quarta-feira, 29 de junho de 2011

Candidíase - alternativas naturais

CANDIDÍASE

Coletânea de textos publicados no blog Ecologia médica sobre o tema: Candidíase

Ah, mas eu nem tenho corrimento..., diz você.

Não? Nem precisa. Candidíase não é só o corrimento vaginal com ardência, coceira e dificuldade para transar – que inferniza 60% das mulheres atendidas no Hospital Pérola Byington, SP, referência em saúde da mulher.

Todos podemos ter cândida em qualquer parte do corpo. Homens também, com ou sem corrimento, ardência e pipoquinhas, eles na glande como nós na vagina.

A cândida é um fermento que cresce principalmente nas mucosas quentinhas e úmidas do intestino. Prospera com antibióticos, anticoncepcionais, alimentação errada. Recobre o espaço, tomando o lugar da flora bacteriana que nos protege. Então vira fungo, invade o interior do corpo e cria novos problemas.

Seus sintomas confundem a vítima e os médicos. Tudo parece outra coisa: má digestão, diarreia, enxaqueca, sonolência, queda de cabelo, corrimento, dores menstruais, dores ciáticas e artríticas, queimação, secura, apatia, perda da libido, baixa imunidade, alergias, hipoglicemia, distúrbios da tiróide e uma quantidade de outras chatices, mazelas e agravantes. No extremo, está por trás de doenças crônicas e degenerativas como câncer, artrite, diabete, aids e síndromes diversas, cada vez mais frequentes no dia a dia.

Candidíase crônica

A mulher que nunca sofreu desse mal, que atire a primeira pedra! Sim, pois quando chega o desconforto, quase sempre sabemos do que se trata.

Mas porque isso acontece? Primeiro, é importante saber que a Candidíase é uma doença transmitida por fungos, especificamente pela Candida Albicans, que pode se manifestar na pele (micoses), boca (mais conhecido como “sapinho”), estômago, intestino e no órgão genital feminino.

Várias são as causas para o aparecimento da Candidíase: sistema imunológico baixo, disbiose intestinal (desequilíbrio na flora intestinal), roupas íntimas de tecido sintético, má higiene pessoal, anticoncepcionais, menopausa, distúrbios hormonais, relações sexuais. OS sintomas geralmente são ardência, corrimento vaginal, vermelhidão, desconforto na relação sexual, irritação. Esses sintomas são especificamente femininos, pois apesar do homem também se contaminar, quase nunca é manifestado, devido a questões hormonais.

O que muitas mulheres não entendem, mesmo depois de terem realizado todo o tratamento (o marido também precisa) ingestão de remédios, pomadas e afins, a bendita sempre se manifesta depois de todo trabalhão...

Por trás de tudo isso, há outros sintomas que podemos co-relacionar com o por quê dessa manifestação persistente: você sente vontades incontroláveis de comer doces, compulsividade por carboidratos, toma 1 litro de café por dia ou ainda uma fadiga sem explicação? Vive estressada, com outras inflamações recorrentes? Se a resposta foi positiva para algumas dessas perguntas, é bom investigar se esse é o seu caso.

Para o fungo sobreviver, é necessário um ambiente favorável para seu crescimento e multiplicação. Isso também é determinado pela alimentação. Simples assim: quando sua alimentação é rica em carboidratos, álcool, refrigerantes, biscoitos e massas, o ambiente intestinal fica alcalino, favorecendo o crescimento dela. E o açúcar, vinda tanto de doces, quanto de carboidratos, é exatamente do que precisa para sobreviver. Não esqueça também que o simples fato de um intestino preguiçoso ou irregular, aumenta sua resistência.

Hoje em dia, grande parte da população adquiriu hábitos alimentares e comportamentais que os deixam mais expostas e susceptíveis a agressores. Alimentos industrializados, embalados, junk foods, refrigerantes e outras facilidades aumentaram a demanda e procura por esse tipo de produto, fazendo com que o fator nutricional e a qualidade do alimento não seja a opção mais importante para alimentação cotidiana.

Os fungos, quando crescem de maneira desordenada, podem favorecer que outros tipos de fungos podem cresçam também, aproveitando esse ambiente propício e pode influenciar em diversas reações, que vão muito além do desconforto da mulher:
1) alteração do sistema imunológico, pois sua presença desordenada pode trazer reações de hipersensibilidades e alergenicidade
2) Os fungos produzem micotoxinas, que são extremamente tóxicas para o homem
3) Sua multiplicação pode se manifestar também na forma de micose, que é uma inflamação e infecção subsequente, que podem se localizar tanto na pele como órgãos internos como intestino
4) A ação somatória das substâncias tóxicas produzidas por esses fungos, podem causar desequilíbrios nutricionais, hipoglicemia, distúrbios de destoxificação, além de processos alérgicos, inflamatórios e auto imune, comprometendo assim o funcionamento e atuação de nutrientes necessários para função e nutrição celular

Fique atenta se você ingere carboidratos em excesso, e não consegue se controlar ao ver um doce. O fungo produz uma neurotoxina (substância que envia mensagens para o cérebro), fazendo com que na ausência desses alimentos (ela também quer se alimentar!), liberação dessa substância, fazendo assim que você caia de boca nesses alimentos sem nem pensar...e se ela tem comida, apesar de todo tratamento, muitas morrem, mais ficam tantas outras, prontas para se multiplicar e fazer todo estrago novamente.

Fique alerta aos principais fatores de risco para um crescimento fúngico desordenado:
- Alimentação pobre em nutrientes
- Alto consumo de açúcares e carboidratos refinados
- Baixo consumo de frutas, legumes e verduas
- Jejuns prolongados
- Alto consumo de adoçantes artificiais
- Estresse mental e emocional (principalmente correlacionado aos fatores acima)
- Uso frequente de antiácidos, antibióticos, corticoides, anticoncepcionais, laxantes
- Higiene e roupas íntimas inadequadas, pouco ventiladas

Para ficar longe desse mal, sempre ao fazer o tratamento para fungos, faz se necessário um tratamento nutricional concomitante. Então, siga essas dicas, mas procure também um profissional capacitado, que ele sim, poderá avaliar qual seu caso e fazer o tratamento adequado para seu caso.

- Mate o fungo de fome! Durante o tratamento, não consuma doces ou carboidratos refinados

- Consuma frutas, verduras e legumes. Aumentando a acidez do intestino, fica mais difícil deles sobreviverem em um ambiente não adequado

- Evite queijos gorgonzola ou similares, além de alimentos altamente fermentados

- Consuma orégano ou óleo de orégano, que possui atividade antimicrobiana e antifúngica

- O alho também é um potente antifúngico. Para um melhor efeito, consuma seu óleo

- Outro coadjuvante potente é o óleo de coco extravirgem. O ácido láurico presente nesse óleo possui ação antibacteriana, antiviral, antifúngica e antiprotozoária

- Evite o consumo indiscriminado de remédios. Se for de recomendação médica, fortaleça seu sistema imune com as dicas acima.

Apesar de tudo, precisamos também dos fungos para sobreviver. Mas como tudo na vida, é necessário um equilíbrio, cuide sempre da saúde . Blindando o organismo com vitaminas, minerais, antioxidantes e fitoquímicos, nem o fungo, nem nenhum outro microorganismo será forte o bastante para o aparecimento de doenças ou intercorrências desejáveis! Cuide-se sempre!

Autora: Dra. Sílvia Coelho é Nutricionista Clínica Funcional e Esportiva, Pós Graduanda em Nutrição Ortomolecular, Membro do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional e Colaboradora do livro – Nutrição Funcional. Escreve para a Liga da saúde: www.ligadasaude.blogspot.com

Candidíase por Sônia Hirsch

Nunca ouviu falar nisso antes? Mas já sentiu, com certeza, pois quase toda mulher sofreu pelo menos um ataque de monília na vida - aquele corrimento que coça infernalmente e tem aspecto de leite talhado.

Quem o produz é um fungo da família dos ascomicetos que atende por Candida albicans, mora nas nossas entranhas e aproveita qualquer oportunidade para se multiplicar, produzindo corrimento, sapinho e assadura. Só que, se a sua imunidade estiver baixa e a alimentação pobre, a cândida prolifera a ponto de se espalhar pelo organismo todo, provocando alergias, dores abdominais, garganta seca, insônia, queda de cabelo, estragos nas unhas, enxaqueca, hipoglicemia e mil coisas mais. É a candidíase polissistêmica, ou crônica, e significa que você entrou numa fria

Trata daqui e dali, toma isto e aquilo, passa e bota e aplica esta e aquela e a outra, e a cândida pula que nem pipoca: aqui, ali, acolá. Incógnita. Ninguém sabe, ninguém viu, tudo parece outra coisa. A enxaqueca deve ser do fígado, o corrimento é culpa dos hormônios, a cólica e os gases vêm de alguma coisa que você comeu, a alergia é de família. Assim vai se instalando um inferninho particular que deixa você indisposta e com fama de hipocondríaca. Fora o fato de que uma candidíase pode botar o seu tesão a nocaute e mil grilos na cuca da pessoa amada!

- Ah, mas eu nem tenho corrimento..., diz você. Não? Nem precisa. Vaginite é apenas um dos sintomas visíveis da cândida. Veja os outros:

• no sistema gastrointestinal dá sapinho, flatulência, gases, cólicas, cólon irritável, coceira ou queimação anal, intestino irregular, garganta seca
• no sistema geniturinário dá vaginite e infecções das vias urinárias
• no sistema endócrino mexe com a menstruação das formas mais diversas
• no sistema nervoso dá depressão, irritabilidade, insônia e dificuldade de concentração
• no sistema imunológico dá alergia, sensibilidade a produtos químicos e função imunológica diminuída e de modo geral está ligada a fadiga crônica, falta de energia, mal-estar e perda da libido.

Quem são as vítimas prediletas: mulheres, 60% dos casos; homens, 20%; crianças de ambos os sexos, 20%. Ou seja, nós garotas somos a esmagadora maioria, o que se atribui à maior complexidade do nosso sistema hormonal.

Quais os fatores que predispõem à coisa? Antibióticos, pílulas anticoncepcionais, corticosteróides, drogas contra úlceras; insuficiência de secreções digestivas, de enzimas pancreáticas e de substâncias que promovem o fluxo de bile; insuficiência hepática; excesso de açúcar, carboidratos em geral e álcool na dieta. Sem esquecer que vermes e protozoários presentes no organismo, especialmente nos intestinos, também favorecem muito a propagação da cândida, fornecendo matéria morta para ela o tempo todo.

Diagnóstico da candidíase: dificílimo, exatamente porque os sintomas confundem o raciocínio das médicas. Claro que você pode fazer um exame de fezes que procure a cândida, bem como outros parasitas, e testes cutâneos e sanguíneos para ver se há sinal de anticorpos. Mas pode ganhar tempo respondendo aos questionários do livro, que traçam um histórico da sua saúde e estabelecem um perfil sobre o qual você e sua médica podem começar a conversa. Eles estão disponíveis em PDF; baixe aqui. Para abrir você vai precisar do Adobe Acrobat Reader. Se não o tiver, baixe grátis em http://get.adobe.com/br/reader/

COMO TRATAR?

O tratamento deve fazer três coisas: controlar a exuberância da cândida, matar os fungos que se espalharam pelo corpo e fortalecer o seu sistema imunológico para que ele volte a trabalhar direito.

A cândida sobrevive basicamente dos açúcares da nossa alimentação, e lambe os beiços cada vez que pode engolir uma celulazinha morta por falta de vitaminas e sais minerais. Seu ideal é que a gente tome refrigerantes de manhã, almoce sanduíche e sorvete, jante biscoitos com queijo e coma mil balas, biscoitos e chocolates nos intervalos. Como esse tipo de comida desnutre, vamos matando células - que a cândida, glup!, engole para ficar bela e prolífica. Portanto, para começar a se livrar dela você tem que se fortalecer e deve evitar durante algum tempo: açúcar, pão, bolo, biscoito, pizza, gordura, queijos fermentados, cereais refinados e suas farinhas, batatas de todos os tipos, nozes, frutas secas, frutas doces, suco de laranja, vinagre, qualquer coisa que contenha fermento, levedo de cerveja, bebidas alcoólicas, chocolate, café, chá preto...

O QUE NÃO PODE COMER

• açúcar e doces em geral, mel, melado, karo, maple, malte
• leite, queijos, requeijão, creme de leite
• pão, biscoito, macarrão, torta, empada, torrada, bolo, farofa, mingau, creme e qualquer outro produto que leve farinha ou fermento
• arroz branco, arroz integral, milho verde, seus cremes e farinhas
• batata-inglesa, batata-doce, batata-baroa, inhame, cará, aipim; farinha de mandioca; amidos, féculas, polvilhos
• frituras, empanados, comida gordurosa em geral
• melões, bananas, maçã, uvas, manga, abacaxi, mamão, laranja, tangerina e a maioria das frutas, doces e ácidas, bem como os sucos
• frutas secas (ameixa, damasco, tâmara, uvas-passas, banana-passa etc, que além de açúcar (frutose) quase sempre têm fungos e inseticidas
• nozes, castanhas e amêndoas em geral também são sujeitas a fungos
• amendoim, grande formador de cândida
• vinagre de qualquer tipo
• comidas que sabidamente provoquem reações alérgicas em você, já que elas enfraquecem o sistema imunológico e assim abrem mais portas para a cândida
• café e chá preto, porque contêm cafeína e afetam o equilíbrio do açúcar no sangue
• bebidas alcoólicas, que são basicamente açúcar fermentado
Por quanto tempo? Veja com sua médica. A idéia é não alimentar a cândida, mas também não podemos matar você de fome. E essa dieta dá fome, meninas, eu fiz.

MAS O QUE É QUE EU VOU COMER?
• procure fazer 6 pequenas refeições ao longo do dia: desjejum, lanche, almoço, lanche, jantar, ceia. Coma pequenas quantidades para não sobrecarregar o sistema digestivo. Isso produziria muco, que os fungos adoram
• carnes de todos os tipos, se possível orgânicas e preferindo as brancas no jantar
• ovos cozidos, quentes, pochês, mexidos com água, não fritos (gordura má)
• cereais integrais: a sugestão de Paul Pitchford em Healing with whole foods é comer 1 ou duas colheres de painço, trigo-sarraceno tostado (kasha), centeio, aveia, cevada, amaranto ou quínoa em cada refeição, mastigando muito bem
• feijões para efeitos da candidíase eles são carboidratos, mas há receitas que podem ajudar pelo bem que fazem, por exemplo a sopa de feijão-preto para rins e adrenais, uma vez por semana, para tomar pura e observar os efeitos (se der gases, não serve)
• pepino e melancia refrescam e ajudam o corpo a eliminar água, o que é ótimo, já que você precisa desintoxicar; depois de comer a melancia, corte a casca, ferva e tome como chá; éum poderoso diurético, tanto que não deve ser tomado à noite para não perturbar o sono
• vegetais sem ou com pouco amido: abóbora, nabo comprido, cenoura, rabanete, yakon, beterraba, chuchu, vagem, quiabo, jiló, maxixe, pepino, aipo, celeríaco (raiz-de-aipo), pastinaca, couve-rábano, funcho, cebola, alho, gengibre, alho-poró, brotos de alfafa, de feijão, de bambu
• frutas: romã, goiaba e melancia, moderadamente: uma um dia, outra no dia seguinte, e assim mesmo só no intervalo entre as refeições, nunca de sobremesa; muito limão de qualquer tipo pra pingar na água, nas saladas e verduras; pode fazer gelatina de melancia ou goiaba com ágar-ágar
• todas as folhas: repolho, acelga, couve, chicória, alface, agrião, caruru, espinafre, rúcula, brócolis, mostarda, almeirão...
• algas marinhas, que, além de muito nutritivas, rejuvenescem e matam fungos
• óleo virgem de coco é a melhor gordura para quem tem candidíase, pois contém ácido caprílico e quase 50% de ácido láurico, que combatem com eficácia qualquer fungo - além de vírus, vermes e bactérias em geral - e aumentam a imunidade. Pode ser consumido puro, uma colher de sopa de manhã, em jejum, e outra ao deitar, ou substituir azeite e manteiga no dia a dia. Também é maravilhoso na pele e nos cabelos. Entre os dedos do pé, cura e evita frieiras. É gordura saturada sim, mas inteiramente do bem. Não sobrecarrega o fígado e ajuda a baixar o colesterol e os triglicerídios. Também contribui muito para regular a tireóide.Há um efeito chamado die off ou reação de Herxeimer depois de se usar o óleo de coco por um tempo: o lixo qchega à corrente sanguínea e produz certo mal estar antes de ser eliminado pelos intestinos e rins. Mais uma razão para beber bastante água, com gotinhas de limão.Você pode fazer o óleo em casa a partir do leite de coco fresco, que deixa fermentar por 36 horas. O creme oleoso sobe, você retira com uma colher e leva ao fogo em banho-maria (ou seja, o creme fica dentro de uma vasilha que por sua vez está dentro de uma panela com água fervendo) para ele acabar de "limpar". É útil inclusive para passar na vulva e na vagina. (Alguns fornecedores e mais detalhes aqui. )
• azeite de oliva extravirgem para cozinhar ou colocar sobre os vegetais: 1 colher por dia
• manteiga sem sal para colocar no seu ovinho e derreter sobre alguma coisa quente. A manteiga é tida pelos médicos ayurvedas como uma gordura de ótima qualidade, desde que, evidentemente, seja de boa procedência e não esteja rançosa - só compre fresquinha e guarde na geladeira, numa embalagem que impeça a entrada de ar e o contato com a luz. Se a sua taxa de colesterol for alta, esta dieta provavelmente vai fazer com que ela desça a níveis normais: açúcar e frutose são mais formadores de colesterol no sangue que o próprio colesterol dos ovos e da manteiga
• pouco sal, já que sua dieta será muito rica em sódio devido às proteínas animais; não convém fazer retenção de líquidos por excesso de sal
• água, muita água, se possível de fonte, para você evitar a contaminação da que vem pelos canos e os fungos que talvez povoem a talha ou o filtro
• tônico de leite de coco Receita de Mary Enig e Sally Fallon em Eat fat, lose fat, contendo tanto cálcio quanto um copo de leite:
. 1 copo de leite de coco (1 coco maduro batido com meio litro de água e espremido num pano deve dar dois copos de leite)
. 1 copo de água filtrada
. 1 colher (chá) de essência de baunilha
. 1 colher (chá) de dolomita (carbonato duplo de cálcio e magnésio) em pó
. estévia em pó para adoçar a gosto
Misturar tudo numa panelinha e aquecer até derreter a dolomita. Quem não estiver na dieta da candidíase pode adoçar com maple ou malte de cevada
• sumo de cenoura (na centrífuga), em jejum, uma xícara (no máximo, porque é muito doce): limpa, alimenta e ajuda a combater a cândida
• iogurte desnatado, natural, artesanal, que você pode comprar em embalagem de litro, se na embalagem estiver escrito "contém lactobacilos vivos", ou fazer em casa com leite desnatado e lactobacilos encontráveis em lojas de produtos naturais (Rich é uma boa marca, ou use as cápsulas importadas que contenham acidófilos e bífidus, ou sporogenes e laterosporus). Obs: iogurte não é coalhada. Coalhada é o leite cru que acidifica e coalha naturalmente, quando deixado fora da geladeira, pela ação das bactérias do ar. Iogurte é feito do leite que se ferve mexendo sempre, para não grudar na panela, depois se deixa arrefecer até mais ou menos 50 graus para então dissolver o pacotinho de lactobacilos. Se você não tem um termômetro, pode medir a temperatura com o dedo (lave o dedo!) o leite deve estar nem tão quente que queime o dedo, nem tão morno que possa mexê-lo. Ou seja, na temperatura "esperta". O resto da receita está na embalagem dos lactobacilos Segundo relatos, a coalhada também pode controlar a cândida se for feita com leite cru, não pasteurizado - coisa rara
Olho vivo: iogurte comercial só serve se estiver escrito que contém cultura viva de lactobacilos.
• Yakult? Tem lactobacilos mas também tem tanto açúcar que não adianta nada
• Lactobacilos de repolho De manhã bater no liquidificador durante meio minuto, primeiro devagar depois em alta velocidade, 1 3/4 copos (420 ml) de água pura ou destilada com 3 copos (720 ml) de repolho cortado bem fininho e não muito apertado Colocar a mistura num vidro, cobrir com um pano fino e deixar à temperatura ambiente durante 72 horas; coar e jogar fora o bagaço. Do líquido, apelidado Rejuvelac, 1/4 de copo (60 ml) são o fermento: reservar, Bater novamente no liquidificador 3 copos de repolho cortado fininho com 1 1/2 copo (360 ml) de água pura, colocar no vidro, juntar os 60 ml do primeiro Rejuvelac. Chacoalhar o vidro, cobrir e deixar à temperatura ambiente durante 24 horas (o processo vai mais rápido agora porque já tem o fermento). Guardar o resto do Rejuvelac na geladeira e tomar 1/2 copo (120 ml) três vezes ao dia, junto com as refeições. Jogar fora qualquer resto de Rejuvelac depois de 24 horas. Usar diariamente de um a três meses. O sabor do bom Rejuvelac é ácido e ligeiramente gasoso, lembrando iogurte natural ou água mineral gasosa forte. Se o gosto for podre, jogue fora e comece de novo
• kvass de beterraba: Estava pesquisando sobre gordura & candidíase no livro Eat fat, loose fat, de Mary Enig e Sally Fallon, da Weston A. Price Foundation, quando me deparei com o seguinte texto: "Christine sofreu com candidíase muitos anos (...) e começou a tomar o kvass de beterraba, uma xícara antes de cada refeição. Os resultados foram mágicos. Os sintomas de cândida desapareceram imediatamente e a fadiga também."
Kvass é uma bebida fermentada de origem russa, geralmente feita a partir de um pedaço de pão seco, ou da própria massa crua do pão. Refresca, alimenta e é muito popular. Tem sido amplamente usado na Europa em terapias contra o câncer. Depoimentos indicam que é excelente contra fadiga crônica, sensibilidade a produtos químicos, alergias e problemas digestivos.

O kvass de beterraba aparentemente ajuda no controle da candidíase por seus "extraordinários poderes curativos: grande tônico do sangue, promove a regularidade intestinal, ajuda a digestão, alcaliniza o sangue, limpa o fígado e é um bom tratamento para pedras nos rins". Não é propriamente gostoso, mas cerveja também não é e a gente bebe, e ainda por cima a cor é linda.

Modo de fazer:

. 2 beterrabas médias ou 3 pequenas, orgânicas, sem casca, picadas com faca (não raladas nem processadas)

. 1/4 de xícara de soro de leite feito em casa (colocar leite cru numa vasilha e deixar talhar, coar num pano e colher o soro em outra vasilha) (o coalho, pendurado numa trouxinha de pano durante a noite, vira um queijinho para a turma que não está em dieta)

. 1 colher de chá de sal

Colocar as beterrabas picadas, o soro e o sal num vidro de 1 litro, completar com água filtrada. Mexer, tampar bem e manter à temperatura ambiente por 2 dias; então guardar na geladeira. Ele faz bolinhas. Coar e servir. Tomar 2 xícaras por dia, tirando-as da geladeira algumas horas antes. Quando o kvas estiver quase acabando, encher novamente o vidro com água filtrada, tampar bem, deixar 2 dias à temperatura ambiente e guardar na geladeira. Tomar e depois descartar tudo, começando novamente com beterrabas frescas.

• Pau-d'arco: O chá feito da casca do pau d'arco, ou Tecoma curialis, árvore que só dá nas nossas florestas tropicais, é bom coadjuvante no tratamento da candidíase. Não se espante se, após as primeiras xícaras, os sintomas piorarem - é uma reação natural que desaparece em poucos dias, e os depoimentos dão conta de que se segue um grande bem-estar físico e mental. O pau-d'arco é tido como poderoso e usado desde a civilização inca no combate às infecções e ao câncer. As pessoas quimicamente sensíveis suportam melhor a variedade Tecoma curialis do que a Tecoma conspicua. Dosagem: 15 a 20 gr da casca, fervida durante 15 minutos em meio litro d'água, 3 a 4 xícaras por dia. Nos Estados Unidos, onde já se tornou popular, o pau-d'arco é vendido também sob os nomes de taheebo e lapacho. Também vendem ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa) como pau-d'arco
• Bérberis (Berberis vulgaris) também é um remédio popular antigo, valioso contra diarréias e infecções intestinais de qualquer tipo; sua atividade antibiótica está bem documentada, e sabe-se que normaliza a flora intestinal, eliminado agentes patogênicos e controlando o crescimento da cândida, mesmo após uso prolongado de antibióticos. Também é imunoestimulante, com ação específica sobre o fluxo de sangue para o baço, o que resulta num formidável aumento de substâncias que reforçam a imunidade. Além disso mostrou ser um poderoso ativador das células macrófagas, que destroem fungos, bactérias, vírus e células cancerosas. Outros remédios herbais com propriedades próximas às do Bérberis são a Hydrastis canadensis e o Berberis aquifolium. Dosagem mais usada: se for tintura, diluição 1:5, tome 1 colher de chá 3 vezes ao dia, em água. Tabletes homeopáticos ou gotas de Bérberis 3x, cinco de 8 em 8 horas
• chás para o fígado são essenciais, já que você está matando fungos a torto e a direito e é o fígado quem lida com os restos; camomila é especialmente indicada contra cândida; dente-de-leão, boldo, alcachofra, alcaçuz, tanchagem
• suplementos também podem ser muito importantes, uma vez que a sua dieta será restrita; sua médica poderá lhe dizer a fórmula, que deve conter ferro, cobre, zinco e selênio quelados, complexo B (com ênfase na vitamina B6/piridoxina), vitaminas C, E e betacaroteno. A biotina, uma das vitaminas do complexo B, ajuda a evitar a conversão da levedura em fungo invasivo
• óleo de fígado de bacalhau é indicado para suprir a deficiência de vitaminas A e D nas dietas modernas e ajuda muito nos casos de candidíase, por fornecer ácidos graxos insaturados que trabalham complementando os ácidos graxos saturados do óleo de coco. Vem em cápsulas ou em garrafas de vidro escuro, cujo preço é melhor
• pólen de abelhas contém muitos nutrientes, inclusive proteínas, e pode ser a base de um lanchinho: coma 1 colher de sopa, deixando dissolver devagar na boca

O QUE MATA OS FUNGOS
• ácido caprílico, ou caprilato de sódio, um ácido graxo natural, demonstrou capacidade de restaurar e manter um equilíbrio entre fermentos, bactérias e outros microrganismos no intestino grosso. Dosagem: 300 mg a 1 g junto com as refeições. É uma chatice de usar porque deve ficar na geladeira. Pode ser dispensado se você estiver usando o óleo virgem de coco
• O valor do alho no combate à cândida foi comprovado em vários estudos, sendo até mais poderoso do que violeta genciana, nistatina e vários outros renomados fungicidas para uso tópico (dermatites, infestações nos pés, nas unhas, etc). Pode ser alho fresco, cru, mastigado ou amassadinho e incorporado à comida; ou extrato de alho envelhecido, que não deixa cheiro nem causa o desconforto digestivo que algumas pessoas sentem quando comem muito alho cru; ou ainda cápsulas de óleo de alho
• cebola, cravo e raiz-forte têm efeito semelhante ao do alho, mas não tão incisivo; gengibre, canela, romã, tomilho, melissa, camomila e alecrim também são úteis
• lactobacilos de todos os tipos são importantíssimos para a recolonização da flora intestinal: controlam o crescimento dos bacilos, fermentos e micróbios nocivos através de uma produção própria de antibióticos naturais. Os principais são os lactobacilos bulgáricos, acidófilos e bífidos. Os bulgáricos são os que transformam o leite em iogurte; acidófilos, extremamente resistentes a todos os tipos de antibióticos sintéticos, você fabrica em casa fazendo conservas de vegetais em salmoura ou compra em cápsulas (importadas), assim como os bífidos. Paul Pitchford diz que Lactobacillus sporogenes e Brevibacillus laterosporus são ainda melhores que os acidófilos: destroem fungos e se alimentam das sobras das bactérias patogênicas dos intestinos, possibilitando a geração natural de acidófilos e outras bactérias da flora benigna

Candidíase, hipoglicemia e hipotiroidismo também podem estar ligados à carência de um poderoso fator de equilíbrio para a saúde: iodo

• Iodo é um mineral especialmente concentrado nos hormônios da tireóide, que controlam a taxa metabólica, o crescimento, a reprodução, a formação de células sanguíneas, as funções nervosas e musculares e a temperatura corporal. Como a distribuição de iodo no meio ambiente é desigual, certas áreas, sobretudo as mais distantes do mar, produzem alimentos que não fornecem iodo em quantidade suficiente ao ser humano; isso gera doenças características de disfunção da tireóide, como bócio, ou papada, e retardamento mental; por isso decidiu-se acrescentar iodo ao sal de cozinha. Em 1983 havia 400 milhões de pessoas com carência de iodo nas regiões mais pobres do mundo, e 112 milhões nas regiões mais ricas. Por outro lado, doses excessivas de iodo também podem deprimir a atividade da tireóide, produzindo sintomas semelhantes aos da carência. SINAIS DE ALARME: fome descontrolada, aumento de peso, ansiedade, taquicardia, suores, proeminência dos olhos. A recomendação diária para iodo é de 0.15 a 0.20 mg. Mas pesquisadores atentos como o professor José Luiz Garcia, de SP, observam que a dose satisfatória de iodo na alimentação deveria ser pautada pelo consumo japonês, que é quase 100 vezes isso: 15 a 18 mg de iodo diários. Essa alta dosagem pode ser facilmente obtida pelo consumo diário de algas kombu, ágar-ágar, arame ou hijiki (veja receita abaixo). Corresponde a 2 a 3 gotas de iodo em solução de Lugol (5% de iodo, 10% de iodeto de potássio e 85% de água).O iodo é um poderoso fungicida, e a alga kombu também. Daí sua extrema importância na candidíase.



AS FONTES ALIMENTARES MAIS RICAS EM IODO

10 g ALGA KOMBU (LAMINARIA SP.)19.0 a 47.0 mcg
10 g ALGA ÁGAR-ÁGAR (GELIDIUM SP.) 16.0 mcg
10 g ALGA ARAME (EISENIA BICYCLIS) 10.0 a 56.0 mcg
10 g ALGA HIJIKI (HIZIKIA FUSIFORME) 4.0 mcg
10 g ALGA WAKAME (UNDARIA PINNATIFIDA) 1.8 a 3.5 mcg
100 g CHONDRUS OCELLATUS 1.0mcg
100 g ALGA NORI (PORPHYRA TENERA) 0.5 mcg
1 c chá 6 g SAL IODADO 0.4mcg
100 g MARISCOS/MOLUSCOS 0.3 mcg
100 g CRUSTÁCEOS 0.2mcg
100 g HADDOCK 0.14 a 0.2 mcg
1 c chá 6 g SAL COMUM 0.1mcg

Níveis ótimos de iodo evitam que o radiativo iodo-131 se instale na tireóide e nos órgãos reprodutivos.

Uma boa forma de consumir alga kombu: corte com uma tesoura um pedaço de mais ou menos 3 x 3 cm de alga kombu e limpe com um pincel para tirar resíduos. Não se incomode com a poeirinha esbranquiçada que ela tem, são sais. Ponha de molho em 1/2 copo de água sem cloro (mineral ou de fonte). Em 60 minutos a água vai estar esverdeada. Retire a alga, aqueça o caldo e beba. Pique a alga em pedacinhos miúdos e misture no feijão, no arroz, no refogado. O alho ligeiramente refogado em azeite ajuda muito a melhorar seu sabor. Algas arame e hijiki devem ser lavadas rapidamente sob a torneira, dentro de uma peneirinha, ficam de molho meia hora em pouquinha água e podem ser refogadas como qualquer outro vegetal.

O QUE FECHA O CORPO

Se você fosse uma casa, o sistema imunológico seria ao mesmo tempo portão, cerca, tinta, verniz, telhado, janela, cachorro bravo, alarme, grama, jardineiro, árvores, poço, chave, luz - tudo o que protege a casa permitindo que ela funcione. A imagem do cão de guarda combina. Os pedestres pacíficos ele só olha com o rabo do olho. Aos barulhentos ele reage latindo e rosnando. Os que ousam invadir, ele morde. A imunidade ainda é um cestinho de perguntas sem resposta para a medicina ocidental. Anatomicamente ela depende de glândulas, gânglios, células e fluidos que limpam o organismo e reciclam nossa matéria orgânica. Quimicamente ela pode ser reforçada ou arrasada por substâncias as mais diversas, inclusive algumas que produzimos dentro do corpo sem saber. Por exemplo: se eu como muito chocolate fico cansada, mas a culpa não me deixa descansar, então começo a arranjar coisas para fazer quando na verdade não queria fazer nada. O chocolate, o cansaço e o stress de não descansar provocam mais oxidação no organismo, donde mais cansaço, irritabilidade, mau humor, desejo de compensações... Isso tudo vai abrindo brechas na cerca da casa, raspando a tinta, quebrando as telhas, deixando o cão sonolento... e no dia seguinte acordo com herpes.

COMO AUMENTAR A IMUNIDADE?

A imunidade faz parte da nossa energia vital. A gente ri, fala, chora, dorme, anda, tem fome, tem frio, e de alguma forma a imunidade está sempre envolvida. Por isso a medicina chinesa trata dela privilegiando alimentos e ervas que reforçam o princípio vital, o Chi e o sangue:

• carnes de galinha, codorna, ganso, tartaruga e boi
• rim de boi e carneiro
• fígado de boi, vitela, carneiro e porco
• leite cru de ovelha e queijo fresco de vaca, cabra ou ovelha
• (mas quem já tem candidíase, alergia, asma, coriza, sinusite e propensão ao câncer não deve comer laticínios)
• ovos de galinha e pomba
• anchova, ostra
• germe de trigo, painço, cevada
• feijão azuki
• beterraba, nabo, inhame, batata-doce, berinjela
• repolho, agrião, espinafre, mostarda, cebolinha verde, coentro, hortelã, manjericão
• cebola, gengibre, noz-moscada, louro, erva-doce, orégano, sal, alcaparra
• castanha portuguesa, pêssego, uva

E CONTRA CANDIDÍASE VAGINAL (MONÍLIA)?

A mucosa vaginal é habitada por muitos microrganismos, inclusive cândida, todos loucos para proliferar. A oportunidade acontece quando o pH da vagina perde sua acidez natural e se torna mais alcalino, coincidindo com desequilíbrios metabólicos ou hormonais, consumo de antibióticos de largo espectro, fragilidade imunitária, depressão, stress, incapacidade do organismo em lidar com açúcar ou álcool ou troca de parceria sexual. O ataque de cândida nas partes mimosas é mais comum entre a ovulação e a menstruação, mas pode acontecer a qualquer momento. Se costuma vir depois de uma relação sexual, o jeito é usar ducha ou óvulo para acidificar o ambiente: como o sêmen é alcalino, eleva o pH da mucosa vaginal por oito horas e isso pode ser o suficiente para fazer a infecção.
ducha vaginal com vinagre
(1 colher de sopa de vinagre de maçã ou cidra em 1/2 litro de água morna)
alivia coceira e queimação, e deve ser completada por uma aplicação vaginal de iogurte natural
ou de lactobacilos em cápsulas, para fornecer defesas à flora;
pode repetir a cada três horas, se for o caso.
lactobacilos acidófilos
você compra em cápsulas nas vitamin shops da vida
e coloca o conteúdo de duas cápsulas na vagina, à noite;
de manhã faz uma ducha de vinagre ou argila,
ou de água morna com uma cápsula de ácido bórico
durante o dia; repetir durante três a quatro dias
óleo virgem de coco, que também é um bom lubrificante - e maravilhoso para usar na pele e no cabelo
compressa de alho:
ponha meio litro de água no fogo; esmague uma cabeça de alho,
embrulhe num pedacinho de gaze ou pano de fralda, amarrando bem;
quando a água estiver quase fervendo,
ponha essa trouxinha de alho dentro dela, apague o fogo e tampe.
Embrulhe a panela em jornais e/ou panos,
para conservar o calor, e leve para o banheiro.
Se você tiver uma garrafa térmica normalmente usada
para sopas e caldos, pode fazer a infusão dentro dela.
Agora, sentada no vaso ou no bidê,
molhe um bom chumaço de algodão
nessa infusão de alho bem quente e aplique na vulva,
mantendo-o lá até sentir que amornou.
Repita a operação várias vezes, sempre trocando o algodão,
enquanto a água estiver bem quente.
homeopatia:
óvulos de Hydrastis, melissa, manjericão ou calêndula
ducha com Tília europa
para tomar: Kreosotum, Lilium tiglinum,
Caladium, Cantharis

PARA ENTENDER MAIS

A Candida albicans é um organismo que pode existir de duas formas. Uma é o fermento, que se reproduz ativamente através da fermentação dos açúcares presentes no estômago e nos intestinos. Outra é o micélio, parte do fungo que invade as células e os sistemas do corpo, deixando toxinas que provocam reação das células imunológicas - ou, em outros termos, produzindo antígenos que formam anticorpos. Isso resulta em stress metabólico, deficiências nutricionais e insuficiência hepática, provocando e desgastando o sistema imune e confundindo a ação de enzimas e hormônios essenciais para a vida normal.
Uma forma de evitar a conversão dos fermentos em micélios é comer alimentos muito ricos em biotina, vitamina do complexo B presente principalmente no fígado de galinha (100mcg/50g), em fígado e rins de boi (30 a 40mcg/100g) e gema de ovo (16 mcg/1 gema). A absorção da biotina é reduzida ou impedida pela presença de álcool, avidina (proteína da clara crua do ovo), cafeína, drogas à base de sulfa e radicais livres.

Enzimas são proteínas responsáveis pela maioria das reações químicas que acontecem o tempo todo no organismo. Hormônios são mensageiros que as glândulas mandam para modificar a atuação das células. Pois bem, a cândida consegue construir moléculas parecidíssimas com as moléculas hormonais, fazendo falhar as enzimas, alterando todos os sistemas orgânicos e gerando os sintomas mais inesperados.

Por exemplo, você leu sobre a síndrome pré-menstrual e viu que ela melhora muito com suplementos de vitamina B6. Não porque a B6 tenha alguma coisa especial com menstruação, mas porque todas as nossas células dependem de B6. E quem tirou a B6 que estava ali? A toxina da cândida.
Você leu sobre hipoglicemia. Então, pasme: as toxinas da cândida impedem que a glicose seja processada de modo eficiente, e como todas as nossas células dependem da glicose, ter cândida é praticamente a mesma coisa que ter hipoglicemia!

Uma das coisas mais curiosas que as canditoxinas podem aprontar é que de repente você sente embriaguez sem ter bebido uma gota sequer de álcool. Como assim? Simples: afinal, ela é um fermento com a mesma capacidade dos que produzem vinho, uísque, cachaça. Você come frutas, ela fermenta a frutose e abastece o alambique; você come doces, ela fermenta a sacarose; você come cereais, e lá vai ela fabricar uísque nacional. No mínimo isso dá sonolência e dificuldade de concentração depois de comer, mesmo que você esteja na mais romântica das alcovas com o ser amado. Tem gente que começa a esquecer as coisas, falar enrolado, andar sem firmeza, parecendo que bebeu demais... E qualquer esforço no sentido de manter a consciência dá um cansaço enorme. O caso é dormir porque a intoxicação alcoólica já pôs o fígado a nocaute. O fígado tem uma camadinha de células, ditas de Kupffer, que constituem 90% das macrófagas do corpo. São elas que assimilam e neutralizam as toxinas que vêm do intestino junto com os nutrientes. O álcool entorpece as pequeninas Kupffer de tal modo que elas não conseguem trabalhar, e o sangue intestinal passa à corrente sanguínea sem ser filtrado. E esse álcool tanto pode ser o da garrafa quanto o endógeno, que se produz pela fermentação interna na maior inocência, na maior candidez...

Bibliografia e fontes:

The Missing Diagnosis, C. Orian Truss, P.O. Box 26508, Birmingham, Alabama, 1983. The Yeast Syndrome, John Parks Trowbridge, MD, and Morton Walker, DPM, Bantam Books, NY, 1986. The Candida Albicans Yeast-Free Cookbook, Pat Connolly & alter, Keats Publishing, Connecticut,1985. The Yeast Connection, William G. Crook, M.D., Professional Books, P.O.Box 3246, Jackson, Tennessee 38303, USA, 1993. Linus Pauling Institute of Science and Medicine, 440 Page Mill Road, Palo Alto, CA 94306. Price-Pottenger Nutrition Foundation, 5871 El Cajon Boulevard, San Diego, CA 92115.

Supervisão médica: dra. Stella Marina Pinto Ferreira



Candidíase, a praga:

A dieta | o que ajuda | o que atrapalha


a dieta

Ninguém vive sem fazer uma dietinha de vez em quando, seja lá por que for. A vantagem desta é que resolve várias coisas ao mesmo tempo – excesso de peso, resistência à insulina, alergias, depressão devido a muito açúcar e, claro, ataques de cândida. A primeria fase, mais radical, deve durar até haver uma piora, que é o lixo do fungicídio entrando em circulação. A partir daí voltam alguns carboidratos e até queijos. Depois é só você ficar atenta: quando chutar o pau da barraca, faça alguma coisa nos dias seguintes para compensar.

dieta radical

Seu objetivo é reduzir drasticamente a candidíase, através de um corte total dos carboidratos que a fazem proliferar. Sobram carnes, ovos, muitos vegetais e iogurte. Isso começa logo a dar resultados. Pode enlouquecer um pouco a vítima, que geralmente é viciada em pão, queijo, chocolate, café, açúcar, refrigerantes. Exige determinação, bom senso, perseverança e muito chá de capim-limão. Mas até aí tudo bem, né? Um dia dá uma dor de cabeça estranha, uma sensação de mal-estar, desconforto sem motivo aparente. É a reação de Herxheimer, ou “die off”, quando os sistemas de filtragem e eliminação do organismo estão lidando com uma grande quantidade de células mortas e toxinas. Pode acontecer depois de dias, semanas ou meses, ser mais forte ou mais fraca, dependendo da situação. Passa rápido e é o sinal de que o esquema está funcionando.

dieta suave

A partir dessa limpeza a dieta melhora. Entram o pão de fermentação
caseira, alguns cereais integrais, inhame, mandioca, alguns queijos; mais frutas, um macarrão de vez em quando. O ideal é ficar nesse patamar de seis meses a um ano.

Achou muito? Pois um ano é até pouco para recuperar a saúde e a imunidade. Podem ser dois ou mais, dependendo da pessoa, da extensão da coisa e dos cuidados acessórios como acupuntura, homeopatia e outras formas de tratamento.

dieta esperta

Depois que os sintomas e sinais da candidíase desaparecem, a ex-vítima pode voltar a comer e beber de tudo. Se algum sintoma reaparecer, basta voltar à dieta radical por alguns dias. Nada de grandes excessos. De tudo, mas não de mais, nem dias seguidos, para não cutucar a onça. O segredo é: olho nela.

os critérios:

1 quantidade
Menos é mais. O pulo do gato é se acostumar a comer pouco. No Pequeno tratado das grandes virtudes, o filósofo André Comte-Sponville fala sobre a temperança. Diz que não se trata de não desfrutar, nem de desfrutar o menos possível, o que não seria virtude mas tristeza, não temperança mas ascetismo, não moderação mas impotência; trata-se de desfrutar melhor.

“A temperança, que é a moderação nos desejos sensuais, é também a garantia de um desfrutar mais puro ou mais pleno. É um gosto esclarecido, dominado, cultivado.” Em vez de escravos passamos a ser senhores dos nossos prazeres, diz ele. E quem desfruta com liberdade também desfruta da própria liberdade, ao passo que o intemperante é prisioneiro de seus desejos e hábitos, de sua força e de suas fraquezas.

Ele cita um grande pensador do século 17, Baruch Spinoza, para quem é próprio dos sábios usar as coisas e ter nisso o maior prazer possível – mas sem chegar ao fastio, que não é mais ter prazer. E coloca a temperança como um meio para a independência, assim como esta é um meio para a felicidade: “Ser temperante é poder contentar-se com pouco. Mas não é o pouco que importa: é o poder, e é o contentamento.”

2 qualidade
Carnes, ovos e iogurte fornecem mais energia por mais tempo. São valiosos nesta dieta, pois suprem necessidades importantes, inclusive de gordura. Devem ser orgânicos. Se isso for impossível, que sejam da melhor escolha, sempre visando a qualidade. É melhor não comer carne de frango do que comer os mais baratos, criados com promotores de crescimento e antibióticos que favorecem candidíase e outros desequilíbrios.

A gordura é vital nessa hora porque fornece energia rapidamente e ajuda a saciar. A gordura animal, incluindo manteiga, costuma ser muito compatível conosco, mais do que a maior parte das gorduras vegetais – entre as exceções estão óleo virgem de coco, azeite extravirgem de oliva e óleo de gergelim orgânico, prensado a frio, cru.

Todos os vegetais, se possível, também orgânicos. Além de melhores são mais saborosos. E folhas, muitas folhas. Alimentação de boa qualidade inclui generosas porções de folhas verdes em todas as refeições. Elas são ricas em vitaminas, minerais e fibras, compensam o peso dos produtos animais e contribuem decisivamente para o equilíbrio da digestão.

Muito importante: comida fresca. Comida na geladeira começa a produzir fungos em 24 horas. Se você vai preparar cereais, feijões e carnes para vários dias, melhor dividir em pequenas porções e congelar, mas sabendo que não é o ideal.

3 autoconhecimento
Em primeiro lugar: calma. Você pode fazer essa transição no ritmo que quiser. Claro que, comendo e bebendo certas coisas, sabota completamente o sacrifício. Às vezes é assim mesmo, paciência. Porém, quanto melhor o seu desempenho pessoal, mais rápida a faxina. A vítima resolve virar o jogo e se compenetra.

No início tem que ter muita força de vontade. Depois o controle vem naturalmente e a liberdade de comer de tudo fica muito maior.

Se puder assumir as compras e o preparo da sua comida, melhor. Escolhas conscientes e o fazer delicado da cozinha podem adicionar um grande contentamento.

o que atrapalha

• comer demais e/ou engolir sem mastigar
• O que não pode ser bem digerido atrapalha o estômago e os intestinos, vira muco, fonte de bactérias de putrefação e alimento para todos os bichos que dão em gente, sobretudo fungos. A digestão começa na boca. Mastigar bem é tão essencial quanto escolher bem a comida.

• belisquetes
• Mobilizam à toa o sistema digestivo, que vai perdendo o ritmo natural do ciclo de alimentação e eliminação; fora que a qualidade dos belisquetes também não costuma ser grande coisa.

• doces
• Açúcar, mel, melado, maple, malte, xarope de agave, frutose, karo: não escapa um.

• líquidos industrializados
• Cada célula do corpo precisa de água; qualquer substância a mais na água exige que o organismo todo trabalhe para administrar sua presença lá dentro, ou seja, desgaste inútil.

• laticínios
• Leite, queijos, requeijão, creme de leite, iogurtes e coalhadas pasteurizados e produzidos por processos industriais, com ou sem frutas, costumam ser mal digeridos pela maior parte da humanidade.

• produtos de padaria
• Pães, bolos, biscoitos e congêneres, feitos com farinha refinada e fermentos prontos, mais aditivos e conservantes, são grande estímulo para fungos. Mesmo integrais.

• cereais
• Arroz branco, arroz integral, milho seco e verde, seus cremes e farinhas, amidos, féculas: banidos pelo alto índice glicêmico. Ressalvas para arroz integral cru, brotado e tostado quando aparecerem em algumas receitas deste livro.

• tubérculos e suas farinhas
• Batata-inglesa, batata-doce, batata-baroa; farinha de mandioca; amidos, féculas, polvilhos, goma, tapioca, maisena: alto índice glicêmico e potencial fermentativo.

• as solanáceas
• Tomate, pimentão, berinjela, jiló, batata-inglesa e jurubeba são dessa família. Pioram os sintomas artríticos da candidíase.

• gordura
• Frituras, temperos e molhos que contêm óleo, maionese comercial, manteiga e óleo rançosos e/ou reutilizados para fritar, margarina, carnes gordas, pele e gordura de ave de criação industrial, queijos, creme de leite, chantilly, sorvete: gordura ruim.

• produtos animais em conserva
• Salsichas, linguiças, bacon, todos os defumados, fiambres e patês, frios e similares.

• soja não fermentada
• Leite de soja, tofu, proteína de soja, sojinha torrada e qualquer outra possibilidade comestível que tenha soja no meio.

• frutas
• Melões, bananas, maçã, uvas, manga, abacaxi, mamão, laranja, tangerina e a maioria das frutas, doces e ácidas.

• frutas secas
• Ameixa, damasco, tâmara, uvas-passas, banana-passa etc., além de frutose quase sempre têm fungos e resíduos de inseticidas.

• oleaginosas
• Nozes, castanhas, amêndoas, amendoim e sementes oleaginosas em geral, em parte por serem muito sujeitas a fungos e radicais livres, em parte porque é difícil mastigá-las a ponto de se desmancharem, o que torna sua digestão lenta e permite que pedaços passem inteiros para os intestinos, onde vão se tornar ilhas de micróbios. Isso pode ser atenuado quando se deixa de molho uma noite, mas elas têm que ser de boa procedência e perfeitas, sem machucados e pontos pretos. Amêndoas são as menos ácidas.

• condimentos
• Temperos prontos, cubinhos de caldo de carne, frango e vegetais, molhos prontos em geral, por falta de qualidade.

• estimulantes
• Café, chá-preto, guaraná e cacau em pó, que contêm cafeína, afetam o equilíbrio do açúcar no sangue e excitam o sistema nervoso, que neste momento precisa ficar calmo.

• álcool
• Bebidas alcoólicas são açúcar fermentado. produtos industrializados em geral Refrigerantes, adoçantes artificiais, sucos em caixinha e sucos em geral, refrescos prontos, bebidas isotônicas e similares: produtos químicos podem artificializar a comida a ponto de torná-la um não-alimento tóxico.


o que ajuda

Para não ter ansiedade, e porque esta dieta dá fome, no início se pode fazer até seis pequenas refeições ao longo do dia: desjejum, lanche, almoço, lanche, jantar, ceia.

Comer pouco, desfrutando do prazer de saborear. A cada três horas tem mais. Tudo em pequena quantidade para não sobrecarregar o sistema digestivo. Tudo fresco, gostoso, esbanjando qualidade. E mastigar bem, de modo a produzir bastante saliva, o que além de gerar mais saciedade vai ajudar a ter uma boa digestão, rica em enzimas.

Quando já tiver superado os sintomas, o ideal é voltar às três refeições diárias. Ou seja: aproveite, pois essa comilança não é para sempre.

• leite e vegetais lactofermentados
• Conservas de leite, como iogurte e coalhada caseiros, feitos com os lactobacilos certos para recolonizar os intestinos; quem não se dá bem com a proteína do leite pode usar apenas o soro, bebido puro ou acompanhando as refeições. E conservas de vegetais, folhas e frutos, que fornecem enzimas além de lactobacilos.

ovos caipiras
Esta dieta precisa muito deles porque contêm biotina, vitamina do complexo B que impede a transformação dos fermentos em micélios, as formas invasivas dos fungos. São 16mcg de biotina em uma gema de ovo. É a principal sugestão para comer de manhã: ovos quentes, clara dura e gema mole. Temperar com cúrcuma (Curcuma longa, açafrão-da-terra) e orégano ou salsinha.

fígado e rins
Figado de galinha, fígado e rins de boi também são ricos em biotina. Mais do que a gema do ovo: há 100mcg de biotina em 50g de fígado de galinha e 30 a 40mcg/100g em fígado e rins de boi. A absorção da biotina é reduzida ou impedida pela presença de álcool, clara de ovo crua, cafeína, drogas à base de sulfa e radicais livres.

O problema é conseguir essas vísceras de boa qualidade. O fígado tem que ser vermelho/marrom, de textura firme e cor uniforme. Amarelado ou róseo não serve.

carnes, aves, peixes, frutos do mar, ovas
Todos eles, sendo de boa qualidade, em pouca quantidade, vão fornecer vitaminas, minerais e energia. Nunca fervidos, fritos, grelhados; faça no forno, na chapa, na panela, de preferência malpassados para favorecer a digestão e os nutrientes. Ceviche – peixe ou frutos do mar curtidos em limão e cebola – é uma boa ideia nesta hora. Carne de porco não se recomenda.

Porções pequenas, bem mastigadas. No jantar, se for o caso, as carnes brancas contribuem para um sono melhor, enquanto as vermelhas o agitam.


Na composição do prato, as carnes devem ocupar mais ou menos a sétima parte em peso – uma de carne, uma de cereais ou tubérculos (dieta suave), cinco de vegetais.

vegetais crus ou crocantes
As enzimas, como já sabemos, entram em cena para melhorar a qualidade de todos os líquidos internos, portanto das células, dos tecidos, da imunidade. Isso quer dizer vegetais crus, lactofermentados ou ligeiramente cozidos. Com fartura.

Temperar com shoyu e missô, ambos de fermentação natural e não pasteurizados, acrescenta enzimas e nutrientes tanto aos vegetais crus quanto aos cozidos e assados.

limão
O limão é um caso à parte entre as frutas. Além de ser rico em vitaminas, especialmente C, e minerais, seu altíssimo teor de ácido cítrico se transforma no estômago em sais alcalinos – como citrato de sódio, carbonatos e bicarbonatos – que normalmente neutralizam rapidinho qualquer fermentação perversa no estômago e nos intestinos. Poucas gotas fazem muito efeito.

Diz a cientista Conceição Trucom, em O poder de cura do limão, que ele “realiza uma reengenharia da qualidade hídrica de todo o organismo, beneficiando assim (...) todos os sistemas e órgãos vitais”. Faz isso “estabilizando uma condição levemente alcalina em todos os líquidos corporais, seja no sangue, na linfa, no líquido crâniossacral ou nos líquidos intra e extracelulares. E, o que é mais importante, essa estabilização levemente alcalina dos líquidos corporais, que é um pH entre 7,36 a 7,42 , é, metabolicamente falando, a condição ideal para todos os processos orgânicos acontecerem da forma mais equilibrada e harmônica. Ou seja, saúde, preservação e prevenção”.

O problema, como sempre, é o excesso: muito limão pode alcalinizar demais as mucosas, o que favorece a cândida. Observe seus sintomas e, se piorarem, deixe o limão quieto.

cereais integrais, cozidos e brotados
Cereais integrais não entram na dieta radical. Se a vida se tornar impossível sem eles, passe para a dieta suave, onde entram uma ou duas colheres de painço, trigo-sarraceno tostado (kasha), centeio, aveia, cevada, amaranto ou quinoa, equivalente à sétima parte da refeição em peso. Mastigando muito bem, porque é a mastigação que torna os cereais mais alcalinos.

A boa dica é sempre deixar de molho por uma noite.

Torrar ligeiramente na frigideira antes de cozinhar também é bom, reduz um pouco o amido e abre a película dos grãos.

Grãos germinados de arroz, cevada e painço,
passados ligeiramente pela wok (frigideira grande, profunda) com óleo de coco ou gergelim, são muito ricos em enzimas digestivas e empregados na medicina tradicional chinesa como alimento contra distúrbios digestivos. Segundo Paul Pitchford, em Healing with whole foods, eles são antifúngicos, e também os grãos germinados de centeio e quinoa. Pitchford assegura que numa dieta contra cândida qualquer um desses grãos pode representar 20% do peso da refeição, e os mesmos grãos, brotados, mais 20%. Considera-os uma opção mais saudável do que as carnes.

pão integral de fermentação caseira
O pão integral de fermentação caseira pode ajudar na dieta se comido com moderação – digamos, duas fatias, sempre torradas, de manhã, com óleo virgem de coco, azeite de oliva ou manteiga, par acompanhar os ovos quentes.

O processo longo de fermentação do pão quebra o glúten e elimina a maior parte dos fitatos do trigo, que nos pães de fermentação muito rápida permanecem.

A utilização de fermentos e aditivos nos produtos de padaria,historicamente recente, é que os torna mais daninhos.

Olho vivo: se o pão caseiro der gases ou aumentar sintomas, está atrapalhando.

cará, inhame-do-norte e aipim (Dioscorea sp.,Manihot sp.)
São tubérculos que não entram na dieta radical, mas podem ser alternados com os cereais integrais na dieta suave, moderadamente,cozidos ali na hora, especialmente no jantar. Observe o efeito para decidir qual o mais conveniente.

batata yacon (Polymnia ou Smallanthus sonchifolia)
Esta pode entrar todo dia. É uma raiz tuberosa docinha e crocante, parecida com maçã e pera, originária dos Andes. Por fora parece batata-doce. É rica em vitaminas A, B1, B2, C – e fibras, que retardam a absorção de açúcar pelos intestinos e contribuem muito para a sensação de saciedade. Dá frescor à refeição, como o pepino. É servida crua ou crocante. Sempre que descascar ou cortar, passe limão para ela não ficar escura. Muito boa em sucos de vegetais: fornece líquido.

inhame taro (Colocasia esculenta)
O inhaminho, aquele pequeno e cabeludo, não é tubérculo: é cormo. Considerado hipoalergênico e de fácil digestão, bem como grande reconstituinte de funções imunológicas, pode ajudar muito nesta dieta, comido com moderação. Limpa os intestinos e depura o sangue.

Os havaianos fermentam o inhame taro cozido e amassado com um pouco de água, deixando-o à temperatura ambiente por dois ou mais dias para obter o poi, ou poi poi, alimento básico de crianças, adultos e idosos, guarnição de peixes e frutos do mar, substituto do mingau no desjejum. Atribuem ao poi sua notável saúde e baixa incidência de cáries.

Relatos interessantíssimos dão conta do efeito tremendamente medicinal do poi para o sistema digestivo. O sabor, porém, é pouco atraente da primeira vez, e é preciso ter muita firmeza para tentar a segunda.

folhas verdes
As folhas verdes são insubstituíveis, portanto indispensáveis, nessa dieta. Primeiro porque é preciso limpar os intestinos, segundo porque é preciso fornecer clorofila para renovar o sangue, terceiro porque elas são riquíssimas em nutrientes.

Todas: repolho, acelga, couve, chicória, alface, agrião, couvechinesa, repolho, caruru, bredo, rúcula, bertalha, brócolis, mostarda, almeirão, serralha, caruru, beldroega, ora-pro-nóbis, vinagreira, jambu e por aí afora.

Silvestres ou da horta, cruas ou cozidas, elas são tudo de bom.

Cruas, têm vitaminas, minerais, fibras e enzimas, portanto são ideais para abrir a refeição – ou fechar, conforme o freguês e a cultura. Cozidas perdem as enzimas, a não ser que sejam passadas apenas rapidamente numa frigideira, tipo wok, e sua temperatura interna não ultrapasse os 47oC.

Chicória e bertalha, refogadinhas, são as campeãs da faxina intestinal. Dieta com elas vai mais depressa e incomoda menos.

folhinhas verdes
Como diz Jamie Oliver, o melhor que uma pessoa pode fazer por si é incluir muitas folhinhas miúdas e aromáticas em suas refeições: salsa, cebolinha, hortelã de vários tipos, coentro, manjericão, funcho, manjerona, orégano, erva-de-santa-maria, alecrim, capim-limão e outras, que também podem ser mascadas a qualquer momento ou aromatizar a água fresca.

folhas lactofermentadas
Elas têm a vantagem de se conservar por muito tempo e tornar a refeição mais prática, sem por isso perderem enzimas e vitaminas

feijões secos
Para efeitos da candidíase, os feijões secos são carboidratos e não entram na dieta radical, só na suave.

feijões-verdes e seus brotos
Vagem, feijão-verde de qualquer tipo, ervilhas verdes frescas e brotos são liberados.

vegetais sem ou com pouco amido
Abóbora, nabo comprido, cenoura, rabanete, yakon, beterraba, chuchu, vagem, quiabo, maxixe, pepino, aipo, couve-rábano, funcho, cebola, alho, gengibre, alho-poró, alcachofra, brotos de alfafa, de feijão, de bambu...

sementes e grãos germinados & seus brotos
De trigo, feijão, gergelim, girassol, abóbora, linhaça, castanhas, amêndoas, amendoim, de preferência no almoço, crocantes.

pepino e melancia
Refrescam e ajudam o corpo a eliminar água, o que favorece a desintoxicação. A parte branca da melancia, com casca e tudo, é um poderoso diurético para usar pela manhã. Pode ser utilizada em chá ou em conserva salgada.

frutas possíveis
Poucas: amoras, moranguinhos, framboesas silvestres e outras frutinhas vermelhas, as berries; romã, goiaba e melancia, moderadamente – uma hoje, outra amanhã, e assim mesmo só no intervalo entre as refeições, nunca de sobremesa. Vale fazer gelatina de uma das frutas com ágar-ágar, gelatina de algas, que se compra em lojas japonesas ou de produtos naturais. O modo de usar vem escrito na embalagem.

alho cru
Seu valor no combate à cândida, comprovado em inúmeros estudos, mostra que ele é mais poderoso do que violeta genciana, nistatina e outros renomados fungicidas, inclusive para uso tópico. Pode ser alho fresco, cru, mastigado ou amassadinho e incorporado à comida; azeite de alho feito em casa; cápsulas de óleo de alho; pílulas de alho.

cogumelos
Muitos cogumelos, comestíveis ou em cápsulas, ajudam a combater a cândida porque fortalecem o sistema imunológico e regeneram células; entre eles portobelo, shiitake, shimeji, agaricus, ganoderma ou reishi (orelha-de-pau) e o champignon comum. É equivocada a ideia de que comer cogumelos, que são fungos, faz aumentar os fungos patogênicos.

estévia (Stevia rebaudiana)
É o único adoçante concentrado que não tem efeitos colaterais. No início se percebe um gostinho diferente por trás do sabor doce, como em todo adoçante; mas paladar também é hábito, a gente se acostuma. Fermentado, o extrato é microbicida. O chá é gostoso e ajuda a fechar a refeição.

algas marinhas
Além de muito ricas em sais minerais, elas limpam o sangue, regulam as glândulas, rejuvenescem e matam fungos, com seu alto teor de iodo; o caldo de alga kombu é poderoso.

iodo
Candidíase, hipoglicemia e hipotiroidismo também podem estar ligados à carência desse poderoso fator de equilíbrio para a saúde. Iodo é um mineral especialmente concentrado nos hormônios da tiroide, que controlam a taxa metabólica, o crescimento, a reprodução, a formação de células sanguíneas, as funções nervosas e musculares e a temperatura corporal. Só.

Como a distribuição de iodo no meio ambiente é desigual, certas áreas, sobretudo as mais distantes do mar, produzem alimentos que não fornecem iodo em quantidade suficiente ao ser humano; isso gera doenças características de disfunção da tiroide, como bócio, ou papada, e retardamento mental; por isso decidiu-se acrescentar iodo ao sal de cozinha. Em 1983 havia 400 milhões de pessoas com carência óbvia de iodo nas regiões mais pobres do mundo, e 112 milhões nas regiões mais ricas.

Doses excessivas de iodo também podem deprimir a atividade da tiroide, produzindo sintomas similares aos da carência. Sinais de alarme: fome descontrolada, aumento de peso, ansiedade, taquicardia, suores, proeminência dos olhos.
Deveríamos consumir diariamente de 0.15 a 0.20mg de iodo, dizem os livros. Mas japoneses consomem quase 100 vezes mais: 15 a 18mg de iodo diários. Essa alta dosagem pode ser facilmente obtida pela inclusão de algas kombu, ágar-ágar, arame ou hijiki na alimentação e equivale a 2 gotas de iodo na solução do dr. Lugol (5% de iodo, 10% de iodeto de potássio e 85% de água). O iodo é um poderoso fungicida, e a alga kombu também. Daí sua extrema importância na candidíase.

coco-da-baía(Cocus nucifera)
O coco maduro fresco (aquele marrom, de casca seca) é um grande aliado nesta dieta. Seu óleo é antimicrobiano e fungicida, para uso interno e externo. A polpa pode ser comida aos pedaços ou ralada para acompanhar a comida. O leite de coco dá sabor e qualidade a muitos pratos. O creme, que se forma na superfície do leite de coco fresco que fica na geladeira, é uma delícia. Mas tem que ser natural, feito em casa, porque o da garrafinha tem conservantes, não é absolutamente medicinal.

óleo virgem de coco
É a melhor gordura para quem tem candidíase, pois tem ácido caprílico e quase 50% de ácido láurico, que aumentam a imunidade e são eficazes contra qualquer fungo. Pode ser consumido puro, uma colher de sopa de manhã, em jejum, e outra ao deitar, longe da tomada de lactobacilos e bebidas lactofermentadas. Substitui azeite e manteiga em qualquer prato que combine com coco. Também é maravilhoso para passar na pele, nos cabelos, nas partes mimosas, entre os dedos dos pés, nas unhas.

Fica sólido e opaco em temperatura baixa, às vezes muito duro. O que vai ser usado pode ser ligeiramente aquecido em banhomaria. Melhor não fazer isso com o pote todo, pois quanto mais estável for a temperatura, melhor para o óleo.

É gordura saturada sim, mas inteiramente do bem. Não sobrecarrega o fígado e ajuda a baixar o colesterol e os triglicerídios, além de regular a tiroide.

Óleo “extravirgem” de coco não existe, é firula do fabricante para impressionar incautos. Essa denominação é exclusiva do azeite de oliva. O óleo virgem de coco é extraído da polpa fresca do coco maduro e não da polpa seca, chamada copra.

É comum o óleo virgem de coco ficar rançoso, graças a embalagem e transporte inadequados. É bom abrir, cheirar fundo e provar logo após a compra – o sabor deve ser fresquinho até o fim, o aroma sem qualquer fundo de ranço. Caso não sejam, devolva.

azeite extravirgem de oliva
Um dos mais antigos produtos artesanais da nossa civilização: há milênios é feito do mesmo jeito. Alguns azeites ainda vêm de pequenos olivais e a azeitona é moída em moinho de pedra.
Cru ou em refogados rápidos: até 2 colheres/sopa por dia.

Também é bom para pele, cabelos e partes mimosas, tanto das garotas quanto dos rapazes. Dá cheirinho de salada.

manteiga sem sal
Para colocar no seu ovinho e derreter sobre alguma coisa quente.

A manteiga pura é tida pelos médicos ayurvedas como uma gordura de ótima qualidade, desde que seja de boa procedência e não esteja rançosa – compre fresquinha e guarde na geladeira, numa embalagem que impeça a entrada de ar e luz.

Colesterol? Não se preocupe. Se a sua taxa for alta, esta dieta provavelmente vai fazer com que ela desça a níveis normais, já que açúcar e frutose são mais formadores de colesterol no sangue do que o próprio colesterol dos ovos e da manteiga.

psyllium (Plantago psyllium , P. ovata)
O psyllium, tal como a linhaça, é uma sementinha muito rica em fibras, mucilagem e óleos; absorve água e é usada há séculos no Mediterrâneo e no Oriente Médio para dar ao bolo fecal a consistência adequada, regularizando o trânsito.

ajuda

O psyllium contribui para retardar o esvaziamento do estômago e a absorção de glicose no intestino delgado, portanto favorece todas as dietas. Ajuda a reduzir o mau colesterol. Limpa os resíduos das paredes intestinais e assim aumenta o controle da candidíase. Seus óleos, lubrificantes, deixam as fezes pastosas. Não tem contra-indicações. Deve ser ingerido com muita água.

linhaça (Linum usitatissimum)
A linhaça se assemelha ao psyllium em termos de fibras, mas seus óleos são mais valorizados e fartos. Isso quer dizer que ela só deve ser moída para usar na hora. Toda gordura oxida em contato com o ar, produzindo radicais livres.

Quando absorve água, a linhaça incha. Aparece a parte fofinha e viscosa da fibra recobrindo a semente. É ela que ajuda os intestinos e permite a absorção dos preciosos óleos.

linhaça batida com água e limão
1 copo de água filtrada
1 colher/sopa de sementes de linhaça dourada
gotas de limão

Deixar a linhaça de molho durante a noite na água filtrada. De manhã bater ambas no liquidificador com algumas gotas de limão e beber devagar, salivando bem.

óleo de fígado de bacalhau
É indicado para suprir a deficiência de vitaminas A e D nas dietas modernas e ajuda muito nos casos de candidíase, por fornecer ácidos graxos insaturados que trabalham com os ácidos graxos saturados do óleo de coco. Vem em cápsulas e frasco.

pólen de abelhas
Contém muitos nutrientes, inclusive proteínas, e pode ser parte de um lanchinho. Comer 1 colher de sopa por dia, de uma vez ou aos poucos, deixando dissolver devagar na boca.

sal e temperos
Todos os temperos são densos, intensos, penetrantes. Interferem nos processos do organismo, têm princípios ativos. Mesmo o sal, uma coisa tão corriqueira, produz efeitos quando é usado de modo medicinal. Melhor errar para menos.

água e chá
Sujou, lavou. Beber água é fundamental, mais ainda quando se
quer limpar tudo. São 8 copos de líquido por dia:
2 ao acordar
2 antes do almoço
2 à tarde
2 mais tarde, ou aos golinhos durante o dia todo.

Chá quente ou frio, água fresca com ou sem gotas de limão, água de ervas, caldo de vegetais, animais ou cogumelos, limonada adoçada com estévia, kvass de beterraba, soro de coalhada ou iogurte – sempre um tempo após as refeições, tipo uma hora e meia, para limpar os resíduos.

Beber água quente é muito benéfico para o corpo, que gosta de se manter aquecido e gasta calor para funcionar. Qualquer pouquinho de água quente depois de comer já ajuda a digestão.

Uma xícara pequena de chá, após as refeições, pode proporcionar mais que conforto: prazer.
aos golinhos

Bebida aos golinhos, água fresca com ou sem gotas de limão tem um efeito alcalinizante muito positivo sobre os resíduos da digestão, especialmente cerca de hora e meia depois de comer.

Fonte: http://candidiaseapraga.blogspot.com/

2 comentários:

Irlanda Já disse...

Maravilha de matéria! Parabéns

KaRina BeLLa disse...

Sofro demais com essa maldita Candidíase! !
Vou seguir a risca essas receitas para eu me curar...
O meu mal são os doces, mas com essa matéria vou tirá-los da minha vida! Obrigada por essa excelente matéria ;)

Postar um comentário