produtos sem glúten em Goiânia;
2 - Produtos sem lactose,
3 - Produtos vegetarianos,
4 - Produtos orgânicos e ecossustentáveis.
5 - Frango caipira, carne de gado criado de forma natural (criado solto em pasto, sem antibióticos ou hormônios), ovos caipira.
6 - Linhaça orgânica, Kinua (quinoa) orgânica, Semente de chia, Óleo de coco, Quefir, Kefir

Por ser portador de alergia a amendoim, abacaxi, nozes, intolerância à lactose e sensibilidade não-celíaca ao glúten, comecei minha saga buscando produtos isentos das duas substâncias (lactose e glúten), para uso pessoal.

Portanto, como ecologista busco sempre orientar meus pacientes, familiares e amigos que na medida do possível prefiram  os ORGÂNICOS e tentem consumir o mínimo de produtos com corantes, acidulantes, conservantes, pois nenhum deles tem ação benéfica para a nossa saúde e há poucos estudos bem definidos para evidenciar  inofensividade dos mesmos.

Encontrei algumas lojas na cidade e fiz uso dos seus produtos. Portanto sei da grande dificuldade que é encontrar produtos sem lactose/sem glúten, orgânicos. Baseado nessa experiência resolvi elaborar uma lista com os principais estabelecimentos que produzem e/ou revendem produtos naturais (CONFIÁVEIS) em Goiânia.

Recentemente em parceria com uma amiga nutricionista, criamos o primeiro portal de Saúde e bem-estar de Goiânia. O portal Goiânia Mais Saúde, que já reúne uma lista bem mais completa de estabelecimentos. Visite o portal www.goianiamaissaude.com.br