terça-feira, 9 de novembro de 2010

SBEM-SP promove fórum sobre Desreguladores Endócrinos

No domingo postei um texto de autoria de uma nutricionista, mostrando a relação Obesidade com Bisfenol-A. Hoje trago para vocês uma campanha  organizada pela  Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, regional de São Paulo (SBEM-SP).

Eles criaram um grupo técnico de trabalho dos desreguladores endócrinos (GTDE) que tem como objetivo utilizar a pesquisa em favor da socialização do conhecimento em prol da saúde da população. A missão do grupo é conscientizar a classe médica, a indústria, o governo e o consumidor sobre os efeitos dos desreguladores endócrinos na saúde humana e propor novas medidas de consumo.

Trabalho árduo pela frente, afinal, "mexer" com a indústria petrolífera é uma missão quase impossível. Falo isso porque à medida que forem estudando a ação dos outros desreguladores endócrinos perceberão que os derivados de petróleo tem uma ação disruptora importante.

Acredito que também terão que entrar na questão da preferência por orgânicos, afinal pesticidas também possuem efeito endócrino, então outro gigante a ser combatido: Monsanto...

Veremos que rumo tomará. Faço meu papel de médico ecologista e que defende um mundo mais limpo, mas sou um pouco pessimista com relação à mudanças quando o assunto se trata contaminantes. Até porque, "não existe contaminação, o que existe é envenenamento".

Boa semana

Dr. Frederico Lobo




GTDE (Grupo de Trabalho dos Desreguladores Endócrinos )

Formado por médicos endocrinologistas da SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo). O grupo conta com o apoio e participação efetiva de pesquisadores sobre o tema que deram origem ao blog O Tao do Consumo.

Visão do grupo: Utilizar a pesquisa em favor da socialização do conhecimento em prol da saúde da população.

Missão do grupo: Conscientizar a classe médica, a indústria, o governo e o consumidor sobre os efeitos dos desreguladores endócrinos na saúde humana e propor novas medidas de consumo.

Comitê Gestor do GTDE:

SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo)
Dra. Elaine Costa
Dr. Francisco Homero D’Abronzo
Dra. Ieda Therezinha Verreschi
Dra. Marise Lazaretti Castro
Dra. Nina Musolino
Dra. Tania Bachega

Apoio ao Comitê: Blog O Tao do Consumo
Fabiana Dupont
Fernanda Medeiros

O que é a campanha ?

A Campanha Contra os Desreguladores Endócrinos é uma iniciativa do GTDE (Grupo de Trabalho dos Desreguladores Endócrinos) da SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) criada com o intuito de mobilizar e conscientizar a população sobre os danos causados pelos desreguladores endócrinos (Endocrine Disrupting Chemical-EDCs) à saúde humana.

A proposta dessa campanha é o princípio da precaução, ou seja, uma vez que existem evidências que tais substâncias causam mal, tanto ao ser humano quanto ao meio ambiente, devem ser tomadas medidas de alerta, como um sinal de prevenção.

Objetivos da campanha

Envolver outros profissionais da área da saúde, como os farmacêutico-bioquímicos, toxicologistas, nutricionistas, além dos endocrinologistas, pediatras e outras especialidades, para informar e propor soluções e políticas públicas para o controle de tais substâncias.

Primeira ação da Campanha

A Regional São Paulo da SBEM lança como primeira ação da Campanha o Fórum SBEM-SP sobre Desreguladores Endócrinos: Bioquímica, Bioética, Clínica e Cidadania. O evento está programado o dia 25 de novembro, das 8h30 às 13hs, na Sede do Cremesp Vila Mariana e é destinado pesquisadores e interessados em disseminar o conhecimento sobre os impactos dos desreguladores endócrinos à saúde humana.


O objetivo é debater as ações dos Desreguladores Endócrinos na saúde e como a população deve se proteger. A ação do Bisfenol-A e a proibição do seu uso em embalagens no mundo é destaque no Fórum .

De acordo com a Presidente da SBEM-SP, Marise Lazzareti Castro, “ a expectativa desse Fórum é buscar parcerias com instituições sérias como o CREMESP de SP– que já nesse primeiro momento contribuiu com apoio logístico, além de representantes como a APM (Associação Paulista de Medicina, SBP_SP (Sociedade Paulista de Pediatria); a Ética da Terra e o blog o Tao do consumo.

A médica explica que o Fórum promete fomentar a discussão de como a sociedade civil pode se organizar para se precaver contra o Bisfenol –A. “Queremos atrair pessoas envolvidas na área e que possam fazer contribuições, como por exemplo, os pesquisadores”, salienta.

A programação reserva temas como: Desreguladores Endócrinos e a saúde humana; aspectos químicos e toxicológicos, efeitos sobre a diferenciação sexual e efeitos sobre a glândula tireóide; Os Mecanismos e Iniciativas de Proteção Social contra Potenciais Riscos do Bisfenol A; panoramas das ações e empreendimento para o controle e proteção populacional. Posicionamento e medidas, o Papel da Anvisa e Discussão do Bisfenol-A no mundo.

Programação disponível aqui.


Significado da logomarca

A primeira fase da Campanha promove o slogan “Diga Não ao Bisfenol A, a Vida não tem Plano B” e chama a atenção para os danos causados pelo Bisfenol A, substância presente em utensílios utilizados em nosso dia a dia, que contaminam, em especial os alimentos que consumimos, trazendo danos irreversíveis ao sistema endócrino.

Logomarca – A logomarca tem como destaque o feto, pois é o alvo mais sensível à utilização de tais substâncias capazes de romper o sistema endócrino. As formas escolhidas para envolver o feto são de uma “borboleta”, devido à similaridade da forma da tireoide, principal órgão afetado pelos desreguladores endócrinos.


O que são EDC's ?

Os EDC’s (desreguladores endócrino) são substâncias químicas, que ocorrem no meio ambiente em forma isolada ou como uma mistura de substâncias, que possuem propriedades suscetíveis de desequilibrar o sistema endócrino num organismo intacto, sua descendência ou (sub) populações. Aproximadamente, 11 milhões de desreguladores endócrinos são produzidos mundialmente, alguns dos quais o ser humano tem contato diário, por meio da contaminação de alimentos, da poluição do ar ou da água.

Os que mais causam preocupação aos pesquisadores são: o Bisfenol A, encontrado, em sua maioria em plásticos e resinas, os pesticidas e herbicidas usados na lavoura, inadvertidamente ingeridos. Tais substâncias alteram o sistema endócrino, modificando o sistema hormonal do organismo, gerando prejuízos irreversíveis à saúde da população, tais como:
•Aborto
•Anomalias e tumores do trato reprodutivo
•Câncer de mama e de próstata
•Déficit de atenção, de memória visual e motor
•Diabetes
•Diminuição da qualidade e quantidade de esperma em adultos
•Endometriose
•Fibromas uterinos
•Gestação ectópica (fora da cavidade uterina)
•Hiperatividade
•Infertilidade
•Modificações do desenvolvimento de órgãos sexuais internos
•Obesidade
•Precocidade sexual
•Retardo mental
•Síndrome dos ovários policísticos
Sobre o Bifesnol-A (BPA)

O Bisfenol A (BPA) é um composto utilizado na fabricação de policarbonato, um tipo de resina utilizada na produção da maioria dos plásticos. O BPA também está presente na resina epóxi, utilizada na fabricação de revestimento de latas para evitar a ferrugem e prevenir a contaminação externa. Algumas empresas já desenvolvem produtos sem a presença do BPA, para evitar prejuízos à saúde do consumidor. Segundo os pesquisadores, o componente tem similaridade com o hormônio feminino e da tireoide. Ao entrar em contato com o organismo humano, principalmente durante a vida intrauterina, pode romper o sistema endócrino, por interação com os receptores desses hormônios, trazendo danos irreversíveis à saúde da população.


A substância atua tanto por ingestão como por contato com a pele e consequente absorção. O grande problema do uso do BPA é o fato de a substância se desprender e contaminar alimentos ou produtos embalados, pelo contato direto. O plástico contendo Bisfenol A tanto quando aquecido ou congelado apresenta uma contaminação ainda maior. De acordo com os especialistas, ingerimos cerca de 10 microgramas de BPA por dia.

BPA no Brasil

A diretiva da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil) é normalizada junto ao Mercosul, foi revista em março de 2008 (Resolução Anvisa nº 17, de 17 de março de 2008) e baseia-se em lei da Comunidade Européia de 2004 (Comission Directive 2004/19/EC).


Para o bisfenol-A, o limite de migração específico (LME) permitido das embalagens para os alimentos e bebidas é de 0,6 mg/kg de material plástico.

No momento, o Projeto de Lei do deputado Beto Faro (PT-PA), que está sendo analisado pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio, de Seguridade Social e Família e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados, tramita em caráter conclusivo.

O Projeto proíbe a produção, a importação e a comercialização de embalagens, equipamentos e outros produtos para lactantes e crianças da primeira infância que contenham em suas composição o bisfenol-A.

Em Curitiba, o vereador Aladim Luciano (PV) propôs lei banindo o bisfenol. Apresentado na Câmara de Curitiba, em março de 2010, o projeto prevê a proibição da fabricação, fornecimento e comercialização de mamadeiras e brinquedos infantis compostos por elementos plásticos que liberem o poluente orgânico persistente bisfenol-A (BPA).

BPA no Mundo

Estados Unidos Quatro estados (Minnesota, Washington, Connecticut e Wisconsin) e algumas cidades, incluindo Chicago e Rockford proibiram sua utilização em produtos infantis. Tanto o FDA quanto o EPA declararam o bisfenol-A preocupante e estão revisando sua posição em relação ao uso do BPA.


Canadá, Costa Rica e Dinamarca proibiram seu uso.

França O senado aprovou sua proibição e agora a lei passa por outras instâncias.

Europa O European Food Safety Administration (EFSA ) também está reavaliando seu uso com um relatório final a ser publicado ainda no primeiro semestre de 2010.
BPA – USA

No que concerne aos padrões de consumo estabelecidos pelo governo nos Estados Unidos, o FDA publicou uma nova análise em janeiro de 2010 onde manifesta preocupações sobre possíveis riscos à saúde provocados pelo bisfenol-A:

“Estudos utilizando testes de toxidade confirmaram que o nível baixo de exposição ao BPA não era prejudicial à saúde. No entanto, considerando testes recentes onde novas bordagens foram realizadas, levando em conta efeitos colaterais mais sutis, tanto o National Toxicology Program at the National Institutes of Health quanto o FDA demonstram preocupação sobre os possíveis efeitos do BPA no cérebro, no comportamento e na próstata de fetos, bebês e crianças”.

O FDA está dando os primeiros passos para reduzir a exposição ao BPA em produtos alimentares. Esse passos incluem:
•Apoiar ações de indústrias para interromper a produção de mamadeiras e copos infantis, para o mercado americano, que possuam BPA em sua composição;

•Incentivar o desenvolvimento de alternativas ao BPA para a parte interna de latas de leite destinadas a bebês;

•Apoiar tentativas de substituição ou diminuição dos níveis de BPA em outros tipos de latas.

•Apoiar uma mudança mais severa na regulamentação do BPA;

•Buscar a participação da população e também opiniões externas nas pesquisas sobre o BPA;

•Apoiar as recomendações do Department of Health and Human Services no que diz respeito à alimentação de bebês e a preparação de comida para a redução da exposição ao BPA.

O FDA não está recomendando que famílias deixem de usar leite ou alimentos para bebês pois os benefícios de uma nutrição balanceada ultrapassam o risco potencial da exposição ao BPA.

A cidade de Chicago, em maio de 2009, e Rockford, em março de 2010, proibiu a venda de mamadeiras e copos infantis com BPA. Também esse ano, os estados de Washington, Minnesota, Wisconsin e Connecticut também proibiram a venda de mamadeiras e copos infantis com BPA. Em abril de 2010, o EPA (Environmental Protection Agency) também divulgou que está reavaliando o uso do bisfenol-A. O jornal Journal Sentinel de Milwakee (Wisconsin) mantém uma seção discutindo o assunto.

1998 - Governo canadense declara o bisfenol-A uma substância tóxica.

BPA – CANADÁ

Março, 2010 O país decide proibir a comercialização de mamadeiras, chupetas e outros artigos para bebês que contenham plásticos com bisfenol-A. Há 12 anos as lojas do Walmart no país não vendem produtos para alimentação infantil que contenham BPA. Outras empresas do ramo seguiram a mesma iniciativa*.

O movimento no Canadá contra o bisfenol-A impulsionou o debate ao redor do mundo e se transformou em um case de sucesso na luta a favor de melhor regulamentação de químicos.

Ver o conteúdo oficial da proibição em: Order Amendign Schedule I to the Hazardous Produts Act (bisphenol-A)

Para acessar o tema: Toxic Nation

BPA – EUROPA

Junho, 2008 Comissão Européia publica um relatório atualizado da União Européia sobre o levantamento de risco do bisfenol-A. O documento conclui que produtos com BPA – como o plástico de policarbonato e resinas epóxi – são seguros para o consumo e para o meio ambiente quando utilizados corretamente.

Outubro, 2008 A EFSA (European Food Safety Authority) declara que após a publicação dos resultados da pesquisa de Lang – Associação da concentração de bisfenol-A com problemas de saúde e anormalidades em laboratório em adultos – não havia motivos para a revisão da dose diária tolerável (TDI – Tolerable Daily Intake) para o BPA de 0.05 mg/kg de peso corporal.

2009 Estudo científico critica os processos do relatório de risco da exposição à disruptores endócrinos, incluindo o BPA.

Dezembro, 2009 O Ministério do Meio Ambiente da União Européia publica um relatório expressando preocupação com os resultados de pesquisas recentes que demonstraram efeitos nocivos da exposição a disruptores endócrinos. O documento incentiva novas pesquisas sobre o tema.

Junho, 2009 A AFFSA (Anvisa francesa) é instruída para reexaminar a aprovação do BPA. Na Dinamarca, em maio de 2009, o parlamento já tinha aprovado uma resolução pedindo a proibição do BPA em mamadeiras.

Março, 2010 Senado francês aprova lei proibindo o uso do BPA em embalagens alimentícias, principalmente em mamadeiras. Os políticos afirmam que a publicação de inúmeros estudos alertando sobre os problemas de saúde causados pela presença do policarbonato foi o que os incentivou a fazer a proposta.

Abril, 2010 A AFFSA conclama a indústria alimentícia a divulgar no rótulo a presença do bisfenol-A. No mesmo mês, o BPA foi proibido na Dinamarca.

Na Inglaterra a polêmica ganha força com artigos muito críticos ao bisfenol-A do jornal Independent.

BPA e o feto
Segundo os especialistas, há fases da vida onde ocorre maior suscetibilidade aos desreguladores. Os bebês são os mais vulneráveis a esse contato, desde a vida intrauterina, pela contaminação via placenta, cordão umbilical e também quando lactentes, pelo uso de mamadeira. A substância tem efeitos de hormônios estrogênios sintéticos, que causam câncer e infertilidade tanto na mulher como no homem. Portanto, os grupos que devem estar mais atentos  ao uso da substância são as mulheres em fase reprodutiva, gestantes, bebês e crianças (de 0 a 06 anos, especialmente).

Produtos que contém BPA

Plásticos: adesivos, cadeiras, brinquedos, CDs, copos infantis, eletrodomésticos, eletrônicos, embalagens para acondicionar alimentos e bebidas, escovas de dente, filtros de água, garrafas reutilizáveis de água, mamadeiras, peças automotivas, revestimento interno de latas e vidros, sacola de supermercado, entre outros produtos plásticos.
Resinas de epóxi: colas, selantes dentários
 
Dicas de consumo: Como evitar a exposição ao BPA
1 – Use mamadeiras e utensílios de vidro ou bpa free para os bebês


2 – Não esquente embalagens de plástico com bebidas e alimentos no microondas. O bisfenol é liberado em maiores quantidades quando o plástico é aquecido.


3 – Evite o consumo de alimentos e bebidas enlatadas, pois o bisfenol é utilizado como resina époxi no revestimento destas embalagens

4 – Evite pratos, copos e outros utensílios de plástico. Opte pelo vidro, porcelana e aço inoxidável na hora de armazenar bebidas e alimentos


5 – Descarte utensílios de plástico lascados ou arranhados. Evite lavá-los com detergentes fortes ou colocá-los na máquina de lavar louças


6 – Caso utilize embalagens plásticas (tanto de garrafas quanto embalagens alimentares) evitar o uso de embalagens que tenham os símbolos de reciclagem 3 (V) e 7 (PC) na parte posterior da embalagem, eles podem conter bisfenol-A em sua composição.

FONTE: Site da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia , regional de São Paulo

1 comentários:

Valdete disse...

dirigido ao dr francisco homero d'abronzo, minha filha tem ovario policistico, desde muito cedo toma coca cola, na adolescencia passou a ter crises de hipoglicemia, que ate agora medico nenhum conseguiu de fato saber onde começa, tem alguma relaçao? obrigada valdete

Postar um comentário

Propagandas (de qualquer tipo de produto) e mensagens ofensivas não serão aceitas pela moderação do blog.