quarta-feira, 28 de julho de 2010

Antioxidantes

Muito tem-se falado na mídia sobre alimentos funcionais e suas propriedades antioxidantes. Mas afinal o que um alimento que contém Antioxidante?

Para responder à esta pergunta, faz-se necessário compreender primeiramente o que é a Oxidologia. A oxidologia é o ramo da ciência que estuda a formação dos radicais livres, seus efeitos no organismo e o modo de eliminá-los.

Mas afinal, quem são os radicais livres?

Radicais livres são moléculas ou átomos (toda a matéria é formada por átomos) com um número ímpar de elétrons (elétron livres ou também denominados de elétrons desemparelhados). Tal elétron livre tornará o radical livre altamente reativo e com isso ele poderá reagir entre si, visando tornar o número de elétrons par, ou seja, emparelhar o elétron, torna-lo mais ESTÁVEL.

No nosso organismo, a todo instante são formados radicais livres. São produzidos por inúmeros tipos de células durante o processo de combustão do oxigênio, utilizado para converter os nutrientes dos alimentos absorvidos em energia.

Como são reativos (precisam emparelhar seus elétrons livres) podem danificar (oxidar) células sadias do nosso corpo, ocasionando lesão de células/tecidos, com isso surgindo inúmera doenças.  Os principais radicais livres são: Hidroxila, Superóxido, Peróxido de hidrogênio, Oxigênio Singlet, Peroxila, Alcoxila.

Mas nesta batalha, não estamos desprovidos de defesas, o nosso sábio organismo possui um sistema de enzimas protetoras (antioxidantes) que REPARAM uma grande parcela dos danos causados pela oxidação, ou seja, nosso organismo consegue controlar a quantidade desses radicais livres produzidos através de nosso metabolismo.

Falamos sobre um processo endógeno de formação de radicais livres, ou seja, processos metabólicos como fonte de geração dos mesmos. Porém, fatores externos podem contribuir para o aumento da formação de radicais livres. Entre esses fatores temos:

1) Poluição ambiental;
2) Raio-X e radiação ultravioleta;
3) Radiação eletromagnética;
4) Tabagismo;
5) Álcool;
6) Agrotóxicos;
7) Substâncias presentes em alimentos e bebidas (aditivos químicos, conservantes, hormônios)
8)Estresse;
9) Consumo de alimentos pró-oxidantes como gorduras saturadas;

Tais fatores além de favorecerem a formação de diversos tipos de radicais livres (com reatividade variável), podem induzir a:
1) Peroxidação lipídica da membrana celular;
2) Ligações covalentes de múltiplos metabólitos reativos;
3) Depleção e/ou alteração de Antioxidantes endógenos (naturais) como o Glutation;
4) Alterações de potencial na membrana mitocondrial;
5) Alterações na homeostase do Cálcio intracelular
6) Danos ao DNA e favorecendo surgimento de diversos tipos de cânceres.

O sistema antioxidante é dividido em 2 grupos:

1) Sistema antioxidante endógeno (produzido pelo organismo)
2) Sistema antioxidante exógeno (adquirido pela ingestão de nutrientes antioxidantes ou introdução intravenosa de antioxidantes).



Estes antioxidantes agirão da seguinte maneira: 1) Reagindo com o radical livre e formando oxigênio (oxidação);  2) Reagindo com o radical livre e formando água (H2O - redução)
Quando há um desequilíbrio entre a produção radicais livres e a sua antioxidação denominamos de Estresse oxidativo. Sendo que este pode decorrer devido 2 situações:

1) Produção excessiva de radicais livres (ex.: fumantes, pessoas que dormem pouco, que são estressados mentalmente e emocionalmente, pessoas expostas à produtos tóxicos);
OU
2) Porque não estamos produzindo, ingerindo e absorvendo os antioxidantes (ex.: alcoólatras, pessoas que se alimentam mal, não comem verduras, não bebem água, ingerem muitas toxinas, não ingerem fibras etc.).

Temos então alguns Sistemas de proteção contra radicais livres e cada um agirá de maneira individualizada, de acordo com a sua morfologia (constituição bioquímica), local de produção e capacidade antioxidante:

1) Sistema Enzimático: Faz parte do Sistema antioxidante endógeno, age elminando os Radicais livres e espécies reativas de oxigênio (ROS) antes que estes ataquem os componentes biológicos. Ex: Superóxido dismutase (SODc - citoplasmática e SODm - mitocondrial), catalase, glutation peroxidase.

2) Pequenas moléculas advindas da nossa alimentação ou do próprio sistema antioxidante endógeno: Atuam como quelantes,interferindo nos estágios iniciais de propagação . Ex:Vit. C, E,Selênio, Ácido alfa lipóico, DMSO.

3) Antioxidantes ocasionais: Sacrificam sua integridade molecular e funcional bloqueando os radicais livres. Ex:  Ômega 3, 6 9, enzimas com grupo SH (sulfidrilas).


Linhas de defesa contra radicais livres


Antioxidantes e local de ação


É importante salientar que estes antioxidantes muitas vezes não agem de forma isolada, cada um fazendo seu papel. Existe um Sistema, chamado Sistema REDOX no qual um interfere re-utilização do outro. Eles se "regeneram" mutuamente.



A seguir serão listados os principais antioxidantes e outras vitaminas e minerais que são antioxidantes indiretos:

Vitamina C

Vitamina lipossolúvel, age bem em meio aquoso. O ácido ascórbico é um excelente agente redutor (doador de elétrons), reduzindo Ferro ³+ (férrico) a Ferro²+(ferroso). Reage rapidamente com O2¯ (radical livre superóxido) e OH° (radical livre hidroxila) formando semidehidroascorbato e assim evitando ações deletérias destes radicais livres. Detoxifica vários radicais orgânicos por redução.
Tem importante papel na cicatrização, aumenta a resistência às infecções, potencializa a absorção de ferro.
É fundamental para a formação de colágeno, principal componente das articulções, pele.
São fontes de vitamina C: frutas cítricas, vegetais folhosos, legumes.
Sua deficiência provoca Escorbuto, uma doença caracterizada por feridas que não cicatrizam, gengivas que sangram, pele áspera e atrofia muscular.

Vitamina E

Vitamina Lipossolúvel, agindo bem em meio lipídico. Existem 8 isômeros da vitamina E, 4 tocoferóis e 4 tocotrienóis, sendo o alfa-tocoferol o mais conhecido e com maior potência antioxidante. É o mais importante destruidor de radicais livres em meio lipídico (principalmente na membrana celular, evitando a peroxidação lipídica). Reage contra os radicais peroxil e alcoxil.
É um excelente antioxidante por agir bem em membrana celular, com isso previne danos celulares. Mantém a integridade da pele.
São fontes de vitamina E: gérmen de trigo, óleo de soja, de algodão, de milho, de girassol, gema de ovo, vegetais folhosos e legumes.

Vitamina A

Também denominada retinol e é facilmente transformada no corpo humano em ácido retinóico, que é a forma ativa. Este existe em duas formas principais: all-trans retinoic acid (ATRA, o mais importante) e 9-cis retinoic acid (9-cis RA). A maior parte das funções da vitamina A são realizada por seus receptores, que são fatores de transcrição da família de receptores nucleares. Por estes receptores, o ácido retinóico pode afetar quase todas as funções na célula humana. Sabendo isso, é simples entender porque a vitamina A deve ser consumida em quantidades normais. Essencial para visão, desenvolvimento dos ossos e formação da pele. Atua no sistema de defesa do organismo e no processo de reprodução.
São fontes de vitamina A: Óleo de fígado de bacalhau, carnes e alimentos ricos em betacaroteno como cenoura, batata doce, brócolis, espinafre, tomate, mamão, abóbora e melão.
Sua deficiência pode causar atraso no crescimento, cegueira noturna, manchas brancas nos olhos e lesões na pele.
Devido a toxicidade hepática, tem se preferido prescrever os precurssores da vitamina A (catorenóides). Carotenóide é qualquer substância química de um grupo de substâncias tetraterpênicas relacionadas ao caroteno, que são pigmentos amplamente difundidos na natureza. Caracterizam-se por apresentar moléculas oxidáveis, exibir cores que vão do amarelo ao vermelho, ser lipossolúveis, encontradiças em vegetais. Dividem-se em carotenos e xantofilas. Sendo que os carotenos diferente das xantofilas, não possuem oxigênio na sua fórmula química. O Beta-caroteno é o mais conhecido e estudo entre os carotenóides, sabe-se que ele é eficiente contra a peroxidação lipídica,através de um processo de "quenching” (saciedade) dos RL,especialmente Oxigênio “singlet”. Sua eficácia na varredura parece ser devido à presença de duplas ligações em sua longa cadeia.
Glutation (GSH)

Glutationa, glutationo ou glutatião (γ-glutamilcisteinilglicina) é um antioxidante hidrossolúvel, reconhecido como o tiol não-protéico mais importante nos sistemas vivos. Trata-se de um tripéptido linear, constituído por três aminoácidos: ácido glutâmico, cisteína e glicina, sendo o grupo tiol da cisteína o local activo responsável pelas suas propriedades bioquímicas. Existe, na maioria das células (com maior concentração no fígado). Pode encontrar-se na forma reduzida (GSH) ou oxidada (GSSG, forma dimerizada da GSH). A importância deste par é tal que a razão GSH/GSSG é normalmente utilizada para estimar o estado redox dos sistemas biológicos. É um marcador da saúde celular. Sua queda. indica lesão oxidante. É muito versátil, reduzindo H2O2,Superóxido e Hidroxila,além de anular os danos provocados pelos Peróxidos. Além disso tem importantíssima ação na metabolização de xenobióticos como co-factor da glutationa-S-transferase.


Existem outros antioxidantes, sendo que a cada dia a ciência desvenda mais e mais novas substâncias com poder antioxidante.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Bisfenol-A(BPA): Ao contrário do que diz a Abiquim já existem estudos científicos dos riscos à saúde



Recentemente o MPF/SP instaurou inquérito para apurar riscos da substância bisfenol-A (BPA) à saúde, tendo em vista as crescentes preocupações mundiais com os reconhecidos riscos desta substância. Como não poderia deixar de ser, aAssociação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) imediatamente negou que os riscos existam.


Em entrevista a jornalista Daniel Mello, repórter da Agência Brasil, em 19/07/2010, o presidente da Abiquim, Nelson Pereira dos Reis,

…confirmou que dentro dos limites o Bisfenol não representa perigo. Segundo ele, mesmo com parte da substância pode se misturando ao alimento, se as normas de dosagem forem seguidas, a substância é eliminada rapidamente do organismo. “Ele é eficientemente metabolizado e excretado”, destacou.

A proibição do Bisfenol em alguns países se deve, de acordo com Pereira, a decisões políticas não embasadas em fatos científicos. “Não há nada cientificamente comprovado que o uso do Bisfenol A ofereça risco à saúde”.

A substância é utilizada, segundo ele, apenas em uma pequena parte dos produtos feitos de plástico. “O Bisfenol é utilizado na fabricação de policarbonados, o que perto do conjunto dos plásticos é uma parte muito pequena, perto de 1%.”

Apesar de garantir a segurança do produto, o presidente da Abiquim disse que “testes adicionais são bem-vindos”….

A declaração, meramente protocolar, não foi diversa do que seria de se esperar, principalmente considerando que a indústria química nunca foi uma militante da transparência e da verdade. Mas, neste caso, a distorção dos fatos pode ser uma ameaça à saúde pública.

O bisfenol-A (BPA) é tema recorrente nos meus textos como editor de ciências e, em razão disto, me darei ao trabalho de documentar vários estudos científicos dos riscos à saúde do BPA.

Vejamos:

A exposição aos níveis ambientais regulamentados para indústria química dos EUA, pela EPA, ainda no útero e/ou no início da vida pode causar danos de longa duração à função testicular, segundo um novo estudo realizado em animais. Os resultados foram apresentados segunda-feira na 92a Reunião Anual da Endocrine Society’s, realizada em San Diego.
O estudo foi apresentado por Benson Akingbemi, PhD, principal autor do estudo e um professor adjunto na Auburn (Ala.) University.

Na mesma reunião da Endocrine Society’s, foi apresentado um estudo do Prof. Evanthia Diamanti-Kandarakis, PhD, da University of Athens Medical School in Greece, segundo o qual mulheres com síndrome dos ovários policísticos (SOP), o desequilíbrio hormonal mais comum em mulheres em idade reprodutiva, podem ser mais vulneráveis à exposição ao BPA.
O estudo sugere que o BPA, um disruptor hormonal conhecido, é mais presente e associado com níveis mais altos de hormônios masculinos no sangue das mulheres com SOP, quando comparadas com mulheres saudáveis .

O estudo Bisphenol-A exposure in utero leads to epigenetic alterations in the developmental programming of uterine estrogen response], publicada na edição online da revista FASEB (http://www.fasebj.org), agrega mais dados de que os níveis considerados seguros, de exposição ao Bisfenol-A(BPA), não são efetivamente seguros. A pesquisa sugere que a exposição ao bisfenol A (BPA) durante a gestação leva a alterações epigenéticas que podem causar problemas de reprodução permanente na prole do sexo feminino. [in http://www.ecodebate.com.br/2010/03/01/a-exposicao-de-ratas-gravidas-ao-bisfenol-abpa-indica-que-a-contaminacao-pode-afetar-a-saude-da-prole-do-sexo-feminino/]
No estudo [Maternal Bisphenol A Exposure Promotes the Development of Experimental Asthma in Mouse Pups], pesquisadores expuseram ratas prenhas ao BPA, em dosagens proporcionais a uma mulher grávida, ao longo da gestação e do período de amamentação, identificando que a exposição aumentou o risco do desenvolvimento de asma. A pesquisa foi publicada na edição de fevereiro da revista Environmental Health Perspectives. [in http://www.ecodebate.com.br/2010/02/05/pesquisa-sugere-que-exposicao-de-gestantes-ao-bisfenol-abpa-aumenta-o-risco-de-asma-nas-criancas-por-henrique-cortez/ ]
Pesquisadores da Universidade de Exeter e Peninsula Medical School descobriram mais evidências de uma ligação entre a exposição ao bisfenol-A(BPA) e doença cardiovascular.
A pesquisa [Association of Urinary Bisphenol A Concentration with Heart Disease: Evidence from NHANES 2003/06] avaliou dados do estudo populacional NHANES 2005-2006, relativo aos EUA e seus resultados foram publicados pela revista online, PlosOne. [in http://www.ecodebate.com.br/2010/01/19/estudo-confirma-ligacao-do-bisfenol-abpa-a-doencas-cardiovasculares-em-adultos-por-henrique-cortez/ ]

De acordo com reportagem [BPA in the womb shows link to kids’ behavior] de Janet Raloff, na edição online do Science News, de 06/10/2009, as meninas que tiveram exposição pré-natal ao bisfenol-A (BPA), no início da gravidez, mostraram-se mais agressivas que os meninos, além de índices maiores de ansiedade. De acordo com o Science News, esta é a primeira pesquisa a associar a exposição a um contaminante ambiental aos problemas de comportamento diferenciado por gênero. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/10/09/exposicao-pre-natal-ao-bisfenol-abpa-e-relacionada-a-efeitos-comportamentais-adversos-nas-criancas-por-henrique-cortez/ ]
Em um estudo [Use of Polycarbonate Bottles and Urinary Bisphenol A Concentrations] da Harvard School of Public Health (HSPH) pesquisadores descobriram que os participantes que, ao longo de uma semana, beberam em garrafas de policarbonato , comumente usado garrafas plásticas e mamadeiras, apresentaram um aumento de dois terços da substância química bisfenol-A (BPA) na urina . [in http://www.ecodebate.com.br/2009/05/25/estudo-confirma-a-contaminacao-por-bisfenol-a-bpa-a-partir-de-garrafas-plasticas/ ]
Pesquisadores da Yale School of Medicine comprovaram que o bisfenol-A (BPA) pode afetar primatas, tendo observado que ele produziu danos neurológicos em macacos. É a primeira evidência de que o BPA pode afetar a saúde de primatas e, por consequência, também os humanos.
A pesquisa foi publicada na edição online da PNAS, Proceedings of the National Academy of Sciences. O estudo “Bisphenol A prevents the synaptogenic response to estradiol in hippocampus and prefrontal cortex of ovariectomized nonhuman primates“, publicado na revista online PNAS, 10.1073/pnas.0806139105, está disponível para acesso integral no formato HTML. Para acessar o estudo clique aqui. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/03/19/pesquisa-relaciona-o-bisfenol-a-bpa-a-danos-neurologicos/ ]

Estudo [State of the Evidence The Connection Between Breast Cancer and the Environment] sugere que produtos químicos encontrados em praticamente tudo, de pesticidas aos plásticos para produtos de higiene pessoal, ‘imitam’ ou alteram o hormônio estrógeno. Dentre estes produtos químicos destacam-se os controversos ftalatos e o bisfenol-A (BPA).
Os pesquisadores analisaram 400 estudos epidemiológicos e experimentais. De acordo com a pesquisa, a exposição a substâncias químicas comuns encontradas em garrafas plásticas de água, mamadeiras e embalagens de alimentos podem ser ligados ao desenvolvimento de câncer de mama, ao longo da expectativa de vida. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/02/20/nova-pesquisa-reafirma-a-relacao-entre-exposicao-quimica-e-cancer-de-mama/ ]

Uma nova pesquisa, [Oral Exposure to Bisphenol A Increases Dimethylbenzanthracene-Induced Mammary Cancer in Rats] realizada na Universidade do Alabama em Birmingham, agrega novas informações e preocupações sobre o aditivo plástico bisfenol-A, BPA , comumente usado em produtos de consumo, inclusive mamadeiras, garrafas de água e revestimentos de latas.
O Dr. Coral Lamartiniere, descacado toxicologista e cientista sênior no Comprehensive Cancer Center, da UAB, concluiu que os baixos níveis de bisfenol-A, BPA, administrado via oral em roedores, causou tumores e alterações genéticas compatíveis com fases iniciais de câncer. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/01/13/nova-pesquisa-reafirma-os-riscos-do-bisfenol-a-bpa-para-o-desenvolvimento-de-cancer-por-henrique-cortez/ ]

Frederick vom Saal, pesquisador da Divisão de Ciências Biológicas, da University of Missouri-Columbia, ao avaliar que o Canadá estuda proibir a utilização do BPA em produtos infantis, afirma que isto é um grande passo, mas não é o suficiente, porque o seu uso deve ser proibido integralmente. O Bisfenol A é, reconhecidamente, um disruptor do sistema hormonal e , em cobaias animai, já foi relacionado com o aumento do risco de desenvolvimento de câncer. Dados do Centers for Disease Control and Prevention mais de 90% dos norte-americano, com mais de 6 anos de idade, possuem algum grau de presença do BPA no organismo.
Vom Saal detaca que numerosos estudos com animais relacionam o BPA com disfunções sexuais, redução na contagem de esperma, feminização de macho e câncer de próstata. Ele afiram, ainda, que na pesquisa com animai não foram identificados níveis seguros de exposição ao Bifenol ª [in http://www.ecodebate.com.br/2008/09/20/pesquisador-afirma-que-nao-existem-niveis-seguros-de-exposicao-ao-bisfenol-a-bpa/ ]

Garrafas de plástico, quando aquecidas com água fervente, liberam químicos tóxicos bisfenol A (BPA), a uma taxa 55 vezes superior do que quando preenchidas com água temperatura em ambiente. É o que afirma um estudo realizado por pesquisadores da University of Cincinnati College of Medicine e publicado na revista Toxicology Letters.
Pesquisa publicada na revista Journal of the American Medical Association, JAMA, afirma que o BPA, utilizado em plásticos de garrafas e mamadeiras, está associado ao aumento dos casos de diabetes e problemas cardíacos. Pesquisadores da Exeter University, demonstraram que pessoas com altos níveis de BPA no organismo possuem alta probabilidade de desenvolver algumas doenças.
A pesquisa foi realizada utilizando dados dos EUA, coletados no National Health and Nutrition Examination Survey 2003-2004, com 1.455 adultos entre 18 e 74 anos. A concentração de BPA foi coletada em exames de urina.

Os cientistas identificaram que as pessoas com problemas cardiovasculares e diabetes possuíam maiores concentrações de Bisfenol A em suas urinas.

Para acessarem a íntegra do estudo “Association of Urinary Bisphenol A Concentration With Medical Disorders and Laboratory Abnormalities in Adults”, publicado no JAMA Vol. 300, No. 11, September 17, 2008, cliquem aqui.

Para acessarem o editorial do JAMA, na mesma edição, “Bisphenol A and Risk of Metabolic Disorders” cliquem aqui.

Há, portanto, informações e pesquisas mais do que suficientes para documentar os riscos do bisfenol-A (BPA) à saúde.

Os casos aqui relatados mostram que apenas a Abiquim convenientemente desconhece estes estudos.

Em nenhuma hipótese é aceitável que os interesses corporativos e o lucro possam significar quaisquer riscos à saúde

O MPF/SP está absolutamente correto e, quem sabe assim, a Anvisa, finalmente, proíba esta ‘bomba’ química em nosso país, apesar dos poderosos interesses aos quais a Abiquim representa.

Por Henrique Cortez, para o EcoDebate, 23/07/2010.


FONTE

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Amianto pode matar mais de 1 milhão no mundo até 2030.

Canadá exporta amianto das suas minas, mas proíbe uso do produto. Especialistas em saúde pública alertam para um grande aumento no número de mortes nas próximas duas décadas devido ao uso do amianto pela indústria da construção civil, sobretudo nos países em desenvolvimento.

Uma investigação conjunta da BBC e do Consórcio de Jornalistas Investigativos revelou que mais de 1 milhão de pessoas podem morrer até 2030 devido a doenças ligadas à substância.

Com um consumo de amianto 50 vezes maior do que os Estados Unidos, o Brasil é o quinto maior consumidor do produto em uma lista liderada por China, Índia e Rússia.

O amianto é uma fibra natural presente em minas. Barato e resistente ao calor e ao fogo, é misturado ao cimento para construção de telhas e pisos.

No entanto, a substância, cujo uso é proibido ou restrito em 52 países, solta fragmentos microscópicos no ar que podem provocar diversas doenças pulmonares quando inaladas, inclusive alguns tipos de câncer.

Amianto branco

A investigação conjunta do Consórcio de Jornalistas Investigativos e da BBC revelou que a produção de amianto continua na ordem de dois milhões de toneladas.

A indústria do amianto movimenta bilhões de dólares, sobretudo com exportações para países em desenvolvimento, onde as leis de proteção e a fiscalização são mais brandas.

Apesar da proibição e restrição ao uso, uma variação da substância conhecida como amianto branco é produzida e exportada para diversos países.

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), mesmo o amianto branco pode provocar câncer.

Alguns cientistas temem que a disseminação do amianto branco possa prolongar uma epidemia de doenças relacionadas à substância.

"Minha visão é de que os riscos são extremamente altos. Eles são tão altos quanto qualquer outra substância cancerígena que vimos, com exceção, talvez, do cigarro", afirma Vincent Cogliano, cientista da Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer da OMS.

Segundo a OMS, 125 milhões de pessoas convivem com amianto no trabalho. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que 100 mil trabalhadores morram por ano devido a doenças relacionadas ao amianto.

Nos Estados Unidos, a indústria da construção civil não usa mais nenhum tipo de amianto. No entanto, o número de mortes devido à substância está chegando ao ápice, devido ao longo período em que a doença ainda pode se manifestar.

No México, mais de 2 mil empresas usam o amianto em diversos produtos, como freios, aquecedores, tetos, canos e cabos. Mais de 8 mil trabalhadores têm contato direto com a substância.

Doença

O Canadá é um dos maiores produtores mundiais de amianto branco e exporta o produto, mas proíbe seu uso no país.

Na província de Quebec, Bernard Coulombe, que é proprietário de uma mina, afirma que o amianto branco exportado por ele é vendido "exclusivamente para consumidores finais que possuem os mesmos padrões de higiene industrial do Canadá". Ele afirma que sua indústria possui amparo legal para exportar o produto.

Não muito longe dali, a pintora amadora Janice Tomkins luta contra mesotelioma, uma doença rara ligada ao amianto. Ela acredita ter contraído a doença há vários anos devido à exposição ao amianto azul e marrom, variações hoje proibidas internacionalmente.

Ela luta para impedir que o governo do Quebec libere um financiamento de US$ 56 milhões para que a mina próxima a sua casa possa expandir a produção, de olho em mercados emergentes como a Índia.


Fonte

terça-feira, 20 de julho de 2010

Estudo confirma a contaminação por bisfenol-A (BPA) a partir de garrafas plásticas


A exposição ao BPA pode ter efeitos nocivos para a saúde.

[Por Henrique Cortez, do EcoDebate] Em num novo estudo [Use of Polycarbonate Bottles and Urinary Bisphenol A Concentrations] da Harvard School of Public Health (HSPH) pesquisadores descobriram que os participantes que, ao longo de uma semana, beberam em garrafas de policarbonato , comumente usado garrafas plásticas e mamadeiras, apresentaram um aumento de dois terços da substância química bisfenol-A (BPA) na urina .

A exposição ao BPA, utilizado na fabricação de policarbonato e outros plásticos, pode interferir com a reprodução e desenvolvimento e também tem sido associada com doenças cardiovasculares e diabetes em seres humanos. O estudo é o primeiro a demonstrar que beber em garrafas de policarbonato (em garrafas plásticas o policarbonato pode ser identificado pelo código de reciclagem número 7) aumenta o nível de BPA na urina.

Estudos anteriores já haviam demonstrado que ferver garrafas plásticas acelera a liberação de substâncias tóxicas, mas este novo estudo demonstra que isto também ocorre durante o consumo de líquidos frios.

Numerosos estudos têm mostrado que o BPA age como um disruptor endócrino, incluindo o início precoce da maturação sexual, desenvolvimento e tecidos alterados na organização da glândula mamária e diminuição da produção espermática. Pode ser mais prejudicial nas etapas de desenvolvimento precoce.

Os dados do estudo são particularmente preocupantes, considerando que as crianças e adolescentes são grandes consumidores de bebidas envasadas em garrafas de policarbonato. Crianças e adolescentes são especialmente sensíveis à desregulação endócrina potencialmente causada pelo BPA.

O Canadá proibiu o uso de BPA em mamadeiras em 2008 e alguns fabricantes de garrafas de policarbonato, sob pressão dos consumidores, estão, voluntariamente, eliminando a presença do bisfenol-A em seus produtos. Com a crescente evidência dos potenciais efeitos nocivos do BPA em humanos e diante da contaminação mesmo em bebidas frias, também torna-se necessário investigar o efeito do BPA em lactentes, em distúrbios reprodutivos e no desenvolvimento do câncer de mama em adultos.

O estudo “Use of Polycarbonate Bottles and Urinary Bisphenol A Concentrations” foi publicado no Environmental Health Perspectives e está disponível para acesso integral no formato PDF. Para acessar o artigo clique aqui.

Use of Polycarbonate Bottles and Urinary Bisphenol A Concentrations. Carwile et al.
Environmental Health Perspectives, May 12, 2009; DOI: 10.1289/ehp.0900604
Todd Datz, Harvard School of Public Health


FONTE
Quem quiser ler mais sobre BPA, o ECODEBATE tem uma lista de tópicos sobre o tema.