sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Receitas vivas - Projeto semente N'ativa

Caros leitores,

Já comentei aqui no blog sobre o livro "Lugar de Médico é na cozinha" do colega Dr. Alberto Peribanez Gonzalez, médico e professor de Fisiologia Cardiovascular, Respiratória e Neurofisiológica do Curso de Medicina da Universidade Estácio de Sá. Coordenador do projeto científico Oficina de Alimentos Funcionais "Oficina da Semente" e do curso de extensão Bases Fisiológicas da Terapêutica Natural e Alimentação Viva, na Universidade Estácio de Sá. Autor de dezenas de trabalhos em pesquisa cirúrgica da microcirculação. Mestrado e Doutorado no Instituto de Pesquisa Cirúrgica de Munique, Alemanha.

O livro é bastante interessante para quem deseja ter uma nova visão sobre a alimentação vegetariana. Explica com  extensa base científica que a nossa saúde pode estar contida nos alimentos que colocamos no nosso prato. Também explica o porquê de se adotar uma dieta vegetariana ( e de preferência alimentação viva) ou com o mínimo possível de proteína animal. Ao longo do livro, Dr. Alberto aborda assuntos como germinação de alimentos, elaboração de leites vegetais e um pouco da sua prática na oficina por ele criada, denominada "Oficina da semente". Para maiores informações sobre a Oficina: http://www.oficinadasemente.com/

Dr. Alberto acabou sendo  o pioneiro num movimento que já existia no Brasil, porém não havia tanta divulgação. Pessoas como Adriano Caceres de Brasília - DF possui um projeto semelhante ao do Dr. Alberto e procura difundir as chamadas "Receitas vivas".

Hoje, trago para meus leitores um material cedido pelo Adriano e espero que façam bom uso. Em breve, o mesmo será editado em livro editado.  Fica aqui meu agradecimento ao Adriano poder ceder um material tão valioso.

Grande abraço e bom feriado para todos

Dr. Frederico Lobo (CRM-GO 13192 - CRM-DF 18620) - Ambientalista, médico, clínico geral

OBS: Ortomolecular não é coberta por nenhum plano de saúde, já que não é uma especialidade médica. Portanto o Dr. Frederico Lobo não atende nenhum convênio, assim como outros médicos ortomoleculares também não.




RECEITAS VIVAS – PROJETO SEMENTE N’ATIVA

CURSOS, APRESENTAÇÕES E CONSULTORIAS
Elaboração: Adriano Caceres
Contatos: (61) 8141-2299 / 3447-7649
adrianocaceres@yahoo.com.br


GERMINAÇÃO DAS SEMENTES

 Colocar as Sementes de trigo, linhaça, girassol, amendoim, gergelim, quinua, aveia, centeio, amaranto ou qualquer outra em recipiente de vidro e colocar água mineral ou outra água livre de contaminantes como cloro e flúor.

 Deixar de molho por 8 horas (durante a noite).

 Escoar a água e utilizar as sementes.

 Se quiser produzir brotos, manter as sementes úmidas por mais 16 horas ou até a raíz brotar em recipientes de vidro protegidos com paninhos circulares de voal amarrados com liga de borracha. Não tampar os vidros, a semente deve respirar.



FABRICAÇÃO DAS REDES DE COAR

 Comprar tecido de voal em qualquer loja de tecidos. Demarcar um círculo de aproximadamente 50cm de diâmetro, que ultrapasse o diâmetro da tigela de vidro que você dispõe.

 Cortar o pano com tesoura em formato circular.

 Queimar as bordas do círculo com isqueiro, para que não fique desfiando.

 Com um incenso aceso, fazer furinhos perto da extremidade do pano, distantes 2,5cm um do outro.

 Colocar o elástico passando pelos furinhos e depois amarrar as pontas com um nó.

 Para fazer os paninhos circulares de voal, que protegerão as sementes em germinação, basta cortar o tecido em formatos circulares menores, que consigam abraçar os recipientes de vidro.

 Proteger os potes que contem as sementes com os paninhos, amarrados com elástico.

Obs.: Se não puder fabricar sua própia rede, as redes de coar podem ser compradas no Restaurante Bhumi (113 sul) ou no Restaurante Girassol (409 sul) ambos em Brasília-DF.


RECEITAS VIVAS:

SUCO DA LUZ DO SOL (VERDE) – LEITE DA TERRA

INGREDIENTES:

→ 3 maçãs fuji

→ ½ inhame pequeno sem casca

→ 1 cenoura

→ 1/2 abóbora pequena

→ 1 água de côco

→ Polpa de côco

→ Sementes germinadas de quinua, girassol, linhaça e gergelim (variar a acada dia)

→ Castanha do Pará hidratada

→ Amêndoas hidratadas

→ Folhas de couve, morango, cenoura, alface, acelga, amora, hortelã ou capim de trigo (variar a cada dia)

Rendimento: aproximadamente 700mL

MODO DE FAZER:

Colocar as sementes de quinua, girassol, linhaça e/ou gergelim em recipiente de vidro com água durante 8 horas. Pela manhã, escoar a água, descartando-a.
Colocar uma água de côco no liquidificador. Abrir o côco, raspar a polpa e colocar no liquidificador. Colocar 3 maçãs, ½ inhames sem casca, 1 cenoura e ½ abóbora menina brasileira, todos cortados em pedaços pequenos. Utilizar um biosocador (cenoura ou pepino) para ajudar a socar a mistura em direção à hélice do liquidificador.
Colocar a mistura para coar em pano de voal esticado numa tigela de vidro. Recolher o suco já coado e e colocar no liquidificador. Adicionar as sementes germinadas de girassol, quinua, gergelim preto ou branco. Bater e depois coar a mistura. Novamente, colocar o suco já coado no liquidificador. Por último, adicionar folhas de couve e/ou folhas de morango e/ou folhas de cenoura ou capim de trigo. Utilizar um biosocador (cenoura ou pepino) para ajudar a socar a mistura em direção à hélice do liquidificador. Deixar bater por mais de 2 minutos, até o suco ficar homogêneo. Coar novamente em pano de voal.
Está pronto o suco da luz, que substitui um café da manhã, limpa e mineraliza o sangue, libera líquidos retidos no corpo, promove a revascularização de tecidos, melhora a circulação sanguínea e melhora a disposição. O suco da luz deve ser tomado diariamente em jejum, pela manhã.

Efeitos do suco da luz e da alimentação viva:

→ “limpeza intestinal”, traz bactérias benéficas para o intestino (lactobacilos);

→ limpeza do sangue, normalização da carga elétrica das hemácias, redução de prostaglandinas inflamatórias PG-2, diminuição da viscosidade sanguínea;

→ Neovascularização, melhoria da circulação sanguínea, estímulo à produção de células sanguíneas

→ Fortalecimento do sistema imunológico;

→ Desintoxicação do Terreno Biológico.

Receita extraída do livro “Lugar de Médico é na Cozinha”, Dr.Alberto Gonzalez, com adaptações.


SUCO DA LUZ DO SOL (ROXO)

INGREDIENTES:

→ 3 maçãs fuji;

→ 2 beterrabas;

→ 1 inhames pequeno sem casca;

→ 1 cenoura;

→ 1/2 abóbora pequena;

→ 1 água de côco;

→ Polpa de côco;

→ Sementes germinadas de quinua, girassol, linhaça e gergelim (variar a acada dia);

→ Castanha-do-Pará hidratada;

→ Amêndoas hidratadas;

→ Folhas de couve, morango, cenoura, beterraba, repolho roxo, alface, acelga, amora, radichio, hortelã ou capim de trigo (variar a cada dia).

MODO DE FAZER:
Colocar as sementes de quinua, girassol, linhaça e/ou gergelim em recipiente de vidro com água durante 8 horas. Pela manhã, escoar a água, descartando-a.
Colocar uma água de côco no liquidificador. Abrir o côco, raspar a polpa e colocar no liquidificador. Colocar 3 maçãs, ½ inhames sem casca, 1 cenoura, ½ abóbora menina brasileira e as 2 beterrabas, todos cortados em pedaços pequenos. Utilizar um biosocador (cenoura ou pepino) para ajudar a socar a mistura em direção à hélice do liquidificador.
Colocar a mistura para coar em pano de voal esticado numa tigela de vidro. Recolher o suco já coado e e colocar no liquidificador. Adicionar as sementes germinadas de girassol, quinua, gergelim preto ou branco. Bater e depois coar a mistura. Novamente, colocar o suco já coado no liquidificador. Por último, adicionar folhas de couve e/ou folhas de morango e/ou folhas de cenoura, folhas de beterraba ou capim de trigo. Utilizar um biosocador (cenoura ou pepino) para ajudar a socar a mistura em direção à hélice do liquidificador. Deixar bater por mais de 2 minutos, até o suco ficar homogêneo. Coar novamente em pano de voal.
Está pronto o suco da luz, que substitui um café da manhã, limpa e mineraliza o sangue, libera líquidos retidos no corpo, promove a revascularização de tecidos, melhora a circulação sanguínea e melhora a disposição. O suco da luz deve ser tomado diariamente em jejum, pela manhã.


LEITE DE CASTANHA-DO-PARÁ E AMÊNDOAS

INGREDIENTES:

→ 2 águas de côco

→ Polpa dos côcos

→ 50g de Castanhas-do-Pará hidratadas

→ 40g de Amêndoas hidratadas

→ 50g Tâmaras hidratadas sem caroço ou uvas passa.


MODO DE FAZER:

Colocar as sementes de Castanha-do-Pará, Amêndoas e Tâmaras sem caroço para hidratar (deixar em recipientes de vidro separados durante 8 horas ou na noite anterior). Colocar uma ou duas águas de côco no liquidificador. Abrir o côco e raspar a polpa. Adicionar as sementes germinadas, a polpa do côco e as tâmaras hidratadas. Bater bem até a mistura ficar homogênea. Colocar a mistura para coar em pano de voal esticado numa tigela de vidro. Coar em 2 ou 3 etapas para facilitar a coagem. Rendimento: 800mL. O Leite de Castanha-do-Pará e amêndoas oxida em três dias, sendo recomendável conservar por até 2 dias em geladeira.

Receita extraída do livro “Lugar de Médico é na Cozinha”, Dr.Alberto Gonzalez, com adaptações.



LEITE DE CASTALIM e QUINUA

INGREDIENTES:

→ 2 águas de côco

→ Polpa dos côcos

→ 50g de Castanhas-do-Pará hidratadas

→ 40g de Amêndoas hidratadas

→ 50g Tâmaras hidratadas sem caroço

→ 30g de Gergelim branco com casca

→ 20g de quinua

Colocar as sementes de quinua, gergelim branco, castanha-do-Pará, amêndoas e tâmaras para germinar (deixar em recipientes de vidro separados durante 8 horas ou na noite anterior). Quantidades aproximadas: quinua – 30g, gergelim branco – 40g, castanha-do-Pará – 50g, amêndoas – 40g. Colocar uma ou duas águas de côco no liquidificador. Abrir o côco e raspar a polpa. Adicionar as sementes germinadas, a polpa do côco e as tâmaras hidratadas. Bater bem até a mistura ficar homogênea. Colocar a mistura para coar em pano de voal esticado numa tigela de vidro. Coar em 2 ou 3 etapas para facilitar a coagem. Rendimento: 800mL. O Leite de Castalim e quinua oxida rapidamente, durando apenas 1 dia em geladeira.

Receita extraída do livro “Lugar de Médico é na Cozinha”, Dr.Alberto Gonzalez, com adaptações.


MOUSSE DE AMORA (GELÉIA DE AMORA)

INGREDIENTES:

→ 50g de linhaça (hidratar em água por 8 horas)

→ 60g de tâmaras secas (hidratar em água por 2 horas)

→ uma porção de amoras frescas

→ polpa de côco verde

MODO DE PREPARO:

Bater em liquidificador e servir em tigelas com cobertura de castanha-do-Pará ralada ou servir como geléia para passar no pão.


SUCO DE AMORA (NÉCTAR DE AMORA)

INGREDIENTES:

→ uma porção de amoras frescas

→ 2 águas de côco

→ polpa de côco

→ beterraba ou uvas (opcional)

MODO DE PREPARO:

Bater os ingredientes no liquidificador, e depois coar em um pano fino de voal. Servir gelado de preferência.



SUCO DE ACEROLA COM LARANJA (ACERANJA)

INGREDIENTES:

→ Uma porção de acerolas frescas;

→ Laranjas maduras (se possível orgânicas);

→ 1 águas de côco (opcional)

MODO DE FAZER:

Lavar bem todas as frutas. Espremer as laranjas com a ajuda de um espremedor, para obter o suco. Colocar o suco de laranja no liquidificador. Em seguida, adicionar as acerolas frescas. Para um suco ainda mais gostoso, coloque água de côco ao bater no liquidificador. Não coloque açúcar ou mel, o doce da laranja já deixa seu suco delicioso.


SUCO DE ABACAXI, LARANJA E MANGA (ABACARANGA)
INGREDIENTES:

→ Um abacaxi maduro;

→ Laranjas maduras (se possível orgânicas);

→ Uma manga madura;

→ 1 águas de côco (opcional)

MODO DE FAZER:
Espremer as laranjas com a ajuda de um espremedor, para obter o suco. Colocar o suco de laranja no liquidificador, sem as sementes. Em seguida, colocar o abacaxi descascado e cortado no liquidificador. Cortar a manga em fatias e colocar no liquidificador. Bater bem e coar em pano de voal. Passar da tigela para uma jarra de vidro. Para um suco ainda mais gostoso, coloque água de côco ao bater no liquidificador. Não coloque açúcar ou mel, o doce das frutas já deixa seu suco delicioso.

SUCO DE ABACAXI COM BETERRABA (ABACARRABA)

INGREDIENTES:

→ Um abacaxi maduro;

→ 1 beterraba grande ou duas médias;

→ 1 água de côco (opcional)

MODO DE FAZER:
Descascar e cortar o abacaxi, e colocar no liquidificador. Colocar a beterraba cortada em fatias. Adicionar uma água de côco. Coar no pano de voal. Passar da tigela para uma jarra de vidro. Servir gelado ou com gelo.



VITAMINA DE LEITE DE CASTANHA COM BANANA E MAMÃO

INGREDIENTES:

→ Leite de Castanha-do-Pará e amêndoas;

→ 1 banana nanica madura;

→ 1 mamão formosa maduro.

MODO DE FAZER:

Colocar o leite de castanhas no liquidificador. Adicionar as bananas e o mamão. Bater por 2 minutos. Não há necessidade de coar. Se tiver à disposição, coloque também uma atemóia ou pinha! Fica delicioso!



MILK SHAKE DE MORANGO COM LEITE DE CASTANHA

INGREDIENTES:

→ Leite de Castanha-do-Pará e amêndoas;

→ uma porção de morangos orgânicos;

MODO DE FAZER:

Preparar o leite de castanha-do-Pará e amêndoas. Colocar o leite de castanha no liquidificador e adicionar os morangos (de preferência orgânicos). Se quiser, adicione mais polpa de côco, para ficar mais cremoso. Não há necessidade de coar. Se houver necessidade de adoçar mais, pode-se adicionar tâmaras ou uvas passas hidratadas. Recomenda-se não utilizar qualquer tipo de açúcar ou mel.


ACHOCOLATADO DE LEITE DE CASTANHA-DO-PARÁ E AMÊNDOAS

INGREDIENTES:

→ 2 águas de côco;

→ Polpa dos côcos;

→ 50g de Castanhas-do-Pará hidratadas;

→ 40g de Amêndoas hidratadas;

→ 50g Tâmaras hidratadas sem caroço;

→ Cacau em pó;

→ Mel (opcional).

MODO DE FAZER:

Colocar as sementes de Castanha-do-Pará, Amêndoas e Tâmaras sem caroço para hidratar (deixar em recipientes de vidro separados durante 8 horas ou na noite anterior). Colocar uma ou duas águas de côco no liquidificador. Abrir o côco e raspar a polpa. Adicionar as sementes germinadas, a polpa do côco e as tâmaras hidratadas. Adicionar o cacau em pó. Bater bem até a mistura ficar homogênea. Colocar a mistura para coar em pano de voal esticado numa tigela de vidro. Coar em 2 ou 3 etapas para facilitar a coagem. Rendimento: 800mL. Se quiser o achocolatado mais doce, adicione um pouco de mel ao bater no liquidificador. Se você já tiver feito o Leite de Castanha-do-Pará e amêndoas, basta acrescentar o cacau em pó e bater no liquidificador.


TORTA DE BANANA

INGREDIENTES:

→ Uma porção de amendoim germinado;

→ Uma porção de trigo germinado;

→ Azeite;

→ Sal marinho;

→ 4 bananas nanicas maduras;

→ 30g de semente de linhaça hidratada;

→ 50g Tâmaras hidratadas sem caroço;

→ Baunilha em fava;

→ Um limão galego;

→ Polpa de côco;

→ Água de côco;

→ 25g de Castanha-do-Pará;

→ 20g de amêndoas;

MODO DE FAZER:
Preaquecer o forno em temperatura baixa antes de começar a massa.

Massa: Bater o amendoim germinado no multiprocessador ou liquidificador. Colocar em uma travessa de vidro. Em seguida, bater o trigo germinado e adicionar à massa. colocar um pouco de azeite e uma pitada de sal marinho. Misturar bem até que a massa fique bem homogênea. Estender na travessa de vidro. Desligar o forno e colocar a massa para desidratar.

Recheio: Bater no liquidificador 4 bananas nanicas maduras, linhaça germinada, tâmaras hidratadas polpa de côco, baunilha em fava, um limão galego, polpa de côco e água de côco até que o recheio adquira a consistência desejada.

Cobertura: pode ser feita com castanha-do-pará, baru ou amêndoas batidas no liquidificador e com uvas passas escuras e claras. Utilize sua criatividade para enfeitar a cobertura, fazendo desenhos vivos. A massa não deve estar quente ao receber o recheio. Servir à temperatura ambiente ou conservar em geladeira por algumas horas e servir gelado.

Receita extraída do livro “Lugar de Médico é na Cozinha”, Dr.Alberto Gonzalez, com adaptações.



TORTA DE MORANGO

INGREDIENTES:

→ Uma porção de amendoim germinado;

→ Uma porção de trigo germinado;

→ Azeite;

→ Sal marinho;

→ Uma porção de morangos orgânicos;

→ Leite de Castanha-do-Pará;

→ 30g de semente de linhaça hidratada;

→ Polpa de côco;

→ 30g de tâmaras hidratadas;

→ Água de côco;

→ 25g de Castanha-do-Pará;

→ 20g de amêndoas;

MODO DE FAZER:

Preaquecer o forno em temperatura baixa antes de começar a massa.

Massa: Bater o amendoim germinado no multiprocessador ou liquidificador. Colocar em uma travessa de vidro. Em seguida, bater o trigo germinado e adicionar à massa. colocar um pouco de azeite e uma pitada de sal marinho. Misturar bem até que a massa fique bem homogênea. Estender na travessa de vidro. Desligar o forno e colocar a massa para desidratar.

Recheio: morangos orgânicos, leite de castanha-do-Pará, linhaça germinada, polpa de côco, tâmaras hidratadas e água de côco até que o recheio adquira a consistência desejada.

Cobertura: morangos cortados, castanha-do-pará ralada, baru ou amêndoas batidas no liquidificador e uvas passas escuras e claras. Use sua criatividade. A massa não deve estar quente ao receber o recheio. Servir à temperatura ambiente ou conservar em geladeira por algumas horas e servir gelado.

CHOCOLATE DE ABACATE (ABACOLATE)

INGREDIENTES:

→ Um abacate maduro;

→ Polpa de côco;

→ 30g de tâmaras hidratadas;

→ Mel;

→ Cacau em pó;

→ Amendoim levemente torrado;

→ 30g de semente de linhaça hidratada;

→ Água de côco.

MODO DE FAZER:
Bater um abacate maduro, polpa de côco, tâmaras hidratadas, mel, cacau em pó, amendoim, linhaça germinada e um pouco de água de côco até a consistência desejada. Bater castanha-do-Pará, amendoim ou amêndoas junto com a mistura. Se sobrar castanhas ou amêndoas batidas polvilhar em cima do chocolate quando for servir. Servir o chocolate com frutas secas, fazendo docinhos de damascos, docinhos de bananas em rodelas, tâmaras e nozes, ou utilizar como recheio em tortas vivas (torta de abacolate).


TORTA DE ABACOLATE (CHOCOLATE DE ABACATE)

INGREDIENTES:

→ Uma porção de amendoim germinado;

→ Uma porção de trigo germinado;

→ Azeite;

→ Sal marinho;

→ Um abacate maduro;

→ Polpa de côco;

→ 30g de tâmaras hidratadas;

→ Mel;

→ Cacau em pó;

→ Amendoim levemente torrado;

→ 30g de semente de linhaça hidratada;

→ Água de côco.

→ Banana nanica em rodelas;

→ Uvas passa;

→ Pólen de abelhas.

MODO DE FAZER:
Preaquecer o forno em temperatura baixa antes de começar a massa.

Massa: Bater o amendoim germinado no multiprocessador ou liquidificador. Colocar em uma travessa de vidro. Em seguida, bater o trigo germinado e adicionar à massa. colocar um pouco de azeite e uma pitada de sal marinho. Misturar bem até que a massa fique bem homogênea. Estender na travessa de vidro. Desligar o forno e colocar a massa para desidratar.

Recheio: Bater um abacate maduro, polpa de côco, tâmaras hidratadas, mel, cacau em pó, amendoim, linhaça germinada e um pouco de água de côco até a consistência desejada. Bater castanha-do-Pará, amendoim ou amêndoas junto com a mistura. Colocar suavemente o abacolate sobre a massa da torta.

Cobertura: Fazer a decoração (cobertura) com castanhas-do-Pará polvilhadas, amêndoas polvilhadas, bananas em rodelas, uvas passas e pólen de abelhas. Desenhe o que quiser nas tortas, use sua criatividade! Se desejar maior consistência, colocar em geladeira por algumas horas. Perfeita para comemorar aniversários com saúde, paz e alegria!


SORVETE DE AÇAÍ DOS DEUSES

INGREDIENTES:

→ 2 Polpas de 100mL de açaí extra (com pouca água);

→ 2 bananas nanicas bem maduras;

→ ½ mamão formosa maduro;

→ Mel (opcional);

→ Amendoim levemente torrado e descascado;

→ Polpa de côco;

→ Pólen de abelhas

→ Nozes;

→ Amêndoas;

→ Suco de uva natural (sem açúcar) (opcional);

→ Água de côco (opcional).

MODO DE FAZER:

Colocar para torrar ½ xícara de amendoim cru para torrar em travessa de vidro (deixar de 10 a 15 minutos). Colocar no liquidificador ½ mamão formosa e 2 bananas nanicas maduras, nessa ordem. Em seguida, adicionar 2 polpas de açaí concentrado (cada uma de 100mL). Triturar as polpas com uma faca. Colocar polpa de côco no liquidificador. Bater por 2 minutos. Se desejar, colocar um pouco de mel. Se houver dificuldade para bater a mistura, adicionar água de côco ou suco de uva roxo. Tirar o amendoim do forno (cuidado para não torrar demais!) e descascar. Soprar a casca do amendoim. Adicionar ½ xícara de amendoim torrado e descascado no liquidificador. Deixar bater por 4 segundos, para que os flocos de amendoim não desapareçam. Servir em tigelas colocadas previamente na geladeira (para ficar ainda mais geladinho). Fazer a cobertura com rodelas de banana nanica, pólen de abelhas, nozes a amêndoas trituradas. Bater uma polpa de cupuaçu junto também vai muito bem. O mamão pode ser substituído pela manga, fica uma delícia também!


RECEITAS VIVAS SALGADAS



ALMÔNDEGAS DE TRIGO E CASTANHA-DO-PARÁ AO MOLHO SUGO

INGREDIENTES:

→ Uma porção de trigo germinado;

→ Uma porção de Castanha-do-Pará;

→ Trigo para quibe;

→ Cebolinha;

→ Azeite;

→ Sal marinho;

→ Limão-galego

MODO DE FAZER:

Colocar as sementes de trigo e Castanha-do-Pará para hidratar por 8 horas em um recipiente de vidro. Depois escorrer a água e manter o trigo sempre úmido até a raiz brotar. Bater o trigo germinado em um liquidificador. Colocar em uma travessa. Bater a Castanha-do-Pará hidratada em um liquidificador e adicionar à massa. Adicionar o trigo para quibe hidratado, cebolinha, azeite, sal e um limão. Misturar bem e fazer as bolinhas. Levar ao forno por poucos minutos para não matar as sementes. Sugestão de acompanhamento: molho sugo (molho de tomates orgânicos com uva passa, polpa de côco, tomate seco, ervas finas, alho desidratado e pimenta calabresa).

Receita extraída do livro “Lugar de Médico é na Cozinha”, Dr.Alberto Gonzalez, com adaptações.



ABACATE CORTADINHO COM LIMÃO

INGREDIENTES:

→ 250g de abacate maduro;

→ Azeite;

→ 1 limão galego ou tahiti;

→ Cebolinha fresca cortada;

→ Cebola crua (opcional);

→ Tomate orgânico (opcional);

MODO DE FAZER:

Descascar um abacate bem maduro. Em seguida, cortar o abacate em cubinhos numa tigela de vidro. Adicionar limão-galego, azeite e cebolinha. Misturar bem os cubinhos. Se preferir, adicione também tomates orgânicos e cebola. O abacate cortadinho é muito fácil e rápido de se fazer, acompanha basicamente qualquer prato e pode ser feito diariamente no almoço ou jantar. È excelente para acompanhar outros pratos, principalmente para suavizar pratos muito salgados ou muito temperados. Não deve ser guardada em geladeira, pois oxida facilmente. Servir frio.


PÃO ESSÊNIO (PÃO DE JESUS)

INGREDIENTES:

→ 250g de trigo germinado;

→ 30g de gergelim branco ou preto;

→ 20g de quinua germinada;

→ 20g de linhaça germinado;

→ Azeite;

→ Orégano;

→ Ervas finas;

→ Sal marinho;

Colocar as sementes de trigo e/ou gergelim e/ou gergelim preto e/ou quinua e/ou linhaça para germinar por 8 horas. Bater as sementes de trigo germinadas em um liquidificador. Chacoalhar o liquidificador para que todos os grãos sejam moídos. Colocar em uma travessa. Adicionar as outras sementes germinadas, um fio de azeite e sal marinho. Misturar bem até que a massa fique homogênea. Estender a massa e levar ao forno desligado pré-aquecido por 20 minutos. Se tiver a oportunidade, desidrate seu pão essênio ao sol, coberto por rede de voal. Servir com pasta de tofu com alho, pasta de abacate (guacamole), pasta de tomate, pasta de tofu com tahine, pasta de grão-de-bico, pasta de amendoim, pasta de berinjela, pesto de ervas finas ou geléias naturais. Pode ser feito também com sementes de aveia germinadas ou aveia em flocos grossos hidratada.

Receita extraída do livro “Lugar de Médico é na Cozinha”, Dr.Alberto Gonzalez, com adaptações.


RECEITAS DE PASTAS PARA SUBSTITUIR MANTEIGA, MARGARINA, REQUEIJÃO E SIMILARES

PASTA DE TOFU COM TOMATE SECO

INGREDIENTES:

→ 250g de Tofu orgânico;

→ 150g de Tomate seco;

→ Azeite;

→ Orégano;

→ Alho desidratado;

→ Pimenta calabresa (1/2 pitada);

→ Cebolinha fresca cortada;

→ Salsa;

→ Polpa de côco;

→ Sal marinho;

→ Azeite;

→ Molho shoyu Daimaru ou similar (sem glutamato, açúcar e conservantes);

MODO DE FAZER:

Colocar um tofu de 250g no liquidificador. Adicionar aproximadamente 150g de tomate seco (escorrer o excesso de óleo vegetal em papel toalha e tirar a casca). Adicionar azeite, orégano, alho desidratado, pimenta calabresa, cebolinha fresca, salsa, polpa de côco, sal marinho, azeite e molho shoyu. Se houver dificuldade ao bater no liquidificador, colocar um pouco de água mineral ou água de côco. Servir com o pão essênio.



PASTA DE GUACAMOLE SALGADA (ABACATE)

INGREDIENTES:

→ 250g de abacate maduro;

→ Azeite;

→ 1 limão galego ou tahiti;

→ Cebolinha fresca cortada;

→ Sal marinho;

→ Cebola crua (opcional);

→ Tomate orgânico (opcional);

→ Castanha-do-Pará (opcional);

→ Temperos a gosto (Curry, orégano e ervas finas) (opcional).

Descascar um abacate bem maduro. Em seguida, amassar com um garfo em uma tigela de vidro (não usar liquidificador). Adicionar limão-galego, azeite, cebolinha e sal marinho. Misturar bem a pasta. Se preferir, adicione também tomates orgânicos, cebola e castanha-do-Pará. A pasta de abacate é muito fácil e rápida de se fazer, pode ser feita diariamente nas refeições matinais. Não deve ser guardada por muito tempo em geladeira, pois oxida facilmente. Servir com o pão essênio.



PASTA DE TOFU COM TAHINE (TOFUHINE)

INGREDIENTES:

→ 250g de Tofu orgânico;

→ 50g a 100g de Tahine;

→ Azeite;

→ Molho Shoyu daimaru ou similar (sem açúcar, corantes ou glutamato);

→ Orégano;

→ Polpa de côco;

→ Água de côco;

→ Cebolinha fresca cortada;

MODO DE FAZER:

Colocar um tofu de 250g no liquidificador. Adicionar o tahine (pasta de gergelim tostada). Adicionar azeite, shoyu, um pouco de orégano, polpa de côco e cebolinha. Se houver dificuldade ao bater no liquidificador, colocar um pouco de água de côco até adquirir a consistência desejada. Servir com pão essênio.

PASTA DE BERINJELA AGRIDOCE

INGREDIENTES:

→ 250g de berinjela orgãnica;

→ 1 pimentão amarelo;

→ 1 pimentão vermelho;

→ 2 dentes de alho;

→ 1 cebola pequena;

→ Castanha-do-Pará;

→ Amêndoas;

→ Orégano;

→ Cebolinha;

→ Azeite;

→ Polpa de côco;

→ Óleo de côco

→ Uvas passa claras ou escuras;

→ Sal marinho;

→ Mel.

MODO DE FAZER:

Ralar 3 berinjelas orgânicas, reservar o suco da berinjela em uma vasilha. Cortar 2 pimentões amarelos, 2 pimentões vermelhos, 2 dentes de alho e uma cebola pequena. Triturar castanha-do-Pará e amêndoas com a ajuda de um pilão. Adicionar à mistura. Colocar um pouco de missô e amassar bem para pegar o gosto. Em seguida, adicionar uvas passas claras ou escuras e um pouco de mel. Adicionar orégano, cebolinha, azeite e um pouco de sal marinho. Pegar aproximadamente metade da mistura e colocar para bater no liquidificador com o suco da berinjela que foi reservado e óleo de côco. Devolver a pasta batida para a tigela de vidro e misturar bem com o restante da pastaaté ficar homogênea. Servir com pão essênio.

PESTO DE CASTANHA-DE-CAJU COM ERVAS FINAS

INGREDIENTES:

→ 150g de Castanha-de-Caju;

→ 150mL de azeite;

→ Molho Shoyu daimaru ou similar (sem açúcar, corantes ou glutamato);

→ Ervas finas (Orégano, Salsa, Tomilho, etc.)

→ Alho desidratado;

→ Manjericão;

→ Pimenta calabresa;

MODO DE FAZER:

Tritura a Castanha-de-Caju com um pilão de madeira em recipiente apropriado. Colocar em um vidro com tampa larga. Adicionar o azeite, o molho shoyu, as ervas finas, o alho desidratado, o manjericão e a pimenta calabresa. Misturar bem até ficar homogêneo. Servir com pão essênio.



SANDUÍCHE DOS DEUSES (NO PÃO FOLHA)

INGREDIENTES:

→ Pão folha integral (sem açúcar e sem farinha branca);

→ 1 beterraba;

→ 1 cenoura;

→ Pasta de Tofu com tomate seco ou Pasta de Guacamole;

→ Pesto de Castanha-de-Caju com ervas finas;

→ Salada Orgânica (Alface, Alface roxa, Rúcula, Radichio, etc.);

→ Brotos diversos (Feijão, Girassol, Alfafa, etc.) (variar a acada dia);

→ 30g de Castanha-de-Caju triturada;

→ Molho de Gergelim;

→ Temperos diversos (Curry, Salsa, Orégano, Alho desidratado, Pimenta calabresa);

→ Azeite;

→ Molho shoyu Daimaru ou similar (sem glutamato, açúcar e conservantes);

→ Damasco cortado em pedaços pequenos.

MODO DE FAZER:

Estender o pão folha em uma pia limpa ou em prato largo. Em seguida passar a Pasta de Tofu com tomate seco ou Pasta de Guacamole por todo o pão. Ralar a cenoura e a beterraba. Colocar sobre o diâmetro do pão, em linha reta. A dicionar a salada orgãnica bem picadinha, os brotos, a castanha-de-caju, o molho de gergelim, os temperos diversos, o azeite, o molho shoyu e o damasco cortado em pedaços, sempre em linha reta, por sobre o diâmetro do pão. Fechar as duas abas do pão e servir.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Efeito anticâncer do brócolis pode ser ampliado


Um estudo realizado na Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, mostrou pela primeira vez que o sulforafano, o poderoso agente contra o câncer presente no brócolis, é liberado do seu composto original por bactérias que vivem no intestino grosso, sendo então absorvido pelo organismo.

"Esta descoberta abre a possibilidade de sermos capazes de aumentar a atividade dessas bactérias no cólon, aumentando o poder que o brócolis tem na prevenção do câncer," disse Elizabeth Jeffery, uma das autoras da pesquisa.

"Também é reconfortante, porque muitas pessoas cozinham demais o brócolis, destruindo sem querer a enzima vegetal que nos fornece o sulforafano. Nós agora sabemos que a microbiota do nosso trato digestivo pode salvar uma parte desse importante agente de prevenção do câncer mesmo que isso aconteça," disse ela.

Além do sulforafano, o brócolis tem grande valor nutricional por ser uma das principais fontes de cálcio do reino vegetal, e o melhor, com biodisponibilidade razoável.

Glucorafanina e sulforafano

Embora os cientistas tenham teorizado há muito tempo que a microbiota intestinal poderia executar esse papel, o processo nunca havia sido verificado diretamente e não se sabia quais seriam os agentes de sua realização. Agora, Jeffery e seus colegas Michael Miller e Ren-Hau Lai comprovaram a teoria.

Eles injetaram glucorafanina, o composto pai do sulforafano, no intestino inferior de ratos e demonstraram que o sulforafano estava presente no sangue da veia mesentérica, que flui do intestino para o fígado.

"A presença do sulforafano em quantidades mensuráveis mostra que ele está sendo convertido na parte inferior do intestino e está disponível para absorção no organismo," explica Jeffery.

O ceco, a parte inferior do intestino dos ratos nos quais os cientistas inocularam a glucorafanina, abriga bactérias que ajudam na digestão e no metabolismo, de forma semelhante ao que acontece no cólon humano.

Anticâncer e anti-inflamatório

De acordo com Jeffery, o sulforafano é um agente extremamente potente contra o câncer: "A quantidade que você obtém em 3 a 5 porções por semana, que é menos do que um ramo diário de brócolis, é o suficiente para ter um efeito anticâncer. Com muitos dos outros alimentos bioativos dos quais você ouve falar, são necessárias quantidades muito maiores para se ter um resultado mensurável."

O sulforafano também tem propriedades anti-inflamatórias, que são vistas com interesse pelos cientistas por sua capacidade de combater os efeitos de muitas doenças crônicas que acompanham a obesidade e o envelhecimento.Miller sugere duas formas pelas quais as bactérias no intestino poderiam ser manipuladas para se obter um poder extra do brócolis ingerido.

"Uma forma seria a de alimentar as bactérias desejáveis com probióticos para incentivar sua proliferação. Outra forma seria a utilização de uma abordagem combinada, por exemplo, brócolis com molho de iogurte, que contém as bactérias hidrolisadoras, dessa forma aumentando a sua proteção contra o câncer," explica a cientista.

Cuide das suas bactérias

Se alimentar bactérias não soa particularmente atraente, a cientista destaca que as bactérias não trazem sempre más notícias. "Uma das coisas sobre o que não pensamos muito é a enorme quantidade de benefícios que experimentamos quando uma comunidade saudável de bactérias coloniza nosso intestino grosso. Nós, seres humanos, temos uma relação simbiótica com inúmeros micróbios famintos, que metabolizam vitaminas e outros componentes bioativos dos alimentos. Agora podemos ver outro exemplo interessante da sua atividade, com o papel que desempenham na captura do sulforafano do brócolis," conclui ela.

A questão da flora bacteriana intestinal me fez recordar um dos primeiros livros que li do Dr. Hélion Póvoa ( um dos pioneiros da ortomolecular), denominado: O cérebro desconhecido. Já falei dele aqui no blog, volto a orientar a todos que se interessam pelo tema, que leiam. É um livro relativamente pequeno, de leitura fácil (voltado para leigos) e agradável. Ele esclarece os principais motivos dos médicos que atuam em ortomolecular se preocuparem tanto com o intestino.

O Intestino é o nosso segundo cérebro. Tem a mesma origem embriológica. A cida dia a cidência desvenda novas funções do intestino. Centenas de  substâncias são produzidas nele sendo que tais substâncias possuem ação neuro-hormonal, neuro-imune. Sendo assim, não seria se de estranhar que os habitantes do intestino (flora bacteriana) tem papel crucial no nosso organismo: produção de vitaminas, defesa, estímulo imunológico, síntese de substâncias.

Portanto, cuide bem do seu intestino, coma brócolis, mas não cozinhe-o por muito tempo!

http://www.aces.uiuc.edu/news/stories/news5450.html

Reforma do código florestal


Muito tem se falado em política, em posicionamento dos candidatos com relação a questões ambientais.

Minha intenção com este post não é fazer apologia a nenhum candidato, mas fora a candidata Marina Silva, nenhum outro candidato teve como foco a questão ambiental. Ao meu ver, no atual estágio planetário, o desenvolvimento sustentável associado a métodos de reestruturação do meio ambiental são primordiais.

A edição de Outubro/2010 da revista UNESP Ciência traz uma reportagem bastante elucidativa sobre a questão do código florestal e sua reforma.

Acho inconcebível postular tal tipo de reforma num país em que os hectares protegidos de APPs (áreas de preservação permanente como matas ciliares e/ou topos de morros) chegam a 59 milhões de hectares quando na verdade deveriamos ter 103 milhões de hectares protegidos.
É inadmissível falar em reforma de caráter redutor num país onde o esperado para Áreas de Reserva Legal (RL) (trechos de propriedades privadas que não podem ser desmatados – a porcentagem varia conforme o bioma) seria de 254 milhões de hectares e temos no momento um déficit de 43 milhões.
É impossível não ficar estarrecido com as afirmações do autor do projeto (Aldo Rebelo do PCdoB-SP), alegando que ouviu a opinião de vários pesquisadores e especialistas, sem citar algum nome específico ou citar publicações indexadas.

Sou médico e me interesso muito pelo assunto pois assim como a Ecologia trata da saúde do ecossistema, a Medicina aborda a saúde humana e tudo aquilo que possa afetá-la. Muitas vezes brinco com a ignorância do homem diante da grandiosidade da natureza ao manter um  determinado equilíbrio em um ecossistema. Aí chega o homem, cheio de "novas idéias", acreditando ter compreensão de toda uma dinâmica e almeja mudar tudo aquilo. Invadindo áreas outrora de polinizadores, peixes e anfíbios que se alimentam de insetos com potencial praguicida ou vetores de doenças transmitidas ao homem. O que se sabe sobre a função de APPs e Reservas legais é que ambas possuem importante papel protetor para o ecossistema e ao ceder parte delas para a agricultura estaremos criando um novo problema ambiental, além dos inúmeros que já possuímos e pouco conseguimos resolver.
E o pior, estaremos indo na contra-mão de toda uma corrente que visa Preservação do Meio-ambiente e tentativa de um desenvolvimento sustentável.

No dia 6 de Julho de 2010 o Projeto de Lei 1876/99, que propõe a reforma do Código Florestal, foi votado na Câmara dos Deputados, em Brasília.
Com 13 votos a 5, o texto principal do substitutivo do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) foi aprovado e agora segue para o Senado, para ser votado.

Abaixo a lista dos deputados e seus votos:

Votos favoráveis às reformas ruralistas

Anselmo de Jesus (PT-RO)
Homero Pereira (PR-MT)
Luis Carlos Heinze (PP-RS)
Moacir Micheletto (PMDB-PR)
Paulo Piau (PPS-MG)
Valdir Colatto (PMDB-SC)
Hernandes Amorim (PTB-RO)
Marcos Montes (DEM-MG)
Moreira Mendes (PPS-RO)
Duarte Nogueira (PSDB-SP)
Aldo Rebelo (PCdoB-SP)
Reinhold Stephanes (PMDB-PR)
Eduardo Sciarra (DEM-PR)

Votos contrários às reformas ruralistas:
Dr. Rosinha (PT-PR)
Ricardo Tripoli (PSDB-SP)
Rodrigo Rollemberg (PSB-DF)
Sarney Filho (PV-MA)
Ivan Valente (PSOL-SP)
Vale a pena ler a reportagem: http://www.unesp.br/aci/revista/ed13/novo-codigo-florestal

Frederico Lobo*


*Dr. Frederico Lobo (CRM - GO – 13.192) é médico clínico geral, ecologista clínico, pós-graduado em  estratégia ortomolecular e medicina tradicional chinesa,  atua também com consultoria em Hábitos Saudáveis e Qualidade de Vida . Goiânia - GO

Contaminantes na água comprometem reprodução de várias espécies

Leia abaixo trechos de reportagem de capa da revista ‘Unesp Ciência’, publicados com exclusividade pelo G1:

Os ursos polares do Ártico estão tendo menos filhotes, assim como os pinguins-de-adélia da Antártida. No litoral brasileiro, é possível encontrar moluscos com dois sexos, tal como ocorre com alguns crocodilos da Flórida. Alterações dos órgãos sexuais e problemas reprodutivos como esses vêm sendo cada vez mais observados em diversas espécies ao redor do mundo. A causa é um tipo de poluição ainda pouco comentado fora da academia, mas que é objeto de estudo de um número crescente de cientistas. São contaminantes que se disseminaram em grande escala pelo planeta a partir do século 20, pondo em risco a biodiversidade e, suspeita-se, também a saúde humana.

Conhecidos como interferentes endócrinos, eles mimetizam a ação do estrógeno, o hormônio sexual feminino. De plásticos a pesticidas, de cosméticos a substâncias de uso industrial, passando por detergentes e até pela urina humana, as fontes são inúmeras e difusas. São moléculas quimicamente muito distintas entre si, mas que têm em comum a capacidade de interagir com os receptores de estrógenos que a maioria dos animais carrega na membrana de suas células. “Disfarçadas” de hormônio, elas produzem uma mensagem enganosa que pode fazer a célula se multiplicar, morrer ou produzir certas proteínas na hora errada, por exemplo.


Em animais, o efeito mais evidente é a feminilização de machos, e, com menor frequência, a masculinização de fêmeas. “Tudo depende do composto, da espécie e da fase do desenvolvimento em que o organismo é exposto”, diz Mary Rosa Rodrigues de Marchi, do Instituto de Química da Unesp em Araraquara. O período crítico de exposição é a fase de desenvolvimento, quando o estímulo hormonal certo na hora certa define os processos que darão origem a caracteres e comportamentos sexuais que se perpetuarão por toda a vida.

Evidências sobre os efeitos em humanos ainda são inconclusivas, mas não falta quem suspeite que a queda acentuada na contagem de espermatozoides em homens nos últimos 60 anos seja uma possível consequência. O fenômeno foi detectado inicialmente em países escandinavos, conhecidos por suas longas séries de dados epidemiológicos. É impossível provar a ligação direta com os interferentes endócrinos no ambiente, mas a indução do efeito em animais de laboratório aumenta a desconfiança.

“É muito difícil, e às vezes frustrante, confirmar o nexo causal entre esses contaminantes e a saúde humana. Mas o impacto ambiental deles já está bem estabelecido”, afirma Wilson Jardim, do Instituto de Química da Unicamp.

Wilson Jardim há anos estuda a presença de poluentes químicos nas águas que abastecem a região de Campinas. Além dos estrógenos naturais e sintéticos, ele também encontrou interferentes endócrinos usados na fabricação de plásticos, como os ftalatos e o bisfenol A. Estudos com animais de laboratório mostram que esses dois compostos (em doses mais altas às quais estamos expostos) podem prejudicar o desenvolvimento fetal, causando anormalidades nos órgãos reprodutivos.

Cadeia alimentar

Há ainda vários outros interferentes endócrinos que são insolúveis em água e têm origens e percursos ambientais completamente distintos. É o caso de uma vasta lista de pesticidas, que inclui tanto produtos proibidos, como DDT, quanto outros ainda em uso, como fibronil. São moléculas que podem levar anos ou décadas para se degradar até um composto que não apresente atividade estrogênica.

Dispersas no solo ou no ar, elas aderem a partículas que são carregadas pelas chuvas até os cursos d’água. Lá se depositam no sedimento de rios ou oceanos, do qual se alimentam vermes, moluscos, crustáceos ou peixes. Sua baixa solubilidade em água faz com que se acumulem em tecidos gordurosos.

O caranguejo-ermitão que vive na costa brasileira é uma dessas vítimas. Nesse caso, o vilão é uma substância conhecida como TBT (tributilestanho) – um componente da tinta que reveste o casco das embarcações para impedir o crescimento de cracas e algas (o que compromete o deslizamento na água e faz o veículo gastar mais combustível).

Bruno Sant’Anna, doutorando do Instituto de Biociências da Unesp em Rio Claro, está investigando a população do crustáceo em 25 estuários do litoral do Brasil, do sul da Bahia a Santa Catarina. Nos locais analisados até o momento (litoral de São Paulo e Paraty, no Rio), ele observou que até 8% dos animais tinham órgãos sexuais masculinos e femininos ao mesmo tempo.

O fenômeno faz com que fêmeas se transformem em machos, explica Sant’Anna. Em todos os animais analisados encontrou-se TBT, em níveis que variaram dependendo do lugar. A maior contaminação foi observada em São Sebastião e a menor, em Cananeia, ambas no litoral paulista. O TBT e seus subprodutos igualmente tóxicos persistem no ambiente por pelo menos dez anos.

A mudança de sexo causada pela “tinta envenenada”, como é conhecida entre pescadores, já foi descrita em mais de 120 espécies de moluscos ao redor do mundo. Uma convenção da Organização Marítima Mundial, da qual o Brasil é signatário, determinou o banimento desse tipo de tinta até 2008. A adesão foi mais rápida nos países desenvolvidos. Em Brasília, um projeto de decreto legislativo (1804/2009), aprovado pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara em novembro passado, aguarda votação no plenário.

O caranguejo-ermitão não faz parte do cardápio humano, mas sua contaminação, por TBT ou outro interferente endócrino encontrado no sedimento marinho, é transmitida a seus predadores e assim sucessivamente. Via cadeia alimentar, essas substâncias persistentes têm se disseminado na natureza, o que explica o fato de animais que vivem nas calotas polares estarem contaminados com pesticidas organoclorados, muitos deles banidos nos anos 1960 e 1970, ou com bifenilas policloradas, um tipo de fluido usado em transformadores elétricos até os anos 1980 e mais conhecido como ascarel. Estudos da década de 1990 em países como Alemanha, Holanda e Canadá encontraram pesticidas e ascarel no tecido adiposo e no leite humanos, em níveis mais elevados nas pessoas que consumiam grande quantidade de peixe.


“Unesp Ciência” é uma publicação da Universidade Estadual Paulista que traz reportagens sobre os grandes temas da ciência mundial e nacional e sobre as pesquisas mais relevantes que estão sendo realizadas na instituição, em todas as áreas do conhecimento. Leia a reportagem anterior publicada pelo G1:

Fonte:
http://www.unesp.br/aci/revista/ed06/pdf/UC_06_Estrogeno01.pdf e http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1538802-5603,00-CONTAMINANTES+NA+AGUA+COMPROMETEM+REPRODUCAO+DE+VARIAS+ESPECIES.html

Bisfenol-A, usado em recipientes de comida, afeta fertilidade masculina

O Bifesnol-A (BPA) serve para diluir resina de poliéster a fim de facilitar sua laminação. O produto químico Bisfenol-A, que demonstrou aumentar o risco de disfunções sexuais masculinas, reduz a concentração e qualidade do sêmen, segundo estudo publicado esta quinta-feira (28).
O Bisfenol-A ou BPA é um composto químico que serve para diluir a resina de poliéster a fim de torná-la mais líquida e facilitar sua laminação. Está presente em grande quantidade de recipientes alimentares e de bebidas, como mamadeiras, bem como em resinas de selagem dentária.

A pesquisa foi realizada durante 5 anos com 514 operários que trabalhavam em fábricas da China.

Os autores constaram que aqueles que continham concentrações de BPA mais elevadas na urina multiplicavam os riscos de produzir sêmen de má qualidade.

"Diferente dos homens que não tinham vestígios detectáveis de BPA na urina, aqueles que tinham conteúdos mais elevados multiplicavam por mais de três o risco de ter uma concentração diminuída de seu sêmen", afirmou De-Kun Li, epidemiologista do Kaiser Permanente (consórcio privado americano de cuidados médicos) e principal autor do estudo publicado na revista "Fertility and Sterility".

Este é o primeiro estudo realizado sobre homens para avaliar o vínculo entre o sêmen e o BPA.

Pesquisas anteriores feitas em animais mostraram que o BPA tem efeitos nefastos sobre os órgãos reprodutores de camundongos machos e fêmeas.

Este é o terceiro estudo de Li sobre o tema. Um trabalho publicado em novembro de 2009 demonstrou que a exposição a níveis elevados de BPA aumenta o risco de disfunções sexuais. Outro, divulgado em maio de 2010 mostrou vínculos entre o BPA na urina e o comprometimento das disfunções sexuais masculinas.

O Canadá foi o primeiro país a classificar, em outubro, o BPA na categoria de substâncias tóxicas. Em março de 2009, os seis maiores fabricantes americanos de mamadeiras decidiram suspender a venda nos Estados Unidos de produtos com BPA.


FONTE: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2010/10/bisfenol-usado-em-recipientes-de-comida-afeta-fertilidade-masculina.html

Médicos fazem mobilização nacional em defesa da saúde

Lideranças médicas de todo o país, representantes de mais de 350 mil médicos, participaram no dia 26 de outubro, em Brasília (DF), de uma das principais atividades cívicas e políticas deste ano voltadas para a categoria: a Mobilização Nacional pela Valorização do Médico e da Assistência em Saúde no Brasil. O ato fez parte das comemorações do Dia do Médico.

Cerca de 300 profissionais dirigiram suas reivindicações a parlamentares, ao ministério da Saúde e à sociedade. Para o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto Luiz d’Avila, este momento “sinaliza mais um alerta dos médicos sobre a situação crítica em que se encontra a saúde brasileira, cujo enfrentamento dos problemas precisa ser colocado como prioridade”.

Entre os temas se destacam a necessidade de mais recursos para a SUS; a urgente regulação apropriada e efetiva na saúde suplementar e a implementação de condições de trabalho e remuneração que proporcionem o bom desempenho da medicina nos aspectos ético e técnico. “Essa mobilização assegura ao tema o eco necessário e possibilita que as condições da assistência à saúde sejam percebidas, reconhecidas e discutidas”, declarou o 2º vice-presidente do CFM, Aloísio Tibiriçá.

O ministro José Gomes Temporão assumiu o compromisso junto às entidades médicas nacionais de estimular a busca de uma solução para o impasse surgido entre operadoras de planos de saúde e profissionais da medicina. Após concentração no Ministério da Saúde, o grupo fez caminhada até o Congresso Nacional, onde protocolou, junto às presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, um documento em nome das três entidades médicas nacionais – Associação Médica Brasileira (AMB), CFM e Federação Nacional dos Médicos (Fenam). Neste documento foi explicitado o diagnóstico do setor, apontadas as reivindicações da categoria e sugeridas soluções para o processo de valorização da Medicina.

A iniciativa foi ancorada na posição adotada pelos médicos – por meio de seus representantes –, aprovada durante o XII Encontro Nacional das Entidades Médicas (Enem), em julho desse ano. O Manifesto dos Médicos à Nação, documento final do encontro que condensa as principais posições do movimento, foi anexado ao material entregue. Após a mobilização, os participantes do ato se reuniram com presidentes e diretores das entidades médicas nacionais na sede da Associação Médica de Brasília (AMBr). Fonte: CFM

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Pesquisa sobre glifosato é publicada

Pesquisa sobre glifosato é publicada Como informou o jornal argentino Página/12, de 17/08/2010, o pesquisador Andrés Carrasco, chefe do Laboratório de Embriologia Molecular da Universidade de Buenos Aires (UBA), publicou, em 9 de agosto último, na revista Chemical Research in Toxicology, da Sociedade Americana de Química (ACS, sigla em inglês), a pesquisa Herbicidas a base de glifosato produzem efeitos teratogênicos em vertebrados interferindo no metabolismo do ácido retinóico. O estudo confirmou as deformações produzidas pelo tóxico mesmo em diluições muitas vezes menores do que as do produto comercial. O praguicida pode permanecer largos períodos no ambiente e pode se deslocar a longas distâncias, transportado pelo vento e pela água.

Dentre os efeitos deletérios da substância constam: microftalmia (olhos menores que o normal), microcefalia (cabeças pequenas e deformadas), ciclopia (um olho só, no meio do rosto), malformações craniofaciais (deformação de cartilagens faciais e craniais) e encurtamento do tronco embrionário. E a pesquisa não descarta que, em etapas posteriores, se confirmem malformações cardíacas. Estudos já comprovaram que a placenta humana é permeável ao glifosato.
"O efeito (do glifosato) sobre embriões abre a preocupação acerca dos casos de malformações em humanos observadas em populações expostas em zonas agrícolas", observa a revista científica e explica: "Devido a defeitos craniofaciais observados em seres humanos de zonas agrícolas, decidimos explorar se os genes implicados no desenvolvimento da cabeça são alterados com os agrotóxicos. Confirmamos que tanto a marca comercial como o glifosato puro produzem defeitos cefálicos".
A revista científica assinala que se avançou em um feito inédito, de particular interesse para o meio científico, que é vincular as malformações com a influência do glifosato sobre o aumento do ácido retinóico (derivado da vitamina A, normal em todos os vertebrados e essencial para a regulação correta dos genes envolvidos na vida embrionária). "Pequenas variações de ácido retinóico produzem malformações. Nosso trabalho é a primeira evidência de que as malformações produzidas pelo glifosato estão associadas com o ácido retinóico", explicou Carrasco ao jornal argentino Página/12.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Agrotóxicos e Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade

Uma equipe de cientistas da Universidade de Montreal e da Universidade de Harvard descobriram que a exposição a agrotóxicos organofosforados está associada ao aumento do risco de Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em crianças.


Publicado na revista Pediatrics, a pesquisa [Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder and Urinary Metabolites of Organophosphate Pesticides] descobriu uma ligação entre a exposição a pesticidas e a presença de sintomas de TDAH. O estudo foi realizado com 1139 crianças, de acordo com uma amostra da da população geral dos EUA, e mediu os níveis de pesticidas em sua urina. Os autores concluiram que a exposição a pesticidas organofosforados, em níveis comumente encontrados em crianças nos EUA, pode contribuir para o diagnóstico de TDAH.

“Estudos anteriores mostraram que a exposição a alguns compostos organofosforados causar hiperatividade e déficit cognitivo em animais”, diz o autor Maryse F. Bouchard, da Universidade de Montreal, Departamento de Meio Ambiente e Saúde do Trabalho no Sainte-Justine Hospital Research Center. “Nosso estudo encontrou que a exposição a organofosforados no desenvolvimento de crianças pode ter efeitos sobre os sistemas neurais e pode contribuir para comportamentos tipicamente diagnosticados em TDAH, tais como desatenção, hiperatividade e impulsividade.”

O estudo foi financiado pelo Canadian Institutes for Health Research e pelo National Institute of Environmental Health Sciences (EUA).

O estudo “Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder and Urinary Metabolites of Organophosphate Pesticides,” publicado na revista Pediatrics, foi elaborado por Maryse F. Bouchard, University of Montreal and Harvard University e por David C. Bellinger, Robert O. Wright, and Marc G. Weisskopf da Harvard University.

O artigo está disponível para acesso integral e gratuíto. Para acessar o artigo, no formato PDF, clique aqui.

Para maiores informações transcrevemos, abaixo, o abstract.

Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder and Urinary Metabolites of Organophosphate Pesticides

Maryse F. Bouchard, PhDa,b, David C. Bellinger, PhDa,c, Robert O. Wright, MD, MPHa,d,e, Marc G. Weisskopf, PhDa,e,f

Departments of aEnvironmental Health and Epidemiology, School of Public Health, Harvard University, Boston, Massachusetts; Department of Environmental and Occupational Health, Faculty of Medicine, University of Montreal, Montreal, Quebec, Canada; Departments of cNeurology and Pediatrics, School of Medicine, Harvard University, and Boston Children’s Hospital, Boston, Massachusetts; and Channing Laboratory, Department of Medicine, School of Medicine, Harvard University, and Brigham and Women’s Hospital, Boston, Massachusetts

Objective

The goal was to examine the association between urinary concentrations of dialkyl phosphate metabolites of organophosphates and attention-deficit/hyperactivity disorder (ADHD) in children 8 to 15 years of age.

Methods

Cross-sectional data from the National Health and Nutrition Examination Survey (2000–2004) were available for 1139 children, who were representative of the general US population. A structured interview with a parent was used to ascertain ADHD diagnostic status, on the basis of slightly modified criteria from the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fourth Edition.

Results

One hundred nineteen children met the diagnostic criteria for ADHD. Children with higher urinary dialkyl phosphate concentrations, especially dimethyl alkylphosphate (DMAP) concentrations, were more likely to be diagnosed as having ADHD. A 10-fold increase in DMAP concentration was associated with an odds ratio of 1.55 (95% confidence interval: 1.14–2.10), with adjustment for gender, age, race/ethnicity, poverty/income ratio, fasting duration, and urinary creatinine concentration. For the most-commonly detected DMAP metabolite, dimethyl thiophosphate, children with levels higher than the median of detectable concentrations had twice the odds of ADHD (adjusted odds ratio: 1.93 [95% confidence interval: 1.23–3.02]), compared with children with undetectable levels.

Conclusions

These findings support the hypothesis that organophosphate exposure, at levels common among US children, may contribute to ADHD prevalence. Prospective studies are needed to establish whether this association is causal.

PEDIATRICS (doi:10.1542/peds.2009-3058)
.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Nem os ovos conseguiram escapar...


Pesquisa apresentada na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP identificou resíduos de herbicida em amostras de ovos comercializadas em São Paulo. A substância, possivelmente incorporada por intermédio da alimentação das galinhas, pode contribuir com o aparecimento de doenças crônicas em seres humanos. O estudo recomenda maior orientação aos produtores de alimentos, visando evitar o uso inadequado de pesticidas e medicamentos nos cultivos agrícolas e criações de animais.

A pesquisa buscou resíduos de agrotóxicos existentes nos ovos, por serem alimentos bastante consumidos pela população em geral. “Sabe-se que essa produção utiliza grande quantidade de agrotóxicos, para combater doenças nos animais”, afirma a bióloga Cláudia Ciscato, que realizou a pesquisa. Parte das amostras foi enviada por uma granja e as demais adquiridas no comércio, para simular o consumo do produto e verificar a presença de contaminantes.

Os ovos foram submetidos a análises capazes de identificar de 140 a 150 substâncias tóxicas diferentes, entre organoclorados, organofosforados, carbonatos, pireticidas e alguns tipos de fungicidas e herbicidas. “Durante os testes, detectou-se a presença de herbicida, possivelmente utilizado para combater pragas surgidas no cultivo do alimento fornecido aos animais”, conta. “O mais provável é que o pesticida, ao ser incorporado pela galinha durante a alimentação, tenha se translocado para o ovo.”

Segundo Cláudia, cerca de 80% das amostras alimentos de origem vegetal e animal analisados habitualmente em laboratórios não possuem resíduos de agrotóxicos, ou estes são encontrados em valores abaixo dos tolerados pela legislação. “O restante das amostras, porém, contém produtos que não possuem legislação pertinente, ou seja, são usados de forma indevida pelos produtores para o controle de doenças e pragas, podendo trazer riscos para a saúde humana.”

Riscos

O contaminante encontrado nos ovos não necessariamente irá causar impacto imediato no consumidor, aponta a pesquisadora. “Seria necessário verificar a dieta de quem consome o produto, pois as quantidades encontradas não são suficientes para causar uma intoxicação aguda”, observa. “Entretanto, a longo prazo, há a possibilidade do herbicida contribuir para alguma doença crônica, como alergia, reumatismo, problemas nos sistemas nervoso e reprodutivo, além do aparecimento de tumores.”

De acordo com Cláudia, os maiores riscos de contaminação recaem sobre os próprios animais e as pessoas que aplicam os agrotóxicos. “Em muitos casos, por falta de orientação, os aplicadores não tem ideia da dosagem adequada para aplicação”, alerta. “Também faltam indicações sobre o perigo de adotar produtos inadequados para uso animal, como defensivos agrícolas.”

Para prevenir os riscos de contaminação, a pesquisadora recomenda maior orientação aos produtores de alimentos de origem vegetal e animal. “E necessário que haja monitoramento da parte do governo, para verificar a situação da alimentação e dessa forma, orientar o pessoal do campo, para que haja produção de alimentos com qualidade”, enfatiza.

O trabalho faz parte da tese de doutorado de Cláudia Ciscato, orientada pela professora Elenice Souza Espinosa, do Departamento de Patologia Experimental Comparada da FMVZ. Os testes com as amostras de ovos aconteceram no Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico, vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura de São Paulo. A pesquisa teve apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).


Reportagem de Júlio Bernardes, da Agência USP de Notícias, publicada pelo EcoDebate, 21/10/2010

FONTE: http://www.ecodebate.com.br/2010/10/21/veneno-a-nossa-mesa-analise-identifica-residuos-de-herbicida-em-amostras-de-ovos/

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Cientistas mostram problemas da proposta de alterar Código Florestal

Um documento de cientistas brasileiros mostra ponto a ponto como as mudanças propostas pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB) para o Código Florestal serão danosas à biodiversidade brasileira. O projeto pode ser votado em breve no Congresso.

A conclusão é que as alterações sugeridas devem impactar a economia de diferentes formas: com a redução na produção agropastoril e o risco de afetar o abastecimento de água, o fornecimento de energia e o escoamento da produção (com o esperado assoreamento de rios e portos).

O material foi elaborado por pesquisadores do programa Biota da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação (Abeco). A redação coube a cientistas reconhecidos como Jean Paul Metzger, da USP, e Carlos Joly, da Unicamp.

Eles argumentam que reduzir a reserva legal (fração de uma propriedade que deve ser mantida como mata, mas pode ser usada de forma sustentável) na Amazônia Legal de 80% para 50% será problemático.

“Essa alteração terá efeito especialmente impactante, pois deverá reduzir o patamar de cobertura florestal da Amazônia para níveis abaixo de 60%, percentual hoje considerado nos estudos científicos realizados como um limiar crítico para a manutenção da continuidade física da floresta”, dizem os cientistas.

Segundo eles, abaixo deste limiar “os ambientes tenderão a ser mais fragmentados, mais isolados e com maior risco de extinção de espécies” Já a redução da faixa de proteção dos rios com até 5 metros de largura de 30 metros para 15 metros poderá, por exemplo, impactar uma fauna única. Estudos sobre sapos e rãs na Mata Atlântica indicam que 50% das espécies estão concentradas em riachos com menos de 5 metros de largura.

Além disso, afirmam, excluir as várzeas das Áreas de Preservação Permanente (APPs), que como o nome diz não podem ser ocupadas ou destruídas, significaria perder “serviços” como o de controlar enchentes – elas são como piscinões. Mais informações podem ser obtidas no site: www.biotaneotropica.org.br/v10n4/pt.

FONTE: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,cientistas-mostram-problemas-da-proposta-de-alterar-codigo-florestal,627516,0.htm

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Projeto quer proibir mamadeiras com substância cancerígena

Mamadeiras, chupetas e recipientes plásticos que contenham a substância bisfenol-A, componente químico cancerígeno, podem ter a comercialização proibida. A proposta do senador Gim Argello (PTB-DF) se baseou em estudos das universidades de Columbia, Oxford e Illinois. "No Canadá, Dinamarca e em Costa Rica as indústrias já foram proibidas de fabricar mamadeiras com esse tipo de substância. Na França, o Senado aprovou a proibição em caráter provisório e nos Estados Unidos o bisfenol-A já foi proibido em dois estados", afirmou o senador.

No Brasil, segundo Argello, não existe proibição à fabricação e comercialização de produtos com o bisfenol-A e o componente continua sendo usado como a matéria-prima de plásticos duros. O projeto de lei 159/2010 está em tramitação no Senado e, se aprovado, segue para última votação na Comissão de Assuntos Sociais.

A liberação da toxina acontece durante o aquecimento do plástico. "Em produtos como chupetas e mamadeiras, ele é potencialmente prejudicial à saúde das nossas crianças", disse o senador.

O pesquisador da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) que lidera uma pesquisa sobre estrógenos ambientais, Paulo Saldiva, explicou que "a ingestão destas substâncias por bebês pode influenciar na formação das mamas, testículos e órgão que têm ligação com hormônios".

Segundo Saldiva, o processo seria como uma reposição hormonal externa pois, ao ingerir o bisfenol-A, a pessoa absorve quantidades variadas de estrogênio. "A conseqüência é o aumento da tendência ao desenvolvimento de câncer de mama ou útero na mulher e perda de espermatozóides para o homem", explica.

O pesquisador afirmou que apesar desta descoberta ter mais de 15 anos, ainda não há provas de quantidades seguras para o consumo da substância.

Cuidados na hora de comprar a mamadeira

Para saber qual produto comprar, sem assumir os riscos oferecidos pelo bisfenol-A, o gerente de informação do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, Carlos Thadeu, sugere a preferência pelas mamadeiras de vidro, para as crianças que ainda não começaram a andar. No entanto, para as demais, o vidro não é indicado, pois pode causar acidentes, em caso de queda.

Thadeu explicou que embaixo da mamadeira deve existir um triângulo com um número no interior. "As mamadeiras em que neste triângulo estiver o número 3 ou 7 têm o policarbonato em sua composição e o bisfenol-A", disse. As com o número 5 e as letras PP, no interior do triângulo, são as que não possuem bisfenol-A. O gerente aconselha também sempre verificar a composição do produto.

"Se a pessoa já possui a mamadeira com o bisfenol-A, o ideal é evitar sujeitá-la às temperaturas elevadas, pois o bisfenol-A é liberado no calor de 100°C, que é a temperatura de ebulição", disse ele.

Carlos Thadeu é favorável ao projeto do senador Gim Argello. Segundo ele, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) permite até 0,6 miligramas da substância por quilo do composto usado na fabricação de cada produto. "Se é sabido que o bisfenol-A é nocivo, por que não substituir?", questiona

Fonte: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI4724952-EI306,00-Projeto+quer+proibir+mamadeiras+com+substancia+cancerigena.html

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Fitoterapia X Dráuzio Varela (Tv Globo e Indústria farmacêutica alopática)

NOTA TÉCNICA DO COMITÊ NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS A RESPEITO DO QUE FOI VEICULADO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NA IMPRENSA TELEVISIVA E ESCRITA NO ÚLTIMO MÊS


A Fitoterapia é uma prática terapêutica milenar, presente em todas as sociedades humanas. Ao longo de séculos, vem sendo utilizada e documentada por seu valioso conhecimento tradicional e popular decorrente de sua rica diversidade étnica e cultural. Esses conhecimentos são fontes estratégicas de informações preliminares de eficácia ou toxicidade das plantas medicinais, inspirando muitos estudos científicos sobre essas propriedades terapêuticas. A tradicionalidade de uso contribui enormemente com o surgimento de medicamentos inovadores, hoje comercializados em todo o mundo, para o tratamento de inúmeras enfermidades, inclusive para o câncer.

Com o intuito de promover o desenvolvimento sócio-econômico na área de plantas medicinais e fitoterápicos e proporcionar melhorias na qualidade de vida da população brasileira, foi instituída, em 2006, a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, por meio do Decreto nº 5.813. As ações decorrentes dessa Política constituem o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF), aprovado pela Portaria Interministerial nº 2.960/2008, a qual também cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. O comitê tem a atribuição de avaliar e monitorar a implementação da política e seu programa.

O Programa se propõe, com vistas a atingir o objetivo da Política de “garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional” a:

- aperfeiçoar o marco regulatório sanitário e ambiental em todas as etapas da cadeia produtiva de plantas medicinais e fitoterápicos;

- a partir de modelos e experiências científicas e tecnológicas existentes no Brasil e em outros Países, promover a adoção das boas práticas de manejo, cultivo (de preferência orgânico), manipulação e produção de plantas medicinais e fitoterápicos;

- desenvolver instrumentos de fomento à pesquisa e de tecnologias e inovações, nas diversas fases da cadeia produtiva;

- aperfeiçoar a formação técnico-científica dos recursos humanos que atuam no setor de plantas medicinais e fitoterápicos;

- inserir plantas medicinais, fitoterápicos e serviços relacionados à Fitoterapia no Sistema Único de Saúde (SUS), com segurança, eficácia e qualidade.

Com estas ações em prática, é possível estabelecer no Brasil o uso de plantas medicinais, a exemplo do que ocorre em países desenvolvidos, como a Alemanha, cujo mercado de fitoterápicos é significativo. Cerca de 60% dos médicos alemães prescrevem fitoterápicos à população, produtos estes registrados no EMEA, órgão regulador europeu que tem as exigências mais rigorosas para o registro de fitoterápicos, semelhantes às definidas pela Anvisa no Brasil.

As plantas medicinais e os medicamentos fitoterápicos são fornecidos no SUS, desde a década de 80, conferindo à Fitoterapia uma valiosa opção terapêutica. As recomendações das Conferências Nacionais de Saúde, e das Políticas Públicas, como a de Medicamentos; de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde e de Assistência Farmacêutica, traçaram um caminho que culminou no reconhecimento dessa e de outras práticas terapêuticas, com a publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no SUS, por meio da Portaria GM/MS nº 971/2006.

Em âmbito internacional, o Brasil é signatário da “Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB)”, acordo estabelecido no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU) e que tem por objetivos assegurar a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais; reconhecer a importância dos conhecimentos tradicionais de povos indígenas e de comunidades locais; garantir o direito desses povos de decidirem sobre os usos desses saberes e de também receberem os benefícios decorrentes deste uso. E ainda, a Organização Mundial da Saúde (OMS) vem estimulando o uso da medicina tradicional nos sistemas de saúde, de forma integrada às técnicas da medicina convencional, desde que observados os requisitos de segurança, eficácia e qualidade de serviços, plantas medicinais e fitoterápicos.

Entre os elementos que compõem a biodiversidade, as espécies vegetais, adequadamente selecionadas, tratadas e preparadas, são matérias-primas para a produção de fitoterápicos e outros medicamentos. No entanto, as plantas medicinais são também utilizadas em práticas populares e tradicionais como remédios caseiros, e ainda, para o desenvolvimento de trabalhos educativos em saúde, em hortos medicinais, com plantas validadas e com o apoio de profissional habilitado.

Devido a sua biodiversidade, os fitoterápicos e as plantas medicinais são hoje as classes de produtos que possuem maior potencialidade de crescimento no Brasil, as vendas têm crescido de 10 a 15% ao ano, porém ainda com participação de 2%, em média, no mercado de medicamentos.

Para o registro, manipulação/produção e comercialização de plantas medicinais e fitoterápicos, o Brasil tem normas sanitárias, uma das legislações mais rígidas e avançadas do mundo, e que levam em consideração a tradicionalidade de uso e/ou comprovações científicas de segurança e eficácia.

A partir de recomendações e experiências internacionais, a Anvisa construiu, no país, um sólido e coerente marco regulatório para a Fitoterapia, focada em saúde pública nos últimos 20 anos, o qual tem organizado o mercado nacional e permitido o seu desenvolvimento. Nesse cenário, foram construídas empresas, organizações, serviços, produtos, enfim uma gama de possibilidades onde as plantas medicinais, em suas diversas formas, têm auxiliado na prevenção e cura de inúmeras doenças e auxiliado milhões de pacientes brasileiros em todos os estados.

O Brasil, com seu amplo patrimônio genético e sua diversidade cultural, tem em mãos a oportunidade para estabelecer um modelo único e soberano no SUS com o uso sustentável de plantas medicinais e fitoterápicos, incorporados nas práticas integrativas e complementares.

A Fitoterapia é uma das opções terapêuticas disponíveis, considerando a Constituição Federal e as leis orgânicas da saúde para o país, baseada nos princípios do SUS, de universalidade e de equidade. Entende-se que a mesma sendo corretamente implementada no serviço de saúde, promoverá o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos por meio da orientação ao paciente, sobre o tratamento, com informações sobre dose, posologia, formas de utilização, possíveis interações e efeitos adversos.

Quanto à pesquisa, são fomentadas várias linhas voltadas ao tema, envolvendo os diversos aspectos relacionados, como o agronômico, fitoquímico, farmacológico, etnobotânico, entre outros, pelos diversos centros de referência existentes no país.

Em outro aspecto, o estímulo à pesquisa, produção e comercialização de plantas medicinais brasileiras gera trabalho, renda, desenvolvimento e integração regional, enfim uma gama enorme de possibilidades econômicas importantes ao desenvolvimento do país, de forma sustentável.

O mundo inteiro sabe pra quê as plantas medicinais e os fitoterápicos são bons. Esta é a hora do Brasil utilizar sua biodiversidade para o bem comum. E por isso, o Comitê afirma que o uso de plantas medicinais e fitoterápicos é bom para a população, é bom para o Brasil!

Desse modo, o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos expressa sua discordância com as informações, emitidas recentemente em alguns órgãos da imprensa escrita e televisiva, sem qualquer embasamento científico e tecnológico. E declara, a todos os usuários e interessados, que a Fitoterapia brasileira está fundamentada em pesquisas científicas e respaldada por políticas públicas, não apresentando riscos à sociedade, e sim fornecendo benefícios, se utilizada de acordo com suas características, recomendações e normas.


Assinam os membros representantes das instituições:

Casa Civil/Ivanildo Tajra Franzosi
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Rosa Peres e Francisca Elizabete Ferreira de Oliveira
Ministério da Cultura/Mauricio Jorge S. Reis
Ministério da Educação/Ricardo Tabach
Ministério do Meio Ambiente/Alberto Jorge da Rocha Silva
Ministério da Saúde /José Miguel do Nascimento Júnior
Agência Nacional de Vigilância Sanitária/Ana Cecília Bezerra Carvalho
Representante da Agricultura Familiar/Associação Paranaense de Plantas Medicinais/ Kleber A. dos Santos Berté
Representante da Agricultura Familiar/Laboratório Yanten/Teolide Parizotto Turcatel
Representante da Agricultura/Conbrafito/ Sérgio Tinoco Panizza
Representante da Agricultura/Centroflora/Vânia Rudge
Representante do Bioma Amazônia/Grupo de Trabalho Amazônico/ Maria Jocicleide Lima de Aguiar
Representante do Bioma Caatinga/Centro Nordestino de Medicina Popular/Celerino Carriconde
Representante do Bioma Cerrado/Articulação Pacari/Jaqueline Evangelista Dias
Representante do Bioma Mata Atlântica/Rede Fitovida/Maria das Graças Pereira e Silva
Representante do Bioma Mata Atlântica/PROTER Programa da Terra/Consórcio Terra Medicinal/Armin Deitenbach
Representante do Bioma Pantanal/ Rede Pantanal/Isidoro Salomão
Representante da Indústria/Alanac/Douglas Duarte Q. Rego
Representante da Manipulação/Anfarmag/Ademir Valério Silva
Representante da Manipulação/Sobrafito/Paulo Chanel Deodato de Freitas
Representante da Pesquisa/Unesp/Vanderlan da Silva Bozan
Representante da Pesquisa/Uniban/Luis Carlos Marques
Representante de Gestor Municipal do SUS/CONASEMS/Suzana Ogava
Representante de Gestor Estadual do SUS/CONASS/Mary Anne Medeiros Bandeira

FONTE: http://www.mda.gov.br/portal/saf/arquivos/view/diversifica-o-econ-mica/Nota_t%C3%A9cnica_n%C2%BA_1_do_CNPMF_06_10_2010.pdf

Comida industrializada e seus componentes

O Jornal O Globo publicou hoje uma reportagem que retrata de forma simples o que há por trás da maioria dos alimentos industrializados. A medida que a humanidade foi "evoluindo" tecnologicamente falando, "aperfeiçoando" os alimentos e  a produção dos mesmos,  aumentou-se a incidência de algumas doenças, como hipertensão arterial (bendita Coca Zero que contém teor altíssimo de sódio), Diabetes (arroz branquinho, delicioso porém limpo de complexo B e alguns minerais), Gastrite ( vá a uma prateleira de supermercado e tente encontrar os industrializados que não contenham acidulantes, conservantes, corantes), doenças neurodegenerativas (ação neurotóxica de inúmeras substâncias que diariamente são jogadas no mercado, com tempos ínfimos de estudo dos efeitos no organismo humano), hiperatividade infantil (corantes, conservantes, acidulantes e que deixam nossas crianças excitAntes).

Vale a pena ler a reportagem. Para quem quiser saber mais sobre Aditivos químicos, elaborei um texto sobre o tema, o Link: http://www.ecologiamedica.net/2010/06/o-diabo-veste-vermelho-corante-nos.html

Abraço

Dr. Frederico Lobo


Comida industrializada contém altos níveis de conservantes, corantes e outras substâncias sintéticasPublicada em 18/10/2010 às 12h13m no Jornal O Globo on-line

Seu gosto pode ser delicioso, mas o excesso de conservantes, corantes e outras substâncias sintéticas fazem dos lanches fast-food verdadeiras bombas para a saúde. Um simples pedaço de nugget contém pelo menos 20 ingredientes, dependendo da rede de lanchonetes. Esta foi uma das descobertas do jornalista David Zinczenko, autor do livro "Eat This, Not That", que faz uma análise dos piores alimentos da indústria alimentícia:

Nuggets: A receita original, que une frango, pão e óleo, já não existe há tempos nas lanchonetes. O nugget industrializado tem pelo menos 20 ingredientes (alguns chegam a ter 35), entre eles água, dextrose, óleo de girassol, conservantes, açúcar e fosfato de sódio. Em um único pedaço, é possível encontrar a carne de pelo menos sete galinhas diferentes.

Sanduíche de salame: A maioria das carnes processadas vendidas em lanchonetes e grandes redes de fast-food tem a mistura de porco e carne para baratear seu custo. O salame, principalmente o de baixa qualidade, costuma ser feito de restos do boi, geralmente sobras de músculo, coração e tripa. Uma fatia de salame costuma ter cerca de 15 ingredientes e muito, mas muito sal. Também contém nitrito e nitrato de sódio, conservantes considerados cancerígenos pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Hambúrguer: Estes pedaços de carne estão cada vez mais contaminados graças à produção em larga escala, que aumenta a proliferação de bactérias nas fábricas. Muitas companhias utilizam a amônia na carne para evitar a proliferação de E.coli e salmonella, duas bactérias que causam intoxicação alimentar. O problema é que acabamos ingerindo carne com detergente. Um outro alerta: nos Estados Unidos, estudos já demonstraram que um único hambúrguer tem pedaços de pelo menos 100 bois.

Sanduíches feitos com pão integral: Não caia nesta pegadinha. A maioria dos pães integrais nas redes de fast-food tem menos de 2% de grãos integrais, ou seja, não são nada saudáveis. Além disso, contém substâncias que não são encontradas nos pães caseiros, como o sulfato de amônia, o sulfato de cálcio e o xarope de milho de alta frutose. Em uma pesquisa na rede Subway americana, Zinczenko descobriu que a coloração escura de alguns pães não era por causa dos grãos integrais. A rede utilizava um corante caramelo para deixar as fatias com uma cara mais saudável.

Balas coloridas: O excesso de corantes nas balas e nos chocolates com casquinhas coloridas é péssimo para as crianças. Um estudo publicado no jornal científico 'Lancet', mostra que eles podem aumentar a hiperatividade e os problemas de comportamento nos pequenos. Além disso, são riquíssimos em açúcar. Um pacote pequeno de bala, por exemplo, pode conter mais açúcar do que duas barras de chocolate.
Salgadinhos e batatas chips: O típico salgadinho industrializado contém nada menos do que 39 ingredientes. Destes, apenas três são encontrados no supermercado: a batata, o queijo e o óleo de soja. A maioria tem gordura hidrogenada e glutamato monossódico (MSG), usado para realçar o sabor e estimular o apetite. Estudos ligam o glutamato a enxaquecas, alergias, irritabilidade, tonteiras e até dores no peito.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Obesidade e Luminosidade

Foi noticiado hoje em diversos sites que reportam assuntos ligados à saúde a seguinte afirmação: Luz acesa a noite pode levar à obesidade... Algo que nós da Ortomolecular já falamos há mais de 20 anos. Chega a ser engraçado. Quanto mais pesquisarem verão o papel da Melatonina como neuro-hormônio e com múltiplas funções, desde auxiliar no controle da pressão, até controle da imunidade... passando pela questão da alimentação e alterações metabólicas (pior tolerancia à glicose).

O aumento global dos índices de obesidade e de distúrbios do metabolismo coincide com uma alta da exposição à luminosidade noturna. A conclusão é de cientistas do departamento de neurociência e psicologia da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, e do Centro Israelense para Pesquisa Interdisciplinar em Cronobiologia. O estudo foi publicado na revista científica "Proceedings of the National Academy of Sciences" (PNAS).

Os especialistas verificaram que a regulação circadiana – processo rítmico que ocorre no organismo todos os dias mais ou menos à mesma hora – da homeostase energética – modo como um organismo mantém equilíbrio de diversas funções, como temperatura, pulso, pressão arterial e taxa de açúcar no sangue – é controlada por um relógio biológico “embutido” que é sincronizado de acordo com informação luminosa.

Para promover um funcionamento adequado, o relógio circadiano prepara os indivíduos para eventos previsíveis, como disponibilidade de alimentos e períodos de sono. Quando o relógio é “contrariado”, abre-se caminho para distúrbios metabólicos.

Os cientistas avaliaram a relação entre exposição à luz durante a noite e alterações na massa corpórea de camundongos machos. As cobaias acomodadas em ambiente iluminado (mesmo com luz fraca) apresentaram um significativo ganho de massa corpórea e reduziram a tolerância à glicose.

O período de consumo de comida dos roedores submetidos ao regime de luminosidade noturna difere dos camundongos sob regime-padrão de ciclos dia/noite: os primeiros comeram 55,5% da ração durante a noite iluminada, ante 36,5% no segundo grupo.

Apesar de não haver nenhuma diferença no grau de atividade física ou na quantidade de comida consumida cotidianamente, os ratos que viveram com luz durante o ciclo noturno engordaram mais que os outros

Os pesquisadores constataram que os ratos submetidos a uma luz fraca durante a noite por oito semanas tinha, ao final desse período, um índice de massa corporal cerca de 50% superior que ao daqueles que viveram um ciclo noturno normal.

Dos ratos submetidos a uma luminosidade constante durante a noite, mas com acesso à comida somente durante as horas normais do dia, nenhum ganhou peso.

Os roedores que puderam comer no momento em queriam durante o ciclo de 24 horas de luz contínua ganharam muito mais peso, apesar de, no total, não terem ingerido mais comida que os animais de grupo de observação.

Há algo na noite que, com a luz, faz com que os ratos comam em horas inadequadas, o que faz com que não metabolizem direito sua comida — explicou Randy Nelson, professor de neurologia e psicologia da Universidade de Ohio e co-autor do estudo.

Se estas observações se confirmarem nos humanos, leva a pensar que comer tarde da noite pode representar um risco particular de obesidade — acrescentou o professor.

sábado, 9 de outubro de 2010

O nascimento da saúde

O post de hoje é na verdade uma reportagem da Isto É dessa semana. Bastante interessante por abordar algo que muitos acreditam ser exagero de médicos que atuam na área de ortomolecular, ou até mesmo obstetras e pediatras com uma visão mais holística e integrativa do paciente.

Desde o segundo ano da graduação em medicina,  quando comecei a estudar ortomolecular, sempre me perguntei sobre o impacto da gestação na gênese de doenças futuras para o concepto. Ou seja, o papel de uma gravidez tranquila com o objetivo de se prevenir doenças.

Sou de uma família de 21 médicos, minha mãe tem duas irmãs obstetras e sempre que tocava no assunto com minhas tias, acabava  sendo motivo de chacota. Como se esses questionamentos fossem papo de acadêmico delirante, utópico, sem embasamento científico ainda... pois bem, agora a ciência  comprova o que muitos médicos (pediatras, obstetras) já sabem há bastante tempo.

Quando friso a questão do uso de orgânicos não é gratuitamente. Imaginem a seguinte situação: por MILHARES de anos fomos criados com um vasta exposição a substâncias naturais. De repente num prazo de 50 anos surgem mais de 5 mil substâncias sintéticas, sem estudos sobre os efeitos na saúde humana.

Agora imaginem uma gestante ao entrar em contato com tais substâncias. Ninguém sabe o real potencial teratogênico de agrotóxicos, adoçantes, conservantes, flavorizantes e etç... Portanto, não acredito que seja exagero solicitar a uma gestante que mantenha um ritmo de vida (hábitos de vida e alimentação) o mais natural possível durante a gestação, amamentação e porquê não posteriormente ?

Leiam a reportagem e tirem as suas conclusões.

Cordialmente,

Dr. Frederico Lobo

A medicina descobre que a gestação é decisiva para uma vida longa e livre de doenças. Nesse período, pode-se prevenir a depressão, o câncer, a obesidade e até a diabetes

Prevenir doenças sempre foi um dos principais objetivos da medicina. O mais recente avanço nesse sentido é a descoberta, por meio de diversos estudos realizados em todo o mundo, de que as sementes da saúde e da doença são plantadas em uma fase ainda mais precoce do que se imaginava: antes do nascimento, ainda durante a vida intra-uterina.

Os cientistas estão cada vez mais convencidos de que os nove meses de gestação são decisivos para a saúde do indivíduo durante toda a sua vida. “A mãe deve ser entendida como o primeiro ambiente ecológico da criança”, considera o ginecologista e obstetra Eliezer Berenstein, um dos autores do livro “Gerar e Nascer”. “Na gravidez, toda a história física e emocional do bebê estará sendo construída e será influenciada por aquilo que a mãe come, por exemplo, e por seu comportamento emocional durante a gestação”, afirma o ginecologista Márcio Coslovsky, especialista em reprodução humana da Clínica Huntington, do Rio de Janeiro.

De fato, as pesquisas já demonstram, entre outras coisas, como doenças infecciosas da mãe, seus níveis de estresse, a qualidade de sua alimentação e até do ar que ela respira podem contribuir para que a criança venha a desenvolver, na infância ou na vida adulta, problemas cardíacos, alergias, asma, obesidade, câncer e outras enfermidades.


Uma das doenças nas quais esta relação encontra-se muito bem estabelecida é a diabetes. Se a mãe for diabética e não controlar a doença durante a gestação, a chance de dar à luz uma criança também portadora é muito alta.

Um dos trabalhos mais exemplares a provar essa conexão foi o realizado pela epidemiologista Dana Dabelea, da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, com índios pima americanos. Essa população registra os maiores índices de diabetes tipo 2 (associada ao estilo de vida) do planeta.

Ao examinar a incidência da doença nas crianças pima com mais de 10 anos, os pesquisadores verificaram que, além da genética, outro fator contribuía para elevar os riscos de elas manifestarem a diabetes. “Trata-se da exposição, antes do nascimento, a altas taxas de açúcar no sangue da mãe”, disse Dana à ISTOÉ.



O esforço, agora, é entender por que isso acontece. Uma pesquisa da Universidade do Alabama (EUA) jogou luz sobre o assunto. “Essas crianças são mais propensas a ter baixa sensibilidade à ação da insulina, um conhecido fator de risco para a doença”, disse à ISTOÉ Paula Chandler-Laney, autora do estudo.

A insulina é o hormônio que permite a saída do açúcar do sangue e sua entrada nas células. Se o indivíduo manifestar resis­tência ao seu funcionamento, ela não agirá corretamente. O resul­tado é que haverá mais glicose na circulação sanguínea, caracteri­zando a diabetes. Mas por que o feto desenvolveria essa resistência? “A maior quantidade de açúcar que está no sangue da mãe dia­bética atravessa a placenta”, explica o médico Ivan Ferraz, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes. “E isso obriga o pâncreas do bebê a produzir mais insulina para manter o equilíbrio. Como resposta ao excesso da substância, o corpo se torna menos sensível à ação do hormônio”, complementa a americana Paula.

No caso da tendência à obesidade, a confirmação de que ela pode ser adquirida dentro do útero também vem de diversos e consistentes trabalhos. O pesquisador John Kral, da Suny Downstate Medical Center, de Nova York, por exemplo, comparou o peso de adolescentes nascidos de mulheres que engordaram muito durante a gestação com o de seus irmãos, gerados após suas mães terem se submetido a cirurgias bariátricas. O resultado foi impressionante. “Vimos que os irmãos tinham herdado os genes da obesidade, porém a taxa de obesos entre os que nasceram após as mães terem feito a cirurgia para perda de peso foi 52% menor”, disse Kral à ISTOÉ. Ele e sua equipe agora investigam os mecanismos intrauterinos atuantes nestes casos. “Uma hipótese é a de que a nutrição exagerada alteraria a função de alguns genes do feto”, diz o especialista.



O excesso de peso materno também pode estar relacionado ao aumento de risco de a criança tornar-se mais vulnerável à alergia, à asma e a doenças neurodegenerativas, como doença de Alzheimer e doença de Parkinson. Essa indicação foi dada por pesquisas com animais feitas na Duke University (EUA).

“Nossa esperança é de que estes dados levem as mães a considerarem as consequências do que ingerem não apenas para a própria saúde, mas para a saúde dos filhos e, potencialmente, até dos netos”, afirmou Staci Bilbo, do Departamento de Psicologia e Neurociência da instituição americana e participante do trabalho. “Hoje se estima que a boa alimentação da mãe afeta não apenas o filho como as próximas duas gerações”, diz a nutricionista funcional Patrícia Davidson, do Rio de Janeiro. Diante dessas evidências, os médicos começam a ressaltar a importância do emagrecimento para a mulher que deseja ter filhos e que está acima do peso.

“A indicação para essas mulheres é fazer a cirurgia bariátrica pelo menos um ano antes de engravidar”, afirma Thomas Szego, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.

Se o acúmulo de peso é um problema para a criança, o inverso também é verdadeiro. Bebês nascidos com baixo peso têm, por exemplo, um maior risco de apresentar doenças cardíacas na idade adulta. “Essa relação está comprovada”, disse à ISTOÉ a epidemiologista Janet Rich-Edwards, do Women’s Brigham Hospital, em Boston, nos EUA. E o que as pesquisas estão demonstrando é que várias das causas para o nascimento de crianças com peso abaixo do normal estão relacionadas às condições da mãe.

Fumo e depressão não tratada na gravidez, por exemplo, podem resultar em bebês magros demais. Outra razão é a adoção de uma dieta pobre em nutrientes importantes. Quando isso acontece, o feto deixa de receber ingredientes necessários à formação correta dos tecidos. A consequência é que acabam sendo priorizados o desenvolvimento de alguns órgãos, como o cérebro, em detrimento de outros.

Sabe-se também que a alimentação materna pode ter impacto na chance de a criança vir a desenvolver câncer. “Dependendo de sua qualidade, a nutrição da mãe pode produzir células geneticamente instáveis e propensas à doença”, disse à ISTOÉ David Barker, da Universidade de Southampton, na Inglaterra. Um dos principais vilões, neste caso, são os embutidos. “Eles apresentam em sua composição uma substância carcinogênica que pode atuar sobre o feto”, explica a nutricionista Elaine de Pádua, de São Paulo.

Porém, o risco para o bebê não está apenas na dieta equivocada. Se a gestante fumar, usar drogas ou tomar antibióticos inadequados, também deixará o feto mais vulnerável à enfermidade. “E há evidências de que a exposição da grávida a inseticidas aumenta as chances de tumores renais”, afirma a oncopediatra Viviane Sonaglio, do Hospital do Câncer de São Paulo.




Presente no cotidiano da maioria dos moradores das grandes cidades, a poluição é considerada um dos maiores inimigos da evolução saudável dos fetos no ambiente uterino. Diversos trabalhos feitos pela equipe do Children’s Environmental Health, da Universidade Colúmbia, nos EUA, mostram que, além de aumentar os riscos de câncer de modo geral, os poluentes emitidos pela queima de combustíveis por veículos, pesticidas ou pelo fumo passivo estão ligados a problemas de desenvolvimento do raciocínio dos pequenos.

Uma investigação feita com crianças de 3 anos de idade, nascidas de mães expostas a constante poluição atmosférica, indicou atraso em funções cerebrais como a compreensão dos tamanhos, a habilidade para fazer contas e a identificação de padrões bastante simples. “Esses resultados têm se repetido nos estudos em andamento em vários países”, disse à ISTOÉ Julia Vishnevetsky, coordenadora do centro de pesquisa da instituição americana. “As crianças que já manifestam algum déficit de cognição originado quando ainda estavam no útero da mãe poderão ter pior desempenho escolar quando forem mais velhas, se nada for feito. Mas os danos podem ser revertidos se houver uma intervenção precoce”, diz a especialista.



Outro fator comum ao estilo de vida atual e extremamente nocivo é o estresse. Há indicativos de que ele seja capaz de produzir sequelas físicas e mentais no ser em formação. Um exemplo é aumentar a predisposição do bebê à asma, como atestou um estudo americano feito com 557 famílias. Os cientistas analisaram o cordão umbilical dos filhos das mulheres submetidas a tensão intensa e contínua com o das crianças geradas por mães mais tranquilas. “Vimos diferenças importantes na produção de substâncias associadas ao risco de asma na vida adulta”, disse Rosalind Wright, uma das autoras da pesquisa. “Nos bebês gerados por mães estressadas, a chance de surgimento da doença era muito maior”, disse a estudiosa.

Tão forte quanto isso é o impacto do estresse da mãe na formação de toda a rede de neurônios do bebê. “As experiências emocionais da mulher durante a gestação ajudam a moldar a arquitetura do cérebro do bebê. Isso, a longo prazo, vai afetar a capacidade de aprendizagem, o comportamento e a saúde mental da criança”, considera a psicóloga Maria Tereza Maldonado, autora do livro “Nós Estamos Grávidos”.

Um dos assuntos que mais interessam aos pesquisadores nessa área de investigação é entender melhor como o estresse materno pode predispor o bebê a maior chance de vir a sofrer de depressão quando adulto – situação que começa a ser apontada em alguns trabalhos. Um deles foi realizado, em animais, na Escola de Farmácia da Hebrew University of Jerusalem. Nos seus experimentos, os cientistas observaram que as cobaias submetidas a ambientes estressantes (ouviam sons irritantes em períodos alternados) tiveram filhotes que, quando adultos, demonstraram alguns prejuízos importantes: tinham debilitada sua capacidade de aprendizado e de memória, apresentavam menor habilidade de lidar com situações adversas e manifestavam sintomas de ansiedade e de depressão.

Na Inglaterra, pesquisadores do Imperial College of London chegaram inclusive a montar, no ano passado, uma exposição dirigida a pais para informá-los sobre a conexão. O objetivo era deixar bem claro que o estresse da gestante pode ter um impacto tão sério a ponto de alterar o desenvolvimento cerebral da criança, deixando-a suscetível à enfermidade.



No entanto, muita coisa ainda precisa ser descoberta sobre como se dá esse tipo de interação. Parte da resposta estaria na exposição do feto aos hormônios desbalanceados da mãe. Sob condições de tensão constante, todos nós produzimos quantidades excessivas do hormônio cortisol, inclusive a gestante. E o excedente passaria através da placenta e chegaria ao feto, provocando mudanças na sua rede neuronal que podem estar associadas ao surgimento da depressão na vida adulta.

Todas essas descobertas têm reforçado a importância do pré-natal como um período fundamental para garantir a saúde futura do bebê que está sendo gerado. De acordo com o ginecologista Nilson Melo, presidente da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, o mínimo necessário são sete consultas, distribuídas do primeiro ao nono mês. “É o melhor investimento na dupla mamãe-bebê e na saúde das fu­turas gerações”, diz o especialista.

Fonte: Revista ISTOÉ